Yokohama

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Yokohama
Do topo, à esquerda: Minato Mirai 21, Yokohama Chinatown, Nippon Maru, Estação de Yokohama, Torre Marinha de Yokohama.
Do topo, à esquerda: Minato Mirai 21, Yokohama Chinatown, Nippon Maru, Estação de Yokohama, Torre Marinha de Yokohama.
Símbolos
Bandeira de Yokohama
Bandeira
Brasão de armas de Yokohama
Brasão de armas
Localização
Yokohama está localizado em: Japão
Yokohama
Mapa da Yokohama
Coordenadas 35° 26' 39" N 139° 38' 17" E
País  Japão
Região Kantō
Prefeitura Kanagawa
Administração
Prefeito Fumiko Hayashi
Características geográficas
Área total 437,38 km²
População total 3 732 616 hab.
city.yokohama.lg.jp

Yokohama ou Iocoama[1] (Japonês : 横浜市 - shi) é uma cidade japonesa localizada na província de Kanagawa, dentro da região metropolitana de Tóquio, onde também se localiza a capital do país.

Em 2004 a cidade tinha uma população estimada em 3 555 473 habitantes e uma densidade populacional de 8 174 h/km² sendo a segunda maior cidade do Japão. Tem uma área total de 434,98km². Recebeu o estatuto de cidade em 1 de abril de 1889.

É a maior cidade independente do Japão e o maior porto, com a concentração comercial da área da Grande Tóquio. Um dos ex-libris da cidade é a Yokohama Landmark Tower, o mais alto edifício do Japão (296 m de altura). O Estádio Internacional de Yokohama foi o palco da final da Copa do Mundo FIFA de 2002.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Yokohama (横 浜) significa literalmente "praia horizontal".[2] A área atual cercada pelo parque Maita, o rio Ōoka e o rio Nakamura havia sido um golfo dividido por um banco de areia do mar aberto. Este banco de areia era a vila de pescadores original de Yokohama. Como o banco de areia se projetava perpendicularmente à terra ou horizontalmente quando visto do mar, era chamado de "praia horizontal".[3]

História[editar | editar código-fonte]

Século XIX[editar | editar código-fonte]

Yokohama no começo de 1859.
Parque Yamashita em 1930.

Em 1854, Yokohama era uma pequena aldeia piscatória, mas a partir desta data, a qual coincide com a chegada do comodoro norte-americano Matthew Calbraith Perry, a povoação começou a desenvolver-se, até que em [1859 tornou-se um porto de comércio importante e o local para o estabelecimento de estrangeiros que gozavam de direitos extraterritoriais.

Nesta época a cidade passou a ser essencialmente conhecida pela exportação de seda, embora continuasse ligada à pesca. O comércio estrangeiro conduziu para o rápido crescimento de Yokohama, que funcionou durante a segunda metade do século XIX como um dos principais portos do Oceano Pacífico.

A primeira linha de caminho-de-ferro foi construída em 1872 para a ligação de Yokohama a Tóquio e impulsionou de tal modo o seu desenvolvimento que em 1889 se tornou cidade. Passada uma década os direitos de comércio extraterritoriais na cidade foram abolidos.

Século XX[editar | editar código-fonte]

Em 1923, Yokohama foi vítima de um violento sismo (Grande sismo de Kantō) que destruiu parcialmente a cidade. Apesar das consequências negativas, este acontecimento potenciou o desenvolvimento da cidade, que foi rapidamente reconstruída, modernizada e alvo de várias alterações, nomeadamente no seu porto.

Durante a Segunda Guerra Mundial, Yokohama foi atingida por pesados bombardeamentos aéreos, conseguindo contudo superar este obstáculo e prosseguir com o seu desenvolvimento ligado às facilidades portuárias e à indústria.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Imagem de satélite de Yokohama.

Yokohama tem uma área total de 437,38 km² e fica a 5 metros acima do nível do mar. É a capital da prefeitura de Kanagawa, faz fronteira com a Baía de Tóquio e fica no meio da planície de Kantō. A cidade é cercada por colinas e pelo sistema montanhoso característico da ilha de Honshū, de modo que seu crescimento foi limitado e teve que ganhar terreno para o mar. Isso também afeta a densidade populacional, uma das maiores do Japão. Os pontos mais altos dentro do limite urbano são Omaruyama (156 m) e Monte Enkaizan (153 m). O rio principal é o rio Tsurumi, que começa nas colinas de Tama e deságua no Oceano Pacífico.[4]

Geologia[editar | editar código-fonte]

A cidade é muito propensa a fenômenos naturais, como terremotos, porque a ilha de Honshū possui uma alta atividade sísmica, estando no meio do Anel de Fogo do Pacífico. A maioria dos movimentos sísmicos são de baixa intensidade e geralmente não são percebidos pelas pessoas. No entanto, Yokohama sofreu dois tremores principais que refletem a evolução da engenharia sísmica: o grande sismo de Kantō de 1923, que devastou a cidade e causou mais de 100.000 mortes em toda a região,[5] enquanto o terremoto e tsunami de 2011, com um epicentro na costa leste do país, também foi sentido na cidade, mas apenas os danos materiais tiveram que ser lamentados, porque a maioria dos edifícios já estava preparada para apoiá-los.[6]

Parques[editar | editar código-fonte]

Parque Sankei-en

Como outras cidades japonesas, Yokohama ergueu vários parques públicos para reduzir o impacto da poluição. O mais movimentado, por ser localizado perto do porto, é o Parque Yamashita, cuja área total é de 74.121 m².[7] Depois que a área foi destruída pelo grande terremoto de Kantō, ela reconstruida com um vasto parque natural no ambiente urbano. Ao lado do parque, você pode visitar o histórico New Grand Hotel, onde o general Douglas MacArthur passou sua primeira noite da ocupação do Japão em 1945.[8] e o navio-museu Hikawa Maru.[9]

O maior parque com uma área de 175.000 m² é o jardim japonês Sankei-en, localizado no distrito de Naka. Foi inaugurado em 1906 pelo comerciante têxtil Tomitaro Hara e desde 1953 é administrado pelo governo local através de uma fundação.[10] Sankei é muito popular entre a população local por seu jardim interno, suas árvores de sakura e ume, a residência de Tomitaro e os muitos edifícios que abriga, muitos deles com a qualificação do patrimônio cultural do Japão.[10][11]

Clima[editar | editar código-fonte]

Yokohama apresenta um clima subtropical úmido (Köppen: Cfa), com verões quentes e úmidos e invernos frios.[12] A cidade possui um padrão de chuvas, nuvens e sol, embora no inverno seja surpreendentemente ensolarada, mais do que no sul da Espanha. As temperaturas do inverno raramente caem abaixo de zero, enquanto o verão pode parecer bastante quente por causa dos efeitos da umidade.[13]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Com uma população de 3.691.240 habitantes de acordo em 2012, Yokohama é a segunda cidade mais populosa do Japão, atrás de Tóquio.[14][15] Um em cada três habitantes da prefeitura de Kanagawa moram na cidade.[14] Faz parte da chamada Área Metropolitana de Kantō, que inclui os 23 distritos capitais e várias cidades da Baía de Tóquio, com uma população estimada em 34 milhões de habitantes que a torna a maior metrópole do mundo.[16]

A história da cidade mudou para sempre com a construção do seu porto internacional, porque até então Yokohama não passava de uma vila de pescadores.[17] Graças ao comércio e à influência internacionais, na década de 1920 rla se tornou a sexta cidade mais populosa do país (atrás da cidade de Tóquio, Osaka, Nagoya, Kyoto e Kobe). A partir da década de 1950, quando a Segunda Guerra Mundial terminou, Yokohama se tornou um poderoso centro industrial e financeiro que atraiu pessoas de outras regiões, a ponto de exceder os 2,7 milhões de habitantes de Osaka em 1980.[14][15]

Segundo dados de 2012 do governo municipal, o número de habitantes em idade ativa (15 a 64 anos) é de 2.427.891 pessoas, ou 65,8% do total.[14] Existem cerca de 483.380 crianças menores de 14 anos (13,1%) e cerca de 754.059 idosos (20,4%).[14] Nos últimos anos, houve um declínio na taxa de natalidade, com o consequente aumento da idade média para 43 anos.[14] Existem mais de 80.000 residentes estrangeiros na cidade.[18]

Política[editar | editar código-fonte]

Prefeitura de Yokohama

Cidades-irmãs[editar | editar código-fonte]

Yokohama tem 8 cidades-irmãs:

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Mapa dos distritos de Yokohama.

Yokohama tem 18 distritos (ku):

Economia[editar | editar código-fonte]

O centro financeiro da cidade. Em destaque, o Yokohama Landmark Tower, o edifício mais alto do Japão.

A cidade possui uma forte base econômica, especialmente nas indústrias de transporte de mercadorias, biotecnologia e semicondutores. A Nissan mudou sua sede de Tóquio para Yokohama em 2010.[19] Em 2015, o PIB per capita nominal de Yokohama era de 30.625 dólares.[20][21]

A cidade está integrada na designada Zona Industrial de Keihin, na qual as indústrias mais importantes são a de refinação de petróleo, a química, de equipamentos de transporte, de peças eléctricas, maquinaria, automóveis e de construção naval, sendo ainda de referir as indústrias tecnologia de ponta. Yokohama é um dos maiores centros de negócios do Japão como parte da Área Metropolitana de Kantō, que juntos produz 40% do produto interno bruto japonês.[22] De acordo com a Organização de Comércio Exterior do Japão, as principais indústrias são o setor de serviços, fabricação, atacado, transporte e telecomunicações.[23] Estima-se que mais de 126.000 empresas estejam instaladas na cidade. Além disso, a cidade possui escritórios comerciais em Frankfurt am Main (Alemanha), Xangai (China) e Mumbai (Índia).[23]

O porto de Yokohama é o pilar da economia local, baseado no transporte marítimo de mercadorias desde 1859. Localizado no noroeste da Baía de Tóquio, é um porto natural com uma área de 7.315 hectares e 10 docas para várias atividades, incluindo eles transportam máquinas, cargas, navios de cruzeiro e produtos perecíveis. Segundo dados de 2009, gerencia 115,54 milhões de toneladas de mercadorias por ano, sendo o segundo porto mais importante do Japão.[24] Graças a essa instalação, foi promovida a construção de infraestrutura para conectá-lo a Tóquio, incluindo a primeira linha ferroviária de 1882 e houve um notável intercâmbio cultural que ajudou a introduzir produtos ocidentais, como sorvete, cerveja e a imprensa diária.[25]

Desde os anos 1980, Yokohama optou por diversificar sua economia e se tornar um centro financeiro. Esta estratégia foi promovida com a construção do distrito financeiro Minato Mirai 21. Através de um ambicioso plano de renovação urbana, foram concedidos incentivos para várias empresas japonesas - incluindo a Nissan Motors - para estabelecer sua sede em um novo terreno com arranha-céus, centros de congressos (Pacific Yokohama), áreas verdes, instalações culturais e um parque temático.[26] Atualmente, mais de 67.000 pessoas trabalham em Minato Mirai e todo o complexo recebe 58 milhões de visitantes por ano.[27]

As empresas mais importantes da cidade são JVC (1927), JGC Corporation (1928), Nissan Motor Corporation (1933) e Koei (1978).[28]

Panorama da região portuária e do centro financeiro da cidade.

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Educação[editar | editar código-fonte]

Escolas públicas de ensino fundamental e médio são operadas pela prefeitura. Existem nove escolas públicas de ensino médio que são operadas pelo Conselho Educacional da Cidade de Yokohama e várias escolas públicas de ensino médio que são operadas pelo Conselho de Educacional da Prefeitura de Kanagawa. A Universidade Nacional de Yokohama é a principal universidade da cidade e também é uma das universidades nacionais de maior reputação no Japão.[29]

Transportes[editar | editar código-fonte]

Yokohama é atendida pelo Tōkaidō Shinkansen, uma linha ferroviária de alta velocidade com uma parada na estação Shin-Yokohama. A estação de Yokohama também é uma estação importante, com dois milhões de passageiros diariamente. O metrô de Yokohama, a linha Minatomirai e a linha costeira de Kanazawa fornecem serviços de metrô.

Yokohama é o 31º maior porto marítimo do mundo em termos de volume total de carga, com 121.326 toneladas de frete em 2011, e ocupa a 37ª posição em TEUs.[30] Em 2013, foi reconhecida como o terminal de contêineres mais produtivo do mundo, com uma média de 163 movimentos de guindastes por hora, por navio entre a chegada e a partida da embarcação no ancoradouro.[31]

Yokohama não possui um aeroporto, mas é coberta pelos dois aeroportos da região metropolitana de Tóquio. O mais próximo da cidade é o Aeroporto Internacional de Haneda, localizado em Ota (Tóquio), a uma curta distância de Kawasaki. No entanto, a maioria dos voos para Tóquio do exterior geralmente chega ao Aeroporto Internacional de Narita, a 14 quilômetros de distância. Existe um trem direto (Narita Express) que conecta o aeroporto à estação de Yokohama.[32]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Esportes[editar | editar código-fonte]

Yokohama organiza eventos esportivos de alto nível e possui clubes esportivos profissionais com mais torcedores no Japão: beisebol e futebol.

A instalação esportiva mais importante é o Estádio Internacional de Yokohama, com capacidade para 72.000 espectadores. É o lar do principal clube de futebol local, Yokohama F. Marinos, embora também possa sediar competições de atletismo. É um dos locais da seleção nacional de futebol do Japão e realizou grandes eventos como a final da Copa do Mundo FIFA de 2002,[33] as três últimas Copas Intercontinentais e várias finais da Copa do Mundo de Clubes da FIFA.[34] Também sediou a final da Copa do Mundo de Rugby Union de 2019 e será sede dos Jogos Olímpicos de Verão de 2020.[35] Outros campos de futebol são a cidade esportiva de Marinos Town e o Estádio de Mitsuzawa (Yokohama FC), subsede de futebol nos Jogos Olímpicos de Verão de 1964.[36]

O Estádio de Yokohama é o principal campo de beisebol e onde joga o Yokohama DeNA BayStars da Liga Japonesa de Beisebol Profissional. Foi inaugurado em 1978, com capacidade para 30.000 espectadores.[37]

As principais arenas multiuso são a Arena Yokohama (17.000 espectadores), que é frequentemente usada em concertos e eventos de artes marciais mistas[38] e a Piscina Internacional de Yokohama, sede do Campeonato Pan-Pacífico de Natação em 2002.[39]

Referências

  1. Fernandes, Ivo Xavier (1941). Topónimos e Gentílicos. I. Porto: Editora Educação Nacional, Lda. 
  2. [1] Japan Times, meaning of "Yokohama" is mentioned
  3. [2] Yokohama City History, pg. 3
  4. www.japanriver.or.jp (ed.). «Tsurumi River Multipurpose Retarding Basin» (em inglês). Consultado em 9 de janeiro de 2016 
  5. www.hani.co.kr, ed. (3 de setembro de 2013). «Collection of 1923 Japan earthquake massacre testimonies released» (em inglês). Consultado em 8 de janeiro de 2016 
  6. www.fnn-news.com (ed.). «FNN Remembering 3/11: Yokohama station and surrounding areas at time of earthquake occurrence.» (em inglês). Consultado em 10 de janeiro de 2016 
  7. Yokohama Visitors' Guide (ed.). «Yamashita Park» (em inglês). Consultado em 11 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 21 de janeiro de 2016 
  8. www.hotel-newgrand.co.jp (ed.). «About Hotel New Grand» (em inglês). Consultado em 11 de janeiro de 2016 
  9. www.nyk.com (ed.). «NYK Maritime Museum» (em inglês). Consultado em 11 de janeiro de 2016 
  10. a b Yokohama Visitors' Guide (ed.). «Sankeien Garden» (em inglês). Consultado em 11 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 4 de março de 2016 
  11. Japan National Tourism Organization (ed.). «Sankeien Garden» (em inglês). Consultado em 11 de janeiro de 2016 
  12. «Yokohama, Japan Köppen Climate Classification (Weatherbase)». Weatherbase. Consultado em 9 de julho de 2019 
  13. «Yokohama Weather, When to Go and Yokohama Climate Information». world-guides.com. Consultado em 11 de janeiro de 2010 
  14. a b c d e f Gobierno de Yokohama (ed.). «人口のあゆみ(明治22年〜平成11年» (em jp). Consultado em 10 de janeiro de 2016 [ligação inativa]
  15. a b City Mayors Statistics (ed.). «More than 63 million people live in Japan's largest cities» (em inglês). Consultado em 10 de janeiro de 2016 
  16. www.geohive.com (ed.). «Top 10 Agglomerations 2014 and 2030» (em inglês). Consultado em 10 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 17 de janeiro de 2016 
  17. Hindawi Publishing Corporation (ed.). «Japan's Evolving Nested Municipal Hierarchy: The Race for Local Power in the 2000s» (em inglês). Consultado em 10 de janeiro de 2016 
  18. City of Yokohama (ed.). «International Affairs Bureau» (em inglês). Consultado em 11 de janeiro de 2016 
  19. «Nissan To Create New Global and Domestic Headquarters in Yokohama City by 2010». Japancorp.net. Consultado em 6 de maio de 2009 
  20. «Yokohama GDP 2015» 
  21. «Yokohama 2015 population» (PDF) 
  22. Deutsche Industrie- und Handelskammer in Japan (ed.). «Japan's Economic Regions» (em inglês). Consultado em 10 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 4 de março de 2016 
  23. a b Japan External Trade Organization (ed.). «Yokohama city: General Business Information» (em inglês). Consultado em 10 de janeiro de 2016 
  24. City of Yokohama (ed.). «City of Yokohama - Port & Harbor Bureau» (em inglês). Consultado em 10 de janeiro de 2016 
  25. Yokohama National University (ed.). «Guide to City of Yokohama» (PDF) (em inglês). Consultado em 8 de janeiro de 2016 [ligação inativa]
  26. United Nations University, ed. (24 de setembro de 2013). «Urban Regeneration and Climate-friendly Development: Lessons from Japan» (em inglês). Consultado em 11 de janeiro de 2016 
  27. Minato Mirai 21 (ed.). «Minato Mirai 21: Plans and Projects» (PDF) (em inglês) 
  28. City of Yokohama (ed.). «Investing in Yokohama - Advantage of Yokohama Concentration of Various Industry» (em inglês). Consultado em 11 de janeiro de 2016 
  29. «Official Yokohama city website». City.yokohama.jp. Consultado em 5 de maio de 2010. Arquivado do original em 19 de junho de 2010  |archiveurl= e |arquivourl= redundantes (ajuda)
  30. «Ports & World Trade». www.aapa-ports.org 
  31. «Chinese Ports Lead the World in Berth Productivity, JOC Group Inc. Data Shows». Press Release. AXIO Data Group. JOC Inc. 24 de junho de 2014. Consultado em 20 de março de 2015 
  32. Japonismo, ed. (4 de abril de 2012). «Viajar a Tokio en el Narita Express o N'Ex». Consultado em 10 de janeiro de 2016 
  33. El País, ed. (12 de julho de 1999). «Yokohama gana a Tokio como escenario de la final del Mundial 2002». Consultado em 8 de janeiro de 2016 
  34. Sport, ed. (1 de outubro de 2015). «El Estadio Internacional de Yokohama, sede de la final de Mundial de Clubes 2015». Consultado em 8 de janeiro de 2016 
  35. The Guardian, ed. (28 de setembro de 2015). «Yokohama Stadium to host 2019 Rugby World Cup Final». Consultado em 8 de janeiro de 2016 
  36. www.rsssf.com (ed.). «Football Tournament 1964 Olympiad» (em inglês). Consultado em 8 de janeiro de 2016 
  37. Yokohama Visitors' Guide (ed.). «Yokohama Stadium» (em inglês). Consultado em 8 de janeiro de 2016. Arquivado do original em 31 de março de 2016  |urlarchivo= e |arquivourl= redundantes (ajuda)
  38. Yokohama Visitors' Guide (ed.). «Yokohama Arena» (em inglês). Consultado em 8 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 21 de março de 2016 
  39. Swimming World Magazine (ed.). «2002 Pan Pacific Championships - Meet Results». Consultado em 8 de janeiro de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons
Wikivoyage Guia turístico no Wikivoyage
Wikidata Base de dados no Wikidata
Prefeitura de Kanagawa
Cidades
Atsugi | Ayase | Chigasaki | Ebina | Fujisawa | Hadano | Hiratsuka | Isehara | Kamakura | Kawasaki | Minamiashigara | Miura | Odawara | Sagamihara | Yamato | Yokohama (Capital) | Yokosuka | Zama | Zushi
Distritos
Aikō | Aiko | Ashigarashimo | Koza | Miura | Naka | Tsukui