Magnetismo animal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou secção:
A página está num processo de expansão ou reestruturação.
Esta página atravessa um processo de expansão ou reestruturação. A informação presente poderá mudar rapidamente, podendo conter erros que estão a ser corrigidos. Todos estão convidados a contribuir e a editar esta página. Caso esta não tenha sido editada durante vários dias, retire esta marcação.

Esta página foi editada pela última vez por Rodrigo Elias Cardoso (D C) 7 segundos atrás. (Recarregar)

Magnetismo animal

Magnetismo animal, magnetismo curativo ou biomagnetismo [1] [2] é a faculdade que o chamado magnetizador teria em transformar; o fluido cósmico universal em fluido magnético, e este por sua vez entrando nas nádis, vias energéticas do ser humano, em fluido vital. Fundamentado como doutrina, o mesmerismo com seu conjunto de aforismos criam as bases para práticas terapêuticas. Este se desenvolveu no final do século XVIII e teve seu período áureo até o fim do século XIX. Foi relatado como um dos primeiros movimentos em larga escala a trazer atenção para o desenvolvimento do mundo acadêmico ocidental para os fenômenos paranormais.[3] [4] .

O mesmerismo foi ainda organizado como doutrina e defendido pelo médico suábio, Franz Anton Mesmer[5] , inúmeras vezes acusado de charlatanismo[6] [7] [8] [9] [10] e outras tantas vezes denotado como sábio[11] [12] [13] . Foi afirmada uma ciência coadunante com a filosofia e a religião,[14] buscando a melhor compreensão, não apenas do universo tangível, mas também do universo energético e fluídico[15] .

Etimologia[editar | editar código-fonte]

A practictioner of Mesmerism using Animal Magnetism Wellcome V0011094.jpg

O termo magnetismo animal surgiu como um neologismo, mais precisamente de uma palavra-valise em junção com uma palavra adjetiva (magnétisme + animus), sem se tornar necessariamente um morfema, que seria a doutrina dos estudos e dos atributos animais análogos as condições do magnetismo mineral[16] .

A palavra magnetismo (do francês magnétisme, estudo das propriedades dos ímãs) provém do grego, magnes, "ímã", e este do francês antigo, isme, "doutrina" [16] .

E da palavra "animal" (do latim animus, por seu significado raiz, "respiração"), vem especificamente para identificar sua potencialidade como uma qualidade pertencente aos seres viventes[16] .

As línguas antigas não possuem um termo que tenha um sentido preciso para exprimir o que os magnetizadores entendiam por essas palavras, até o fim da idade média. Quase todos os etimologistas estão de acordo em relacionar a origem raiz lexicográfica à magnes[16] .

Tem o magnetismo animal outras heteronomias como o magnetismo humano[17] , magnetismo curativo[18] magnetismo pessoal[19] , magnetismo vital[nota 1] , medicina magnética[20] e o biomagnetismo[21] .

Magnetismo pré-mesmérico[editar | editar código-fonte]

Na antiguidade[editar | editar código-fonte]

Um papiro foi descoberto nas ruínas de Tebas no Egito descrevendo as seguintes palavras que expunham a pré-ideia do mesmerismo:

Cquote1.svg Coloca a mão sobre o doente para acalmar a dor e diz (diga) a dor que pare[16] . Cquote2.svg
Diagrama do "Meridiano" do estômago

Entre 2500 e 2700 anos antes de Cristo, já existia a[22] medicina oriental descrita como uma "sistematização" de tratamento catalogado como uma das mais antigas formas de medicina do mundo. [23] [24] Efetivada por vários tratados como inquestionável e chamada como Medicina tradicional, discursa sobre temas similares ao magnetismo, como por exemplo o[25] sistema de circulação da energia pelos meridianos do corpo humano. [26] [27]

Os Magos caudeus e os brâmanes da Índia antiga curavam pelo olhar magnético, e por meio deste, os assistidos caiam em estado de sono[28] .[29] Os egípcios foram altamente influenciados, religiosamente, pelas características indianas, os quais empregavam na cura das doenças com passes magnéticos. Assim disse Diodoro de Sicília:

Cquote1.svg (...)doentes chegavam em multidão ao templo de Ísis, para ai serem adormecidos pelos sacerdotes. A maior parte dos pacientes caíam em crise e indicavam, eles mesmos, o tratamento que os devia reconduzir à saúde (...) havia entre os egípcios , em todas as épocas, pessoas dotadas da faculdade de curar por meio da aposição de mãos e de insuflações, conseguindo fazer desaparecer doenças tidas como incuráveis.[29] Cquote2.svg

Na Grécia antiga seu povo bebeu nas fontes do conhecimento egípcio e não tardou em equipara-los e até a subjugá-los com seu "magnetismo humano"[nota 2]

Aristóteles que viveu entre 384 e 322 antes de Cristo desenvolveu teorias sobre a atuação das forças magnéticas, em seu “Tratado sobre a alma”, para fazer uma analogia entre a ação da alma, que seria a gênese do movimento dos animais, com analogia à ação do Ímã, que gera o movimento em um pedaço de ferro[30] . Entre os anos de 98 e 55 a.C. Lucrécio, um dos primeiros a defender a teoria atômica entre os filósofos, tentou descrever a atuação da força magnética do Ímã sobre o ferro. E em seu livro VI do Tratado-Poema “Da natureza”, relata que os átomos do material magnético expulsariam o ar presente entre eles e o ferro de modo que este seria tracionado pelo ar em direção à magnetita. Estas ideias de caráter místico e sobrenatural, para a época, ao redor do magnetismo impulsionou, principalmente na Idade Média, a possibilidade de curas provenientes de “usos medicinais” da magnetita e outros ímãs, o qual mais tarde impulsionaria Paracelso a criar seus tratados sobre a cura através do magnetismo animal[31] . Na Gália, os druidas e as druidesas eram magnetizadores por excelência, como atestam muitos historiadores[29] [32] [33] [34] . Sua medicina magnética ficou tão referenciada que vinham pacientes de todos os lugares[29] . A percepção do Magnetismo Animal no ocidente foi denotado no primórdio da medicina por Hipócrates[35] e fundamenta-se nas manifestações e nos ensinamentos de Paracelso, de Rudolph Göckel der Ältere[36] .Suas bases são desenvolvidas e compreendidas como uma doutrina de cunho filosófico voltada para o aperfeiçoamento moral do homem, que acredita na possibilidade de auto desenvolvimento psíquico moral.[37]

Cquote1.svg Médicos experientes podem confirmar que o calor que flui das mãos, quando aplicado em doentes, é altamente salutar. Enquanto deixo minhas mãos sobre meus pacientes, sinto como se uma força puxasse para fora as dores dos locais afetados, assim como diversas impurezas[38] Cquote2.svg
Hipócrates

Quem obteve grande exito neste assunto foi Simão o "Mágico", que soprando os epiléticos, acabava com o mal que os consumiam[29] . Entre os anos 77 e 79 d.C Plínio, o Velho[39] escreveu o livro Naturalis Historiae e no livro VII nos diz:

Cquote1.svg Havia em Hellespont, uma espécie de homens chamados "Ophiogènes"[40] [nota 3] , que tinham o dom de curar, pelo tato, as mordidas das serpentes e de fazer sair todo o veneno do corpo, nele aplicando somente a mão... alguns homens têm uma virtude medicinal em certas partes do corpo, como a que diziam possuir o dedo polegar do Rei Pirro Cquote2.svg

e em seguida explana conceitos teóricos que chocariam em similitude com textos mesméricos[43] .

Próximo aos anos 1000 d.C. Avicena em sua obra Da natureza (I.6), admite a ação que um indivíduo pode exercer sobre um outro, no qual ele atribui à alma um poder considerável, que pode não somente agir sobre seus corpos, como também sobre outros corpos[44] .

Cquote1.svg Ela pode atrair corpos distantes, exercer sobre eles uma ação equilibrante ou desequilibrante; em uma palavra, produzir; em certos casos, a saúde e a doença[45] . Cquote2.svg

A medicina magnética de Séc XVII[editar | editar código-fonte]

Magnetistas e magnetizadores do século XVII, que se apresentam com uma sabedoria similar ao mesmerismo atual, têm, em sua maioria, a ascendência - os pais fundadores da filosofia natural - tais como o médico suíço Paracelso[46] , Roger Bacon e Pietro Pomponazzi[47]

Marsílio Ficino no ano de 1460, Cornélio Agripa e Pietro Pomponazzi em 1500 iniciam as bases do magnetismo para a posteridade[29] .

Paracelso

Paracelso (1493-1541) foi o principal defensor desta "primeira e tímida aproximação entre o magnetismo e a biologia". Arnaud de Villeneuve foi buscar nos conhecimentos descritos pelos autores árabes, conceitos magnéticos. Atingindo seu objetivo, seu êxito foi tamanho que acabou sendo condenado pela Sorbona. Eles apresentam a saúde como um estado de harmonia entre o microcosmo individual e o macrocosmo celestial que contém fluidos e influências ocultas de todos os tipos[48] . Segundo Paracelsus, o poder interno da alma pode ser exteriorizado do corpo que anima e agir sobre outros corpos, independente da vontade e as imaginações dos outros[49] . Para ele, a vontade e a fé é a excelência para o potencial magnético, representando o poder de agir sobre os outros[50] .

Robert Fludd, médico Inglês influenciado por Paracelso[51] , tornou-se convencido dos atributos dos efeitos médicos da "pomada de simpatia". Também entre os representantes deste movimento está o cientista alemão Rudolph Glocenius. Gockel considera a natureza regida por uma força motriz, em todos os lugares, que consiste na lei da atração e repulsão[52] . O médico belga Jean Baptista van Helmont desenvolveu ideias semelhantes às de Gockel[53] . Para Gockel e Van Helmont, o magnetismo, com a sua dimensão teórica e parte prática, os levariam ao domínio da magia.

Cquote1.svg qualquer ciência oculta ou se eleva acima que adquirimos através da observação e cálculo é mágica; todos os poderes que não pertence a uma ação mecânica é um poder mágico. Cquote2.svg
Van Helmont

Para ele, todo homem pode influenciar seu companheiro remotamente se um acordo entre o operador e o paciente for criado, e se a sensibilidade do paciente foi realizada[54] .

Athanasius Kircher

Athanasius Kircher, alemão, determinou em seu tratados que o magnetismo atua como um princípio ao qual explica todos os fenômenos naturais e sobrenaturais ainda não estudados. Ele explica o "magnetismo do amor", como uma lei básica cósmica da atração entre os seres vivos, atração essa que é a fonte de ligações do amor entre os seres e que também e responsável pela cura de doenças pelo tratamento magnético[55] . Após estas referências mesmeristas incluíram também o médico escocês William Maxwell que referenciou temas similares em 1679[56] e Ferdinand Santanelli em 1723[57] .

Era mesmérica[editar | editar código-fonte]

Franz Anton Mesmer.jpg
Descrição de charlatismo referindo ao magnetismo animal como "Dedo mágico"

Franz Anton Mesmer (1734 - 1815), médico alemão, formado em medicina pela Universidade de Viena[58] , teólogo pela Universidade de Ingolstadt[58] e doutor em filosofia pela Universidade Jesuíta de Dillingen[58] foi quem postulou a existência de um fluido magnético universal o qual poderia fazer uso terapêutico. Introduziu o termo magnetismo animal em 1773 na mesma época que inicia o tratamento da prima de Mozart.

Mesmer queria ter condições de interpretar racionalmente os fenômenos e energia que, conectada ao corpo humano, seria responsável por muitas manifestações, entre elas; transes e curas.[3] [59] E, como tal, denotavam-no referir-se ao irracional ou a magia[60] . Enquanto ele queria fundamentar o magnetismo como ciência, trazendo este da condição sobrenatural para um estudo das propriedades de uma condição natural, isso levou por seus detratores a divulgar sobre ele o arquétipo de charlatão[61] e ao magnetismo animal a condição de uma pseudociência[62] . Desde que se tornou público, o magnetismo animal virou objeto de controvérsia, principalmente na França, onde a Faculdade de Medicina condenou a não ser praticado pelos médicos desde o ano de 1784. Isso não impediu que o magnetismo animal continuasse a se espalhar de várias formas, pois alguns magnetizadores continuaram a atribuir os efeitos dos estudos de Mesmer aos fluidos, outros atribuindo-lhes a vontade e outros ainda a imaginação do magnetizador e magnetizado.

François Deleuze afirmava ser a vontade a matriz e motriz responsável pela atuação dos fluidos, e que se fosse pela imaginação não haveria como os vidente sonâmbulos perceberem sua atuação em objetos inanimados mesmo sendo imantados sem que as cobaias estivessem próximas[63] . Os que defendiam a ideia das imaginações serviram de fonte para as teorias da hipnose desenvolvidas por médicos como James Braid[64] ou Ambroise-Auguste Liébeault. E outros ainda denotam o processo magnético em estreito contato com espíritos[65] . Franz Anton Mesmer publicou em 1766, em Viena, De l'influence des planètes sur le corps humain (A influência dos planetas sobre o corpo humano). Foi fortemente influenciado por Newton, Galileu, Kepler, Copérnico e pelos Aforismos de Hipócrates, além de seu mestre professor Universitário[66] . Mesmer é descrito como plagiador de alguns autores como o caso de Richard Head[67] . Depois viria uma injúria do padre jesuíta Maximilian Höll (Hell) sobre a descoberta do uso terapêutico de placas magnéticas as quais Mesmer as achavam sem utilização, onde as mesmas só seriam úteis após serem transformadas em magnetos mesméricos, o que não ocorreria se não fossem mesmerizados[67] .

Cquote1.svg Os escritos de Padre Höll repetido sobre este assunto, entregou ao público, sempre ávido por uma específica contra a doença do nervo, a opinião infundada, ou seja, que a descoberta em questão consistiu apenas no uso do ímã. Eu escrevi a minha vez de destruir este erro ao publicar a existência do MAGNETISMO ANIMAL, essencialmente distinta do ímã; mas o público avisado por um homem de reputação, permaneceu em seu erro[68] . Cquote2.svg

Após sua retificação, e subtraído o magnetismo mineral de sua doutrina, é determinado que seu tratamento viria de seu potencial magnetizador, nascendo então o nome Magnetismo Animal. No ano de 1775, os exorcismos do Padre Johann Joseph Gassner começaram a ser investigados por uma comissão nomeada por Maximilian Joseph III da Baviera após este eleito. Esta mesma comissão intima Mesmer ir a Munique e em 27 de Maio 1775 ele prova sua capacidade de fazer surgir e desaparecer nos pacientes vários sintomas sem o uso de exorcismo[69] . No dia seguinte, na presença do Tribunal e da academia, ele diz:

Cquote1.svg Gassner curou os doentes por magnetismo animal sem perceber . A partir desta perspectiva, podemos considerar a relação entre o magnetizador e o magnetizado[70] . Cquote2.svg

O Tratamento da senhorita Paradis[editar | editar código-fonte]

Maria Theresia von Paradis

Maria Theresia von Paradis foi tratada por Mesmer, desde o final de 1776 até meados de 1777, o qual foi capaz de fazer uma melhora temporariamente, até que ela foi removida de seus cuidado, em meio as preocupações. Por um lado o escândalo por ser tratada por um possível charlatão, e por outro, a potencial perda da pensão disponibilizada pela rainha à Paradis caso perdesse sua invalidez[71] . De qualquer forma, nestas condições a cegueira voltou permanentemente e Dr. Mesmer com seus detratores afirmando falha no tratamento da famosa pianista cega[72] , o descreveram como um charlatão, ele sai de Viena porém defendendo-se com a seguinte inscrição:

Cquote1.svg O pai e a mãe da senhorita Paradis, testemunhou a sua cura, e dos progressos que ela fazia no uso de seus olhos, apressou-se a espalhar este evento e satisfação. Acorreu à minha casa uma multidão para disso se assegurar; E cada um, depois de colocar o paciente a uma espécie de teste, se retirava admirados, dizendo as coisas mais lisonjeiras. [73] Cquote2.svg
Mesmer

As primeiras fundamentações escritas do Mesmerismo[editar | editar código-fonte]

Em fevereiro de 1778 chegando a Paris, mudou-se para a rua Place Vendome, número desesseis. Tentou, sem sucesso, obter reconhecimento da Academia de Ciências, da Sociedade Real de Medicina e Faculdade de Medicina da Universidade de Paris. Retirando-se para a aldeia de Créteil[74] , ele publicou seu artigo: Memória sobre a descoberta do magnetismo animal em 1779[75] com o apoio do seu primeiro grande convertido o médico Charles Deslon.

As propostas de Memória sobre a descoberta do magnetismo animal[editar | editar código-fonte]

Cquote1.svg
  1. Existe uma influência mútua entre os corpos celestiais, a Terra e os homens.
  2. Um fluido distribuído, e continuo de modo a não sofrer nenhum vazio, a sutileza não permite qualquer comparação, e que, por sua natureza, é capaz de receber, propagar e comunicar todas as impressões do movimento, é o meio desta influência.
  3. Essa interação é sujeito a leis mecânicas, até agora desconhecida.
  4. O resultado desta ação resulta efeitos alternativos, que podem ser considerados como um fluxo e refluxo.
  5. Este fluxo e refluxo é mais ou menos gerais, mais ou menos em particular, mais ou menos composto, de acordo com a natureza das causas que o determina.
  6. É através desta operação (a mais universal dentre aquelas que a Natureza nos oferece) como relações de atividade são exercidas entre os corpos celestes, a terra e suas partes constitutivas.
  7. As propriedades do Matéria do corpo organizado dependem disso.
  8. O corpo do animal experimenta os efeitos alternativos deste agente; E se infiltra na substância dos nervos, afetando-os imediatamente.
  9. Isso é particularmente evidente no corpo humano, as propriedades semelhantes às do ímã; podemos distinguir vários pólos opostos também e, que podem ser comunicados, alterados, destruídos e reforçados; o fenômeno da inclinação também é observado.
  10. A propriedade corpo animal que o torna suscetível à influência dos corpos celestes, e a interação das pessoas em torno dele, que se manifesta por sua analogia com o ímã, me determinado a nomear como MAGNETISMO ANIMAL.
  11. A ação e a virtude do magnetismo animal, assim caracterizado, podem ser transmitidas aos demais corpos animados e inanimados. Uns e os outros são, contudo, mais ou menos suscetíveis.
  12. Esta ação e virtude pode ser fortalecido e se espalhou pelos mesmos corpos.
  13. Observa-se na experiência o fluxo de um material cuja sutileza penetra todos os corpos sem perder a sua atividade significativamente.
  14. Sua ação ocorre em uma distância remota, sem a ajuda de qualquer organismo intermédio.
  15. Ela é aumentada e refletida por espelhos, como a luz.
  16. Ele é transmitido, propagado e aumentado pelo som.
  17. Esta virtude magnética pode ser acumulada, concentrada e transportada.
  18. Eu tenho dito que os corpos animados não têm a mesma probabilidade: é o mesmo, embora muito pouco, que se opuseram como uma propriedade que sua mera presença destrua todos os efeitos do magnetismo em outro corpo.
  19. Esta virtude oposta também penetra todos os corpos; ela também pode ser transmitida, propagada, acumulada, concentrada e transportada, refletida por espelhos, e propagado por som; que não é apenas uma privação, mas virtude oposta positiva.
  20. O ímã quer seja natural ou artificial, bem como outros corpos, susceptíveis do Magnetismo Animal, e até mesmo da virtude oposta, sem em um ou em outro caso, sua ação sobre o ferro e a agulha não sofra alteração; o que prova que o princípio de magnetismo animal difere essencialmente da do mineral.
  21. Este sistema irá fornecer novos esclarecimentos sobre a natureza do Fogo e da Luz, bem como a teoria da Atração, Fluxo e refluxo do ímã e Eletricidade.
  22. Isso fará com que percebam que o ímã e a eletricidade artificial têm relação com as doenças, propriedades comuns com vários outros agentes que a Natureza nos oferece e que, se resultarem alguns efeitos úteis da administração destes, eles são devidos a Magnetismo Animal.
  23. Nós reconhecemos pelos fatos, de acordo com as regras práticas que hei de fazer, que este princípio pode curar imediatamente doenças dos nervos, e outros mediatamente.
  24. Com a sua ajuda, o médico é iluminado sobre o uso de medicamentos; ele aperfeiçoa a sua ação, e que provoca e dirige crises salutares, de modo a tornar o seu dirigente.
  25. Ao comunicar o meu método, vou demonstrar uma nova teoria da doença, a utilidade universal do princípio que lhes proponho.
  26. Com esse conhecimento, o médico certamente irá julgar a origem, a natureza e o progresso das doenças, ainda mais complicado; que irá impedir o aumento, e ter sucesso em sua cura, sem nunca expor o paciente aos efeitos perigosos ou consequências infelizes, qualquer que seja a idade, temperamento e sexo. Mesmo as mulheres durante a gravidez e quando do parto gozarão da mesma vantagem.
  27. Esta doutrina, por fim, que o médico em um estado de bem julgar o grau de saúde de cada indivíduo, e de preservá-lo das doenças sobre as quais ele possa ser exposto. A arte da cura vai chegar a sua perfeição final[76] [77] .
Cquote2.svg

De acordo com Mesmer, magnetismo animal é a capacidade de curar o cliente através do fluido natural que o magnetizador seria capaz de acumular e transmitir através de passes mesméricos [78] através e pelo corpo. Sendo Mesmer cria uma teoria unitária para descrever o entrelaçamento do homem e do universo[79] .Com estas propostas, o livro História da Magia referencia esta técnica com as seguintes palavras:

Cquote1.svg Mesmer teve a gloria de encontrar, sem iniciador e sem conhecimentos ocultos, o agente universal da vida e de seus prodígios; seus Aforismos que os sábios de seu tempo deviam considerar como tantos paradoxos, virão um dia a ser as bases da síntese física. Cquote2.svg
Eliphas Levi,ocultista do século XIX

Sendo fortemente atacado pela Faculdade de Medicina de Paris Mesmer publica panfletos e artigos defensivos no Journal de médecine e na Gazette de Santé[80] Gazette , e sua influência lhe proporciona clientes e defensores: como o marquês de Lafayette , o advogado Nicolas Bergasse eo banqueiro William Kornmann. Além disso, nos seus Resumo histórico dos fatos relativos ao Magnetismo Animal, publicado em 1781, Mesmer responder a seus adversários no tom de autodefesa[81] .

A tina de Mesmer e as crises magnéticas[editar | editar código-fonte]

Mesmer's animal magnetism therapy Wellcome V0011096.jpg

Mesmer admitindo cada vez mais pacientes e incapaz de magnetizá-los individualmente em 1780, introduziu um novo método de tratamento coletivo com sua Tina[82] através da qual ele poderia tratar mais de trinta pessoas ao mesmo tempo[82] . Eram dispostas as pessoas em torno desta celha a qual na parte superior dispunha de hastes de metal que era tocada pelos doentes que logo entravam em crise curativa.

Mesmer neste período já contava com o auxílio de assistentes, vestido em seda lilás portador de uma barra de ferro de dez a doze polegadas, eles autera as partes doentes do corpo de pacientes[83] . Mesmer geralmente acompanha as sessões de magnetismo com o tocar ou do Fortepiano ou pelo som distinto da harmônica de vidro [82] , instrumento este inventado por Benjamin Franklin em 1762.

Harmônica de vidro, similar a usada por Mesmer

No período destes tratamento coletivo em torno da tina de Mesmer fenômenos manifestavam-se contagiantes denominados "crises magnéticas", durante o qual as mulheres ricas da sociedade perdiam completamente o seu controle, caiam em "histéria", desmaio e convulsões ... A testemunha descreve uma crise detalhada:

Cquote1.svg A respiração foi levado às pressas; Ela estendeu os braços atrás das costas, torcendo acentuadamente, e inclinando-se o corpo para a frente; houve uma agitação geral de todo o corpo; a pressão dos dentes tornou-se tão alto que podia ser ouvido do lado de fora; ele mordeu a mão, e forte o suficiente para que a marcas dos dentes permaneceram acentuada[84] . Cquote2.svg

Esses ataques são descritos por Mesmer, como contendo um devido valor terapêutico[85] , o fluido vital, este por sua vez reforça-se pelos passes magnéticos, superando o obstáculo que se opuseram à sua circulação no corpo do paciente[86] [87] . Em casos de convulsões violentas, os pacientes eram levados para uma sala acolchoada chamada sala de crise, onde ali ficariam até que as mesmas sessassem[88] [89] [90] .

No consultório de Franz Anton Mesmer, continha quatro baquet de Mesmer das quais uma era reservada para as pessoas sem muitas condições financeira, e as demais, suas ocupações deveriam ser reservadas com antecedência ao custo de 300 Louis d'or por mês[91] .

O conselho contra o magnetismo animal[editar | editar código-fonte]

Em 1781 o Rei Luis XVI, sua esposa e membros de sua corte solicitaram à Academia Francesa de Ciências que investigasse Mesmer e suas supostas curas. A Academia nomeou uma comissão de notáveis composta por Benjamin Franklin, Antoine Lavoisier, o então prefeito de Paris Jean Bailly e Joseph-Ignace Guillotin. Esta comissão foi encarregada de investigar Mesmer e suas afirmações de cura. Um dos testes se constituiu na magnetização de uma árvore por um preposto de Mesmer, e a posterior identificação desta por um jovem com os olhos vendados. Ele deveria identificar a árvore que apresentasse maior força magnética. O rapaz reportou várias sensações e afirmava que a força magnética estava aumentando mesmo quando se distanciava da árvore. O experimento terminou com o rapaz desmaiando.[7]

As principais correntes de magnetismo[editar | editar código-fonte]

Quando Mesmer deixou Paris em 1785 , a prática do magnetismo animal, prosperando, apesar das proibições da faculdade foi representado por três correntes principais[92] e surgindo uma nova corrente só após a Restauração Francesa:

  • Os mesmeristas reais que explicam as mudanças fisiológicas e psicológicas provocadas pelo magnetização com foco em fluxo de fluido. Sua concepção dominante resolutamente materialista e fisicalista, está próximo aos dos médicos, como Désiré Pététin, preferem falar de eletricidade vital.
  • Os psicofluidistas[93] que vêem vontade como o verdadeiro agente da ação magnética, mas manter a premissa de um fluido como um veículo que vai. Os teóricos dessa corrente reivindicam a razão, acreditando que o sonambulismo revela os potenciais e premissas latentes da alma.
  • Espíritualistas, relacionados a um ramo místico de Maçonaria[94] e os Espíritas[95] [96] [97] [98] [99] [100] [101] [102] [103] [104] [105] [106] [107] [108] [109] [110] [111] [112] pensam que seus pacientes reagem diretamente sobre a reação da vontade e da oração, podendo relatar ainda que, durante os transes dos magnetizados, estes entram em contato com anjos ou espíritos.
  • Os imaginacionistas surgiram após a Restauração, para os quais nem a vontade do magnetizador ou qualquer fluido intervenientes eram reconhecidos como pautáveis em suas teorias. Para eles, o magnetismo é apenas competências internas colocando-os acima dos magnetizados em relação aos poderes da imaginação, o que pode alterar drasticamente a totalidade psico-orgânico do mesmo.

Os psicofluidistas[editar | editar código-fonte]

Admitindo-se a hipótese de um fluido universal os psicofluidistas, conduz suas teorias, mas insistentemente defendendo o potencial que é a vontade do magnetizador e sua fé para com seu magnetismo[78] para realização do tratamento de seu paciente. Além disso, para eles, a vontade do operador, em vez de impor a vontade ao paciente, é somada com a dele, sendo assim o sucesso é a soma da vontade e fé dos dois. O Marquês de Puységur, oficial da artilharia Armand Marie Jacques de Chastenet, foi seu maior divulgador, Sendo ele um dos primeiros, persuadido por seus dois irmãos mais jovens a entrar na Companhia de Harmonia Universal para seguir os ensinamentos de Mesmer. A inclusão prática do Marquês no magnetismo se deu da seguinte forma: como parte de seu regimento em Estrasburgo com interesses em tratar os jovens soldados doentes. O Iluminista, Marquês encontrava-se igualmente preocupado com a saúde de seus vassalos e com disposição para trabalhar em sua terra para o advento do progresso[113] . Em 4 de maio de 1784 , em repouso em sua área de Buzancy arredores de Soissons , enquanto ele aliviava pelo magnetismo um jovem camponês, Victor. Então com 24 anos, Puységur observa em vez de convulsões da crise mesmérica ele contempla Victor cair em um sono tranquilo e profundo. Para sua surpresa, Victor, embora aparentemente adormecido, manifestava-se uma intensa atividade mental o qual era expressado sem o seu arcaico dialeto e com temas que ultrapassavam suas condiçõpes cotidianas[114] . Enquanto reproduzia estas experiências, nos dias seguintes, outra coisa surpreende o Marquês em seu acesso de Puységur chamado de "sonambulismo induzido" ou "sono magnético” [115] , Victor parece capturar seus pensamentos e desejos, sem que fosse necessário formulá-los. Assim como uma ordem Puységur formulava um desejo silencioso e Victor expunha-o, como se ele tivesse acesso direto ao que estava acontecendo na mente de seu magnetizador. Além disso, enquanto em transe, Victor ajudava Puységur a diagnosticar os males de seus outros pacientes e explicava como se comportar em relação a eles. Falamos de "lucidez magnética" para descrever a visão sonambulismo em sua própria doença, por outro, e os remédios que trabalham para eles[116] Puységur também descobriu que:

Cquote1.svg ...um sonâmbulo pode ver dentro de seu corpo enquanto ele é magnetizado, pode diagnosticar a doença, a previsão da data da sua cura e até mesmo se comunicar com os mortos e os ausentes[117] . Cquote2.svg

Ao acordar, Puységur observou que sonâmbulos esqueciam tudo o que acontecera enquanto estes estavam magnetizados[118] . Os fenômenos de "lucidez magnética" desafiavam a racionalidade do Iluminismo em que eles parecem descrever que:

Cquote1.svg ... a consciência humana pode superar, em certas circunstâncias, os terminais do assunto e restrições espaços-temporais, que pareciam inevitáveis para fiscalizar seu exercício. Este tópico foi fechado para o tipo do pensamento axiomático Iluminista[113] . Cquote2.svg

Perante os fatos, descobrem que parecem apoiar a ideia de uma interligação virtual de consciências[113] , Puységur abandonaria a partir de então o axioma da consciência fechada. Para ele, esses fenômenos lúcido deveriam ser estudados como são todas as outras faculdades humanas.

Em seguida, os pacientes se reúnem para Buzancy e Puységur organiza os tratamento coletivos em torno de um grande Ulmeiro[119] . E em 17 de maio do mesmo ano o Marquês de Puységur escreveu a seu irmão:

Cquote1.svg Eles se juntam em torno de minha árvore, havia mais de 130 pacientes esta manhã[120] . Cquote2.svg

Uma testemunha descreveu a cena da seguinte forma:

Cquote1.svg Foi estabelecido em torno da árvore, vários bancos circulares, pedra, em que sentou todos os pacientes, os quais envolvem com a corda as partes do corpo doentes para sanarem seus sofrimentos. Em seguida, a operação começa, todos formando a cadeia, e erguidos pelo toque do polegar. [...] O Sr. Puységur [...] escolhe entre seus pacientes diversos temas, tocando em suas mãos e apresentando sua varinha (barra de ferro de cerca de 15 centímetros), os quais caem em crises perfeitas [...] Esses pacientes em crise, têm o poder sobrenatural, de descrever [...]órgão afetado, a parte do sofrimento; eles indicam os devidos de remédios que serão mais salutar a seu tratamento e o tempo que levará para ser totalmente curado[121] . Cquote2.svg

Conforme descreve alguns autores, as experiências de Puysegur, permitiu às crenças populares dos camponeses, relacionadas a curas, videntes e plantas medicinais. O que também contribuiu para Puységur reestruturar essas crenças foi a influencia por sua leitura das obras de Jean-Jacques Rousseau[122] [123] . Como alguns sonâmbulos, após o diagnóstico de um paciente, estão fazendo em êxtase na floresta para a planta provável para curá-lo, e descrever o local onde ele for encontrado, não é diferente dos textos em que o filósofo em herborizado um estado perto do êxtase, especialmente em devaneios de um caminhante solitário[124] . Em 1785, Victor leva Puységur à Paris demonstrar suas descobertas, que se sucederam antes das relatadas por Mesmer. No mesmo ano, ele assumiu o comando de seu regimento de artilharia Estrasburgo e cria nesta cidade Société harmonique des amis réunis onde treina mais de 150 magnetizadores[125] e introduz muitos centros de tratamento. Esta instituição continuou a existir até 1789 e publicou numerosos artigos sobre os vários casos tratados pelo magnetismo. Homem do Iluminismo, Puységur começa a seguir as novas ideias da corrente revolucionária e fica encantado com o rumo dos acontecimentos. Nomeado general de artilharia em 1791 , ele renunciou em maio 1792. Enquanto seus dois irmãos se refugiaram no exterior, ele recusou-se a segui-los. Sob o terror da Revolução.

Puységur passou dois anos na prisão com sua esposa e filhos, mas evita o pior e não é privado de suas propriedade. Sob o Primeiro Império Francês, de 1800 a 1805 , ele foi prefeito de Soissons [126] . Entre 1807 e 1813, Puységur publicou várias obras em favor do magnetismo e realiza demonstrações com o jovem camponês Hébert com muitas autoridades médicas, incluindo o médico Franz Joseph Gall e em 1815 , revitalizou a 'Société de l'harmonie' em nome de Mesmer e do magnetismo [127] .

Efeitos do Mesmerismo

Em 1814, o interesse nos escritos de outro adeptos do magnetismo animal, o naturalista Joseph Philippe François Deleuze, colaborador de Antoine Laurent de Jussieu , no Museu Nacional de História Natural , em Paris, desenvolveria a publicação de jornal, os Anais de magnetismo, em que expõe os experimentos conduzidos por magnetizadores em toda a Europa. Estas edições tornar-se-ia a Biblioteca do Magnetismo Animal de 1818[128] . Deleuze defende o magnetismo contra os positivistas da academia, mas também contra a ala direita da Igreja Católica, representada em particular pelo Padre Fustier[129] , Pai Wurtz e o abade Fiard que vêem no magnetismo nada mais que uma conspiração maçônica para minar as bases do Cristianismo, uma condição ameaçadora para a igreja tendo em seus bastidores o próprio Satanás [130] . Outros Magnetizadores psicofluidistas foram Charles de Villers , Auguste Leroux, AA Tardy de Montravel, Louis Joseph Charpignon, Casimir Chardel , Charles Lafontaine e o médico Alphonse Teste. Os membros desta corrente publicaram a maior parte da sua doutrina no Revue du magnétisme(Jornal do magnetismo)[131] .

Cartaz de uma sessão pública de magnetismo animal em 1857.

Espiritualista[editar | editar código-fonte]

AbaDeFaria.JPG

Os Espiritualistas são a parte de uma corrente cristã desde o Iluminismo , atribuído a um ramo místico da Maçonaria[132] . Seu líder foi o teósofo Louis Claude de Saint-Martin , e o iniciador desta corrente de penjsamento foi Martinez de Pasqually o qual foi fortemente influenciado pelas obras de Emanuel Swedenborg. Saint-Martin tornou-se o vigésimo sétimo membro da "Société de l'Harmonie" (Sociedade da Harmonia), em 4 de Fevereiro de 1784 , mas gradualmente longe de Mesmer, ele insistiam na inexistência materialista da a ação do fluido[133] . Alguns espiritualistas afirmam agir diretamente sobre o paciente, sem a influência de um fluido, pela vontade e oração. Outros consideravam o contato do magnetizado com entidades supra-humana[134] . Estes teosofistas magnetizadores Lyon trabalhavam com mulheres sonâmbulas com quem supunha-se ter uma relação especial com as condições extra humanas[135] . Dentre essas mulheres pode-se incluir: Jeanne Rochette e Marie Louise de Vallière Montspey. Além das polêmicas com os psicofluidistas’, sabemos que Puységur frequentava a estes ambientes, especialmente através da Loja Maçônica "A franqueza de Estrasburgo", à qual pertencia com seus irmãos [136] e Henry Delaage[137] . A outra parte dos espiritualista conta partir de agosto de 1813 , na pessoa de José Custódio da Faria o qual dá em Paris um curso sobre sonambulismo provocado, o qual ele prefere chamar o sono lúcido. Uma testemunha contemporânea, o médico Alexandre Bertrand , descreve seu método:

Cquote1.svg A pessoa que queria se submeter à sua ação foi colocado em uma cadeira, e prometeu fechar os olhos e meditar; Então, de repente, se soltou em um sono, a voz em forma imperativa, que era geralmente produzida sobre o paciente dava tal impressão para produzir nele uma ligeira agitação do corpo inteiro, calor, sudorese e às vezes, o sonambulismo[138] . Cquote2.svg

Abade Faria, tanto contesta: a teoria do fluido de Mesmer quanto a teoria do Marquês de Puységur no papel decisivo da vontade do terapeuta na introdução do transe magnético [139] . Ele também negava a personalidade do magnetizador qualquer poder efetivo sobre o paciente dizendo ser teorias populares sobre os poderes sobrenaturais[140] . Para ele, o sono lúcido só era liberado pelos poderes ocultos da alma, expressando a forma velada e fragmentária dos sonhos. Descreve Faria que o magnetizador só ajuda o paciente a acessar seus recursos internos. Faria foi ridicularizado na imprensa, especialmente em uma série de cruéis artigos de Victor-Joseph Étienne de Jouy e, em seguida, a partir de 1816 , em um pedaço de Vaudeville por Jules Vernet por título La magnétismomanie[141] . Refutado por psicofluidistas, que não perdoam-lhe a sua rejeição do fluido, e criticado por seus colegas eclesiásticos, que o acusam de se aliar com as forças demoníacas, tendo assim que fechar a sua sala de conferências e retirar-se para um internato para meninas como capelão [142] .

Os imaginacionistas[editar | editar código-fonte]

Os imaginacionistas rejeitavam a ideia de fluidos independentemente de sua origem e não aceitavam também a potencialidade da vontade. Eles deferiam a ideia de que tudo era impulsionado pela imaginação. De 23 de agosto de 1819 a janeiro de 1820 , o médico Alexandre Bertrand , politécnico e futuro colunista científica no jornal Le Globe, da cursos públicos sobre o Mesmerismo. Primeiro, defensor das ideias psicofluidistas, após um período refaz suas teses mudando para a linha de pensamento imaginacionistas[143] . Bertrand entre os demais ouvintes, há um número de médicos que exercem magnetismo no hospital. Aos poucos, inicia-se em relação aos fluidos os vários médicos céticos de renome, Henri-Marie Husson, Léon Rostan , François Broussais , Pierre Fouquier ou Étienne-Jean Georget [144] , assistir às experiências que se alinham-se à causa do magnetismo. Também encontrado entre eles Barão Étienne Félix d'Henin de Cuvillers, editor da revista Archives du magnétisme animal de 1819 , o filósofo Maine de Biran , General François-Joseph Noizet[145]

Controversas científicas[editar | editar código-fonte]

Na França[editar | editar código-fonte]

O historiador Robert Darnton mostrou como a ciência durante os anos subsequentes de 1780 inspirava tal entusiasmo que quase apagou o limite, nunca muito distinto antes do século XIX, que separa a verdadeira ciência da pseudo-ciência[146] . Numa altura em que a capacidade do cientista para explorar as forças da natureza inspira uma admiração quase religiosa, onde:

Cquote1.svg Voltaire torna inteligível a teoria da gravitação de Newton, ou Franklin que aplica as propriedades da energia elétrica para a invenção de pára-raios e onde os Irmãos Montgolfier espantam a Europa, ao levantar um homem no ar, o fluido invisível de Mesmer não parece tão milagroso [147] Cquote2.svg

Se atualmente podemos considerar que o magnetismo animal fez a transição entre a fé do Iluminismo na capacidade da razão para decodificar as leis da natureza e do fascínio do romantismo para o sobrenatural [148] , que Deve ser enfatizado que o conflito entre os magnetistas à instituição médica não coloca cara a cara à luz da razão e da escuridão do oculto, mas diferentes concepções de razão. Aos olhos dos magnetizadores tal Puységur, Deleuze ou Bertrand, a razão não tem o direito de excluir feita em nome de uma ideia pré-determinada do possível e o impossível.Para seus adversários, no entanto, os fenômenos magnéticos contradizem a ordem da natureza e, portanto, perde seu tempo estudando-o[149] .

A comissão de Louis XVI[editar | editar código-fonte]

Em 1784, diante de rumores e alguns casos de cura em lugares altos, Louis XVI nomeou duas comissões para estudar a prática do magnetismo animal[150] :

Os comensais baseiam suas observações no trabalho dos discípulos de Mesmer, o médico Charles Deslon, que, ao contrário de seu mestre, concordou em compartilhar sua experiência com eles. Em seus experimentos, os comissários ver que um paciente está tomando crise na crença equivocada estava mesmerizado, outro paciente é trazido diante de cinco árvores no jardim de Franklin, dos quais apenas um foi magnetizado por Deslon ele desmaiou ao pé de um dos outros quatro. Na casa de Lavoisier, um copo de água normal, produz convulsões em um paciente que, silenciosamente, engolir o conteúdo de um copo de água magnetizada[151] . Em seu relatório officiel[152] , Lavoisier disse que

Cquote1.svg é sobre as coisas que podemos ver ou sentir que é importante para se proteger contra os desvios da imaginação" Cquote2.svg

[153] . O relatório oficial da outra placa faz conclusões muito semelhantes aos de Bailly[154] e Jean Sylvain Bailly também afirma, em um relatório secreto para o rei que:

Cquote1.svg o tratamento magnético só podem ser prejudiciais à moral[155] . Cquote2.svg

Ele ressalta que:

Cquote1.svg o homem que magnetiza mulheres geralmente mantém os joelhos delas confinado aos seus, portanto, em contato. A mão é aplicada à parte doente e por vezes os ovários; tato por isso é tanto aplicado a um número infinito de partes nas imediações das partes mais sensíveis do corpo ... nisso a atração mútua entre os sexos deve estar em pleno vigor[155] . Cquote2.svg

Antoine-Laurent de Jussieu, por sua vez, se recusa a assinar o mesmo documento, ele e seus colegas publicaram um contra-relatório que afirma que "a influência física do homem sobre o homem" com ou sem tocar deve ser Aceita[156] . Deslon publica também uma retórica ao relatório no qual ele criticou os métodos e conclusões dos comissários. Argumentando que

Cquote1.svg se a imaginação medica é a melhor, por que nós não podemos fazer uma medicina imaginativa?[157] . Cquote2.svg

Além disso, os defensores do magnetismo animal defenderam que o conceito “IMAGINAÇÃO” permite aos comissários desqualificar o magnetismo sem ter que correr o risco de definir, investigar mais profundamente ou invocam esta condição, portanto, sem ter que produzir testemunha confiável para a “Definição” [158] . Na sequência da publicação em 24.000 exemplares dos dois relatórios oficiais, a “Faculté de médecine de Paris” (Faculdade de Medicina de Paris) impõe aos seus membros magnetizadores a assinar um ato de renúncia em que se comprometem a garantir que:

Cquote1.svg nenhum médico irá declarar adepto do magnetismo animal nem por seus escritos ou praticando-o[159] Cquote2.svg

.

O relatório de Husson[editar | editar código-fonte]

No início do século XIX, a opinião da academia permanece largamente desfavorável ao magnetismo animal, como evidenciado no panfleto privado publicado em 1812 por Antoine-François Montegre de Jenin, o secretário da Academia de Medicina, no qual ele acusa o magnetismo

Cquote1.svg ser contrária à razão, moralidade e levar os homens a brutalidade[160] Cquote2.svg

E o artigo de Julien-Joseph Virey, publicado no Dicionário de Ciências Médicas em 1818 [161] . Não foi desenvolvido até 1825 quando o médico, Dr. Pierre Foissac, direciona para a Academia de Medicina a defesa, uma revisão da "memória do magnetismo” [162] .

Onde ele afirmava que o sonambulismo magnético é susceptível de abrir novos caminhos para a fisiologia e psicologia. A reunião pública realizada em 20 de janeiro de 1826 para julgar a adequação desta avaliação. Enquanto alguns membros da academia consideravam ainda as conclusões dos oficiais de Louis XVI como válidas. O professor Henri-Marie Husson, médico-chefe do Hospital Hotel Dieu, observou que as teorias adotadas, os meios utilizados e os efeitos obtidos em tratamentos magnéticos mudaram desde os dias de Mesmer[163] . Em 1826, Husson cria uma comissão oficial para se pronunciar sobre o magnetismo animal. A comissão iniciou seus trabalhos em janeiro de 1827 e apresentaram as suas conclusões para a Academia de Ciências, em 21 e 28 de Junho de 1831, reconhecendo que a maioria dos fenômenos magnetismo eram reais. Em particular, o relatório cita a remoção de um tumor feita em 1829 pelo cirurgião Jules Cloquet em sono magnético, durante o qual o paciente não mostra nenhum sinal de dor[164] . O relatório também descreve como Foissac curou através do mesmerismo o paralítico Paul Villagrand considerado incurável tanto pelo doutor François Broussais como por outros médicos[165] . Neste relatório, o que causou um escândalo e não foi publicado pela academia [166] , foi a citação a Comissão onde afirma que:

Cquote1.svg Considerado como um fenômeno fisiológico ou como terapia, o magnetismo deve encontrar o seu lugar no contexto do conhecimento médico [...] a Academia deve incentivar a pesquisa sobre o magnetismo como um ramo muito curioso de psicologia e História Natural[167] . Cquote2.svg

Dubois e sua rejeição dos protocolos experimentais[editar | editar código-fonte]

Em 1833, o médico Frédéric Dubois (d'Amiens) publica um panfleto atacando os magnetizadores e o relatório de Henri-Marie Husson [168] que já havia sido publicado por Foissac . Neste texto, Dubois assimila todos os magnetizadores como charlatães e diz

Cquote1.svg revoltado ao ver a reputação de personagens sérios comprometidos por malabarismo indigno[169] Cquote2.svg

Em 1837, uma comissão chefiada pelo Dubois foi nomeada para estudar os fenômenos magnéticos apresentados pelo médico Dr. Didier Berna. Berna oferece protocolos experimentais que não é aceita pela comissão que relata de forma contrária mesmo sem fundamentação. Além disso, Berna havia exposto aos comissários que se comprometia com a assinatura dos protocolos experimentais em cada reunião, o que foi recusado[170] . O Comitê de Dubois fez meia dúzia de experimentos em dois sonâmbulos [171] e tiraram suas conclusões absolutamente opostas às de Husson. De acordo com o seu relatório, que é lido na Academia de Medicina, em 12 e 17 de agosto de 1837, nenhum dos supostos fenômenos realizados pelos magnetizadores podem ser observados. Apesar dos protestos de Husson e Berna, em 15 de junho de 1842, a Academia de Medicina decide não tomar interesse no magnetismo animal.

Na Europa[editar | editar código-fonte]

Enquanto na França as autoridades científicas quase sempre rejeitaram o magnetismo, a situação foi diferente na Prússia. Em 1812, o governo prussiano nomeou uma comissão de inquérito que publicou em 1816 um relatório favorável ao magnetismo. Posteriormente, as Universidades de Berlim e Bonn criaram as cátedras mesméricas. Entre os mesmeristas alemães incluem os médicos David Ferdinand Koreff, Christoph Wilhelm Hufeland[172] , Karl Alexander Ferdinand Kluge[173] , Karl Christian Wolfart, Karl Schelling, Arthur Lutze, Carl August von Eschenmayer e Justinus Kerner[174] .

Em 1815, o czar Alexander I nomeou uma comissão que concluiu que o magnetismo é um verdadeiro agente, mas só deve ser realizado por médicos instruidos.
No ano de 1817, o rei Frederick VI da Dinamarca publica uma ordem semelhante sobre o mesmo assunto[175] .

O Mesmerismo encontra terreno fértil na Suíça, mais precisamente em Lausanne no ano de 1786, graças ao francês Michel Servan, Procurador Geral do Parlamento de Grenoble. Várias sessões privadas são organizadas sob a sua liderança, apesar do parecer negativo do médico Auguste Tissot [176] . John Bell foi o primeiro a praticar e ensinar o magnetismo animal em Londres nos anos de 1780. Em 1786, as "Memórias da história e ao estabelecimento do magnetismo animal" do Marquês de Puységur surge na velha Londres. Em torno de 1787, o doutor J.B. Mainauduc, aprendiz de Charles Deslon, sai da França e vai ensinar o magnetismo [177] . O interesse no magnetismo é retomado em 1833, seguindo da tradução em Inglês do relatório de Husson e publicado na revista médica The Lancet por J.C. Colquhoun, magnetizador treinado na Alemanha [178] . Em 1837, Jules du Potet de Sennevoy, que conduziu os experimentos para comissão de Husson, "exporta" a prática do magnetismo animal para a Inglaterraque se torna a forma particular de tratamento do médico Inglês John Elliotson [179] .

O último estágio de extrapolação do mesmerismo na Europa se faz com o médico James Esdaile na Índia britânica [180] , um precursor do uso do magnetismo animal na Anestesiologia. Elliotson e demitido do posto de professor no University College de Londres no ano de 1838 sob pressão da Revista Médica. The Lancet, cujo diretor, Thomas Wakley tinha apoiado inicialmente o mesmerismo [181] . O magnetismo é expulso da instituição britânica, mas, ao contrário da França, nenhum decreto oficial vem impedir ou limitar a prática[182] . De 1843 a 1856, Elliotson publica a revista The Zoist dedicada ao magnetismo animais[183] .

Nos Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

Gilbert du Motier Lafayette o Marquês de Lafayette

Em maio de 1784, o Marquês de Lafayette Gilbert Motier de Lafayette escreveu uma carta entusiasmada com o trabalho de Mesmer para George Washington. Lafayette escreveu:

Cquote1.svg Um médico alemão chamado Mesmer, fez a maior descoberta sobre o magnetismo animal, já com alunos formados, incluindo seu humilde servo é chamado um dos mais entusiastas[184] . Cquote2.svg

Esta carta é seguida por uma do próprio Mesmer em 16 de junho, a Washington, cinco meses depois de confirmar que ele se reuniu Lafayette [185] . Este último, desde então, com instrução sobre o magnetismo animal encontrou uma comunidade de “Shaker” [nota 4] e viu uma semelhança entre as práticas de transe destes e as crises mesméricas. Lafayette também participa de rituais de indígenas norte americanos, convencido de que o magnetismo animal é a redescoberta de uma prática antiga e primitiva [186] . Sabemos, contudo, que Benjamin Franklin e Thomas Jefferson foram ambos hostil à prática do magnetismo animal. Jefferson, que temiam uma onda de invasão do mesmerismo em seu país, enviou numerosos panfletos anti-mesmeristas e cópias dos relatórios das comissões para os amigos influentes.

Nos anos 1790, Elisha Perkins, membro fundador da Sociedade de Medicina da Connecticut, faz um uso terapêutico de placas de metal [187] . A prática de Perkins não é bem recebida, assim tanto os médicos apoiadores do magnetismo animal quanto Perkins são excluídos da Sociedade Médica Connecticut[187] .

Entre os que levaram o magnetismo animal para a América do Norte, há também o Sr. Joseph du Commun, dando suas primeiras lições de animais magnetismo em Nova Yorkno ano de 1829 e Charles Poyen Saint Sauveur, que ensina a prática do mesmerismo em Massachusetts em 1834[188] .

Cquote1.svg [Nos Estados Unidos] salvaguardas institucionais, ainda embrionário, não teve como na França o desenvolvimento de mesmerismo[182] . Cquote2.svg

Novas pesquisas[editar | editar código-fonte]

Nos EUA, pesquisas esporádicas sobre magnetismo animal foram realizada no século XX, e os resultados publicados; por exemplo, B. Grad escreveu três artigos relacionados ao assunto entre 1961 e 1976 e Allan Gauld com suas analises atingiu resultados intrigantes[189] .

Desenvolvimento do Mesmerismo[editar | editar código-fonte]

Maria Antonieta

No ano de 1781 mais precisamente em março, Maria Antonieta ordena a Jean-Frédéric Phélypeaux de Maurepas negociar com Mesmer[190] seus conhecimentos e ideais, ofereceram-lhe uma pensão vitalícia de 20.000 Livre tornesas francesas e mais 10.000 Livre tornesas francesas para abrir uma clínica se ele aceitasse a supervisão do governo, o que foi recusado, por não parecer muito generosa a oferta e porque ele se recusava a ser fiscalizado por aqueles que seriam seus alunos. Em 1782, ao ouvir que Charles Deslon tem adquirido clientes para o magnetismo animal, Mesmer reanima e com a ajuda de Bergasse e Kornmann inicia a propagação do Mesmerismo. Para isso criaram a Société de l'Harmonie Universelle(Sociedade da Harmonia Universal), seu objetivo é garantir a sobrevivência e vulgarização da doutrina e combater as ameaças das instituições governamentais e acadêmicas. Em 1785 Bergasse, Kornmann e D'Eprémesnil estando em discordância com os preceitos de Mesmer e condizencia da doutrina são excluídos da Sociedade[191] .No ano de 1785 em junho, Mesmer encontra-se no Hotel de Coigny, a Rua Coq-Heron, tendo a instituição 343.764 livros de acordo com o tesoureiro da Sociedade.Em 1789, com a Revolução Francesa acontecendo ocorre seu desmantelamento, porém antes disso a organização-mãe de Paris continha quatrocentos e trinta membros e sucursais, além de suas sedes em Estrasburgo, Lyon, Bordeaux, Montpellier, Bayonne, Nantes, Grenoble, Dijon, Marseille, Castres, Douai e Nîmes[192] . Neste período o mesmerismo iniciou sua propagação, não ficando circunscrito em território francês[193] , o professor da Universidade de Yale e historiador de medicina, Arturo Castiglioni, comenta que:

Cquote1.svg Da França, o mesmerismo passou para a Inglaterra e chegou ao continente americano. O descrédito do mesmerismo decorreu da proliferação de impostores e charlatães, que se diziam magnetizadores e que usavam os mais diferentes processos para ludibriar os incautos [193] Cquote2.svg
A. Castiglioni

Magnetismo e Hipnotismo[editar | editar código-fonte]

Sonâmbulos e videntes[editar | editar código-fonte]

Outros magnetizadores e pesquisadores se denotam por estudar o fenômeno mesmérico denominado sonambulismo provocado, este é particularmente o caso do médico alemão Justinus Kerner, que fica interessado na famosa sonâmbula de Prevorst Friederike Hauffe, que vivia em permanente estado de transe[194] [195] . De acordo com Kerner, Friederike possuía o dom da segunda vista, fez prescrições de remédios onde médicos falharam, detinha muita sensíbilidade a determinadas substâncias. E mantinha-se quase permanente em contato com os espíritos[182] .

Na França, citamos o caso do clarividente Leonid Pigeaire Montpellier que podia ler através dos corpos opacos. Em particular sabe-se que o físico François Arago, George Sand e Théophile Gautier participaram de experimentos com Leonide em Paris [196] em 1838. Devemos também mencionar a famosa Alexis Didier [197] , que foi notavelmente o maior objeto de experimentos conduzidos pelo professor Inglês Herbert Mayo no ano de 1850[182] .

É neste período que surge o Espiritismo forjado no calor dos conceitos e estruturação mesmérica[198] .

O magnetismo e o espiritismo[editar | editar código-fonte]

O simbolo do Espiritismo

Foi nesse período que o Espiritismo[199] . Allan Kardec ainda definiu o Magnetismo e o Espiritismo como ciências irmãs na Revista Espírita:

Cquote1.svg O espiritismo liga-se ao magnetismo por laços íntimos, considerando-se que essas duas ciências são solidárias entre si. Os espíritos sempre preconizaram o magnetismo, quer como meio de cura, quer como causa primeira de uma porção de coisas; defendem a sua causa e vêm prestar-lhe apoio contra os seus inimigos. Os fenômenos espíritas têm aberto os olhos de muitas pessoas, que, ao mesmo tempo aderem ao magnetismo. Tudo prova, no rápido desenvolvimento do Espiritismo, que logo ele terá direito de cidadania. Enquanto espera, aplaude com todas as suas forças a posição que acaba de conquistar o Magnetismo, como um sinal incontestável do progresso das ideias.[200] Cquote2.svg

Segundo Kardec, o magnetismo haveria preparado o caminho para o espiritismo:

Cquote1.svg O Magnetismo preparou o caminho do Espiritismo, e o rápido progresso desta última doutrina se deve, incontestavelmente, à vulgarização das ideias sobre a primeira. Dos fenômenos magnéticos, do sonambulismo e do êxtase às manifestações espíritas não há mais que um passo; tal é a sua conexão que, por assim dizer, torna-se impossível falar de um sem falar do outro. Se tivéssemos que ficar fora da ciência magnética, nosso quadro seria incompleto e poderíamos ser comparados a um professor de física que se abstivesse de falar da luz. Todavia, como entre nós o magnetismo já possui órgãos especiais justamente acreditados, seria supérfluo insistirmos sobre um assunto que é tratado com tanta superioridade de talento e de experiência; a ele, pois, não nos referiremos senão acessoriamente, mas de maneira suficiente para mostrar as relações íntimas entre essas duas ciências que, a bem da verdade, não passam de uma.[201] Cquote2.svg

Em 1875, o filósofo Inglês Henry Sidgwick começou a estudar cientificamente os médiuns espíritas, inaugurando o atual "ciência psíquica" com a criação da SPR, (Society for Psychical Research)[202] . Alguns anos mais tarde, juntamente com o filósofo William James, estudaram temas como a famosa "medium" Eleonora Piper. Na França, a metapsíquica emerge de 1905, em particular com o trabalho de Charles Richet[203] . Richet, com estudiosos de renome mundial, tais psiquiatra Gilbert Ballet, Edouard Branly, Pierre Curie, Marie Curie, Henri Bergson e Jean Perrin, em 1905 iniciam experimentos com a médium napolitana Eusapia Palladino que se estende até o ano de 1907[204] . Depois de 1910, os estudiosos de psicologia migrados da Alemanha iniciam um bloqueio a ascensão das ciências psicológicas, e, a controlar o conselho de estudiosos depois da morte de William James.

O magnetismo animal e política[editar | editar código-fonte]

Entre os primeiros discípulos de Mesmer, existem muitos dos futuros líderes da Revolução Francesa entre eles o marquês de La Fayette , Jacques Pierre Brissot, Nicolas Bergasse, Adrien Duport, Jean-Louis Carra e Jean-Jacques Duval d'Eprémesnil[205] . Quando Bergasse, Kornmann e D'Eprémesnil são excluídos da "Société de l'Harmonie" em 1785, Mesmer acusa-os de trair a finalidade original do movimento, ou seja, a luta contra "o despotismo das academias", e se estendem essa luta a guerra contra o despotismo político[206] . Como Brissot, se juntou ao grupo no verão de 1785 e tornando-se adepto do magnetismo animal, acusou o governo francês de usar as academias para sufocar as novas verdades da ciência e da filosofia[207] .

Cquote1.svg pelo qual o fluido magnético Mesmer explica a ação magnética afeta todos os homens e manifestar a sua igualdade essencial para além das distinções sociais[208] . Cquote2.svg
Léon Chertok citando: Bergasse e Brissot

Mas, neste momento, é reconhecido apenas aos reis o poder de curar o doente pelo toque. Este poder do rei da França para curar as pessoas que sofriam de escrófula é reconhecida a partir do séc XI[209] e confirmava o direito divino que levava o cargo de monarca. Assim, o magnetismo era em prática uma grande ameaça à ordem política da época[210] . Durante a revolução, o magnetismo animal retorna, dispersos pela emigração e convulsão social, porém não incluso no âmbito do Primeiro Império ou sob a égide da Restauração francesa[211] . Em 1815, a Baronesa Barbara Juliane von Vietinghoff, chegou em Paris com o exército russo rodeado de magnetizadores dentre estes Puységur e Bergasse. Bergasse recebeu muitas vezes a solicitação do czar Alexandre I da Rússia para participar de seu passeio[212] .

O magnetismo animal perante a filosofia[editar | editar código-fonte]

O filósofo Maine de Biran, como seu amigo, o físico André-Marie Ampère[213] , era apaixonado por magnetismo animal. Para entender o sonambulismo , Maine de Biran começa pela definição do sono como

Cquote1.svg a suspensão do esforço e do corpo docente voluntário (que podem deixar no trabalho a capacidade de) sentir ou receber impressões e ser afetado. Cquote2.svg

Distingue as impressões obscuros que nunca acessam a representação real das percepções completas que exigem que eu seja a atividade representativa[214] . Ele sugere que, no estado de sonambulismo, impressões obscuros,

Cquote1.svg uma multidão de impressões nula ou ineficaz no estado ordinário, tornou-se tão sensível, poderia ser usado como sinais ou meios de comunicação entre o magnetizador e o magnetizado[215] . Cquote2.svg

Assim, o que revela o estado de sonambulismo, o impacto de uma vida por trás da qual participamos, por meio da imaginação passiva, a animalidade. A partir desta perspectiva, o estado magnético é

Cquote1.svg ...a revelação do filho com quem são tecidos, muitas vezes sem o nosso conhecimento, todas as relações entre os seres humanos[216] . Cquote2.svg

Em geral, na França, a filosofia acadêmica gradualmente foi ganha pelo racionalismo positivista, sendo aos pouco perdido o interesse pelo magnetismo[217] . Na Alemanha, no entanto, o magnetismo animal é objeto de referências constantes entre maiores pensadores como: Hegel, Schelling, Fichte, Schopenhauer e Gustav Fechner. Georg Wilhelm Friedrich Hegel, que leu Hufeland, Kluge e Schelling fala do magnetismo animal, no início da terceira parte de sua Enciclopédia das Ciências Filosóficas[218] intitulado Filosofia da Mente[219] [220] . Hegel também menciona o magnetismo animal na sua correspondência com o filósofo Friedrich Wilhelm Joseph von Schelling (irmão de Karl Schelling) e seu ex-aluno, o holandês Pieter van Ghert Gabriel. Em uma carta a este último, ele escreveu sobre o magnetismo animal:

Cquote1.svg O efeito parece-me descansar na simpatia uma individualidade animal, pode contrair com o outro, na medida em que a simpatia do último com si mesmo, sua fluidez a si mesmo, é inibida ou parado Cquote2.svg

Para Hegel, embora, do ponto de vista da consciência , o estado magnético está caindo, a perda, o perigo, a fonte de muitos erros, é este o início da consciência da doença, não é a não ser que, por si só, uma bênção, pois renova o "’’alma sensível’’" mergulhando o indivíduo em que se encontra por trás do magnetismo animal, o ser humano recupera um pouco do seu sentimento de vida que ele perdeu com a consciência [221] .

Para Schopenhauer, o magnetismo animal é uma função da vida, tendo sua sede no sistema linfático, que seria o centro da vida inconsciente, tendo o centro da vida psíquica estritamente temporal no sistema cerebral, sendo ele o centro da vida consciente. Ele considerava que o transe sonambúlico era um trabalho realizado por ambos sistemas, normalmente separadas da consciência vigilante e das sensações originais do paciente. Schopenhauer sugere ainda que um processo semelhante ao do paciente inconsciente tem lugar em paralelo com o terapeuta. Para ele, a influência do magnetismo é exercida não apenas como um parente de uma mente com outra, mas também como uma comunicação pessoal, sem contato físico direto, mais sutil, mais indireto, mais velada[222] . Nos suplementos para o quarto livro Mundo como Vontade e Representação, ele fez a conexão entre o amor, a sexualidade , a magia e o relatório-magnetizador, sendo expressões diferentes do mesmo fenômeno universal de simpatia entre os seres vivos[223] .

Em 1836 Schopenhauer dedicou dois textos ao magnetismo animal. O primeiro em Vontade da Natureza (30 páginas), onde lemos:

Cquote1.svg ... No magnetismo animal, vemos imediatamente a ruína dos "principium individuationis" (espaço e tempo) que pertence ao reino da mera aparência. As barreiras que impõe aos indivíduos e entre eles estão quebrados; entre magnetizador e sonâmbulo, o espaço já não é uma separação, a comunidade de pensamentos e a Vontade de movimento são estabelecidas. O estado magnético leva o indivíduo além das condições que fazem parte do fenômeno simples, determinados pelo espaço e o tempo, que são chamados de proximidade e distância, presente e futuro. Cquote2.svg

Em Parerga e Paralipomena (1851), capítulo 5 do primeiro livro (60 páginas) é dedicado a Aparições e a fatos relacionados ao mesmerismo.

O magnetismo animal na arte e na literatura[editar | editar código-fonte]

  • Em 1822 o médico David Ferdinand Koreff, titular na cadeira de magnetismo animal da Universidade de Berlim, contribuiu no desenvolvimento em Paris, da grande popularidade dos Contos de Hoffmann, seu amigo mesmerista, incluindo "O magnetizador" e "A casa Estéril", magnetismo animal desempenha papel imprecindível a obra[224] .
Volumes La comédie humaine, na edição inglesa de 1901
Cosette, por Émile Bayard, ilustração da edição original de 1862 de Os miseráveis
  • O pupilo de Mesmer, Mozart, dá lugar ao magnetismo animal em sua ópera Così fan tutte, referenciando a ajuda de uma pedra de Mesmer: (Ato I, Cena 4:"Aqui está o famoso magneto, pedra de Mesmer, originária da Alemanha, que se tornou famosa na França").[226]
Primeiros compassos de "Così Fan Tutte".
  • O magnetizador John Elliotson era o médico pessoal de Charles Dickens, William Thackeray e Harriet Martineau[227] . Este último, que sofria de uma doença crônica, começou em 1844 seu tratamento com o mesmerismo, obtém a cura incitada pelo magnetizador Spencer T. Hall, inspirando-a a publicar no ano seguinte as suas Lettres sur le mesmérisme ( Cartas sobre mesmerismo ).
  • O tratamento seguido por Harriet Martineau é o objeto de curiosidade de Elizabeth Barrett Browning e de Charlotte Brontë, conduzindo um experimento em si mesma onde escreveu sobre isso para sua irmã Emily em 1851.
  • Em 1919, os militares tchecos utilizaram clarividentes na guerra contra os húngaros, com resultados satisfatórios. Por isso, em 1925, publicaram um manual sobre os fenômenos paranormais para o Exército, intitulado "Clarividência, Hipnose e Magnetismo”, de autoria de Karel Hejbalik.
  • Edgar Allan Poe escreveu em uma de suas curtas histórias sobre experiências estranhas com magnetismo O caso Valdemar (os fatos no caso do senhor Valdemar) e Apocalipse mesmerico.
  • Em 1921 Horst Wolfram Geissler descorre Mesmer como um personagem secundário na novela Der liebe Augustin.
  • Stefan Zweig escreveu uma novela Healing the Spirit: Mesmer, Mary Baker Eddy, Freud (1931).
  • Toni Rothmund descreve a vida de Mesmer em seu romance "Doutor ou charlatão" (1939).
  • Durante a Segunda Guerra Mundial, Bretislav Kafka, na Tchecoslováquia, colocava os seus sonambúlicos em transe magnético para fins de espionagem por clarividência. Stephan Ossowieck utilizou o seu sonambulismo, na resistência polonesa, para observar, por clarividência, a posição das tropas alemãs[228] .
  • No romance filosófico Ilha, publicado em 1962, seu autor Aldous Huxley refere-se ao magnetismo animal.
Poster de Amadeus
  • Em 1984 o magnetismo animal é mencionado pela corte no filme Amadeus
  • Per Olov Enquist desenvolve o personagem principal Friedrich Meisner em seu romance O quinto inverno magnetizador baseado em Franz Anton Mesmer.
  • Em 1994 e lançado o filme sobre a vida de Mesmer Dr. Mesmer e Feiticeiro tendo Alan Rickman como Franz Anton Mesmer
  • Segredos de Cura Alternativa (1994) Mesmer é interpretado por Jay Nickerson.
  • Alissa Walser faz em seu romance de 2010, no início da noite de música o foco central foi o encontro entre Mesmer e Maria Theresa Paradis. Ela retrata a história do ponto de vista do médico Mesmer, a partir da perspectiva do paciente Paradis e do ponto de vista de seus pais. [230] [231] Os pais temem na novela que a filha poderia perder pelo tratamento de Mesmer a sua pensão. [232]
  • A tentativa de curar Maria Theresia por Franz Anton Mesmer é ficção em um conto chamado "Harmony", de Julian Barnes, em sua coleção 2011 de histórias curtas.
  • Mesmerismo é um dos principais temas do romance Lien, L'armata dei sonnambuli |lang=it |trad=L'armata dei sonnambuli escrito por um grupo de escritores italianos, Wu Ming, obra publicada em 2014.
  • No romance O Lair of the White Worm por Bram Stoker , um dos principais vilões é descendente de um discípulo de Mesmer, e tem poderes mesméricos os quais são usado para o mal.
  • O quarto álbum de estúdio da banda de rock System of a Down é chamado de Mezmerize

Magnetismo animal e a ciência moderna[editar | editar código-fonte]

Sensor quântico detecta assinatura magnética do corpo humano[editar | editar código-fonte]

Independentemente de copiosos exames modernos conterem o termo "magnético" em seu nome, a referência é relativa a tecnologia usada para gerar imagens do corpo humano, e não a uma aferência do magnetismo gerado pelo mesmo, no entanto em 2010 pesquisadores norte-americanos e alemães construíram um sensor capaz de registrar a assinatura magnética humana[233] . Este foi o pioneiro dos estudo a ser realizado sobre o magnetismo humano em condições clínicas usando minissensores magnéticos de última geração[233] . Os pesquisadores do Instituto Nacional de Padronização e Tecnologia (NIST) em conjunto com os cientistas do Instituto Nacional de Metrologia da Alemanha que dirigiram a pesquisa divulgaram os resultados na revista científica Applied Physics Letters[233] .

Cquote1.svg O experimento é um marco significativo porque, embora os cientistas saibam há muito tempo que o corpo humano gera seus próprios campos magnéticos, o chamado magnetismo humano, ou magnetismo animal, tem-se restringido a formulações esotéricas, nas quais o desejo de crer de alguns se alia à vontade de fazer seguidores de outros, resultando em práticas sem fundamentação, de cunho religioso.

O avanço da tecnologia dos sensores, que agora estão se tornando capazes de detectar os campos magnéticos do corpo humano com precisão suficiente, pela primeira vez abrem o campo à pesquisa científica rigorosa[233] .

Cquote2.svg
Revista Diário da Saúde

Magnetismo moral[editar | editar código-fonte]

Estudos realizados por pesquisadores do Massachusetts Institute of Technology, também em 2010, denotam que o julgamento moral de uma pessoa pode ser alterado através da manipulação de uma região específica do seu cérebro com um campo magnético[234] . A pesquisa partiu do princípio de que "quando julgamos se uma ação é moralmente certa ou errada, nós nos apoiamos na nossa capacidade de compreender o estado mental da pessoa que a praticou", deste modo, os pesquisadores enfraqueceram a atividade das células do cérebro na região da junção têmporo-parietal [nota 5] , sendo a área que busca entender o estado mental dos outros[234] .

A sagacidade de interpretar intenções foi desordenada e os experimentados se viram forçados a se concentrar mais nas informações para realizarem um melhor julgamento. A pesquisa foi publicada na revista especializada Proceedings of the National Academy of Sciences e explanado pela BBC[234] .

Pesquisas sobre o magnetismo no Brasil[editar | editar código-fonte]

Em 2014 foi relatado nos jornais que:

Cquote1.svg Um estudo desenvolvido recentemente pela USP (Universidade de São Paulo), em conjunto com a Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), comprova que a [...] energia liberada pelas mãos tem o poder de curar QUALQUER TIPO DE MAL ESTAR.[235] . Cquote2.svg

O Jornal da Cidade de Bauru em 13 de julho de 2014 relatou o trabalho desenvolvido pelo professor Francisco Habermann (professor aposentado de nefrologia), a professora Niura Padula e outros integrante do grupo de pesquisadores da Unesp/Botucatu, descrevendo que o passe magnético seria um conhecimento resoluto desde o século XVIII baseado no que a física clássica denota ser as pontas dos dedos que agiriam como para-raios ou como terminais pontiagudos que recebem e transmitem "forças", podendo uma pessoa influenciar a outra simplesmente estendendo as mãos[236] .

Cquote1.svg Este grupo de médicos da Faculdade de Medicina de Botucatu está tomando todo o cuidado metodológico para não ter outra influência a não ser a imposição das mãos ou seja, o uso das pontas[236] . Cquote2.svg
Francisco Habermann

O jornal ainda afirmou que após as escolhas dos voluntários as aplicações de passe vão durar oito semanas e que a professora Padula informou até seu método probativo:

Cquote1.svg Em 20% dos voluntários vamos fazer eletroencefalograma porque queremos saber se esse tipo de tratamento altera as ondas cerebrais. É muito interessante esse trabalho. Queremos um dado mais palpável do indivíduo[236] . Cquote2.svg
Niura Padula

Veja também[editar | editar código-fonte]

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

  1. Ler sobre Mesmer e suas experiências, o livro Mesmer e o Magnetismo animal de Ernest Bersot, Ed. CELD.
  2. A primeira pessoa a citar o termo magnetismo humano foi Allan Kardec
  3. OPHIOGÈNES. sm pl. Termo da antiguidade. Palavra derivada do grego. Designado por este termo uma raça de homens que eram detentores de curas contra cobra, que alegaram ter as mesmas virtudes que foi atribuída à Psylli. O Ophiogènes Chipre foi designado na antiguidade como espécies[41] [42]
  4. A seita dos Shakers tem suas origens das professias dos Camisard de Cevenas perseguido pelos dragões de Louis XIV após a revogação de Édito de Nantes, em 1685. Alguns protestantes, após, desenvolver visões milenaristas do tempo futuro, pensando que o fim do mundo está próximo. Como muitos protestantes franceses, eles foram obrigados a deixar a França caso recusassem a abjurar sua fé e se converterem ao catolicismo. Os "profetas cevenos" então foram exilados na Inglaterra, especialmente em Londres, onde eles são inicialmente bem recebidos entre os protestantes ingleses. O principal profeta cévenol foi Élie Marion. Mas logo sua austeridade radical e seu puritanismo os fizeram se tornar suspeito aos olhos das autoridades.
  5. A junção têmporo-parietal fica localizada na parte acima e atrás do ouvido direito

Referências

  1. Enciclopédia Barsa. [S.l.]: Encyclopaedia Britannica Editores Ltda., 1964. vol. 7.
  2. Fernandes, Rafael Monteiro: Sanchez, Sergio d’Almeida (Janeiro de 2001). O Magnetismo Animal e seus Aspectos ao longo do Desenvolvimento da Biologia e do Magnetismo Universidade de Campinas. Visitado em 06 de agosto de 2014.
  3. a b Alvarado, Carlos S.. Fenômenos psíquicos e o problema mente-corpo: notas históricas sobre uma tradição conceitual negligenciada. Rev. psiquiatr. clín. vol.40 no.4 São Paulo 2013.
  4. Crabtree, Adam, Animal magnetism, Early Hypnotism & Psychical research, 1766-1925, an annotated Bibliography, 1988(em inglês)
  5. Minois, George. História do Ateísmo: Os Descrentes no Mundo Ocidental, das Origens Aos Nossos Dias. São Paulo: UNESP, 2014. 762 p. p. 465, 602. ISBN 978-85-393-0524-7
  6. Frank Podmore. Modern Spiritualism: A History and A Criticism (em inglês). Londres: Methuen, 1902. 380 p. Página visitada em 12 de Abril de 2015.
  7. a b Benjamin Franklin . Inquiring Mind . Mesmer | PBS Public Broadcasting Service (2002). Visitado em 10 de agosto de 2014. "O relatório que a comissão publicou concluiu que não havia evidência científica do magnetismo animal e que as curas atribuídas a isto poderiam ter acontecido por remissão normal do problema ou esta cura era algum tipo de auto ilusão)"
  8. Montesinos, José. Ciencia y Romanticismo (em espanhol). Maspalomas: Fundación Canaria Orotava de Historia de la Ciencia, 2012. Capítulo: Javier Ordónẽz. El Romanticismo Como Programa Científico. La Protoastrofísica. , 372 p. p. 81-105. ISBN 84-607-8175-5 Página visitada em 12 de abril de 2015.
  9. Herr, H.W.. (2005). "Franklin, Lavoisier, and Mesmer: origin of the controlled clinical trial" (em inglês). Urologic Oncology 23 (5): 346-351. Elsevier. DOI:10.1016/j.urolonc.2005.02.003. PMID 16144669. Visitado em 15 de abril de 2015.
  10. A caixa polêmica de Mesmer Superinteressante Editora Abril (abril de 1991). Visitado em 28 de abril de 2015. "Precursor da hipnose, psicoterapia e do tratamento de doenças psicossomáticas foi taxado de charlatão, por causa do uso do magnetismo para curar."
  11. Arthur Schopenhauer. Sobre a vontade da natureza. [S.l.]: L&PM Pocket, 2013. 236 p. pt
  12. Hegel, G.W.F, Enciclopédia das Ciências Filosóficas
  13. Hegel, G.W.F. Fenomenologia do Espirito. Petrópolis: Editora Vozes, 2002. 2ª ed.
  14. Mesmer, Franz Anton, Aphorismes do M. Mesmer, A Paris- 1785
  15. Dicionário Larousse - Verbete "magnétisme animal". Visitado em 06 de agosto de 2014.
  16. a b c d e Hector Durville, Teoria e procedimentos do Magnetismo Animal, Rio de Janeiro, ed. Léon Denis, 2012 ISBN 978-85-7297-510-0
  17. Jagot, Paul Clément. Iniciação a arte de curar pelo Magnetismo Humano - 2ª Edição. [S.l.]: Pensamento, 1995. 104 p. (em português) (traduzido do francês)
  18. Bouvier, Alphonse. Magnetismo Curativo - 3ª Edição. [S.l.]: FEB, 1942. (em português) (traduzido do francês)
  19. Thurnbull, V. Curso de magnetismo pessoal. [S.l.]: Pensamento, 1937. 171 p. (em português) (traduzido do inglês)
  20. Montiel, Luis. La primera "rebelión del sujeto". La medicina magnética del romanticismo alemán academia.edu. Visitado em 2015-07-22 01:26:48.
  21. Revista Ciência Hoje (setembro de 1999). Biomagnetismo CBPF (Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas). Visitado em 2015-07-22 01:43:28.
  22. Medicina Chinesa, história Visitado em 12 de março de 2015
  23. Hye-Lim Park, Hun-Soo Lee, Byung-Cheul Shin, et al., “Traditional Medicine in China, Korea, and Japan: A Brief Introduction and Comparison,” Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine, vol. 2012, Article ID 429103, 9 pages, 2012. doi:10.1155/2012/429103
  24. Chen, Fang-Pey et al. “Use Frequency of Traditional Chinese Medicine in Taiwan.” BMC Health Services Research 7 (2007): 26. PMC. Web. 10 Dec. 2014.
  25. Zheng ZY, et al. Zhongguo yi xue shi [The History of Chinese medicine].Shanghai, Shanghai Science and Technology Press, 1984. apud: World Health Organization. Benchmarks for training in traditional /complementary and alternative medicine: benchmarks for training in traditional Chinese medicine. Switzerland, WHO Press, 2010 ISBN 978 92 4 159963 4 PDF Acesso Dez. 2014
  26. Chonghuo, Tian. Tratado de Medicina Chinesa. SP, Roca, 1993
  27. Livro dos 4 Institutos – Escola de Medicina Tradicional Chinesa de Beijing; Escola de Medicina Tradicional Chinesa de Shanghai; Escola de Medicina Tradicional Chinesa de Nanjig; Academia de Medicina Tradicional Chinesa. Fundamentos essenciais da acupuntura chinesa. SP, Ed. Ícone, 1995
  28. João Pedro Mendes. Da magia na antiguidade Universidade de Coimbra. Visitado em 28/01/2015.
  29. a b c d e f Gabriel Dellane,O Espiritismo perante a ciência,2.ed.,p.83-87
  30. http://sites.google.com/site/southatlanticanomalysaa/Amas_magnetismo_animal_PY5AAL.pdf UNICAMP]]
  31. O Magnetismo Animal e seus Aspectos ao longo do Desenvolvimento da Biologia e do Magnetismo Universidade de Campinas. Visitado em 06 de agosto de 2014.
  32. Edouard Fournier, Le vieux neuf ed. Jornals Siècle
  33. Allan Kardec, Revista Espírita ed. FEB - Abril de 1858
  34. Sociedade de Divulgação Auta de Souza, Corrente Magnética ed. Auta de Souza, 2012
  35. Hipócrates, apud, De’Carli, 1998, p. 55
  36. HEAVTONTI MORVMENOS:CVRATIONIS MAGNETIAE & VNGVENTI ARMARII RVINA -Rodolpho Goclenius - 1618
  37. Samuel Hahnemann, Organon da Arte de curar - 5ª edição item 239
  38. (Hipócrates, apud, De’Carli, 1998, p. 55
  39. Dicionário Koogan Larousse
  40. ophiogènes. Google livros Online. Google livros, 2015. Web, 2015. Disponível em: <Google livros:ophiogènes>. Acesso em: 31 de janeiro de 2015
  41. Dictionnaire de L'Académie Française 4e édition anne (1762)
  42. Ophiogènes Chipre. Dictionnaire vivant de la langue française Online. Dictionnaire vivant de la langue française, 2015. Web, 2015. Disponível em: <DVLF>. Acesso em: 31 de janeiro de 2015
  43. Plínio, o Velho Wikisource-logo.svg Naturalis Historiae no Wikisource em latim.
  44. Hector Durville, Teoria e procedimentos do Magnetismo Animal, Rio de Janeiro, ed. Léon Denis, 2012 ISBN 978-85-7297-510-0
  45. http://www.muslimphilosophy.com/sina/art/er-art-is.pdf
  46. Saïd Hammoud, « Magnétisme » in Jean Servier, Dictionnaire critique de l'ésotérisme, PUF, 1998.
  47. Bertrand Méheust, Sommnambulisme et Médiumnité, 1999, p. 335.
  48. Robert Darnton, La fin des lumières. Le mesmérisme et la révolution, 1968, p. 25
  49. Bertrand Méheust, Sommnambulisme et Médiumnité, 1999, p. 339.
  50. Bertrand Méheust, Sommnambulisme et Médiumnité, 1999, p. 339.
  51. Alfred Binet et Charles Féré, Le Magnétisme Animal, 1887.
  52. Rudolph Glocenius, Tractatus de magnetica curatione vulnerum, Marbourg, 1609.
  53. Jan Baptist van Helmont, De magnetica vulnerum naturali et legitima curatione (Le traitement magnétique des plaies), 1621.
  54. Bertrand Méheust, Sommnambulisme et Médiumnité, 1999, p. 339.
  55. Athanasius Kircher, Magnes sive de arte magnetica opus tripartum, Rome, 1643.
  56. William Maxwell, De Medicina Magnetica, 1679.
  57. Ferdinand Santanelli, Geheime Philosophie oder magish-magnetische Heilkunde, 1723.
  58. a b c Barão Jules de Du Potet Sennevoy – Manual do Estudante Magnetizador, 2012 - 3a ed: ed Sociedade de Estudos Espíritas. 205p
  59. Mesmerismus oder System der Wechselwirkungen: Theorie und Anwendung des thierischen Magnetismus als die allgemeine Heilkunde zur Erhaltung des Menschen
  60. Isabelle Stengers, L'hypnose entre magie et science, Les Empêcheurs de penser en rond, 2002.
  61. Isabelle Stengers, A hipnose, entre a magia e ciência, 2002, p. 28.
  62. « Magnétisme animal: propriété occulte », Petit Larousse illustré, Montréal, 2000, p. 614
  63. Hector Durville, « Teoria e procedimentos do Magnetismo Animal», 2012: ed Léon Denis
  64. Jean-Michel Oughourlian, « L'hypnose, révélation du rapport interindividuel » in Résurgence de l'hypnose, 1984.
  65. MELO, Jacob, Curso em transparência, jacobmelo.com, 2012, Visitado em 20/05/2015.
  66. Paulo Henrique de Figueiredo, Mesmer, a ciência negada e os textos escondidos, ed. Lachâtre, 2004
  67. a b Mesmer, Franz Anton, [http://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k754748.r=mesmer.langPT Mémoire de F. A. Mesmer, douteur en medicine, sur ses découvertes (Nouvelle édition) / avec des notes de J. L. Picher Grand-champ, Ed. P. Maumus (Paris), 1826, Visitado em 20/05/2015.
  68. ”Franz Anton Mesmer, Mémoire sur la découverte du magnétisme animal, 1779 ISBN 2844852262
  69. Henri F. Ellenberger, À la découverte de l'inconscient, SIMEP, 1974.
  70. Franz Anton Mesmer, Mémoire sur la découverte du magnétisme animal, 1779
  71. Thomas Szasz, "O Mito da Psicoterapia" (Anchor Imprensa / Doubleday, 1978), páginas 54-58
  72. Maurice Colinon, « Place Vendôme », Guide de Paris mystérieux, Paris, Éditions Tchou, 2001, ISBN 271070322X.
  73. “Franz Anton Mesmer, Mémoire sur la découverte du magnétisme animal, 1779 ISBN 2844852262
  74. Robert Darnton, La fin des lumières. Le magnétisme et la révolution, 1968, p. 54.
  75. Mémoire sur la découverte du magnétisme animal, 1779 ISBN 2844852262
  76. ”Franz Anton Mesmer, Mémoire sur la découverte du magnétisme animal, 1779 ISBN 2844852262
  77. Hector Durville, Teoria e procedimentos do Magnetismo Animal, Rio de Janeiro, ed. Léon Denis, 2012 ISBN 978-85-7297-510-0
  78. a b (Spanos, Gottlieb 1979, p. 530).
  79. Antoine-François Delandine, De la Philosophie corpusculaire, ou des connaissances et des procédés magnétiques chez les divers peuples, Paris, 1785
  80. Robert Darnton, La fin des lumières. Le magnétisme et la révolution, 1968, p. 55.
  81. Valter da Rosa Borges,’’’ Manual de Parapsicologia’’’ Edição do Instituto Pernambucano de Pesquisas Psicobiofísicas - Recife - Pernambuco - Brasil. 1992.
  82. a b c Alfred Binet et Charles Féré, Le Magnétisme Animal, 1887, p. 6.
  83. Alfred Binet et Charles Féré, Le Magnétisme Animal, 1887, p. 7.
  84. Rapport des commissaires chargés par le roi de l'examen du magnétisme animal, Paris, 1784.
  85. Armand Marie Jacques de Chastenet de Puységur, Mémoires pour servir à l'histoire et à l'établissement du magnétisme animal, 1784, ISBN 2911416805
  86. Robert Darnton, La fin des Lumières. Le mesmérisme et la révolution, 1968, p. 18.
  87. Hector Durville, Teoria e procedimentos do Magnetismo Animal, Rio de Janeiro, ed. Léon Denis, 2012 ISBN 978-85-7297-510-0
  88. Robert Darnton, La fin des Lumières. Le mesmérisme et la révolution, 1968, p. 19.
  89. Hector Durville, Teoria e procedimentos do Magnetismo Animal, Rio de Janeiro, ed. Léon Denis, 2012 ISBN 978-85-7297-510-0
  90. Charles Deslon, Observations sur le Magnétisme Animal, 1780
  91. Robert Darnton, La fin des Lumières. Le mesmérisme et la révolution, 1968, p. 77.
  92. Bertrand Méheust, Sommnambulisme et Médiumnité, 1999.
  93. Universidade Federal de Juiz de ForaVisitado em 15/01/2015-04:25
  94. Bergé, 1995, p=21.
  95. Allan Kardec, O Livro dos Espíritos,ed: FEB, Departamento Editorial e Gráfico - Rua Souza Valente, 17 20941-040 – Rio de Janeiro-RJ – Brasil
  96. Allan Kardec,O Livro dos Médiuns, ed: FEB, Departamento Editorial e Gráfico - Rua Souza Valente, 17 20941-040 – Rio de Janeiro-RJ – Brasil
  97. Allan Kardec, O Evangelho segundo o Espíritismo, ed: FEB, Departamento Editorial e Gráfico - Rua Souza Valente, 17 20941-040 – Rio de Janeiro-RJ – Brasil
  98. Allan Kardec, A Gênese, ed: FEB, Departamento Editorial e Gráfico - Rua Souza Valente, 17 20941-040 – Rio de Janeiro-RJ – Brasil
  99. Allan Kardec, Céu e Inferno, ed: FEB, Departamento Editorial e Gráfico - Rua Souza Valente, 17 20941-040 – Rio de Janeiro-RJ – Brasil
  100. Allan Kardec, O que é o Espíritismo?, ed: FEB, Departamento Editorial e Gráfico - Rua Souza Valente, 17 20941-040 – Rio de Janeiro-RJ – Brasil
  101. Allan Kardec, Revista Espírita Volume I, ed: FEB, Departamento Editorial e Gráfico - Rua Souza Valente, 17 20941-040 – Rio de Janeiro-RJ – Brasil
  102. Allan Kardec, Revista Espírita Volume II, ed: FEB, Departamento Editorial e Gráfico - Rua Souza Valente, 17 20941-040 – Rio de Janeiro-RJ – Brasil
  103. Allan Kardec, Revista Espírita Volume III, ed: FEB, Departamento Editorial e Gráfico - Rua Souza Valente, 17 20941-040 – Rio de Janeiro-RJ – Brasil
  104. Allan Kardec, Revista Espírita Volume IV, ed: FEB, Departamento Editorial e Gráfico - Rua Souza Valente, 17 20941-040 – Rio de Janeiro-RJ – Brasil
  105. Allan Kardec, Revista Espírita Volume V, ed: FEB, Departamento Editorial e Gráfico - Rua Souza Valente, 17 20941-040 – Rio de Janeiro-RJ – Brasil
  106. Allan Kardec, Revista Espírita Volume VI, ed: FEB, Departamento Editorial e Gráfico - Rua Souza Valente, 17 20941-040 – Rio de Janeiro-RJ – Brasil
  107. Allan Kardec, Revista Espírita Volume VII, ed: FEB, Departamento Editorial e Gráfico - Rua Souza Valente, 17 20941-040 – Rio de Janeiro-RJ – Brasil
  108. Allan Kardec, Revista Espírita Volume VIII, ed: FEB, Departamento Editorial e Gráfico - Rua Souza Valente, 17 20941-040 – Rio de Janeiro-RJ – Brasil
  109. Allan Kardec, Revista Espírita Volume IX, ed: FEB, Departamento Editorial e Gráfico - Rua Souza Valente, 17 20941-040 – Rio de Janeiro-RJ – Brasil
  110. Allan Kardec, Revista Espírita Volume X, ed: FEB, Departamento Editorial e Gráfico - Rua Souza Valente, 17 20941-040 – Rio de Janeiro-RJ – Brasil
  111. Allan Kardec, Revista Espírita Volume XI, ed: FEB, Departamento Editorial e Gráfico - Rua Souza Valente, 17 20941-040 – Rio de Janeiro-RJ – Brasil
  112. Allan Kardec, Revista Espírita Volume XII, ed: FEB, Departamento Editorial e Gráfico - Rua Souza Valente, 17 20941-040 – Rio de Janeiro-RJ – Brasil
  113. a b c Bertrand Méheust, Somnambulisme et Médiumnité, 1999, p. 14.
  114. Hector Durville, Teoria e procedimentos do Magnetismo Animal, Rio de Janeiro, ed. Léon Denis, 2012 ISBN 978-85-7297-510-0
  115. Amand Marie Jacques de Chastenet de Puységur, Recherches, expériences et observations physiologiques sur l'homme dans l'état du somnambulisme naturel, et dans le somnambulisme provoqué par l'acte magnétique, 1811.
  116. (Spanos, Gottlieb 1979, p. 529).
  117. Robert Darnton, La fin des lumières. Le mesmérisme et la révolution., 1968, p. 60.
  118. Didier Michaux, A emergência da fenomenologia hipnótica do séc XVIII, 1991.
  119. Didier Michaux, L'émergence de la phénoménologie hypnotique au XVIIIª siècle, 1991.
  120. Didier Michaux, L'émergence de la phénoménologie hypnotique au XVIIIª siècle, 1991.
  121. M. Cloquet, Lettre de M. Cloquet, receveur de gabelle à Soissons, 1784.
  122. Jean-Pierre Peter, Puységur et l'enfant fou ou la raison originelle, in Marquis de Puységur, un somnambule désordonné, p. 9-88, Les Empêcheurs de penser en rond, Synthélabo, 1999
  123. Georges Lapassade, ‘’Les somnambules de Buzancy’’, 1986
  124. Bertrand Méheust, Somnambulisme et médiumnité, Les Empêcheurs de penser en rond, 1999, p. 84
  125. Alfred Binet et Charles Féré, Le Magnétisme Animal, 1887, p. 21.
  126. Alfred Binet et Charles Féré, Le Magnétisme Animal, 1887, p. 21.
  127. Bertrand Méheust, Somnambulisme et médiumnité, Les Empêcheurs de penser en rond, 1999, p. 307
  128. Bertrand Méheust, Somnambulisme et médiumnité, Les Empêcheurs de penser en rond, 1999, p. 355
  129. Abbé Fustier, Le Mystère des Magnétiseurs et des Somnambules dévoilé aux âmes droites et vertueuses par un homme du monde, Paris, 1815
  130. Bertrand Méheust, Somnambulisme et médiumnité, Les Empêcheurs de penser en rond, 1999, p. 354
  131. Joseph Louis Charpignon, Physiologie, médecine et métaphysique du magnétisme, Paris, Baillière, 1848
  132. Berge, Christine. The Beyond e Lyon. [S.l.]: Albin Michel, 1995. CB
  133. Robert Darnton, La fin des lumières. Le mesmérisme et la révolution, 1968, p. 70.
  134. Bertrand Méheust, Somnambulisme et Médiumnité, 1999, p. 137.
  135. Nicole Edelman, Voyantes, guérisseurs et visionnaires en France, 1785-1914, 1995.
  136. Louis Alphonse Cahagnet, Magnétisme : Encyclopédie magnétique spiritualiste, traitant spécialement des faits psychologiques, magie magnétique, swedenborgianisme, nécromantie, magie céleste, etc., Argenteuil, 1855
  137. Henry Delaage, Le monde occulte ou les mystères du magnétisme dévoilés par le somnambulisme, Paris, Lesigne, 1851
  138. Alexandre Bertrand, Du magnétisme en France et des jugements qu'en ont porté les sociétés savantes, Paris, Baillière, 1826, p. 247.
  139. Franklin Rausky, « Une énigme dans le rapport hypnotique : la personnalité de l'hypnotiseur » in Résurgence de l'hypnose, 1984, p. 208.
  140. Franklin Rausky, « Une énigme dans le rapport hypnotique : la personnalité de l'hypnotiseur » in Résurgence de l'hypnose, 1984, p. 207.
  141. Daniel Gelasio Dalgado, Mémoire sur la vie de l'abbé de Faria, Paris, 1906
  142. Louis Figuier, Histoire du merveilleux dans les temps modernes, Paris, 1861, tome 4, p. 303.
  143. Bertrand Méheust, Sommnambulisme et Médiumnité, 1999, p. 358.
  144. Étienne-Jean Georget, De la physiologie du système nerveux, et spécialement du cerveau, Paris, 1821.
  145. Noizet, François-Joseph, Mémoire sur le somnambulisme et le magnétisme animal adressé en 1820 à l'Académie royale de Berlin, Paris, Plon, 1854
  146. Robert Darnton, La fin des lumières. Le mesmérisme et la révolution, 1968, p. 39.
  147. Robert Darnton, La fin des lumières. Le mesmérisme et la révolution, 1968, p. 21.
  148. Robert Darnton, La fin des Lumières. Le mesmérisme et la révolution, 1968, p. 44 & 138.
  149. Robert Darnton, La fin des Lumières. Le mesmérisme et la révolution, 1968, p. 50 & 138.
  150. Léon Chertok et Isabelle Stengers, Le cœur et la raison, 1989.
  151. Robert Darnton, La fin des lumières. Le mesmérisme et la révolution., 1968, p. 65.
  152. Jean-Sylvain Bailly, Rapport des commissaires chargés par le roi de l'examen du magnétisme animal, Paris, Moutard, 1784.
  153. Antoine Lavoisier, Traité élémentaire de Chimie, 1789
  154. Rapport des commissaires de la Société Royale de Médecine nommés par le roi pour faire l'examen du magnétisme animal, Paris, 1784.
  155. a b Jean-Sylvain Bailly, Rapport secret présenté au ministre et signé par la commission précédente, Paris, 1784.
  156. Antoine Laurent de Jussieu, Rapport de l'un des commissaires chargés par le roi de l'examen du magnétisme animal, Paris, 1784.
  157. Isabelle Stengers, L'hypnose entre magie et science, p. 62.
  158. Isabelle Stengers, L'hypnose entre magie et science, p. 62.
  159. Jules Du Potet de Sennevoy, Cours de magnétisme en sept leçons, 1840.
  160. Antoine-François Montegre de Jenin, Du magnetismo e seus seguidores "," Paris, D. Colas de 1812 {{p | 19-20}.}
  161. Julien-Joseph Virey, "exame parcial da medicina magnética, sua doutrina, seus processos e suas curas Dicionário de Ciências Médicas Vol. 29, 1818 . 554
  162. Pierre Foissac, Memória sobre o magnetismo animal, dirigida aos ilustres membros da Academia de Ciências e da Academia Real de Medicina, Paris, 1825.
  163. Alexandre Bertrand, Du magnétisme en France et des jugements qu'en ont porté les sociétés savantes, Paris, Baillière, 1826, p. 287.
  164. “remoção de um câncer de mama durante um sono magnético”, Archives générales de Médecine, tome XX, mai 1829, p. 131.
  165. Rapport sur les expériences magnétiques faites par la commission de l'Académie royale de Médecine, lu dans les séances des 21 et 28 juin 1831, Paris, 1831 p. 53.
  166. Jules Dupotet de Sennevoy, Le magnétisme opposé à la médecine, Paris, 1840.
  167. Alfred Binet e Charles Fere, Animal Magnetism 'de 1887 .. 27
  168. Evrard, Renaud, (em francês) « Dubois d'Amiens et Broch de Nice: Fonctions du sceptique », 2007 lien en ligne.
  169. Dubois, Frédéric, (em francês) Examen historique et résumé des expériences prétendues magnétiques faites par la commission de l'Académie Royale de Médecine, Paris, 1833, p. 5.
  170. Berna , Didier, (em francês)Magnétisme animal. Examen et réfutation du rapport fait par Monsieur EF Dubois (d'Amiens) à l'académie royale de médecine le 8 août 1837, sur le magnétisme animal, Paris, Rouvier, 1838, p. 52.
  171. Jean-Baptiste Loubert, (em francês)Le Magnétisme et le somnambulisme devant les corps savants, la cour de Rome et les théologiens…, Paris, Baillière, 1844.
  172. (em alemão), Hufeland, Christoph Wilhelm, Ueber Sympathie, 1811.
  173. , Karl Alexander Ferdinand Kluge, Versuch einer Darstellung des Animalischen Magnetismus als Heilmittel, 1811.
  174. (em alemão) Justinus Kerner, Erinnerungen an Franz Anton Mesmer, 1856.
  175. Méheust, Bertrand, Somnambulisme et Médiumnité, 1999 p. 355.
  176. Morren, Pierre; Polier, Jean Henri, La vie lausannoise au séc XVIII. d'après Jean Henri Polier de Vernand, Lieutenant Baillival, Genebra, Ed. Labor et Fides, 1970 p. 279-281
  177. (em inglês) Waterfield, Robin A., Hidden Depths. The Story of Hypnosis, Routledge, 2003, p. 157.
  178. (em inglês) Colquhoun, J.C., " Amimal Magnetism " , The Lancet, vol. 20, no. 506, 1833, p. 205-218.
  179. (em inglês), Elliotson, John, Surgical operations in the mesmeric state without pain, 1843.
  180. Esdaile, James, Mesmerism in India and its practical applications in surgery and medecine, 1846.
  181. (em inglês) Winter, Alison, Mesmerized: Powers of Mind in Victorian Britain, Chicago, University of Chicago Press, 1998
  182. a b c d Méheust 2005
  183. (em inglês) Rosen, J., Mesmerism and Surgery : A strange chapter in the history of anesthesia, 1946.
  184. Mémoires, Correspondance et Manuscrits du général Lafayette publiés par sa famille, Londres, 1837.
  185. (em inglês), Robin A. Waterfield, Hidden Depths. The Story of Hypnosis, Routledge, 2003, p. 132.
  186. (em inglês) Waterfield, Robin A., Hidden Depths. The Story of Hypnosis, Routledge, 2003, p. 133.
  187. a b (em inglês) J.D. Herholdt, Experiments with the Metallic Tractors, 1799.
  188. (em inglês) Robin A. Waterfield, Hidden Depths. The Story of Hypnosis, Routledge, 2003, p. 135.
  189. Gauld, p.245
  190. Robert Darnton, La fin des lumières. Le mesmérisme et la révolution, 1968, p. 57.
  191. Robert Darnton, La fin des Lumières. Le mesmérisme et la révolution, 1968, p. 74.
  192. Robert Darnton, La fin des Lumières. Le mesmérisme et la révolution, 1968, p. 57.
  193. a b Castiglioni, A. História da Medicina. São Paulo, Cia. Editora Nacional, 1947.
  194. Kerner , Justinus, La voyante de Prevorst, 1829.
  195. Kerner , Justinus, A vidente de Prevorst, 1979. O Clarim
  196. Méheust, Bertrand, (em francês), Une histoire des sciences psychiques, 1999.
  197. Méheust, Bertrand,(em francês), Un voyant prodigieux – Alexis Didier, 1826-1886, Les Empêcheurs de penser en rond, 2003.
  198. MELO, Jacob, Decodificando verdades destorcidas, Ed Vida e Saber, 2013
  199. Allan Kardec, Livre des esprits , 1857.
  200. Revista Espírita – Ano 1, 1858, pág. 421
  201. Revista Espírita – Ano 1, 1858, pág. 149
  202. Méheust, Bertrand, (em francês), Somnambulisme et médiumnité, Les Empêcheurs de penser en rond, 1999.
  203. LOEFFLER, Carlos Friedrich, Fundamentação da ciência espírita, Ed. Lachâtre, 2003 ISBN 858887718
  204. Courtier, Jules, (em francês), Rapport sur les séances d'Eusapia Palladino à l'institut général psychologique, 1908.
  205. Robert Darnton, La fin des lumières. Le mesmérisme et la révolution, 1968, p. 49.
  206. Robert Darnton, La fin des lumières. Le mesmérisme et la révolution, 1968, p. 81.
  207. Jacques Pierre Brissot, Mémoires (1754-1795), Claude Perroud, Paris, 1910.
  208. Chertok, Léon, La Suggestion, 1991.
  209. Marc Bloch, Les Rois thaumaturges : étude sur le caractère surnaturel attribué à la puissance royale particulièrement en France et en Angleterre, 1924.
  210. Chertok et Stengers, 1989,LCELR.
  211. Robert Darnton, La fin des lumières. Le mesmérisme et la révolution, 1968, p. 146.
  212. Louis Bergasse, Un défenseur des principes traditionnels sous la révolution. Nicolas Bergasse, Paris, 1910, p. 257.
  213. Bertrand Méheust, Somnambulisme et Médiumnité, 1999, p. 199
  214. François Roustang, Influence, Minuit, 1990 p. 71.
  215. Maine de Biran, Nouvelles considérations sur le sommeil, les songes et le somnambulisme.
  216. François Roustang, Influence, Minuit, 1990, p. 75.
  217. Léon Chertok, Résurgence de l'hypnose. Une bataille de deux cents ans, Desclée de Brouwer, 1984 p. 19.
  218. Bobbio, Norberto. Estudos sobre Hegel. São Paulo: Editora Brasiliense, 1991.
  219. Hegel, G.W.F. Fenomenologia do Espirito. Petrópolis: Editora Vozes, 2002. 2ª ed.
  220. Kojève, Alexandre. Introdução à leitura de Hegel. Rio de Janeiro: Contraponto – EDUERJ, 2002
  221. François Roustang, Le magnétisme animal, 2005.
  222. Franklin Rausky, « Une énigme dans le rapport hypnotique : la personnalité de l'hypnotiseur », in Léon Chertok, Résurgence de l'hypnose, 1984, p. 209-212.
  223. Franklin Rausky, Du rapport hypnotique à la relation analytique dans l'histoire des idées, 1987
  224. Robert Darnton, La fin des lumières. Le mesmérisme et la révolution, 1968, p. 161.
  225. (em inglês) Armine Kotin Mortimer, « Balzac and Poe: Realizing Magnetism », Dalhousie French Studies, Summer 2003, numéro 63, páginas, 22-30.
  226. Vieira, Cássio Leite, Ciência Hoje/ RJQuímica cantada Visitado em 06/03/2015
  227. Alex Owen, The darkened room: women, power, and spiritualism in late Victorian England, University of Chicago Press, 2004, 314 p. (ISBN 9780226642055)(em inglês)
  228. Bretislav Kafka, Nove Zaklady Experimentální Parapsychologie, 1946
  229. Animal MagnetismJango Visitado em 06/03/2015
  230. Roland Mischke: Das Leiden eines Wunderkindes. In: Hamburger Abendblatt vom 22. Januar 2010, S. 7.
  231. Alissa Walser: Im Anfang war die Nacht Musik. Piper, München 2010.
  232. Dagmar Jestrzemski: Diffamiert als Quacksalber. Porträt des Franz Mesmer. In: Preußische Allgemeine Zeitung vom 15. Mai 2010, S. 22.
  233. a b c d Redação do Diário da Saúde (15 de outubro de 2010). Sensor quântico detecta assinatura magnética do coração humano Diário da Saúde. Visitado em 08 de Julho de 2015.
  234. a b c Redação do Diário da Saúde (10 de Abril de 2010). Magnetismo moral Diário da Saúde. Visitado em 08 de Julho de 2015.
  235. Iramaia Regina Amoretti (13/03/2014). USP confirma eficácia do Passe Magnético Jornal O Rebate. Visitado em 17/03/2015.
  236. a b c Cornélio, Rita de Cássia, Estudo é baseado na física clássica no poder que uma pessoa pode influenciar na outra simplesmente estendendo as mãos e as pontas dos dedos, 13 de julho de 2014, Jornal da Cidade de Bauru, Visitado em 01/04/2015

Bibliografias[editar | editar código-fonte]

Bibliografias em Português (Nacional ou traduzida)[editar | editar código-fonte]

Bibliografias Internacionais[editar | editar código-fonte]

Antes da Revolução Francesa[editar | editar código-fonte]

  • (em francês) Franz Mesmer, Sobre a influência dos planetas sobre o corpo humano '‘, 1766
  • (em francês) Franz Anton Mesmer, Memória sobre a descoberta do magnetismo animal '‘, 1779 Wikisource-logo.svgEdição Digital disponível em sur wikisource. Há também uma edição impressa em Allia de 2006 ( ISBN 2844852262 ) .
  • (em francês) Charles Deslon , Observações sobre Magnetismo Animal , 1780
  • (em francês) Franz Anton Mesmer, fatos históricos precisos sobre o magnetismo anima l, 1781
  • (em francês) Armand Marie Jacques de Chastenet de Puységur, Memórias da história e criação de magnetismo animal , 1784 ( ISBN 2911416805 )
  • (em francês) Jean Sylvain Bailly, Relatório de Comissários pelo rei do exame do magnetismo animal , Paris, Moutard 1784
  • (em francês) Jean-Sylvain Bailly, relatório secreto ao ministro e assinado pela comissão anterior , Paris, 1784
  • (em francês) Relatório de Comissários da Royal Society of Medicine, nomeados pelo rei para o exame do magnetismo animal '‘, Paris, 1784
  • (em francês) Antoine Laurent de Jussieu, Relatório de um dos comissários junto ao rei do exame do magnetismo anima l , Paris, 1784
  • (em francês) Nicolas Bergasse , Considerações Magnetismo Animal de 1784
  • (em francês) Pai Petiot, Outras reflexões sobre o magnetismo animal, uma província de acadêmico , Bruxelas, 1784
  • (em francês) Michel Thouret, Pesquisa e dúvidas sobre o magnetismo animal , Paris, 1784
  • (em francês) Nicolas de Condorcet , Razões que me impediram até agora a acreditar em magnetismo animal em 1785 (nunca publicado - na Biblioteca do Instituto de França)
  • (em francês) A A Tardy de Montravel, Ensaio sobre a teoria de sonambulismo magnético , Londres, 1785
  • (em francês) Jacques Pierre Brissot, uma palavra no ouvido de acadêmicos de Paris de 1785
  • (em francês) Jean-Louis Carra, exame físico do magnetismo animal , Londres, 1785
  • (em francês) Antoine-François Delandine , a partir da filosofia corpuscular, ou conhecimento e processos magnéticos de diferentes povos , Paris, 1785
  • (em francês) Conde de Lutzebourg, jornais extrair um hipnotizador ligado à Sociedade de Amigos reuniu-se em Estrasburgo, com observações sobre crises magnéticos, conhecidos sob o nome Sleepwalking , Estrasburgo, 1786
  • (em francês) Charles de Villers, os amantes do magnetizador de 1787 (repr. por François Azouvi, precedido de a polêmica do magnetismo animal e acompanhamento de documentos sobre a história do hipnotismo , Librairie Philosophique Vrin, 2007) ( ISBN 2711618382 )
  • (em francês) Pététin desejado, Memória sobre a descoberta de fenômenos apresentados catalepsia e sonambulismo de 1787

No XIXº século[editar | editar código-fonte]

  • (em francês) Armand Marie Jacques de Chastenet de Puységur, do magnetismo animal considerado em lidar com vários ramos da física geral de 1807
  • (em francês) Pététin desejado, a Eletricidade Animal , Paris, Brunot-Labbe de 1808
  • (em francês) Armand Marie Jacques de Chastenet de Puységur, pesquisa, experimentos e observações fisiológicas no homem, no estado de sonambulismo natural, e sonambulismo causado pelo ato magnético de 1811
  • (em alemão) Christoph Wilhelm Hufeland, Ueber Sympathy de 1811
  • (em francês) Armand Marie Jacques de Chastenet de Puységur, Fools, tolos, maníacos e frenéticos que só seria sonâmbulos desordenados? , Paris, 1812
  • (em francês) Antoine-François Montegre de Jenin, Magnetismo e os seus apoiantes , Paris, D. Colas de 1812
  • (em francês) Armand Marie Jacques de Chastenet de Puységur, chamar os observadores aprendidas do século XIX, a decisão levada por seus antecessores contra magnetismo animal, e no final do tratamento, o jovem Hébert , 1813
  • (em francês) Deleuze, Joseph Philippe François, História Crítica do magnetismo animal , dois volumes, em 1813, in-8, reimpresso em 1819
  • (em francês) Armand Marie Jacques de Chastenet de Puységur, Verdades cheminent mais cedo ou mais tarde eles chegam , Paris, Dentu 1814
  • (em francês) Abbot Fustier, O Mistério da água magnética e Sleepwalkers revelou as almas virtuosas retas por um homem do mundo , Paris, 1815
  • (em francês) Georg Wilhelm Friedrich Hegel, magnetismo animal na Enciclopédia das Ciências Filosóficas , 1817 nova tradução anotada de François Roustang 2005
  • (em francês) Sigismund Redern, modos acidentais de nossas percepções , Paris, 1818
  • (em francês) Julien-Joseph Virey, ” exame imparcial da medicina magnética, sua doutrina, seus processos e suas curas," Dictionary of Medical Science , vol. 29, 1818, p. 554
  • (em francês) J. P. F. Deleuze, Direção Prática sobre o magnetismo animal , Paris, 1819, 1825 e 1836
  • (em francês) José Custodio da Faria, Na causa do sono lúcido de 1819
  • (em francês) Stephen Felix Henin Cuvillers, Introdução Informado ao magnetismo ou "Arquivos do magnetismo animal" , Paris, Barrois, 1820
  • (em francês) Stephen Felix Henin Cuvillers, magnetismo animal encontrado na antiguidade de 1821
  • (em francês) Alexandre Bertrand, Tratado de sonambulismo e as diversas mudanças que ele apresenta , Paris, Dentu 1823
  • (em francês) Pierre Foissac, Brief sobre o magnetismo animal, dirigida aos ilustres membros da Academia de Ciências e da Academia Real de Medicina , Paris, 1825
  • (em francês) Alexandre Bertrand, Magnetismo na França e julgamentos que se concentraram sociedades acadêmicas , Paris, Baillière, 1826 (Reed. Harmattan, 2004) ( ISBN 2747563197 )
  • (em francês) J. P. F. Deleuze, Carta aos senhores membros da Academia de Medicina, Bechet Jeune, Paris, 1826
  • (em francês) Frédéric Dubois (Amiens) Revisão histórica e resumo das alegadas experiências magnéticas feitas pelo Comitê da Academia Real de Medicina , Paris, 1833
  • (em inglês) JC Colquhoun, "amimal Magnetismo," The Lancet , vol. 20, no. 506, 1833, pp. 205-218
  • (em francês) Jean-Baptiste Bouillaud, o artigo "Animal Magnetism" Dicionário de Medicina e Cirurgia Prática , Volume II, Paris, 1834
  • (em alemão) Arthur Schopenhauer, Animalischcer Magnetismus und Magia. Ueber den Willen in der Natur , Leipzig, Brockhaus de 1836
  • (em francês) Didier Berna, Magnetismo Animal. Exame e refutação do relatório do deputado EF Dubois (Amiens) na Royal Academy of Medicine 08 de agosto de 1837, sobre o magnetismo animal , Paris, Rouvier de 1838
  • (em francês) J. Pigeaire, Poder da eletricidade animal, ou magnetismo vital e sua relação com a física, fisiologia e medicina , Paris, Dentu 1839
  • (em francês) Sennevoy, Jules du Potet , claro magnetismo em sete lições de 1840
  • (em francês) Jules Dupotet Sennevoy, Magnetismo oposição à medicina , Paris, 1840
  • (em francês) Charles Hubert Antoine Despine, do uso de magnetismo e águas minerais animais no tratamento de doenças nervosas , Paris, 1840
  • (em francês) Claude Burdin e Frédéric Dubois (Amiens), histórico escolar do magnetismo animal , Paris, 1841
  • (em francês) Louis Peisse "ciências ocultas do séc XIX, magnetismo animal, " Revue des Deux Mondes , março 1842
  • (em francês) Alphonse Teste, manual de animais prática magnetismo de 1843
  • (em francês) James Braid, Neurypnologie, Tratado sono nervoso ou hipnotismo de 1843
  • (em inglês) Elliotson, John, operações cirúrgicas no estado hipnótico sem pão de 1843
  • (em alemão) Jean-Baptiste Loubert, Magnetismo e sonambulismo corpos antes aprendidas, o Tribunal de Roma e teólogos ... , Paris, Baillière 1844
  • (em francês) Bar Ferdinand, quadra de Magnetismo Humano de Roma e Tribunal de Cassação em um respeito religioso, moral e científica , Paris, Sagnier e Bray, 1845
  • (em francês) Harriet Martineau , Cartas sobre mesmerismo de 1845
  • (em inglês) James Esdaile, Mesmerismo na Índia e suas aplicações práticas em medicina e cirurgia , 1846
  • (em francês) Charles Lafontaine, Arte magnetizante ou magnetismo animal considerado do ponto de vista teórico, prático e terapêutico , Paris, Baillière 1847
  • (em francês) Joseph Louis Charpignon, Fisiologia, Medicina e magnetismo metafísico , Paris, Baillière 1848
  • (em inglês) William Gregory, magnetismo animal ou Mesmerism e seus fenômenos , Londres, 1851
  • (em francês) Auguste Lassaigne, Memórias de um hipnotizador contendo a biografia do sonâmbulo Prudence Bernard , Paris, Baillière de 1851
  • (em francês) Henry Delaage, o ocultismo ou os mistérios do magnetismo revelado pelo sonambulismo , Paris, Lesigne de 1851
  • (em inglês) James Esdaile, Natural e Mesmeric Clarividência, Aplicação Prática de Com o Mesmerism em Cirurgia e Medicina , Londres, Hippolyte Baillière 1852
  • (em francês) Contagem de Szapary, magnetismo, magnético e manothérapie , Paris, 1853
  • (em francês) Noizet, François Joseph, Memória sobre o sonambulismo eo magnetismo animal enviado em 1820 para a Academia Real de Berlim , Paris, Plon, 1854
  • (em francês) Cahagnet, Louis Alphonse, Magnetismo: Magnetic espiritualista Enciclopédia, que trata especificamente fatos psicológicos, swedenborgianisme magnética mágica, nécromantie, mágicos celestial, etc. , Argenteuil, 1855
  • (em francês) Joseph Durand (Gros) - também conhecido como Doctor Philips, Eletodinamismo vital ou relação fisiológica de espírito e matéria , Paris, 1855
  • (em alemão)Kerner, Justinus, Erinnerungen un Franz Anton Mesmer , 1856
  • (em francês) Joseph Durand de Gros, cursos teóricos e práticos de Braidism ou hipnotismo nervoso , 1860
  • (em francês) Liébeault, Ambroise-Auguste, do sono e semelhantes estados considerados principalmente do ponto de vista da ação do moral sobre o físico 1866
  • (em francês) Burq, Victor, metoterapêuticos 1871
  • (em alemão) Rudolf Heidenhain, Der Sog thierische Magnetismus. Physiologische Beobachtungen ,Leipzig, 1880
  • (em francês) Prosper Despine, estudos científicos sonambulismo , Paris, Savy, 1880
  • (em francês) Victor Burq, as origens da metaloterapêuticos 1882
  • (em francês) Jean-Martin Charcot, sobre os vários problemas nervosos determinados pelo hipnotizante em histeria , 1882
  • (em grego) Enrico Morselli Ele Magnetismo Animal. O fascinazione e gli stati ipnotici , Turim, 1886
  • (em francês) Hector Durville, Tratado experimental e terapêutica do magnetismo de 1886
  • (em francês) Alfred D'Hont , Revisão Geral de ciências psicológicas, fisiológicas, apresentando a matriz permanente de descobertas e progressos realizados durante 1886 , Paris, 1886
  • (em inglês) Alfred Binet e Charles Fere, Animal Magnetism , Alcan, 1887
  • (em inglês) Pierre Janet, automação Psychological 1889
  • (em francês) Jean Rouxel (Auguste Leroux), Relatórios de magnetismo e espiritualismo , Paris, Librairie de Ciências Psicológicas , 1892
  • (em inglês) Joseph Durand (Gros) The Scientific maravilhoso 1894

Bibliografia contemporânea[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o
Portal sobre o Magnetismo Animal


Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikcionário Definições no Wikcionário
Wikilivros Livros e manuais no Wikilivros
Wikiquote Citações no Wikiquote
Wikisource Textos originais no Wikisource
Commons Imagens e media no Commons
Wikinotícias Notícias no Wikinotícias