New age

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: "Nova Era" redireciona para este artigo. Se procura o estilo musical, veja New age (música). Se procura o município brasileiro, veja Nova Era (Minas Gerais). Para outros significados, veja Nova Era (desambiguação).

New Age ("Nova Era", em inglês) às vezes descrito como movimento New Age ou movimento Nova Era, é um movimento que se espalhou pelas comunidades religiosas ocultistas e metafísicas nas décadas de 1970 e 1980. Essas comunidades aguardavam ansiosamente uma “nova era” de amor e luz que oferecia uma antecipação da era vindoura através de transformação e cura interior. Os defensores mais ferrenhos do movimento foram seguidores do esoterismo moderno, através de uma perspectiva religiosa baseada na aquisição de conhecimento místico (gnose) e popular no ocidente desde o século II. Esse novo gnosticismo, firmado nos ideais do gnosticismo antigo, foi sucedido por vários movimentos esotéricos ao longo dos séculos, incluindo o rosacrucianismo no século XVII e a maçonaria, a teosofia e a magia cerimonial nos séculos XIX e XX.[1] O termo "new age" foi usado pela primeira vez por William Blake no prefácio de seu poema Milton, em 1804.[2]

Definição[editar | editar código-fonte]

"Uma das poucas coisas com as quais todos os estudiosos concordam sobre a Nova Era é que é difícil defini-la. Freqüentemente, a definição dada, na verdade, reflete os antecedentes do estudioso que fornece a definição. Assim, o crente da Nova Era a entende como um período revolucionário da história ditado pelas estrelas; o apologista cristão muitas vezes define a Nova Era como um culto; o historiador das ideias entende isso como uma manifestação da tradição perene; o filósofo vê a Nova Era como uma visão de mundo monística ou holística; o sociólogo descreve a Nova Era como um novo movimento religioso; enquanto o psicólogo a descreve como uma forma de narcisismo."

— Daren Kemp, estudioso de religião , 2004[3]

O fenômeno Nova Era tem se mostrado difícil de conceituar,[4] e padece de muitas discordâncias acadêmicas quanto ao escopo do movimento.[5] Os estudiosos Steven J. Sutcliffe e Ingvild Sælid Gilhus chegaram a sugerir que permanece "entre as categorias mais disputadas dos estudos da religião".[6]

O estudioso da religião Paul Heelas caracterizou o movimento Nova Era como "uma mistura eclética de crenças, práticas e modos de vida" que podem ser identificados como um fenômeno singular através do uso de "a mesma (ou muito semelhante) lingua franca a ver com a condição humana (e planetária) e como ela pode ser transformada ".[7] Da mesma forma, o historiador da religião Olav Hammer chamou de "um denominador comum para uma variedade de práticas e crenças populares contemporâneas bastante divergentes" que surgiram desde o final da década de 1970 e são "amplamente unidas por laços históricos, um discurso compartilhado e um air de famille ".[8] Segundo Hammer, o fenômeno do movimento Nova Era era um "meio fluídico e confuso de um miileu sectário".[9]O sociólogo da religião, Michael York, descreveu o movimento Nova Era como "um termo abrangente que inclui uma grande variedade de grupos e identidades" que são unidos por sua "expectativa de que uma mudança principal e universal se baseie principalmente no desenvolvimento individual e coletivo do potencial humano".[10]

Religião, espiritualidade e esoterismo[editar | editar código-fonte]

Ao discutir o movimento Nova Era, os acadêmicos também se referem a ele como "espiritualidade new age" e "religião new age".[3] Os adeptos do movimento raramente o consideram uma "religião" - associando negativamente esse termo apenas às religiões organizadas - e, em vez disso, descrevem-se como uma forma de "espiritualidade".[11] Os estudiosos da religião, no entanto, insistem em descrever o movimento Nova Era como uma "religião".[12] York descreveu o movimento Nova Era como um novo movimento religioso.[13] Inversamente, Heelas e Sutcliffe rejeitaram essa categorização;[14] Heelas acreditava que, embora os elementos da Nova Era representassem novos movimentos, isso não se aplicava a todos os grupos da Nova Era.[15] Da mesma forma, Chryssides afirmou que o movimento Nova Era não poderia ser abordado e resumido a meramente "uma religião".[16]

Terminologia[editar | editar código-fonte]

O termo nova era, juntamente com termos relacionados como novo tempo e novo mundo, são anteriores ao surgimento do movimento Nova Era e têm sido amplamente utilizados para afirmar que uma maneira melhor de viver para a humanidade está surgindo.[17] Ocorre geralmente, por exemplo, em contextos políticos; o Grande Selo dos Estados Unidos, projetado em 1782, proclama uma novus Ordo seclorum ("nova Ordem dos séculos" ou "nova Ordem das eras", em latim), enquanto na década de 1980, Mikhail Gorbachev proclamava que "toda a humanidade está entrando em uma nova era ".[17]

Entre as décadas de 1930 e 1960, um pequeno número de grupos e indivíduos se preocuparam com o conceito de uma "nova era" que se aproximava e usou muito o termo.[18] "Nova Era" e "new age" tornaram-se, assim, recorrentes no meio esotérico da espiritualidade.[19]


Ver também[editar | editar código-fonte]


Referências

  1. Melton 2016
  2. Urban 2015
  3. a b Kemp 2004, p. 1.
  4. York 2001, p. 363; Kemp 2004, p. 1; Granholm 2013, p. 59.
  5. Granholm 2013, p. 59.
  6. Sutcliffe & Gilhus 2013, p. 1.
  7. Heelas 1996, pp. 1–2.
  8. Hammer 2006, p. 855.
  9. Hammer 2001, p. 14.
  10. York 1995, pp. 1–2.
  11. Sutcliffe 2003a, pp. 214–215; Partridge 2004, p. 48.
  12. Hanegraaff 1996, p. 243; Partridge 2004, p. 38.
  13. York 1995, p. 2.
  14. Heelas 1996, p. 9; Sutcliffe 2003a, p. 200.
  15. Heelas 1996, p. 9.
  16. Chryssides 2007, p. 19.
  17. a b Heelas 1996, p. 15.
  18. Sutcliffe 2003a, p. 55.
  19. Sutcliffe 2003a, p. 99.

Sources[editar | editar código-fonte]

  • Albanese, Catherine L. (1992). «The Magical Staff: Quantum Healing in the New Age». Perspectives on the New Age. Albany, NY: State University of New York Press. pp. 68–86. ISBN 978-0-7914-1213-8 
  • Alexander, Kay (1992). «Roots of the New Age». Perspectives on the New Age. Albany, NY: State University of New York Press. pp. 30–47. ISBN 978-0-7914-1213-8 
  • Melton, J. Gordon (2016). New Age movement (em inglês). [S.l.]: Encyclopædia Britannica, inc. 
  • Blain, Jenny; Wallis, Robert (2007). Sacred Sites Contested Rites/Rights: Pagan Engagements with Archaeological Monuments. Brighton, UK, and Portland, OR, USA: Sussex Academic Press. ISBN 978-1-84519-130-6 
  • Brown, Susan Love (1992). «Baby Boomers, American Character, and the New Age: A Synthesis». Perspectives on the New Age. Albany, NY: State University of New York Press. pp. 87–96. ISBN 978-0-7914-1213-8 
  • Bruce, Steve (1998). «Good Intentions and Bad Sociology: New Age Authenticity and Social Roles». Journal of Contemporary Religion. 13 (1): 23–35. doi:10.1080/13537909808580819 
  • Butler, Jenny; Tighe, Maria (2007). «Holistic Health and New Age in the British Isles». Handbook of New Age. Boston: Brill. pp. 415–434. ISBN 978-90-04-15355-4 
  • Chryssides, George D. (2007). «Defining the New Age». In: Daren Kemp and James R. Lewis (eds.). Handbook of New Age. Boston: Brill. pp. 5–24. ISBN 978-90-04-15355-4 
  • Doyle White, Ethan (2016). Wicca: History, Belief, and Community in Modern Pagan Witchcraft. Brighton, Chicago, and Toronto: Sussex Academic Press. ISBN 978-1-84519-754-4 
  • Greer, Paul (1995). «The Aquarian Confusion: Conflicting Theologies of the New Age». Journal of Contemporary Religion. 10 (2): 151–166. doi:10.1080/13537909508580735 
  • Hammer, Olav (2001). Claiming Knowledge: Strategies of Epistemology from Theosophy to the New Age. Leiden and Boston: Brill. ISBN 978-90-04-13638-0 
  • Hammer, Olav (2006). «New Age Movement». In: Wouter Hanegraaff (editor). Dictionary of Gnosis and Western Esotericism. Leiden: Brill. pp. 855–861. ISBN 978-9004152311 
  • Heelas, Paul (1998). «New Age Authenticity and Social Roles: A Response to Steve Bruce». Journal of Contemporary Religion. 13 (2): 257–264. doi:10.1080/13537909808580834 
  • Heelas, Paul (2006). Spiritualities of Life: New Age Romanticism and Consumptive Capitalism. Malden and Oxford: Blackwell. ISBN 978-1-4051-3938-0 
  • Hess, David J. (1993). Science in the New Age: The Paranormal, its Defenders and Debunkers, and American Culture. Madison: University of Wisconsin Press. ISBN 0-299-13824-0 
  • Hexham, Irving (1992). «The Evangelical Response to the New Age». Perspectives on the New Age. Albany, NY: State University of New York Press. pp. 152–163. ISBN 978-0-7914-1213-8 
  • Höllinger, Franz (2004). «Does the Counter-Cultural Character of New Age Persist? Investigating Social and Political Attitudes of New Age Followers». Journal of Contemporary Religion. 19 (3): 289–309. doi:10.1080/1353790042000266377 
  • Kelly, Aidan A. (1992). «An Update on Neopagan Witchcraft in America». Perspectives on the New Age. Albany, NY: State University of New York Press. pp. 136–151. ISBN 978-0-7914-1213-8 
  • Kyle, Richard (1995). The New Age Movement in American Culture. Lanham, MD: University Press of America. ISBN 978-0-7618-0010-1 
  • Kyle, Richard (1995b). «The Political Ideas of the New Age Movement». Journal of Church and State. 37 (4): 831–848. JSTOR 23918802 
  • Lewis, James R. (1992). «Approaches to the Study of the New Age Movement». Perspectives on the New Age. Albany, NY: State University of New York Press. pp. 1–12. ISBN 978-0-7914-1213-8 
  • Lewis, James R.; Melton, J. Gordon (1992). «Introduction». Perspectives on the New Age. Albany, NY: State University of New York Press. pp. ix–xxi. ISBN 978-0-7914-1213-8 
  • Melton, J. Gordon; Clark, Jerome; Kelly, Aidan A. (1990). New Age Encyclopedia. Detroit, MI: Gale Research Inc. ISSN 1047-2746 
  • MacKian, Sara (2012). Everyday Spirituality: Social and Spatial Worlds of Enchantment. New York: Palgrave Macmillan. ISBN 978-0-230-21939-7 
  • Melton, J. Gordon (1992). «New Thought and the New Age». Perspectives on the New Age. Albany, NY: State University of New York Press. pp. 15–29. ISBN 978-0-7914-1213-8 
  • Partridge, Christopher (2004). The Re-Enchantment of the West Volume. 1: Alternative Spiritualities, Sacralization, Popular Culture, and Occulture. London: T&T Clark International. ISBN 978-0567084088 
  • Ray, Paul H.; Anderson, Sherry Ruth (2000). The Cultural Creatives: How 50 Million People Are Changing the World. [S.l.]: Harmony Books / Random House. ISBN 9780609604670 
  • Riordan, Suzanne (1992). «Channeling: A New Revelation?». Perspectives on the New Age. Albany, NY: State University of New York Press. pp. 105–126. ISBN 978-0-7914-1213-8 
  • Rose, Stuart (2005b). «Book Review: Children of the New Age». Journal of Alternative Spiritualities and New Age Studies. 1: 159–166 
  • Rupert, Glenn A. (1992). «Employing the New Age: Training Seminars». Perspectives on the New Age. Albany, NY: State University of New York Press. pp. 127–135. ISBN 978-0-7914-1213-8 
  • Sutcliffe, Steven J. (2003a). Children of the New Age: A History of Spiritual Practices. London and New York: Routledge. ISBN 978-0415242981 
  • Sutcliffe, Steven (2003b). «Category Formation and the History of 'New Age'». Culture and Religion: An Interdisciplinary Journal. 4 (1): 5–29. doi:10.1080/01438300302814 
  • Sutcliffe, Steven J.; Gilhus, Ingvild Sælid (2013). «Introduction: "All mixed up" – Thinking about Religion in Relation to New Age Spiritualities». In: Steven J. Sutcliffe and Ingvild Sælid Gilhus (eds.). New Age Spirituality: Rethinking Religion. Durham, UK: Acumen. pp. 1–16. ISBN 978-1844657148 
  • Urban, Hugh B. (2015). New Age, Neopagan, and New Religious Movements: Alternative Spirituality in Contemporary America. Oakland, CA: University of California Press. ISBN 978-0-520-28117-2 
  • York, Michael (2001). «New Age Commodification and Appropriation of Spirituality». Journal of Contemporary Religion. 16 (3): 361–372. doi:10.1080/13537900120077177 
  • York, Michael (2005). «Wanting to Have Your New Age Cake and Eat It Too». Journal of Alternative Spiritualities and New Age Studies. 1: 15–34 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Media relacionados com New age no Wikimedia Commons