Disnomia (satélite)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Dísnomia
Concepção artística de Disnomia ao fundo de Éris.
Características orbitais[1]
Semieixo maior 37 273 ± 64 km
Período orbital 15,79 dias
Velocidade orbital média 0,172 km/s
Inclinação 45,49 ± 0,15 °
Características físicas
Diâmetro médio 700 ± 115[2] km
Albedo 0,04[3]
Magnitude aparente ~25,4
Magnitude absoluta ~5,6[4][5]

Disnomia é o satélite natural de Éris. O nome significa "desordem" em grego (no original, Δυσνομία dysnomia), uma referência à entidade mitológica que, segundo Hesíodo, era filha de Éris, a Discórdia.

Em 2005, uma equipe nos telescópios Keck no Havaí fez observações aos quatro corpos celestes transneptunianos mais brilhantes (Plutão, 2005 FY9, 2003 EL61 e Éris) usando um novo sistema óptico. Em 10 de Setembro, as observações revelaram uma lua orbitando Éris. Na altura da descoberta, Éris não tinha nome e era conhecida, popularmente, como Xena, assim a lua ganhou a alcunha de Gabrielle pelos seus descobridores, a companheira de Xena na série televisiva Xena, A Princesa Guerreira.

Estima-se que o satélite seja oito vezes menor e 60 vezes menos brilhante que Éris e que orbite o planeta-anão em cerca de 14 dias.

Os astrónomos sabem que três dos quatro mais brilhantes objectos transneptunianos têm satélites, enquanto que cerca de 10% dos membros mais ténues da faixa terão satélites, o que leva a acreditar que colisões entre grandes corpos celestes transneptunianos tenham sido frequentes no passado. Impactos entre corpos da ordem dos 1 000 km de diâmetro espalhariam largas quantidades de material que se aglomerariam numa lua. Um mecanismo semelhante terá formado a lua da Terra. [6]

  1. Holler, B.J.; Grundy, W.M.; Buie, M.W.; Noll, K.S. (fevereiro de 2021). «The Eris/Dysnomia system I: The orbit of Dysnomia». Icarus. 114130 páginas. ISSN 0019-1035. doi:10.1016/j.icarus.2020.114130. Consultado em 8 de julho de 2021 
  2. Brown, Michael E.; Butler, Bryan J. (18 de setembro de 2018). «Medium-sized Satellites of Large Kuiper Belt Objects». The Astronomical Journal (em inglês) (4). 164 páginas. ISSN 1538-3881. doi:10.3847/1538-3881/aad9f2. Consultado em 8 de julho de 2021 
  3. Brown, Michael E.; Butler, Bryan J. (18 de setembro de 2018). «Medium-sized Satellites of Large Kuiper Belt Objects». The Astronomical Journal (4). 164 páginas. ISSN 1538-3881. doi:10.3847/1538-3881/aad9f2. Consultado em 8 de julho de 2021 
  4. «The moon of the 10th planet». web.gps.caltech.edu. Consultado em 8 de julho de 2021 
  5. Brown, Michael E.; Butler, Bryan J. (18 de setembro de 2018). «Medium-sized Satellites of Large Kuiper Belt Objects». The Astronomical Journal (4). 164 páginas. ISSN 1538-3881. doi:10.3847/1538-3881/aad9f2. Consultado em 8 de julho de 2021 
  6. «The moon of the 10th planet». web.gps.caltech.edu. Consultado em 8 de julho de 2021