Pandora

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Pandora (desambiguação).
Pandora
Pandora Lefebvre.jpg
Pandora
Por Jules Joseph Lefebvre, 1882

Pandora (em grego clássico: Πανδώρα, "a que tudo dá", "a que possui tudo", "a que tudo tira"),[1][2] na mitologia grega, foi a primeira mulher, criada por Hefesto e Atena a pedido de Zeus com o fim de agradar[3] aos homens.

O mito de Pandora é uma espécie de teodicéia, pois procura explicar a origem do mal no mundo, que, segundo o mito, teria surgido quando Pandora abriu a "Caixa de Pandora", espalhando todos os males pelo mundo. Alguns entendem que a interpretação de Hesíodo do mito de Pandora influenciou tanto a teologia judaica quanto a cristã.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome Pandora tem origem na união dos elementos gregos "pan", que quer dizer “todos” e "doron", que significa “presente”[4].

Origem[editar | editar código-fonte]

Segundo o mito, Zeus ficou enfurecido, com os humanos, que receberam a arte de fazer o fogo de Prometeu, e decidiu dar à humanidade um "presente" que resultaria em punição, para compensar a vantagem que eles receberam de Prometeu. Desse modo, ordenou a Hefesto (artista celestial, deus do fogo, dos metais e da metalurgia) que moldasse da terra a primeira mulher, uma "bela maldade", cujos descendentes atormentariam a raça humana.

Depois, Atena (deusa da estratégia em guerra, da civilização, da sabedoria, da arte, da justiça e da habilidade) a vestiu com um vestido prateado, um véu bordado, guirlandas e uma coroa ornamentada de prata. Hermes deu a ela "uma mente desavergonhada e uma natureza enganosa", o poder da fala, acrescentando "mentiras e palavras astutas". Além disso, outros deuses lhe deram outras qualidade, como: a graça, a beleza, a persuasão, a inteligência, a paciência, a meiguice, a habilidade na dança e nos trabalhos manuais.

Feita à semelhança das deusas imortais, quando apareceu, pela primeira vez, diante dos homens: "a maravilha se apoderou deles", mas ela era "pura astúcia, não para ser resistida pelos homens". Foi enviada ao titã Epimeteu, a quem Prometeu recomendara que não recebesse nenhum presente dos deuses. Vendo-lhe a radiante beleza, Epimeteu esqueceu quanto lhe fora dito pelo irmão e a tomou como esposa.

Como presente de casamento, os deuses deram a Epimeteu uma caixa, que continha todos os males. Pandora, contrariando uma ordem expressa em sentido contrário, dominada por sua imensa curiosidade, abriu a caixa e todos os males se espalharam pelo mundo[5], restando, retida no recipiente, apenas a esperança. Desse modo, tiveram fim os tempos de inocência e ventura, conhecidos como a Idade de Ouro.[6]

Hesíodo conta duas vezes o mito de Pandora; na Teogonia não lhe dá nome, mas diz (590-593)[7] [8]:

Dela vem a raça das mulheres e do gênero feminino
dela vem a corrida mortal das mulheres
que trazem problemas aos homens mortais entre os quais vivem,
nunca companheiras na pobreza odiosa, mas apenas na riqueza.

Em Os trabalhos e os dias (60-105), Hesíodo reconta o mito, desta vez chamando de Pandora a primeira mulher.[9]

Nesta versão também, por ordem de Zeus, Hefesto molda em barro uma adorável moça, Atena lhe ensina as artes da tecelagem, Afrodite a embeleza, e Hermes lhe dá "uma mente despudorada e uma natureza enganosa" (67-8). As cárites e as horas a adornaram, e por fim Hermes lhe deu a voz e um nome, Pandora, porque "todos os que habitam o Olimpo lhe deram um presente, uma praga para aqueles que comem pão" (81-2). E Hermes a leva a Epimeteu, que a recebe. O mal (doenças e trabalho) começa quando Pandora abre o jarro [nota 1][nota 2][nota 3] e pragas incontáveis saem dele. Entretanto, a esperança não saiu do jarro.

Alguns estudiosos ressaltaram as semelhanças entre as figuras de Pandora e de Eva, pois em ambas as perspectivas mitológicas, uma mulher teria contribuído decisivamente para trazer os males ao mundo[12] [13] [14].

Interpretação[editar | editar código-fonte]

A inversão do mito[editar | editar código-fonte]

Pandora
Pierre Loison, 1861

Jane Ellen Harrison, estudando a cerâmica grega sugere que houve antes de Hesíodo outra versão do mito de Pandora.

Uma ânfora do século V a.C.,[15] mostra Pandora subindo da terra (anodos) na presença de Hefesto, Hermes e Zeus. Essa representação era comum para a deusa da terra (como Gaia ou outra de suas formas).

"Pandora é, no ritual e na mitologia matriarcal, a terra como Kore, mas na mitologia patriarcal de Hesíodo sua grande figura é estranhamente transformada e diminuída."[16]

Num profundo estudo sobre a transformação do mito, Dora e Erwin Panofsky levantam todas as referências literárias e iconográficas sobre ele.[17] Entre os romanos nunca foi muito citado, desapareceu na Idade Média, e só ressurgiu na Renascença, na França.

Representações Artísticas[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Hesíodo não conta de onde veio o jarro, talvez na época fosse conhecido um mito sobre o jarro que Prometeu roubara de Zeus e escondera.
  2. O correto seria Pito não caixa, esta uma corrupção textual posterior.[10]
  3. Jane Ellen Harrison, escreveu em "Pandora's Box"[11] que Erasmo de Roterdã, ao traduzir Hesíodo, confundiu a palavra grega pito com a similar latina para caixa.

Referências

  1. Lidell, H. G., , Scott, R. A Greek-English Lexicon. Pandora, p. 1091
  2. Pucci, P. Hesiod and the language of poetry, p. 96
  3. Bulfinch, Thomas (1999). O Livro de Ouro da Mitologia. História de Deuses e Heróis. 8ª ed. [S.l.]: Ediouro. p. 20,21,22. ISBN 8500013427 
  4. Significado do Nome Pandora, acesso em 26/10/2021.
  5. Bulfinch, Thomas (1999). O Livro de Ouro da Mitologia. História de Deuses e Heróis. 8ª ed. [S.l.]: Ediouro. p. 20,21,22. ISBN 8500013427 
  6. Bulfinch, Thomas (1999). O Livro de Ouro da Mitologia. História de Deuses e Heróis. 8ª ed. [S.l.]: Ediouro. p. 21, 22. ISBN 8500013427 
  7. Hesiod Theogony - Theoi
  8. Hesiod, Theogony: 585-616, em inglês, acesso em 26/10/2021.
  9. Hesiod Works and Days in Theoi Greek Mythology
  10. Verdenius, W. J. A comentary on Hesiod
  11. The Journal of Hellenic Studies 20 (1900: 99–114
  12. Entre Pandora e Eva - A misoginia ainda vigente, acesso em 27/10/2021.
  13. Pandora, Eva e Sofia: a naturalização da desigualdade de gênero na história do pensamento ocidental, acesso em 27/10/2021.
  14. Eva e Pandora, as culpadas das desgraças do mundo?, acesso em 27/10/2021.
  15. Ânfora no Ashmolean Museum, Oxford, Grã-Bretanha - Theoi
  16. Jane Ellen Harrison, Prolegomena to the study of greek religion, pág. 284
  17. Panofsky, Dora e Erwin. A caixa de Pandora - As transformações de um símbolo mítico, Companhia das Letras

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Pandora