Hospital

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Fachada do Hospital-maternidade Mater Dei, em Belo Horizonte.

Hospital ou nosocômio [1] é um local destinado ao atendimento de doentes, para proporcionar o diagnóstico, que pode ser de vários tipos (laboratorial, clínico, cinesiológico-funcional) e o tratamento necessário. Documenta-se o vocábulo português "hospital" no século XVI talvez por influência do francês "hôpital" do século XII derivados da forma culta do latim "hospitale" relativo a hospede, hospitalidade, adjetivo neutro substantivado de "hospitalis (domus) - (casa) que hospeda.[2]

Historicamente, os hospitais surgiram como lugares de acolhida de doentes e peregrinos, durante a Idade Média. A denominação "Hotel-Dieu", que foi empregada para um conjunto de instituições francesas do século VII, já traz em si a noção de hospedagem e o caráter religioso que caracterizou a origem dessa instituição na Europa.[3] [4] Acredita-se que o 1º "Hotel-Dieu" foi fundado em Paris nos anos 651 ou 829 (reconstruído ?) de nossa era. Rosen (o.c.)

Actualmente há diferenciação entre hospitais públicos e privados de grande e de médio porte a depender da sua entidade mantenedora e do número de leitos que oferecem. Os hospitais públicos por sua vez podem ser regionais e locais de acordo com a área de abrangência da população a ser assistida, são financiados e mantidos pelo Estado, sendo o custo menor para os doentes em comparação com os hospitais privados. No Brasil graças à concepção do Sistema Único de Saúde - SUS é completamente gratuito.

Os hospitais também podem ser classificados pelo tipo de serviços que prestam: cirurgias gerais e especializadas, acompanhamento de eventos naturais como o parto (maternidade), o envelhecimento (Asilos e hospitais geriátricos) ou ao caráter de urgência / emergência da demanda. Assim sendo hospital pode se constituir como de caráter específico, acompanhando as divisões da especialidade médica por sexo, idade e/ou por atenção à patologias específicas (hospital do câncer, hospital psiquiátrico, de oftalmologia etc.) ou constituir-se como um hospital geral.

Sala de ressuscitação após intervenção de trauma, mostrando os modernos equipamentos de hospitais.

Departamentos[editar | editar código-fonte]

Trabalham em hospital profissionais de limpeza, administração, diretoria, recepção, e principalmente profissionais de saúde, como Nutricionistas, médicos, cirurgiões-dentistas, enfermeiros, fisioterapeutas, etc. O planejamento dos serviços a ser oferecidos e o estudo da relação da unidade hospitalar com as demais unidades de saúde é realizado por profissionais de saúde pública e autoridades sanitárias governamentais, política e juridicamente constituídas.

Os principais departamentos de um hospital são o seu corpo clínico (diretoria médica) e o serviço de arquivo médio e estatística (SAME); o setor administrativo de manutenção e o setor financeiro. Num "Hospital Geral" os serviços oferecidos variam muito e também os departamentos que esses possuem. Eles podem ter serviços de atendimento à casos graves, tais como departamento de emergência, centro de trauma, unidade de queimados, cirurgia de emergência ou atendimento de urgência. Esses podem ser apoiados por unidades especialistas, tal como cardiologia, terapia intensiva, neurologia, ginecologia e obstetrícia e oncologia.

Também existem as unidades de suporte, que auxiliam no tratamento e no diagnóstico médico. As mais comuns são farmácia, patologia e radiologia ou bioimagem.

História (linha do tempo)[editar | editar código-fonte]

Para Foucault [5] o hospital como instrumento terapêutico é uma invenção relativamente nova, que data o final do século XVIII. Segundo ele a consciência de que o hospital pode e deve ser um instrumento destinado a curar aparece claramente em torno de 1780, diversos estudiosos e filantropos dessa época como o inglês John Howard (1726–1790) conhecido como o reformador das prisões e o médico francês Jacques-René Tenon (1724 - 1816) que em 1788 publicou o Tenon “Mémoire sur les Hôpitaux de Paris” (Memórias sobre os Hospitais de Paris) a pedido da “Academia de Ciências” no momento em que se colocava o problema da reconstrução do Hotel-Dieu de Paris. Foram realizadas visitas inquéritos e feitas comparações que determinam reformas e construções dos hospitais.

A tarefa de descrever a origem do hospital que conhecemos ou a reconstrução sociológica da história dos hospitais, requer uma análise das condições políticas, econômicas e culturais da estrutura social, dos sistemas de valores, da organização da cidade, em relação às condições e necessidades da população nos diversos períodos históricos. Essencialmente nem tudo que foi chamado de hospital corresponde ao que conhecemos hoje. Rosem (o.c. p. 280), por exemplo, nos explica que o termo hospital na frança do século XVIII possuía uma conotação mais vasta, designava uma série de instituições caritativas criadas para atender os necessitados fossem eles, doentes, inválidos ou dependentes. Uns se constituíam como algo próximo aos hospitais que conhecemos, outros, aos asilos.

Foucault (o.c.) assinala ainda que, poder-se-ia dizer também que há milênios existem instituições (hospitais) destinadas à cura e que o que ocorreu no século XVIII foi a constatação de que os hospitais não curavam tão bem quando deviam. Considera ainda a existência dos hospitais marítimos e militares destinados, do ponto de vista da saúde a controlar epidemias (com medidas tipo quarentena) e assegurar a manutenção da corporação.

Feito essas considerações observe-se a relevância ou aproximação relativa de instituições em diversas épocas e culturas ao nosso objeto de estudo, o hospital nessa possível linha de evolução:

Vista do Askleipion'de Cós, um dos melhores preservados dessa época.

- Grécia antiga 1200 – 400 aC. Nos “Templos” ou “Clínicas” de Esculápio (de Asclépio) - (Grego: Ασκληπιεία) O atendimento individual ao cidadão grego com ervas, repouso, purgantes, banhos térmicos, rituais religiosos tipo consulta à oráculos, indução de sonhos reveladores, ("enkoimesis" - Grego: ενκοίμησις) etc. e atividades de lazer (“kátharsis”) / educação em teatro, realizados em construções (Anfiteatros) anexas às clínicas – “Iatreion” (lugar dos médicos – “Iatros”)

As Iatreion estavam no centro da cidade, com camas para doentes e banheiros, possuindo boa ventilação, iluminação, aparentemente cuidados destinados à evitar a contaminação. Pode ser considerada como um antecedente do ambulatório (?). Dessa época sobreviveu também o termo “Cline” (do grego κλίνη – cama, origem dos termo clínico, clínica médica), e terapeutas (Médicos, do grego terapia θεραπεία - "servir a deus" - Asclépio). Pacientes curados, faziam doações denomindadas “Taxas”.

- 160 a.C. – Nesse período na China sob a dinastia Han a medicina possuía um caráter de serviço público, segundo as “Memórias Históricas” teriam existido hospitais ou estabelecimentos análogos e os médicos da corte procediam exames sistemáticos no pessoal do palácio e tornavam-se com freqüência funcionários ou escreviam sobre medicina. A partir do ano 624 os estudos médicos foram sancionados por exames sob autoridade do T’ai-yi-chou (grande serviço médico) se constituindo como o mais antigo exemplo do controle do estado sobre a medicina.[6]

- Hipócrates (em grego, Ἱπποκράτης) — (Cós, 460–Tessália, 377 a.C.) introduz princípios de racionalidade médica e ética (legando os textos conhecidos como “Corpus Hipocraticus”) até hoje tido como referências (ver: Juramento de Hipócrates) mas não parece ter modificado a forma das instituições existentes.

- Roma (Império Romano - 27 a.C. – 476 d.C.) das referências aos hospitais da antigüidade apenas o "Valetudinarium", instituição romana destinada ao tratamento e recuperação das tropas, durante o período de expansão do império não tem origem religiosa, ou pelo menos no princípio. Posteriormente, nesse mesmo império, entre os séculos I e II a.C., registram-se, pois, instituições análogas destinadas aos escravos. Registra-se também nesse período e a permanência das instituições (templos?) e casas de banho sobreviventes do mundo grego.[7]

- 129 A 199 dC, Galeno reafirma e desenvolve os princípios da medicina grega.

- Ano Zero Início da era cristã - Jesus Cristo é tido como um curandeiro, aumentando a concepção religiosa e espiritual da medicina, reafirmando os princípios éticos da caridade expresso nos textos bíblicos como “amor ao próximo”. A era dos milagres e expectativa de cura através de "auxílio divino" e penitências que desenvolveram-se a partir de então, tem várias interpretações, inclusive a de exacerbação da fé e rejeição ao racionalismo, típico da Idade Média considerada por alguns como a “idade das trevas”.

- 325 dC. Constantino I, também conhecido como Constantino Magno ou Constantino, o Grande (272 —337) em 317 é que passa a adotar declarado e oficialmente lemas e símbolos cristãos e em 325 publica o édito que proibia as “casas de banho” e templos pagãos. (Enciclopédia Mirador (o.c.)

- Século IV dC, São criados os hospitais budistas da Índia.

- 370 dC Funda-se o primeiro hospital em Cesaréia construído após proclamação de édito cristão, considerando-se seguindo a doutrina de Jesus Cristo.

- 370 A 379 dC Basílio, o Grande (São basílo Magno), institui como norma a criação de hospitais como “sistema sanitários”, tendo o hospital de Roma como referência. Multiplicam-se os hospitais dos primeiros séculos da era cristã, juntamente com as numerosas ordens religiosas associadas, que sobreviveram por mais de 1500 anos.

- 475 - 476 dC Rómulo Augusto cria por édito as "xenodoquias" (do grego Xenos – Estrangeiro dochion- alojamento) para hospedagem dos forasteiros e participantes das típica vias de peregrinação dessa época (ver: o Caminho de São Tiago).

Igreja Notre-Dame de Paris, vendo-se à a direita, o antigo Hotel-Dieu

- ~ 650-656. Construção do Hotel-Dieu em Paris, sob a direção do Bispo de São Landry.

- Séc. XV. Início do processo de separação do hospital medieval em duas instituições distintas: o hospital sensu stricto para o cuidado dos pacientes e a instituição de caridade, geralmente associada à recolha de órfãos, abrigos ou casas para os pobres [8]

- Séc. XV. O “Quattrocento Italiano”, no contexto de transformações da cidade-estado e suas instituições de bem-estar, surge uma nova arquitetura e tipologia do hospital, que o distanciou das instituições medievais. Um símbolo desta reforma é a utilização da cruz grega e formação de claustros nos espaços, o que permitiu a classificação e separação dos internos.[9]

- 1498 Decreto de D. Manuel I em Lisboa para criação da 1ª Santa Casa de Misericórdia em Portugal. modelo que se estende naquele pais e posteriormente na sua colônia do Brasil.[10]

Um médico visitando os enfermos em um hospital. Gravura alemã de 1682.

- Séc. XVI e XVII. Transformações dos leprosários medievais em hospitais gerais. O primeiro hospital no mundo muçulmano foram criados para tratar pacientes com hanseníase e isolá-los do resto da população, isso em torno do ano 700, o “Bimaristan” que foi fundado em Damasco durante o reinado do califa omíada Abd al-Malik [11] Antes dessa forma de organização, eram relativamente comuns, as “colônias” ou associações de auto ajuda entre leprosos banidos das cidades.

- Séc XVIII. Reconhecimento da importância da ventilação paradigma da aeração (miasmas - retorno ao conhecimento grego hipocrático da relação das enfermidades, dos lugares com os ares e as águas). Se caracterizam as soluções arquitetônicas com tipologia própria (Lazaretos pabellonarios), um dos princípios orientadores da reforma e reconstrução do novo Hôtel-Dieu de París, que incendiou em 1772.[12]

- 1789 A 1790. Durante os sangrentos acontecimentos da Revolução Francesa a ira popular tomou os hospitais que estavam sendo utilizados como prisões políticas. Posteriormente os hospitais tornaram-se um encargo da Administração Municipal e as ordens religiosas se limitaram ao serviço espiritual prestado aos doentes.

- 1822. Proclama-se na Espanha, a "Ley General de Beneficencia", base para a futura legislação do século XIX, é a etapa final da Beneficência sob a administração de Carlos III.[13]

1863. Henry Dunant inicia o movimento em Genebra que resultou no Comitê Internacional da Cruz Vermelha para proteger a vida e a dignidade de vítimas de conflitos internacionais e internos.

- Princípios do século XIX. Serviços médicos de cuidados de emergência pré-hospitalar foi iniciado para recuperar o maior número possível de combatentes, as ordens de Napoleão Bonaparte, Dominique-Jean Larrey (1766-1842) usa o termo “triagem”, como um sistema de classificação para tratar os feridos no campo de batalha. Cria-se o transporte por ambulância e introduz-se os princípios da saúde militar moderna.

Revoluções da assepsia, higiene e anestesia[editar | editar código-fonte]

  • Louis Pasteur (1822 -1895) Início das explicações do contágio, bacteriologia e fabricação das vacinas.
  • Joseph Lister, (1827 —1912), o cirurgião e pesquisador inglês que iniciou uma nova era no campo da cirurgia em 1865, utilizando o ácido carbólico (fenol) como agente anti-séptico.
  • Philipp Semmelweis (1818 1865) demonstrando a validade da lavagem das mãos como profilaxia
  • Joseph Priestley (1733–1804) descoberta do óxido nitroso viabilizado para uso medico como anestésio e analgésico por Thomas Beddoes e James Watt, que publicaram o livro “Considerations on the Medical Use and on the Production of Factitious Airs” (1794)

Nessa perspectiva a história hospital é a sucessiva evolução e adaptação dos avanços da tecnologia médica. A microbiologia e história da higiene tem um valor especial para história do hospital porque até hoje as infecções hospitalares são um dos problemas dessa instituição.[14]

O hospital no sistema de saúde[editar | editar código-fonte]

- 1910. Publicação por Abraham Flexner (1866-1959) do estudo “Medical Education in the United States and Canada – A Report to the Carnegie Foundation for the Advancement of Teaching” conhecido como o Relatório Flexner (Flexner Report) considerado o grande responsável pela mais importante reforma das escolas médicas de todos os tempos nos Estados Unidos da América (EUA), com profundas implicações para a formação médica por suas recomendações à especialização e exigência na formação médica de um ciclo clínico de mais dois anos, realizado no hospital devidamente equipado com laboratórios e instalações adequadas.[15] [16]

- 1920. Além do avanço tecnológico e especialização dos hospital pode-se afirmar que as modernas discussões sobre o hopspital se iniciam com o relatório Dawson elaborado por Bertrand Edward Dawson, (1864 – 1945) que deu origem aos sistema médico inglês de 1948 que articula “centros de saúde” a hospitais (Novaes, 1990 o.c.) e tem sido considerado um dos primeiros documentos que sintetizaram um modo específico de pensar políticas públicas de saúde mediante a criação de Sistemas Nacionais. É comum a expressão modelo hospitalo-cêntrico em oposição a um modelo assistência que tem como centro a atenção primária, realizada em unidades elementares de saúde, como expressão de uma controvertida polêmica sobre a aplicação dos recursos da saúde pública.[17] [18] [19]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Dicionário online de português
  2. Mirador Internacional, Enciclopédia Verb. Hospital, V.11 (5855-5864) SP, Enciclopedia Britanica do Brasil, 1987
  3. OMS, Comité de Experts em Organizacion de la Assistência Médica. Funcion de los hospitales en los programas de protecion de la salud. Genebra,Série de informes tecnicos nº122, 1957
  4. Rosen, George. Da Polícia médica a Medicina Social. RJ, Ed. Graal, 1979
  5. Foucault Michel. O nascimento do hospital. in: Machado, Roberto (trad. e org.) Michael Foucault. Microfísica do poder. RJ, Graal, 1979
  6. Beau, Georges. A Medicina Chinesa. RJ, Ed. Interciencia 1982
  7. OMS, Comité de Experts em Organizacion de la Assistência Médica. (o.c)
  8. Reig, Mariano Peset. Historia de la Universidad de Valencia: El estudio general Google Books Jul. 2011
  9. Bonastra, Quim; Jori, Gerard. El uso de Google Earth para el estudio de la arquitectura hospitalaria (II): hospitales cruciformes, radiales y pabellonarios. Ar@cne Revista Electrónica de Recursos en Internet sobre Geografía y Ciencias Sociales. on-line Jul, 2011
  10. Souza, Luis Rodrigues. O problema hospitalar no Brasil, Novos rumos, novas soluções. RJ, CEBRAE, 1970
  11. Medieval Science, Technology, and Medicine: An Encyclopedia, par Thomas F. Glick, Steven John Livesey, sur Google books
  12. Bonastra , Quim. Los orígenes del lazareto pabellonario. la arquitectura cuarentenaria en el cambio del setecientos al ochocientos. Asclepio. Revista de Historia de la Medicina y de la Ciencia, 2008, vol. LX, nº 1, enero-junio, págs. 237-266, PDF Jul. 2011
  13. Galuche , Florentina Vidal. El impacto de la Ley General de Beneficencia de 1822 en Madrid. Revista de la Facultad de Geografía e Historia, núm. 1, 1987, págs. 41-56 PDF Jul. 2011
  14. Thorwald Jürgen. O século dos cirurgiões, conforme documentos de meu avô o cirurgião H. E. Hartmann. Curitiba, Pr, Hemus, 2001
  15. Pagliosa, Fernando Luiz; Da Ros, Marco Aurélio. O Relatório Flexner: Para o Bem e Para o Mal. Revista Brasileira de Educação Médica 492 32 (4) : 492–499; 2008 PDF Jul.2011
  16. 17 - Novaes H.M. Ações integradas nos Sistemas Locais de Saúde SILOS Experiências na America Latina. SP, PROHASA, 1990
  17. Organización Panamericana de la Salud/Organización Mundial de la Salud - OPAS/OMS. Informe sobre el futuro de los servicios de salud y afines, 1920. Washington (DC); 1964. (Publicación Cientifica, n. 93). apud: Campos, Gastão Wagner de Sousa. Reforma da Secretaria de Estado de São Paulo durante os anos 70 e o Sistema Único de Saúde (SUS). Rev. Saúde Pública vol.40 no.1 São Paulo Jan./Feb. 2006 PDF Jul. 2011
  18. Costa, Paulo Pedro P. R. O hospital e a saúde das populações, um estudo sobre as condições de vida e o Sistema Local de Saúde de Camaçari, Bahia, 1980 – 1990. UFBA - Universidade Federal da Bahia /Coordenação de Pós Graduação / SENAC - Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Monografia curso de especialização em administração hospitalar. Orientador: Lígia Maria Vieira da Silva. Salvador, Bahia, 1994
  19. Dawson Sir Bertrand. The future of the medical profession. (Cavendish Lecture). Lancet, 1918, ii, pp 83—5. apud: Rivett, Geoffrey The Development of the London Hospital System, 1823 - 1982 http://www.nhshistory.net/regions_&_districts.htm#The Dawson report Jul. 2011

Ver também[editar | editar código-fonte]

Centro de hemodiálise em Taiwan

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui multimídias sobre Hospital
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Hospital