William S. Burroughs

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


William S. Burroughs
Retrato de Burroughs feito pelo artista italiano Graziano Origa em 1997.
Nascimento William Seward Burroughs II
5 de fevereiro de 1914 (102 anos)
St. Louis, no Missouri
Morte 2 de agosto de 1997 (83 anos)
Lawrence, no Kansas
Nacionalidade Estado-unidense
Filho(s) William S. Burroughs, Jr.
Movimento literário Beat
Assinatura
William S Burroughs signature.svg

William Seward Burroughs II (St. Louis, 5 de fevereiro de 1914  — Lawrence, 2 de agosto de 1997) foi um escritor, pintor e crítico social nascido nos Estados Unidos da América.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Infância e educação[editar | editar código-fonte]

Burroughs nasceu em 1914, sendo o mais novo dos dois filhos nascidos de Mortimer Perry Burroughs (16 de junho de 1885 - 5 de janeiro de 1965) e Laura Hammon Lee (5 de agosto de 1888 - 20 outubro de 1970). Os Burroughs eram uma família proeminente em St. Louis (Missouri). Seu avô, William Seward Burroughs I, fundou a empresa Máquinas de Somar Burroughs, que evoluiu para a Burroughs Corporation. A mãe de Burroughs, Laura Lee Hammon, era filha de um pastor cuja família alegava estar relacionada com Robert E. Lee. Seu tio materno, Ivy Lee, foi um pioneiro da publicidade e, mais tarde, trabalhou como jornalista para os Rockefellers. Seu pai tinha um antiquário e uma loja de souvenirs, Cobblestone Gardens, primeiro em Saint Louis, em seguida em Palm Beach (Flórida).

Quando menino, Burroughs morava na avenida Pershing, em Central West End, em Saint-Louis. Ele estudou na John Burroughs School, em St. Louis, onde publicou seu primeiro ensaio, "Magnetismo Pessoal", impresso na John Burroughs Review em 1929.[1] Em seguida, ele frequentou a escola Los Alamos Ranch School, no Novo México, o que foi estressante para ele. A escola era um internato para os ricos, "onde os filhos dos grã-finos poderiam ser transformados em objetos masculinos".[2] Burroughs manteve um diário documentando uma atração erótica por um outro menino. De acordo com as suas próprias palavras, ele destruiu o diário, mais tarde, envergonhado de seu conteúdo.[3]

Devido ao contexto de repressão onde ele cresceu e do qual fugiu, ou seja, uma família "onde as demonstrações de afeto eram consideradas constrangedoras",[4], ele manteve a sua orientação sexual escondida até a idade adulta, quando se tornou um escritor homossexual conhecido após a publicação de Naked Lunch em 1959. Alguns dizem que ele foi expulso de Los Alamos depois de tomar hidrato de cloral em Santa Fé com um colega. No entanto, segundo seu próprio relato, ele deixou a escola voluntariamente: "Durante as férias da Páscoa do meu segundo ano, eu convenci minha família a me deixar ficar em St. Louis." [3]

Universidade de Harvard[editar | editar código-fonte]

Ele terminou o ensino médio na Escola Taylor em Saint Louis e, em 1932, saiu de casa para seguir curso superior em Artes na Universidade de Harvard. Durante os verões, ele trabalhou como repórter para o St. Louis Post-Dispatch, cobrindo o dia a dia policial. Ele não gostou do trabalho, e se recusou a cobrir alguns eventos, como a morte de uma criança que se afogara. Ele perdeu sua virgindade em um verão em East St. Louis com uma prostituta em um bordel que ele regularmente frequentava.[5] Enquanto cursava em Harvard, Burroughs fez viagens a Nova Iorque e foi introduzido à "subcultura gay". Ele visitou os subterrâneos homossexuais do Harlem e Greenwich Village com Richard Stern, um amigo rico de Kansas City. Eles dirigiam de carro de Boston a Nova York de forma muito imprudente. Uma vez, Stern amedrontou tanto a Burroughs, que ele pediu para descer do veículo.[6] Burroughs se formou em Harvard em 1936. De acordo com Ted Morgan, em "Literary Outlaw",

Os pais dele, após sua graduação, decidiram dar-lhe um subsídio mensal de 200 dólares estadunidenses vindo dos rendimentos de Cobblestone Gardens, uma quantia apertada naqueles tempos. Ela foi o bastante para mantê-lo, e de fato garantiram a sua sobrevivência pelos próximos 25 anos, chegando com uma bem-vinda frequência. O subsídio foi uma passagem para a liberdade; e lhe permitiu viver onde ele queria e deixar seu emprego.[7]

Os pais de Burroughs venderam os direitos de invenção do seu avô e não tinham nenhuma participação nas ações da "Burroughs Corporation". Pouco antes da quebra da bolsa de valores em 1929, seus pais venderam as ações que tinham por 200 mil dólares estadunidenses.[8]

Europa[editar | editar código-fonte]

Depois de deixar Harvard, a educação formal de Burroughs terminou, com exceção de breves flertes como uma pessoa que fazia pós-graduação de antropologia na Universidade de Harvard e com uma outra que estudava medicina em Viena, na Áustria. Ele viajou para a Europa, onde, aproveitando-se da brecha para a homossexualidade na Áustria e Hungria da República de Weimar, conquistou meninos em saunas de Viena, passando a fazer parte de um círculo de exilados, homossexuais e fugitivos.

Homenagem ao hotel Beat no número 9 da rua Gît-le-Cœur, em Paris. Burroughs morou neste hotel e, nele, finalizou o romance Naked Lunch em 1959.

Lá, ele conheceu Ilse Klapper, uma judia que fugia do governo nazista do país. Os dois nunca tiveram uma relação romântica, mas Burroughs casou-se com ela na Croácia, contra a vontade de seus pais, para permitir, a ela, receber um visto para os Estados Unidos. Ela foi para Nova Iorque e, eventualmente, se divorciou de Burroughs, embora eles permanecessem amigos por muitos anos.[9] Depois de voltar para os Estados Unidos, ele teve uma série de trabalhos interessantes.

Em 1939, a sua saúde emocional tornou-se uma preocupação para os seus pais, especialmente depois que ele deliberadamente cortou a última junta do dedo mínimo esquerdo, direitamente na dobra do punho, para impressionar um homem por quem ele estava apaixonado.[10] Este evento encontrou o seu caminho para dentro de sua literatura de ficção no conto "O Dedo" (The Finger).

Início da carreira literária[editar | editar código-fonte]

Burroughs disse que o tiro em Vollmer, no dia 6 de setembro de 1951,[nota 1] foi um evento crucial na sua vida, e que o provocou a escrever:

"Eu sou forçado à terrível conclusão de que eu nunca teria me tornado um escritor, a não ser pela morte de Joan, e nunca teria uma compreensão da extensão em que este evento tem motivado e formulado a minha escrita. Eu vivo com a ameaça constante de posse, e uma constante necessidade de escapar da posse, do controle. Assim, a morte de Joan trouxe-me em contato com o invasor, a Alma Suja, e manobrou-me para uma longa luta na vida, em que não tive escolha a não ser escrever a minha saída dela."[12]

Apesar deste depoimento, publicado na sua novela Queer (1985), ele começou a escrever em 1945. Burroughs e Jack Kerouac escreveram, em colaboração, o livro de mistério E os Hipopótamos Foram Cozidos em Seus Tanques (And the Hippos Were Boiled in Their Tanks), que ficou inédito. Anos mais tarde, no documentário "What Happened to Kerouac?", Burroughs o descreveu como "um trabalho pouco distinto." Um trecho desta obra, que Kerouac e Burroughs escreveram alternando capítulos, foi finalmente publicado em Word Virus,[13] uma compilação do trabalho de William Burroughs, que foi publicada por seu biógrafo após sua morte em 1997.

Literatura[editar | editar código-fonte]

A sua obra mais conhecida é Naked Lunch ("Almoço Nu" no Brasil, "Refeição Nua" em Portugal), seguida de Junkie. Grande parte de sua obra, de atmosfera fantástica e grotesca, tem caráter autobiográfico. Apesar de fazer parte da chamada geração beat, seus livros têm pouco em comum com o restante desses autores, já que a linguagem utilizada provém de fluxos de consciência durante o uso de alucinógenos. Homossexual depois da morte acidental da esposa causada por um disparo com arma de fogo, foi um dos pioneiros da literatura experimental, tanto no universo léxico escatológico, urbano, comum e absurdo como no consumo de drogas para produção subjetiva de textos.

Música[editar | editar código-fonte]

Burroughs aparece na capa do álbum Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band dos The Beatles. Burroughs teria gravado as suas fitas experimentais "Hello, yes, hello" no apartamento em que o ex-beatle John Lennon morou com Yoko Ono, no número 34 da praça Montagu, em Londres.[14]

Participou de inúmeros álbuns, recitando poemas ou outros textos, incluindo trabalhos com Tom Waits, Frank Zappa, John Cage, Philip Glass, Laurie Anderson, The Doors, Kurt Cobain e The Disposable Heroes of Hiphoprisy. Ele também aparece no videoclipe "Just One Fix", do grupo Ministry.

Em 1981, gravou o álbum de spoken word intitulado You're the Guy I Want To Share My Money With, com Laurie Anderson e John Giorno.

Ele também gravou a música "Falling In Love Again", cantando-a em alemão ("Ich Bin Von Kopf Bis Fuss Auf Liebe Eingestellt").

Morte[editar | editar código-fonte]

Burroughs morreu em Lawrence, às 6:50 horas do dia 2 de agosto de 1997, de complicações de um ataque cardíaco que tinha sofrido no dia anterior. Ele foi enterrado no jazigo da família no Cemitério Bellefontaine em Saint-Louis,[15] com um marcador que tem o seu nome completo e o epitáfio American Writer ("escritor estadunidense"). O túmulo encontra-se à direita do obelisco de granito branco de William Seward Burroughs I (1857-1898).

Um dia antes da sua morte, William Burroughs escreveu o último texto no seu diário:

1 de Agosto, 1997

Amor? O que é isso?

A cura da dor mais natural que existe. 

AMOR

Obras[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre William S. Burroughs

Referências

  1. William S. Burroughs: biography, bibliography, filmography, links (em inglês)
  2. Morgan, Ted. Literary Outlaw. p. 44.
  3. a b Word Vírus: O William S. BurroughsReader. James Grauerholz, Ira Silverberg, Ann Douglas, eds., Grove Press, 2000, p. 21
  4. Morgan, Ted, Literary Outlaw, p. 26
  5. Morgan, Ted. Literary Outlaw . p. 62.
  6. Morgan, Ted. Literary Outlaw p. 611
  7. Morgan, Ted. Literary Outlaw. p. 65
  8. Severo, Richard (August 3, 1997). «William S. Burroughs Dies at 83; Member of the Beat Generation Wrote 'Naked Lunch'» New York Times [S.l.] Consultado em 2007-10-22. 
  9. Morgan, Ted. Literary Outlaw. pp. 65–8
  10. Grauerholz, James. Introduction p. xv, in William Burroughs. Interzone. New York: Viking Press, 1987.
  11. Conrad Knickerbocker (1965). «William S. Burroughs, The Art of Fiction No. 36». Paris Review. Consultado em 22 de julho de 2012. 
  12. Queer, Penguin, 1985 p.xxiii
  13. James Grauerholz. Word Virus, New York: Grove, 1998
  14. BBC Brasil, Inglaterra tomba apartamento de John Lennon em Londres, 24 de outubro de 2010 - publicado pela jornal O Estado de S. Paulo
  15. William S. Burroughs (em inglês) no Find a Grave

Notas

  1. Burroughs rechaça o rumor de que estaria tentando atirar em um copo de vidro sobre a cabeça da esposa, no estilo Guilherme Tell. Em entrevista à Paris Review, em 1965, ele, que morava à época no México, país que tinha uma campanha de desarmamento, afirma que seu plano era vender uma arma que portava e, por isso, a estava checando, quando, por acidente, a pistola disparou.[11]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: William S. Burroughs
Ícone de esboço Este artigo sobre literatura é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre música é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.