David Woodard

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
David Woodard
Woodard em 2013
Nascimento David Woodard
6 de abril de 1964
Santa Barbara, California
Nacionalidade Estados Unidos estadunidense
Cônjuge Sonja Vectomov
Ocupação Escritor e condutor
Género literário Pós-modernismo, sátira

David Woodard (nascido em 6 de abril de 1964) é um escritor e um maestro americano. Durante a década de 1990, ele cunhou o termo prequiem, um palavra-valise vinda das palavras inglesas preemptive e requiem, para descrever a sua prática budista de composição de música dedicada a ser tocada durante ou um pouco antes da morte de um indivíduo.[1][2]

Entre os serviços realizados para o memorial de Los Angeles onde Woodard atuou como maestro musical ou diretor musical está uma cerimônia cívica realizada em 2001 em homenagem a Leon Praport e a sua viúva ferida Lola, vítimas do acidente com o extinto funicular Angels Flight.[3][4]:125 Ele também realizou vários requiems para a fauna, inclusive para um Pelicano-pardo da Califórnia na crista da margem de uma praia onde o animal havia caído.[5]

Woodard também é conhecido por suas réplicas da Dreamachine, uma lâmpada suavemente psicoativa, que foi exibida em museus de arte em todo o mundo. Além disso, na Alemanha e no Nepal, ele é conhecido por suas contribuições para a revista literária Der Freund, escrevendo artigos sobre carma entre diferentes espécies, consciência das plantas e o povoado paraguaio Nueva Germania.[6]

Educação[editar | editar código-fonte]

Woodard foi educado na Nova Escola de Pesquisa Social e na Universidade da Califórnia em Santa Bárbara.

Nueva Germania[editar | editar código-fonte]

Em 2003, Woodard foi eleito vereador em Juniper Hills (Los Angeles County) na Califórnia. Exercendo este cargo, ele propôs uma relação de cidade irmã com Nueva Germania no Paraguai. Para dar continuidade ao seu plano, Woodard viajou até a outrora utópica vegetariana/feminista cidade e se reuniu com a liderança municipal. Após uma visita inicial, ele optou por não prosseguir com o relacionamento, mas encontrou na comunidade um objeto de estudo para artigos posteriores. O que particularmente lhe interessou foram as ideias proto-transhumanistas do planejador especulativo Richard Wagner e Elisabeth Förster-Nietzsche, que junto com o marido Bernhard Förster, fundaram e viveram na colônia entre 1886 e 1889.

De 2004 a 2006, Woodard liderou numerosas expedições para Nueva Germania, ganhando apoio do então vice-presidente dos EUA, Dick Cheney.[7] Em 2011, Woodard concedeu ao romancista suíço Christian Kracht a permissão para publicar sua enorme correspondência pessoal, em grande parte em relação à Nueva Germania,[8]:113–138 em dois volumes sob a marca da Universidade de Hanôver, Wehrhahn Verlag.[9]:180–189 Da troca de cartas, Frankfurter Allgemeine Zeitung diz: "[Woodard e Kracht] eliminam a fronteira entre a vida e a arte".[10] Der Spiegel postula que o primeiro volume, Five Years, Vol. 1,[11] é "o trabalho preparatório espiritual" para o romance subsequente de Kracht, Imperium.[12]

De acordo com Andrew McCann, "Kracht acompanhou Woodard em uma viagem ao que resta do lugar, onde os descendentes dos colonos originais vivem [em] circunstâncias drasticamente reduzidas. Como a correspondência revela, Kracht compeliu o desejo de Woodard de avançar o perfil cultural da comunidade e construir uma ópera de Bayreuth em miniatura no local onde havia sido residência familiar de Elisabeth Förster-Nietzsche.[13][nota 1] Nos últimos anos, a Nueva Germania se transformou em um destino mais amável, com hospedagem domiciliar e um museu histórico improvisado.

Dreamachine[editar | editar código-fonte]

De 1989 a 2007, Woodard criou réplicas da Dreamachine,[14] uma invenção estroboscópica inventada por Brion Gysin e Ian Sommerville, que envolve um cilindro com aberturas, feito de cobre ou papel, que gira sobre uma lâmpada elétrica—quando observada com olhos fechados, a máquina pode desencadear aberrações mentais comparável à intoxicação por drogas ou ao sonhos.[nota 2] Depois de contribuir com uma Dreamachine para o Ports of Entry[15] retrospectiva visual de LACMA de 1996 de William S. Burroughs, Woodard fez amizade com o autor e apresentou-lhe um "modelo boêmio" (papel) de Dreamachine para o seu 83º aniversário e final.[16][17]:23 Sotheby's leiloou a antiga máquina para um colecionador privado em 2002 e o último permanece em empréstimo para a propriedade de Burroughs no Spencer Museum of Art.[18]

Referências

  1. Carpenter, S., "In Concert at a Killer's Death", Los Angeles Times, 9 de maio de 2001.
  2. Rapping, A., Retrato de Woodard (Seattle: Getty Images, 2001).
  3. Reich, K., "Family to Sue City, Firms Over Angels Flight Death", Los Angeles Times, 16 de março de 2001.
  4. Dawson, J., Los Angeles' Angels Flight (Mount Pleasant, SC: Arcadia Publishing, 2008), p. 125.
  5. Manzer, T., "Pelican's Goodbye is a Sad Song", Press-Telegram, 2 de outubro de 1998.
  6. Carozzi, I., "La storia di Nueva Germania", Il Post, 13 de outubro de 2011.
  7. Epstein, J., "Rebuilding a Home in the Jungle", San Francisco Chronicle, 13 de março de 2005.
  8. Schröter, J., "Interpretive Problems with Author, Self-Fashioning and Narrator," em Birke & Köppe, eds., Author and Narrator (Berlin: De Gruyter, 2015), pp. 113–138.
  9. Woodard, D., "In Media Res", 032c, Verão 2011, pp. 180–189.
  10. Link, M., "Wie der Gin zum Tonic", Frankfurter Allgemeine Zeitung, 9 de novembro de 2011.
  11. Kracht, C., & Woodard, Five Years (Hanover: Wehrhahn Verlag, 2011).
  12. Diez, G., "Die Methode Kracht", Der Spiegel, 13 de fevereiro de 2012.
  13. McCann, A. L., "Allegory and the German (Half) Century", Sydney Review of Books, 28 de agosto de 2015.
  14. Allen, M., "Décor by Timothy Leary", The New York Times, 20 de janeiro de 2005.
  15. Knight, C., "The Art of Randomness", Los Angeles Times, 1 de agosto de 1996.
  16. Embaixada dos EUA em Praga, "Literary Centenary", Outubro de 2014.
  17. Woodard, "Burroughs und der Steinbock", Schweizer Monat, Março 2014, p. 23.
  18. Spencer Museum of Art, "Welcome to the Spencer Collection", Universidade do Kansas.

Notas

  1. O filólogo clássico suíço Thomas Schmidt compara a voz epistolária de Woodard com uma figura de segundo plano em um romance de Thomas Pynchon.
  2. Em 1990, Woodard inventou uma máquina psicoativa fictícia, o Feraliminal Lycanthropizer, cujos efeitos são supostamente opostos aos de uma Dreamachine.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]