TV Aratu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
TV Aratu
TV Aratu S/A
Salvador, Bahia
Brasil
Tipo Empresa privada
Canais
04 VHF analógico
25 UHF e 4.1 Virtual digital
Outros canais 04 e 504 HD (NET)
04 (Sim TV)
07 (RCA)
ver mais
Sede  Salvador, BA
Rua Pedro Gama - Federação
MAPA
Slogan Tem Bahia, tem você
Rede SBT
Rede(s) anterior(es)
Fundador
  • Alberto Maluf
  • Nilton Nunes Tavares
  • Luís Viana Neto
  • Carlos Alberto Jesuíno dos Santos
  • Humberto Castro
Pertence a Grupo Aratu
Proprietário Nilo Moraes Coelho
Antigo proprietário Nilton Nunes Tavares (1969-1992)
Presidente Silvio Roberto Coelho
Fundação 15 de março de 1969 (48 anos)
CNPJ 15.199.136/0001-40
Prefixo ZYA 296
Nome(s) anteriore(s) CNT Aratu (1995-1997)
Cobertura Estado da Bahia
Coord. do transmissor 12° 59' 49.7" S 38° 30' 2.5" O
Potência 20 kW (analógico)
5 kW (digital)[1]
Página oficial aratuonline.com.br

TV Aratu é uma emissora de televisão brasileira sediada em Salvador, capital do estado da Bahia. Opera nos canais 4 VHF e 25 UHF digital, e é afiliada ao SBT. Pertence ao Grupo Aratu, um conglomerado de mídia de propriedade do empresário e político Nilo Moraes Coelho, e do qual também fazem parte a Rádio Cultura de Guanambi, o website Aratu Online, a Ei! Mídia Exterior e a Chaves Outdoor. É a segunda emissora de televisão mais antiga da Bahia, vindo depois da então TV Itapoan.

A TV Aratu segue normalmente a programação do SBT gerada diretamente de São Paulo, mas quando entra em vigência o horário de verão no centro-sul brasileiro, a emissora segue a programação da Rede Fuso, gerada pelo SBT Pará, com os programas em tempo real excepcionalmente exibidos no domingo.

História[editar | editar código-fonte]

Rede Globo (1969 a 1987)[editar | editar código-fonte]

A emissora foi fundada sem nome em 15 de março de 1969 por um conjunto de acionistas que envolviam o paulista Alberto Maluf e os baianos Carlos Alberto Jesuíno dos Santos, Luís Viana Neto, Humberto Castro e Nilton Nunes Tavares, como a segunda emissora de televisão do estado da Bahia, que até então só possuía a TV Itapoan, fundada em 1960 pelos Diários Associados.[2] Após vários nomes serem cogitados, é apenas em julho, quatro meses depois de fundada, que a emissora passa a se chamar TV Aratu, que remete ao crustáceo que habita os manguezais do Recôncavo baiano. Desde a sua fundação, o logotipo da emissora é um galo, ave símbolo da capoeira, e razão pela qual a mesma é conhecida como "emissora do galinho".

Em seu início, a programação local era feita de forma independente, mas ainda no mesmo ano, a TV Aratu firma contrato com a Rede Globo e torna-se afiliada da emissora carioca no estado, e não tardou para desbancar a TV Itapoan e tornar-se líder de audiência. Em 1973, tornou-se a primeira emissora a transmitir à cores, e para comemorar o feito lançou o slogan A liderança colorida. No seu aniversário de dez anos, em 1979, a emissora levou ao ar um institucional produzido pela DM9 de Duda Mendonça, que ressaltava a religiosidade do povo baiano. Convidado a assistir o filme, o então ministro das comunicações Haroldo Corrêa de Mattos, declarou: "Isso é poesia visual. É o filme mais bonito que vi em toda minha vida!".[3]

Na década de 1980, a emissora iniciou sua expansão para o interior do estado, instalando retransmissoras que captavam o sinal através de enlaces de micro-ondas. Mesmo com a concorrência que começava a se intensificar com a chegada de novas emissoras no decorrer da década, a TV Aratu continuava líder de audiência na programação local e nacional.

Caso NEC e desfiliação da Rede Globo[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Caso NEC

Em 1987, a TV Aratu passou por um dos piores momentos de sua história, quando teve seu contrato com a Rede Globo rescindido de maneira inesperada após 18 anos de afiliação, e por sua vez passou a ser afiliada a Rede Manchete após a disputa judicial ocorrida entre a emissora e a TV Bahia, de Antônio Carlos Magalhães, além dos posteriores prejuízos financeiros que a emissora sofreu.

O principal motivo disto ter acontecido, foi por causa de um acordo feito entre Roberto Marinho (na época proprietário das Organizações Globo) e Antônio Carlos Magalhães. Quando ministro das comunicações na gestão do presidente José Sarney em 1986, ACM suspendeu vários contratos que o Governo Federal tinha com a NEC do Brasil, na época pertencente ao empresário Mário Garnero, do grupo Brasilinvest. Isso acabou gerando várias dificuldades financeiras a empresa, que tinha o governo como seu principal cliente (na época, a NEC era a principal fornecedora de equipamentos ao governo). Com isso, a matriz japonesa da NEC teve de comprar novamente as ações da empresa e posteriormente revendê-las a Roberto Marinho, criando assim um acordo entre a NEC e as Organizações Globo. Logo em seguida, ACM restabeleceu os contratos que o governo tinha com a NEC, e também ajudou as Organizações Globo a terminar de comprar o restante das ações.[4] Com isso, em dezembro de 1986, Roberto Marinho concedeu a ACM o direito de afiliação da Rede Globo a TV Bahia, fundada em 1985, rescindindo assim o contrato de 18 anos que tinha com a TV Aratu, que deveria trocar de afiliação em 20 de janeiro.

A partir daí, se iniciou uma longa batalha judicial e política entre as duas emissoras. Em 13 de janeiro, Luís Viana Neto, um dos acionistas da emissora, foi até Brasília juntamente com outros 19 deputados reclamar com o presidente José Sarney a respeito da interferência de ACM nas comunicações do estado.[5] Em 15 de janeiro, o juiz Luiz Fux, da 9ª Vara Cível do Rio de Janeiro, concedeu a TV Aratu uma liminar que impedia a TV Bahia de retransmitir o sinal da Globo.[6] A liminar acabou derrubada em 23 de janeiro, após a Rede Globo impetrar um mandado de segurança no Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro para assegurar a transmissão da sua programação pela TV Bahia.[7] Assim que recebeu a notificação, sem avisar aos telespectadores, a emissora de imediato começou a transmitir o sinal da Globo. A TV Aratu no entanto se recusou a trocar de afiliação, o que fez com que os telespectadores baianos tivessem dois canais transmitindo a Globo por três dias seguidos em todo o estado.[8]

Por ordem da direção regional do DENTEL, a TV Aratu foi forçada a deixar de transmitir a programação da Globo em 26 de janeiro. Neste dia, logo após o fim do Globo Esporte por volta das 13h00, a âncora do Aratu Notícias 1ª edição, Lídia Andreata, leu através de nota oficial que a TV Aratu iria deixar de veicular a programação da Globo por determinação do DENTEL, e agradeceu aos telespectadores pela solidariedade.[9] A emissora então passou a transmitir a programação da Rede Manchete, e continuou na justiça tentando anular o mandado de segurança da Globo. Em 31 de março, os desembargadores Jorge Loretti, Narciso Pinto e Astrogildo Freitas da 5ª Câmara Cível do Rio de Janeiro suspenderam o mandado de segurança da Globo após julgarem que a rede entrou com o recurso fora do prazo.[10] A TV Aratu voltou após 64 dias a retransmitir a Globo, mas a TV Bahia não acatou a ordem de imediato e mais uma vez ambas transmitiram a mesma programação.[11] A batalha judicial se estendeu por mais três meses, até que finalmente em 6 de julho, o desembargador Nicolau Mary Júnior concedeu a liminar em favor da Globo, e a TV Bahia enfim pode retransmitir, em definitivo, a programação da rede carioca.[12] Os advogados da TV Aratu ainda tentaram reverter a decisão nos meses seguintes, sem sucesso.

Rede Manchete (1987 a 1995)[editar | editar código-fonte]

Com o contrato rescindido com a Globo após 18 anos de afiliação, a TV Aratu passou a transmitir o sinal da Rede Manchete, outrora retransmitida pela TV Bahia. Isso gerou uma verdadeira fuga de anunciantes da emissora, o que fez com que a sua receita caísse drasticamente em 80%, acarretando em um grande prejuízo financeiro. Além disso, a qualidade de transmissão da TV Aratu caía vertiginosamente, talvez pelo fato dos equipamentos que já eram ultrapassados não serem substituídos por novos.

Estando numa situação análoga a da rede, a Aratu simplesmente parou de investir na qualidade de sua programação local, deixando inclusive de mencionar a sua afiliação com a Rede Manchete e de ser líder de audiência. A situação da emissora muda entre 1988 a 1992, quando novelas, séries e programas (entre elas a novela Pantanal e séries japonesas) da Manchete levam a Aratu para a liderança de audiência no estado.

Em 1988, a TV Aratu promoveu alterações no seu quadro societário. Nilton Nunes Tavares, diretor-presidente da emissora, que até então possuía 25% das ações, comprou pela quantia de US$ 7.000.000 o restante dos demais acionistas e negociou com o então governador Waldir Pires e o deputado Joaci Góes (proprietário do jornal Tribuna da Bahia).[13] Joaci ficou com 30% das ações, enquanto 40% foi repassado a empresários ligados ao governador.[14]

Em 1992, a emissora é novamente vendida, agora para o ex-governador da Bahia, Nilo Moraes Coelho, que comprou 70% das ações. Silvio Roberto Coelho passa a ser o diretor-presidente da emissora.[2] Joaci Góes, proprietário dos outros 30%, ainda continuaria como sócio da TV Aratu até abril de 2001, quando vendeu a sua parte para Coelho.[15] No inicio de 1995, notas publicadas em jornais baianos davam conta de um arrendamento da emissora para as Organizações Martinez, proprietária da Central Nacional de Televisão (CNT), rede de televisão em franca expansão no país.

Central Nacional de Televisão (1995 a 1997)[editar | editar código-fonte]

Em junho de 1995, após oito anos como afiliada da Rede Manchete, a TV Aratu deixa a rede carioca e torna-se afiliada da CNT, por ocasião do seu arrendamento de dois anos para as Organizações Martinez, na época, sob o comando do dono do Banco Bamerindus, José Eduardo de Andrade Vieira. A qualidade da programação local da emissora e do seu sinal melhora consideravelmente, e um ano após ter se afiliado a rede paranaense, a TV Aratu muda seu nome fantasia para CNT Aratu.[16]

Em junho de 1997, quando estava para findar o contrato de arrendamento das Organizações Martinez, os proprietários da emissora assinaram com o Sistema Brasileiro de Televisão, uma vez que a rede ficaria sem sinal no estado com a compra da TV Itapoan pela Rede Record, e sua posterior entrada na rede em 16 de junho.

Sistema Brasileiro de Televisão (desde 1997)[editar | editar código-fonte]

À meia-noite do dia 16 de junho de 1997, a emissora deixa a CNT e passa a ser afiliada ao SBT, no mesmo dia em que a TV Itapoan também troca de afiliação e vira uma emissora própria da Rede Record. A CNT passava então a ser retransmitida no canal 39 UHF até 2009, quando foi criada a CNT Bahia. A TV Aratu expandiu ainda mais a sua programação local com telejornais e programas populares, e passou a brigar pela vice-liderança de audiência com a TV Itapoan e até mesmo pela liderança com a TV Bahia.

Em 29 de dezembro de 2000, a emissora firma contrato com a Embratel e passa a dispor de um sinal via satélite para ser utilizado pelas retransmissoras no interior do estado, em substituição aos antigos enlaces de micro-ondas que haviam sido desativados em meados dos anos 90. No fim de 2001, a emissora já estava presente em cerca de 80% do estado da Bahia, atingindo cerca de 10 milhões de telespectadores.

Em 2001, começaram a surgir especulações na imprensa local e nacional sobre uma possível volta da TV Aratu para a Rede Globo. A relação entre a rede e a emissora de Antônio Carlos Magalhães havia sofrido abalos por conta das constantes sátiras que o programa Casseta & Planeta fazia ao político em razão do escândalo da quebra do sigilo no Senado Federal, e pela recusa da TV Bahia em cobrir a passeata de 16 de maio contra o senador para a Rede Globo.[15] No entanto, a emissora não trocou de afiliação.

No decorrer da década de 2000, a emissora também promoveu renovações na sua sede, ampliando os estúdios e modernizando suas operações. Em 2006, a emissora lançou o website Aratu Online, portal de notícias que reuniu o conteúdo da emissora e notícias sobre o estado da Bahia. Em 2008, o Grupo Aratu comprou a antiga TV Camaçari, emissora comunitária da cidade de Camaçari, e criou a TV Aratu Camaçari.[17]

Sinal digital[editar | editar código-fonte]

Canal virtual Canal digital Proporção de tela Programação
4.1 25 UHF 1080i Programação principal da TV Aratu / SBT

Em 1º de dezembro de 2009, às 18h00, a emissora iniciou suas transmissões digitais através do canal 25 UHF para Salvador e região metropolitana, tornando-se a segunda emissora da cidade a implantar seu sinal digital.[18][19] Em 2011, os programas e telejornais da emissora começaram a ser produzidos em alta definição. As matérias exibidas nos telejornais, por sua vez, passaram a ser exibidas em alta definição em 2 de maio de 2016.

Transição para o sinal digital[editar | editar código-fonte]

Pelo decreto federal sobre a transição do sinal analógico para o digital, o cronograma oficial da ANATEL traz que as emissoras televisivas da cidade de Salvador irão cessar suas transmissões analógicas em 27 de setembro de 2017. Assim, a TV Aratu não mais transmitirá pelo canal 4 VHF, mas, a partir dessa data, tão somente pelo 25 UHF, permanecendo no canal virtual 4.1.[20]

Programação[editar | editar código-fonte]

Além de retransmitir a programação nacional do SBT, atualmente a TV Aratu produz e exibe os seguintes programas:

  • Que Venha o Povo: Revista eletrônica, com Casemiro Neto;
  • Ronda: Jornalístico policial, com Fábio Gomes e Murilo Vilas Boas;
  • Tudo Novo: Programa de variedades, com Darino Sena;
  • Universo: Programa de variedades, com Alex Lopes;
  • Aratu Notícias: Telejornal, com Lise Oliveira;
  • Nordeste Mais: Revista eletrônica, com Marcelle Mosso;[nota 1]
  • Se Liga no Pida: Programa de variedades, com Léo Sampaio;
  • Clube da Alegria: Programa infantil;
  • Chegue Mais: Programa de variedades, com Lise Oliveira;
  • Dendê na Mochila: Programa de turismo, com Matheus Boa Sorte;
  • No Campo do 4: Jornalístico esportivo, com Silvio Mendes e Darino Sena

Diversos outros programas compuseram a grade da emissora e foram descontinuados:

  • Aratu Arte
  • Aratu & Você
  • Aratu Vestibular
  • Bom Dia Bahia[21]
  • Bom Dia Bocão
  • Di Moda
  • Gerdan Aqui Agora
  • Inclusão Social
  • Jornal do Meio-Dia
  • Metanoia
  • Na Mira
  • Papo Show
  • Quem Sabe Mais
  • Realizando Sonhos
  • Recreio
  • Se Liga Bocão
  • Sobe Som
  • Som 4
  • Tableiro

Jornalismo[editar | editar código-fonte]

Embora a grade da emissora tenha focado mais nos programas de entretenimento, também é aberto espaço para o jornalismo. Com o cancelamento do Bom Dia Bahia em 2016, o programa No Campo do 4 passou a ostentar a condição de programa mais antigo da televisão baiana. Com sua afiliação com a Rede Globo, a emissora também produziu versões locais do Hoje, Jornal Nacional, Jornalismo Eletrônico, dentre outros padrões jornalísticos. Devido a sua aproximação com a rede carioca, vários profissionais da emissora eram enviados para Salvador onde faziam uma espécie de intercâmbio no jornalismo local antes de ganharem destaque nacional. Foi o caso de nomes como Pedro Bial, Hermano Henning, Valeria Sffeir, Leila Cordeiro, dentre outros.[2]

Na época do arrendamento da TV Aratu para a CNT, o Bom Dia Bahia era comandado pro Mário Kertész, e retransmitido simultaneamente pela Cidade FM, e o Aratu Notícias possuía uma edição a tarde e outra a noite. Após se afiliar com o SBT, o jornalismo da emissora também passou a adotar uma linha popularesca, com programas como Gerdan Aqui e Agora, apresentado por Gerdan Rosário, e posteriormente o Se Liga Bocão, apresentado por José Eduardo, o "Bocão", que era uma versão televisiva do programa apresentado por ele no rádio. Este último ficou no ar de 2004 até 2006, quando Bocão foi contratado pela TV Itapoan.

Em 2008, Casemiro Neto deixou a TV Bahia e passou a apresentar o programa Que Venha o Povo na TV Aratu, uma revista eletrônica exibida diariamente pela manhã. Em 2009, estreou o jornalístico policial Na Mira, apresentado por Uziel Bueno. Nesse mesmo ano, Rita Batista deixou o comando do Aratu Notícias 1ª edição e foi contratada pela TV Bandeirantes Bahia. Em 28 de novembro, o No Campo do 4, que estava há 40 anos na grade da emissora, e desde 2007 sob o comando de Márcio Martins, substituto de Eliseu Godoy, deixou de ir ao ar na emissora.[22]

Em maio de 2010, o jornalista Uziel Bueno deixou a TV Aratu, alegando que estava sofrendo pressões por conta das críticas que tecia diariamente contra o poder público no programa Na Mira.[23] Após sua saída, o programa foi assumido por Analice Salles, que se tornou a primeira mulher a comandar um programa policial no Brasil.

Em 30 de julho de 2012, com a estreia de sua nova programação, os programas jornalísticos da emissora foram reformulados, e no horário noturno reestreou o esportivo No Campo do 4, que passou a ser apresentado por Preto Casagrande e Lise Oliveira.[24][25]

Em 11 de outubro de 2013, a jornalista Analice Salles anunciou sua contratação pela TV Record Bahia, deixando a apresentação do Na Mira para o interino Marzzo Silva.[26] Em 16 de outubro, a emissora anuncia a contratação do locutor esportivo Silvio Mendes para a atração, onde estreou em 21 de outubro.[27]

No entanto, o programa não consegue segurar a audiência e sofre várias derrotas para o Balanço Geral, apresentado na TV Record Bahia. Em 28 de agosto de 2015, a emissora decide cancelar o programa alegando uma reformulação na programação. Silvio Mendes posteriormente assume o comando do No Campo do 4 em substituição a Preto Casagrande, enquanto o repórter Zé Bim foi demitido da emissora.[28][29] Em 5 de outubro, na mesma faixa em que era exibido o Na Mira, estreou o programa policial Ronda, apresentado por Murilo Villas Boas e Fábio Gomes.[30]

Em novembro de 2015, a jornalista Daniela Prata, que comandava o telejornal Bom Dia Bahia e também o Chegue Mais, foi demitida da emissora.[31] Após a saída de Daniela, o telejornal foi assumido interinamente pelo repórter Ricardo Sapia.

Em 22 de fevereiro de 2016, os programas da TV Aratu são reformulados. O Bom Dia Bahia ganhou um novo cenário, e passou a ser apresentado por Rita Batista, que retorna a emissora após 7 anos. O Ronda, que até então era feito nas ruas, também ganhou um novo cenário. O Aratu Notícias, sob o comando de Carla Araújo desde 1993, passou a contar com a participação de Lise Oliveira, que deixou o No Campo do 4. Este por sua vez, passou a ser exibido apenas aos domingos, apresentado por Silvio Mendes e Darino Sena.[32][33]

Em 30 de novembro, o Bom Dia Bahia foi exibido pela última vez pela emissora, sendo cancelado e substituído pelo Primeiro Impacto, exibido nacionalmente pelo SBT. O súbito cancelamento foi atribuído a motivos de dificuldades econômica por baixo retorno dos investimentos feitos para a programação de 2016 frente ao que foi esperado, uma vez que o telejornal oscilava entre 2.0 e 4.0 pontos de audiência na Grande Salvador, perdendo para as concorrentes TV Bahia e RecordTV Itapoan. Com o cancelamento do telejornal, Rita Batista, que não havia apresentado sua última edição devido à sua presença em São Paulo (sendo substituída por Driele Veiga), foi demitida da emissora.[21][34]

Em 14 de julho de 2017, a jornalista Carla Araújo deixou a emissora após 24 anos, tendo atuado com repórter e posteriormente âncora do Aratu Notícias a partir de 1993, e gerente de jornalismo do canal desde 1998.[35] Após a saída de Carla, o telejornal passou a ser apresentado por Lise Oliveira.

Entretenimento[editar | editar código-fonte]

A programação da TV Aratu sempre abriu espaço em sua maioria para os programas de entretenimento, em contraponto a sua rival TV Itapoan, que focava mais em programas jornalísticos. David Raw foi o primeiro diretor de programação da emissora, e também produtor de alguns dos seus programas.[36] Entre as décadas de 1970 e 1980, programas como Som 4, apresentado por Carlos Nunes e TV Mulher eram destaques na programação da TV Aratu. "Tia Arilma" comandava o Recreio, programa de auditório dedicado ao público infantil, e similar ao Parquinho exibido na TV Itapoan, que também havia sido apresentado por ela. A emissora exibia durante os intervalos comerciais o boletim Aratu Arte, que informava notícias sobre o meio artístico e eventos culturais em Salvador, e que ficou no ar até meados da década de 2000.

Nas décadas de 1990 e 2000, a emissora expandiu a sua programação local e criou vários atrações. Estrearam programas como Di Moda, apresentado pelo estilista Di Paula, que ficou no ar entre 1991 e 2006; Papo Show, com Andrezão Simões; Aratu & Você com Murilo Leite; Sobe Som, com o cantor Belo; Realizando Sonhos com Cláudio Luís, Se Liga no Pida com Léo Sampaio, que estreou em agosto de 2003, dentre vários outros.

Em 2010, estreou o programa Universo Axé, apresentado por Alex Lopes, dedicado ao ritmo musical baiano e também a outros ritmos populares. Em 1º de maio, reestreou aos sábados o game show Quem Sabe Mais?, apresentado por Henrique Carballal, e que já havia ido ao ar na década de 1980. O programa deixou de ser exibido em 2012, após Carballal deixar a emissora para se candidatar a vereador pelo município de Salvador.

Em 15 de janeiro de 2012, a emissora estreou O Trio Reality, primeiro reality show da televisão baiana, onde seis participantes (Rosiane Pinheiro, Guga de Paula, Léo Kret, Rianne Ferreira e os anônimos Ana Célia e Werles Pajjero) ficaram confinados dentro de um trio elétrico durante um mês.[37][38] A vencedora da única edição do reality show que terminou em 12 de fevereiro, foi a cantora Rosiane Pinheiro.[39]

Em 30 de julho, com o lançamento da nova programação da TV Aratu, estreou o programa infantil Clube da Alegria, apresentado por Carla Perez,[40] e no fim de semana, em 4 de agosto, estreou o programa Chegue Mais, apresentado por Daniela Prata, sobre o universo feminino.[25]

Em 16 de maio de 2015, estreou o programa Dendê na Mochila, apresentado por Matheus Boa Sorte, que mostra viagens e reportagens especiais sobre o estado e também fora dele.[41] Em 7 de novembro, o Chegue Mais passou a ser apresentado por Lise Oliveira, após a demissão de Daniela Prata da emissora.[42][31]

Em 22 de fevereiro de 2016, os programas da emissora ganham novos cenários e são reformulados. No mesmo dia, estreou o programa Tudo Novo, apresentado por Darino Sena, vindo da TV Bahia.[43] Em 27 de maio, o Clube da Alegria entra em um período de recesso, tendo seu espaço ocupado pelo Que Venha o Povo, que ganha mais 15 minutos de duração. O programa reestreou em 30 de julho, aos sábados, tendo sua duração ampliada para 60 minutos.[44]

Em 6 de março de 2017, o Universo Axé estreou um novo formato, que dava mais enfase ao entretenimento além das participações musicais. O programa também mudou de nome, passando a se chamar apenas de Universo.[45] Em 27 de maio, Carla Perez decide deixar o Clube da Alegria, devido o falecimento da sua diretora, Celisa Felicidade, além da falta de patrocinadores em razão da crise econômica. O programa chegou a ser anunciado como extinto com a asaída da apresentadora,[46] porém continuou no ar.

Transmissões especiais[editar | editar código-fonte]

Carnaval[editar | editar código-fonte]

Durante o mês de fevereiro ou março, a emissora faz a cobertura anual do Carnaval de Salvador, dedicando boa parte da programação a exibição dos blocos e trios elétricos que desfilam nos circuitos Campo Grande e Barra-Ondina. A TV Aratu foi a primeira emissora a transmitir o carnaval de Salvador em rede nacional em conjunto com a Rede Manchete na década de 1990, e também foi a primeira a transmiti-lo em alta definição em 2010. Até este ano, a emissora exibia a festa no especial Aratu Folia. Desde 2011, a emissora passou a ser parceira do SBT na cobertura do carnaval em rede nacional, e substituiu o especial pelo SBT Folia.

Festas juninas[editar | editar código-fonte]

Além da tradicional cobertura das festas juninas durante o mês de junho, a emissora promove desde 1989 o Arraiá do Galinho, que realiza shows com vários artistas locais e um concurso de quadrilhas, realizado desde 1991. A emissora também exibe o especial São João da Tradição, em conjunto com as afiliadas do SBT na Região Nordeste.

Equipe[editar | editar código-fonte]

Membros atuais[editar | editar código-fonte]

Jornalistas e apresentadores

  • Alex Lopes
  • Casemiro Neto
  • Darino Sena
  • Fábio Gomes
  • Léo Sampaio
  • Lise Oliveira
  • Matheus Boa Sorte
  • Murilo Vilas Boas

Repórteres

  • Alana Rocha
  • Daniel Silva
  • Driele Veiga
  • Daniela Mazzei
  • Isadora Florentino
  • Lícia Fontenele
  • Messias Teles
  • Paula Ary
  • Ticiane Bicelli
  • Vinicius Jorge

Membros antigos[editar | editar código-fonte]

Conselho administrativo[editar | editar código-fonte]

  • Matheus Carvalho (gerente de conteúdo)
  • Pablo Reis (gerente de conteúdo)
  • Ney Bandeira (diretor administrativo)
  • Ana Coelho (diretora administrativa)
  • Silvio Roberto Coelho (diretor-presidente)
  • Nilo Moraes Coelho (proprietário)

Retransmissoras[editar | editar código-fonte]

Slogans[editar | editar código-fonte]

  • 1969–1980; 2008–2013: Salvador, meu amor, Bahia
  • 1973: A liderança colorida (início da transmissão a cores)
  • 1980–2008: Do 4 eu não saio
  • 2013–2015: #Compartilhe (campanha da rede)
  • 2015–presente: Tem Bahia, tem você

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Suspensão do programa Na Mira[editar | editar código-fonte]

Desde a sua criação em 2008 e sua saída do ar em 2015, o programa policial Na Mira foi alvo de várias críticas da sociedade baiana em razão do conteúdo exibido, juntamente com as várias denúncias de violações dos direitos humanos, como exposição de cadáveres, sentenciamento ilegal, entre outros.[47] Em 15 de abril de 2009, após os promotores Almiro Sena, da 2ª Promotoria de Justiça da Cidadania e Isabel Adelaide de Andrade Moura, do Grupo de Atuação de Controle Externo da Atividade Policial moverem uma ação civil pública que foi acatada pelo juiz do Ministério Público, Manuel Bahia, o programa teve a sua exibição suspensa por "ser exibido em horário acessível à criança e ao adolescente, com cenas reprováveis e impróprias, o que viola o Estatuto da Criança e do Adolescente". Caso a emissora não suspendesse a veiculação do programa, poderia ser multada em R$ 10.000,00 por cada dia de descumprimento.[48] Outro programa da emissora, o Que Venha O Povo, também foi investigado pelo mesmo problema.[49] A direção da TV Aratu reuniu-se com os promotores e se comprometeu a adotar mudanças no programa após firmar um Termo de Ajustamento de Conduta. A suspensão do Na Mira foi cancelada em 17 de abril.[50]

Rivalidade entre cantores no Universo Axé[editar | editar código-fonte]

Em 3 de novembro de 2015, o programa musical Universo Axé foi palco de uma controvérsia entre o vocalista da banda Guettho é Guettho, Chiclete Ferreira, e o cantor Igor Kannário. O grupo musical era o convidado do programa naquele dia, onde estava prevista também uma matéria feita com Igor pelo apresentador Alex Lopes, que foi ao ar logo após a apresentação do Guettho é Guettho. Devido a uma rixa antiga entre Chiclete e Igor, o cantor e a banda decidiram abandonar o estúdio enquanto a matéria era exibida. O apresentador Alex Lopes teve que explicar a situação para os telespectadores, e revelou que nos bastidores foi contrário a decisão da direção da emissora de exibir a matéria no mesmo dia em que o grupo estaria se apresentando no programa.[51]

Direitos autorais[editar | editar código-fonte]

Em 21 de novembro de 2016, a emissora chamou a atenção da imprensa por transmitir ao vivo trechos sem autorização da partida de futebol entre Corinthians x Internacional, válida pelo Campeonato Brasileiro de Futebol durante o Aratu Notícias, utilizando imagens do SporTV, notadamente pirateadas da internet. A Globosat, mantenedora do canal, estuda um processo contra a TV Aratu, já que este "roubo de sinal" foi inédito na televisão brasileira.[52]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

Notas

  1. Exibido em conjunto com as afiliadas do SBT no Nordeste
  2. a b c d e f g h i j k l m n o p q Em implantação.

Referências

  1. Bontempo, Raphael (4 de dezembro de 2016). «Quatro emissoras revelam processo de digitalização». SET. Consultado em 10 de abril de 2017 
  2. a b c Vasku, Monica (15 de março de 2015). «TV Aratu 46 anos: de Pedro Bial a Carla Araujo; conheça a história da emissora». Aratu Online. Consultado em 29 de fevereiro de 2016 
  3. Cadena, Nelson (25 de julho de 2011). «O filme dos 10 anos da TV Aratu». Almanaque da Comunicação. Consultado em 29 de fevereiro de 2016 
  4. «Muito Além do Cidadão Kane». Tripod. Consultado em 29 de fevereiro de 2016 
  5. «Deputados baianos vão a Sarney denunciar Magalhães». Folha de S.Paulo: A-6. 14 de janeiro de 1987. Consultado em 10 de abril de 2017 
  6. «Diretor da TV Aratu diz que liminar garante a programação da Rede Globo». Folha de S.Paulo: A-4. 16 de janeiro de 1987. Consultado em 10 de abril de 2017 
  7. «Globo impetra mandado de segurança para anular liminar concedida à Aratu». Folha de S.Paulo: A-4. 23 de janeiro de 1987. Consultado em 10 de abril de 2017 
  8. «Disputa leva duas TVs a transmitir a Globo na Bahia». Folha de S.Paulo: A-4. 24 de janeiro de 1987. Consultado em 10 de abril de 2017 
  9. «TV Aratu deixa de transmitir imagens da Globo na Bahia». Folha de S.Paulo: A-5. 27 de janeiro de 1987. Consultado em 10 de abril de 2017 
  10. «TV Aratu recupera retransmissão da Globo». Folha de S.Paulo: A-4. 1 de abril de 1987. Consultado em 10 de abril de 2017 
  11. «TV Bahia desconsidera decisão da Justiça». Folha de S.Paulo: A-4. 2 de abril de 1987. Consultado em 10 de abril de 2017 
  12. «Na Bahia, emissão da Globo volta para ACM». Folha de S.Paulo: A-6. 7 de julho de 1987. Consultado em 10 de abril de 2017 
  13. «Painel - Negócio fechado». Folha de S.Paulo: A-4. 9 de junho de 1988. Consultado em 11 de abril de 2017 
  14. Lopes, Roberto (11 de junho de 1988). «Adversário de Antônio Carlos na Bahia fica com 30% da TV Aratu». Folha de S.Paulo: A-4. Consultado em 11 de abril de 2017 
  15. a b Gramacho, Wladimir (3 de junho de 2001). «Parceria de ACM com a Rede Globo está sob ameaça». Folha de S.Paulo. Consultado em 11 de abril de 2017 
  16. Leal, Luciana Nunes (12 de setembro de 1995). «(sem título)». Jornal do Brasil. Consultado em 29 de fevereiro de 2016 
  17. Arlego, Josemar (26 de abril de 2008). «TV Aratu compra TV Camaçari». Bahia Notícias. Consultado em 29 de fevereiro de 2016 
  18. «TV Aratu começa a transmitir sinal digital». Tela Viva. 3 de dezembro de 2009. Consultado em 29 de fevereiro de 2016 
  19. «TV Aratu inicia transmissão do sinal digital». Aratu Online. 2 de dezembro de 2009. Consultado em 29 de fevereiro de 2016. Arquivado do original em 7 de dezembro de 2009 
  20. «Desligamento do sinal analógico é adiado em MG, BA, CE e SP; confira novo cronograma». G1. 30 de maio de 2017. Consultado em 31 de maio de 2017 
  21. a b c Vaquer, Gabriel (1 de dezembro de 2016). «TV Aratu/SBT cancela programa "Bom Dia Bahia" e dispensa apresentadora». NaTelinha - UOL. Consultado em 10 de dezembro de 2016 
  22. Luzbel, Ricardo (27 de novembro de 2008). «TV Aratu tira No Campo do 4 do ar». Bahia Notícias. Consultado em 29 de fevereiro de 2016 
  23. José, Geraldo (26 de maio de 2010). «O Sistema é Bruto: Uziel Bueno deixa a TV Aratu e o Na Mira». Blog do Geraldo José. Consultado em 29 de fevereiro de 2016 
  24. «TV Aratu anuncia volta do No Campo do 4 e contratação de Preto Casagrande». Making Of. Consultado em 29 de fevereiro de 2016 
  25. a b Figueiredo, Fernanda (26 de julho de 2012). «TV Aratu estreia novos cenários, programas e horários nesta segunda». Bahia Notícias. Consultado em 29 de fevereiro de 2016 
  26. Albuquerque, Rafael (11 de outubro de 2013). «Record Bahia acaba de contratar Analice Salles, apresentadora do Na Mira». Bahia Notícias. Consultado em 28 de fevereiro de 2016 
  27. «Novidade na TV Aratu: Sílvio Mendes substitui Analice Sales no comando do "Na Mira"». Varela Notícias. 16 de outubro de 2013. Consultado em 29 de fevereiro de 2016 
  28. Vaquer, Gabriel (28 de agosto de 2015). «Bahia: Programa "Na Mira" é cancelado pela TV Aratu/SBT». NaTelinha - UOL. Consultado em 29 de fevereiro de 2016 
  29. «Baixa audiência faz TV Aratu encerrar programa Na Mira e afastar Silvio Mendes». Metro1. 28 de fevereiro de 2015. Consultado em 29 de fevereiro de 2016 
  30. Vaquer, Gabriel (4 de outubro de 2015). «BA: De surpresa, TV Aratu estreia jornal policial "Ronda" nesta segunda». NaTelinha - UOL. Consultado em 29 de fevereiro de 2016 
  31. a b Falcão, Diego (8 de novembro de 2015). «BA: TV Aratu/SBT dispensa apresentadora e jornalista Daniela Prata». NaTelinha - UOL. Consultado em 29 de fevereiro de 2016 
  32. «TV Aratu integra toda a programação e lança novidades para 2016». NaTelinha - UOL. 20 de fevereiro de 2016. Consultado em 29 de fevereiro de 2016 
  33. «Bahia: TV Aratu/SBT estreia novos programas nesta segunda; veja fotos». NaTelinha - UOL. 22 de fevereiro de 2016. Consultado em 29 de fevereiro de 2016 
  34. Martins, James (10 de dezembro de 2016). «Fim repentino do programa de Rita Batista gera protestos na internet». Bahia.ba. Consultado em 10 de dezembro de 2016 
  35. Luiz, Bruno (14 de julho de 2017). «Apresentadora do Aratu Notícias, Carla Araújo é demitida da emissora». Bahia Notícias. Consultado em 26 de julho de 2017 
  36. SPANNENBERG, Ana Cristina; ARAGÃO, Joana Maltez de; MENEZES, Juliana Cíntia Ferreira de; SANTOS, Lourivânia Soares (Julho de 2012). «Do ceticismo à consolidação: a TV na Bahia» (PDF). Notas sobre a primeira década de televisão em Salvador. Revista Brasileira de História da Mídia. Consultado em 29 de fevereiro de 2016 
  37. «TV Aratu anuncia reality show dentro de Trio Elétrico». Metro1. 16 de dezembro de 2011. Consultado em 29 de fevereiro de 2016 
  38. Maia, Gustavo (17 de janeiro de 2012). «O Trio, primeiro reality show feito na Bahia, estreia dando o que falar». NE10. Consultado em 29 de fevereiro de 2016 
  39. «Rosiane Pinheiro é a vencedora de O Trio Reality». Tribuna da Bahia. 12 de fevereiro de 2012. Consultado em 29 de fevereiro de 2016 
  40. Martinez, Léo (3 de julho de 2012). «Programa infantil de Xuxa é reeditado por Carla Perez: 'Presente de Deus'». Ego. Consultado em 29 de fevereiro de 2016 
  41. «Matheus Boa Sorte estreia novo programa de turismo com bastante diversão e aventura na TV Aratu». Aratu Online. 11 de maio de 2015. Consultado em 29 de fevereiro de 2016 
  42. Vaquer, Gabriel (9 de novembro de 2015). «BA: Lise Oliveira assume programa "Chegue Mais", da TV Aratu/SBT». NaTelinha - UOL. Consultado em 29 de fevereiro de 2016 
  43. Rebouças; Brinco, Vinícius; Henrique (3 de dezembro de 2015). «Darino Sena pede demissão da TV Bahia; saiba detalhes». Varela Notícias. Consultado em 29 de fevereiro de 2016 
  44. Medeiros, Lucas (27 de maio de 2016). «Carla Perez se despede do programa "Clube da Alegria"; assista!». TV Foco. Consultado em 29 de maio de 2016 
  45. «AGORA, AO VIVO: Novo programa 'Universo' estreia hoje na grade da TV Aratu». Aratu Online. 6 de março de 2017. Consultado em 10 de abril de 2017 
  46. «Carla Perez anuncia fim do 'Clube da Alegria': 'a vida é feita de ciclos'». Correio. 27 de maio de 2017. Consultado em 31 de maio de 2017 
  47. Caribé, Pedro (3 de setembro de 2010). «Programas violam direitos humanos». Observatório da Imprensa. Consultado em 29 de fevereiro de 2016 
  48. Ramos, Cleidiana (16 de abril de 2009). «Justiça suspende programa Na Mira». A Tarde. Consultado em 29 de fevereiro de 2016 
  49. «Juiz acata pedido do MP e determina suspensão do programa Na Mira». JusBrasil. 15 de abril de 2009. Consultado em 20 de setembro de 2016 
  50. «Programa "Na Mira" tem suspensão cancelada». A Tarde. 17 de abril de 2009. Consultado em 29 de fevereiro de 2016 
  51. Vaquer, Gabriel (4 de setembro de 2015). «Banda abandona programa ao vivo por rixa com cantor na Bahia; entenda». NaTelinha - UOL. Consultado em 29 de fevereiro de 2016 
  52. Vaquer, Gabriel (24 de novembro de 2016). «Globosat estuda processo contra afiliada do SBT por exibição ilegal de jogo». NaTelinha - UOL. Consultado em 9 de dezembro de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]