Sport Club Internacional

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Sport Club Internacional (desambiguação).
Internacional
Sport Club Internacional 2009.svg
Nome Sport Club Internacional
Alcunhas
Torcedor/Adepto Colorado
Mascote Saci
Principal rival Grêmio
Fundação 4 de abril de 1909 (112 anos)
Estádio Beira-Rio
Capacidade 50 128 pessoas[4]
Localização Porto Alegre, Brasil
Presidente Alessandro Barcellos[5]
Treinador Diego Aguirre
Patrocinador Banrisul[6]
Material (d)esportivo Adidas[7]
Competição Masculino
Campeonato Brasileiro - Série A
Campeonato Gaúcho - Série A
Copa do Brasil
Copa Libertadores

Feminino
Campeonato Brasileiro - Série A
Campeonato Gaúcho

Ranking nacional Masculino
Aumento 4.º lugar, 13 310 pontos[8]

Feminino
Aumento 13.º lugar, 5 796 pontos[9]

Website internacional.com.br
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo

O Sport Club Internacional (mais conhecido simplesmente como Internacional,[10] e popularmente pelos apelidos de Colorado e Inter de Porto Alegre) é um clube multiesportivo brasileiro com sede na cidade de Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul. Foi fundado em 4 de abril de 1909, pelos irmãos Poppe, com o objetivo de ser uma instituição democrática e sem preconceitos.[11] Tem como suas cores o vermelho e o branco e seus torcedores são conhecidos como colorados.

No futebol, é um dos clubes mais vitoriosos do Brasil e das Américas, sendo o terceiro maior campeão internacional do país, com sete conquistas oficiais, superado somente por Santos e São Paulo.[12][13] Suas maiores conquistas foram as do Mundial de Clubes da FIFA, em 2006,[14] e os dois títulos da Copa Libertadores da América, em 2006 e 2010,[15] além de uma Copa Sul-Americana de forma invicta, em 2008,[16] dois títulos da Recopa Sul-Americana, em 2007 e 2011,[17] e uma Copa Suruga Bank.[18]

Em relação às conquistas em nível nacional, o Internacional é detentor de três títulos do Campeonato Brasileiro (1975, 1976 e 1979),[19] sendo o terceiro de forma invicta,[20] além de uma Copa do Brasil[21] e um Torneio Heleno Nunes.[22] É o primeiro clube da Região Sul a conquistar títulos nacionais e a disputar uma final de Copa Libertadores.[23] Além disso, manteve-se durante vinte e quatro anos seguidos (1975–1998) na liderança no Ranking de Pontos do Campeonato Brasileiro,[24] período em que disputou sete semifinais, três fases finais e quatro finais da competição (1975, 1976, 1979 e 1988). O Internacional ainda é o maior vencedor do Campeonato Gaúcho, tendo conquistado quarenta cinco vezes a competição, e detém o recorde de maior número de conquistas consecutivas: oito vezes, entre 1969 e 1976.[25][26]

Desde 1969, manda suas partidas de futebol no estádio Beira-Rio, de propriedade do clube, com capacidade para mais de cinquenta mil torcedores. O local passou por uma ampla reforma entre 2010 e 2014 para poder sediar partidas da Copa do Mundo de 2014.[27][28][29] Além disso, o clube é dono do Ginásio Gigantinho e do Centro de Treinamentos Parque Gigante. O time feminino, por sua vez, joga na sede campestre do SESC, em Porto Alegre, desde 2020.[30] O Internacional é um dos clubes de futebol mais populares do Brasil, com uma torcida estimada em 6,4 milhões de torcedores espalhados pelo país.[31][32] É o clube pioneiro do país no programa sócio-torcedor, lançado em 2003.[33] Em 2020, contava com mais de cento e vinte mil associados.[34] No mesmo ano, foi considerado o quinto mais valioso do futebol brasileiro, avaliado em 1,749 bilhão de reais em estudo da empresa Sports Value.[35] Contudo, o clube atingiu o maior déficit anual da história ao fechar 2020 com noventa milhões de reais de prejuízo e vem registrando resultados financeiros negativos desde 2016.[36][37] O seu presidente atual é Alessandro Barcellos, que assumiu o mandato no início de 2021.[38]

Além do futebol masculino, o Internacional também já manteve ou mantém outras modalidades esportivas coletivas e individuais, como futebol feminino, atletismo, e-sports, basquete, boxe, taekwondo, voleibol e futebol de salão. Nesta última, conquistou a Liga Futsal de 1996, a Copa Libertadores de Futsal de 2000, a Copa Intercontinental de Futsal de 1996 e oito títulos estaduais. No futebol feminino, é o maior vencedor do Campeonato Gaúcho, com dez títulos, sendo o mais recente em 2020.[39] Entre ídolos e atletas de destaque do clube estão Larry Pinto de Faria, Bodinho, Paulo Roberto Falcão, Elias Figueroa, Valdomiro, Claudiomiro, Manga, Caçapava, Fernandão (homenageado pelo clube com uma estátua)[40] e Andrés D'Alessandro.

História[editar | editar código-fonte]

Henrique Poppe foi um dos fundadores do Internacional.

1909: Fundação[editar | editar código-fonte]

O clube foi fundado em 4 de abril de 1909, pelo jornalista brasileiro Henrique Poppe Leão, junto com seus irmãos Luiz Madeira Poppe e José Eduardo Poppe, que se transferiram de São Paulo para Porto Alegre, em 1901, e encontraram dificuldades para a prática do futebol, uma vez que os principais clubes da cidade, à época, eram restritos a descendentes de alemães.[41] O nome é uma referência à abertura a todas nacionalidades e uma homenagem ao Internacional paulista, do qual os irmãos Poppe fizeram parte.[42]

No dia 18 de julho do mesmo ano, o Internacional realizou sua primeira partida, no estádio do Grêmio (Baixada), situado no Bairro Moinhos de Vento. O resultado não poderia ser pior para o Colorado: perdeu por 10–0 para o Grêmio. No dia 7 de setembro de 1909, com cinco meses de fundação, o Internacional obteve seu primeiro empate contra uma equipe considerada de primeira linha na época: 0–0 contra o Militar Football Club, que no ano seguinte seria o campeão citadino. Mas a primeira vitória viria ainda neste ano, no dia 12 de outubro contra o mesmo Militar, por 2–1.

1913–1939: Primeiros títulos e estádio novo[editar | editar código-fonte]

Em 1913, o Internacional conquistou seu primeiro título, e de forma invicta: o do Campeonato Metropolitano de Porto Alegre. Esse feito seria repetido no ano seguinte, em 1914. Apesar dos progressos, o incômodo dos Grenais permanecia e perturbou a vida de colorados até 1915, quando finalmente venceu o Grêmio por 4–1.

A partir da década de 1920, o Inter abriria a sua sede e daria lugar no seu time aos jogadores que pertenciam às muitas ligas que organizavam competições entre clubes representativos de negros (a famosa Liga da Canela Preta, por exemplo), de funcionários públicos, de funcionários do comércio e de estivadores. Em 1925, um jogador negro veste pela primeira vez a camisa colorada. Chamava-se Dirceu Alves e atuava na defesa.[43]

O reconhecimento estadual aconteceu em 7 de setembro de 1927, quando o Inter sagrou-se Campeão Gaúcho pela primeira vez, ao vencer o Bagé no estádio da Baixada (antigo estádio do Grêmio) por 3–1, em dois tempos de quarenta minutos. Em 1934, o clube conquistou seu segundo título estadual ao vencer por 1–0 o Grêmio Atlético Farroupilha.

A era Eucaliptos[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Estádio Ildo Meneghetti
Time do Internacional de 1953

Os primeiros treinos do Internacional, em 1909, foram em um terreno baldio no fim da Rua Arlindo, entre a Saldanha Marinho e José de Alencar. Em 1910 o time foi para o Campo da Várzea, dividido com o time do Colégio Militar, na Volta do Cordeiro (referência ao comerciante português José Antônio Cordeiro, que cedeu um galpão onde os jogadores guardavam as goleiras depois de cada treino e jogo, para evitar que elas fossem roubadas por ladrões de madeira). Sulcos no chão eram marcados com leite de cal para demarcar as linhas do gramado, em dias de futebol. 

Em 1929, o engenheiro Ildo Meneghetti foi eleito como presidente do Inter e encontrou um terreno disponível na Rua Silveiro, que na época estabelecia o limite da cidade de Porto Alegre. O Inter fez a compra, e teve, finalmente, o seu primeiro patrimônio, 20 anos depois de sua fundação. Meneghetti colocou à venda ações para a construção do novo Estádio dos Eucaliptos.

A inauguração foi em março de 1931, com um Grenal, vencido pelo Inter por 3–0. O Eucaliptos (que mais tarde ganhou o nome de Ildo Meneghetti) tinha inicialmente 10 mil lugares, com um pavilhão de madeira na Rua Silveiro e uma arquibancada de cimento no lado oposto.

A última partida no Eucaliptos foi disputada em março de 1969: o Inter ganhou do time mais antigo do futebol brasileiro, o Rio Grande, por 4–1; o velho ídolo Tesourinha entrou só no final, jogou alguns minutos, e arrancou a rede de uma das goleiras. O estádio resistiu ao tempo por mais de 80 anos no bairro Menino Deus. Em agosto de 2010, foi anunciada a sua venda para uma construtora.

Equipe do Internacional em 1942, ano em que o Rolo Compressor conquistou seu terceiro Campeonato Gaúcho consecutivo.

1940–1974: O Rolo Compressor, projeção nacional e inauguração do Estádio Beira-Rio[editar | editar código-fonte]

O Rolo Compressor foi um time extremamente ofensivo, que durou de 1940 até 1948, conquistando oito estaduais em nove anos. O motivo de tamanha superioridade datava de 1928, ano que o Inter passou a utilizar jogadores negros em seu grupo, prática ainda não adotada pelo rival Grêmio até 1952. Isto acabou fortalecendo a equipe, que não tinha restrições e acabava sempre com os melhores jogadores, além de criar o carinhoso apelido de 'Clube do Povo'. Esta equipe contou com vários dos maiores craques já surgidos no Internacional.[44]

Em 18 de novembro de 1945, o Internacional ganhou o inédito título de hexacampeão gaúcho, na Timbaúva, estádio do Força e Luz, jogando contra o Pelotas. A partir daí é que o apelido de 'Rolo Compressor' dado por Vicente Rao ganhou fama. Os grandes clubes do eixo Rio-SP apareciam com propostas milionárias, mas os jogadores recusavam-se a sair de Porto Alegre.[45]

A década de 60, uma época difícil para o Internacional no futebol, que se dedicava à construção do Estádio Beira-Rio, foi marcada pela conquista do Campeonato Gaúcho de 1961 e também pela estreia na Taça Brasil, em 1962. O time colorado fez uma campanha histórica, sendo semifinalista e eliminado pelo Botafogo de Garrincha após dois empates por 2 a 2 e um jogo extra.

A primeira vitória de um clube gaúcho frente a um clube paulista em São Paulo aconteceu no dia 28 de maio de 1967. O Internacional venceu o Corinthians por 1–0, no Pacaembu, valendo a fase quadrangular final do Torneio Roberto Gomes Pedrosa daquele ano.[46] O Corinthians estava invicto há quinze partidas e parecia imbatível. O time colorado também foi vice-campeão dos Robertões de 1967 e 1968, ao ser derrotado nas finais por Palmeiras e Santos, respectivamente.

Exatamente no ano em que estava terminando uma longa hegemonia do Internacional no futebol gaúcho, 1956, começou a história da construção de um grande estádio, o Beira-Rio. No dia 12 de setembro de 1956, o vereador Ephraim Pinheiro Cabral, um homem do futebol, que por várias vezes presidiu o Inter, apresentou na Câmara de Porto Alegre o projeto de doação de uma área que seria aterrada no rio Guaíba. Na verdade, o Inter estava ganhando era um terreno dentro da água. Só em 1959 o clube fincou as primeiras estacas do Beira-Rio.

O estádio Beira-Rio foi construído em grande parte com a contribuição da torcida, que trazia tijolos, cimento e ferro para a obra,[47] inclusive do interior. Nesse sentido, havia programas especiais de rádio, para mobilizar os torcedores colorados em todo o Rio Grande do Sul. Consta que até Falcão, mais tarde ídolo colorado, chegou a trazer tijolos para a construção.

O Beira-Rio foi inaugurado no domingo de 6 de abril de 1969, dois dias e 60 anos depois da fundação do clube. No jogo inaugural, contra o Benfica de Portugal, Claudiomiro faz o primeiro gol do Inter no estádio. E de repente um homem grande começou a chorar, e a abanar para a torcida, enquanto dava a volta olímpica no gramado: era Rui Tedesco, o engenheiro que concluiu o Beira-Rio. Emocionados estavam também os dirigentes, mas nada era maior do que o orgulho dos torcedores. Naquela tarde nascia o Gigante da Beira-Rio.[48]

1975–1980: Tricampeonato brasileiro e a 1ª final de Libertadores[editar | editar código-fonte]

Paulo Roberto Falcão, tricampeão brasileiro e vice-campeão da Libertadores pelo Internacional, é considerado como o maior jogador da história do clube.[49] Na foto, Falcão atuando pela Roma na década de 80.

O time de 1975 começou a ser montado no ano anterior. Em 1974, clube contratou o goleiro Manga, do Nacional, e o ponteiro-esquerdo Lula, do Fluminense.[50] Das categorias de base, subiram jogadores como Caçapava, Chico Fraga e Batista. Em 1975, chegaria o centroavante Flávio, unindo-se a uma equipe que já contava com jogadores como Figueroa, Falcão, Paulo César Carpegiani e Valdomiro. O Campeonato Brasileiro, que era amplamente dominado pelos paulistas, donos de 12 dos 18 títulos nacionais disputados até então, seja na Taça Brasil, seja no Torneio Roberto Gomes Pedrosa, foi vencido por um clube gaúcho. Ao todo, foram 29 jogos, 58 pontos ganhos, 18 vitórias, oito empates e apenas três derrotas.[51] O prestígio colorado alcançou proporções nacionais antes mesmo de assegurar a taça, em 14 de dezembro. No domingo anterior, o Internacional venceu a "Máquina Tricolor" do Fluminense de Didi e Rivellino em pleno Maracanã. Mesmo com favoritismo ao lado dos cariocas, a equipe de Rubens Minelli aplicou um "nó tático" fora de casa para vencer a semifinal por 2–0, gols de Lula e Carpegiani. O Internacional venceu o duelo contra o Cruzeiro pelo placar de 1–0, no Beira-Rio, na final do Campeonato Brasileiro 1975. Com este resultado, o Internacional sagrou-se campeão. O gol da vitória foi marcado pelo chileno Figueroa, que subiu mais alto que a zaga cruzeirense e desviou de cabeça, marcando o gol em um pequeno rastro da luz do Sol sobre a área, que ficou conhecido como o ''gol iluminado''.[52] Com este resultado, o Internacional ampliou a sequência de quatro jogos sem perder pra o adversário no Brasileiro Unificado.[53] O Colorado teve no campeonato o ataque mais positivo, o goleiro menos vazado e o goleador, Flávio, com 16 gols.[51]

O Internacional chegou o octacampeonato inédito no Campeonato Gaúcho, em 1976. Com o técnico Rubens Minelli comandando a maioria dos títulos, o Colorado montou um time nos anos 1970 que tinha craques como Falcão, Carpeggiani, Figueroa e destaques como Valdomiro, Flávio, Claudiomiro, Escurinho, Jair, Dario, Lula, Marinho, o goleiro Manga, Batista e Caçapava. Uma grande equipe que coincidiu ter como grande palco o Beira-Rio, inaugurado em 1969, exatamente no ano do seu primeiro dos oito títulos. O último foi também no Beira-Rio, no dia 22 de agosto de 1976, ao vencer o rival Grêmio por 2–0, com gols de Lula e Dario.[54]

Elías Figueroa, autor do famoso "gol iluminado" válido pela final do Campeonato Brasileiro de 1975, ganhou esta alcunha em razão de uma fresta de luz do Sol romper o céu encoberto de Porto Alegre e iluminar justamente o local aonde zagueiro do Internacional estava no momento do cabeceio.[55]

Com um time melhor que o do ano anterior, o Internacional foi novamente soberano na primeira fase do Campeonato Brasileiro de 1976, com 7 vitórias e 1 derrota em 8 jogos, ficando na primeira posição. Na segunda fase, o time não perdeu, vencendo 4 jogos e empatando 1. Na terceira fase, seis vitórias e duas derrotas em oito jogos levaram o time, em primeiro lugar, às semifinais da competição. Com direito a jogar novamente a final em casa, o Colorado não teve problemas em faturar seu segundo título brasileiro contra o Corinthians. O time paulista jogava mais na base da raça e da emoção do que com a técnica. Sem a presença maciça de sua torcida como na Invasão do Maracanã, o time alvinegro não conseguiu ser valente contra a melhor equipe do país. Foi batido pelo placar de 2–0, gols de Dario e Valdomiro. O Internacional sagrava-se bicampeão brasileiro, e coroava seu futebol eficiente, brilhante e técnico, além de colocar Falcão, Figueroa, Manga e Carpegiani no mais alto patamar dos grandes do futebol brasileiro e até mundial (no caso de Falcão e Figueroa).[56]

Com número recorde de participantes, o Campeonato Brasileiro de 1979 foi disputado por 94 equipes. Depois da realização de três fases de grupos, chegou-se à semifinal, em que o Internacional eliminou o Palmeiras, enquanto que o Vasco deixou o Coritiba pelo caminho. Na decisão, o Internacional venceu o Vasco as duas partidas (2–0 no Rio de Janeiro e 2–1 em Porto Alegre). Paulo Roberto Falcão anotou o último gol da vitoriosa campanha, que selava o tricampeonato brasileiro dos colorados em 23 de dezembro de 1979.[57] Assim, o clube gaúcho se tornava campeão invicto, com campanha de 16 vitórias e 7 empates.[58] O primeiro e o único, sem contar a fase pré-1971 da competição, em suas denominações Taça Brasil e Torneio Roberto Gomes Pedrosa. Tal façanha foi tema de um livro escrito pelo Falcão, ídolo do clube, em que o título diz: ''O time que nunca perdeu''.[59]

A terceira estrela colocado sobre o distintivo do clube encerrou uma década de glórias do Internacional, que além dos três títulos nacionais (1975, 1976 e 1979), também foi marcada pelo octacampeonato gaúcho (venceu todos os regionais de 1969 a 1976).[54]

O ano de 1980 foi marcado pelo desmanche daquela equipe do Internacional que encantou o Brasil na década de 1970. O Colorado fez história novamente sendo o primeiro clube do Sul do país a disputar uma final de Copa Libertadores. O Internacional era uma equipe sólida na defesa e com potência ofensiva, manejado pela figura de Falcão. O adversário era o Nacional do Uruguai, que fez um grande trabalho na final de ida no Beira-Rio, obtendo um importante empate 0–0. A revanche foi parelha, mas aos 35 minutos, foi quebrada com um gol de Victorino, dando o segundo título da competição à equipe do Nacional.[60]

1981–1991: Títulos amistosos, a Sele-Inter e a 4ª final de Campeonato Brasileiro[editar | editar código-fonte]

Taffarel foi revelado no Colorado em 1985. O ex-goleiro foi vice-campeão brasileiro de 1988 pelo Internacional e campeão da Copa do Mundo FIFA de 1994 pela Seleção Brasileira. É considerado um dos melhores goleiros de todos os tempos pela IFFHS.[61]

Em 1982, o Internacional conquistou o Troféu Joan Gamper eliminando o Barcelona de Maradona no Camp Nou com mais de 100 mil pessoas[62] e batendo o Manchester City pelo placar de 3–1 na final. Tornou-se o primeiro e único clube fora da Europa a conquistar a taça do torneio amistoso, organizado pelo próprio Barcelona desde 1966.[63]

Em 1984, o Internacional conquistou o tetracampeonato no Campeonato Gaúcho e também o Torneio Heleno Nunes, organizado pela CBF.[22] Em consequência disso, teve seu time titular cedido à seleção brasileira para a disputa das Jogos Olímpicos de 1984. A seleção brasileira, também conhecida como "Sele-Inter",[64] eliminou o Canadá nos pênaltis pelas quartas de final, depois venceu a Itália na semifinal 2–1. Na final, contra a França, o maior público da história dos Jogos Olímpicos (101.799 pessoas) acompanhou o jogo que terminou em 2–0 para a França.[65] Assim, o futebol brasileiro conquistou a sua primeira medalha de prata em Jogos Olímpicos de Verão.[66]

Três anos depois, o Colorado protagonizava mais uma decisão, dessa vez contra o Flamengo pelo Módulo Verde da controversa Copa União de 1987. Após empatar por 1–1 em Porto Alegre e perder por 1–0 no Rio de Janeiro, o clube gaúcho foi vice-campeão do Módulo Verde naquele ano.[67]

Na temporada de 1988, o Colorado chegava para mais uma decisão de Campeonato Brasileiro, onde defendia o tetracampeonato. O adversário foi o Bahia, que o derrotou por 2–1 em Salvador e segurou o empate sem gols em Porto Alegre, culminando em mais um vice-campeonato na história do clube.[68] Com vaga garantida na Copa Libertadores de 1989, o time colorado chegou à semifinal, sendo eliminado pelo Olimpia, do Paraguai, nos pênaltis. A década de 80 ficou marcada por apenas uma conquista nacional, que foi o Torneio Heleno Nunes, realizado em 1984 pela CBF e conquistado pelo Colorado sobre o Bahia, além de quatro conquistas estaduais consecutivas, entre 1981 e 1984. A década de 90 se iniciava com a conquista do 30º título do Campeonato Gaúcho, em 1991.

1992–2005: Retorno do Colorado das Glórias e o polêmico Campeonato Brasileiro de 2005[editar | editar código-fonte]

Dunga, revelado no clube, foi capitão da Seleção Brasileira na conquista do tetracampeonato mundial do Brasil em 1994. Em 1999 fez o gol que salvou o time colorado do rebaixamento no Campeonato Brasileiro. É um dos ídolos do Internacional.[69]

Na temporada de 1992 o Internacional conquistou o 31º título do Campeonato Gaúcho e inédita Copa do Brasil. O time colorado eliminou as equipes do Corinthians, Grêmio, Palmeiras e Fluminense no certame nacional. Após confirmar o favoritismo diante do Muniz Freire-ES, o Internacional não deu chances ao Corinthians, goleou os paulistas por 4 a 0 no Pacaembu e alcançou as quartas de final com o empate sem gols no Beira-Rio. Diante do Grêmio, o Colorado despachou o maior rival nos pênaltis por 3–0, após dois empates em 1–1. Com duas vitórias sobre o Palmeiras, os gaúchos se garantiram na final. Apesar da derrota por 2–1 na ida, o Internacional venceu o Fluminense por 1–0 no Beira-Rio e levantou o troféu graças ao gol marcado fora de casa. O técnico Antônio Lopes contou com o artilheiro Gerson da Silva para se sagrar campeão da Copa do Brasil. O atacante contribuiu com nove dos 20 gols marcados pelo Colorado e conquistou a chuteira de ouro do torneio pela terceira vez (1989, 1991 e 1992). O feito de Gerson segue sem ter sido alcançando até os dias de hoje.[70]

Após a conquista nacional, o clube gaúcho teve o direito de jogar a Copa Libertadores de 1993, porém foi eliminado na primeira fase da competição com 3 empates e 3 derrotas. Na temporada de 1994, conquistou seu 32º título do Campeonato Gaúcho.

Em 1997, o time colorado conquistou o título do Campeonato Gaúcho. No Campeonato Brasileiro, o clube fez a melhor campanha de toda a década de 90, terminando o certame na terceira colocação.[71] Na mesma competição, o Colorado também aplicou uma goleada espetacular sobre seu maior rival, o Grenal dos 5 a 2, em pleno Estádio Olímpico.[72]

Na temporada de 1999, o clube foi semifinalista da Copa do Brasil e defendia o bicampeonato, porém foi eliminado pelo Juventude. No Campeonato Brasileiro, fez uma campanha ruim e escapou do rebaixamento na última rodada com um gol de Dunga contra o Palmeiras.[73] A década de 90 não foi vitoriosa para o clube, que teve apenas uma conquista nacional e quatro no âmbito estadual.

Em 2002, Fernando Carvalho chegava à presidência do Internacional. Dirigente colorado desde os anos 1990, já havia tentado ocupar o principal cargo do clube em eleição anterior, mas fora derrotado. Foi o presidente que conquistou os principais títulos do clube. O clube na década de 2000 revelou grandes jogadores ao futebol brasileiro e mundial, como Lúcio, Fábio Rochemback, Daniel Carvalho, Nilmar, Rafael Sóbis, Alexandre Pato e Leandro Damião. Após escapar do rebaixamento em 2002, o clube reestruturou-se para montar uma equipe competitiva. Na temporada de 2004, o Internacional foi campeão do Campeonato Gaúcho e fez uma campanha histórica na Copa Sul-Americana, chegando à semifinal, sendo eliminado pelo Boca Juniors por 4–2 no placar agregado.[74]

Na temporada de 2005, com o técnico Muricy Ramalho no comando, o Internacional foi pela quarta vez seguida campeão do Campeonato Gaúcho e voltava a defender o tetracampeonato brasileiro. O time colorado liderava o Campeonato Brasileiro de 2005 até a Máfia do Apito ser descoberta. Na ocasião, o árbitro Edílson Pereira de Carvalho estava envolvido em uma esquema de resultados. O STJD resolveu anular 11 partidas, e o Corinthians, que teve dois jogos que perdeu remarcados, recuperou 4 pontos, assumindo a liderança do campeonato, do qual acabaria sendo campeão.[75] Sendo vice-campeão brasileiro em 2005, o time colorado garantiu vaga na Copa Libertadores de 2006. Após o fim do Campeonato Brasileiro, Muricy deixou o comando do Internacional.[76] Com a frustração no Campeonato Brasileiro de 2005, ao iniciar a temporada de 2006, o então presidente Fernando Carvalho anunciou o plano de conquistar o mundo.[77]

2006–2011: As conquistas da América e do Mundial[editar | editar código-fonte]

Fernandão, o capitão da conquista do Mundial de Clubes da FIFA de 2006, sendo condecorado com a medalha de Honra ao Mérito Esportivo concedida pelo então presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva.[78]

Superando o vice-campeonato brasileiro de 2005, o Internacional de Abel Braga deu a volta por cima e sagrou-se campeão da Copa Libertadores no dia 16 de agosto de 2006.[79] Com a vaga garantida na Copa do Mundo de Clubes da FIFA, o Colorado manteve a boa fase no Campeonato Brasileiro, mesmo tendo utilizado o time reserva em boa parte da competição, conseguiu mais uma vez ser vice-campeão brasileiro.[80]

No dia 17 de dezembro de 2006, o Internacional conquistou a Copa do Mundo de Clubes da FIFA, o maior título do clube, ao vencer o Barcelona por 1–0, em Yokohama, no Japão. Depois de erguer as taças da Copa Libertadores e da Copa do Mundo de Clubes da FIFA em 2006, o Colorado conquistou a Recopa Sul-Americana de 2007 e garantiu a inédita Tríplice Coroa Internacional.

Abel Braga recebendo os cumprimentos de Luiz Inácio Lula da Silva após receber a medalha de Honra ao Mérito Esportivo pela conquista do Mundial de Clubes da FIFA de 2006.[78]

O Colorado ainda obteve um título inédito para o futebol nacional até então: a Copa Sul-Americana de 2008, onde foi campeão invicto, com cinco vitórias e cinco empates.[16] O Internacional iniciou o ano de seu centenário conquistando o Campeonato Gaúcho de forma invicta, vencendo o turno (Taça Fernando Carvalho) e o returno (Taça Fábio Koff), sem a necessidade de disputar a final. Foi campeão da Copa Suruga Bank de 2009,[18] porém, perdeu três títulos: foi vice-campeão na Copa do Brasil, no Campeonato Brasileiro e na Recopa Sul-Americana.

O Internacional recuperou-se da má fase e sagrou-se bicampeão da Copa Libertadores da América. No Mundial de Clubes, porém, o clube ficou em terceiro lugar após ser eliminado na semifinal. Em 2011, o time colorado conquistou seu mais recente título internacional, onde sagrou-se bicampeão da Recopa Sul-Americana após vencer o Independiente da Argentina pelo placar de 3–1 no Beira-Rio.[81]

2012–2019: O novo Beira-Rio, o hexa gaúcho, descenso e a 3ª final de Copa do Brasil[editar | editar código-fonte]

Andrés D'Alessandro é o 3º jogador que mais atuou pelo Internacional. Entre suas maiores conquistas estão os títulos da Copa Sul-Americana de 2008 e a Copa Libertadores de 2010. Foi eleito o melhor jogador da América em 2010 em uma pesquisa realizada pelo jornal uruguaio El País e reconhecida pela Conmebol.[82]

O clube empenhou-se na reforma do Beira-Rio, que ficou fechado para obras visando à Copa do Mundo de 2014 desde dezembro de 2012, mas os trabalhos já haviam começado em 2011. Nesse período fora de casa, o Inter precisou se virar com estádios temporários, mandando suas partidas no Estádio Centenário, em Caxias do Sul, e no Estádio do Vale, em Novo Hamburgo.[83] Também esteve presente na Copa Libertadores de 2012, sendo eliminado nas oitavas de final e terminou o Campeonato Brasileiro na décima colocação. Na temporada de 2014, o técnico Abel Braga retornou ao clube pela quinta vez.[84] No dia 6 de abril de 2014, o Beira-Rio foi oficialmente reaberto numa partida amistosa entre os donos da casa e o Peñarol, do Uruguai, com vitória do Internacional pelo placar de 2–1.[83] Em 2014 conquistou o seu 43º título do Campeonato Gaúcho, foi eliminado na terceira fase da Copa do Brasil e na segunda fase da Copa Sul Americana, porém, fez uma boa campanha no Campeonato Brasileiro, terminando na terceira colocação e garantindo vaga para a Copa Libertadores de 2015.[85]

Com a troca de gestão, Abel Braga não renovou com o clube e é anunciada a contratação de Diego Aguirre para a temporada de 2015.[86] O Colorado conquistou o seu 44º título do Campeonato Gaúcho, mantendo a sequência e tornando-se pentacampeão estadual. Na Copa Libertadores de 2015, o time colorado foi longe e acabou sendo eliminado na semifinal, terminando o certame na terceira colocação.[87]

Em 2016, com Argel Fucks comandando o time colorado, o clube manteve a sequência de títulos e sagrou-se hexacampeão estadual ao vencer seu 45º título do Campeonato Gaúcho,[88] e também foi campeão, pela primeira vez, da Recopa Gaúcha. No âmbito nacional, foi eliminado na semifinal da Copa do Brasil de 2016,[89] porém, no Campeonato Brasileiro não teve o mesmo sucesso. A diretoria demitiu Argel Fucks, e, mesmo com as passagens dos técnicos Falcão, Celso Roth e Lisca, o Internacional não recuperou-se da má fase e foi rebaixado pela primeira vez na sua história, terminando a competição em 17º lugar.[90]

Equipe do Internacional em Guayaquil, no Equador, em partida válida pela fase de grupos da Copa Libertadores de 2015.

Para a temporada de 2017, a diretoria colorada anunciou a contratação do técnico Antônio Carlos Zago. O clube não conseguiu manter a sequência de títulos estaduais, sendo vice-campeão do Campeonato Gaúcho, na Copa do Brasil foi eliminado na quinta fase, Zago foi demitido e anunciaram a contratação do técnico Guto Ferreira, que também não resistiu a uma sequência negativa, e, após sua saída, deu lugar ao auxiliar técnico Odair Hellmann, sendo mais tarde efetivado como técnico para a temporada de 2018.[91] O time colorado foi vice-campeão do Campeonato Brasileiro - Série B, onde totalizou 71 pontos, em 20 vitórias, 11 empates e apenas 7 derrotas, garantindo o acesso à elite do futebol brasileiro.[92]

Na temporada de 2018, sob o comando do técnico Odair Hellmann, o Internacional ficou em 3º lugar no Campeonato Brasileiro, onde totalizou 69 pontos, em 19 vitórias, 12 empates e apenas 7 derrotas, garantindo vaga direta para a Copa Libertadores de 2019.[93]

Em 2019, o Internacional fez uma boa campanha na Copa do Brasil, eliminando grandes equipes como Palmeiras e Cruzeiro. Na final, o Colorado não foi capaz de superar a equipe do Athletico Paranaense, que o venceu nos jogos de ida e de volta. É o segundo vice-campeonato do clube na história da competição.[94]

2020–presente: tetracampeonato brasileiro adiado[editar | editar código-fonte]

Para a temporada de 2020 o Internacional anunciou a contratação de nomes como Damián Musto, Thiago Galhardo e o técnico argentino Eduardo Coudet.[95] Com o time na liderança do Campeonato Brasileiro de 2020, e classificado nas demais competições, o clube anuncia a saída do técnico Coudet no dia 9 de novembro, que aceitou uma proposta para treinar o Celta de Vigo, na Espanha, após desentendimentos entre o treinador e a diretoria de então.[96][97]

Em 10 de novembro, o Internacional anunciou o retorno do técnico Abel Braga para a sua sétima passagem pelo clube, com contrato até o final da temporada. Em começo oscilante, e com constantes desfalques devido a graves lesões em jogadores do plantel titular, o clube foi eliminado da Copa do Brasil, da Copa Libertadores e, na última rodada, foi vice-campeão do Campeonato Brasileiro de 2020.[98] Nesta edição da competição, o clube chegou a nove vitórias consecutivas, batendo o recorde da era dos pontos corridos, que anteriormente pertencia a Cruzeiro (2003) e Flamengo (2019), ambos com oito vitórias seguidas.[99] Após o final da edição do Campeonato Brasileiro de 2020, o técnico Abel Braga deixou o clube.[100]

Para o lugar de Abel, o Internacional contratou o espanhol Miguel Ángel Ramírez. Com Ramírez, o time teve um bom início e chegou a uma série de goleadas, incluindo um 6 a 1 contra o Olímpia, pela Copa Libertadores, resultando na maior goleada da história do clube pela competição. Entretanto, o time logo caiu de rendimento, e, após derrota na final do Campeonato Gaúcho, começo ruim no Brasileirão e eliminação na terceira fase da Copa do Brasil em pleno Beira-Rio, Ramírez foi demitido, ainda em junho de 2021.[101]

Em substituição, Diego Aguirre retornou ao clube, assinando contrato até o final de 2022.[102]

Símbolos[editar | editar código-fonte]

Escudo[editar | editar código-fonte]

Evolução do Escudo do Sport Club Internacional
1909 1977–1979 1980–1982 1983-1992 1993–2005 2006 2007 2008 2009–presente
Sport Club Internacional 1910s Crest.svg Sport Club Internacional 1977 Crest.svg Sport Club Internacional 1980 Crest.svg Sport Club Internacional 1984 Crest.svg Sport Club Internacional 1993 Crest.svg Sport Club Internacional 2006 Crest.svg Sport Club Internacional 2007 Crest.svg Sport Club Internacional 2008 Crest.svg Sport Club Internacional 2009.svg

Originalmente o escudo do Internacional era formado pelas iniciais SCI bordadas em vermelho em um fundo branco. Na década de 50, houve a inversão das cores.[103] A forma atual, com um círculo com o nome do clube e o ano de fundação, foi adotada em 2009.[104]

O escudo[105] circular do Internacional consiste em:

  • As inscrições "SC Internacional" (Sport Club) e "1909" (ano de fundação do clube)
  • Em branco, as iniciais "SCI" entrelaçadas sobre um círculo vermelho
  • Ao longo dos anos, o Internacional acrescentou estrelas, coroa e ramos de louro em seu escudo. Os adornos foram retirados em 2009, ano do centenário do clube.

Hino[editar | editar código-fonte]

Saci é o mascote oficial

No final dos anos 1950, foi realizado um concurso para a escolha do hino, havendo muitos candidatos. O escolhido foi composto pelo carioca Nélson Silva, músico do conjunto "Águias de la Medianoche", e que morava em Porto Alegre desde 1943.[106] Celeiro de Ases é hoje o hino oficial do clube.[107][108] Mesmo sem participar do concurso, a canção foi escolhida e Silva doou os direitos para o Internacional. Anos depois, Silva ainda escreveu o hino do Gigante da Beira-Rio.[106]

Mascote[editar | editar código-fonte]

Para identificar o Inter como um clube do povo, nas páginas esportivas da antiga Folha Desportiva e do jornal A Hora, surgiu na década de 1950 a figura do "Negrinho". Com o tempo, o Negrinho acabou virando o Saci, aquele que gosta de armar ciladas contra as pessoas, como uma analogia ao que o Internacional faria nos campos de futebol.[109] O mascote entrou oficialmente no estatuto do clube em 2006.[110]

Títulos[editar | editar código-fonte]

Futebol masculino[editar | editar código-fonte]

Troféu do Mundial de Clubes da FIFA de 2006, em exposição em 2007.
Honrarias
Competição Títulos Temporadas
Heraldic Royal Crown (Common).svg Tríplice Coroa Internacional 1 2007
Mundiais
Competição Títulos Temporadas
Interclubes.png Copa do Mundo de Clubes da FIFA 1 2006Cscr-featured.svg
Intercontinentais
Competição Títulos Temporadas
COPA 2 INT.png Copa Suruga Bank 1 2009Cscr-featured.svg
Continentais
Competição Títulos Temporadas
COPA 1 AMR.png Copa Libertadores da América 2 2006 e 2010
COPA 2 AMR.png Copa Sul-Americana 1 2008Cscr-featured.svg
COPA 3 AMR.png Recopa Sul-Americana 2 2007 e 2011
Nacionais
Competição Títulos Temporadas
COPA 8 BR.png Campeonato Brasileiro 3 1975, 1976 e 1979Cscr-featured.svg
COPA 14 BR.png Copa do Brasil 1 1992
Interestaduais
Competição Títulos Temporadas

CUP USA 2.png

Torneio Heleno Nunes 1 1984
Estaduais
Competição Títulos Temporadas
0-ers.png Campeonato Gaúcho

Recordista

45 1927Cscr-featured.svg, 1934Cscr-featured.svg, 1940Cscr-featured.svg, 1941Cscr-featured.svg, 1942Cscr-featured.svg, 1943Cscr-featured.svg, 1944Cscr-featured.svg, 1945Cscr-featured.svg,1947Cscr-featured.svg, 1948Cscr-featured.svg, 1950Cscr-featured.svg, 1951, 1952Cscr-featured.svg, 1953, 1955Cscr-featured.svg, 1961, 1969, 1970Cscr-featured.svg, 1971, 1972Cscr-featured.svg, 1973, 1974Cscr-featured.svg, 1975, 1976, 1978, 1981, 1982, 1983, 1984, 1991, 1992, 1994, 1997, 2002Cscr-featured.svg, 2003, 2004, 2005, 2008, 2009Cscr-featured.svg, 2011, 2012, 2013, 2014, 2015 e 2016
0-ers.png Copa FGF 2 2009 e 2010
0-ers.png Copa da Região Sul-Fronteira 1 2016
0-ers.png Recopa Gaúcha

Recordista

2 2016Cscr-featured.svg e 2017Cscr-featured.svg
0-ers.png Super Copa Gaúcha 1 2016
Municipais
Competição Títulos Temporadas
Bandeira de Porto Alegre.svg Citadino de Porto Alegre 24 1913Cscr-featured.png, 1914Cscr-featured.png, 1915Cscr-featured.png, 1916Cscr-featured.png, 1917, 1920, 1922, 1927, 1934, 1936Cscr-featured.png, 1940, 1941, 1942, 1943, 1944, 1945, 1947, 1948, 1950, 1951, 1952, 1953, 1955 e 1972

Cscr-featured.svg Campeão invicto

Futebol feminino[editar | editar código-fonte]

Rio Grande do Sul Campeonato Gaúcho: 10 (1983, 1984, 1997, 1998, 1999, 2002, 2003, 2017, 2019 e 2020)

Futsal[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Sport Club Internacional (futsal)
Intercontinentais
Competição Títulos Temporadas
WikiCup Trophy Gold.png Copa Intercontinental de Futsal 1 1996
Continentais
Competição Títulos Temporadas
Flags of the Union of South American Nations.gif Copa Libertadores de Futsal 1 2000
Nacionais
Competição Títulos Temporadas
TrofeuLigaFutsal.svg Liga Futsal 1 1996
CBF - Taça Brasil.svg Taça Brasil de Futsal 1 1999
Estaduais
Competição Títulos Temporadas
Bandeira do Rio Grande do Sul.svg Campeonato Gaúcho Série Ouro 9 1976, 1977, 1978, 1980, 1989, 1990, 1998, 2000 e 2002
Municipais
Competição Títulos Temporadas
Bandeira de Porto Alegre.svg Citadino de Futsal de Porto Alegre 6 1995, 1996, 1999, 2002, 2003 e 2004

Uniforme[editar | editar código-fonte]

A primeira camiseta do Internacional era listrada verticalmente em vermelho e branco, gravata nas duas cores, bermudas brancas e meias pretas. Já em 1909 o Inter adota a camisa vermelha, com bermudas e meias pretas - posteriormente trocadas pelas brancas.[103]

Material esportivo e patrocinadores

O atual fornecedor de material esportivo do Internacional é a empresa alemã Adidas, com contrato estipulado até o final de 2022.[111] O clube é patrocinado desde 2002 pelo Banrisul.[112]

Anos Material esportivo Patrocinador
1976 - 1981 Alemanha Adidas[113]
1982 - 1984 França Le Coq[113]
1984 - 1986 Brasil Olympikus [113]
1987 Brasil Perusso[113]
1988 Inglaterra Umbro[113] Coca-Cola[114]
1989 - 1994
1995 - 1996 Brasil Rhumell[113] Aplub[114]
1997 Alemanha Adidas[113]
1998 - 1999 General Motors[114]
2000 Brasil Topper[113]
2001 - 2005 Banrisul[112]
2006 - 2011 Inglaterra Reebok[113]
2012 - 2019 Estados Unidos Nike[113]
2020 - presente Alemanha Adidas[111]

Uniformes[editar | editar código-fonte]

  • 1º - Camisa vermelha, calção e meias brancas;
  • 2º - Camisa branca, calção e meias vermelhas;
  • 3º - Camisa marrom, calção e meias marrons;
  • Outubro Rosa - Camisa rosa, calção e meias pretas.
  • Consciência Negra - Camisa preta, calção e meias pretas.
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Outubro Rosa
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Cons. Negra

Uniformes de goleiros[editar | editar código-fonte]

Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3

Uniformes de treino[editar | editar código-fonte]

  • Camisa verde-limão e calção preto;
  • Camisa preta e calção preto.
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Jogadores
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Comissão técnica

Uniformes anteriores[editar | editar código-fonte]

Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1909
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Ver evolução
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2021

Direção[editar | editar código-fonte]

Presidentes[editar | editar código-fonte]

O atual presidente do Internacional é Alessandro Barcellos, que tomou posse em janeiro de 2021.[38] Seu antecessor, Marcelo Medeiros, ficou na presidência por dois mandatos, entre 2017 e 2020.[115][116]

Torcida[editar | editar código-fonte]

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Torcida do Internacional no Beira-Rio.

As primeiras grandes pesquisas de parâmetro nacional em relação ao tamanho das torcidas, foram realizadas em 1983 em relação aos grandes clubes brasileiros. De acordo com a primeira pesquisa, o Internacional era detentor da 12ª maior torcida do Brasil, junto ao Fluminense com 4,1% de torcedores em todo o Brasil. Em 1993, o percentual foi de 3,1% torcedores estando a frente de seu maior rival, Grêmio que abrigava 2,6% de torcedores. Nessa ocasião, o Inter ocupava a 11ª posição entre o grandes do Futebol Brasileiro. O Inter já chegou a ocupar a sétima posição em 1998 com 3,1% de torcedores e a nona posição em 2004 com 2,6%.[117]

Conforme pesquisa por amostra realizada pelo Datafolha em agosto de 2019, com margem de erro de dois pontos percentuais, 3% da população brasileira torce para o Internacional, que tem a oitava maior torcida do país, em empate técnico com Palmeiras, Vasco, Cruzeiro, Grêmio, Santos, Atlético Mineiro e mais oito clubes.[118]

Outro dado que analisa as torcidas é o total de apostas na Timemania, na qual o Inter é o sétimo colocado entre os clubes brasileiros desde o lançamento da loteria, com o porcentual de 3,6% das apostas.[119]

Historicamente, a popularização do Inter ocorreu no período 1940-1955 com o chamado "Rolo Compressor" e que décadas depois, reforçou sua hegemonia do futebol gaúcho nos anos 1970. Já nessa época o Colorado ganhara a alcunha de a maior torcida do Sul, que inclusive foi colocada na marquise do Beira-Rio. O Sport Club Internacional é chamado de Clube do Povo do Rio Grande do Sul.[120]

Torcidas organizadas[editar | editar código-fonte]

Guarda Popular do Internacional.

O Internacional é pioneiro em torcidas organizadas. Nos anos 1940, comandados por Vicente Rao, o Colorado teve a primeira torcida organizada que se tem notícia no Brasil, na época do lendário Rolo Compressor. Com o passar dos anos, os colorados foram mantendo sua paixão pelo clube, apoiando a equipe sempre e crescendo seu espaço nas arquibancadas. São nas excursões que as organizadas integram-se com colorados de todo o Brasil, se mostrando animadas e participativas nos jogos disputados por todas as competições do Internacional.[121]

Hoje o Internacional é representado por três torcidas organizadas oficiais: Camisa 12, Super F.I.C.O. e Nação Independente. O clube possui uma barra brava: A Guarda Popular. Atualmente, a Popular é o maior movimento de torcedores do clube, a qual 90% dos integrantes que a frequentam são associados ao Inter. Todas torcem com faixas, cantos e hinos, visando incentivar o clube.[122]

  • Camisa 12 - É a maior torcida organizada do Internacional, fundada em 1969 por Vicente Lomando Rao, Hernani Becker, Jorge Birolho e Victor Tavares do Santos. A Camisa 12 é a torcida organizada mais antiga do sul do país e uma das mais tradicionais do Brasil.[123]
  • Guarda Popular - Barra brava do clube que se posiciona na arquibancada inferior, atrás do gol do antigo Placar.
  • Nação Independente - Se situa na arquibancada inferior, atrás do gol do Gigantinho, ao lado da entrada de ambulância, no oposto da Guarda Popular.
  • Super F.I.C.O. - Pertence ao anel superior do estádio Beira-Rio, próximo ao centro do campo.
  • Roots 1909 - Se posiciona na Superior Sul, acima da Popular, no setor 314.

Sócios[editar | editar código-fonte]

Implantado em 2003, o Internacional é pioneiro no programa de sócio-torcedores. Em 2020, era o clube com maior número de sócios no Brasil, contando com mais de 125 mil sócios ativos.[34]

Ações contra preconceitos[editar | editar código-fonte]

No dia 28 de junho de 2019, Dia do Orgulho LGBTI, que marcava os cinquenta anos da Revolta de Stonewall, nos Estados Unidos, o Internacional criou a Diretoria de Inclusão Social, com o objetivo de combater preconceitos no clube.[124] No mesmo dia, o Beira-Rio foi iluminado pela primeira vez com as cores da bandeira arco-íris.[125] Ainda em 2019, o clube lançou um canal para denúncias de atos discriminatórios no seu estádio.[126] O Internacional também manifestou apoio à causa LGBT no Dia Internacional de Combate à Homofobia e no Dia do Orgulho LGBTI, em 2020.[127][128]

Rivalidades[editar | editar código-fonte]

Grenal[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Grenal

O Internacional é rival histórico do outro time popular de Porto Alegre, o Grêmio. As partidas entre ambos os clubes são conhecidas como Grenal.

Juvenal[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Juvenal (clássico)

Outro rival do Internacional é o Juventude, sendo um dos maiores clássicos intermunicipais do Rio Grande do Sul.[129]

Em 1998, o Juventude venceu o Internacional e sagrou-se Campeão Gaúcho pela primeira vez. No ano seguinte, classificou-se à final da Copa do Brasil ao vencer o Inter por 4–0 em pleno Beira-Rio após empate a zero na Serra.

Dez anos depois, em 2008, o Internacional vingou-se do Juventude aplicando uma goleada histórica por 8–1, tornando-se campeão da edição.[130] No confronto, foram 105 vitórias do Internacional, 35 vitórias do Juventude e 40 empates em 180 jogos.[131]

Confrontos internacionais[editar | editar código-fonte]

Confrontos nacionais[editar | editar código-fonte]

Recordes[editar | editar código-fonte]

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Estatísticas do Internacional

O Internacional apresenta um dos melhores históricos entre os times brasileiros somando cinco títulos nacionais de grande expressão, além de possuir a Tríplice Coroa Internacional: Libertadores, Mundial e Recopa, conquistados em 2006 e 2007, respectivamente.

Participações[editar | editar código-fonte]

Participações em 2021
Competição Temporadas Melhor campanha Estreia Última P Aumento R Baixa
Rio Grande do Sul Campeonato Gaúcho 77 Campeão (45 vezes) 1927 2021 -
Brasil Campeonato Brasileiro 55 Campeão (1975, 1976 e 1979) 1962 2021 1
Série B 1 Vice-campeão (2017) 2017 1
Copa do Brasil 27 Campeão (1992) 1989 2021
PrimeiraLiga2016.gif Primeira Liga 2 Semifinal (2016) 2016 2017
Flags of the Union of South American Nations.gif Copa Libertadores da América 14 Campeão (2006 e 2010) 1976 2021
Copa Sul-Americana 6 Campeão (2008) 2003 2014
Recopa Sul-Americana 3 Campeão (2007 e 2011) 2007 2011
Japão Copa Suruga Bank 1 Campeão (2009) 2009 2009
FIFA Logo (2010).svg Mundial de Clubes da FIFA 2 Campeão (2006) 2006 2010

Campanhas[editar | editar código-fonte]

Torneio Campeão Vice-campeão Terceiro colocado Quarto colocado
FIFA Flag.svg Copa do Mundo de Clubes da FIFA 1 (2006) 0 (não possui) 1 (2010) 0 (não possui)
Japão Copa Suruga Bank 1 (2009) 0 (não possui)
Flags of South American Conmebol Members.gif Copa Libertadores da América 2 (2006, 2010) 1 (1980) 2 (1989, 2015) 1 (1977)
Flags of South American Conmebol Members.gif Copa Sul-Americana 1 (2008) 0 (não possui) 1 (2004) 0 (não possui)
Flags of South American Conmebol Members.gif Recopa Sul-Americana 2 (2007, 2011) 1 (2009)
Brasil Campeonato Brasileiro 3 (1975, 1976, 1979) 7 (1967, 1968, 1988, 2005, 2006, 2009, 2020) 7 (1962, 1972, 1978, 1980, 1997, 2014, 2018) 3 (1973, 1974, 1987)
Brasil Copa do Brasil 1 (1992) 2 (2009, 2019) 1 (1999) 1 (2016)
Brasil Torneio Heleno Nunes 1 (1984) 0 (não possui) 0 (não possui) 0 (não possui)
Brasil Série B/Taça de Prata 0 (não possui) 1 (2017) 0 (não possui) 0 (não possui)
Brasil Primeira Liga do Brasil 0 (não possui) 0 (não possui) 0 (não possui) 1 (2016)
Rio Grande do Sul Campeonato Gaúcho 45 vezes (última em 2016) 23 vezes (última em 2021) 4 vezes (última em 2020) 3 vezes (última em 2001)
Rio Grande do Sul Copa FGF 2 (2009, 2010) 0 (não possui) 3 (2004, 2014, 2019) 4 (2006, 2012, 2013, 2015)
Rio Grande do Sul Recopa Gaúcha 2 (2016, 2017) 2 (2014, 2015)
Bandeira de Porto Alegre.svg Citadino de Porto Alegre 24 vezes 9 vezes 3 vezes 0 (não possui)

Futebol masculino[editar | editar código-fonte]

Elenco atual[editar | editar código-fonte]

Soccerball current event.svg Última atualização: 30 de agosto de 2021.

Elenco atual do Sport Club Internacional[132]
N.º Pos. Nome N.º Pos. Nome N.º Pos. Nome
2 LD Brasil Heitor 16 A Chile Carlos Palacios 29 A Brasil Vinícius Mello
3 Z Brasil Kaique Rocha 18 A Brasil Matheus Cadorini 30 V Estados Unidos Johnny
4 Z Brasil Rodrigo Moledo 19 V Brasil Rodrigo Lindoso 32 G Brasil Vitor Hugo
7 A Brasil Gustavo Maia 20 LE Brasil Moisés 35 V Brasil Zé Gabriel
8 V Brasil Edenílson Capitão² 21 M Brasil Boschilia 37 M Brasil Lucas Ramos
10 A Brasil Taison Capitão 22 Z/LD Uruguai Bruno Méndez 42 G Brasil Daniel
11 A Brasil Yuri Alberto 23 LE Brasil Paulo Victor 47 A Brasil Caio Vidal
12 G Brasil Marcelo Lomba 24 G Brasil Anthoni 49 A Colômbia Juan Cuesta
13 V Brasil Rodrigo Dourado Capitão³ 25 Z/LD Argentina Gabriel Mercado 52 G Brasil Emerson Júnior
14 Z Brasil Lucas Ribeiro 26 LD Argentina Renzo Saravia 88 M Brasil Patrick
15 Z Argentina Víctor Cuesta Capitão 27 M Brasil Maurício

Técnico: Uruguai Diego Aguirre


Comissão técnica[editar | editar código-fonte]

Treinadores[editar | editar código-fonte]

Rubens Minelli, Ênio Andrade e Abel Braga marcaram época no Colorado Gaúcho em função de suas conquistas. Minelli atingiu auge de sua carreira nos anos 1970, quando estruturou o histórico time do Internacional, que contava com craques como Falcão, Figueroa e Carpegiani. Com isso, levou o Inter ao Bicampeonato Brasileiro - 1975 e 1976. Ênio foi outro técnico que brilhou no Internacional ao dirigir o clube na conquista do Tricampeonato Brasileiro, de maneira invicta, em 1979. Abel Braga, em 2006, conduziu o Internacional ao seu primeiro título da Taça Libertadores, após uma final disputada com o então campeão do mundo São Paulo. O título garantiu a presença do Internacional na Copa do Mundo de Clubes da FIFA em dezembro daquele ano. Abel não perdeu a oportunidade e conquistou o título mundial após derrotar o Barcelona na final.

Time B[editar | editar código-fonte]

O Inter B reunia jogadores do clube com até vinte e três anos.[133] Passaram por ele jogadores como Leandro Damião, Oscar, Eduardo Sasha, Ricardo Goulart e Rodrigo Moledo.[134][135] Em 2010, conquistou o Campeonato Brasileiro Sub-23.[135] Foi extinto em fevereiro de 2011, após uma campanha considerada ruim pela direção do clube no Campeonato Gaúcho.[134]

O time B foi reativado em 2015, reunindo, além de atletas com vinte e três anos ou menos, jogadores não utilizados na equipe principal.[136] Em 2021, foi novamente extinto.[133]

Títulos[editar | editar código-fonte]

Futebol feminino[editar | editar código-fonte]

O Internacional criou um departamento de futebol feminino pela primeira vez em 1983.[39] Fechado em 1987,[137] ele seria retomado somente em 1996, funcionando até 2004.[39]

O clube só teria um novo time de futebol feminino em 2017.[138] Na retomada, venceu os campeonatos gaúchos de 2017, 2019 e 2020, chegando a dez títulos da competição.[139][139][140] Em 2018, o Internacional disputou novamente uma competição nacional, quando subiu da Segunda Divisão para a primeira ao chegar às semifinais da competição e ser eliminado pelo Vitória.[141] No ano seguinte, já na Primeira Divisão, alcançou as quartas de final em 2019, sendo eliminado pelo Flamengo, e a mesma fase no ano seguinte, perdendo para o Avaí/Kindermann.[142][143]

Outros esportes[editar | editar código-fonte]

Estádios[editar | editar código-fonte]

Estádio Ildo Meneghetti[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Estádio Ildo Meneghetti

O primeiro estádio do Internacional foi o Estádio Ildo Meneghetti, inaugurado em 15 de março de 1931.

Estádio Beira-Rio[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Estádio Beira-Rio
Panorama do interior do Beira-Rio durante partida do Campeonato Brasileiro de 2015.

Posteriormente, em 6 de abril de 1969, foi inaugurado o Estádio Beira-Rio.

Na década de 2000, a diretoria colorada criou um projeto para a remodelação do Complexo Beira-Rio.[144]

Em 7 de dezembro de 2010, o Beira-Rio recebeu a exibição de um filme com o maior público, em uma mesma sessão, na história do cinema. O Beira-Rio recebeu 27.022 pessoas na projeção de “Absoluto – Internacional bicampeão da América”, documentário sobre o título conquistado pelo Inter, quatro meses antes. O feito recebeu certificação do Guinness, o Livro dos Recordes.[145]

SESC Campestre[editar | editar código-fonte]

O time de futebol feminino do clube joga na sede campestre do SESC, em Porto Alegre, desde 2020.[30]

Publicações sobre o Internacional[editar | editar código-fonte]

Livros
  • ÁVILA, Eduardo de. Colorado das glórias, orgulho do Brasil (quadrinhos). Editora Leitura, 2009. ISBN 9788573589092
  • BESTETTI, Ricardo. O Internacional nas competições sul-americanas. Evangraf, 2006. ISBN 9788577270446
  • BESTETTI, Ricardo; DIAS, Thiago. O Colorado Internacional. Evangraf, 2007. ISBN 9788577271085
  • BESTETTI, Ricardo. O Internacional e suas conquistas pelo mundo. Ideograf, 2009. ISBN 9788561975016
  • BRAGA, Kenny. Inter, 90 anos de paixão. Já Editores, 2000.
  • BRAGA, Kenny. Inter, orgulho do Brasil. Já Editores, 2006. ISBN 9788587270221
  • BRAGA, Kenny. Rolo Compressor: Memória de um Time Fabuloso. Já Editores, 2008. ISBN 9788587270269
  • BRAGA, Kenny. Os Dez Mais do Internacional. Maquinária Editora, Rio de Janeiro, 2009. ISBN 9788562063077
  • CARVALHO, Fernando. De Belém a Yokohama. G7 Books, 2009. ISBN 9788589239868
  • DIENSTMANN, Cláudio. Sport Club Internacional, História de uma paixão. L&PM, 2002. ISBN 9788525412515
  • DIVERSOS. O Gigante da Beira-Rio entra na Literatura Brasileira. Meridional Emma, 1969. ISBN 8574781827
  • ENDLER, Sérgio. Tesourinha. Editora Tchê, 1984.
  • FALCÃO, Paulo Roberto. Histórias da bola. L&PM Editores, 1996. ISBN 9788525405884
  • FALCÃO, Paulo Roberto. O Time que nunca perdeu. Editora AGE, 2009. ISBN 8574974684
  • FISCHER, Luís Augusto. Gigante - A História da Conquista do Mundo. G7 Books, 2007. ISBN 9788589344364
  • FISCHER, Luís Augusto; HERMANN, Jorge. Meu pequeno colorado. Belas Letras, 2008. ISBN 9788560174133
  • FISCHER, Luís Augusto. Dicionário colorado. Belas Letras, 2009. ISBN 9788560174362
  • FISCHER, Luís Augusto. Sangue, suor e talento, o segredo colorado. Editora Leitura, 2009. ISBN 9788573589450
  • FISCHER, Luís Augusto. Internacional, o time do meu coração. Editora Leitura, 2009. ISBN 9788573589245
  • FREIRE, Ricardo. O Dia em que me tornei Colorado. Panda Books, 2008. ISBN 9788588948686
  • JOCKYMANN, Sérgio. Inter gigante - histórias do futebol. Promotora Geral de Empreendimentos, Porto ALegre, 1973.
  • MENDES, Aleco; SCHLOTTFEDLT, Flávio (org.). Histórias coloradas. Nova Prova, 2004. ISBN 9788589344304
  • MENDES, Aleco; SCHLOTTFEDLT, Flávio (org.). Histórias coloradas II. Nova Prova, 2006. ISBN 9788589344463
  • MENDES, Aleco; MONTES, Adriana (org.). Histórias coloradas III. Companhia Editorial, 2010. ISBN 9788562512025
  • NEVES, Emanuel. A Noite das Asas Vermelhas - Crônicas Coloradas. Besourobox, 2008. ISBN 9788599275245
  • OSTERMANN, Ruy Carlos. Meu coração é vermelho. Mercado Aberto, 1999. ISBN 9788528004601
  • PINTO, Ziraldo Alves. Colorado - O Campeão de Tudo (quadrinhos). Globo, 2010. ISBN 9788525048592
  • RODRIGUES, Vilmar Campanher. A Senda (crônica poética). Nova Prova, 2009. ISBN 9788578950354
  • ROJAS, Otávio. A Conquista de um sonho - Histórias de colorados no Japão. Nova Prova, 2007. ISBN 9788589344333
  • SANTOS, Carlos Lopes dos. Na sombra dos Eucaliptos. Livraria do Globo, 1975.
  • SANTOS, Carlos Lopes dos. O Gigante da Beira-Rio. La Salle, 1984.
  • SCHWERDT, Sadi. Não sepultem a emoção. Editora Nova Prova, 1988.
  • URBIM, Carlos. Histórias Coloradas - Versão Mirim. Nova Prova, 2005. ISBN 9788589344562
  • STRELIAEV, Leonid; VERISSIMO, Luis Fernando; DIENSTMANN, Cláudio. Internacional - Livro oficial do centenário. Editora Len, 2010. ISBN 8590494586
  • TORRAGA, Tales. Internacional, o clube de todos e de todos os títulos. Reebok/Vipcomm, 2009.
  • VERISSIMO, Luis Fernando. Internacional, autobiografia de uma paixão. Ediouro, 2004. ISBN 9788500015991
Vídeos e filmes
  • Sport Club Internacional - História de uma Paixão (VHS que acompanhava o livro de Cláudio Dienstman): L&PM Editores, 2002, direção Rubens Bandeira.
  • Libertadores 2006 - Internacional Campeão (DVD): Editora Abril (Revista Placar), 2006.
  • 16 de Agosto de 2006 - um Dia sem Fim (DVD): Montagem Paralela, 2006, direção Daniel Pedroso.
  • Bastidores de um Sonho - O Outro Lado do Título Mundial (DVD): Catraca Filmes, Porto Alegre, 2007.
  • Gigante - Como o Inter Conquistou o Mundo (filme e DVD): G7 Cinema, 2007, direção Gustavo Spolidoro.
  • Gigantes do Deserto - Internacional Campeão da Dubai Cup 2008 (DVD): G7 Cinema, 2008, direção Diego de Godoy.
  • Nada Vai Nos Separar - os Cem Anos do Sport Club Internacional (filme e DVD): G7 Cinema, 2009, direção Saturnino Rocha.
  • Supremacia vermelha - 100 anos de Grenal (filme e DVD): G7 Cinema, 2010, direção Fabiano de Souza.
  • Absoluto - Internacional bicampeão da América (filme e DVD): G7 Cinema, 2010, direção Vicente Moreno.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons

Referências

  1. GloboEsporte.com (9 de abril de 2013). «Celeiro de Ases: Inter mescla projetos europeus e brasileiros para novo CT.». GloboEsporte.com. Consultado em 10 de março de 2018 
  2. coletiva.net. «Kenny Braga registra história colorada em "Inter, Orgulho do Brasil"». www.coletiva.net. Consultado em 25 de janeiro de 2018 
  3. GloboEsporte.com (19 de agosto de 2010). «No século 21, Colorado se torna campeão de tudo e mais um pouco).». GloboEsporte.com. Consultado em 10 de março de 2018 
  4. «Cadastro Nacional de Estádios de Futebol» (PDF). Confederação Brasileira de Futebol (CBF). 2016. Consultado em 6 de janeiro de 2020 
  5. «Alessandro Barcellos é eleito o novo presidente do Inter para os próximos três anos». ge.globo. 15 de dezembro de 2020. Consultado em 14 de janeiro de 2021 
  6. «Banrisul Consórcio dá nova cara às camisetas da Dupla Gre-Nal». Banrisul. 25 de setembro de 2019. Consultado em 6 de janeiro de 2020 
  7. «Inter e Adidas apresentam uniforme para a temporada 2020». Sport Club Internacional. 1 de janeiro de 2020. Consultado em 14 de janeiro de 2021 
  8. CBF (1 de março de 2021). «RNC - Ranking Nacional dos Clubes 2021» (PDF). Cópia arquivada (PDF) em 1 de março de 2021 
  9. CBF (29 de março de 2021). «Corinthians lidera Ranking Nacional de Clubes do Futebol Feminino 2021 da CBF» 
  10. «Internacional comemora 14 anos do título mundial sobre o Barcelona». Gazeta Esportiva. 17 de dezembro de 2020. Consultado em 12 de outubro de 2021 
  11. «Com 100 anos de vida, Inter prova ser o "clube do povo"». Terra. 3 de abril de 2009. Consultado em 31 de maio de 2020 
  12. «TOP 10 – Os dez clubes de maior destaque na última década». Máquina do Esporte. 29 de junho de 2015. Consultado em 18 de junho de 2020 
  13. «No século 21, Colorado se torna campeão de tudo e mais um pouco...». Globoesporte.com. 19 de agosto de 2010. Consultado em 18 de junho de 2020 
  14. «Internacional keep Brazilian flag flying» (em inglês). FIFA.com. 11 de dezembro de 2017. Consultado em 26 de setembro de 2021 
  15. «Copa Libertadores». Confederação Sul-Americana de Futebol (CONMEBOL). Consultado em 18 de junho de 2020 
  16. a b «Internacional de Porto Alegre, campeão da Sul-Americana 2008». Confederação Sul-Americana de Futebol (CONMEBOL). 3 de dezembro de 2015. Consultado em 18 de junho de 2020 
  17. «Outra vez campeão: Leandro Damião dá bi da Recopa ao Inter». Globoesporte.com. 24 de agosto de 2011. Consultado em 18 de junho de 2020 
  18. a b «Copa Suruga Bank». Confederação Sul-Americana de Futebol (CONMEBOL). Consultado em 18 de junho de 2020 
  19. «Campeão brasileiro em 1975, 1976 e 1979, o Clube do Povo celebra mais um aniversário». Confederação Brasileira de Futebol (CBF). 4 de abril de 2016. Consultado em 18 de junho de 2020 
  20. Deconto, Eduardo; Herok, Otto (23 de dezembro de 2019). «Da desconfiança ao título inigualável: tri brasileiro invicto do Inter completa 40 anos». ge. Consultado em 11 de maio de 2021 
  21. «Internacional, campeão da Copa do Brasil 1992». Confederação Brasileira de Futebol (CBF). 5 de setembro de 2017. Consultado em 18 de junho de 2020 
  22. a b «Torneio Heleno Nunes 1984». Campeões do Futebol. 2 de março de 2020. Consultado em 18 de junho de 2020 
  23. «Nacional já foi carrasco e motivou piada para o Inter se reerguer». Goal. 24 de julho de 2019. Consultado em 30 de abril de 2021 
  24. «BOLA N@ ÁREA - Ranking do Campeonato Brasileiro». www.bolanaarea.com 
  25. «Com 45° título gaúcho, Inter abre maior vantagem da história sobre o Grêmio». GaúchaZH. 9 de maio de 2016. Consultado em 18 de junho de 2020 
  26. «Internacional, octacampeão inédito na década de 70». Confederação Brasileira de Futebol (CBF). 2 de fevereiro de 2016. Consultado em 18 de junho de 2020 
  27. «Inter inicia obras de reforma do estádio Beira-Rio nesta quinta». Jornal do Comércio. Consultado em 29 de abril de 2021 
  28. «Festa de reinauguração do Beira-Rio é marcada por história, teatro, música e emoção». GZH. 5 de abril de 2014. Consultado em 29 de abril de 2021 
  29. «Beira-Rio». Andrade Gutierrez. Consultado em 19 de junho de 2020 
  30. a b «SESC Campestre é a nova sede das Gurias Coloradas». internacional.com.br. Consultado em 29 de abril de 2021 
  31. «Pesquisa da Pluri aponta 6 clubes do Nordeste com torcidas acima de 1 milhão». Cassiozirpoli.com. 29 de janeiro de 2020. Consultado em 11 de maio de 2021 
  32. «Consulados». Sport Club Internacional. Consultado em 11 de maio de 2021 
  33. «Pioneiro, Internacional quer evoluir programa de sócio-torcedor para seguir no topo». Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes. 10 de abril de 2015. Consultado em 13 de maio de 2021 
  34. a b «Ranking: os 15 clubes com mais sócios-torcedores do Brasil | Goal.com». www.goal.com. Consultado em 1 de março de 2021 
  35. «Flamengo é avaliado como clube brasileiro mais valioso; dois paulistas fecham pódio - Gazeta Esportiva». www.gazetaesportiva.com. Consultado em 29 de abril de 2021 
  36. «Inter fecha 2020 com déficit próximo a R$ 90 milhões e tem pior resultado na história». ge. Consultado em 29 de abril de 2021 
  37. «Conselho do Inter aprova com ressalvas contas da gestão 2020». ge. Consultado em 13 de maio de 2021 
  38. a b «Alessandro Barcellos toma posse como presidente do Inter: "É tempo de rupturas"». GZH. 5 de janeiro de 2021. Consultado em 29 de abril de 2021 
  39. a b c «Gurias Coloradas – História». internacional.com.br. Consultado em 29 de abril de 2021 
  40. Alegre, Por Tomás HammesPorto. «Inter inaugura estátua de Fernandão com milhares de fãs e clima de jogo». globoesporte.com. Consultado em 29 de abril de 2021 
  41. «História do Clube». Sport Club Internacional. Consultado em 31 de maio de 2020 
  42. «Primeiros anos». Porto Alegre. Correio do Povo: 26. 4 de abril de 2009 
  43. «História do Futebol Gaúcho - Parte II Campeões do Futebol. Consultado em 11 de agosto de 2010 
  44. «O centenário do primeiro negro com a camisa gremista». Hiltor Mombach. 19 de maio de 2012 
  45. «O Rolo Compressor». Sport Club Internacional. Consultado em 13 de janeiro de 2018 
  46. http://futpedia.globo.com (6 de novembro de 2008). «Corinthians 0 x 1 Internacional - Fase Quadrangular Final do Torneio Roberto Gomes Pedrosa 1967». Futpédia, a história do futebol em números. Consultado em 18 de abril de 2014 
  47. «Inter - 90 anos». Zero Hora: 5. 3 de abril de 1999 
  48. PROCERGS. «Estádio Beira-Rio». Museu dos Direitos Humanos do Mercosul. Consultado em 14 de janeiro de 2018 
  49. «Falcão desbanca D'Ale e Fernandão e é eleito o maior jogador da história do Inter». ge. 1 de julho de 2020. Consultado em 14 de maio de 2021 
  50. Montes, Adriana (Julho de 2015). «Brilha a primeira estrela». Revista do Inter 
  51. a b «Toda a campanha do Inter até a grande decisão com o Cruzeiro». Folha da Manhã. 14 de dezembro de 1975 
  52. Alegre, Por GloboEsporte comPorto. «'Gol iluminado': Inter divulga vídeo e celebra 38 anos do seu 1º Brasileiro». globoesporte.com. Consultado em 9 de agosto de 2019 
  53. «'Gol iluminado': Inter divulga vídeo e celebra 38 anos do seu 1º Brasileiro». globoesporte.com 
  54. a b «Internacional, octacampeão inédito na década de 70». Confederação Brasileira de Futebol (CBF). 2 de fevereiro de 2016. Consultado em 31 de maio de 2020 
  55. «'Gol iluminado': Inter divulga vídeo e celebra 38 anos do seu 1º Brasileiro». ge. 14 de dezembro de 2013. Consultado em 14 de maio de 2021 
  56. «Esquadrão Imortal – Internacional 1975-1976». Imortais do Futebol. 26 de abril de 2012 
  57. «Internacional 2 x 1 Vasco | Campeonato Brasileiro 1979». Futpedia. Consultado em 25 de agosto de 2019 
  58. «BOLA N@ ÁREA - Campeonato Brasileiro 1979». www.bolanaarea.com. Consultado em 9 de agosto de 2019 
  59. «GloboEsporte.com > Futebol > Internacional - NOTÍCIAS - Falcão lança livro sobre título brasileiro invicto do Inter em 1979». globoesporte.globo.com. Consultado em 27 de julho de 2018 
  60. «A 35 anos atrás, Nacional ganhava a sua segunda Copa Libertadores | CONMEBOL». www.conmebol.com. Consultado em 22 de fevereiro de 2018 
  61. «Taffarel é o melhor goleiro brasileiro nos últimos 25 anos, segundo IFFHS». ge. 17 de janeiro de 2013. Consultado em 6 de junho de 2021 
  62. «Há 35 anos: o dia em que o Inter desbancou o Barcelona na estreia de Maradona». Globoesporte 
  63. FIFA.com (25 de agosto de 2012). «The day Internacional stole the show». FIFA.com (em inglês) 
  64. Girardon, Gabriel (1 de abril de 2020). «Da "Sele-Inter" aos medalhistas de ouro: veja jogadores do Inter que disputaram as Olimpíadas». Torcedores. Consultado em 2 de maio de 2021 
  65. FIFA.com. «Olympic Football Tournament Los Angeles 1984 - Overview - FIFA.com». FIFA.com (em inglês). Consultado em 1 de abril de 2018 
  66. «1984: a primeira medalha de prata da Seleção». Confederação Brasileira de Futebol. Consultado em 9 de agosto de 2019 
  67. «Na Memória: Com gol de Bebeto, Fla bate o Inter, e polêmica de 87 começa». SporTV. 18 de outubro de 2015. Consultado em 2 de maio de 2021 
  68. «Internacional e Bahia ficaram no empate por 0 a 0, no Beira-Rio, na Fase Final do Campeonato Brasileiro 1988.». Futpédia. 6 de novembro de 2008 
  69. «Dunga é homenageado pelo Internacional no dia em que completa 57 anos». OneFootball. 31 de outubro de 2020. Consultado em 31 de maio de 2020 
  70. «Internacional, campeão da Copa do Brasil 1992 - Confederação Brasileira de Futebol». Confereção Brasileira de Futebol 
  71. «BOLA N@ ÁREA - Campeonato Brasileiro 1997». www.bolanaarea.com. Consultado em 27 de julho de 2018 
  72. «Homem Gre-Nal, Fabiano relembra o clássico dos 5 a 2 no Olímpico». globoesporte.com 
  73. «Em 1999, Dunga salva Internacional do rebaixamento». globoesporte. Consultado em 28 de maio de 2018 
  74. «Inter só empata e está fora da Sul-Americana - 01/12/2004 - UOL Esporte - Futebol». esporte.uol.com.br. Consultado em 27 de julho de 2018 
  75. «Inter perde, mas comemora título». UOL. 4 de dezembro de 2005. Consultado em 1 de fevereiro de 2021 
  76. «Muricy Ramalho deixa o Internacional». Estadão. 12 de dezembro de 2005. Consultado em 1 de fevereiro de 2021 
  77. «Inter planeja conquistar o mundo». Correio do Povo. 6 de janeiro de 2006. Consultado em 8 de julho de 2018 
  78. a b «Lula condecora campeões do Internacional». O Globo. 17 de janeiro de 2007. Consultado em 31 de maio de 2020 
  79. «Internacional empata com o São Paulo e é campeão da Libertadores-06». Folha de S.Paulo. 16 de agosto de 2006. Consultado em 1 de fevereiro de 2021 
  80. «Campeonato Brasileiro de 2006». Bola n@ Área. Consultado em 1 de fevereiro de 2021 
  81. «Outra vez campeão: Leandro Damião dá bi da Recopa ao Inter». GE. 24 de agosto de 2011. Consultado em 1 de fevereiro de 2021 
  82. «Eleito o jogador sul-americano de 2010, D'Alessandro diz ser o melhor ano da carreira». Folha de S.Paulo. 30 de dezembro de 2010. Consultado em 14 de maio de 2021 
  83. a b «O protagonista: D'Ale brilha, e Inter vence Peñarol na volta do Beira-Rio». GE. 6 de abril de 2014. Consultado em 1 de fevereiro de 2021 
  84. «Internacional confirma contratação de Abel Braga». O Globo. 13 de dezembro de 2013. Consultado em 1 de fevereiro de 2021 
  85. «Campeonato Brasileiro de Futebol - Série A - 2014». Confederação Brasileira de Futebol (CBF). 2014. Consultado em 1 de fevereiro de 2021 
  86. «Inter encerra novela e confirma a contratação do técnico Diego Aguirre». globoesporte.com 
  87. «Taça Libertadores da América 2015». Bola n@ Área. 2015. Consultado em 1 de fevereiro de 2021 
  88. «Esta terra tem dono! Inter atropela o Juventude e é hexacampeão gaúcho». GE. 8 de maio de 2016. Consultado em 1 de fevereiro de 2021 
  89. «Copa do Brasil de 2016». Confederação Brasileira de Futebol. 2016. Consultado em 8 de agosto de 2019 
  90. «Classificação - Campeonato Brasileiro de Futebol - Série A - 2016». Confederação Brasileira de Futebol (CBF). 2016. Consultado em 1 de fevereiro de 2021 
  91. «Após fim da Série B, Inter define Odair Hellmann como técnico para 2018». GE. 25 de novembro de 2017. Consultado em 1 de fevereiro de 2021 
  92. «Campeonato Brasileiro de Futebol de 2017 - Série B». Confederação Brasileira de Futebol (CBF). 2017. Consultado em 1 de fevereiro de 2021 
  93. «Classificação - Campeonato Brasileiro de Futebol - Série A - 2018». Confederação Brasileira de Futebol (CBF). 2018. Consultado em 1 de fevereiro de 2021 
  94. «Inter segue protocolo e recebe medalhas de prata no vestiário após vice da Copa do Brasil». Globoesporte.com. 19 de setembro de 2019. Consultado em 6 de janeiro de 2020 
  95. «Inter oficializa a contratação do técnico argentino Eduardo Coudet até o fim de 2021». GE. 16 de dezembro de 2019. Consultado em 26 de janeiro de 2021 
  96. «Eduardo Coudet deixa o comando técnico do Internacional». Sport Club Internacional. 9 de novembro de 2020. Consultado em 27 de janeiro de 2020 
  97. «Coudet sente frustração por saída do Inter: "Não se sentia acompanhado"». Uol. 20 de novembro de 2020. Consultado em 27 de fevereiro de 2021 
  98. «Campeonato Brasileiro de Futebol - Série A - 2020». Confederação Brasileira de Futebol (CBF). 31 de janeiro de 2021. Consultado em 1 de fevereiro de 2021 
  99. «Inter bate recorde no Brasileirão de pontos corridos e atinge 10 vitórias seguidas com Abel"». GE. 1 de fevereiro de 2021. Consultado em 27 de fevereiro de 2021 
  100. «Contratações do Inter para 2021: veja quem chega, quem fica e quem vai embora do clube». ge. Consultado em 2 de abril de 2021 
  101. «Inter confirma demissão de Miguel Ángel Ramírez». Correio do Povo. Consultado em 27 de junho de 2021 
  102. «Apresentado, Aguirre se diz em casa e projeta resgate de "identidade" em volta ao Inter». ge. Consultado em 27 de junho de 2021 
  103. a b «Inter - 90 anos». Zero Hora. 3 de abril de 1999 
  104. «Colorado muda escudo no ano do centenário». ESPN. Consultado em 29 de abril de 2021 
  105. «Veja a evolução do distintivo» . Página visitada em 19 de janeiro de 2014.
  106. a b «Escrito para a eternidade». Revista do Inter. Agosto de 2015 
  107. «Hinos e canções coloradas». Arquivado do original em 30 de abril de 2009 
  108. «Sport Club Internacional - Letras de Músicas» 
  109. «Sport Club Internacional - www.scinternacional.net - O site 100% colorado e Não oficial». scinternacional.net 
  110. «Mais sobre o Inter». internacional.com.br. Consultado em 30 de abril de 2021 
  111. a b «Inter muda formato em contrato com nova fornecedora; veja detalhes». ge. Consultado em 13 de maio de 2021 
  112. a b «Conheça alguns patrocínios que estão há anos no mesmo clube». VEJA. Consultado em 13 de maio de 2021 
  113. a b c d e f g h i j «Relembre todos os fornecedores de material esportivo da história do Inter | GZH». gauchazh.clicrbs.com.br. Consultado em 13 de maio de 2021 
  114. a b c «Rivalidade faz Grêmio e Inter terem mesmos patrocinadores | GZH». gauchazh.clicrbs.com.br. Consultado em 13 de maio de 2021 
  115. Alegre, Por Eduardo DecontoPorto. «Em era difícil, Medeiros toma posse no Inter e quer mudança por volta à elite». globoesporte.com. Consultado em 29 de abril de 2021 
  116. «Reeleito presidente, Marcelo Medeiros toma posse e vê Inter no caminho de novas conquistas». ge. Consultado em 29 de abril de 2021 
  117. «As Maiores Torcidas do Brasil(». www.rsssfbrasil.com 
  118. «Um em cada cinco brasileiros torce para o Flamengo, aponta Datafolha». Folha de S.Paulo. 17 de setembro de 2019. Consultado em 11 de agosto de 2020 
  119. «Caixa.gov.br - Timemania, colocação dos times. - atualizado em 24 de agosto de 2008» 
  120. «Com 100 anos de vida, Inter prova ser o "clube do povo"». terra.com.br 
  121. [1]
  122. «SCI - Torcidas Organizadas». internacional.com.br. Consultado em 19 de agosto de 2010. Arquivado do original em 30 de agosto de 2010 
  123. «Torcida Organizada Camisa 12». Sport Club Internacional. Consultado em 31 de maio de 2020 
  124. Esporte, iG (27 de junho de 2019). «No Dia do Orgulho LGBTI, Internacional lançará Diretoria de Inclusão Social». Esporte. Consultado em 13 de maio de 2021 
  125. Povo, Correio do. «Beira-Rio recebe iluminação em alusão ao Dia do Orgulho LGBTI+». Correio do Povo. Consultado em 13 de maio de 2021 
  126. Povo, Correio do. «Inter lança canal para denúncia de atos discriminatórios no Beira-Rio». Correio do Povo. Consultado em 13 de maio de 2021 
  127. «Por que lembramos hoje o Dia Internacional contra a Homofobia». internacional.com.br. Consultado em 13 de maio de 2021 
  128. «Inter lança máscara protetora com estampa LGBTQI+». internacional.com.br. Consultado em 13 de maio de 2021 
  129. «Com estreia de Guto Ferreira, Inter faz clássico com Juventude no Beira-Rio». ESPN 
  130. Alegre, Por Tomás Hammes Porto. «Inter rasga 'touca' antiga, e Juventude se torna presa fácil nos últimos anos». globoesporte.com. Consultado em 8 de agosto de 2019 
  131. «1995 a 2016: a história do clássico Juve-Nal separada por um 8×1 | Almanaque Esportivo». almanaqueesportivo.final.com.br. Consultado em 26 de março de 2018 
  132. «Futebol Masculino». Sport Club Internacional. Consultado em 30 de agosto de 2021 
  133. a b «Inter segue orientação de empresa belga e fecha time B». www.uol.com.br. Consultado em 29 de abril de 2021 
  134. a b «Destino dos jogadores do Inter B ainda está indefinido». Diário Gaúcho. Consultado em 29 de abril de 2021 
  135. a b «Inter B goleia o Corinthians e é campeão do Sub-23». GZH. 14 de novembro de 2010. Consultado em 29 de abril de 2021 
  136. «Inter finaliza detalhes e reativará o time B em 2015 | GZH». gauchazh.clicrbs.com.br. Consultado em 29 de abril de 2021 
  137. Ramos, Suellen dos Santos (2016). Futebol e mulheres no Rio Grande do Sul : a trajetória esportiva de Eduarda Marranghello Luizelli (Duda). Porto Alegre: [s.n.] p. 62 
  138. Alegre, Por GloboEsporte comPorto. «No Dia Internacional da Mulher, Inter apresenta time de futebol feminino». globoesporte.com. Consultado em 29 de abril de 2021 
  139. a b «Inter vence Grêmio nos pênaltis e é campeão do Gauchão feminino». GZH. 9 de dezembro de 2017. Consultado em 29 de abril de 2021 
  140. «Internacional 2 x 1 Grêmio - Campeonato Gaúcho Feminino Final - Tempo Real - Globo Esporte». ge.globo. Consultado em 29 de abril de 2021 
  141. «Internacional - RS 1 x 2 Vitória - BA - Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino A2 2018». Confederação Brasileira de Futebol. Consultado em 29 de abril de 2021 
  142. «Inter perde para o Flamengo e se despede do Brasileirão feminino». GZH. 24 de agosto de 2019. Consultado em 29 de abril de 2021 
  143. «Inter empata em 1 a 1 com o Avaí/Kindermann e está fora do Brasileirão Feminino | GZH». gauchazh.clicrbs.com.br. Consultado em 29 de abril de 2021 
  144. «Gigante Para Sempre aprovado por unanimidade pelos vereadores – 29/12/2008» 
  145. «Beira-Rio entra para o Guinness após receber a maior sessão de cinema da história» 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]