Novo movimento religioso

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Um novo movimento religioso (NRM) é uma comunidade religiosa ou grupo espiritual com origens modernas, que tem um lugar periférico dentro da principal cultura religiosa de uma nação. Os NRM podem ser uma novidade na origem ou em parte de uma religião mais ampla, no caso de serem diferentes das denominações pré-existentes. Os académicos sobre estudos religiosos contextualizam o surgimento de NRM na modernidade, vendo-o como um produto de respostas aos processos modernos de secularização, globalização, destradicionalização, fragmentação, reflexividade e individualização.[1] Alguns destes novos movimentos religiosos lidam com os desafios colocados pelo mundo moderno ao abranger o individualismo onde outros buscam meios de coesão colectiva.[1]

Definição[editar | editar código-fonte]

Embora não exista um critério ou conjunto de critérios para descrever um grupo como novo movimento religioso, o uso do termo exige normalmente que o grupo tenha uma origem receito e seja simultaneamente diferente das religiões existentes.[2] Alguns académicos têm igualmente uma abordagem mais restrita para o que conta como diferente das religiões existentes. Para eles, a diferença aplica-se à fé que, apesar de poder ser vista como parte de uma religião existente, encontra rejeição dessa mesma religião por não partilhar o mesmo credo básico, ou se auto-declara como separada da religião existente ou até como a única fé correcta. Outros académicos expandem o seu critério para a diferença, considerando que os movimentos religiosos quando tirados do seu contexto cultural tradicional, surgem em novos locais, talvez de formas modificadas.

Os NRM não partilham necessariamente um conjunto de características particulares, mas têm sido "atribuídos à franja da cultura religiosa dominante", e "existe num espaço relativamente concorrido dentro da sociedade como um todo".[3] Os NRM variam em termos de liderança; autoridade; conceitos de indivíduo, família e género; ensinamentos, estruturas organizacionais; e de outras formas. Estas variações colocaram um desafio aos investigadores sociais nas suas tentativas de formular critérios abrangentes e claros para classificar os NRM.[4]

Geralmente, as denominações cristãs não são vistas como novos movimentos religiosos. Contudo, a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, as Testemunhas de Jeová, a Ciência Cristã e os Shakers foram estudados como novos movimentos religiosos.[5] [6]

Novos estudos religiosos[editar | editar código-fonte]

Os novos estudos religiosos são um estudo interdisciplinar de novos movimentos religiosos que surgiram como disciplina nos anos 1970.[7] O termo foi elaborado por J. Gordon Melton num paper de 1999 apresentado na conferência CESNUR em Bryn Athyn, Pensilvânia.[7] David G. Bromley usou as suas perspectivas em Nova Religio[8] e mais tarde como editor de Teaching New Religious Movements na série Teaching Religious Studies Series da American Academy of Religion; o termo foi usado por James R. Lewis e Jean-François Mayer. O estudo deriva das disciplinas antropologia, psiquiatria, história, psicologia, sociologia, estudos religiosos e teologia.[9]

História[editar | editar código-fonte]

Os académicos costumam considerar meados do século XIX como o início da era dos novos movimentos religiosos. Nessa altura o espiritualismo e o esoterismo estavam a tornar-se populares na Europa e América do Norte. O movimento Santo dos Últimos Dias, incluindo A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, fundada por Joseph Smith em 1830, é actualmente um dos NRM mais bem-sucedidos em termos de membros. Em 1844 a Fé bahá'í foi fundada pelo Bahá'u'lláh no Irão. Em 1889 a Igreja da Unidade, primeira do Movimento Novo Pensamento, foi fundada nos Estados Unidos.[10] [11]

Em 1893, o primeiro Parlamento Mundial de Religiões decorreu em Chicago.[12] A conferência incluiu os NRM da época, como o espiritualismo (representada pela fundadora Mary Baker Eddy) e Ciência Cristã. Henry Harris Jessup esteve no encontro e foi a primeira menção à Fé bahá'í nos EUA.[13] Também estiveram presentes Soyen Shaku, o "Primeiro Antepassado Americano" do Zen;[14] o pregador Budista Anagarika Dharmapala e o pregador jaina Virchand Gandhi.[15] Esta conferência deu aos professores religiosos da Ásia a sua primeira vasta audiência americana.[10]

Em 1911, a Igreja Baptista de Nazaré, primeiro e único movimento moderno de Igrejas iniciadas africanas, foi fundada por Isaiah Shembe na África do Sul.[10] [16] A década de 1930 assistiu ao surgimento da Nation of Islam e das Testemunhas de Jeová nos Estados Unidos; do Movimento rastafári na Jamaica; Cao Đài e Hòa Hảo no Vietname; Soka Gakkai no Japan; e da Yiguandao na China.

Ao mesmo tempo, os críticos cristãos dos novos movimentos religiosos começaram a referir-se a estes como cultos: o livro de 1938 The Chaos of Cults, de Jan Karel van Baalen (1890–1968), um ministro ordenado na Igreja Cristã Reformada na América do Norte, foi especialmente influente.[10] [17]

Os novos movimentos religiosos expandiram-se em diversos países nos anos 1950 e 1960. As novas religiões japonesas tornaram-se populares depois da Ocupação do Japão forçar uma separação do governo do país e do Xintoísmo, que era a religião estatal, trazendo uma maior liberdade religiosa. Em 1954 a Cientologia foi fundada nos Estados Unidos, tal como a Igreja da Unificação na Coreia do Sul.[10] Em 1955 a Sociedade Etérea foi fundada na Inglaterra. Este e outros NRM foram chamados de Religião OVNI por combinarem a crença em Vida extraterrestre como princípios religiosos tradicionais.[18] [19] [20]

Em 1966 o Movimento Hare Krishna surgiu nos EUA, fundado por Bhaktivedanta Swami Prabhupada.[21] No ano seguinte, a visita dos Beatles a Maharishi Mahesh Yogi na Índia chamou a atenção do público para o Movimento da Meditação Transcendental.[22] [23]

Mais tarde, nas décadas de 1970 e 1980, alguns NRM surgiram como oposição pelo recém-organizado Movimento Anti-Culto e por alguns governos, recebendo também uma vasta cobertura das notícias de imprensa. A cobertura dos mídia das mortes de mais de 900 pessoas do Peoples Temple, por suicídio e assassinato, em 1978, é por vezes referido como um contributo especial à oposição pública aos cultos.[10]

No final dos anos 1980 e nos anos 1990, o declínio do comunismo e as revoluções de 1989 deram novas oportunidades aos NRM. Falun Gong foi ensinado pela primeira vez em público no Nordeste da China em 1992, por Li Hongzhi. No início, foi aceite pelo governo chinês, e em 1999 já contava com 70 milhões de fiéis praticantes na China.[24] Desde esse ano, a perseguição ao Falun Gong na China tem sido severa.[25] [26] Ethan Gutmann entrevistou mais de uma centena de testemunhas e estimou que 65 mil praticantes de Falun Gong foram mortos pelos seus órgãos entre 2000 e 2008.[27] [28] [29] [30]

No século XXI, vários NRM estão a fazer uso da Internet para distribuir informação, recrutar membros e, por vezes, para realizar encontros e rituais online.[10] A isto chama-se, por vezes, de ciberreligiosidade.[31] [32] Em 2006 J. Gordon Melton, director-executivo do Instituto para os Estudos das Religiões Americanas na Universidade da Califórnia afirmou ao jornal The New York Times que surgem a cada ano, nos EUA, entre 40 a 45 novos movimentos religiosos.[33] Em 2007, o académico religioso Elijah Siegler comentou que apesar de nenhum NRM se ter tornado a fé dominante em nenhum país, vários conceitos que eles começaram por introduzir (por vezes referidos como ideias da New age) tornaram-se parte da cultura mainstream de todo o mundo.[10]

 Adesão[editar | editar código-fonte]

Envagelização porta-a-porta de Testemunhas de Jeová.
Envagelização porta-a-porta de Testemunhas de Jeová.

De acordo com Marc Galanter, Professor de Psiquiatria na Universidade de Nova Iorque,[34] as razões comuns que levam as pessoas a juntar-se aos NRM incluem a procura por uma comunidade e uma busca espiritual. Os sociólogos Stark e Bainbridge, discutindo o processo pelo qual as pessoas se juntam a novos grupos religiosos, questionaram a utilidade do conceito conversão, sugerindo que afiliação é um conceito mais útil.[35]

Nos anos 1960, o sociologista John Lofland viveu com o missionário da Igreja da Unificação Young Oon Kim e um pequeno grupo de membros da igreja americana na Califórnia, e estudou as suas actividades tentando promover as suas crenças e ganhar novos membros. Lofland reparou que a maioria dos seus esforços foram ineficazes e que a maioria das pessoas que se juntaram fizeram-no devido a relações pessoais com outros membros, por vezes relações familiares.[36] Lofland publicou as suas conclusões em 1964 numa tese de doutoramento com o título The World Savers: A Field Study of Cult Processes, e em 1966 no livro Doomsday Cult: A Study of Conversion, Proselytization, and Maintenance of Faith. É considerado um dos mais importantes e mais citados estudos do processo de conversão religiosa, bem como um dos primeiros estudos sociológicos de um novo movimento religioso.[37] [38]

Dick Anthony, um psicólogo forense, conceituado pelos seus escritos sobre a controvérsia da lavagem cerebral,[39] [40] defendeu os NRM, e em 1988 alegou que o envolvimento em tais movimentos pode mesmo ser benéfico: "Há uma vasta pesquisa de literatura publicada nos jornais principais sobre os efeitos na saúde mental das novas religiões. Para a maioria, os efeitos parecem ser positivos de alguma forma mensurável."[41]

 Oposição[editar | editar código-fonte]

Os novos movimentos religiosos sempre tiveram oposição ao longo da história.[42] Alguns têm sido Anti-Mormonismo,[43] perseguição às Testemunhas de Jeová,[44] the perseguição aos Bahá'ís,[45] e a perseguição ao Falun Gong.[46] [47] [48] [49] [50] [51] Actualmente, o movimento Cristão contra-culto, que começou nos anos 1800, opõe-se à maioria dos NRM devido a diferenças teológicas. O movimento anti-culto secular, que se iniciou na década 1970, opõe-se a alguns NRM, bem como a outros grupos não religiosos, principalmente com acusações de abuso psicológico aos seus próprios membros.[52] Dos milhares de grupos designados como cultos ou que o possam ser estão listados nos arquivos da INFORM (sigla de Information Network Focus on Religious Movements), e de acordo com Eileen Barker a grande maioria não está ligada a actividades criminosas.[53]

NRM e os mídia

Um artigo sobre a categorização dos novos movimentos religiosos na imprensa escrita dos Estados Unidos publicado pela The Association for the Sociology of Religion (outrora designada American Catholic Sociological Society), critica a imprensa escrita por não reconhecer os esforços sócio-científicos na área dos novos movimentos religiosos, e a sua tendência de usar as definições populares anti-culto em vez de uma visão sócio-científica.[54] Em 1988, a INFORM (sigla de Information Network Focus on Religious Movements) foi criada por Eileen Barker, e procurou dar acesso à informação de forma a desenvolver opiniões informadas, raciocinadas e equilibradas sobre os NRM. Como Baker descreve numa entrevista de 2012 ao podcast Religious Studies Project Podcast, a INFORM e a própria Barker continuam a contribuir frequentemente para os diálogos da imprensa, entre outras conversas públicas, sobre os novos movimentos religiosos, particularmente na Inglaterra.[55]

Os NRM e a globalização[editar | editar código-fonte]

Alguns académicos relacionaram o advento dos NRM asiáticos no Ocidente ao Immigration and Nationality Act de 1965 dos Estados Unidos, e a outras leis na Europa Ocidental que terminaram com as restritivas quotas de imigração. Muitos NRM defendem o universalismo, cosmopolitismo, sincretismo cultural e cidadania global.[52] Um artigo publicado em 1998 no The Journal for the Scientific Study of Religion associa os novos movimentos religiosos ao fenómeno da globalização. O académico Lorne L. Dawson escreve que "o conceito de globalização reconfigura apenas o nosso entendimento presente da possível relevância dos novos movimentos religiosos como concebidos sob as condições da 'modernidade', embora de formas que têm algumas vantagens analíticas e explicativas não totalmente apreciadas pelos académicos dos novos movimentos religiosos".[56]

Referências

  1. a b Clarke, Peter Bernard. New Religions in Global Perspective. [S.l.: s.n.], 2006. ISBN 978-0415257480
  2. Massimo Introvigne. "The Future of Religion and the Future of New Religions" (em inglês). Center for Studies on New Religions. Arquivado desde o original em 30 de Maio de 2012. Consult. 28 de Setembro de 2015. 
  3. Lewis, James R.. The Oxford Handbook of New Religious Movements. [S.l.: s.n.], 2007. 576 p. p. 17. ISBN 978-0195369649 doi:10.1525
  4. Oliver, Paul. New Religious Movements: A Guide for the Perplexed. [S.l.: s.n.], 2011. 193 p. p. 8. ISBN 1441101977
  5. George, Maya. Faith and Philosophy of Christianity. [S.l.: s.n.], 2009. 354 p. p. 322. ISBN 978-8178357201 Página visitada em 28 de Setembro de 2015.
  6. Olsen, Paul J.. . "The Public Perception of “Cults” and “New Religious Movements”". Journal for the Scientific Study of Religion 45.
  7. a b J. Gordon Melton. "The Rise of the Study of New Religions" (em inglês). CESNUR. Arquivado desde o original em 20 de Dezembro de 2012. Consult. 28 de Setembro de 2015. 
  8. Bromley, David G.. (Novembro 2004). "Perspective: Whither New Religions Studies?" (em inglês). Nova Religio: The Journal of Alternative and Emergent Religions 8 (2): 83-97. University of California Press. DOI:10.1525/nr.2004.8.2.83. Visitado em 28 de Setembro de 2015.
  9. Bromley, David G.. Disciplinary Perspectives on New Religious Movements: Views of from the Humanities and Social Sciences (em inglês). [S.l.: s.n.], 2007. p. 41-63. ISBN 9780195177299 Página visitada em 28 de Setembro de 2015.
  10. a b c d e f g h Siegler, Elijah. New Religious Movements (em inglês). [S.l.]: Prentice Hall, 2007. ISBN 978-0131834781
  11. "Unity - New religious movement" (em inglês). Encyclopædia Britannica. Consult. 29 de Setembro de 2015. 
  12. McRae, John R.. (1991). "Oriental Verities on the American Frontier: The 1893 World's Parliament of Religions and the Thought of Masao Abe" (em inglês). Buddhist-Christian Studies 11: 7-36. University of Hawai'i Press. DOI:10.2307/1390252.
  13. "First Public Mentions of the Bahá'í Faith in the West" (em inglês). Bahá'í Library Online. 1998. Arquivado desde o original em 16 de Julho de 2012. Consult. 29 de Setembro de 2015. 
  14. Ishmael, James. Zen Master Who? (em inglês). [S.l.]: Wisdom Publications, 2006. 280 p. ISBN 978-0861715091
  15. Jain Pankaz; Pankaz Hingarh, Dr. Bipin Doshi e Smt. Priti Shah (9 de Agosto de 2011). "Virchand Gandhi, A Gandhi Before Gandhi" (em inglês). herenow4u. Arquivado desde o original em 29 de Setembro de 2015. Consult. 29 de Setembro de 2015. 
  16. Jonah Fisher (16 de Janeiro de 2010). "Unholy row over World Cup trumpet" (em inglês). BBC. Arquivado desde o original em 11 de Julho de 2012. Consult. 29 de Setembro de 2015. 
  17. van Baalen, J.K.. The Chaos of Cults. 4 ed. [S.l.]: William Eerdmans Publishing, 1962. 414 p. ISBN 978-0802832788
  18. In: Christopher Hugh Partridge. UFO Religions (em inglês). [S.l.]: Routledge, 2003.
  19. Lewis, James R.. The Gods have landed: new religions from other worlds (em inglês). [S.l.]: State University of New York Press, 1995. 360 p. p. 28. ISBN 978-0791423301
  20. Saliba, John A.. (Novembro 2006). "The Study of UFO Religions" (em inglês). Nova Religio: The Journal of Alternative and Emergent Religions 10 (2): 103-123. University of California Press. DOI:10.1525/nr.2006.10.2.103.
  21. Gibson 2002, pp. 4, 6
  22. van den Berg, Stephanie (5 February 2008). "Beatles Guru Maharishi Mahesh Yogi Dies". The Sydney Morning Herald [S.l.: s.n.] AFP. Arquivado desde o original em 30 August 2010. 
  23. Corder, Mike (10 February 2008). "Maharishi Mahesh Yogi; The Beatles' mentor had global empire". San Diego Union-Tribune [S.l.: s.n.] Associated Press. Arquivado desde o original em 29 August 2010. 
  24. Seth Faison (27 April 1999) In Beijing: A Roar of Silent Protestors, The New York Times
  25. David Kilgour, David Matas (6 July 2006, revised 31 January 2007) An Independent Investigation into Allegations of Organ Harvesting of Falun Gong Practitioners in China (in 22 languages) organharvestinvestigation.net
  26. "China: The crackdown on Falun Gong and other so-called "heretical organizations"". Amnesty International. 23 March 2000. Consult. 17 March 2010. [ligação inativa]
  27. Jay Nordlinger (25 August 2014) "Face The Slaughter: The Slaughter: Mass Killings, Organ Harvesting, and China’s Secret Solution to Its Dissident Problem, by Ethan Gutmann", National Review
  28. Viv Young (11 August 2014) "The Slaughter: Mass Killings, Organ Harvesting, and China’s Secret Solution to Its Dissident Problem", New York Journal of Books
  29. Ethan Gutmann (August 2014) The Slaughter: Mass Killings, Organ Harvesting and China’s Secret Solution to Its Dissident Problem "Average number of Falun Gong in Laogai System at any given time" Low estimate 450,000, High estimate 1,000,000 p 320. "Best estimate of Falun Gong harvested 2000 to 2008" 65,000 p 322. amazon.com
  30. Barbara Turnbull (21 October 2014) "Q&A: Author and analyst Ethan Gutmann discusses China’s illegal organ trade",The Toronto Star
  31. Paul Virilio,The Information Bomb (Verso, 2005), p. 41.
  32. Rita M. Hauck, "Stratospheric Transparency: Perspectives on Internet Privacy, Forum on Public Policy (Summer 2009) [1]
  33. Seeking Entry-Level Prophet: Burning Bush and Tablets Not Required, New York Times, August 28, 2006
  34. Galanter, Marc (Editor), (1989), Cults and new religious movements: a report of the committee on psychiatry and religion of the American Psychiatric Association, ISBN 0-89042-212-5
  35. Bader, Chris & A. Demaris, A test of the Stark-Bainbridge theory of affiliation with religious cults and sects. Journal for the Scientific Study of Religion, 35, 285-303. (1996)
  36. Conversion, Unification Church, Encyclopedia of Religion and Society, Hartford Institute for Religion Research, Hartford Seminary
  37. Introduction to New and Alternative Religions in America: African diaspora traditions and other American innovations, Volume 5 of Introduction to New and Alternative Religions in America, W. Michael Ashcraft, Greenwood Publishing Group, 2006 ISBN 0-275-98717-5, ISBN 978-0-275-98717-6, page 180
  38. Exploring New Religions, Issues in contemporary religion, George D. Chryssides, Continuum International Publishing Group, 2001 ISBN 0-8264-5959-5, ISBN 978-0-8264-5959-6 page 1
  39. Dawson, Lorne L.. Cults in context: readings in the study of new religious movements, Transaction Publishers 1998, p. 340, ISBN 978-0-7658-0478-5
  40. Robbins, Thomas. In Gods we trust: new patterns of religious pluralism in America, Transaction Publishers 1996, p. 537, ISBN 978-0-88738-800-2
  41. Sipchen, Bob (1988-11-17). "Ten Years After Jonestown, the Battle Intensifies Over the Influence of 'Alternative' Religions", Los Angeles Times
  42. Eugene V. Gallagher, 2004, The New Religious Movement Experience in America, Greenwood Press, ISBN 0313328072
  43. Gallagher, Eugene V., The New Religious Movements Experience in America, The American Religious Experience), 2004, ISBN 978-0313328077, page 18.
  44. Gallagher, Eugene V., The New Religious Movements Experience in America, The American Religious Experience), 2004, ISBN 978-0313328077, page 17.
  45. Affolter, Friedrich W. (2005). "The Specter of Ideological Genocide: The Bahá'ís of Iran" (PDF). War Crimes, Genocide and Crimes Against Humanity [S.l.: s.n.] 1 (1): 75–114. 
  46. David Kilgour, David Matas (6 July 2006, revised 31 January 2007) An Independent Investigation into Allegations of Organ Harvesting of Falun Gong Practitioners in China (in 22 languages) organharvestinvestigation.net
  47. "China: The crackdown on Falun Gong and other so-called "heretical organizations"". Amnesty International. 23 March 2000. Consult. 17 March 2010. [ligação inativa]
  48. Jay Nordlinger (25 August 2014) "Face The Slaughter: The Slaughter: Mass Killings, Organ Harvesting, and China’s Secret Solution to Its Dissident Problem, by Ethan Gutmann", National Review
  49. Viv Young (11 August 2014) "The Slaughter: Mass Killings, Organ Harvesting, and China’s Secret Solution to Its Dissident Problem", New York Journal of Books
  50. Ethan Gutmann (August 2014) The Slaughter: Mass Killings, Organ Harvesting and China’s Secret Solution to Its Dissident Problem "Average number of Falun Gong in Laogai System at any given time" Low estimate 450,000, High estimate 1,000,000 p 320. "Best estimate of Falun Gong harvested 2000 to 2008" 65,000 p 322. amazon.com
  51. Barbara Turnbull (21 October 2014) "Q&A: Author and analyst Ethan Gutmann discusses China’s illegal organ trade",The Toronto Star
  52. a b Elijah Siegler, 2007, New Religious Movements, Prentice Hall, ISBN 0131834789
  53. Barker, Eileen. 2009. "What Makes a Cult?" The Guardian. http://www.theguardian.com/commentisfree/belief/2009/may/29/cults-new-religious-movements
  54. van Driel, Barend and James T. Richardson. Research Note Categorization of New Religious Movements in American Print Media. Sociological Analysis 1988, 49, 2:171-183
  55. Eileen Barker (Interviewee) and Christopher Cotter (Interviewer). 2012. "Eileen Barker on Studying 'Cults.'" Religious Studies Project Podcast. http://www.religiousstudiesproject.com/podcast/podcast-eileen-barker-on-studying-cults/
  56. Dawson, Lorne L. (December 1998). "The Cultural Significance of New Religious Movements and Globalization: A Theoretical Prolegomenon". Society for the Scientific Study of Religion [S.l.: s.n.] 37 (4): 580–595. JSTOR 1388142.