Biblioteca (Pseudo-Apolodoro)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde janeiro de 2016)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Βιβλιοθήκη
Bibliothēkē
Biblioteca
Autor(es) Pseudo-Apolodoro
Idioma Grego
País Grécia Antiga
Gênero épico e mitologia

A Biblioteca (em grego: Βιβλιοθήκη, Bibliothēkē) é um grande sumário da mitologia grega tradicional e de suas lendas heroicas, abrangendo desde as origens do universo até a Guerra de Troia.

A obra faz uma apresentação detalhada dos mitos gregos, contando a história de cada uma das grandes dinastias dos heróis mitológicos, de Jasão e Perseu a Héracles e Helena de Troia. Estima-se que tenha sido compilada entre os séculos I e II d.C. e representa uma das poucas obras em seu gênero a sobreviver da Antiguidade clássica.

Um certo "Apolodoro" é indicado como autor da Biblioteca, em alguns manuscritos remanescentes. Esse Apolodoro foi erroneamente identificado com Apolodoro de Atenas, que tinha um repertório similar em mitologia, com muitas referências a Homero. Apolodoro de Atenas, discípulo de Aristarco da Samotrácia, nasceu em 180 a.C.. Porém, o texto que chegou até a atualidade cita um autor romano, Castor de Rodes, contemporâneo de Cícero (século I a.C.). Já que, por razões cronológicas, esse Apolodoro não poderia ter escrito o livro, o Scriptor Bibliothecae ("Escritor da Biblioteca") é, por convenção, chamado Pseudo-Apolodoro.

A Biblioteca, que não possuía divisões nos manuscritos, foi convencionalmente dividida em quatro livros. Infelizmente, somente três destes livros chegaram até os tempos atuais. O terceiro livro acaba bruscamente na história de Teseu, e o quarto livro perdeu-se inteiramente. James George Frazer escreveu um epítome, compilando o sumário de dois manuscritos conhecidos do texto, que incluem as partes perdidas, oferecendo-nos assim uma boa ideia de seu conteúdo.

A Biblioteca tem sido usada como uma importante fonte pelos classicistas, desde o tempo de sua compilação até o presente, influenciando escritores da Antiguidade até os contemporâneos, como Robert Graves.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Versões da Biblioteca[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.