Vancouver

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Vancouver (desambiguação).
Canadá Vancouver

City of Vancouver

 
—  Cidade  —
No topo: Centro de Vancouver. Abaixo: a Universidade da Colúmbia Britânica, Ponte Lions Gate, Ponte Granville Street, Ponte Burrard, Millennium Gate, e totens no Stanley Park
No topo: Centro de Vancouver. Abaixo: a Universidade da Colúmbia Britânica, Ponte Lions Gate, Ponte Granville Street, Ponte Burrard, Millennium Gate, e totens no Stanley Park
Bandeira de Vancouver
Bandeira
Apelido(s): Saltwater City, Rain City, Terminal City, Raincouver, Hollywood North.
Lema: "By Sea, Land, and Air We Prosper"
(Pelo mar, pela terra, e pelo ar nós prosperamos)
Mapa detalhado da região metropolitana de Vancouver
Mapa detalhado da região metropolitana de Vancouver
Vancouver está localizado em: Colúmbia Britânica
Vancouver
Localização de Vancouver na Colúmbia Britânica.
Coordenadas 49° 15' N 123° 6' O
País  Canadá
Província  Colúmbia Britânica
Região Lower Mainland
Incorporado em 6 de Abril de 1886
Administração
 - Prefeito (a) Gregor Robertson
 - Órgão governante Conselho Municipal de Vancouver
Área
 - Cidade 114,97 km²
 - Metro 2878.52 km²
População (2016) [1]
 - Cidade 631 486
    • Densidade 5 492,6 hab./km²
 - Urbana 2 135 201
 - Metro 2 463 431
    • Densidade metro 855,8 hab./km²
Gentílico: Vancouverite
Informações
 - PIB nominal US$ 109.8 bilhões[2]
 - PIB per capita US$ 44,337[2]
Fuso horário -8, (-7 verão)
Código postal V5K - V6T, V6Z, V7X - V7Y
Código de área 604, 778, 236
Sítio http://vancouver.ca/

Vancouver (pronúncia em inglês[/vænku vərː/] ( ouvir))[3] é uma cidade portuária costeira no oeste do Canadá, localizada na região de Lower Mainland na província canadense da Colúmbia Britânica. É a cidade mais populosa da província e oitava mais populosa do Canadá, o censo de 2016 registrou 631 mil pessoas na cidade. A área da Grande Vancouver registrou uma população de 2.463.431 em 2016, tornando-se a terceira maior região metropolitana do Canadá. Vancouver tem a maior densidade populacional no Canadá com mais de 5.400 pessoas por quilômetro quadrado.[4][5] De acordo com o recenseamento de 2011, Vancouver é a quarta cidade mais densamente povoada da América do Norte atrás da cidade de Nova Iorque, São Francisco, e Cidade do México.[6] A cidade é uma das cidades mais étnicas e linguisticamente diversas do Canadá de acordo com esse recenseamento, 52% dos seus residentes têm um idioma nativo diferente do inglês.[7][8] A cidade é classificada como uma cidade global Beta.

Vancouver é constantemente classificada como uma das cidades com maior qualidade de vida do mundo e entre as cinco melhores cidades do mundo para se viver,[9][10] a Economist reconheceu Vancouver como a primeira colocada em uma lista das dez cidades mais bem-sucedidas do mundo durante cinco anos consecutivos.[11][12] Vancouver já acolheu muitas conferências e eventos internacionais, incluindo o Império Britânico de 1954, os Jogos da Commonwealth, UN-habitat, Expo 86, World Police and Fire Games em 1989 e 2009, as Olimpíadas de Inverno de 2010 e os Jogos Paraolímpicos que se realizaram em Vancouver e em Whistler (uma comunidade de resorts a 125 quilômetros ao norte de Vancouver).[13] Em 2014, após trinta anos na Califórnia, a conferência TED fez de Vancouver a sua sede indefinida. Vários jogos da Copa do Mundo Feminina da FIFA 2015 foram jogados em Vancouver, incluindo a final no estádio BC Place.[14]

Serrarias estabeleceram-se em 1867 no local onde hoje está Vancouver, na época o local era conhecido como Gastown, que se tornou o núcleo em torno do qual a cidade cresceu. Vancouver foi incorporada como uma cidade em 1886. Em 1887, a ferrovia transcontinental foi prolongada até a cidade, para tirar proveito do seu grande porto natural para o Oceano Pacífico, que logo se tornou um elo vital e uma importante rota comercial entre o oriente e o ocidente, leste do Canadá e Londres.[15][16] Em 1887, a Canadian Pacific transcontinental railway foi estendida para o oeste da cidade, A partir de 2014, o Porto de Vancouver tornou-se o terceiro maior porto por tonelagem nas Américas (ultrapassando a cidade de Nova Iorque),[17] é o maior e mais movimentado porto do Canadá e o mais diversificado da América do Norte.[18] Enquanto a industria da madeira continua sendo sua maior indústria, Vancouver é conhecida como um centro urbano cercado pela natureza, tornando o turismo a sua segunda maior indústria.[19] Os principais estúdios de produção de filmes em Vancouver e nas proximidades de Burnaby transformaram a Grande Vancouver e as áreas próximas em um dos maiores centros de produção de filmes da América do Norte,[20][21] ganhando o apelido de "Hollywood North" (em português: Hollywood do Norte).[22][23][24]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

A cidade recebeu o nome de George Vancouver, que explorou o porto de Burrard Inlet em 1792 e deu vários nomes britânicos a diversos locais. O próprio nome de família Vancouver é originário do neerlandês "Van Coevorden", denotando alguém da cidade de Coevorden nos Países Baixos. Os ancestrais do explorador foram para a Inglaterra de Coevorden, que é o local de origem do nome que eventualmente se tornou "Vancouver".[25][26]

História[editar | editar código-fonte]

Povos nativos[editar | editar código-fonte]

Vestígios arqueológicos indicam que povos aborígenes tenham habitado a região onde atualmente está localizada a cidade de Vancouver pelo menos há três mil anos. Os traços de diversos assentamentos em torno de Vancouver indicam que os aborígenes habitantes da região possuíam um complexo sistema social.

Colonização europeia[editar | editar código-fonte]

Men standing and sitting around two tables, facing the câmera. A large tent behind them has a wooden sign that reads "City Hall"
Um retrato da primeira reunião do Conselho de Vancouver, após o incêndio de 1886.[27]

A chegada de navios espanhóis capitaneados por José Maria Narvaez em 1791, e por George Vancouver do Reino Unido no ano seguinte, trouxe grandes mudanças na vida dos aborígenes da região. O primeiro assentamento europeu de caráter permanente estabelecido na área de Vancouver foi fundado em 1862. A instalação de uma madeireira em Moodyville, atual North Vancouver, em 1863, permitiu a expansão da indústria madeireira, desde então uma fonte de renda primária da economia da região de Vancouver.

O assentamento de Gastown cresceu em torno de uma taverna, estabelecido por Gassy Jack Deighton em 1867. Em 1870, o governo colonial estudou o assentamento, e fundou um assentamento, Granville, que, com sua baía natural, foi selecionado como ponto terminal da Canadian Pacific Railway. A construção da ferrovia, por parte do governo canadense, foi a condição imposta pela Colômbia Britânica para que esta se juntasse ao Canadá, juntando-se à Confederação em 1871. A Cidade de Vancouver foi incorporada em 6 de abril de 1886, no mesmo ano da inauguração da Canadian Pacific Railway, e da chegada do primeiro trem transcontinental à cidade.

Século XX[editar | editar código-fonte]

Vista de Vancouver a partir de Fairview em 1904
A cidade em 1915

O domínio da economia pelos grandes negócios foi acompanhado por um movimento trabalhista, muitas vezes militante. A primeira grande greve ocorreu em 1903, quando funcionários ferroviários atingiram o Canadian Pacific Railway (CPR) para o reconhecimento sindical. O líder trabalhista Frank Rogers foi morto pela polícia da CPR enquanto estava escolhendo as docas, tornando-se o primeiro mártir do movimento na Colúmbia Britânica.[28] O aumento das tensões industriais em toda a província levou à primeira greve geral do Canadá em 1918, nas minas de carvão de Cumberland, na Ilha de Vancouver.[29] ​​Após a calamidade na década de 1920, a onda de greve atingiu o pico em 1935, quando os homens desempregados inundaram a cidade para protestar em condições nos campos de socorro administrados pelos militares em áreas remotas em toda a província.[30][31] Após dois meses tênues de protestos diários, os grevistas dos campos decidiram levar suas queixas ao governo federal e embarcaram na chamada "On-to-Ottawa Trek",[31] mas seu protesto foi derrubado por força. Os trabalhadores foram presos perto da Missão e internados em campos de trabalho durante o período da Depressão.[32]

Outros movimentos sociais, como o primeira onda do feminismo, reformas morais e os movimentos de temperança também foram instrumentais no desenvolvimento de Vancouver. Mary Ellen Smith, um sufragista e proibicionista de Vancouver, tornou-se a primeira mulher eleita para uma legislatura provincial no Canadá em 1918.[33] A proibição do álcool começou na Primeira Guerra Mundial e durou até 1921, quando o governo provincial estabeleceu o controle sobre as vendas de álcool, uma prática ainda em vigor hoje.[34] A primeira lei de drogas do Canadá ocorreu após um inquérito realizado pelo Ministro Federal do Trabalho e pelo futuro Primeiro-Ministro, William Lyon Mackenzie King. King foi condenado a investigar os danos resultantes de uma revolta quando a Exclusão da Liga Asiática levou a tumultos através em Chinatown e Japantown. Dois dos reclamantes eram fabricantes de ópio e, depois de uma investigação mais aprofundada, King descobriu que mulheres brancas estavam frequentemente em lojas de ópio e com homens chineses. Uma lei federal que proíbe a fabricação, a venda e a importação de ópio para fins não medicinais foi aprovado pouco depois dessas revelações.[35] Esses tumultos e a formação da Liga de Exclusão Asiática também atuaram como sinais do crescente medo e desconfiança em relação aos japoneses que viviam em Vancouver e ao longo de toda a Colúmbia Britânica. Esses temores foram exacerbados pelo ataque a Pearl Harbor, durante a Segunda Guerra Mundial, o que levou ao eventual internamento ou deportação de todos os japoneses-canadenses que viviam na cidade e na província.[36] Após a guerra, esses homens e mulheres japonês-canadenses não foram autorizados a retornar a cidades como Vancouver, fazendo com que as áreas, como o já mencionado Japantown, deixassem de ser áreas etnicamente japonesas, já que tais comunidades nunca reviveram.[37]

A fusão com Point Gray e South Vancouver deu à cidade suas fronteiras finais, pouco antes de se tornar a terceira maior metrópole do país. Em 1 de janeiro de 1929, a população do Vancouver era 228.193 habitantes.[38]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Imagem de satélite da cidade
Vista aérea de Vancouver

Localizado na Península Burrard, Vancouver fica entre o Burrard Inlet, ao norte e o rio Fraser, ao sul. O Estreito de Geórgia, a oeste, é protegido do Oceano Pacífico pela Ilha de Vancouver. A cidade tem uma área de 114 km², com terreno plano e montanhoso e está no fuso horário do Pacífico (UTC-8) e no ecozona marítimo do Pacífico.[39] Até a cidade receber seu nome em 1885, "Vancouver" se referia à Ilha de Vancouver, e continua a ser um equívoco comum de que a cidade está localizada na ilha. A ilha e a cidade são nomeadas em nome do capitão George Vancouver, da Royal Navy (assim como a cidade de Vancouver nos Estados Unidos).[40][41]

Vancouver tem um dos maiores parques urbanos da América do Norte, o Parque Stanley, que cobre 404,9 hectares.[42] As Montanhas North Shore dominam a paisagem urbana e, em um dia claro, a vista panorâmica inclui o Monte Baker, um vulcão coberto de neve no estado de Washington, Estados Unidos, a sudeste; a Ilha de Vancouver, através do Estreito de Geórgia, a oeste e sudoeste; e a Ilha Bowen a noroeste.[43]

A vegetação na área de Vancouver era originalmente uma floresta tropical temperada, que consistia de coníferas, com bolsões dispersos de bordos e amieiros e grandes áreas de pântano (mesmo em áreas de montanha, devido à fraca drenagem).[44] As coníferas eram uma típica mistura litorânea do Columbia Britânica de Pseudotsuga menziesii, Thuja plicata e Tsuga heterophylla.[45] Acredita-se que a área tenha tido as maiores árvores dessas espécies na costa da Colúmbia Britânica. Somente a altura das árvores da Baía de Elliott, em Seattle, rivaliza com as de Burrard Inlet e Baía Inglesa. As maiores árvores da floresta de crescimento antigo de Vancouver estavam na área de Gastown, onde ocorreu a primeira exploração madeireira, e nas encostas do sul de False Creek e Baía Inglesa, especialmente em torno da Praia Jericho. A floresta no Parque Stanley foi registrada entre as décadas de 1860 e 1880 e a evidência de técnicas de exploração madeireira à moda antiga ainda pode ser vista na região.[46]

Clima[editar | editar código-fonte]

Gráfico climático para Vancouver
JFMAMJJASOND
 
 
150
 
6
0
 
 
124
 
8
1
 
 
109
 
9
2
 
 
76
 
12
4
 
 
61
 
16
8
 
 
46
 
19
11
 
 
36
 
22
12
 
 
38
 
22
13
 
 
64
 
18
10
 
 
114
 
13
6
 
 
170
 
9
3
 
 
174
 
6
1
Temperaturas em °CPrecipitações em mm
Fonte: The Weather Channel

Vancouver tem um clima oceânico e possui, no inverno, a segunda mais alta temperatura média do país, atrás apenas de Victoria. Seu verão, no entanto, é um dos mais amenos do país. Os invernos não muito frios e os verões não muito quentes se devem principalmente ao fato de a cidade estar localizada no litoral. Enquanto em outras cidades canadenses, como Toronto, Montreal e Ottawa, as temperaturas podem chegar a -20°C no inverno e a 35 °C no verão, em Vancouver raramente chega a -10 °C no inverno e a 30 °C no verão.[carece de fontes?]

O total de precipitação média anual varia entre 110 a 350 cm ou mais. Os meses de verão são geralmente ensolarados, secos e amenos, com temperatura média de 22 °C em julho e agosto (embora verões de anos recentes tenham sido mais quentes, especialmente no final de julho). Tempestades são raras: ocorrem, geralmente, entre quatro a seis por ano.[carece de fontes?]

Vancouver, no Canadá, possui a reputação de ser uma cidade chuvosa. Apesar disso, a cidade registra apenas 166 dias de chuva, sendo que 289 dias são ensolarados. Os invernos de Vancouver, porém, podem ser escuros, na medida em que o céu da cidade durante essa estação muitas vezes fica encoberto com nuvens de baixa altitude. Vancouver também tem reputação de ser uma cidade onde não neva. Porém, Vancouver e sua região metropolitana constantemente registram precipitação de neve durante o inverno, sendo que não há registro até os dias atuais de um inverno em que não tivesse ocorrido nenhuma precipitação de neve no Aeroporto Internacional de Vancouver. Mesmo nevando na cidade, as taxas de precipitação de neve de Vancouver podem ser consideradas baixas, segundo padrões canadenses - embora houvesse anos em que foi registrada maior precipitação de neve em Vancouver do que em Toronto (1949–1950, 1968–1969, 1970–1971, 1990–1991). Na maior parte do ano, entretanto, tende a possuir temperaturas mais amenas do que o resto do Canadá.[carece de fontes?]

Vista da Baía Inglesa a partir da Ponte Burrard

Demografia[editar | editar código-fonte]

Panorama urbano de Vancouver

O censo de 2011 registrou mais de 603 mil pessoas na cidade, tornando-se o oitavo maior entre as cidades canadenses. A área metropolitana, com mais de 2,3 milhões de habitantes, é a terceira área metropolitana mais populosa no país e a mais populosa no oeste do Canadá. A região econômica de Lower Mainland (que inclui Squamish, Fraser Valley ea Sunshine Coast) tem uma população de mais de 2,65 milhões. Com 5.249 pessoas por quilômetro quadrado (13.590 sq mi), a cidade de Vancouver é a mais densamente povoada dos municípios canadenses com mais de 5.000 habitantes.[47]

Aproximadamente metade da população é cristã, uma das taxas mais baixas do país. A grande maioria é protestante. Vancouver, como no restante da Colômbia Britânica, possui taxas de atendência religiosa (idas para a igreja, sinagoga, etc) muito baixas, se comparadas com o restante do continente, e a maior parte da população não pratica religão seriamente. Cerca de 5% da população de Vancouver são sikhs, 3,7% são budistas, 2,6% são islâmicos, e 1,4% são hindus. Muitos membros da pequena comunidade islâmica são muçulmanos ismaili de etnia indiana, que imigraram por causa do ambiente hostil presente em Uganda, Quênia e Tanzânia.[carece de fontes?]

Imigração e composição étnica[editar | editar código-fonte]

Chinatown da cidade

Vancouver é uma das cidades mais multiculturais do mundo. Os ingleses, escoceses e irlandeses historicamente eram os maiores grupos étnicos na cidade, a influência social e cultural britânica e irlandesa ainda são muito visíveis em algumas áreas, principalmente em South Granville e Kerrisdale. Os alemães são o segundo maior grupo étnico europeu em Vancouver. Os chineses são visivelmente a maior minoria étnica da cidade. Vancouver também possui uma das comunidades de língua chinesa mais diversas do país, uma vez que diversos dialetos chineses são falados na cidade. A cidade possui a segunda maior Chinatown da América do Norte. Apenas a Chinatown de San Francisco é maior. Vancouver também possui diversos bairros multiculturais, tais como o Punjabi Market (sul-asiáticos), Little Italy (italianos), Little India (indianos), Greektown (gregos), Japantown (japoneses), Commercial Drive, e diversas Koreatowns (coreanos). Placas de trânsito bilingues podem ser vistas nesses centros de concentração étnica. Vancouver e sua região metropolitana também possui a maior comunidade aborígene da Colômbia Britânica.[carece de fontes?]

Gráfico circular mostrando a composição de minorias visíveis de Vancouver (dados provenientes do Censo de 2006 do Canadá)

Muitos imigrantes vindos de Honcongue instalaram-se em Vancouver quando este, anteriormente controlada pelo Reino Unido, tornou-se parte da China em 1999, fazendo com que a tradição chinesa de imigração ao redor do mundo continuasse. Estima-se que cerca de 17% dos 2,3 milhões de habitantes da região metropolitana de Vancouver possuam ascendência chinesa. Vancouver é atualmente a segunda cidade mais multicultural do Canadá, atrás apenas de Toronto. Outros grandes grupos étnicos asiáticos em Vancouver incluem sul-asiáticos (primariamente punjabis, geralmente referidos como indo-canadenses), seguidos por sudeste-asiáticos: vietnamitas, filipinos, cambojanos, indonésios e por leste-asiáticos, japoneses e coreanos.[carece de fontes?]

Vancouver também possui minorias étnicas pouco visíveis, tais como europeus da Europa Oriental e hispânicos. Antes do fluxo de chineses vindos de Honcongue, a partir da década de 1980, o maior grupo étnico da cidade, depois dos britânicos, eram os alemães, seguidos por ucranianos e por escandinavos. A maioria dos grupos étnicos mais antigos foram assimilados culturalmente e socialmente, enquanto que grupos étnicos mais recentes, como imigrantes chineses e europeus da Europa Oriental, possuem uma distinta comunidade linguística e social.[carece de fontes?]

Vancouver é uma das cidades mais integradas do mundo, possuindo mais casais de multirraciais e menos segregação racial do que as duas cidades mais populosas do Canadá, Toronto e Montreal. No total, 7,2% dos casais de Vancouver são interraciais, mais do que o dobro da média nacional (3,2%), e maior do que em Toronto (6,1%) e Montreal (3,5%). Entre jovens casais (entre 20 a 30 anos de idade), 12,9% são interraciais. Atualmente, as minorias étnicas mais visíveis de Vancouver são os chineses (que formam 29,9% da população da cidade), seguidos pelos sul-asiáticos (5,7%) e filipinos (4,1%). 49% da população da cidade pertencem a uma minoria étnica visível. Os aborígenes, que compõem 1,9% da população de Vancouver, não são considerados uma minoria étnica visível.[carece de fontes?]

Vista noturna panorâmica de Vancouver.

Administração[editar | editar código-fonte]

Vancouver é administrada pelo Conselho Municipal de Vancouver, composto por dez membros, pelo Conselho Escolar, composto por nove membros, e pelo Conselho de Parques, composto por sete membros, todos eleitos para mandatos de até três anos de duração, e escolhidos pela população da cidade. Politicamente, os habitantes da região oeste de Vancouver tendem a ser mais conservadores, enquanto que os habitantes da região leste tendem a votar mais em partidos de esquerda.[carece de fontes?]

Embora polarizada, um consenso político tem emergido em Vancouver, em torno de alguns assuntos, como a proteção aos parques urbanos, foco no desenvolvimento de um sistema de transporte público em massa, ao invés de um sistema de vias expressas, o combate ao uso e tráfico de drogas ilegais, e preocupações gerais sobre desenvolvimento comunitário, todos assuntos que possuem apoio nos diversos aspectos políticos da cidade. Vancouver possui cinco representantes na Câmara dos Comuns do Canadá, quatro liberais e um do Novo Partido Democrático.[carece de fontes?]

Cidades-irmãs[editar | editar código-fonte]

A Cidade de Vancouver foi uma das primeiras cidades no Canadá a entrar em um acordo internacional de cidades-irmãs.[48] Regime especial de benefícios culturais, sociais e econômicos foram criados com essas cidades irmãs.[43] [49]

Economia[editar | editar código-fonte]

Centro financeiro de Vancouver
Porto de Vancouver
Vista da cidade à noite

Com a sua localização no Círculo do Pacífico e no término ocidental da Rodovia Trans-Canadá e de rotas ferroviárias, Vancouver é um dos maiores centros industriais do país.[43] O porto da cidade, o maior e mais diversificado porto do Canadá, faz mais de 172 bilhões de dólares em comércio com mais de 160 economias diferentes anualmente. As atividades portuárias geram 9,7 bilhões de dólares no produto interno bruto e 20,3 bilhões de dólares na produção econômica.[51] Vancouver também é sede das empresas florestais e mineradoras. Nos últimos anos, a cidade tornou-se um centro de desenvolvimento de softwares, biotecnologia, tecnologia aeroespacial, desenvolvimento de videogames, estúdios de animação e produção de televisão e indústria cinematográfica.[52]

Vancouver é uma das cidades com maior custo de habitação no Canadá.[53] Em 2012, foi classificada pela Demographia como a segunda cidade menos acessível do mundo neste aspecto, avaliada como ainda mais inacessível em termos habitacionais em 2012 do que em 2011.[54][55][56][57] A cidade adotou várias estratégias para reduzir os custos de habitação, como habitação cooperativa, suítes secundárias legalizadas, maior densidade e crescimento inteligente. Em abril de 2010, uma casa média de dois níveis em Vancouver era vendida por um recorde de 987.500 dólares, em comparação com a média canadense de 365.141 dólares.[58]

Desde a década de 1990, o desenvolvimento de condomínios de arranha-céus na península do centro foi financiado, em parte, por um ingresso de capital dos imigrantes de Honcongue devido à transferência da antiga colônia britânica para a China em 1997.[59] Esse desenvolvimento tem sido agrupado nos distritos de Yaletown e Coal Harbour e em torno de muitas das estações SkyTrain a leste do centro da cidade.[52]

A escolha da cidade para co-sediar os Jogos Olímpicos de Inverno de 2010 também teve uma grande influência no desenvolvimento econômico. Houve preocupação de que o crescente problema de sem-tetos da cidade fosse exacerbado pelas Olimpíadas porque os proprietários de hotéis de quarto único, que abrigavam muitos dos residentes de renda mais baixa da cidade, converteram suas propriedades para atrair residentes e turistas de renda mais alta.[60] Outro importante evento internacional realizado em Vancouver, a Exposição Mundial de 1986, recebeu mais de 20 milhões de visitantes e adicionou 3,7 bilhões de dólares à economia canadense.[61] Alguns pontos de referência permanentes de Vancouver, incluindo o sistema de transporte público SkyTrain e o Canada Place, foram construídos como parte da exposição.[61]

Turismo[editar | editar código-fonte]

A localização cênica de Vancouver faz dela um importante destino turístico. Muitas visitas para ver os jardins da cidade, como o Parque Stanley, o Parque Rainha Elizabeth, o Jardim Botânico VanDusen e as montanhas, oceano, floresta e parques que cercam a cidade. Todos os anos, mais de um milhão de pessoas passam por Vancouver em férias de cruzeiros, muitas vezes para o Alasca.[52]

Diversas estações de esqui estão localizadas em montanhas próximas a Vancouver. Entre elas, está a Whistler-Blackcomb Resort, localizada a 126 quilômetros da cidade, que foi uma das sedes dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2010. Vancouver é uma cidade que vive basicamente do turismo, com centenas de parques, praias, lagos e montanhas, sem contar com os vários prédios famosos e com algumas construções em estilo europeu. São mais de 153 pontos turísticos

Vista panorâmica do centro financeiro de Vancouver.

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Educação[editar | editar código-fonte]

As escolas de Vancouver são administradas pelo Vancouver School Board (Conselho Escolar de Vancouver), o segundo maior distrito escolar da Colúmbia Britânica, composta por cerca de 120 escolas, que são responsáveis pela educação de 70 mil estudantes de Vancouver e cidades vizinhas. A cidade ainda tem outras 40 escolas privadas. As escolas de ensino de inglês para estrangeiros (ESL- English Second Language) se tornaram um grande atrativo e respondem hoje por uma boa parcela do contingente de alunos internacionais na cidade através do sistema homestay.[62]

O sistema bibliotecário de Vancouver é composto de uma biblioteca central e outras 15 bibliotecas menores. A cidade é servida pela Universidade da Colúmbia Britânica, que, com seus 27 mil estudantes, é uma das maiores universidades do Canadá. Outras instituições de educação superior importantes incluem a Universidade Simon Frasier, localizada na vizinha Burnaby, e a Vancouver Film School.

Transportes[editar | editar código-fonte]

O sistema de bondes de Vancouver começou em 28 de junho de 1890 e ligava a Ponte da Rua Granville até a Avenida Westminster (agora Main Street e Kingsway). Menos de um ano depois, a Westminster and Vancouver Tramway Company começou a operar a primeira linha interurbana do Canadá entre as duas cidades (estendidas a Chilliwack em 1910). Outra linha (1902), a Vancouver and Lulu Island Railway, foi arrendada pela Canadian Pacific Railway para a British Columbia Electric Railway em 1905 e ia da Ponte da Rua Granville para Steveston via Kerrisdale, o que incentivou bairros residenciais fora do núcleo central a se desenvolverem.[63] A partir de 1897, a British Columbia Electric Railway (BCER) tornou-se a empresa que operava o sistema ferroviário urbano e interurbano, até 1958, quando seus últimos vestígios foram desmantelados em favor de troles "sem trilhos" e ônibus a gasolina/diesel;[64] nesse mesmo ano o BCER tornou-se o núcleo da recém-criada e de propriedade pública BC Hydro. Vancouver atualmente tem a segunda maior frota de trólebus na América do Norte, depois de San Francisco.[65]

SkyTrain de Vancouver no Grandview Cut, com o centro de Vancouver em segundo plano. A estrutura de cúpula branca é o antigo telhado do BC Place

Os conselhos municipais nas décadas de 1970 e 1980 proibiram a construção de rodovias como parte de um plano de longo prazo.[66] Como resultado, a única autoestrada dentro dos limites da cidade é a Estrada 1, que passa pelo canto nordeste da cidade. Embora o número de carros em Vancouver tenha aumentado constantemente com o crescimento populacional, a taxa de propriedade de automóveis e a distância média conduzida de passageiros diários caíram desde o início dos anos 1990.[67][68] Vancouver é a única grande cidade canadense com esse tipo de tendência. Apesar do tempo de viagem por veículo ter aumentado em um terço, há 7% menos carros fazendo viagens no centro da cidade.[67] Em 2012, Vancouver tinha a pior taxa de congestionamento no Canadá e a segunda maior na América do Norte, atrás de Los Angeles.[69] Em 2013, a cidade teve a pior taxa de congestionamento na América do Norte.[70] Os residentes ficam mais inclinados a viver em áreas mais próximas de suas áreas de interesse ou usam meios de viagem mais eficientes em termos de energia, como o transporte público e o ciclismo. Isto acontece, em parte, como resultado de um empurrão feito pelos planejadores da cidade para uma solução para os problemas de trânsito e por campanhas pró-ambiente. As políticas de gerenciamento da demanda de transporte impuseram restrições aos motoristas, o que tornou mais difícil e dispendioso se deslocar de carro, ao mesmo tempo em que apresentaram benefícios aos não motoristas.[67]

A TransLink é responsável por estradas e transportes públicos na Grande Vancouver (em sucessão a B.C. Transit, que assumiu as funções de trânsito da B.C. Hydro). Ela fornece serviço de ônibus, incluindo o serviço de ônibus rápido da B-Line, um serviço de transporte de passageiros e bicicletas (conhecido como SeaBus), um serviço de transporte rápido automatizado chamado SkyTrain e a linha ferroviária West Coast Express. O sistema SkyTrain de Vancouver tem três linhas, a Linha do Milênio, a Linha Expo e a Linha Canadá, com um total de 53 estações.[71]

Outros modos de transporte aumentam a diversidade de opções disponíveis em Vancouver. O serviço ferroviário de passageiros interurbanos é operado a partir da Estação Central do Pacífico pela Via Rail até regiões a leste, Amtrak Cascades que vai até Seattle e Portland e as rotas ferroviárias Rocky Mountaineer. As balsas passageiros que operam em False Creek fornecem serviço de transporte para Granville Island, Downtown Vancouver e Kitsilano. Vancouver tem uma rede municipal de ciclovias, que apóia uma população ativa de ciclistas durante todo o ano. O ciclismo tornou-se o modo de transporte de crescimento mais rápido da cidade.[72] O sistema de compartilhamento de bicicletas Mobi foi inaugurado em 20 de junho de 2016.[73]

A cidade é servida pelo Aeroporto Internacional de Vancouver (YVR), localizado na Sea Island, na cidade de Richmond, imediatamente a sul de Vancouver. O aeroporto é o segundo mais movimentado do Canadá[74] e o segundo maior da costa ocidental da América do Norte para passageiros internacionais.[75] A HeliJet e companhias de hidroaviões operam o serviço aéreo regular do porto de Vancouver e do terminal sul YVR. A cidade também é servida por dois terminais de balsas BC Ferry: um é ao noroeste da Horseshoe Bay (em West Vancouver) e o outro ao sul, em Tsawwassen (em Delta).[76]

Arquitetura e atrações[editar | editar código-fonte]

Edifícios magníficos como a Christ Church Cathedral, o Hotel Vancouver, o Museu de Antropologia e a Galeria de Arte de Vancouver preenchem a cidade. Existem também vários edifícios modernos no centro da cidade, como o Harbour Centre, os Tribunais Legislativos de Vancouver e a praça em redor, conhecida como Praça Robson, a Praça da Biblioteca de Vancouver, remanescente do Coliseu de Roma e o estádio BC Place.

A sede original da BC Hydro é um edifício modernista, convertida nos Condomínios Electra. Também importante é o Edifício MacMillan-Bloedel. Uma proeminente adição à cidade foi a tenda gigante do Canada Place, um dos pavilhões da Expo '86, que sedia o Centro de Convenções de Espectáculos de Vancouver, assim como um terminal de navios-cruzeiro e o Hotel Pan Pacífico. Dois modernos arranha-céus que definem o horizonte são a Câmara Municipal e o Pavilhão do Centenário do Hospital de Vancouver, ambos cercados por Townley e Matheson.

Uma variedade de edifícios do período eduardiano no centro da cidade eram os maiores Reino Unido no período de sua construção. Esses edifícios são o Province Building, o Dominion Building e a Sun Tower. Inspirados pelos Chrysler Building de Nova Iorque, o Marine Building é conhecido pelas suas elaboradas telhas de cerâmica, que o tornaram dos locais favoritos para filmagens. Outro importante edifício do eduardiano é a Galeria de Arte de Vancouver, desenhada por Francis Mawson Rattenbury, que também sediou a legislatura provincial e o Hotel Vancouver.

Quanto aos edifícios mais altos de Vancouver, o primeiro lugar está com o One Wall Centre (150 m), seguido de perto pela Shaw Tower (149 m) (março de 2008).

Cultura[editar | editar código-fonte]

As principais empresas de teatro em Vancouver incluem a Arts Club Theatre Company na Ilha Granville e a Bard on the Beach. Pequenas empresas incluem Touchstone Theatre e Studio 58. O Cultch, The Firehall Arts Centre, United Players, Pacific e Metro Theatres mantém temporadas de teatro contínuas. O Theatre Under the Stars produz espetáculos no verão em Malkin Bowl, no Parque Stanley. Os festivais anuais que se realizam em Vancouver incluem o Festival Internacional de Artes Performáticas PuSh em janeiro e o Festival Vancouver Fringe em setembro. A Vancouver Playhouse Theatre Company operou por 50 anos, mas fechou em março de 2012.[77]

O Scotiabank Dance Center, um edifício bancário convertido na esquina de Davie e Granville, funciona como um local de encontro e de atuação para bailarinas e coreógrafos da cidade. O Dances for a Small Stage é um festival de dança semestral.

O Festival Internacional de Cinema de Vancouver, que funciona por duas semanas de setembro, apresenta mais de 350 filmes e é um dos maiores festivais de cinema da América do Norte. A sede do festival, o Vancity Theatre, executa filmes independentes não comerciais durante o resto do ano, assim como a Pacific Cinémathèque e os teatros Rio. Vancouver tornou-se uma importante cenário para a indústria cinematográfica e passou a ser conhecida como "Hollywood do Norte".[78]

Entre as principais bibliotecas da cidade está a Biblioteca Pública de Vancouver, com sua filial principal na Praça da Biblioteca, desenhada por Moshe Safdie. O ramo central contém 1,5 milhão de volumes. No total, há vinte e duas sucursais com 2,25 milhões de volumes.[79]

A Galeria de Arte de Vancouver tem uma coleção permanente de cerca de 10.000 itens e é o lar de um número significativo de obras de Emily Carr.[80] No entanto, pouca ou nenhuma da coleção permanente está sempre em exibição. O centro da cidade também abriga a Galeria de Arte Contemporânea, que apresenta exposições temporárias de artistas de Vancouver. No distrito de Kitsilano estão o Museu Marítimo de Vancouver, o Centro Espacial H. R. MacMillan e o Museu de Vancouver, o maior museu cívico do Canadá. O Museu de Antropologia da Universidade da Colúmbia Britânica é um dos principais museus da cultura das Primeiras Nações da Costa Noroeste do Pacífico. Um museu mais interativo é Science World em False Creek. A cidade também possui uma coleção diversificada de Arte Pública.

A Escola de Vancouver de fotografia conceitual[81] (muitas vezes referida como fotoconceitualismo)[82] é um termo aplicado a um agrupamento de artistas locais que alcançaram o reconhecimento internacional a partir dos anos 1980.[81] Não existe uma "escola" formal e o grupo permanece informal e muitas vezes controverso[83] mesmo entre os próprios artistas, que muitas vezes resistem ao termo.[83] Os artistas associados ao termo incluem Jeff Wall, Ian Wallace, Ken Lum, Roy Arden,[82] Stan Douglas e Rodney Graham.[84]

Esportes[editar | editar código-fonte]

BC Place, casa dos BC Lions e dos Whitecaps FC e palco da abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2010

O clima ameno da cidade e a proximidade com o oceano, montanhas, rios e lagos tornam a área um destino popular para recreação ao ar livre. Vancouver tem mais de 1.298 hectares de parques, dos quais o Parque Stanley, com 404 hectares, é o maior.[85]

A cidade tem várias grandes praias, muitas adjacentes uma a outra, que se estendem da costa do Parque Stanley em torno de False Creek até o lado sul da Baía Inglesa, de Kitsilano até a University Endowment Lands (que também tem praias que não fazem parte da cidade propriamente dita). Os 18 km de litoral fornecem muitos tipos de desportos aquáticos e a cidade é um destino popular para entusiastas de passeios de barco.[86]

Em uma viagem de 20 a 30 minutos do centro de Vancouver, estão as Montanhas North Shore, com três áreas de esqui: Montanha Cypress, Montanha Grouse e Montanha Seymour. Ciclistas de montanha criaram trilhas de renome mundial em toda a costa norte. O rio Capilano, Lynn Creek e o rio Seymour, também na North Shore, proporcionam oportunidades aos entusiastas de águas brancas durante os períodos de chuva e do derretimento da primavera, embora os cânions desses rios sejam mais utilizados para caminhadas e natação.[87]

As corridas de corrida incluem o Vancouver Sun Run (uma corrida de 10 quilômetros) em abril; a Maratona de Vancouver, realizada em maio; e a Meia Maratona Scotiabank Vancouver realizada em junho. A Grouse Grind é uma subida de 2,9 km até a Montanha Grouse aberta ao longo dos meses de verão e outono, incluindo o evento anual Grouse Grind Mountain Run. As trilhas para caminhadas incluem o Baden-Powell Trail, uma árdua caminhada de 42 quilômetros de distância da Baía Horseshoe de West Vancouver até Deep Cove, no distrito de North Vancouver.[88]

Em 2009, a Grande Vancouver hospedou os Jogos Mundiais dos Policiais e Bombeiros. O Estádio Swangard, na cidade vizinha de Burnaby, organizou os jogos da Copa do Mundo FIFA Sub-20 de 2007.[13][89]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Population size and growth in Canada: Key results from the 2016 Census». Statistics Canada. 10 de maio de 2016. Consultado em 8 de fevereiro de 2016. 
  2. a b «Global city GDP 2014». Brookings Institution. Consultado em 18 de novembro de 2014.. Arquivado do original em 4 de junho de 2013 
  3. Roth, Ruth (inverno de 1975). «The Relevance of Morpheme Boundaries to Nasal Assimilation in Canadian English». Calgary Working Papers in Linguistics. 1: 37. In the case of Vancouver, the pronunciation with the velar nasal /ŋ/ seems to be preferred in British Columbia. 
  4. «Population of Metro Vancouver outpaced national growth rate». Vancouver Sun. Vancouver. 8 de fevereiro de 2017. Consultado em 8 de fevereiro de 2017. 
  5. Campion-Smith, Bruce (8 de fevereiro de 2017). «Canada's population grew 1.7M in 5 years, latest census shows». Toronto Star. Toronto. Consultado em 8 de fevereiro de 2017. 
  6. «Population and dwelling counts, for Canada and census subdivisions (municipalities) with 5,000-plus population, 2011 and 2006 censuses». Consultado em 9 de fevereiro de 2012. 
  7. «Census 2006 Community Profiles: Vancouver, City and CMA». Government of Canada. 2006. Consultado em 10 de outubro de 2011. 
  8. «City Facts 2004» (PDF). City of Vancouver. 2004. Consultado em 9 de junho de 2011.. Arquivado do original (PDF) em 12 de maio de 2006  48.9% have neither English nor French as their first language.
  9. «Vancouver and Melbourne top city league». BBC News. 4 de outubro de 2002. Consultado em 9 de junho de 2011. 
  10. Frary, Mark (8 de junho de 2009). «Liveable Vancouver». The Economist. Consultado em 9 de junho de 2011. 
  11. «The Liveabililty Ranking and Overview August 2015». Consultado em 18 de agosto de 2015. 
  12. Koranyi, Balazs (21 de fevereiro de 2011). «Vancouver still world's most livable city: survey». Reuters 
  13. a b «Vancouver 2010 Schedule». Official 2010 Olympic Site. 2010. Consultado em 25 de janeiro de 2010. 
  14. «FIFA Women's World Cup Canada 2015™ match schedule unveiled». Official FIFA Site. Consultado em 30 de abril de 2013. 
  15. Morley, A. (1974). Vancouver, from milltown to metropolis. Vancouver: Mitchell press [c9161]. Consultado em 2 de dezembro de 2009. LCCN 64-26114
  16. Norris, John M. (1971). Strangers Entertained. [S.l.]: Vancouver, British Columbia Centennial '71 Committee. Consultado em 1 de dezembro de 2009. LCCN 72-170963
  17. «World Port Rankings 2014». American Association of Port Authorities 
  18. «Port Metro Vancouver Mid-Year Stats Include Bright Spots in a Difficult First Half for 2009». Port Metro Vancouver. 31 de julho de 2009. Consultado em 9 de junho de 2011.. Arquivado do original em 15 de junho de 2011 
  19. «Overnight visitors to Greater Vancouver by volume, monthly and annual basis» (PDF). Vancouver Convention and Visitors Bureau. Consultado em 9 de junho de 2011.. Arquivado do original (PDF) em 17 de julho de 2011 
  20. «Industry Profile». BC Film Commission. Consultado em 9 de junho de 2011.. Arquivado do original em 7 de julho de 2011 
  21. «Ontario film industry outperforming B.C.'s». Business In Vancouver. Consultado em 12 de agosto de 2012. 
  22. Gasher, Mike (novembro de 2002). Hollywood North: The Feature Film Industry in British Columbia. Vancouver: University of British Columbia Press. ISBN 978-0-7748-0967-2 
  23. Shrimpton, James (17 de agosto de 2007). «Vancouver: Welcome to Brollywood». News Limited. Consultado em 16 de março de 2013. 
  24. «Canada's Hollywood Gets a Boost with New Studio». Miami Herald. 9 de agosto de 1988. Consultado em 16 de março de 2013. 
  25. Davis, Chuck; W. Kaye Lamb (1997). Greater Vancouver Book: An Urban Encyclopaedia. Surrey, BC: Linkman Press. pp. 34–36. ISBN 978-1-896846-00-2 
  26. Davis, Chuck. «Coevorden». The History of Metropolitan Vancouver. Consultado em 7 de junho de 2011. 
  27. Smedman, Lisa (3 de março de 2006). «History of Naming Vancouver's Streets: Hamilton's Legacy». Vancouver Courier. Consultado em 1 de dezembro de 2009. 
  28. Phillips, Paul A. (1967). No Power Greater: A Century of Labour in British Columbia. Vancouver: BC Federation of Labour/Boag Foundation. pp. 39–41 
  29. Phillips, Paul A. (1967). No Power Greater: A Century of Labour in British Columbia. Vancouver: BC Federation of Labour/Boag Foundation. pp. 71–74 
  30. Manley, John (1994). «Canadian Communists, Revolutionary Unionism, and the 'Third Period': The Workers' Unity League,» (PDF). Journal of the Canadian Historical Association, New Series. 5: 167–194 
  31. a b Brown, Lorne (1987). When Freedom was Lost: The Unemployed, the Agitator, and the State. Montreal: Black Rose Books. ISBN 978-0-920057-77-3 
  32. Schroeder, Andreas (1991). Carved From Wood: A History of Mission 1861–1992. [S.l.]: Mission Foundation. ISBN 978-1-55056-131-9 
  33. Robin, Martin (1972). The Rush for Spoils: The Company Province,. Toronto: McClelland and Stewart. p. 172. ISBN 978-0-7710-7675-6 
  34. Robin, Martin (1972). The Rush for Spoils: The Company Province,. Toronto: McClelland and Stewart. pp. 187–188. ISBN 978-0-7710-7675-6 
  35. Catherine Carstairs (2000). «'Hop Heads' and 'Hypes':Drug Use, Regulation and Resistance in Canada,» (PDF). University of Toronto. Consultado em 9 de junho de 2011. 
  36. Roy, Patricia E. (1990). Mutual Hostages: Canadians and Japanese during the Second World War. Toronto, Ontario: University of Toronto Press. p. 103. ISBN 0-8020-5774-8 
  37. La Violette, Forrest E. (1948). The Canadian Japanese and World War II. Toronto, Ontario: University of Toronto Press. p. v 
  38. Francis, Daniel (2004). L.D.:Mayor Louis Taylor and the Rise of Vancouver. Vancouver: Arsenal Pulp Press. p. 135. ISBN 978-1-55152-156-5 
  39. «Pacific Maritime Ecozone». Environment Canada. 11 de abril de 2005. Consultado em 1 de dezembro de 2009.. Arquivado do original em 21 de junho de 2004 
  40. «Vancouver Is Not On Vancouver Island». Arquivado do original em 5 de novembro de 2011 
  41. «Vancouver Island – "Victoria Island" and other Misconceptions» 
  42. «World66 – Vancouver Travel Guide». World 66. Consultado em 18 de outubro de 2006. 
  43. a b c «About Vancouver». City of Vancouver. 17 de novembro de 2009. Consultado em 1 de dezembro de 2009. 
  44. «Stanley Park History». City of Vancouver. 2009. Consultado em 1 de dezembro de 2009. 
  45. «"Lower Mainland Ecoregion": Narrative Descriptions of Terrestrial Ecozones and Ecoregions of Canada (#196)». Environment Canada. Consultado em 4 de dezembro de 2009.. Arquivado do original em 27 de janeiro de 2007 
  46. «Stanley Park: Forest – Monument Trees». City of Vancouver. 2009. Consultado em 1 de dezembro de 2009. 
  47. «Canada 2011 Census Lower Mainland Economic Region». Consultado em 19 de fevereiro de 2012. 
  48. Smith, Patrick J. and Kennedy Stewart (2003). «Beavers and Cats Revisited: Creatures and Tenants versus Municipal Charter(s) and Home Rule» (PDF). Queen's University, Institute of Intergovernmental Relations. Consultado em 1 de dezembro de 2009. 
  49. «Vancouver Twinning Relationships» (PDF). City of Vancouver. Consultado em 5 de dezembro de 2009. 
  50. «Eight Cities/Six Ports: Yokohama's Sister Cities/Sister Ports». Yokohama Convention & Visitiors Bureau. Consultado em 5 de dezembro de 2009. 
  51. «Port Metro Vancouver». Port Metro Vancouver. 4 de junho de 2013. Consultado em 1 de março de 2014.. Arquivado do original em 10 de fevereiro de 2010 
  52. a b c «Economy». Vancouver City Guide. Consultado em 11 de julho de 2009. 
  53. RBC Economics (Maio de 2012). Housing Trends and Affordability (PDF) (Relatório). Arquivado do original (PDF) em 13 de agosto de 2006 
  54. Wendell Cox; Hugh Pavletich (2012). 8th Annual Demographia International Housing Affordability Survey: 2012 Ratings for Metropolitan Markets (PDF) (Relatório). Consultado em 5 de junho de 2012. 
  55. Bula, Frances (22 de janeiro de 2007). «Vancouver is 13th least affordable city in world». Vancouver Sun. Consultado em 25 de janeiro de 2010.. Arquivado do original em 17 de julho de 2010 
  56. «Demographia International Housing Affordability Survey: 2006» (PDF). Wendell Cox Consultancy. Consultado em 12 de novembro de 2006. 
  57. «Housing Affordability» (PDF). RBC Financial Group. Consultado em 27 de setembro de 2006.. Arquivado do original (PDF) em 13 de agosto de 2006 
  58. «Survey of Vancouver housing price increase exceeds rest of Canada». BIV Daily Business News. Business in Vancouver. 9 de abril de 2010. Consultado em 28 de abril de 2010.. Arquivado do original em 28 de julho de 2011 
  59. Bhatty, Ayesha (25 de maio de 2012). «Canada prepares for an Asian future». BBC News. Consultado em 29 de maio de 2012. 
  60. «Homelessness could triple by 2010: report». CBC News. 21 de setembro de 2006. Consultado em 25 de janeiro de 2010.. Arquivado do original em 13 de junho de 2009 
  61. a b O'Leary, Kim Patrick (2011). «Expo 86». The Canadian Encyclopedia (Historica-Dominion). Consultado em 9 de setembro de 2012.. Cópia arquivada em 28 de dezembro de 2011 
  62. Questões freqüentes sobre o sistema homestay para alunos internacionais em Vancouver
  63. Davis, Chuck. «1885–1891». The History of Metropolitan Vancouver. Consultado em 23 de novembro de 2006. 
  64. Davis, Chuck. «1958». The History of Metropolitan Vancouver. Consultado em 14 de novembro de 2006. 
  65. Snider, Drew (1 de junho de 2007). «Light Rail vs. Trolley Bus». Masstransitmag.com. Consultado em 30 de maio de 2012.. Arquivado do original em 13 de junho de 2012 
  66. Millar, Royce (11 de setembro de 2006). «No freeways puts Vancouver on top». The Age. Melbourne. Consultado em 14 de novembro de 2006. 
  67. a b c "Driving Lessons". Vancouver Magazine. (Junho de 2007).
  68. «Traffic entering Vancouver, 1986 to 2005». City of Vancouver. Consultado em 30 de maio de 2007.. Arquivado do original em 11 de outubro de 2007 
  69. «Vancouver Has Canada's Worst Traffic Congestion: Report». The Huffington Post B.C. 11 de outubro de 2012. Consultado em 17 de fevereiro de 2013. 
  70. «Vancouver has worst traffic congestion in North America: report». Global BC. 6 de novembro de 2013. Consultado em 1 de dezembro de 2013. 
  71. «2009 10-Year Transportation & Financial Plan». TransLink. Julho de 2008. Consultado em 9 de junho de 2011.. Arquivado do original (PDF) em 25 de novembro de 2011 
  72. «Cycling statistics». City of Vancouver. 2009. Consultado em 1 de dezembro de 2009. 
  73. «Vancouver unveils bike-share program Mobi». 21 de maio de 2016 
  74. «Facts & Stats». Vancouver International Airport. Consultado em 9 de junho de 2011.. Arquivado do original em 14 de junho de 2012 
  75. British Columbia: Business and Investment Environment. Government of Canada. Acessado em 2 de agosto de 2009. Arquivado em 4 de fevereiro de 2013 no Wayback Machine.
  76. «BC Ferries». British Columbia Ferry Services Inc. 2009. Consultado em 30 de novembro de 2009. 
  77. Hall, Neal & Lee, Jeff (9 de março de 2012)."Vancouver Playhouse Theatre Company to close" The Vancouver Sun (Vancouver)
  78. «Vancouver, British Columbia». What's Filming? 
  79. «Vancouver Public Library Frequently Asked Questions». Vancouver Public Library. Consultado em 7 de julho de 2010. 
  80. «Welcome from Kathleen Bartels, Director of the Vancouver Art Gallery». Vancouver Art Gallery. Consultado em 1 de novembro de 2007. 
  81. a b Kenneth Baker (9 de janeiro de 2009). «Photography with an eye for social relevance». San Francisco Chronicle. Consultado em 2 de dezembro de 2009. 
  82. a b Sarah Milroy "Is Arden our next greatest photographer?" Globe and Mail (27 de outubro de 2007): R1.
  83. a b Marsha Lederman "Behind the Lens: The Vancouver School Debate" Globe and Mail (20 de outubro de 2007): R13.
  84. Intertidal: Vancouver Art & Artists / E-Flux Arquivado em 11 de fevereiro de 2010 no Wayback Machine.. E-flux.com. Acessado em 9 de junho de 2011.
  85. «About the Park Board». Vancouver Board of Parks and Recreation. Consultado em 5 de dezembro de 2009. 
  86. «Recreation: Beaches». Vancouver Park Board. 2009. Consultado em 5 de dezembro de 2009. 
  87. «Capilano River». Metro Vancouver. 2009. Consultado em 5 de dezembro de 2009.. Arquivado do original em 3 de fevereiro de 2010 
  88. Brian Grover (2009). «Baden-Powell Centennial Trail». BC Car-Free. Consultado em 5 de dezembro de 2009. 
  89. «Canada's World Cup team opens camp in Vancouver». Canadian Soccer Association. 17 de janeiro de 2007. Consultado em 5 de dezembro de 2009.. Arquivado do original em 5 de junho de 2011 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons
Wikivoyage Guia turístico no Wikivoyage