Mnemosine

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Mnemosine (desambiguação).
Mnemosine
Deusa da memória e da lembrança
Mnemosine (também conhecido como Lâmpada da MemóriaRicordanza ), de Dante Gabriel Rossetti (1876 a 1881)
Nome nativo Μνημοσύνη
Cônjuge(s) Zeus
Pais Urano e Gaia
Irmão(s) Titãs:
Oceano, Céos, Crio, Jápeto, Hiperião, Cronos
Titânides:
Tétis, Teia, Febe, Reia, Têmis
Ciclopes:
Arges, Brontes, Estéropes
Hecatônquiros:
Briareu, Coto, Giges
Outros irmãos:
Gigantes, Erínias, Melíades
Filho(s) Musas:
Calíope, Clio, Erato, Euterpe, Melpômene, Polímnia, Tália, Terpsícore, Urânia
Romano equivalente Moneta

Mnemosine ou Mnemósine[1] (em grego: Μνημοσύνη, transl.: Mnēmosýnē), era uma titânide que personificava a memória na mitologia grega. A palavra "mnemônico" é derivada da palavra grega antiga μνημονικός (mnēmonikos), que significa "memória ou relacionada à memória" [2] e está relacionada a Mnemósine ("lembrança")[3]. Ambas as palavras são derivadas de μνήμη (mnēmē), "lembrança, memória"[4].

Família[editar | editar código-fonte]

Júpiter, disfarçado de pastor, tenta Mnemosine de Jacob de Wit (1727)

Mnemósine era filha de Urano e Gaia[5][6][7][8][9]. Mnemosine uniu-se com seu sobrinho Zeus, que se apresentou a ela sob o disfarce de um pastor[10]. Eles ficaram juntos por nove noites consecutivas nas montanhas Pieria[11] e depois de um ano, Mnemosine deu à luz as nove musas, que nasceram em um nascimento múltiplo[9][12][13][14][15][16]:

Mitologia[editar | editar código-fonte]

Diodoro Sículo escreveu que foi ela quem descobriu o poder da memória e que ela deu nomes a muitos dos objetos e conceitos usados para fazer os mortais se entenderem enquanto conversavam [17].

Mnemósine também era o nome de um rio no Hades, em frente a Lete, de acordo com uma série de inscrições funerárias gregas do século IV a.C. escrito em hexâmetros dáctilos. As almas dos mortos bebiam de Lete para que não se lembrassem de suas vidas anteriores quando reencarnassem. No Orfismo, os iniciados foram incentivados a beber do rio Mnemosine, o rio da memória, quando morreram, que impediria a transmigração da alma.[18]

Segundo Pausânias, em Lebadeia na Beócia havia a caverna de Trofônio, que era uma das entradas do submundo e onde entrar era necessário primeiro beber de duas fontes. O primeiro, com o nome de Lete (esquecimento), fazia esquecer das coisas passadas, enquanto o outro, com o nome de Mnemosine, permitia lembrar o que teríamos visto na vida após a morte [19]. Um procedimento semelhante é descrito no mito de Er no final da República de Platão.

Culto[editar | editar código-fonte]

Embora não seja uma das divindades mais populares, Mnemosine foi objeto de algum culto menor na Grécia Antiga. Estátuas dela são mencionadas nos santuários de outros deuses, e ela era frequentemente retratada ao lado de suas filhas, as musas. Ela também era adorada em Lebadeia, na Beócia, no Monte Hélicon, na Beócia, e no culto de Asclépio.

Havia uma estátua de Mnemosine no santuário de Dioniso, em Atenas, ao lado das estátuas das musas, Zeus e Apolo,[20] e também uma estátua com suas filhas, as musas, no templo de Atena Alea.[21]

Culto de Asclépio[editar | editar código-fonte]

Mnemosine era uma das divindades cultuadas no culto de Asclépio que se formou na Grécia antiga por volta do século V a.C.[22] . Dizia-se que Asclépio, um herói grego e deus da medicina, era capaz de curar doenças, e o culto incorporou uma infinidade de outros heróis e deuses gregos em seu processo de cura.[22] A ordem exata das ofertas e orações variava de acordo com o local [23], e o suplicante costumava fazer uma oferta a Mnemosine.[22] Depois de fazer uma oferenda ao próprio Asclépio, em alguns locais, uma última oração foi proferida a Mnemosine, quando o suplicante se mudou para a parte mais sagrada do Asclepeion para incubar.[22] A esperança era que uma oração a Mnemosine ajudasse o suplicante a se lembrar de qualquer visão que tivesse enquanto dormia ali.[23]

Genealogia[editar | editar código-fonte]

Árvore genealógica de Mnemosine [24]
UranoGaiaPonto
OceanoTétisHiperiãoTeiaCrioEuríbia
Os PotamoiAs OceânidesHélioSelene [25]EosAstreuPalasPerses
CronosReiaCéosFebe
HéstiaHeraHadesZeusLetoAstéria
DeméterPoseidon
JapetoClimene (ou Ásia[26]MNEMOSINE(Zeus)Têmis
Atlas [27]MenoécioPrometeu [28]EpimeteuAs MusasAs Horas

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Gonçalves, Rebelo (1947). Tratado de Ortografia da Língua Portuguesa. Coimbra: Atlântida - Livraria Editora. p. 49 
  2. μνημονικός. Liddell, Henry George; Scott, Robert; A Greek–English Lexicon no Perseus Project
  3. Mnemósine
  4. μνήμη. Liddell, Henry George; Scott, Robert; A Greek–English Lexicon no Perseus Project
  5. Hesíodo, Teogonia 132
  6. Píndaro, Peã 7
  7. Pseudo-Apolodoro, Biblioteca 1.2
  8. Diodoro Sículo, Biblioteca histórica 5.66.1
  9. a b Higino, Fábulas, prefácio
  10. Ovídio, Metamorfoses VI 114
  11. Antonino Liberal, Metamorfoses 9, 1
  12. Hesíodo, Teogonia 53, 915-917
  13. Nono de Panópolis, Dionisíaca XXXI 169
  14. Hino Homérico IV 428
  15. Píndaro, Peã 6-7
  16. Pseudo-Apolodoro, Biblioteca 1.13
  17. Diodoro Sículo, Biblioteca histórica , V.67
  18. «Lete | Greek mythology». Encyclopedia Britannica (em inglês) 
  19. Pausânias, Descrição da Grécia, IX, 39, 8 e 13
  20. Pausânias, Descrição da Grécia 1. 2. 5
  21. Pausânias, Descrição da Grécia 8. 46. 3
  22. a b c d Ahearne-Kroll, Stephen P. «Mnemosyne at the Asklepieia». Classical Philology. 109 (2): 99–118. doi:10.1086/675272 
  23. a b von Ehrenheim, Hedvig (2011). Greek incubation rituals in Classical and Hellenistic times. Stockholm: Department of Archaeology and Classical Studies, Stockholm University. ISBN 978-91-7447-335-3 
  24. Hesíodo, Teogonia 132–138, 337–411, 453–520, 901–906, 915–920; Caldwell, pp. 8–11, tabelas 11–14.
  25. Embora geralmente seja filha de Hiperião e Teia, como na Teogonia de Hesíodo371–374, no Hino Homérico de Hermes (4), 99–100, Selene é filha de Palas, que é filho de Megamedes.
  26. De acordo com a Teogonia de Hesíodo507–511, Climene, uma das Oceânides, filhas de Oceano e Tétis, na Teogonia351, com Jápeto era a mãe de Atlas, Menoécio, Prometeu, e Epimeteu, equanto que segundo Pseudo-Apolodoro, 1.2.3, Ásia, outra Oceânide, com Jápeto era mãe deles.
  27. De acordo com Critias de Platão 113d–114a, Atlas era filho de Poseidon e da mortal Cleito.
  28. Em Prometeu Acorrentado de Ésquilo 18, 211, 873 (Sommerstein, pp. 444–445 n. 2, 446–447 n. 24, 538–539 n. 113) Prometeu é filho de Têmis.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Mnemosine
Ícone de esboço Este artigo sobre mitologia grega é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.