Coreanos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Coreanos
Unification flag of Korea.svg
Bandeira da unificação coreana
Eulji Mun-deok.jpg
Kim Yu Sin.jpg
원효대사 영정.JPG
Choe Chi-won.jpg
Statue of Gang Gam-chan.jpg
Jinul.jpg
Korea-Danyang-Dodamsambong Sam Bong statue 3076-07.JPG
Statue Sejong le Grand.jpg
Statue of Yi Hwang.jpg
Sitting Yi I.jpg
Yi Sun-sin 1.jpg
Jeong Yak-yong.jpg
Kim Gu in 1949.jpg
An Jung-geun.JPG
Chung Ju-yung (Cropped).jpg
Kim Dae-jung (Cropped).png
Ban Ki-moon 1-2.jpg
Cha Bum Kun.jpg
Park Ji-Sung vs Fulham 2010.jpg
YuNaKimInVancouver.jpg
População total

80 000 000 (est.)[1]

Regiões com população significativa
 Coreia do Sul 50 062 000 (2009 est.) [2]
 Coreia do Norte 24 051 218 (2009 est.) [3]
 China 2 336 771 [4]
 Estados Unidos 2 102 283 [4] [5]
 Japão 904 512 [4]
 Austrália 203 633 [4]
 Uzbequistão 175 939 [4]
 Filipinas 115 400 [4]
 Cazaquistão 103 952 [4]
 Vietnã 88 120 [4]
 Brasil 48 419 [4]
 Reino Unido 45 295 [4]
 Tailândia 40 370 [4]
 Ucrânia 35 000 [6]
 Indonésia 31 760 [4]
 Alemanha 31 248 [4]
 Nova Zelândia 30 792 [4]
 Argentina 22 024 [4]
 Quirguistão 19 420 [4]
 França 14 738 [4]
 Malásia 14 580 [4]
 Singapura 13 509 [4]
 Hong Kong 13 288 [7]
 México 12 072 [4]
 Guatemala 9 921 [4]
 Índia 8 337 [4]
 Suécia 7 000 [4]
 Paraguai 5 229 [4]
 Camboja 4 772 [4]
 Itália 4 203 [4]
 África do Sul 3 949
Línguas
coreana
Religiões
Maioria: sem religião e ateus. Grandes segmentos de seguidores do cristianismo, budismo, xamanismo e cheondoismo.[8] [9]

Os coreanos são um grupo étnico originário da Península Coreana e Manchúria.[10]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Os sul-coreanos chamam a si próprios de Hanguk-in (Coreano: 한국인; Hanja: 韓國人) ou simplesmente Han-in (Coreano:한인; Hanja: 韓人; em tradução literal "pessoas grandes") ou como Hanguk-saram (Coreano: 한국 사람).

Os norte-coreanos de denominam Chosŏn-in (Coreano: 조선인) ou Chosŏn-saram (Coreano: 조선 사람).

Origens[editar | editar código-fonte]

Estudos linguísticos e arqueológicos[editar | editar código-fonte]

Os coreanos são descendentes dos povos da Ásia continental e frequentemente ligados as tribos das línguas altaicas-[11] [12] or proto-Altaic[13] . Evidências arqueológicas sugerem que os proto-coreanos eram migrantes da região sul-central da Sibéria[14] que populou a Coreia antiga em sucessivos deslocamentos do período Neolítico à Idade do Bronze.[15] O mesmo modelo de sepultura é um indicativo de quem tenha vivido ali. A maior concentração de dolmen no mundo está na Península da Coreia. Estima-se que existam cerca de 35.000 dolmens, aproximadamente 40% do total encontrado no mundo. Dolmens semelhantes podem ser encontrados fora da Coreia, na Manchuria, Shandong e Kyushu, ainda permanece incerto o porque essa cultura floresceu de forma tão intensa apenas na Península da Coreia, em comparação ao nordeste asiático.[16]

Estudos genéticos[editar | editar código-fonte]

Estudos do polimorfismos no cromossomo Y humano produziram evidências de que o povo coreano possui uma longa história como um grupo étnico endogâmico com sucessivos deslocamentos de pessoas para a península e três Haplogrupos maiores do cromossoma Y.[17]

Diferenças regionais[editar | editar código-fonte]

Existem diferenças regionais, culturais e políticas entre os coreanos, assim como ocorrem entre outras etnias.

Na Coreia do Sul, a mais importante diferença regional é entre a região Yeongnam, que engloba as províncias de Gyeongsangbuk-do e Gyeongsangnam-do à sudeste e a região Honam, abrangendo as províncias Jeollabuk-do e Jeollanam-do à sudoeste. Essa rivalidade regional remonta aos Período dos Três Reinos que durou do século 4 ao século 7, onde os reinos de Goguryeo, Baekje e Silla lutaram pelo controle da península.

Observadores notaram que são raros os casamentos inter-regionais desde que as duas áreas foram separadas. A partir de 1990, uma nova estrada de quatro pistas foi concluída em 1984 entre Gwangju e Daegu, as capitais de Jeollanam-do e Gyeongsangbuk-fazer, teve um pequeno sucesso na integração entre as duas áreas.

A elite política da Coreia do Sul, incluindo os presidentes Park Chung-hee, Chun Doo-hwan e Roh Tae-woo são, na sua maioria, da região de Yeongnam. Como resultado, a região possui uma atenção especial de recursos do governo para o desenvolvimento, em contraste com a região de Honam, que permaneceu predominantemente rural e com menor desenvolvimento.

Cultura[editar | editar código-fonte]

As Coreias do Norte e do Sul possuem uma herença em comum, porém devido à divisão da Coreia desde 1945, resultaram em algumas divergências na cultura moderna.

A sociedade coreana é muito homogênea, já que 98% dos seus habitantes são etnicamente coreanos.[18] Ainda que continue sendo mínima, a população de habitantes não-coreanos tem aumentado.[19]

Língua[editar | editar código-fonte]

Ver artigos principais: Língua coreana e Hangul

A língua das pessoas coreanas é a Língua coreana, que utiliza o Hangul como sistema de escrita principal. Existem cerca de 78 milhões de pessoas que falam o coreano ao redor do mundo.[20]

Religião[editar | editar código-fonte]

Em 2005, quase metade da população sul-coreana expressou que não tinha preferência religiosa.[21] Dos restantes, a maioria são cristãos e budistas; a população em 2010 era dividida em: 43,1% cristã (18,3% protestantes, 10,9% católicos e 13,9% de outras denominações cristãs) e 22,8% eram budistas.[22] [23] Outras religiões praticadas no país incluem o islã e vários outros novos movimentos religiosos, como o jeungismo, o daesunismo, o cheondoísmo e o budismo won.

O budismo foi introduzido na Coreia no ano 372 d.C. por missionários chineses.[24] Segundo o censo nacional de 2005, no país existiam mais de dez milhões de budistas.[23]

O islã conta com pouco mais de trinta mil seguidores nativos, além de mais de cem mil estrangeiros provenientes de países muçulmanos,[25] especialmente do Paquistão e do Bangladesh.[26]

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Coreanos

Referências

  1. Península da Coreia (50 milhões + 24 milhões) + Diáspora coreana (6,8 milhões)
  2. «Population of South Korea 2010». English.chosun.com. 1 February 2010. Consultado em 4 May 2012. 
  3. http://unstats.un.org/unsd/demographic/sources/census/2010_PHC/North_Korea/2008_North_Korea_Census.pdf
  4. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z 재외동포현황/Current Status of Overseas Compatriots (South Korea: Ministry of Foreign Affairs and Trade). 2009. Consultado em 21 May 2009. 
  5. Note that the 2006 American Community Survey gave a much smaller figure of 1,520,703. See S0201. Selected Population Profile in the United States United States Census Bureau [S.l.] Consultado em 22 September 2007. 
  6. http://www.ihrpex.org/en/article/2666/korean_diaspora_in_ukraine_increased_almost_three_times_during_10_years
  7. http://www.mofat.go.kr/webmodule/htsboard/template/read/korboardread.jsp?typeID=6&boardid=232&seqno=334627&c=&t=&pagenum=1&tableName=TYPE_DATABOARD&pc=&dc=&wc=&lu=&vu=&iu=&du=
  8. «International Religious Freedom Report 2008 – Korea, Republic of». U.S. Department of State. Bureau of Democracy, Human Rights, and Labor. 22 January 2009. Consultado em 31 January 2009. 
  9. «state.gov». state.gov. 12 April 2012. Consultado em 4 May 2012. 
  10. http://books.google.com/books?id=s2EVi-MpnUsC&pg=PA6&dq=korean+origin+manchuria&hl=en&sa=X&ei=yuZdUan1PMLE4APmkoDQDw&ved=0CGAQ6AEwCQ#v=onepage&q=korean%20origin%20manchuria&f=false
  11. Nelson, Sarah M. The Archaeology of Korea [S.l.: s.n.] 
  12. «Korean people(???)». Naver Encyclopedia (em Korean). Consultado em 9 March 2007. 
  13. «Korean people(???)». Encyclopædia Britannica Korea (em Korean). Consultado em 9 March 2007. 
  14. The Rise of Civilization in East Asia: the Archaeology of China, Korea and Japan, pp. 165
  15. ?? ?? ???, ?? ?? ???: ???, ??, pp. 44–45
  16. «Dolmen». 
  17. «International Journal of Legal Medicine, Volume 124, Number 6». SpringerLink. Consultado em 4 May 2012. 
  18. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas Coreia_do_Sul_CIA
  19. Choe Sang-hun (2009). «South Koreans Struggle With Race». New York times.com. Arquivado desde o original em 4 de fevereiro de 2012. Consultado em 9 de abril de 2010. 
  20. «Korean». ethnologue. Consultado em 2013 Jan 1. 
  21. Serviço de Informação Estatística Coreana. «인구,가구/시도별 종교인구/시도별 종교인구 (2005년 인구총조사)» (em coreano). Kosis.nso.go.kr. Consultado em abril de 2010. 
  22. «The Association of Religion Data Archives». www.thearda.com. Arquivado desde o original em 4 de fevereiro de 2012. Consultado em 14 de abril de 2011.  Texto " National Profiles " ignorado (Ajuda)
  23. a b Departamento de Estado de EU (2009). «International Religious Freedom Report 2008 – Korea, Republic of» (em inglês). State.gov. Arquivado desde o original em 4 de fevereiro de 2012. Consultado em 8 de abril de 2010. 
  24. Quang Duc (2001). «Buddhism in Korea» (em inglês). Buddhism Today.com. Consultado em 8 de abril de 2010.  Texto "arquivourl-" ignorado (Ajuda)
  25. «Islam Takes Root and Blooms» (em inglês). Islam Wareness.net. 2002. Arquivado desde o original em 4 de fevereiro de 2012. Consultado em 8 de abril de 2010. 
  26. «Korea’s Muslims Mark Ramadan» (em inglês). The Chosun Ilbo.com. 2008. Consultado em 8 de abril de 2010. 

Notas[editar | editar código-fonte]