Orgônio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Orgónio)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Acumulador de energia orgônica
Acumulador de energia orgônica con porta fechada.
(com a porta fechada)
Acumulador de energia orgônica con porta aberta.
(com a porta aberta)
As camadas alternadas de materiais orgânicos e inorgânicos dentro das paredes supostamente aumentariam a concentração de orgônio dentro do acumulador em relação ao ambiente circundante.

O Orgônio (/ˈɒrɡouʊn/) é um conceito espiritual pseudocientífico descrito como uma energia esotérica ou como uma hipotética força vital universal.[1][2][3][4][5] Originalmente proposto nos anos 1930 por Wilhelm Reich e desenvolvido mais tarde por seu estudante Charles Kelley depois da morte de Reich em 1957, o orgônio foi concebido como o princípio antientrópico do universo.[6][7] Seria um substrato criativo subjacente a tudo na natureza, comparável ao magnetismo animal de Mesmer (1779), à força ódica de Carl Reichenbach (1845) e ao élan vital de Henri Bergson (1907).[8] O orgônio era visto como uma substância onipresente sem massa, similar ao éter luminífero, mas mais proximamente associado à energia vivente que com a matéria inerte. Supostamente este podia se acumular para criar organização em qualquer escala: desde as mais pequenas unidades microscópicas -telefonemas "bions" na teoria orgônica - até em estruturas macroscópicas como organismos viventes, nuvens ou mesmo galáxias.[9]

Reich argumentava que as deficiências ou constrições no orgônio corporal eram a raiz de muitas doenças, da mesma forma em que os limitações na libido podiam produzir neurose na teoria freudiana. Reich fundou o "Instituto do Orgônio" em 1942 para pesquisar sobre a energia orgônica depois de emigrar para os Estados Unidos em 1939, e o utilizou para publicar literatura e distribuir material relacionado com o tema durante mais de uma década.[10] Reich projetou "acumuladores de orgônio" especiais (dispositivos que ostensivelmente coletam e armazenam energia orgônica do ambiente) para melhorar a saúde geral ou mesmo para controlar o clima.[2] Eventualmente, a agência americana FDA obteve uma ordem federal que proibia a distribuição interestatal de materiais relacionados com o orgônio, por considerar que Reich e seus sócios estavam fazendo afirmações enganosas, e mais tarde isto levou à prisão de Reich e à destruição de todos os materiais relacionados com o orgônio no instituto quando Reich violou a ordem judicial.[6] Finalmente Reich rescindiu a afirmação de que os acumuladores poderiam proporcionar potência orgástica, mas isto não foi suficiente para deter a ação judicial.[11]

Na Espanha, o Centro Nacional para a Saúde Complementar e Integral classifica o orgônio como um tipo de "energia putativa".[12] Após a morte de Reich, a pesquisa sobre o conceito do orgônio passou às mãos de alguns de seus estudantes, como Kelley, e mais tarde a uma nova geração de cientistas na Alemanha interessados em descobrir uma base empírica para a hipótese do orgônio (os primeiros resultados positivos foram supostamente fornecidos por Stefan Muschenich em 1989).[13] Não existe respaldo empírico para o conceito de orgônio na medicina ou nas ciências físicas, e a pesquisa sobre o conceito terminou junto com o Instituto.[2]

História[editar | editar código-fonte]

O conceito do orgônio pertence ao trabalho tardio de Reich, depois que ele emigrou para os Estados Unidos. O trabalho inicial de Reich baseou-se no conceito freudiano da libido, ainda que influenciado por conceitos sociológicos com os quais Freud não concordava, mas que eram seguidos em certa medida por outros teóricos prominentes como Herbert Marcuse e Carl Jung. Enquanto Freud tinha-se concentrado numa concepção solipsista da mente na qual impulsos primários inconscientes e inerentemente egoístas (principalmente o impulso sexual ou a libido) são suprimidos ou sublimados por representações internas (catexia) de figuras paternais (o superego), para Reich a libido era uma força "afirmadora de vida" diretamente reprimida pela sociedade.[14][15] Foi expulso do Instituto de Psicoanálise devido a estes desacordos sobre a natureza da libido e sua postura cada vez mais politizada. Pouco depois de que Hitler chegou ao poder, se viu obrigado a abandonar a Alemanha.[16]

Reich adotou uma visão crescentemente bioenergética da libido, talvez influenciado por seu tutor Paul Kammerer e outro biólogo, Otto Heinrich Warburg.[17] No início do século 20, quando a biologia molecular estava em sua infância, a biologia do desenvolvimento em particular ainda apresentava mistérios que faziam que a ideia de uma energia vital específica fosse respeitável, tal como foi apresentada por teóricos como Hans Driesch. Como psicanalista, Reich alinhou essas teorias com a libido freudiana, enquanto como materialista achava que tal força vital devia ser suscetível de experimentação física.

Em seu livro mais conhecido, A função do orgasmo, escreveu: "Entre 1919 e 1921, familiarizei-me com a 'Philosophie des Organischen' de Driesch e sua 'Ordnungslehre'... A asserção de Driesch pareceu-me indiscutível. Ele argumenta que, na esfera da função da vida, o todo pode se desenvolver a partir de uma parte, enquanto uma máquina não pode se fazer a partir de um parafuso... No entanto, não pude realmente aceitar o trascendentalismo do princípio da vida. Dezessete anos depois, pude resolver a contradição com base numa fórmula relativa à função da energia. A teoria de Driesch sempre esteve presente em minha mente quando pensava no vitalismo. O vago sentimento que tinha sobre a natureza irracional de sua suposição resultou ser justificado ao final. Ele acabou entre os espiritualistas".[18][19]

O conceito do orgônio foi o resultado deste trabalho sobre a psicofisiologia da libido. Após migrar para os Estados Unidos, Reich começou a especular sobre o desenvolvimento biológico e a evolução, e depois diversificou-se para especulações bem mais amplas sobre a natureza do universo.[8] Isto lhe levou à concepção dos "bions": vesículas subcelulares autoluminiscentes que acreditava serem observáveis nos materiais em descomposição, e provavelmente estariam universalmente presentes. Inicialmente considerou os bions como entidades eletrodinâmicas ou radioativas, como tinha feito o biólogo ucraniano Alexander Gurwitsch, mas mais tarde chegou à conclusão de que tinha descoberto uma força totalmente desconhecida, mas mensurável, que depois chamou de "orgônio", uma formação pseudo-grega provavelmente proveniente de org- "impulso, excitação" (como em org-asmo) , mais -ônio como em ozônio (o particípio neutro grego, virtualmente *ὄργον, gene : *ὄργοντος).[8][20]

Reich alegava ter visto o orgônio quando injetava bions em seus ratos e no céu noturno por meio de um "organoscópio", um tipo especial de telescópio. Argumentava que o orgônio está presente no ar e no solo (e de fato era "onipresente"), tem uma cor azul ou "azul-acinzentada e que a humanidade tem dividido seu conhecimento dele em dois: éter para o aspecto físico e Deus para o espiritual. Escreveu que a cor do céu, as auroras boreais, os fogos de santelmo, e a cor azul das rãs sexualmente excitadas eram manifestações do orgônio. Também argumentava que os protozoários, os glóbulos vermelhos, as células cancerosas e a clorofila das plantas estavam carregados de orgônio.[21][22][23]

Avaliação e críticas[editar | editar código-fonte]

Problemas experimentais[editar | editar código-fonte]

Ao menos em alguns casos, as técnicas experimentais de Reich parecem não ter sido adequadamente cuidadosas nem ter tomado precauções suficientes para eliminar a distorção experimental.[24] Reich estava preocupado com a verificação experimental por outros cientistas e expôs seu trabalho a escrutínio repetidas vezes, ainda que com resultados geralmente negativos.

Em 193,7 Reich permitiu que o patólogo noruego Leiv Kreyberg examinasse uma das preparações de bions com um microscópio. Kreyberg escreveu que o caldo que Reich tinha usado como seu meio de cultivo era efetivamente estéril, mas que as bactérias eram estafilococos comuns. Concluiu que as medidas de controle de Reich para prevenir a contaminação por bactérias no ar não eram tão efetivas como Reich pensava. Kreyberg acusou Reich de ser ignorante em relação a fatos bacteriológicos e anatômicos básicos. Por sua vez, Reich acusou Kreyberg de não ser capaz de reconhecer células cancerosas vivas sob ampliação.

Reich enviou então uma amostra das bactérias ao biólogo noruego Theodor Thjøtta, do Instituto Bacteriológico de Oslo, que também concluiu que se deviam à contaminação por bactérias no ar. Kreyberg declarou mais tarde que "o senhor Reich" sabia menos sobre bactérias e anatomia que um estudante de medicina de primeiro ano.[25]

Em 1941, Albert Einstein aceitou realizar experimentos com um acumulador de orgônio que Reich lhe forneceu depois que se reuniram para falar das ideias de Reich na casa de Einstein em Princeton. Entretanto, após realizar experimentos durante dez dias em seu sótão com o acumulador, durante os quais se media a temperatura sobre, dentro e perto do aparelho, chegou à conclusão de que o efeito observado se devia simplesmente ao gradiente de temperatura dentro da habitação, enquanto Reich argumentou que era causado pelo orgônio.[26] Einstein escreveu a Reich: "Através destes experimentos, considero que o assunto está completamente resolvido", em 7 de fevereiro de 1941.[27] Em sua correspondência subsequente com Reich, Einstein respondeu que não podia dedicar mais tempo ao assunto e solicitou que seu nome não fosse mau usado com fins publicitários.[28]

Recepção da ideia nos EUA[editar | editar código-fonte]

O orgônio estava estreitamente associado com a sexualidade: Reich, seguindo Freud, via a sexualidade nascente como a força energética primária da vida. O termo em si foi eleito para compartilhar uma raiz com a palavra orgasmo, o qual tanto Reich como Freud consideraram uma expressão fundamental da saúde psicológica. Este foco na sexualidade, ainda que aceitável na perspectiva clínica dos círculos psicanalíticos vienenses, escandalizou o público conservador americano, ainda que tivesse apelo junto a figuras da contracultura como William S. Burroughs e Jack Kerouac .

O orgônio e conceitos relacionados foram denunciados rapidamente na imprensa americana no período pós-guerra.[29] Reich e seus estudantes foram vistos como um "culto ao sexo e à anarquia", em parte, ao menos, porque o orgônio estava ligado ao título de seu livro A função do orgasmo. Isto levou a várias investigações acusando-o de comunista e a denúncias sob diversos outros pretextos. Ele foi, como disse mais tarde o New York Times, "muito difamado".[30][31] A comunidade psicanalítica da época viu seu enfoque à cura de doenças como charlatanismo da pior espécie, em parte devido a seus comentários sobre os OVNIs.[32]

Conflitos legais[editar | editar código-fonte]

Em 1954, a agência americana FDA solicitou e obteve uma ordem judicial que impedia que Reich atribuísse propriedades médicas ao orgônio e produtos relacionados, impedindo, entre outras coisas, o comércio de "dispositivos de orgônio" através de linhas estatais.[33] Reich desafiou a ordem e foi preso, e a FDA aproveitou a oportunidade para destruir todos os livros de Reich que mencionavam o orgônio, junto com os materiais e equipamentos de pesquisa.[7][33][34][35]

Orgônio na cultura popular[editar | editar código-fonte]

O orgônio foi usado nos escritos de vários autores prominentes da geração beat, quem estavam fascinados por seus supostos aspectos curativos e sexuais. Nesse aspecto, está fortemente associado com o movimento de contracultura dos anos 1950, ainda que não tenha se estendido aos movimentos da década seguinte.

Capitão Terra[editar | editar código-fonte]

Na série de anime Capitão Terra, a energia orgônica é a fonte de poder e sustento dos alienígenas invasores, os Kill-T-Gang, que planejam colhê-la das libidos de toda a humanidade. Também é o poder por trás das armas Livlaster utilizadas pelos protagonistas.[36]

Devo[editar | editar código-fonte]

A banda Devo, da New wave dos anos 1980, , afirmou que seu emblemático desenho de domo energético era usado para reciclar a energia orgônica desperdiçada que flui da cabeça de uma pessoa.

Fizemos o domo de energia vermelha, que era útil - assim como um ícone - era um ícone útil. Você provavelmente sabe, mas a energia orgônica flui pela cabeça e se dissipa pelo topo. Mas se você usa uma cúpula de energia, ela recicla essa energia. Invertendo-a e virando-a para baixo e banhando-se nela, entre outras coisas, você permanecerá "masculino", por assim dizer, talvez por mais 150 anos de sua vida, provavelmente. Eu acho que é uma boa previsão, dizem que cúpulas de energia - se você usá-los constantemente, noite e dia, o que eu não faço, mas há pessoas que fazem isso, não muitas, mas há algumas. Recebemos e-mails deles, por isso sabemos que eles estão por aí, essas pessoas provavelmente viverão mais uns 150 anos adicionais devido à toda a energia orgônica que eles estão economizando.[37]

Dušan Makavejev[editar | editar código-fonte]

Dušan Makavejev começa seu filme satírico de 1971 "WR: Mysteries of the Organism" com uma cobertura documental de Reich e seu desenvolvimento dos acumuladores de orgônio, combinando isto com outras imagens e uma trama secundária numa colagem que zomba das autoridades políticas e sexuais.[38] As cenas incluem uma das dez ou quinze caixas de orgônio originais existentes no país à época.[39]

Evelyn Waugh[editar | editar código-fonte]

Um acumulador de orgônio desempenha um papel importante na novela semi-autobiográfica de Evelyn Waugh A odisseia de Gilbert Pinfold. Um vizinho de Pinfold possui uma caixa, e com ela faz experimentos na esposa de Pinfold. Mais tarde, em estado alucinatório, o Sr. Pinfold imagina que seus problemas se originaram nessa caixa.[40]

Hawkwind[editar | editar código-fonte]

A banda de rock espacial britânica Hawkwind lançou a canção "Orgone Accumulator" (acumulador de orgônio) como a primeira canção do lado três do álbum ao vivo de 1972 Space Ritual.[41]

Jack Kerouac[editar | editar código-fonte]

No popular romance On the Road - Pé na Estrada, de Jack Kerouac, o acumulador de orgônio foi tratado mais como outro tipo de droga que como um dispositivo médico: principalmente um estimulante, com fortes conotação sexual. Quando Sal Paradise visita Old Bull Lee na novela (personagens que representam a Kerouac e Burroughs, respectivamente), o acumulador de orgônio de Lee é descrito como segue:

O acumulador de orgônio é uma caixa comum grande o suficiente para um homem sentar em uma cadeira dentro. Uma camada de madeira, uma de metal e outra de madeira juntam orgones da atmosfera e os mantêm cativos o tempo suficiente para um humano absorver mais do que a quantidade usual. De acordo com Reich, orgones são átomos vibratórios atmosféricos do princípio vital. As pessoas ficam com câncer porque ficam sem orgônio. O Velho Touro achava que seu acumulador de orgônio melhoraria se a madeira usada fosse tão orgânica quanto possível, então ele amarrou folhas e ramos de albufeira ao seu anexo místico.[42]

O filme de 2012 baseado no livro de Kerouac inclui a cena com o acumulador de orgônio, mas agrega uma pequena janela no acumulador e um funil para respirar.[43]

J.D. salinger[editar | editar código-fonte]

Segundo sua filha, JD Salinger às vezes usava um acumulador de orgônio, entre uma variedade de outros regimes de saúde alternativa.[44]

Kate Bush[editar | editar código-fonte]

A canção "Cloudbusting" da cantora britânica Kate Bush descreve a prisão de Reich através dos olhos de seu filho Peter. O video de 1985, no qual Donald Sutherland interpreta Reich durante sua investigação e posterior detenção, apresenta um pêndulo de Foucault como um método alternativo para demonstrar o movimento de rotação da Terra para demonstrar a visão herética de que a Terra não é o centro do Universo. O pêndulo, neste vídeo, conecta e contrasta o deshonrado Reich com os dois Foucaults notáveis: o cientista, Jean Bernard Léon Foucault e o filósofo, Michel Foucault, que havia morrido em 1984, um ano dantes do lançamento do vídeo.[45]

Orson Bean[editar | editar código-fonte]

Orson Bean, conhecido ator estadunidense, foi em sua época um defensor da terapia do orgônio e publicou um livro a respeito intitulado Me and the Orgone ("Eu e o orgônio").[46]

Peep Show[editar | editar código-fonte]

No episódio "Mark's Women" da série cómica Peep Show do Channel 4 do Reino Unido, Jeremy e Super Hans unem-se a um culto de bem-estar espiritual, que define aos orgones como "as moléculas invisíveis da energia vital universal que governam nossos estados de ânimo e nossas ações", sendo os orgones negativos a fonte de todos os problemas do mundo. Mark fica preocupado porque Jeremy se uniu a um culto e trata de explicar que esta é uma visão simplista do mundo.[47]

Peter Brock[editar | editar código-fonte]

Peter Brock foi um dos pilotos de corrida mais famosos e bem-sucedidos da Austrália. Apoiou publicamente e utilizou um dispositivo chamado "Polarizador Energético" que alegadamente melhorava o rendimento e a dirigibilidade dos veículos ao "alinhar as moléculas" utilizando a energia orgônica.[48][49]

Redline[editar | editar código-fonte]

A energia orgônica ocupa um lugar de destaque no mundo de ficção científica do videogame Redline, lançado em 1999.[50]

Warren Leight[editar | editar código-fonte]

A obra Side Man, de Warren Leight, contém uma cena onde Gene e Terry recebem uma caixa de orgônio que a esposa do amigo de Gene lhe fez descartar.[51]

William S. Burroughs[editar | editar código-fonte]

William S. Burroughs foi um importante defensor da pesquisa sobre o orgônio, fazendo deste parte frequente das imagens surrealistas em seus livros. O orgônio interessava particularmente a Burroughs porque ele achava que podia usá-lo para aliviar a "junk sickness", um termo popular para a síndrome de abstinência da heroína. Isto se encaixava bem no contexto de seus livros, que normalmente eram divertimentos narrativos de suas próprias experiências com narcóticos e do estilo de vida Beat.

Burroughs compara explicitamente o "deixar o hábito" com o câncer no livro Junky, e relaciona-o com o uso de acumuladores de orgônio. O autor escreve:

Câncer é o colapso do tecido em um organismo vivo. Na "junk disease", as células viciadas morrem e são substituídas. Câncer é um processo de morte prematura. O paciente com câncer encolhe, um viciado encolhe: eu perdi até 15 libras em três dias. Então imagino que se o acumulador é uma terapia para o câncer, deve ser uma boa terapia para os efeitos da síndrome de abstinência.

Na época em que Burroughs escrevia, os acumuladores de orgônio só estavam disponíveis por meio do Instituto do Orgônion de Reich em Nova York, e oferecidos em troca de uma doação de dez dólares mensais. Em vez disso, Burroughs construiu seu próprio acumulador, substituindo a lã de rocha por uma chapa de ferro, mas achava que ainda assim conseguia o efeito desejado.[52]

Woody Allen[editar | editar código-fonte]

O filme de ficção científica Sleeper de 1973 de Woody Allen apresenta um orgasmatron, um cilindro capaz de acomodar uma ou duas pessoas, e que por meio de alguma tecnologia futura induz orgasmos rapidamente. Isto é necessário porque quase todas as pessoas no universo do filme são impotentes ou frígidas, ainda que os homens de ascendência italiana sejam considerados os menos impotentes de todos os grupos. Sugeriu-se que o orgasmatron é uma paródia do acumulador de orgônio de Reich.[53][54]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Searching for Science in Psychoanalysis». Journal of Contemporary Psychotherapy (em inglês): 235. ISSN 1573-3564. doi:10.1023/A:1021973219022. Orgone—a useless fiction with faulty basic premises, thin partial theory, and unsubstantiated application results. It was quickly discredited and cast away. 
  2. a b c Roeckelein, John E. «Reich's Orgone/Orgonomy Theory». Elsevier's Dictionary of Psychological Theories. [S.l.: s.n.] p. 493, 517-518. ISBN 978-0-0804-6064-2. The current consensus of scientific opinion is that Reich's orgone theory is basically a psychoanalytic system gone awry, and is an approach that represents something most ludicrous and totally dismissible. 
  3. Bauer, Herty H. Science Or Pseudoscience: Magnetic Healing, Psychic Phenomena, and Other Heterodoxies. [S.l.: s.n.] p. 159. ISBN 9780252026010. Reich's personal charisma seems to have misled some number of people into taking his 'science' seriously. His outward behavior was not inconsistent with that of a mainstream scientific investigator. In the light of everyday common sense rather than of deep technical knowledge, his ideas could seem highly defensible. For those who lack familiarity with the real science of matters Reich dealt with, why would orgone be less believable than black holes, a bounded yet infinite universe, or "dark matter" ...? 
  4. Robert E. Butts. «Sciences and Pseudosciences. An attempt at a new form of demarcation». In: John Earman. Philosophical problems of the internal and external worlds: essays on the philosophy of Adolf Grünbaum. 1. [S.l.: s.n.] p. 163. ISBN 978-0-8229-3738-8 
  5. Arthur Wrobel. Pseudo-science and society in nineteenth-century America. [S.l.: s.n.] p. 229. ISBN 978-0-8131-1632-7 
  6. a b Bellis, Mary. «Wilhelm Reich and the Orgone Accumulator». ThoughtCo (em inglês) 
  7. a b Martin Gardner (1957), «Chapter 21: Orgonomy», Fads and Fallacies in the Name of Science. Popular Science, ISBN 9780486203942 (em inglês) 2, revised, abbreviated ed. , Courier Dover Publications, p. 253 
  8. a b c «What is orgone energy?». The Creative Process (em inglês) 
  9. Robert Todd Carroll. «Orgone energy». The Skeptic's Dictionary (em inglês) 
  10. DeMarco, Donald; Wiker, Benjamin. Architects of the Culture of Death. [S.l.: s.n.] p. 229. ISBN 9781586170165. [...] Reich claimed as his great discovery, made in 1939, that at the heart of all matter is a hitherto unknown energy that he called 'orgone'.[...] Three years later he founded the Orgone Institute, where the 'science' of orgonomy would be studied. 
  11. Reich, W. Orgone Energy Bulletin 2. [S.l.: s.n.] The orgone accumulator, as has been clearly stated in the relevant publications (The Cancer Biopathy, etc.), cannot provide orgastic potency 
  12. «Complementary, Alternative, or Integrative Health: What's In a Name?». National Center for Complementary and Integrative Health. putative energy fields (also called biofields) have defied measurement to date by reproducible methods. Therapies involving putative energy fields are based on the concept that human beings are infused with a subtle form of energy. This proposed vital energy or life force is known under different names in different cultures, such as qi ... prana, etheric energy, fohat, orgone, odic force, mana, and homeopathic resonance 
  13. Müschenich, S. & Gebauer, R.: "Die (Psycho-)Physiologischen Wirkungen dês Reich'schen Orgonakkumulators auf dêem Menschlichen Organismus" ("The [Psycho-]Physiological Effects of the Reich Orgone Accumulator on the Human Organism,") University of Marburg (Germany), Department of Psychology, Master's Degree Dissertation, 1986. Published as: "Der Reichsche Orgonakkumulator. Naturwissenschaftliche Diskussion - Praktische Anwendung - Experimentelle Untersuchung" ("The Reichian Orgone-Accumulator. Scientific Discussion - Practical Use - Experimental Testing"), 1987, published by Nexus Verlag, Frankfurt (Also see the published work: Müschenich, Stefan: Der Gesundheitsbegriff im Werk dês Arztes Wilhelm Reich (The Concept of Health in the Works of the physician Wilhelm Reich), Doktorarbeit am Fachbereich Humanmedizin der Philipps-Universität Marburg (M.D. thesis, 1995, University of Marburg (published by Verlag Gorich & Weiershauser, Marburg) 1995.
  14. Reich, Wilhelm. Mary Higgins, Chester M. Raphael, ed. The Mass Psychology of Fascism. [S.l.: s.n.] ISBN 9780285647015 
  15. Reich, Wilhelm. Listen, Little Man!. [S.l.: s.n.] ISBN 9781466846944 
  16. Robinson, Paul A. The Sexual Radicals. [S.l.: s.n.] ISBN 9780586080719 
  17. «Wilhelm Reich & Orgone Energy: Looking Back, Looking Forward - A Journal of My Experience at Orgonon, July 2005». www.jackflannel.org. James Strick, The Historic Context of Reich’s Laboratory Work, talk summarized 
  18. Malgosia Askanas, Ph.D. «Epose of the secret and not-so-secret misery of (an)orgonomy and reichianism, considered in all of its aspects -- Spiritual, material, sexual, economic and political, and in particular scientific» (em inglês) 
  19. Reich, Wilhelm. The Discovery of Orgone, Volume 1: The Function of the Orgasm. [S.l.: s.n.] p. 23. Between 1919 and 1921, I became familiar with Driesch's 'Philosophie des Organischen' and his 'Ordnungslehre'. I understood the first book but not the second. It was clear that the mechanistic conception of life, which also dominated our medical studies, could not provide a satisfactory explanation [to the question "What is life?"]. Driesch's contention seemed incontestable to me. He argued that, in the sphere of the life function, the whole could be developed from a part, whereas a machine could not be made from a screw. On the other hand, his use of the concept of 'entelechy' to explain living functioning was unconvincing. I had the feeling that an enormous problem was evaded with a word. Thus, in a very primitive way, I learned to draw a clear distinction between facts and theories about facts. I gave considerable thought to Driesch's three proofs of the specific totally different characteristics of living matter as opposed to inorganic matter. They were well-grounded proofs. However, I couldn't quite accept the transcendentalism of the life principle. Seventeen years later I was able to resolve the contradiction on the basis of a formula pertaining to the function of energy. Driesch's theory was always present in my mind when I thought about vitalism. The vague feeling I had about the irrational nature of his assumption turned out to be justified in the end. He landed among the spiritualists." 
  20. «orgone». Merriam-Webster dictionary (em inglês) 
  21. Turner, Christopher. Adventures in the Orgasmatron: Wilhelm Reich and the Invention of Sex. [S.l.: s.n.] p. 220–221. ISBN 9780007181575 
  22. Sharaf, Myron. Fury on Earth: A Biography of Wilhelm Reich. [S.l.: s.n.] p. 17, 352. ISBN 9780306805752 
  23. Reich, Wilhelm. The Discovery of Orgone, Volume 1: The Function of the Orgasm. [S.l.: s.n.] p. 384-385 
  24. «ORGONE RADIATION: A Skeptical Scrutiny of the Works and Theories of Wilhelm Reich». www.rogermwilcox.com (em inglês) 
  25. Sharaf, Myron. Fury on Earth: A Biography of Wilhelm Reich. [S.l.: s.n.] p. 228. ISBN 9780306805752 
  26. Reich, Wilhelm. «Einstein to Reich, 7 February 1941». The Einstein Affair. [S.l.: s.n.] I have now investigated your apparatus ... In the beginning I made enough readings without any changes in your arrangements. The box-thermometer showed regularly a temperature of about 0.3-0.4 higher than the one suspended freely. ...One of my assistants now drew my attention to the fact that in the room ... the temperature on the floor is always lower than the one on the ceiling. 
  27. Reich, Wilhelm. «Einstein to Reich, 7 February 1941». The Einstein Affair. [S.l.: s.n.] 
  28. Turner, Christopher. Adventures in the Orgasmatron: Wilhelm Reich and the Invention of Sex. [S.l.: s.n.] p. 226–230, 286-287. ISBN 9780007181575 
  29. «The New Cult of Sex & Anarchy». The New Republic (em inglês) 
  30. «Wilhelm Reich». NNDB 
  31. Livergood, Norman D. America, Awake!: We Must Take Back Our Country. [S.l.: s.n.] p. 263. ISBN 9781893302273 
  32. Grossinger, Richard. Planet Medicine: From Stone Age Shamanism to Post-industrial Healing. [S.l.: s.n.] p. 293. ISBN 9780394712383 
  33. a b «Decree of injunction order (March 19, 1954) by Judge Clifford» (em inglês). Consultado em 29 de março de 2019. Arquivado do original em 17 de julho de 2011 
  34. Gardner. On the Wild Side: The Big Bang, ESP, the Beast 666, Levitation, Rainmaking, Trance-Channeling, Seances and Ghosts, and More. [S.l.: s.n.] 
  35. Randi, James. Flim Flam!: The Truth about Unicorns, Parapsychology, and Other Delusions. [S.l.: s.n.] p. 4, 221-230. ISBN 9780690018776 
  36. «ANIME REVIEW: Captain Earth - Eps. 1-3» (em inglês) 
  37. «Mark Mothersbaugh Interview». Fecal Face (em inglês). 3 de janeiro de 2008 
  38. «WR -- Mysteries of the Organism :: rogerebert.com :: Great Movies». Chicago Sun-Times (em inglês) 
  39. «Bright Lights Film Journal :: Sweet Movies: Four by Dusan Makavejev» (em inglês) 
  40. Waugh, Evelyn. The Ordeal of Gilbert Pinfold and Other Stories. [S.l.: s.n.] 
  41. LLC Books. Hawkwind Albums: Space Ritual, Quark, Strangeness and Charm, Levitation, Doremi Fasol Latido, in Search of Space, Warrior on the Edge of Time. [S.l.: s.n.] ISBN 9781156490358 
  42. Kerouac, Jack (1976). On the road (em inglês). [S.l.]: Penguin. p. 152. ISBN 9781101127575. The orgone accumulator is an ordinary box big enough for a man to sit inside on a chair: a layer of wood, a layer of metal, and another layer of wood gather in orgones from the atmosphere and hold them captive long enough for a human to absorb more than a usual share. According to Reich, orgones are vibratory atmospheric atoms of the life-principle. People get cancer because they run out of orgones. Old Bull thought his orgone accumulator would be improved if the wood he used was as organic as possible, so he tied bushy bayou leaves and twigs to his mystical outhouse. 
  43. On the Road, consultado em 19 de março de 2019 
  44. «My father J D Salinger». The Times (em inglês). Most of my father’s health regimens, such as drinking urine or sitting in an orgone box, he practised alone. Homeopathy and acupuncture he practised on us. 
  45. Moy, Ron (30 de setembro de 2007). Kate Bush and Hounds of Love. [S.l.: s.n.] 99 páginas. ISBN 0-7546-5798-1 
  46. Bean. Me and the Orgone. [S.l.: s.n.] ISBN 9780967967011 
  47. «Jez Joins A Cult - Peep Show» (em inglês) 
  48. «Holden's Brock fall out over energy box» (em inglês) 
  49. «Brock shaping up for a fightback». News.google.com (em inglês) 
  50. «REDLINE» (em inglês) 
  51. Leight. Side Man. [S.l.: s.n.] ISBN 9780739400722 
  52. Burroughs, William S. Junky. [S.l.: s.n.] ISBN 9780141904016 
  53. «The Great Proselytizer of Orgasm». Slate (em inglês). Orgasmatron is Woody Allen's name, in Sleeper, for a parody of Reich's orgone accumulator, a telephone booth-sized plywood and metal box said to store a healing and enlivening force. 
  54. «Wilhelm Reich: the man who invented free love». The Guardian (em inglês). Woody Allen parodied it in Sleeper (1973), giving it the immortal nickname the "Orgasmatron".