Juramento de Hipócrates

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Juramento de Hipócrates
Manuscrito bizantino do século XI em que o juramento de Hipócrates está escrito em forma de cruz. Biblioteca Vaticana.
Manuscrito bizantino do século XI em que o juramento de Hipócrates está escrito em forma de cruz. Biblioteca Vaticana.
Criado século V a.C.
Ratificado 1983 pela Declaração de Genebra
Local  Grécia
Autores Hipócrates
Signatários Associações e conselhos médicos nacionais.
Propósito Juramento de praticar a medicina honestamente.
Hipócrates retratado por Peter Paul Rubens, 1638.

O Juramento de Hipócrates é um juramento solene efetuado pelos médicos, tradicionalmente por ocasião de sua formatura, no qual juram praticar a medicina honestamente.

De forma geral, acredita-se que o juramento tenha sido escrito por Hipócrates — amplamente considerado como o pai da medicina ocidental — ou por um dos seus alunos. O juramento original foi escrito em grego jónico (século V a.C.).

Existem duas versões do Juramento de Hipócrates: a original, escrita em Lausana em 1771, e uma outra, ratificada em 1948 pela Declaração de Genebra e posteriormente atualizada em 1968 e 1983[1], a qual vem sendo utilizada em vários países por se mostrar social e cientificamente mais próxima da atual realidade.[2]

Em Portugal[editar | editar código-fonte]

Em Portugal, o texto original de 1771 é o adotada pela Ordem dos Médicos daquele país.[3]

Versão de 1771[editar | editar código-fonte]

Texto do juramento[editar | editar código-fonte]

JURAMENTO DE HIPÓCRATES

Versão de 1983[editar | editar código-fonte]

A versão de 1983 é usada atualmente em Portugal no momento em que o clínico é admitido como Membro da Medica.

==== Texto do juramento

Prometo solenemente consagrar a minha vida ao serviço da Humanidade.

Darei aos meus Mestres o respeito e o reconhecimento que lhes são devidos.

Exercerei a minha arte com consciência e dignidade.

A Saúde do meu Doente será a minha primeira preocupação.

Mesmo após a morte do doente respeitarei os segredos que me tiver confiado.

Manterei por todos os meios ao meu alcance, a honra e as nobres tradições da profissão médica.

Os meus Colegas serão meus irmãos.

Não permitirei que considerações de religião, nacionalidade, raça, partido político, ou posição social se interponham entre o meu dever e o meu Doente.

Guardarei respeito absoluto pela Vida Humana desde o seu início, mesmo sob ameaça e não farei uso dos meus conhecimentos Médicos contra as leis da Humanidade.

Faço estas promessas solenemente, livremente e sob a minha honra. |FÓRMULA DE GENEBRA, adotado pela Associação Médica Mundial, em 1983.

No Brasil[editar | editar código-fonte]

No Brasil também se utilizam tanto o texto original quanto a versão atualizada pela Associação Médica Mundial, entre outros juramentos, a critério da instituição de ensino.

Versão de 1771[editar | editar código-fonte]

Esta é a versão adotada pelo Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (CRM-SP):[4]

Texto do juramento[editar | editar código-fonte]

Outras versões[editar | editar código-fonte]

Algumas outras versões também são utilizadas no Brasil; segue-se uma delas, adotada pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais:[5]

Texto do juramento[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. (em inglês) World Medical Association, Declaration of Geneva [Physician's Oath], reprinted in Encyclopedia of Bioethics 2646 (Warren Thomas Reich et al. eds., rev. ed. 1995). University of Minnesota, Human Rights Library.
  2. Reproduzido da Revista Paraense de Medicina, vol. 17(1):38-47, abril-junho de 2003. «Juramento de Hipócrates». Consultado em 22 de fevereiro de 2010 
  3. Ordem dos Médicos. «Juramento de Hipócrates». Consultado em 25 de setembro de 2013 
  4. Conselho Regional de Medicina do Estado São Paulo. «Juramento de Hipócrates». Consultado em 27 de setembro de 2009 
  5. Faculdade de Medicina da UFMG. «Juramento de Hipócrates» (PDF). Consultado em 2 de março de 2014 

Ver também[editar | editar código-fonte]