MATOPIBA

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde outubro de 2014).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Região do MATOPIBA
Delimitação do MATOPIBA proposta pelo GITE/Embrapa
Divisão Territorial
Estados 4 (3 parcialmente)
Mesorregiões 10 (4 parcialmente)
Microrregiões 31
Municípios 337
Área do MATOPIBA
Área 73.173.485 ha
População (Censo 2010)
Total 5.901.789
Urbana 3.854.561 (65,31%)
Rural 2.047.228 (34,69%)
Produto Interno Bruto do MATOPIBA (IBGE 2010)
PIB R$ 46.946.152.604,00
PIB per capita R$ 7.954,00
Estabelecimentos Agropecuários (Censo 2006)
Quantidade 324.326
Área 33.929.100 ha

A expressão MATOPIBA, também chamada de MAPITOBA,[1] resulta de um acrônimo formado com as iniciais dos estados do Maranhão,[2] Tocantins,[3] Piauí.[4] e Bahia[5] Ela designa uma extensão geográfica que recobre parcialmente os territórios dos quatro estados mencionados. Inicialmente conhecida por região do MAPITO, passou a englobar o oeste da Bahia, tornando-se assim, região do MATOPIBA..[6] Na última década, diversas transformações socioeconômicas ocorreram nessa região ligadas à ampliação da infraestrutura viária, logística e energética, tendo entre outras consequências o surgimento de polos de expansão da fronteira agrícola baseados na adoção de tecnologias agropecuárias de alta produtividade[7][8][9] Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE,[10] nesse território existem 324.326 estabelecimentos agrícolas que ocupam uma área de 33.929.100 ha.

A delimitação geográfica proposta[11] pelo Grupo de Inteligência Territorial Estratégica (GITE) e utilizada pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa e pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária - INCRA[12][13] para o MATOPIBA abrange 10 mesorregiões (4 parcialmente) e 31 microrregiões homogêneas do IBGE. Ela reúne 337 municípios e uma área total de 73.173.485 ha.

A repartição territorial aproximada do MATOPIBA entre os quatro Estados é a seguinte: 33% no Maranhão (15 microrregiões, 135 municípios, 23.982.346 ha); 38% no Tocantins (8 microrregiões, 139 municípios e 27.772.052 ha); 11% no Piauí (4 microrregiões, 13 municípios e 8.204.588 ha) e 18% na Bahia (4 microrregiões, 30 municípios e 13.214.499 ha).

Com base os dados do IBGE (Censo 2010,[14]) a população total do MATOPIBA era de 5.901.789 dos quais 3.854.561 viviam em áreas urbanas (65,31%) e 2.047.228 na área rural (34,69%). Em seis microrregiões homogêneas (Lençóis Maranhenses - MA, Baixo Parnaíba Maranhense - MA, Cotegipe - BA, Alto Mearim e Grajaú - MA, Bom Jesus da Lapa - BA e Santa Maria da Vitória - BA) a população rural ainda é maior que a população urbana em termos relativos (50% ou mais). O Produto Interno Bruto da região do MATOPIBA foi estimado, com base nos dados do IBGE[15] em R$ 53.406.473.507,00 o que define um PIB per capita de R$ 9.049,00. Sete microrregiões foram responsáveis por 50% do PIB da região, sendo Barreiras (BA) e Imperatriz (MA) as únicas com mais de 10% cada uma.

Projeções indicam que essa região, nova fronteira agrícola do país, deverá produzir 22,6 milhões de toneladas de grãos no ciclo 2023/2024 e uma área plantada de grãos entre 8,4 e 10,9 milhões de hectares ao final do período das projeções.[16][17] Na safra 2013/2014, MATOPIBA produziu 18,6 milhões de toneladas.

Imperatriz-MA e Barreiras-BA são as duas maiores cidades do interior do MATOPIBA. Juntas polarizam os municipios menores.

Divisões territoriais[editar | editar código-fonte]

São 10 as mesorregiões homogêneas do IBGE (4 parcialmente) que circunscrevem a região do MATOPIBA, com segue na Tabela 1.

São 31 as microrregiões homogêneas do IBGE que circunscrevem a região do MATOPIBA e estão listadas na Tabela 2.

São 337 os municípios do IBGE[18] que circunscrevem a região do MATOPIBA.

UF Mesorregião Microrregião Área* da Microrregião (ha) Municípios
MA Norte Maranhense Lençóis Maranhenses 1.084.292,89 6
Itapecuru Mirim 705.858,57 8
Oeste Maranhense Imperatriz 2.924.460,79 16
Centro Maranhense Médio Mearim 1.100.535,57 20
Alto Mearim e Grajaú 3.707.008,31 11
Presidente Dutra 655.721,35 11
Leste Maranhense Baixo Parnaíba Maranhense 651.554,13 6
Chapadinha 1.022.595,79 9
Codó 991.026,18 6
Coelho Neto 360.692,18 4
Caxias 1.532.989,58 6
Chapadas do Alto Itapecuru 2.494.633,29 13
Sul Maranhense Porto Franco 1.422.693,18 6
Gerais de Balsas 3.650.331,67 5
Chapadas das Mangabeiras 1.677.952,39 8
TO Ocidental do Tocantins Bico do Papagaio 1.576.795,88 25
Araguaína 2.643.960,41 17
Miracema do Tocantins 3.477.610,79 24
Rio Formoso 5.140.571,73 13
Gurupi 2.744.542,70 14
Oriental do Tocantins Porto Nacional 2.119.810,57 11
Jalapão 5.350.660,51 15
Dianópolis 4.718.099,49 20
PI Sudoeste Piauiense Alto Parnaíba Piauiense 2.548.521,38 4
Bertolínia 1.109.816,78 9
Alto Médio Gurguéia 2.760.895,75 11
Chapadas do Extremo Sul Piauiense 1.785.354,25 9
BA Extremo Oeste Baiano Barreiras 5.291.931,20 7
Cotegipe 2.300.238,33 8
Santa Maria da Vitória 4.069.286,99 9
Vale São-Franciscano da Bahia Bom Jesus da Lapa 1.553.041,98 6

Valores calculados utilizando a projeção cônica de Albers] – SIRGAS 2000.

Quadro natural[editar | editar código-fonte]

Geologia[editar | editar código-fonte]

O MATOPIBA está inserido em um contexto geológico onde predomina a ocorrência de rochas das bacias intracratônicas fanerozóicas do Parnaíba, Sanfranciscana e Bananal (CPRM, 2003)[19], além da Bacia de Barreirinhas, desenvolvida durante a abertura do Atlântico Equatorial (Macambira e Corrêa, 2007.[20]). Estas ocupam 80% do território do MATOPIBA. De forma subordinada, com 20% de exposição, ocorrem registros geológicos mais antigos abrangendo rochas dos núcleos cratônicos arqueanos bem como de rochas resultantes da tectônica proterozóica, incluídas na Província Tocantins e São Francisco (CPRM, 2003)[19]

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

A rede hidrográfica do MATOPIBA, segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL,[21] está distribuída em três bacias hidrográficas: Bacia do Tocantins/Araguaia, Bacia do Rio São Francisco e Bacia do Atlântico - trecho Norte/Nordeste. A organização das bacias hidrográficas (e sub-bacias) de acordo com suas características naturais, sociais e econômicas permitiu a compartimentação do território nacional em 12 Regiões Hidrográficas com o objetivo de auxiliar a gestão dos seus recursos hídricos (CNRH, 2003).[22] O MATOPIBA se estende sobre quatro Regiões Hidrográficas: Região Hidrográfica do Tocantins-Araguaia, com 42% de abrangência, seguido pelas Regiões Hidrográficas do Parnaíba, Atlântico Nordeste Ocidental e São Francisco, cada uma, ocupando aproximadamente 20% do seu território.

Relevo[editar | editar código-fonte]

O relevo do MATOPIBA, segundo os trabalhos de mapeamento e sínteses desenvolvidos pela CPRM (2006[23] e 2008[24]), pode ser dividido em 19 macrocompartimentos reunidos em cinco domínios: i) Domínio das unidades agradacionais (~9,5%), ii) Domínio das unidades denudacionais em rochas sedimentares pouco litificadas (~7%), iii) Domínio das unidades denudacionais em rochas sedimentares litificadas (~19%), iv) Domínio dos relevos de aplainamento (~18%) e v) Domínio das unidades denudacionais em rochas cristalinas ou sedimentares (~46,5%). Inserido neste último e mais vasto domínio estão as formas de relevo de colinas amplas e suaves, com declividade variando de 3 a 10º e amplitude topográfica de 20 a 50 metros, com ocupação de 20% do território da região. Em segundo lugar, em termos de abrangência territorial, ocorrem as áreas de chapadas e platôs (~15%) com variação de declividade e amplitude topográfica inferiores às das formas já mencionadas, ou seja, 0 a 5º de declividade e 0 a 20 metros de amplitude topográfica.

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima, segundo o IBGE,[25] pode ser dividido em duas zonas principais, Tropical Brasil Central e Tropical Zona Equatorial, que juntas representam aproximadamente 97% da região. Estas duas zonas englobam duas unidades climáticas de maior representatividade territorial (78%) que são similares quanto a temperatura (quente – média > 18°C em todos os meses) e umidade (semiúmido – 4 a 5 meses secos), porém diferentes no tocante ao fotoperiodismo, amplitudes térmicas diurnas, índices pluviométricos etc. A leste do MATOPIBA predomina a influência das unidades climáticas do semiárido, com seis a 8 meses secos.

Vegetação[editar | editar código-fonte]

O bioma Cerrado predomina na região do MATOPIBA (91% da área), marcado pela ocorrência de pequenas áreas do bioma Amazônia e Caatinga a nordeste e a leste, respectivamente. Cerca de 60% do bioma Cerrado encontra-se nos limites definidos para a Amazônia Legal, ficando de fora os cerrados da Bahia, Piauí e de parte do Maranhão. A inserção do bioma Cerrado nos limites da Amazônia Legal traz implicações sobre as reservas legais previstas no Novo Código Florestal (Lei n° 12651 de 25 de maio de 2012).[26]

Solos[editar | editar código-fonte]

Os solos predominantes na região do MATOPIBA, segundo o 2º nível hierárquico da classificação brasileira de solos (Embrapa, 2011[27]), são os latossolos amarelos, com cerca de 31% de exposição.

Quadro agrário[editar | editar código-fonte]

Distribuição das áreas e territórios legalmente atribuídos no MATOPIBA.

Entende-se por caracterização do quadro agrário a identificação dos territórios cuja apropriação foi legalmente definida, na maioria dos casos, por atos do Governo Federal. Nesse escopo[28] encontram-se no MATOPIBA: unidades de conservação, terras indígenas, áreas quilombolas e assentamentos da reforma agrária.

Unidades de conservação[editar | editar código-fonte]

Segundo o Ministério do Meio Ambiente - MMA[29] existem 46 unidades de conservação no MATOPIBA, ocupando uma área de 8.334.679 ha. Elas estão presentes em 23 das 31 microrregiões que compõem o MATOPIBA (74%).

Terras indígenas[editar | editar código-fonte]

Segundo a Fundação Nacional do Índio - FUNAI[30] existem 35 terras indígenas no MATOPIBA, que juntas representam uma área de 4.157.189 ha. Elas estão presentes em 12 das 31 microrregiões que compõem o MATOPIBA (39%).

Assentamentos agrários e quilombolas[editar | editar código-fonte]

Segundo o INCRA,[31] existem 781 assentamentos de reforma agrária e áreas quilombolas no MATOPIBA, cobrindo um território de 3.033.085 ha. As 36 áreas quilombolas declaradas pelo INCRA e pela SEPIR[32] até outubro de 2013 estavam localizadas em 11 das 31 microrregiões que compõem o MATOPIBA (36%). Os 745 assentamentos de reforma agrária estavam localizados em 28 das 31 microrregiões (90%).

Áreas legalmente atribuídas[editar | editar código-fonte]

No total, são 13.967.920 ha de áreas legalmente atribuídas para unidades de conservação, terras indígenas, assentamentos agrários e quilombolas, excluídas as sobreposições territoriais.

A Tabela 3 apresenta o número, a natureza e a superfície das áreas legalmente atribuídas no MATOPIBA. As unidades de conservação, por exemplo, ocupam cerca de 11% da área do MATOPIBA (8.4 milhões de hectares). Contudo, nas unidades de conservação consideradas de uso sustentável pode ocorrer a presença de assentamentos da reforma agrária. Além disso, podem ocorrer sobreposições territoriais entre essas unidades com as terras indígenas. Descontadas as sobreposições territoriais, o conjunto das áreas legalmente atribuídas representa 19,1% da área total do MATOPIBA.

Tabela 3. Distribuição em áreas (ha) dos territórios legalmente atribuídos no MATOPIBA (Dados atualizados em Outubro de 2013).

IDENTIFICAÇÃO ÁREA* (ha) % Relativa
Unidades de Conservação 46 8.334.679,10 11,39%
Terras Indígenas 35 4.157.189,16 5,68%
Assentamentos 745 2.782.754,82 3,80%
Quilombolas 36 250.330,30 0,34%
Área total atribuída 15.524.953,38
Área total atribuída (excluídas as sobreposições) 13.967.919,97
Área* do MATOPIBA 73.173.484,58
% de Ocupação - Área total atribuída (excluídas as sobreposições) 19,09%

Valores calculados utilizando a projeção cônica de Albers – SIRGAS 2000].

A complexidade da questão agrária no MATOPIBA é ilustrada em parte pela atual segmentação e distribuição espacial dos territórios legalmente atribuídos e pela área que ocupam (Figura 1).

A análise geocodificada desse conjunto de áreas legalmente atribuídas, realizada pelo GITE, indica que, com exceção da microrregião da Chapada das Mangabeiras, em todas as outras 30 microrregiões homogêneas do MATOPIBA existem áreas destinadas à Unidades de Conservação e/ou Terras Indígenas e/ou Quilombolas e/ou Assentamentos de Reforma Agrária. Esses dados, numéricos e cartográficos, destacam quanto o quadro agrário é uma dimensão geográfica complexa. Ela exige um esforço de inteligência territorial[33] e não pode ser esquecida ou subestimada no planejamento e na gestão sustentável do MATOPIBA.

Quadro agrícola[editar | editar código-fonte]

Microrregiões que compõem o G75 do valor total da produção do MATOBIA (média de 2006-2008).

A contribuição da agropecuária das regiões do MATOPIBA é crescente na economia dos quatro Estados. As microrregiões integrantes do MATOPIBA foram responsáveis, em 2006, por 40,45% do valor total da produção no conjunto dos quatro Estados. Em 1996, esse percentual era de 35,05%[34].[35]

A distribuição percentual da produção animal e vegetal nestes dois censos[36][37] do IBGE também registrou uma mudança significativa no valor da produção total. Em 1996, a produção animal no MATOPIBA contribuía com 45,61% ante aos 54,39% da produção vegetal. Em 2006, ocorreu uma inversão e a produção vegetal passou a contribuir com 87,35% enquanto a produção animal caiu para 12,65%.

As cinco microrregiões que mais apresentaram variações entre os dois censos na distribuição da contribuição percentual, considerando oito componentes subsetoriais (animais de grande, médio e pequeno porte, lavoura permanente e temporária, horticultura, silvicultura e extração vegetal) foram as do Jalapão (TO), Dianópolis (TO), Porto Nacional (TO), Bico do Papagaio (TO) e Bertolínia (PI). Nestas microrregiões houve elevado aumento na contribuição percentual da produção para as lavouras temporárias e queda para os animais de grande porte.

Segundo os dados do IBGE, considerando a média trienal (2006 a 2008) da produção agrícola municipal[34], seis produtos juntos somaram 75% do valor da produção agropecuária no MATOPIBA: soja, bovinos, algodão herbáceo, milho, arroz e leite de vaca. Em termos ESPACIAIS, Treze microrregiões somaram 75% do valor total da produção na média trienal entre 2006 a 2008: Barreiras (BA), Santa Maria da Vitória (BA), Imperatriz (MA), Gerais de Balsas (MA), Bom Jesus da Lapa (BA), Rio Formoso (TO), Alto Parnaíba Piauiense (PI), Chapada das Mangabeiras (MA), Miracema do Tocantins (TO), Araguaína (TO), Médio Mearim (MA), Alto Mearim e Grajaú (MA) e Dianópolis (TO). Barreiras respondeu, sozinha, por cerca de 30% da produção na região (Figura 2).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Mapitoba vem sendo apontada como nova fronteira agrícola do país». G1 
  2. «IBGE. Estados@. Estado do Maranhão» 
  3. «IBGE. Estados@. Estado do Tocantins» 
  4. «IBGE. Estados@. Estado do Piauí» 
  5. «IBGE. Estados@. Estado da Bahia» 
  6. «Mapito é a nova fronteira de desenvolvimento do País, diz Dilma». Viasoft 
  7. «Notícias Agrícolas. MATOPIBA: Expansão em área e tecnologia. Novembro de 2010.» 
  8. «EMBRAPA. Matopiba, a nova ousadia da agricultura brasileira. Maio de 2014.» 
  9. «G1. Mapitoba vem sendo apontada como a nova fronteira agrícola do país. Abril de 2013.» 
  10. «IBGE. Sidra. Censo Agropecuário 2006: Estabelecimentos Agropecuários. 2014.» 
  11. «GITE/Embrapa. Nota Técnica nº 1: Proposta de Delimitação Territorial do MATOPIBA. Setembro de 2014.» (PDF) 
  12. «INCRA. Incra e Embrapa promovem diagnóstico territorial estratégico da região do MATOPIBA. Setembro de 2014.» 
  13. «Portal Dia de Campo. Parceria entre Incra e Embrapa vai desenvolver territórios brasileiros. Setembro de 2014» 
  14. «IBGE. Censo Demográfico 2010.» 
  15. «IBGE. Produto Interno Bruto dos Municipios 2010.» 
  16. «Projeções do Agronegócio – Brasil 2013/2014 a 2023/2024 – Projeções de Longo Prazo» (PDF). Ministério da Agricultura 
  17. «MATOPIBA: Nova fronteira agrícola no Brasil deve ter alta de 21,4% na produção em 11 safras». Sociedade Nacional de Agricultura 
  18. «IBGE. Cidades@. Municípios do Brasil» 
  19. a b CRPM., Serviço Geológico do Brasil (2003). Geologia, tectônica e recursos minerais do Brasil: texto, mapas & SIG. Brasília: [s.n.] ISBN 85-230-0790-3 
  20. Macambira, T. M. e Corrêa, J. A. M. «Mineralogia dos pelitos albianos, porção oeste da Bacia de Barreinhas, MA. 2007» (PDF) 
  21. «ANEEL. Bacias Hidrográficas no Brasil. 2014.» 
  22. «CNRH – Conselho Nacional dos Recursos Hídricos, Ministério do Meio Ambiente. Resolução nº32, de 15 de outubro de 2003.» 
  23. «CRPM Serviço Geológico do Brasil. Projeto SIG Geologia Ambiental do Brasil ao Milionésimo. 2006.» 
  24. CPRM, Serviço Geológico do Brasil (2008). Geodiversidade do Brasil: conhecer o passado, para entender o presente e prever o futuro (PDF). Rio de Janeiro: [s.n.] p. 264 
  25. «IBGE. Mapa de Clima do Brasil. 2014.» (PDF) 
  26. «BRASIL. Lei nº 12.651, DE 25 DE MAIO DE 2012.» 
  27. «EMBRAPA. O novo mapa de solos do Brasil. Legenda atualizada. Escala 1:5.000.000. 2011.» 
  28. «GITE/Embrapa. Nota Técnica nº 2: Proposta de um Sistema de Inteligência Territorial Estratégica para o MATOPIBA. Setembro de 2014.» (PDF) 
  29. «Ministério do Meio Ambiente. Download de Dados Geográficos. 2014» 
  30. «Fundação Nacional do Índio. Terras indígenas do Brasil. 2014» 
  31. «Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Assentamentos rurais do Brasil. 2014» 
  32. «SEPPIR. Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial.» 
  33. «Correio Braziliense. Agricultura e Inteligência Territorial. Junho de 2014.» 
  34. a b «SGE/Embrapa. Estatística Agrícola. 2012.» 
  35. «IBGE. Sidra. Banco de Dados Agregado. 2006.» 
  36. «IBGE. Censo Agropecuário. 1996.» 
  37. «IBGE. Censo Agropecuário. 2006.» 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]