Éris

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Éris
Éris, representada numa pintura ateniense (c. 520 a.C.)
Deusa da Discórdia
Mãe dos Males
Morada Via Láctea
Cônjuge Éter
Pais Zeus e Hera
Irmãos Ares, Ênio, Hebe, Héstia, Hefesto e Ilítia
Filhos Androctasias, Anfilogias, Algea, Até, Disnomia, Fonos, Hisminas, Horcus, Lete, Limos, Macas, Neikea, Orco, Ponos e Pseudologos
Romano equivalente Discordia

Na mitologia grega, Éris (grego antigo Ἔρις) é a deusa da discórdia. Filha dos reis do Olímpo, fora desprezada por sua mãe Hera por não ter muita beleza, como Atena ou Héstia; Éris então procurou companhia na Via Láctea lar dos titãs e outras deidades à fim de nobres disciplinas, sendo desposada pelo titã Éter, com o qual concebeu catorze filhos. Cada um deles dotado de um poder maligno o que a alcunhou como Mãe dos Males. Éris sempre fora companheira de seus irmãos em questões terrenas, sobretudo de Ares na batalhas. Corresponde à deusa romana Discórdia. Seu oposto é sua sobrinha Harmonia, correspondente à Concórdia romana.

Fontes literárias[editar | editar código-fonte]

Hesíodo (Os Trabalhos e os Dias e Teogonia) aponta Éris como a filha primogênita de Nix, a Noite, e mãe de inúmeros outros flagelos.

Por sua parte Éris deu à luz a três meninos, o doloroso Ponos (fadiga), Macas (batalhas) e Orco (calúnia e difamação); e à onze meninas: Lete (esquecimento), Limos (fome), a chorosa Algea (tristeza), Hisminas (discussões e disputas), Fonos (matança), Androctasias (devastações e massacres), Neikea (ódio), Pseudologos (longas mentiras), a Anfilogias (ambiguidades e dúvidas), a Disnomia (desrespeito) e Até (insensatez) todos eles companheiros inseparáveis.

Homero, na Ilíada, refere-se a Éris como irmã de Ares e, portanto, presume-se, filha de Zeus e Hera (IV, 440-443, tradução livre):

"(...) a Discórdia infatigável,
Companheira e irmã do homicida Ares,
Quem a princípio se apresenta timidamente, mas que logo
Anda pela terra enquanto a fronte toca o céu."

A lenda mais famosa referente a Éris relata o seu papel ao provocar a Guerra de Troia. As deusas Hera, Atena e Afrodite haviam sido convidadas, juntamente com o restante do Olimpo, para o casamento forçado de Peleu e Tétis, que viriam a ser os pais de Aquiles, mas Éris fora desdenhada por conta de seu temperamento controvertido - a discórdia, naturalmente, não era bem-vinda ao casamento. Mesmo assim, compareceu aos festejos e lançou no meio dos presentes o Pomo da Discórdia, uma maçã dourada com a inscrição καλλίστη (kallisti, ou "à mais bela"), fazendo com que as deusas discutissem entre si acerca da destinatária. O incauto Páris, um pastor de rebanhos, príncipe de Troia, foi designado por Zeus para escolher a mais bela. Cada uma das três deusas presentes imediatamente procurou suborná-lo: Hera ofereceu-lhe poder político; Atena, habilidade na batalha; e Afrodite, a atual mulher mais bela mulher do mundo, Helena, esposa de Menelau de Esparta. Páris elegeu Afrodite para receber o Pomo, condenando sua cidade, que foi destruída na guerra que se seguiu.

Derivações[editar | editar código-fonte]

A palavra "erística", em português, vem do nome da deusa grega da discórdia. Significa a arte da disputa argumentativa no debate filosófico, desenvolvida sobretudo pelos sofistas, e baseada em habilidade verbal e acuidade de raciocínio (Houaiss).

Também leva o nome Éris um planeta anão no disco disperso do sistema solar (com a designação oficial 136199 Éris). Seu satélite natural chama-se Disnomia (segundo os antigos gregos, uma das filhas de Éris).

Os discordianos idolatram Éris como sua deusa.