Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band
Álbum de estúdio de The Beatles
Lançamento 1º de junho de 1967
Gravação 6 de dezembro de 1966 – 21 de abril de 1967
Estúdio(s) Estúdios EMI e Regent Sound Studio, Londres
Gênero(s)
Duração 39:42
Formato(s) LP
Gravadora(s) Parlophone
Produção George Martin
Cronologia de The Beatles
Último
Último
Revolver
(1966)
Magical Mystery Tour
(1967)
Próximo
Próximo

Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band, popularmente conhecido como Sgt. Pepper, é o oitavo álbum de estúdio da banda britânica de rock The Beatles. Lançado em 1º de junho de 1967, tornou-se imediatamente enorme sucesso comercial e crítico, permanecendo durante 27 semanas no topo das tabelas de álbuns do Reino Unido e 15 semanas na primeira posição nos Estados Unidos. A revista Time o considerou "uma evolução histórica no progresso da música" e a New Statesman elogiou a sua elevação da música pop ao nível de arte.[1] O trabalho conquistou quatro Prêmios Grammy em 1968, incluindo a categoria Álbum do Ano, o primeiro LP de rock a receber tal honra.

Em agosto de 1966, os Beatles retiraram-se permanentemente das turnês e começaram um período de férias que durou três meses. Em novembro, durante um voo de regresso para Londres, Paul McCartney teve uma ideia para uma canção envolvendo uma banda militar da era Eduardiana, a qual eventualmente formaria o ímpeto para o conceito de Sgt. Pepper. As sessões de gravação do sucessor de Revolver começaram em 24 de novembro no Abbey Road Studio Two, com duas composições tematicamente ligadas à infância dos membros da banda: "Strawberry Fields Forever" e "Penny Lane". No entanto, depois de serem pressionados pela EMI, as canções foram lançadas como um single de dupla face, e assim, não foram incluídas no trabalho final.

Em fevereiro de 1967, depois de gravarem a canção "Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band", McCartney sugeriu que os Beatles lançassem um LP inteiro que representasse um espectáculo feito pela banda fictícia Sgt. Pepper. Este grupo alter ego acabou por lhes dar liberdade para fazerem experiências musicais. Durante as gravações, a banda esforçou-se para melhorar a qualidade da produção em comparação com os seus lançamentos anteriores. Sabendo que não iriam tocar as canções ao vivo, adotaram uma abordagem experimental para composição, escrevendo canções como "With a Little Help from My Friends", "Lucy in the Sky with Diamonds" e "A Day in the Life". As técnicas inovadoras de gravação implementadas pelo produtor George Martin incluíam a aplicação liberal da modelagem de som com processamento de sinal e o uso de uma orquestra de quarenta integrantes a tocar crescendos aleatórios. As gravações terminaram em 21 de abril de 1967. A capa, que mostra a banda em pose em frente a uma plateia de celebridades e de figuras históricas, foi criada pelos artistas britânicos Peter Blake e Jann Haworth, baseada num esboço de McCartney.

Sgt. Pepper é considerado pelos musicólogos como um álbum conceitual, que desenvolveu o uso da forma usual na musica popular enquanto continuava a maturação artística vista nos álbuns anteriores dos Beatles. Desde então, tem sido descrito como um dos primeiros LPs de art rock, auxiliando o desenvolvimento do rock progressivo, e creditado como marco inicial da ‘Era do Álbum’. Além de importante trabalho da psicodelia britânica, o disco de multigêneros incorpora diversas influências estilísticas, incluindo vaudeville, circense, music hall, avant-garde, e música clássica ocidental e indiana. Em 2003, a Biblioteca do Congresso Americana inseriu Sgt. Pepper no Registo Nacional de Gravações, honrando o trabalho como "culturalmente, historicamente, ou esteticamente significante".[2] No mesmo ano, a revista Rolling Stone colocou-o em primeiro lugar na lista dos "500 Melhores Álbuns de Sempre" com a justificação de que é "uma aventura inultrapassável em conceito, som, composição, arte da capa e tecnologia de estúdio pelo melhor grupo de todos os tempos de rock and roll."[3] Em 2014, já tinham sido vendidas mais de 30 milhões de cópias mundialmente, fazendo de Sgt. Pepper um dos álbuns mais vendidos da história da música. O Prof. Kevin J Dettmar, ao escrever para a Enciclopédia Oxford de Literatura Britânica, descreveu-o como "o mais importante e influente álbum de rock and roll alguma vez gravado".[4]

Antecedentes

Estávamos fartos de ser os Beatles. Detestávamos aquela abordagem de merda dos quatro pequenos mop-tops.[nb 1] Não éramos rapazes, éramos homens... e pensávamos em nós mesmos como artistas e não apenas como músicos para entreter.[6]

Paul McCartney

Em 1966, os Beatles estavam cansados de realizar concertos ao vivo.[7] Na opinião de John Lennon, eles podiam "enviar quatro bonecos de cera... e seria o bastante para satisfazer a multidão. Os concertos dos Beatles já não tinham nada a ver com música. Eram apenas malditos ritos tribais."[8] Em junho daquele ano, dois dias depois de terem finalizado o álbum Revolver, o grupo iniciou uma turnê mundial a partir da Alemanha.[9] Em Hamburgo, entretanto, receberam um telegrama anônimo que dizia: "Não vão a Tóquio. A vossa vida corre perigo".[10] A ameaça foi levada a sério à luz da controvérsia criada por grupos conservadores e religiosos do Japão, opostos à ideia planejada pelos Beatles de realizar uma apresentação na arena sagrada Nippon Budokan.[10] Como precaução, 35 000 policias foram mobilizados e encarregues de proteger o grupo, que foi transportado dos locais dos shows para os hotéis em carros blindados.[11] O comedimento do público japonês e a ausência de fãs a gritar durante os shows permitiram ao quarteto ouvir suas performances e perceber o quanto elas tinham perdido qualidade. Quando chegaram às Filipinas, foram ameaçados e maltratados pelos cidadãos por não visitarem a Primeira Dama Imelda Marcos. O grupo manifestava descontentamento com o seu empresário, Brian Epstein, por este insistir no que eles consideravam ser um itinerário desgastante e desmoralizante.[12] Depois do regresso a Londres, George Harrison respondeu a uma questão sobre os futuros planos da banda: "Tiraremos um par de semanas para recuperação [da viagem] antes de irmos [aos Estados Unidos] e sermos espancados pelos americanos."[13] Tal comentário provou ser profético, uma vez que o posterior dito de John sobre os Beatles serem "mais populares que Jesus" envolveu a banda em enorme controvérsia, gerando protestos no Bible Belt[nb 2] dos Estados Unidos.[13] Um pedido de desculpas público amenizou a polêmica, mas a pobre excursão nos Estados Unidos, marcada por estádios em meia lotação e atuações abaixo da expectativa, provou ser a última da banda.[14] O autor Nicholas Schaffner lembra que, "para os Beatles, tocar esses concertos tinha se tornado um fingimento tão distante dos novos rumos que eles estavam a perseguir, que nem uma única melodia foi tocada do recém-lançado LP Revolver, cujos arranjos eram, na sua maior parte, impossíveis de reproduzir no palco devido ao seu alinhamento de duas guitarras-baixo-bateria".[15]

Ao retornar à Inglaterra, começaram a circular rumores de que o grupo tinha decidido encerrar suas atividades.[16] Harrison informou a Epstein que ia deixar a banda, mas foi convencido a ficar com a promessa que não haveria mais turnês.[13] O grupo tirou sete semanas de férias, concentrando-se em interesses individuais. George viajou para a Índia e lá permaneceu por seis semanas, tendo aulas avançadas de sitar com Ravi Shankar.[17] Paul McCartney e o produtor George Martin colaboraram para a trilha sonora do filme The Family Way.[18] Lennon atuou no filme How I Won the War e participou de mostras de arte, como uma na Indica Gallery, na cidade de Westminster, onde viria a conhecer Yoko Ono, a sua futura esposa.[19] Ringo Starr aproveitou a pausa para passar mais tempo com a sua esposa Maureen e o filho Zak.[20]

Conceito e inspiração

Em novembro de 1966, durante um voo de retorno do Quênia para Londres, onde estava de férias com o diretor de turnês Mal Evans, McCartney teve ideia para uma música. Tal ideia, que formaria o ímpeto para o conceito de Sgt. Pepper, envolvia uma banda militar da era eduardiana, de nome inventado por Evans, ao estilo de grupos contemporâneos de São Francisco como Big Brother and the Holding Company e Quicksilver Messenger Service.[21] Em fevereiro de 1967, Paul sugeriu que os Beatles gravassem um disco inteiro que representasse uma performance desse grupo ficcional.[22] Tal grupo alter ego daria a eles a liberdade para experimentar musicalmente. O beatle explicou: "Eu pensei, vamos deixar de ser nós mesmos. Vamos desenvolver alter egos".[23]

Cquote1.svg O 'sargento Pepper' não apareceu até a metade do processo de feitura do álbum. Era uma música do Paul, somente um número comum de rock (...) Paul disse: "Porque não fazemos um álbum como se a banda de Pepper realmente existisse, como se o 'sargento Pepper' estivesse gravando? Gravaremos efeitos e tudo mais." Eu amei a ideia, e, daquele momento em diante, foi como se Pepper tivesse vida própria. Cquote2.svg
George Martin[24]

Em 1966, o crescente interesse do músico americano Brian Wilson por estética de gravação, além da sua admiração pelo Wall of Sound e por Rubber Soul, ambas produções de Phil Spector, serviram de fonte criativa ao que resultou no lançamento de Pet Sounds, dos Beach Boys, que mostrou seu expertise em produção e maestria em composição e arranjo.[25] [nb 3] O autor Thomas MacFarlane define o lançamento de Pet Sounds como inspirador de muitos músicos daquele tempo, com Paul, em particular, a cantar seus louvores e extrair inspiração para uma "expansão do foco de trabalho dos Beatles com sons e texturas não usualmente associadas à música popular."[29] McCartney pensava que, por ele constantemente tocar o álbum, foi difícil Lennon "escapar da influência", adicionando: "Foi inteligentemente executado... então nós fomos inspirados por ele e pegamos algumas ideias."[30] Martin afirmou: "Sem Pet Sounds, Sgt. Pepper nunca teria acontecido. 'Pepper' foi uma tentativa de se igualar a Pet Sounds." [31] [nb 4]

Gravação e produção

Abbey Road Studio Two, onde quase todas as faixas de Sgt. Pepper foram gravadas.[36]

De acordo com o musicólogo Walter Everett, Sgt. Pepper marcou o início da ascensão de Paul como a força criativa dominante dos Beatles. Ele escreveu mais da metade do material do LP, além de ter obtido crescente controle do processo de gravação das canções. Ele proveria, desse ponto em diante, direção artística para os lançamentos do grupo.[37] [nb 5] As sessões de gravação do disco foram iniciadas em 24 de novembro de 1966, no Abbey Road Studio Two, na primeira vez que os Beatles se reuniram desde setembro daquele ano.[40] Cobertos pelo luxo de um orçamento quase ilimitado, eles reservavam sessões sem data de volta marcada, buscando rotinas de trabalho flexíveis, em horário tão tarde quanto quisessem.[41] [nb 6] O grupo começou a empreitada com três músicas intencionadas a serem lançadas em um álbum tematicamente conectado à infância dos membros: "Strawberry Fields Forever", "When I'm Sixty-Four" e "Penny Lane".[42] A primeira sessão foi marcada pela introdução de um novo instrumento de teclado, o Mellotron,[43] cujas teclas desencadeavam gravações de fita de uma variedade de instrumentos.[44] Um notório exemplo do uso do equipamento é a performance de McCartney na introdução de "Strawberry Fields Forever" usando configuração de flauta.[43] A complexa produção da faixa envolveu inovadora divisão de dois takes, que foram gravados em diferentes andamentos e alturas.[45] O engenheiro de som da EMI Geoff Emerick relembra que, durante a gravação de Revolver, "nós nos acostumamos a solicitações para se fazer o impossível, e nós sabíamos que a palavra 'não' não existia no vocabulário dos Beatles."[46] Na opinião de Martin, "Sgt. Pepper cresceu naturalmente a partir de Revolver", perfazendo "uma era de quase contínua experimentação tecnológica".[47] [nb 7]

Periódicos de música começaram a nos depreciar... porque [o disco] demorou cinco meses para ser gravado, e eu lembro da grande graça em ver, em um desses periódicos, como os Beatles tinham se tornado improdutivos... e eu estava sentado, esfregando minhas mãos e dizendo "espere só."[52]

Paul McCartney

"Strawberry Fields Forever" e "Penny Lane" foram ulteriormente lançadas como um lado A e lado B em fevereiro de 1967, após a EMI e Epstein pressionarem Martin por um single.[53] Quando o trabalho falhou em alcançar o topo das paradas no Reino Unido, as agências da imprensa britânica especularam que o caminho de sucesso do grupo talvez tivesse acabado, com manchetes como "Beatles falham em alcançar o topo", "Primeira vez em quatro anos" e "A bolha estourou?".[54] Após tal lançamento, o conceito de infância foi abandonado em favor do "Sgt. Pepper", e, sob a insistência de Epstein, os singles não foram inclusos no LP.[nb 8] Martin posteriormente descreveu a decisão de excluir essas duas músicas como "o maior erro de minha vida profissional".[56] Não obstante, no seu julgamento, "Strawberry Fields Forever", na qual ele e a banda permaneceram 55 horas de tempo de estúdio gravando, "estabelece a agenda de todo o álbum."[57] [nb 9] Martin explicou uma das principais características do disco: "Seria um trabalho...[com músicas que] não poderiam ser tocadas ao vivo: elas foram concebidas para serem produções de estúdio e essa era a diferença."[59] [nb 10] McCartney acreditava que estava a gravar o melhor trabalho dos Beatles, declarando: "Agora, nossa performance 'é' esse álbum."[61] Emerick relembra: "Por sabermos que os Beatles nunca tocariam essas músicas ao vivo, não existiram barreiras criativas."[62] Em 6 de dezembro de 1966, o grupo começou a trabalhar em "When I'm Sixty-Four", a primeira faixa que seria incluída no lançamento.[63]

Sgt. Pepper foi gravado com o uso de um equipamento de quatro canais. Embora fitas de oito canais estivessem disponíveis nos Estados Unidos, as primeiras unidades não eram consideradas operacionais para estúdios comerciais de Londres até 1967.[64] [nb 11] No oitavo LP dos Beatles, assim como nos anteriores, foi feito uso extensivo da técnica conhecida como "ping-pong", por meio da qual entre uma e quatro faixas do gravador são mescladas e passam por processo de transferência entre dispositivos de armazenamento de mídia de diferentes formatos a partir de um equipamento mestre de quatro faixas. O procedimento possibilitou aos engenheiros da Abbey Road dar ao conjunto um tratamento virtual multi-faixa.[66] Os equipamentos Studer J37 de quatro faixas da EMI eram propriamente adequados para mixagem de redução, já que as gravações de alta qualidade produzidas por eles minimizavam o acrescido ruído associado com o processo utilizado.[67] Preferindo gravar suas passagens de contrabaixo por último, McCartney preferia tocar outros instrumentos nas sessões para as faixas de apoio. Esse costume custou-lhe tempo extra necessário para escrever e gravar linhas melódicas de baixo que complementassem o arranjo final das músicas.[68] Na gravação de orquestra para "A Day in the Life", Martin sincronizou um gravador de quatro faixas tocando as camadas de apoio dos Beatles com outro gravando a orquestra. O engenheiro Ken Townsend idealizou um método para realizar esse procedimento por meio do uso de um controle de sinal de 50 Hz entre dois equipamentos.[69]

Studer J37 de quatro faixas utilizado na gravação de Sgt. Pepper.[70]

Um dos principais procedimentos técnicos aplicados em Sgt. Pepper por Martin e Emerick para moldar o som da gravação foi o processamento de sinal, que incluiu a aplicação de compressão dinâmica, reverberação e de limitação de sinal.[71] Foram usadas unidades modulares de efeito relativamente novas, como ao produzir sons de vozes e instrumentos por meio de um auto-falante Leslie.[62] Várias técnicas inovadoras de produção foram utilizadas proeminentemente nas gravações, incluindo conexão direta, ambiophonics e pitch control,[72] este último associado ao varispeeding.[62] Outra importante aplicação foi o automatic double tracking (ADT), um sistema que usa gravadores de fita para criar duplicações sonoras simultâneas. Embora na época já existisse largo reconhecimento de que o uso de fitas multi-faixa para gravação de vocais principais duplos produzia som aprimorado, antes do ADT era necessário gravar tais faixas vocais duas vezes, uma tarefa considerada entediante e de grande exigência. O ADT foi inventado por Townsend durante as sessões de Revolver, em 1966, especialmente para os Beatles. O processo tão logo se transformou em prática de gravação comum na música popular.[73] Martin divertidamente relatava: "Isso duplica sua voz, John."[74] Lennon percebeu que Martin estava brincando, mas, desse momento em diante, ele passou a se referir ao efeito como flanging, um rótulo que foi universalmente adotado pela indústria da música.[74] Martin cita "Lucy in the Sky with Diamonds" como tendo o maior número de variações de velocidade de fita em Sgt. Pepper. Durante a gravação dos vocais de John, a redução de velocidade ia de 50 ciclos para 45, o que produzia uma faixa de som mais alto e fino quando retornada à velocidade normal.[75]

Cquote1.svg Ouvindo cada fase de gravação deles, uma vez que terminaram as primeiras faixas, é difícil ver o que eles ainda estão almejando. (…) Frequentemente, a versão final, complexa, cheia de camadas, parece ter afogado a melodia simples inicial. Mas eles sabem que não é certo, mesmo que não possam colocar isso em palavras. A dedicação deles é gigantesca, minando, por períodos de dez horas, cada canção.[76] Cquote2.svg
Hunter Davies, 1968

No intento de obter a sonoridade correta, os Beatles realizaram numerosas regravações de "Getting Better". Quando a decisão de realizar tal procedimento com a faixa de base foi então tomada, Starr foi convocado ao estúdio, mas foi dispensado logo em seguida, quando o foco mudou do ritmo para o acompanhamento vocal.[77] O baterista, após completar as gravações básicas de seu instrumento, viu sua contribuição ser limitada a trechos adicionais menores de percussão e lamentou: "A maior memória que eu tenho de Sgt. Pepper... é que eu aprendi a jogar xadrez."[78] Para a música título,"Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band", a gravação do conjunto de bateria de Starr foi aprimorada pelo uso de damping e da prática de posicionar os microfones estrategicamente próximos ao instrumento. O musicólogo Ian MacDonald credita a nova prática de gravação como criadora de um som "tridimencional", que, junta a outras inovações dos Beatles, engenheiros de som dos Estados Unidos viriam a adotar como procedimento padrão.[79] McCartney tocou um piano de cauda em "A Day in the Life" e um órgão Lowrey em "Lucy in the Sky with Diamonds", enquanto Martin tocou um pianet Hohner em "Getting Better", um cravo em "Fixing a Hole" e um harmônio em "Being for the Benefit of Mr. Kite!".[80] Harrison usou um tanbūr em várias músicas, incluindo "Lucy in the Sky with Diamonds" e "Getting Better".[81]

A prensagem britânica de Sgt. Pepper foi a primeira ocasião na qual um álbum pop foi masterizado sem os intervalos que normalmente são colocados entre as faixas como ponto de demarcação.[82] Foi feito uso de dois crossfades que combinaram as faixas, dando a impressão de contínua performance ao vivo.[83] [nb 12] Embora tivessem sido produzidas versões de mixagem do disco tanto em estéreo quanto em mono, os Beatles estiveram envolvidos de forma mínima na tarefa, que eles consideravam a menos importante das sessões de mixagem, deixando-a a cargo de Martin e Emerick.[85] Emerick relembra: "Nós passamos três semanas nas mixagens mono e talvez três dias nas estéreo."[86] Ele estima que foram gastas setecentas horas no LP, tempo trinta vezes maior que o gasto no primeiro disco dos Beatles, Please Please Me, que custou £400 para ser produzido à época.[87] O custo final de Sgt. Pepper foi então de aproximadamente £25,000.[88] Os trabalhos foram finalizados em 21 de abril de 1967, com a gravação de ruídos aleatórios, como um som de cão que foi incluído no groove de término.[89]

Música e letra

Sgt. Pepper é um trabalho multi-gênero de rock e pop.[90] Incorpora diversidade estilística de influências advindas do rock and roll, vaudeville, big band, jazz piano, blues, música de câmara, música circense, music hall, Avant-garde, Música clássica ocidental e música clássica indiana.[91] De acordo com o autor Naphtali Wagner, sua música reconcilia os "ideais estéticos diametralmente opostos" da música clássica e da psicodelia, angariando uma "síntese 'psicoclássica'" das duas formas musicais.[92]

(…) [Martin] me perguntou, "Você sabe o que causou Pepper?" Eu disse, "Uma palavra por vez: George. Drogas. Maconha." E George disse, "Não, não. Você não estava drogado o tempo todo." "Sim, estávamos." Sgt. Pepper foi o álbum das drogas.[93]

Paul McCartney

A preocupação acerca de referências ao uso recreativo de drogas em algumas das letras levou a BBC a banir várias canções das rádios britânicas, como "A Day in the Life", em decorrência do verso "I'd love to turn you on", com a alegação de que trechos como esse poderiam "encorajar atitude permissiva em favor do uso de drogas."[94] Embora Lennon e McCartney negassem qualquer interpretação relacionada a drogas à época, Paul posteriormente sugeriu que o verso foi escrito deliberadamente de forma ambígua para referir-se tanto ao uso ilícito de drogas quanto a atividades sexuais.[95] A música "Lucy in the Sky with Diamonds" também foi assunto de especulação, muitos acreditando que o título era uma metáfora sobre a droga alucinógena LSD.[96] A BBC decidiu banir a faixa a partir desse argumento.[39] O grupo de mídia baniu, ainda, "Being for the Benefit of Mr. Kite!", pela menção, em sua letra, de "Henry the Horse", uma expressão que contém duas gírias comuns para heroína.[97] Fãs especularam que "Henry the Horse" significaria um traficante e que o título da faixa "Fixing a Hole" fosse uma referência ao uso de heroína.[1] Também foram apontados versos como "I get high" em "With a Little Help from My Friends", "take some tea", gíria para o uso da cannabis, em "Lovely Rita" e "digging the weeds" em "When I'm Sixty-Four", por exemplo.[98]

A autora Sheila Whiteley relaciona a filosofia subjacente de Sgt. Pepper não somente à cultura das drogas, mas também à metafísica e ao movimento Flower Power.[99] O musicólogo Oliver Julien enxerga o disco como uma materialização das "mudanças sociais, musicais e, de forma mais geral, culturais, dos anos 1960".[100] O psicólogo e personalidade da contracultura Timothy Leary sustenta que o LP "deu voz ao sentimento de que o passado foi superado... o álbum veio na hora certa" e salientou a necessidade de uma mudança cultural com base em uma agenda pacífica.[101] Seu valor primário, de acordo com o intelectual Alan F. Moore, é a habilidade de "capturar, mais vividamente que quase tudo na contemporaneidade, seu próprio tempo e lugar".[102] Whiteley concorda, creditando o trabalho como "provedor de uma captura instantânea da Inglaterra durante a ocorrência do Verão do Amor".[101] Vários acadêmicos aplicaram estratégias hermenêuticas em suas análises das letras de Sgt. Pepper, identificando "perda e inocência" e os "perigos da excessiva complacência em relação a fantasias e ilusões" como os temas mais proeminentes do disco.[103]

Lado A

MacDonald louva o "vocal hard rock de McCartney. Martin considera a faixa como a mais "mais característica do estilo dos Beatles" presente no LP.[104]

Problemas para escutar este arquivo? Veja a ajuda.

Sgt. Pepper é iniciado com a faixa-título, que começa com dez segundos de sons combinados de uma orquestra a ensaiar e de uma platéia à espera do concerto, introduzindo a ilusão do álbum como uma performance ao vivo.[105] [nb 13] O musicólogo Kenneth Womack descreve a letra da faixa "Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band" como "um momento revolucionário na vida criativa dos Beatles", que preenche a lacuna, às vezes descrita como quarta parede, entre a audiência e o artista. Ele argumenta que, paradoxalmente, a letra "exemplifica a retórica descompromissada dos gracejos em shows de rock", enquanto "zomba da própria noção da capacidade de álbuns pop de engendrar autêntica ligação entre artista e público".[108] Ele credita o uso, na gravação, de grupos de instrumentos de sopro e da distorção em guitarras elétricas como exemplo primitivo de rock fusion.[108] MacDonald concorda, descrevendo a faixa como uma abertura em vez de propriamente uma das canções, além de uma "astuta combinação entre uma variedade de tipos orquestrais da era eduardiana" e com hard rock contemporâneo.[107] [nb 14] O musicólogo Michael Hannan descreve a mixagem stereo não ortodoxa da faixa como "típica do álbum", com o vocal principal no microfone direito durante os versos, mas no esquerdo durante o refrão.[110] "Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band" foi a primeira faixa dos Beatles a ser beneficiada pela técnica de produção conhecida como "injeção direta", que, de acordo com Womack, "proporcionou ao baixo de McCartney texturas mais ricas e claridade tonal".[82] [nb 15] O arranjo da canção utiliza progressão harmônica em modo lídio orientada ao rock and roll durante a introdução e nos versos construídos em acordes de sétima paralelos, os quais Everett descreve como "a força da música".[111] A ponte de cinco compassos é preenchida por um quarteto de trompas eduardiano cujo arranjo Martin concebeu a partir da melodia vocal de Paul.[107] A faixa muda para escala pentatônica no refrão, onde sua progressão de blues rock é aumentada pelo uso de power chords de guitarras elétricas, tocadas em quintas paralelas.[111] [nb 16]

McCartney atua como mestre de cerimônias no trecho próximo ao final da faixa, introduzindo Starr como um alter ego chamado Billy Shears.[82] A canção então segue ininterruptamente para "With a Little Help from My Friends" em meio a um momento de regozijo da platéia, gravado por Martin durante um show dos Beatles no Hollywood Bowl.[113] Womack descreve os vocais principais de barítono de Starr como "encantadoramente sinceros", atribuindo a eles a transmissão de um elemento de "seriedade em nítido contraste com o irônica distância da faixa-título."[113] John e Paul, nos vocais de apoio, fazem perguntas a Starr sobre o significado da amizade e do amor verdadeiro.[114] [nb 17] Na opinião de MacDonald, a letra é "ao mesmo tempo comum e pessoal... tocantemente entregue por Starr [e] significativa de um gesto de inclusão; todos poderiam participar."[117] Womack concorda, identificando "necessidade de comunhão", como o "dogma ético central" da canção, um tema que ele atribui ao LP como um todo.[114] Everett observa o uso de uma cadência plagal dupla que teria se tornado comum na música pop após o lançamento de Sgt. Pepper. Ele caracteriza o arranjo como inteligente, particularmente a sua inversão da relação de perguntas e respostas na estrofe final, em que os backing vocals fazem perguntas importantes e Starr fornece respostas inequívocas.[118] A canção termina com uma alta nota vocal que McCartney, Harrison e Lennon incentivaram Starr a atingir, apesar de sua falta de confiança como cantor.[119]

A gravação utiliza o som de tanbür misturado ao do órgão Lowrey, criando o que Hannan caracteriza como uma das "mais inusitadas combinações sonoras" de todas as faixas.[120]

Problemas para escutar este arquivo? Veja a ajuda.

Apesar da suspeita generalizada de que "Lucy in the Sky with Diamonds" continha uma referência oculta ao LSD, Lennon insistiu que foi derivada de um desenho pastel do seu filho de quatro anos, Julian. Um capítulo de Through the Looking-Glass, novela de 1871 de Lewis Carroll, teria inspirado a atmosfera da música.[121] McCartney confirmou a existência do desenho e a influência de Carroll na faixa, notando que, embora a aparente referência às drogas no título não tivesse sido intencional, a letra foi propositalmente escrita para uma música psicodélica.[122] A primeira estrofe começa com o que Womack caracteriza como "um convite na forma de um imperativo", em "Picture yourself in a boat on a river", e continua com descrições imaginárias de cenários, incluindo "tangerine trees" ,"rocking horse people" e "newspaper taxis", por exemplo.[123] Martin considera a melodia da introdução como "crucial para o vigor da música".[124] Na sua opinião, a estrofe pode soar monótona se não pela justaposição "dessa quase única nota vocal contra as inspiradas notas introdutórias", as quais ele descreve como "irresistivelmente mesméticas". [125] Na visão de Womack, com a união entre a letra de John e a introdução do órgão Lowrey de Paul, "os Beatles alcançaram a mais vívida instância do timbre musical".[126] O musicólogo Tim Riley identifica a música como o momento "no álbum, [onde] o mundo material é completamente nublado na mítica do texto e da atmosfera musical."[127] De acordo com MacDonald, "o caráter explícito da letra recria a experiência psicodélica".[96] Lennon explicou: "Era a Alice no barco. Ela está comprando um ovo e ele se transforma no Humpty Dumpty. A mulher que serve na loja se transforma em ovelha e no minuto seguinte eles estão... em um barco a remo e eu estava visualizando isso. Havia também a imagem de uma mulher que viria um dia me salvar, uma 'menina com olhos caleidoscópicos', que viria do céu. Ela acabou por ser Yoko... então talvez deveria se chamar 'Yoko in the Sky with Diamonds'."[128]

MacDonald acredita que "Getting Better" contém "a performance mais efervescente" em Sgt. Pepper.[129] Womack credita a "condução sonora de rock" da faixa como o fator distintivo em relação ao material abertamente psicodélico do disco, e sua letra inspiraria o ouvinte "a usurpar o passado vivendo bem e fazendo florescer o presente".[123] Ele cita a música como um exemplo da força da escrita colaborativa de Lennon e McCartney, particularmente a adição, por parte de John, do verso: "couldn't get much worse", que serve como uma tréplica sarcástica ao refrão de Paul: "It's getting better all the time".[130] McCartney descreve a letra de Lennon como "sarcástica" e "contra o espírito da canção", o que ele conclui ser o "típico John".[131] [nb 18] MacDonald caracteriza o início da faixa como "alegremente inortodoxo", com duas guitarras em staccato a tocar o dominante contra o subdominante de uma corda fá maior com nona, com a tônica a resolver quando a estrofe se inicia. O dominante, que atua como um pedal, é reforçado pelo uso de oitavas tocadas no contrabaixo e arrancadas nas cordas do piano.[132]

Pôster de 1843 do Circus Royal que serviu de inspiração para "Being for the Benefit of Mr. Kite!".

Womack interpreta a letra de "Fixing a Hole" como "a busca do falante por identidade entre o público", em particular, "buscas por consciência e conexão" que diferenciam da sociedade como um todo.[130] MacDonald caracteriza-a como uma "faixa distraída e introvertida", durante a qual McCartney esquece sua "usualmente suave projeção" em favor de "algo mais preocupado".[133] Womack acrescenta que a guitarra elétrica de Harrison acompanha bem a faixa, capturando seu tom e transmitindo desapego.[133] Paul buscou inspiração para a canção em parte do seu trabalho de restauração de uma fazenda escocesa.[134] Womack nota uma adaptação da letra de "We're Gonna Move", de Elvis Presley, em "a hole in the roof where the rain leaks in".[135] A música denota o desejo de McCartney de deixar sua mente vaguear livremente e expressar sua criatividade sem o fardo de inseguranças auto-conscientes.[136] [nb 19]

Na perspectiva de Everett, a letra de "She's Leaving Home" fala sobre o problema da alienação "entre pessoas discordantes", particularmente entre grupos afetados por separações entre gerações.[138] A "narração descritiva" de McCartney, que detalha os apuros de uma "garota solitária" que escapa do controle de seus "egoístas porém bem intencionados pais", foi inspirada por uma reportagem do Daily Mail sobre as fugas de adolescentes de suas casas.[139] É a primeira faixa de Sgt. Pepper que evita o uso de guitarras e baterias, caracterizada por um noneto de cordas e harpa, estimulando comparações com "Yesterday" e "Eleanor Rigby", as quais usam um quarteto de cordas e um octeto, respectivamente.[140] [nb 20] Enquanto a resenha de Richard Goldstein em 1967 para o The New York Times caracteriza a canção como pouco inspirada, MacDonald identifica a faixa como uma das duas melhores do disco. Moore nota o julgamento do resenhista como feito a partir de "critérios de oposição", considerando que Goldstein opinou durante o surgimento dos movimentos de contracultura da década de 1960, enquanto MacDonald, a escrever em 1995, é "intensamente consciente dos revezes [do movimento]".[140]

Lennon adaptou a letra para "Being for the Benefit of Mr. Kite!" a partir de um póster de 1843 de um circo comprado em Kent no dia da filmagem do videoclipe para "Strawberry Fields Forever".[143] Womack elogia a mistura bem sucedida das características visuais do impresso com a música: "O poder interpretativo da aplicação de mistura de mídias tem sua importância advinda da produção musical com a qual o grupo imbui o texto original do poster."[144] MacDonald nota no pedido de John por uma "produção de campo na qual se pudesse sentir o cheiro da serragem" uma atmosfera que Martin e Emerick tentaram criar com uma colagem sonora que compreendeu gravações aleatoriamente montadas de harmônios, harmônicas e calíopes.[145] [nb 21] MacDonald descreve a música como "expressão expontânea do hedonismo brincalhão do autor".[147] Everett pensa que o uso de imaginários eduardianos na faixa liga-a tematicamente ao número de abertura do álbum.[148]

Lado B

A principal contribuição de Harrison para o disco, "Within You Without You" é uma canção de rock bastante influenciada pela musicalidade indiana e por isso é considera um raga rock.

Problemas para escutar este arquivo? Veja a ajuda.

Após Martin decidir que "Only a Northern Song" não era boa o suficiente para ser incluída Sgt. Pepper, Harrison escreveu "Within You Without You", inspirada em música clássica hindu.[149] MacDonald descreve a faixa como uma "ambiciosa composição de fusão intercultural e filosofia meditativa", embora muitos a tivessem rejeitado e classificado como entediante, outros críticos caracterizando-a como fraca em termos de "atratividade harmônica", com letra "santimonial... didática e datada".[150] [nb 22] Moore defende a dependência da gravação na melodia em detrimento da harmonia como um atributo musical inteiramente apropriado para o gênero. Ele caracteriza a resposta crítica como "extremamente variada", notando que Goldstein identifica a faixa como um dos pontos altos do disco enquanto outros a veem como uma epítome adequada do material do lado A.[152] MacDonald considera a canção como um "distante afastamento" do estilo sonoro dos Beatles e uma "notável conquista" que representa a "consciência" do LP.[153] Womack concorda, definindo-a como "sem dúvida, a alma ética do álbum".[154] Maximizando a "potência da expressividade" do disco, a música apresenta um tempo rubato que não apresenta precedentes na discografia dos Beatles.[154] A altura da música é derivada da escala oriental da Khamaj, a qual é semelhante ao modo mixolídio no mundo ocidental.[155] [nb 23] A música termina com um arroubo de risos que alguns ouvintes interpretavam como escárnio à canção, mas Harrison explicou: "Bem, depois de toda essa coisa indiana você deseja algum alívio. É uma libertação depois de cinco minutos de música triste... Você deveria ouvir o público, de qualquer maneira, como eles ouvem a apresentação do sargento Pepper. Esse é o conceito do álbum."[157] [nb 24] Martin usou o momento de leveza como transição para o que ele descreveu como a "faixa humorística" de Sgt. Pepper, "When I'm Sixty-Four".[159]

Hannan escreve: "Os ricos timbres de clarinetes dão ao mix uma sonoridade mais completa, mais cheia, que muitas das outras faixas do trabalho".[160] [nb 25]

Problemas para escutar este arquivo? Veja a ajuda.

MacDonald cita "When I'm Sixty-Four" como um exemplo da versatilidade dos Beatles. Ele classifica a música como "destinada principalmente aos pais", tomando emprestado muito do estilo de música inglesa de salão de George Formby, enquanto evoca imaginários de "cartões postais de beira-mar" do ilustrador Donald McGill.[63] Seu esparso arranjo inclui carrilhão de orquestra, clarinete e piano.[162] MacDonald nota que a faixa tem "fria recepção" da maioria do público mais jovem e Everett atribui isso à propensão de McCartney pelo "vaudeville aprazível à audiência... que Lennon detestava".[163] Paul escreveu a canção no final dos anos 1950 como um ato instrumental, com uma de suas versões apresentada ocasionalmente durante shows em Hamburgo.[164] Ele revisitou a composição em 1966, por volta da época em que seu pai completou 64 anos.[155] Moore caracteriza a música como uma síntese de ragtime e pop, notando que sua posição, logo após "Within You Without You", uma mistura de música clássica indiana e pop, é representativa da diversidade presente no trabalho.[165] McCartney requisitou clarinetes and pediu que eles fossem arranjados "da forma clássica", o que, de acordo com Martin, "deixou um sentimentalismo à espreita".[166] MacDonald nota que a inclusão da música em meio às "texturas psicodélicas repletas de camadas" características das outras faixas "proporciona um singelo interlúdio" ao LP.[63] Moore define os arranjos de clarinete de Martin e o uso de vassourinhas por Starr como estabelecedores de uma atmosfera music hall, que é reforçada pela entrega vocal de McCartney e pelo uso de cromatismo, um padrão harmónico que remonta ao "The Ragtime Dance" de Scott Joplin e ao Danúbio Azul de Johann Strauss.[167] Varispeeding foi usado na faixa, elevando a altura da música por um semitom na intenção de fazer Paul soar mais jovem.[168] Everett nota que o protagonista da letra é às vezes associado à Lonely Hearts Club Band, mas, em sua opinião, a música é tematicamente desconexa às outras do disco.[161]

Womack caracteriza "Lovely Rita" como um trabalho de "acelerada psicodelia" que contrasta nitidamente com a faixa precedente.[169] Ele identifica a música como um exemplo do talento de McCartney para "criar retratos musicais imagísticos", mas a coloca entre as mais fracas de todo o disco, pressagiando o que ele descreve como as "composições menos eficazes" que os Beatles viriam a gravar pós-Sgt. Pepper.[169] Na sua perspectiva, "a canção realiza pouco na jornada do álbum em direção a uma consciência humana mais expansiva".[169] Apesar das suas observações, ele considera a faixa "irresistivelmente charmosa".[169] Moore concorda, definindo a composição como "de se desconsiderar", embora louve o que caracteriza como seu "forte senso de direção harmônica".[170] MacDonald descreve a música como "sátira à autoridade" que é "imbuída com um exuberante interesse na vida, que eleva espíritos, dispersando auto-absorção".[171]

"Good Morning Good Morning" foi inspirada por um comercial de televisão do produto Corn Flakes, da Kellogg's, cujo jingle John adaptou como o refrão da música. A faixa utiliza o modo mixolídio em , e, na visão de Everett, "expressa perfeitamente a queixa de Lennon contra a complacência".[172] John, no entanto, considerava a música "um lixo", e Paul via essa postura como uma reação do parceiro às frustrações de sua vida doméstica.[173] Womack louva a variedade de tempos da faixa, incluíndo 5/4, 3/4 e 4/4, chamando-a de "obra-prima da energia elétrica".[174] MacDonald nota a "performance de alta qualidade" de Ringo e o "cintilante solo de guitarra pseudo-indiana" de Paul, o qual ele acredita criar o clímax da faixa.[175] A pedido de Lennon, uma série de sons de animais foram inseridos durante o fade out sequenciado, como se cada sucessivo animal fosse um maior a devorar o precedente.[175] Martin emendou o som de uma galinha a cacarejar ao final da faixa para sobrepor com uma guitarra sendo sintonizada na próxima, criando uma transição suave entre as duas músicas.[176]

"Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band (Reprise)" serve como um suporte delimitador e uma transição ao ato final. A música, um característico hard rock, foi escrita após sugestão do assistente do grupo, Neil Aspinall, já que a música original, que inicia o disco, demandava uma "reaparição" da banda ficcional no momento próximo ao fim do disco.[177] A reprise omite a seção de metais da faixa-título e apresenta um andamento mais rápido.[178] MacDonald observa nessa faixa emoção aparente dos Beatles, tangivelmente traduzida a partir das sessões de gravação.[179]

Womack descreve o final dessa sequência como o "momento mais decisivo" de Sgt. Pepper.[179]

Problemas para escutar este arquivo? Veja a ajuda.

Quando o último acorde de "Sgt. Pepper... (Reprise)" é tocado, um dedilhar não usual de colcheia de guitarra acústica é iniciado, introduzindo o que Moore descreve como "uma das músicas mais pungentes já escritas".[180] "A Day in the Life" consiste em quatro estrofes de Lennon, uma ponte, dois crescendos orquestrais aleatórios e uma parte média escrita e cantada por McCartney. O primeiro crescendo desempenha papel de transição entre a terceira estrofe e a parte média, conduzindo à ponte conhecida como "sequência onírica", caracterizada pelas vocalizações de John.[180] Na opinião de Martin, o "lamento", tratado com eco de fita e lento panning da direita para a esquerda e repetido uma vez antes do término repentino na escuta esquerda, contribuiu para que a crítica considerasse tal música como um "sonho de marijuana".[181] O acompanhamento de metais indica altamente o fim da sequência e o começo da quarta e final estrofe, após a qual a música entra num último crescendo antes do desfecho com um acorde de piano a desvanecer por quase um minuto.[182] A ideia de usar uma orquestra foi de Paul. Ele buscou inspiração a partir dos compositores avant garde John Cage and Karlheinz Stockhausen.[183] Os crescendos são executados por quarenta músicos selecionados dos quadros da Orquestra Filarmônica Real e da Orquestra Filarmônica de Londres, incumbidos da tarefa de preencher o espaço da música com o que Womack descreve como "a sonoridade de puro apocalipse".[184] Martin também destaca o pedido de Lennon por "um tremendo composto, a partir do nada até algo absolutamente próximo ao fim do mundo".[185] John lembrava que a inspiração para a letra veio de um jornal: "Eu estava escrevendo a canção com o Daily Mail deitado na minha frente quando eu estava no piano... havia um parágrafo sobre 4 000 buracos de asfalto em Blackburn, Lancashire".[186] [nb 26] Ele não havia gostado do som da sua própria voz e sempre pedia por generosas quantidades de eco de fita nos seus vocais no intento de "enterrá-lo" em meio a efeitos e mixagens. Para "A Day in the Life", ele queria que sua voz soasse como Elvis Presley em "Heartbreak Hotel". Martin e Emerick, então, adicionaram noventa milissegundos de eco.[189] Womack define a performance de Starr como "uma das mais inventivas passagens de bateria do álbum", algo que McCartney o encorajou a executar a despeito de protestos do baterista contra os "rufos espalhafatosos".[184] O violento acorde de piano que conclui a faixa e o disco foi produzido a partir de gravação de Lennon, Starr, McCartney e Evans simultaneamente a tocar um acorde em mi maior em três pianos distintos; Martin então ampliou a sonoridade com um harmônio.[190] [nb 27] Riley caracteriza a música como um "poslúdio à fantasia Pepper... que coloca todas as outras músicas do álbum em perspectiva", enquanto quebra a ilusão de uma "Pepperland" ao introduzir um "universo paralelo da vida cotidiana".[193] MacDonald descreve a faixa como "uma canção não de desilusão com a vida, mas de desencanto com os limites da percepção mundana".[194] De acordo com ele, tal faixa "permanece entre as mais penetrantes e inovadoras reflexões artísticas de sua era", representando "a mais alta realização única" dos Beatles.[195]

Enquanto "A Day in the Life" termina, um tom de alta frequência de 15-kilohertz é ouvido; Ele foi adicionado, por sugestão de John, no intento de que sua potência fosse capaz de perturbar cães.[196] [nb 28] Seguem-se, então, sons de risadas de trás para frente e falas sem nexo adicionadas ao groove de desfecho, que volta e é tocado em loop interminavelmente em qualquer tocador não equipado com retorno automático de agulha. Lennon pode ser ouvido a falar: "been so high", seguido pela resposta de McCartney: "never could be any other way".[198] [nb 29]

Arte da capa

A capa do trabalho foi concebida pelos artistas de pop art Peter Blake e Jann Haworth, a partir de um desenho em tinta de McCartney.[201] A direção de arte ficou a cargo de Robert Fraser e a fotografia, de Michael Cooper.[202] A frente do LP inclui uma colagem colorida, marcada pela presença doquarteto em fantasias, a representar o grupo fictício Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band, à frente de um grupo de recortes de papelão de pessoas famosas em tamanho real.[203] Segundo o biógrafo Jonathan Gould, os bigodes espessos usados pelos Beatles refletiam a crescente influência das tendências de estilo hippie, enquanto que as vestimentas "falsificavam a moda britânica para fardamentos militares".[204] O grupo posa ao centro em frente a uma pele de bateria, na qual o artista Joe Ephgrave pintou o título do disco. À frente da pele, está um arranjo de flores em que se lê "Beatles".[205] O quarteto veste-se de uniformes de cetim e coloridos em day-glo. A indumentária foi confeccionada pela empresa de figurinos para teatro M. Berman Ltd., de Londres.[206] As letras das canções do álbum foram impressas por completo na contracapa, a primeira vez em que isso foi feito em um LP de rock.[207]

Uma imagem dos quatro integrantes nas coloridas e reluzentes vestes em ciano, magenta, amarelo e laranja
Fotografia que compõe a luva interna de Sgt. Pepper. McCartney pode ser visto usando uma insígnia na sua manga esquerda, que apresenta as iniciais O.P.P. Adeptos da lenda da morte de Paul McCartney alegam que a sigla é, na verdade, O.P.D., o que eles interpretam como "Officially Pronounced Dead" ("Oficialmente Declarado Morto", em português). De acordo com Martin, o distintivo foi um presente de um fã e as iniciais representariam "Ontario Provincial Police".[208] [nb 30]

Em 30 de março de 1967, foi realizada uma sessão de fotos com Cooper, que também produziu as imagens da contracapa e do encarte, as quais o musicólogo Ian Inglis acredita transmitir "um óbvio e imediato 'calor'... que as distanciam da esterilidade e artificialidade típica de tais imagens [produzidas em estúdios de fotografia]."[205] McCartney explicou: "Uma das coisas que mais nos interessava naqueles tempos eram mensagens visuais... Então, [na sessão] para a foto interna de Michael Cooper, nos dissemos, 'Agora, olhe para essa câmera e diga um real "eu te amo!" De fato, tente sentir amor; dê amor nisso! Vai dar certo; Vai transparecer; É uma atitude.' E foi o que aconteceu, se você olhar para ela [a foto], você vai ver nos [nossos] olhos o grande esforço."[211] A luva interna do álbum apresenta arte do coletivo neerlandês de design gráfico The Fool, que evitou pela primeira vez o uso de papel branco comum em favor de um tipo de material com padrão abstrato de ondas de castanho, vermelho, rosa e branco.[205] Inclusos ao trabalho como presentes bônus, estavam uma folha de recortes de papelão criada por Blake e Haworth, um retrato em tamanho de postal de Sgt. Pepper baseado em uma estátua da casa de Lennon que foi usada na capa principal, um bigode falso, dois conjuntos de insígnias de sargento, dois emblemas de lapela e um modelo para recortar dos Beatles em seus uniformes de cetim.[212] Moore acredita que a inclusão desses itens ajudou os fãs a imergir no universo do disco e da banda fictícia.[213]

A famosa colagem da capa incluiu 57 fotografias e nove trabalhos em cera que retratam uma diversidade de personalidades famosas, entre atores, esportistas, cientistas, pensadores, por exemplo, e até mesmo – a pedido de Harrison – os gurus Mahavatar Babaji, Lahiri Mahasaya, Sri Yukteswar Giri e Paramahansa Yogananda da Self-Realization Fellowship.[214] Inglis vê o quadro "como um guia da topografia da cultura daquela década", denotando uma crescente democratização na sociedade, pela qual as "tradicionais barreiras entre 'alta' e 'baixa' cultura estavam a ser corroídas."[215] [nb 31] [nb 32] Adolf Hitler e Jesus foram solicitados por Lennon, mas foram, ao final, rejeitados.[217] Quando Paul foi perguntado sobre o porquê do quarteto não ter incluído Elvis Presley, foi dada a resposta: "Elvis era muito importante e muito acima do resto para ser até mesmo mencionado... então nós não colocamos ele na lista, já que ele era mais que um mero... cantor pop, ele era Elvis, o Rei."[218] O custo final da arte da capa foi de aproximadamente £3,000 da época, uma vultosa soma em um tempo onde capas do gênero custavam normalmente cerca de £50.[212] Pelo seu trabalho em Sgt. Pepper, o então casal Blake e Haworth conquistou um prêmio Grammy em 1968 na categoria "Melhor Capa de Álbum".[219]

Lançamento

Entre a finalização e o lançamento comercial do LP, os Beatles levaram uma versão de disco de acetato do álbum ao apartamento da cantora estadunidense Cass Elliot nas imediações de King's Road, Chelsea, onde, às seis da manhã, eles puseram o material para tocar em volume máximo com caixas de som direcionadas a janelas abertas. O assessor de imprensa do grupo, Derek Taylor, relembra que residentes da vizinhança abriram suas janelas e ouviram sem reclamações o que eles haviam entendido ser um conjunto de músicas inéditas dos Beatles.[220] Em 1º de junho de 1967, Sgt. Pepper tornou-se o primeiro trabalho do grupo a ser lançado no mundo todo simultaneamente.[221] [nb 33] Foi também o primeiro álbum do grupo no qual as listas de faixas das versões estadunidense e britânica não se diferenciavam. Sendo o oitavo LP da banda, debutou no Reino Unido em primeiro lugar nas paradas e nessa posição permaneceu por 22 semanas consecutivas, vendendo 250 000 cópias na primeira semana de comercialização.[223] Em 4 de junho, The Jimi Hendrix Experience tocou uma versão da faixa título ao abrir um concerto no Saville Theatre, em Camden. Epstein era o proprietário do Saville à época, e Harrison e McCartney assistiram à performance. Paul descreveu o momento: "As cortinas foram abertas e [o frontman, Jimi Hendrix] veio caminhando para a frente do palco, tocando 'Sgt. Pepper'. Uma baita e única homenagem. Eu vejo aquilo como uma das maiores honras em minha carreira."[224] Langdon Winner, editor da revista Rolling Stone, denota:

O mais próximo que a civilização ocidental chegou de união desde o Congresso de Viena, em 1915, foi a semana em que o disco Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band foi lançado. Em toda cidade da Europa e da América, as estações de rádio tocavam [o álbum]... e todos ouviam... Aquilo foi a coisa mais incrível que eu já tinha ouvido. Por um breve momento, a irreparavelmente fragmentada consciência ocidental foi unificada, ao menos nas mentes dos jovens.[225]


Sgt. Pepper foi amplamente visto pelos seus ouvintes como uma trilha sonora para o "Verão do Amor".[226] Na opinião de Riley, o trabalho "uniu as pessoas por meio da experiência comum da música popular em uma escala maior que qualquer outra que já existiu".[227] Estações de rádio americanas interrompiam suas programações regulares para tocar o LP de forma virtualmente incessante, sempre do começo ao fim.[228] O lançamento ocupou a primeira posição do Top LPs da Billboard nos Estados Unidos por quinze semanas, de 1º de julho a 13 de outubro de 1967.[229] Com 2,5 milhões de cópias vendidas nos primeiros três meses, o sucesso comercial inicial de Sgt. Pepper ultrapassou as conquistas de todos os discos anteriores do quarteto.[1] Nenhuma de suas faixas, entretanto, foi lançada como single naquele tempo.[230]

Crítica profissional

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
Allmusic 5 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar full.svg [231]
The A.V. Club B+[232]
Robert Christgau (A) [233]
The Daily Telegraph 5 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar full.svg [234]
Encyclopedia of Popular Music 5 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar full.svg [235]
MusicHound 5 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar full.svg [236]
Paste 89/100 [237]
Pitchfork Media 10/10 [238]
The Rolling Stone Album Guide 5 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar full.svg [239]
Sputnikmusic 5/5 [240]

A esmagadora maioria das resenhas contemporâneas ao trabalho são positivas, recebendo ampla aclamação crítica, em sintonia com seu atemporal sucesso comercial e impacto cultural.[241] Kenneth Tynan, da The Times, descreveu o lançamento como "um momento decisivo na história da sociedade ocidental".[220] Richard Poirier escreveu: "ouvir Sgt. Pepper o faz pensar não somente na história da música popular, mas na história daquele século."[242] A revista Time declarou o LP "uma evolução histórica no progresso da música – qualquer música".[1] Jack Kroll, do Newsweek, classificou o trabalho como "obra-prima", comparando suas letras às obras literárias de Edith Sitwell, Harold Pinter e T. S. Eliot, particularmente "A Day in the Life", ao traçar paralelo com The Waste Land, de Eliot.[243] The New York Times Book Review caracterizou Sgt. Pepper como um prenúncio da "dourada Renascença da Música" e Wilfrid Mellers, do New Statesman, elogiou a elevação da música pop ao nível das belas artes proporcionada pelo disco.[244]

Um dos mais conhecidos críticos musicais estadunidenses, Richard Goldstein, elaborou uma contundente resenha contemporânea no The New York Times na qual ele descreveu Sgt. Pepper como "estragado" e "exala[ando]" "efeitos especiais. Deslumbrante, mas, no fim das contas, fraudulento".[245] De acordo com o jornalista especializado em música Robert Christgau, após a publicação da famigerada resenha, o jornal nova-Iorquino foi "inundado por cartas, muitas abusivas, mas todas em discordância", uma reação que ele credita como "a maior resposta uma crítica de música" na história do periódico.[246] Goldstein publicou uma defesa da sua avaliação, na qual explicou que, embora o álbum não estivesse ao nível do melhores discos anteriores dos Beatles, ele o considerava "melhor que oitenta porcento da música lançada por aí", mas sentiu que, debaixo da produção, quando "as composições são analisadas a partir de sua essência musical e lírica", o LP mostra-se como "uma elaboração sem melhora" no contexto do conjunto de produções da banda.[247] Em sua coluna de 1967 para a revista Esquire, Christgau descreveu Sgt. Pepper como "uma consolidação, mais complexa que Revolver, mas não mais substancial", sugerindo que Goldstein foi "vítima de uma super-antecipação", identificando sua "permissão para que todos os filtros e reverberações e efeitos orquestrais e overdubs o deixassem surdo ao que existe abaixo" como seu erro primário.[248] [nb 34]

Na décima edição do Grammy Award, em 1968, Sgt. Pepper conquistou os prêmios das categorias "Melhor Arte de Capa", "Melhor Engenharia de Som Não Clássico" e "Melhor Álbum Contemporâneo". O disco também recebeu o prêmio de "Álbum do Ano", o primeiro LP de rock a receber a essa honraria.[219]

Repercussão

Os Beatles nunca fingiram que estivessem a criar arte com Sgt. Pepper, ou a procurar por alguma integridade musical. Eles só queriam fazer algo diferente.[250]

George Martin, em seu livro Summer of Love: The making of Sgt. Pepper, 1994

Enquanto coletava material para sua antologia de 1979, "Stranded: Rock and Roll for a Desert Island", o jornalista e crítico cultural Greil Marcus listou vinte críticos de rock a partir de suas escolhas de melhor álbum de todos os tempos dentro do escopo desse gênero musical. Embora Rubber Soul tivesse sido mencionado no levantamento, Sgt. Pepper não foi.[251] Marcus afirma que, em 1968, o lançamento surgiu "vazio" em relação à conjuntura emocional da efervescência política e social na vida americana, descrevendo-o como um "triunfo de efeitos", porém também "uma lápide day-glo de seu tempo".[252] Ele o classifica como "divertido, porém artificial" e "menos um resumo e mais uma concessão à sua era".[225] Marcus acredita que o LP "estrangula-se em seus próprios conceitos" enquanto é "vindicado como aclamação mundial".[253] [nb 35]

Em 1981, Christgau declarou que, embora poucas críticas tivessem concordado com Goldstein à época de sua resenha negativa, muitas vieram a corroborar com sua linha de raciocínio tempos depois.[256] Na opinião de Lester Bangs – então conhecido como o "padrinho" do jornalismo especializado em punk rock, a escrever em 1981 – "Goldstein estava certo em sua muito vilipendiada resenha... prevendo que este disco tinha o poder de destruir o rock and roll praticamente sozinho."[257] [nb 36] Ele nota: "Nos anos sessenta, rock and roll começou a ser pensado como uma 'forma de arte'. Rock and roll não é uma 'forma de arte'; rock and roll é uma lamúria bruta vinda do fundo das entranhas."[259] O musicólogo John Kimsey cita a preservação da autenticidade como um princípio guia do rock e sugere que muitos puristas denunciavam Sgt. Pepper no tocante a isso, acusando o trabalho de "instituir a queda da graça original [do gênero] à pretenção."[257] [nb 37] Em sua opinião, tais detratores consideram o LP como menos avanço e mais "destruição de tudo aquilo que é bom, verdadeiro e comovente".[257] [nb 38] Para Christgau, "embora Sgt. Pepper seja tido como a mais influente de todas as obras-primas do rock, é somente a mais famosa. Em retrospectiva, ela soa peculiarmente apolínea – precisa, controlada, até mesmo rígida – e é claramente periférica para o [meio] mainstream do rock".[261] Moore considera que, "por seu impacto cultural ter sido tão grande, estava a ser exigido muito [do álbum]."[262]

Conceito

De acordo com Womack, com a primeira música do disco, "os Beatles fabricaram um espaço textual artificial no qual puderam encenar sua arte."[82] A reprise de tal faixa, que aparece no lado B, logo antes da climática "A Day in the Life", criaria uma "estrutura narrativa".[177] Na opinião de Starr, apenas as duas primeiras músicas e a reprise são conceitualmente conectadas.[37] Lennon concorda e, em 1980, comentou: "Sgt. Pepper é chamado de primeiro álbum conceitual, mas ele não vai a lugar algum... funcionou porque nós 'dissemos' que funcionou."[263] John era especialmente inflexível a respeito da sua afirmação de que suas contribuições para o LP não tinham relação com o conceito "Sgt. Pepper". Em outra ocasião, ele sugeriu que a maioria das outras canções eram igualmente desconectadas, afirmando: "Com exceção de Sgt. Pepper a introduzir Billy Shears e a posterior reprise, todas as outras músicas poderiam estar em qualquer outro trabalho."[263] Logo após a conclusão do trabalho, Martin preocupou-se que a falta de unidade musical pudesse incitar críticas e acusações de pretensiosidade.[264]

MacFarlane nota que, apesar dessas preocupações, Sgt. Pepper "é amplamente aclamado como o primeiro grande álbum conceitual na história da música popular".[265] Na sua visão, os Beatles "escolheram empregar um abrangente conceito num esforço aparente de unir faixas caracteristicamente individuais."[265] Everett sustenta que a "unidade musical resulta... das relações nucleares entre áreas tonais, particularmente envolvendo , Mi e Sol."[198] Moore argumenta que o "uso de padrões harmônicos comuns" contribui para a coesão geral, que ele descreve como unidade narrativa, mas não necessariamente unidade conceitual.[266] MacFarlane concorda, sugerindo que, com exceção de "Sgt. Pepper... (Reprise)", o disco é carente da continuidade melódica e harmônica que é consistente na forma cíclica.[267] Em maio de 1967, em uma resenha publicada no The Times pelo crítico musical William Mann, foi feita uma observação similar, indicando a conexão temática entre a faixa título, sua reprise e "Being for the Benefit of Mr. Kite!", enquanto sugeria que, com exceção dessas faixas, a "unidade [do disco] é ligeiramente especiosa".[268] Em 1972, o musicólogo Richard Middleton argumentou que o trabalho estaria "sub codificado", e que seus ouvintes podiam compreender apenas a ideia geral do material que, em suma, não seria dotado de grandes significados.[269] A autora Martina Elicker, no entanto, afirma que o lançamento de Sgt. Pepper familiarizou de forma semelhante a crítica e os fãs com a noção de um "conceito e estrutura unificadas subjacentes a um LP de música pop", então originando o termo "álbum conceitual".[270] [nb 39]

Impacto cultural e legado

Musicólogos consideram Sgt. Pepper como uma continuação da maturação artística já vista nos dois trabalhos antecedentes dos Beatles, Revolver e Rubber Soul.[272] Moore o credita como auxiliador do desenvolvimento do rock progressivo, por meio de suas letras de autoconsciência, experimentação de estúdio e seu esforço em expandir as barreiras características das tradicionais músicas comerciais de três minutos.[273] [nb 40] O autor Carys Wyn Jones o define como um dos primeiros álbuns de art rock, e Julien o considera "uma obra-prima da psicodelia britânica".[277] O escritor Andy Greene, da Rolling Stone, comenta que o trabalho marca o início da "Era do Álbum".[278] Por vários anos após o lançamento de Sgt. Pepper, o rock and roll honesto e purista foi suplantado pelo crescente interesse por forma cíclica. Com o oitavo grande lançamento dos Beatles, pela primeira vez na história da indústria da música as vendas de LPs ultrapassaram as de singles.[279] Julien acredita que Sgt. Pepper contribuiu para a evolução dos LPs do "formato de distribuição" para o "formato de criação".[280] Na visão de Moore, o LP ajudou "a legitimação cultural da música popular" enquanto proveu uma importante representação musical de sua geração.[281] É louvado por jornalistas como influenciador do desenvolvimento da contracultura dos anos 1960.[282] Durante os anos 1970, inspirados por Sgt. Pepper, grupos de glam rock adotaram o uso de personas alter ego e, em 1977, o disco conquistou o prêmio da categoria "Best British Album" da primeira edição do Brit Awards.[283]

A complexa tapeçaria auricular de Sgt. Pepper é o som de quatro homens em rebelião contra as convenções musicais e, assim sendo, escancarando as portas para a experimentação sonora por meio da qual nasceram o hard rock, o punk, o metal, o new wave, o grunge e toda outra forma de música popular que se seguiu.[284]

—Christopher Scapelliti, escrevendo para a Guitar World em junho de 2007

Com 5,1 milhões de cópias certificadas, Sgt. Pepper é o terceiro álbum mais vendido da história das paradas britânicas.[285] [286] [287] Sgt. Pepper é também um dos LPs mais bem sucedidos comercialmente nos Estados Unidos, com 11 milhões de cópias certificadas pela RIAA.[288] Em todo o mundo, o trabalho carrega a marca de 30 milhões de cópias vendidas, sendo assim um dos maiores sucessos comerciais de todos os tempos.[289] Em uma resenha de 1987 para a revista Q, o jornalista de música e autor Charles Shaar Murray afirmou que o trabalho "permanece como um pilar central da mitologia e da iconografia dos anos 1960".[290] Anthony DeCurtis, da Rolling Stone, descreve-o como uma "enorme façanha" que "revolucionou o rock and roll".[291] Em 1994, Sgt. Pepper estava ranqueado em primeiro lugar no livro All Time Top 1000 Albums, de Colin Larkin. O autor o descreve como "o disco que revolucionou, alterou e reinventou os limites da música moderna."[292] [nb 41] Em 2003, Sgt. Pepper figurou entre os cinquenta trabalhos escolhidos pela Livraria do Congresso dos Estados Unidos para serem adicionados ao National Recording Registry, em honra ao trabalho enquanto "cultural, histórica, ou esteticamente significante".[295] Em 2003, a Rolling Stone o colocou no primeiro lugar de sua lista de quinhentos melhores álbuns de sempre, descrevendo-o como "o auge dos oito anos de discos dos Beatles".[296] Na Encyclopedia of Popular Music, Larkin escreveu: "ocorreu que [o trabalho] não foi somente um mero álbum pop, mas sim um ícone cultural, abraçando os elementos constitutivos da década de 1960: pop art, moda extravagante, drogas, misticismo instantâneo e liberdade contra o controle parental."[235] Em 2006, foi escolhido pela revista Time como um dos cem melhores álbuns de todos os tempos.[297] O acadêmico especializado em música David Scott Kastan define Sgt. Pepper como "o mais importante e influente trabalho de rock and roll de todos os tempos".[4] [nb 42]

Gravação e capa

Igual crédito [por Sgt. Pepper] é atribuído justificadamente a George Martin... Ele deu forma a gloriosas canções, deu melodia e harmonia a letras fantasmagóricas e levou a técnica de gravação a níveis antes desconhecidos.[292]

—Colin Larkin, escrevendo no Guinness Book of Top 1000 Albums, em 1994

Na opinião de MacFarlane, a inovação musical mais importante de Sgt. Pepper é sua "integração de tecnologia de gravação e processo de composição".[299] [nb 43] Ele credita o Poème Électronique, de Edgard Varèse como a peça musical que fez desse avanço algo factível, "expandindo a definição de gravação de som [do status] de documentação de arquivo para a reificação do apuro musical". Ele identifica "A Day in the Life" como a faixa de Sgt. Pepper que melhor exemplifica essa abordagem.[301] Embora os primeiros sintetizadores analógicos estivessem disponíveis – e Robert Moog estivesse trabalhando na segunda geração do primeiro teclado comercialmente disponível na mesma época das sessões de Sgt. Pepper – nenhum foi usado para a gravação do álbum, que foi concebido basicamente por meio de instrumentos acústicos e eletrônicos e gravações de campo de propriedade da Abbey Road Studios.[302] O músico e produtor Alan Parsons acredita que, com Sgt. Pepper, "as pessoas começaram então a pensar que seria possível permanecer por um ano gravando um disco e começaram a considerar álbuns como composição de som e não somente composição musical. Gradualmente, formou-se a ideia de que um LP é uma performance por si só e não somente uma reprodução de uma performance a vivo."[303]

Uma imagem colorida de uma fachada de um prédio de tijolos pintado de branco.
Instalações da Abbey Road Studios.

De acordo com Julien, Sgt. Pepper representa o "epítome da transformação do estúdio de gravação em uma ferramenta de composição", marcando o momento em que a "música popular entrou na era da composição fonográfica."[304] O sucesso comercial duradouro e o impacto midiático de Sgt. Pepper foram amplamente influenciados pelo uso criativo dos equipamentos de estúdio feito por Martin e seus engenheiros enquanto criavam novos processos e técnicas.[305] Experimentação artística, como a inserção de falas aleatórias sem sentido em groove de desfecho, é uma das características definidoras do trabalho.[306] Na opinião do historiador de Beatles Mark Lewisohn, Sgt. Pepper representa o último esforço unificado do grupo, que demonstra uma coesão que começaria a se deteriorar imediatamente após a finalização do disco e que desapareceria por completo no lançamento de The Beatles, em 1968.[307] Emerick nota o envolvimento mínimo de Harrison e Starr, enxergando Sgt. Pepper como uma realização de Lennon e McCartney que foi menos fruto de trabalho em grupo que qualquer dos lançamentos anteriores do quarteto.[58]

Inglis destaca que quase toda consideração de significância de Sgt. Pepper enfatiza a "correspondência sem precedentes entre música e arte, tempo e espaço" da capa.[308] Após seu lançamento, luvas de álbuns não mais eram "uma coisa supérflua a ser descartada durante o ato de ouvir, mas um componente integral da apreciação, que expandia a experiência musical."[308] A capa ajudou a elevar a arte gráfica de álbuns a tópico respeitável para análises críticas, por meio da qual as "estruturas e culturas da música popular" poderiam doravante justificar discursos intelectuais de uma forma que – antes de Sgt. Pepper – seria vista como "presunção caprichosa".[309] Ele escreve: A capa de Sgt. Pepper tem sido louvada como inovadora em suas propriedades estético-visuais, congratulada pelo seu inovativo e imaginativo design, creditada como provedora de um ímpeto inicial para a expansão da indústria do design gráfico no meio da música popular, e percebida como largamente responsável pela explicitação de conexões entre arte e pop."[309] Riley a descreve como "um dos mais conhecidos trabalhos de pop art já produzidos".[310] No fim dos anos 1990, a BBC a incluiu na sua lista de obras-primas britânicas da arte e do design no século XX.[212] Em 2008, a icônica pele de bateria usada na capa foi leiloada por 670 000 euros.[311] [nb 44]

Alinhamento de faixas

Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band foi o primeiro álbum dos Beatles a ser lançado com lista de faixas idêntica nos Estados Unidos e Reino Unido.[313]

Todas as faixas foram compostas por Lennon-McCartney, exceto "Within You Without You", concebida por George Harrison.

Lado A
N.º Título Vocais Duração
1. "Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band"   Paul McCartney 2:02
2. "With a Little Help from My Friends"   Ringo Starr 2:44
3. "Lucy in the Sky with Diamonds"   John Lennon 3:28
4. "Getting Better"   McCartney 2:48
5. "Fixing a Hole"   McCartney 2:36
6. "She's Leaving Home"   McCartney 3:35
7. "Being for the Benefit of Mr. Kite!"   Lennon 2:37
Lado B
N.º Título Vocais Duração
1. "Within You Without You"   George Harrison 5:04
2. "When I'm Sixty-Four"   McCartney 2:37
3. "Lovely Rita"   McCartney 2:42
4. "Good Morning Good Morning"   Lennon 2:41
5. "Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band (Reprise)"   McCartney, Harrison, Lennon e Starr 1:19
6. "A Day in the Life"   Lennon e McCartney 5:39
Duração total:
39:52

Informações de lista e ordem de faixas de acordo com Mark Lewisohn e Ian MacDonald.[314]

Ficha técnica

De acordo com Mark Lewisohn e Ian MacDonald:[315]

The Beatles
Músicos adicionais e produção
  • Sounds Incorporated – sexteto de saxofones em "Good Morning, Good Morning".[316]
  • Neil Aspinall – tambura and harmônica.[317]
  • Geoff Emerick – engenharia de som; loops de fita e efeitos sonoros.[318] [nb 45]
  • Mal Evans – contagem, harmônica, alarme de relógio e acorde final de piano em Mi.[320]
  • George Martin – produção e mixagem de áudio; loops e efeitos sonoros; cravo em "Fixing a Hole", harmônio, órgão Lowrey e glockenspiel em "Being for the Benefit of Mr. Kite!", órgão Hammond em "With a Little Help from My Friends", piano em "Getting Better" e solo de piano em "Lovely Rita"; acorde final de harmônio.[321]
  • Músicos de sessão – quatro trompas francesas em "Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band": Neill Sanders, James W. Buck, John Burden, Tony Randall,[322] arranjadas e conduzidas por Martin e McCartney; seção de cordas e harpa em "She's Leaving Home", arranjada por Mike Leander e conduzida por Martin; harmônio, tabla, sitar, dilruba, oito violinos e quatro violoncelos em "Within You, Without You", arranjados e conduzidos por Harrison e Martin; trio de clarinetes em "When I'm Sixty-Four": Robert Burns, Henry MacKenzie e Frank Reidy, arranjados e conduzidos por Martin McCartney; saxofones em "Good Morning, Good Morning", arranjados e conduzidos por Martin e Lennon; e orquestra de quarenta integrantes, incluindo cordas, metais, madeiras e percussão em "A Day in the Life", arranjada por Martin, Lennon e McCartney e conduzida por Martin e McCartney.[323]

Desempenho nas tabelas musicais

Sgt. Pepper permaneceu no Billboard 200 dos Estados Unidos por 175 semanas não consecutivas.[324]

Ver também

Notas

  1. Um homem com corte de cabelo desgrenhado e à tigela. Os mop-tops mais famosos foram os Beatles, que popularizaram o estilo de corte na década de 1960, quando o seu empresário lhes disse que o público iria apreciá-los mais se eles adotassem tal estilo.[5]
  2. O Bible Belt (em português, Cinturão Bíblico) é uma região dos Estados Unidos onde a prática do protestantismo faz parte da cultura local. O Bible Belt está localizado no sudeste do país, em decorrência das fundações coloniais da região a partir desse ramo do cristianismo.
  3. Durante o início e metade da década de 1960, o grupo americano Beach Boys lançou trabalhos de crescente nível de sofisticação. Liderados pelo seu principal compositor e produtor, Brian Wilson, eles combinavam harmonias vocais inspiradas no jazz com surf music, criando seu estilo único.[26] Wilson, escrevendo no encarte de Pet Sounds, explicou sua inspiração: "Em dezembro de 1965, eu ouvi o álbum Rubber Soul. Foi definitivamente um desafio para mim. Vi que cada parte era fascinante e estimulante artisticamente. Eu, imediatamente, fui trabalhar nas canções de Pet Sounds."[27] O biografo de Beatles Jonathon Gould escreveu: "dos tantos singles pop lançados durante o outono de 1966, nenhum teve mais forte influência dos Beatles que o 'Good Vibrations' dos Beach Boys"; uma música criada durante as sessões de Pet Sounds, mas lançada vários meses depois.[28]
  4. Freak Out!, de the Mothers of Invention, é também citado como influenciador de Sgt. Pepper.[32] De acordo com o autor Philip Norman, durante as sessões de gravação de Sgt. Pepper, McCartney afirmou repetidamente: "Este é nosso Freak Out!".[33] O jornalista musical Chet Flippo pondera que McCartney foi inspirado, no tocante à gravação de um álbum conceitual, após ouvir Freak Out!.[32] O autor Will Romano observa que Sgt. Pepper termina com vocais sem sentido, assim como Freak Out!.[34] O autor Barry Miles nota que "Carnival of Light", música não lançada do quarteto, gravada durante as sessões para o que depois evoluiu para Sgt. Pepper, tem uma notável semelhança com a última faixa de Freak Out!, "The Return of the Son of Monster Magnet". The Mothers of Invention posteriormente parodiou a capa de Sgt. Pepper com seu álbum de 1968, We're Only in It for the Money.[35]
  5. Na opinião de Emerick, os trabalhos em Sgt. Pepper marcaram a emergência de McCartney como o produtor de facto dos Beatles, já que Martin mostrava-se cada vez mais ausente aos finais das sessões de tarde da noite, que sempre duravam até o amanhecer.[38] Emerick sustenta também que, no tempo das sessões de Sgt. Pepper, "era evidente que a personalidade de John estava mudando. Em vez de mostrar teimosia a respeito de tudo, ele estava se tornando complacente. Em verdade, ele parecia de certa forma contente de ter alguém pensando no lugar dele."[39]
  6. A EMI era proprietária das gravações do grupo e do Abbey Road Studios. Por isso, a entidade não descontou taxas de tempo de estúdio dos pagamentos em royalties da banda durante a gravação e produção de Sgt. Pepper.[41]
  7. De acordo com o biógrafo especializado nos Beatles Hunter Davies, a "experimentação realmente séria" foi iniciada em abril de 1966, com a última faixa de Revolver, "Tomorrow Never Knows".[48] Martin concorda, notando o uso da tambura com vocais ao contrário em "Rain" como um importante avanço que levou à produção experimental de "Tomorrow Never Knows".[49] Na opinião de Emerick, a "maior diferença" entre Revolver e Sgt. Pepper é que não houve prazo absoluto para conclusão do segundo. Ele também pondera que as sessões de gravação de Revolver eram primariamente marcadas para a tarde e começo da noite, enquanto que as sessões para Sgt. Pepper tipicamente começavam após as 19h.[50] Ele atribui a diferença técnica de som entre os dois álbuns ao fato de que Revolver foi primariamente gravado no Abbey Road Studio Three, que era muito menor e dotado de "som de estúdio acusticamente mais sujo", em comparação ao Studio Two.[51]
  8. Martin e Epstein decidiram que era inapropriado requerir que fãs pagassem o dobro pelo mesmo material. Por isso, não incluíram "Strawberry Fields Forever" ou "Penny Lane" no álbum Sgt. Pepper.[55]
  9. Após três semanas, eles concluíram somente duas músicas. De acordo com Emerick, isso provocou críticas da parte de seus colegas da EMI, que foram respondidas com mensagens que basicamente diziam "somente espere".[58]
  10. O momento de gravação de "Strawberry Fields Forever" foi a primeira ocasião em que o grupo pode trabalhar sem o fardo de um prazo, e marcou o início dos "anos de estúdio" dos Beatles.[60]
  11. Gravadores de oito faixas foram usados pela primeira vez em trabalho dos Beatles em 1968, durante sessões para o Álbum Branco.[65]
  12. Foi aplicado crossfade entre as faixas "Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band" e "With a Little Help from My Friends" e entre a reprise de "Sgt. Pepper..." e "A Day in the Life".[84]
  13. Os sons da platéia em Sgt. Pepper foram retirados dos arquivos da Abbey Road. Para os murmúrios, foi usado o "Volume 28: Audience Applause and Atmosphere, Royal Albert Hall and Queen Elizabeth Hall". Já para as risadas, Martin coletou uma de suas gravações de 1961 do programa de comédia Beyond the Fringe. O grito que se ouve com a passagem para "With a Little Help from My Friends" é uma versão em overdub de um dos registros de Martin dos Beatles em apresentação no Hollywood Bowl.[106] Segundo MacDonald, eles também usaram gravações de sons ambientes capturados durante a sessão de 10 de fevereiro da orquestra para "A Day in the Life".[107]
  14. Moore identifica a parte central de "Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band" como o momento em que a justaposição se transforma em fusão.[109]
  15. A "injeção direta" foi concebida pelo engenheiro assistente da EMI Ken Townshend como um método em que são plugadas guitarras elétricas diretamente nos consoles de gravação, eliminando a necessidade de amplificadores e microfones.[82]
  16. O trecho de guitarra principal na música foi tocado por McCartney, em substituição a Harrison, que permaneceu por sete horas tentando gravá-lo. MacDonald especula que isso talvez tenha contribuído para a minimização do papel de Harrison em Sgt. Pepper.[112]
  17. No meio de março de 1967, durante uma sessão de composição de letras na casa de McCartney em St John's Wood, na cidade de Westminster, ele e Lennon escreveram "With a Little Help from My Friends" como uma música para Starr. Com Lennon na guitarra e McCartney no piano, eles trocavam versos em vai e volta, eventualmente decidindo-se acerca do formato de pergunta e resposta característico da música.[115] De acordo com Emerick, foi "uma das poucas músicas" que Lennon e McCartney "escreveram juntos nos anos recentes".[116]
  18. A contribuição de Lennon para a letra inclui uma confissão em relação a sua atitude violenta com suas companheiras, no verso "I used to be cruel to my woman".[130] Ele explicou: "Eu era um batedor. Eu não podia me expressar e eu batia".[130] Na opinião de Womack, a música encoraja o ouvinte a seguir o exemplo do falante e "alterar seus próprios caminhos de angústia" no trecho "Man I was mean but I'm changing my scene and I'm doing the best that I can".[130]
  19. A faixa de apoio de "Fixing a Hole" foi gravada no Regent Sound Studio, na região oeste de Londres.[137]
  20. Para a gravação a 17 de março de 1967 de "She's Leaving Home", McCartney contratou Mike Leander para os trechos de arranjos de cordas enquanto Martin esteve ocupado com a produção de outro de seus artistas, Cilla Black.[141] Martin ficou bravo ao descobrir que Leander escreveu os arranjos em sua ausência, mas conduziu os músicos usando as partituras mais ou menos como foram escritas.[142]
  21. Emerick empregou primeiramente esse método em 1966, enquanto criava ambiência para a música "Yellow Submarine", de Revolver.[146]
  22. Na opinião de Riley, "Within You Without You", a qual ele descreve como monótona, enfadonha e "sem propósito", é a "mais antiquada do disco" is " (...) [ela] poderia facilmente ter sido deixada de fora com pouco ou nenhum prejuízo".[151]
  23. "Within You Without You" foi gravada a 15 de março com Harrison nos vocais principais, sitar e tambura; os outros instrumentos, incluíndo tabla, esraj, swarmandal e uma tambura adicional, foram tocados por quatro músicos britânicos de origem indiana. Nenhum dos outros Beatles participou da gravação.[156]
  24. Martin e Emerick desaconselharam a inclusão do riso, o qual foi retirado de uma fita de efeitos da Abbey Road chamada "Volume 6: Applause and Laughter", mas Harrison insistiu.[158]
  25. De acordo com seu gênero, "When I'm Sixty-Four" representa a mais prevalecente aplicação de dominante secundária em Sgt. Pepper.[161]
  26. O trecho "lucky man who made the grade" foi inspirado – mas não diretamente baseado – na morte acidental do amigo da banda e então herdeiro da Guinness Tara Brown. Lennon lembrava: "Não entendi o acidente. Tara não enlouqueceu, mas aquilo ficou na minha cabeça quando eu estava escrevendo aquele verso."[187] De acordo com Martin, "he blew his mind out in a car" é uma referência às drogas.[188]
  27. As gravações de "A Day in the Life" foram iniciadas em 19 de janeiro de 1967 com Lennon acrescentando ao primeiro take o balbucio "sugar plum fairy, sugar plum fairy".[184] O vocal principal de McCartney no meio da faixa foi gravado no dia seguinte. Já a sessão de overdub orquestral aconteceu em 10 de fevereiro. Martin gravou quatro faixas dos músicos de orquestra e as dispôs em camadas dentro de uma faixa composta.[191] O acorde final de piano foi gravado doze dias depois.[192]
  28. Lennon não sabia que a maioria dos tocadores de música e alto-falantes da época eram incapazes de reproduzir o tom, e que por isso muitos ouvintes não o ouviriam, até o lançamento da versão em CD em 1987.[197]
  29. Quando o áudio contido no groove de desfecho é tocado em reverso e em velocidade reduzida, McCartney pode ser ouvido a gritar: "I will fuck you like Superman", com Starr e Harrison a rir ao fundo.[199] Quando o álbum foi prensado novamente para o relançamento em 2012, foram necessárias várias tentativas até o sucesso na reprodução do efeito do groove de desfecho.[200]
  30. McCartney e Harrison são também vistos vestindo suas medalhas da Ordem do Império Britânico.[88] De acordo com Gould, a capa de Sgt. Pepper despertou uma frenesi de análises e interpretações.[209] Inglis a cita como o único exemplo na história da música popular onde a arte visual do álbum atraiu tanta atenção quanto o álbum em si. Ele lista vários elementos da capa que podem e/ou foram interpretados como evidências da morte de McCartney, destacando a tese de que o quarteto estaria de pé sobre um túmulo, a mão acima da cabeça de McCartney seria um notório "símbolo da morte", e o fato de que, na foto da contracapa, tal beatle é o único a estar de costas.[210]
  31. Inglis também parafraseia George Melly, que, em 1970, descreveu a capa de Sgt. Pepper como "um microcosmos do mundo underground".[215]
  32. A montagem da capa é composta pelos cantores Bob Dylan, Bobby Breen e Dion DiMucci; os atores Marlon Brando, Tony Curtis, Marlene Dietrich, Marilyn Monroe, Mae West, Shirley Temple, Bette Davis, Diana Dors, Huntz Hall, Tom Mix e Tyrone Power; os artistas plásticos e escultores Aubrey Beardsley, Richard Merkin, Wallace Berman, Richard Lindner, Larry Bell, H. C. Westermann, Aubrey Beardsley e Simon Rodia; os atletas Sonny Liston, Albert Stubbins e Johnny Weissmuller; os comediantes W. C. Fields, Lenny Bruce, Tommy Handley, Stan Laurel, Oliver Hardy, Max Miller e Issy Bonn; os escritores Edgar Allan Poe, Aldous Huxley, Terry Southern, William S. Burroughs, H. G. Wells, Oscar Wilde, Stephen Crane, Lewis Carroll, Dylan Thomas, James Joyce e George Bernard Shaw; o psiquiatra Carl Gustav Jung; o ocultista Aleister Crowley; o filósofo político Karl Marx; o primeiro ministro britânico do século XIX Robert Peel; o missionário David Livingstone; o militar T. E. Lawrence; o físico Albert Einstein; além de figuras anônimas, como um legionário americano, uma pin-up "pretty girl" de George Petty, um manequim de cera de um cabeleireiro e uma pin-up "vargas girl" de Alberto Vargas.[215] Starr foi o único beatle que não sugeriu ninguém a incluir na colagem.[216]
  33. Sgt. Pepper foi lançado poucos dias antes do quinto aniversário desde a primeira sessão de gravações do quarteto pela EMI.[222]
  34. De acordo com Moore, a posição de Goldstein foi uma exceção diante de um grupo de críticas contemporâneas essencialmente positivas, que figuram, segundo ele, em quantidade maior que para qualquer outro lançamento em qualquer época.[249]
  35. De acordo com Riley, Rubber Soul e Revolver são "milagres de intuição" que são "maiores que a soma de suas partes", enquanto que, em comparação, "Sgt. Pepper é colorido pela presunção".[254] Ele ainda descreve Sgt. Pepper como "uma obra-prima defeituosa que apenas ecoa a força de Revolver.[255]
  36. A temática central da crítica de 1967 de Goldstein sobre Sgt. Pepper envolvia reclamações sobre substância estilística. Em suas palavras, o "tom toma a frente do significado [no álbum]".[258] Ele põe muito da culpa em relação a isso no uso copioso de efeitos de produção como eco e reverb.[258] Ele também criticava a falta de substância lírica, destacando: "até da fantasia eu espero autenticidade".[258]
  37. Kimsey nota que, com Sgt. Pepper, o "rock começou a ser chamado, de forma mais enfática, de 'forma de arte' ."[259] Na opinião de Bangs, punk rock "é o rock em sua forma mais básica e primitiva", uma abordagem estilística que decididamente não é autoconsciente.[259] Na visão de Riley, Sgt. Pepper tem um grau de autoconsciência que despreza a urgência e energia bruta do primitivo rock and roll."[255] No final de 1967, a revista Down Beat publicou uma resenha desfavorável ao trabalho, escrita por John Gabree, na qual é questionado onde o crédito apropriado para Sgt. Pepper deveria estar, com base nas acusações de que "A Day in the Life" consistiria em duas músicas que foram emendadas por Martin. Kimsey cita o suposto caso como uma demonstração de detratores a combinar preocupações éticas com questões de estética enquanto lançam dúvidas sobre a autenticidade musical do trabalho.[260]
  38. De acordo com Kimsey, puristas de rock como Bangs – os quais ele define como "ideólogos punk" – abordam o problema de autenticidade com o pressuposto de que a verdadeira música rock é inerentemente "incorruptível por habilidade ou autoconsciência".[259] Ele compara as ideias de Bangs sobre o "artista padrão movido pela atitude" com o conceito de bom selvagem de Jean-Jacques Rousseau, sugerindo que o desdém de Bangs por Sgt. Pepper é alimentado por uma rejeição romantizada da modernidade e da inovação.[259]
  39. De acordo com Riley, "estritamente falando, Freak Out!, de The Mothers of Invention's, é reivindicado como o primeiro "álbum conceitual", mas Sgt. Pepper foi o primeiro trabalho que fez tal ideia tornar-se convincente à maioria dos amantes de música."[271]
  40. Moore descreve Sgt. Pepper como "um precursor do rock progressivo passional", por seu conceito unificado".[274] Na opinião do autor Kevin Holm-Hudson, o disco "foi essencial para o estabelecimento da estética progressiva".[275] O jornalista de música Thomas Blackwell acredita que o LP foi "virtualmente responsável pelo nascimento do gênero rock progressivo".[276]
  41. Na segunda edição do livro, publicada quatro anos após a original, Revolver estava ranqueado em primeiro e Sgt. Pepper em segundo.[293] Na terceira edição, publicada em 2000, Sgt. Pepper estava ranqueado em terceiro, após Revolver e The Bends, do Radiohead.[294]
  42. Em 2009, a produtora de jogos de videogame Harmonix lançou The Beatles: Rock Band, uma versão da sua popular franquia Rock Band. Sgt. Pepper foi um dos três discos totalmente incluídos no lançamento. A primeira metade do jogo consiste em recriações de performances ao vivo dos Beatles, e a segunda, "tece paisagens oníricas psicodélicas em animações dos Beatles a gravar no Studio Two".[298]
  43. De acordo com Julien, a "gradual integração de arranjo e gravação em um mesmo processo" teve início em 1963, sendo seriamente desenvolvida durante as sessões de Rubber Soul e Revolver e "finalmente florescido" durante as de Sgt. Pepper.[300]
  44. Em 1968, the Mothers of Invention parodiou, na capa de seu LP We're Only in It for the Money, a colagem de Sgt. Pepper. Everett caracteriza Their Satanic Majesties Request, dos Rolling Stones, e Ogdens' Nut Gone Flake, do grupo Small Faces, como "LPs copycat" de Sgt. Pepper .[35] Em 30 de março de 2013, uma cópia do disco autografada pelos quatro membros do grupo foi vendida pela empresa Heritage Auctions, de Dallas, a um comprador anônimo da Região Centro-Oeste dos Estados Unidos por 290 500 dólares.[312]
  45. Apesar dos esforços de Martin para assegurar os créditos de engenheiro a Emerick em Sgt. Pepper, a EMI recusou os pedidos feitos para esse fim com base nas políticas da empresa à época. Embora Peter Blake tenha recebido disco de ouro pela sua contribuição à capa do álbum, Emerick não recebeu o mesmo prêmio pela sua contribuição à gravação do LP. Em 1968, entretanto, ele conquistou o Grammy de "Melhor Engenharia de Som Não Clássico" pelo seu papel neste disco.[319]

Referências

  1. a b c d Spitz 2005, p. 697.
  2. The National Recording Registry 2003 Library of Congress (2003). Visitado em 14-3-2015.
  3. 500 Greatest Albums of All Time - 1: Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band Rolling Stone (2003). Visitado em 31-7-2014.
  4. a b Kastan 2006, p. 139.
  5. Urban Dictionary: Mop top Urban Dictionary. Visitado em 1º de agosto de 2014.
  6. Miles 1997, p. 303.
  7. Lewisohn 1992, p. 210.
  8. The Beatles 2000, p. 229.
  9. MacDonald 2005, p. 212.
  10. a b Martin & Pearson 1994, p. 7.
  11. Lewisohn 1992, p. 211; Martin & Pearson 1994, p. 7.
  12. MacDonald 2005, pp. 212–213.
  13. a b c MacDonald 2005, p. 213.
  14. Lewisohn 1992, pp. 210: the Beatles grew tired of touring, 230: the Beatles' final commercial performance; MacDonald 2005, p. 213
  15. Schaffner 1978, pp. 58–59.
  16. Julien 2008b, p. 1.
  17. Julien 2008b, p. 2.
  18. Blaney 2007, p. 8.
  19. Womack 2007, p. 158, 160–161.
  20. Harry 2000, pp. 323, 333; Julien 2008b, p. 2.
  21. Womack 2007, p. 168.
  22. Moore 1997, pp. 20–21.
  23. Miles 1997, pp. 303–304.
  24. Martin 1994, p. 202.
  25. MacFarlane 2008, pp. 36–37: Wilson's growing interest in the aesthetics of recording; Kimsey 2009, pp. 37, 235: Wilson's admiration for the Beatles' Rubber Soul and Phil Spector.
  26. MacFarlane 2008, p. 36.
  27. Martin & Pearson 1994, p. 48.
  28. Gould 2007, p. 35.
  29. MacFarlane 2008, pp. 36–37.
  30. Babiuk 2002, p. 204: "It's very cleverly done"; Julien 2008c, p. 158: "escape the influence".
  31. 'Pet Sounds Sessions': Body of Influence Put in a Box Los Angeles Times (1º de novembro de 1997). Visitado em 8 de abril de 2015.
  32. a b Julien 2008c, p. 160.
  33. Julien 2008c, p. 158.
  34. Romano 2010, p. 20.
  35. a b Everett 1999, p. 123.
  36. Emerick & Massey 2006, pp. 184, 190.
  37. a b Everett 1999, p. 99.
  38. Emerick & Massey 2006, p. 163.
  39. a b Emerick & Massey 2006, p. 174.
  40. Lewisohn 1992, p. 232.
  41. a b MacDonald 2005, p. 215.
  42. Everett 1999, p. 99; MacDonald 2005, pp. 212–223.
  43. a b Emerick & Massey 2006, pp. 135–136.
  44. Awde 2008, p. 17.
  45. MacDonald 2005, pp. 217–220.
  46. Emerick & Massey 2006, p. 139.
  47. Martin & Pearson 1994, p. 78: "continuous technological experimentation"; Martin & Pearson 1994, p. 82: Sgt. Pepper "grew naturally out of Revolver".
  48. Davies 2009, p. 261; MacDonald 2005, pp. 185–193.
  49. Martin & Pearson 1994, p. 79.
  50. Emerick & Massey 2006, p. 142.
  51. Scapelliti 2007, p. 96.
  52. Martin & Pearson 1994, p. 111.
  53. Moore 1997, pp. 19–20.
  54. Harry 2002, p. 714.
  55. Martin & Pearson 1994, p. 27.
  56. Martin & Pearson 1994, p. 26.
  57. MacDonald 2005, p. 219: 55 hours of studio time; Martin & Pearson 1994, p. 13: "set the agenda for the whole album."
  58. a b Emerick & Massey 2006, p. 141.
  59. Julien 2008b, p. 6.
  60. Julien 2008c, p. 156: the beginning of the studio years; Lewisohn 1992, p. 233: no deadline.
  61. Emerick & Massey 2006, p. 132: McCartney's goal; Julien 2008b, p. 6: "Now our performance is that record."
  62. a b c Emerick & Massey 2006, p. 190.
  63. a b c MacDonald 2005, pp. 220–221.
  64. Emerick & Massey 2006, p. 191.
  65. Emerick & Massey 2006, p. 176.
  66. Lewisohn 2009, p. 29.
  67. Babiuk 2002, p. 199.
  68. Emerick & Massey 2006, pp. 169–170.
  69. Lewisohn 1992, p. 244.
  70. Martland, Peter. Since Records Began: EMI, the First Hundred Years. [S.l.]: Amadeus Press, 1997. p. 250. ISBN 978-1-57467-033-2
  71. Kimsey 2008, p. 133.
  72. Hannan 2008, p. 62.
  73. Lewisohn 1992, p. 216.
  74. a b Martin & Pearson 1994, pp. 82–83.
  75. Martin & Pearson 1994, p. 105.
  76. Davies 2009, pp. 273–274.
  77. Davies 2009, p. 270.
  78. Everett 1999, p. 100.
  79. MacDonald 2005, pp. 233–234.
  80. Everett 1999, p. 104: a Lowrey organ on "Lucy in the Sky with Diamonds"; Everett 1999, p. 106: a Hohner Pianet on "Getting Better", Everett 1999, p. 107: a harpsichord on "Fixing a Hole"; Everett 1999, p. 110: a pump organ on "Being for the Benefit of Mr. Kite!"; Everett 1999, p. 120: a grand piano on "A Day in the Life".
  81. Everett 1999, pp. 104, 106.
  82. a b c d e Womack 2007, p. 170.
  83. Julien 2008c, p. 162; Lewisohn 1992, p. 251.
  84. Lewisohn 1992, p. 251.
  85. Lewisohn 1992, p. 252.
  86. Scapelliti 2007, p. 100.
  87. Davies 2009, p. 262: the recording of Please Please Me cost £400; Lewisohn 1992, p. 253: they spent 700 hours recording Sgt. Pepper.
  88. a b Martin & Pearson 1994, p. 168.
  89. Lewisohn 1992, pp. 252–253.
  90. Hannan 2008, p. 61: "The album is made up of a broad variety of musical and theatrical genres"; Moore 1997, pp. 18, 70–79: rock and pop; Wagner 2008, p. 76: the "multigenre nature of Sgt. Pepper".
  91. Hannan 2008, pp. 61–62: music hall and blues; Wagner 2008, p. 76; rock and roll, vaudeville, big band, piano jazz, chamber, circus, avant-garde, western and indian classical music.
  92. Wagner 2008, pp. 76, 89–90.
  93. 1 – 'A Day in the Life' 100 Greatest Beatles Songs Rolling Stone. Visitado em 24 de abril de 2014.
  94. Grillo, Ioan. El Narco: Inside Mexico's Criminal Insurgency. [S.l.]: Bloomsbury Press, 2011. p. 38. ISBN 978-1-60819-401-8
  95. Glausser 2011, p. 29: Lennon and McCartney's contemporary denial of an intentional reference to illicit drugs in the lyrics to "A Day in the Life"; Moore 1997, p. 60: McCartney's immediate denial in Melody Maker; Miles 1997, p. 325: McCartney later suggested that the line was deliberately written to ambiguously refer to either illicit drugs or sexual activity.
  96. a b MacDonald 2005, p. 240.
  97. Whiteley 2008, pp. 18–19.
  98. Moore 1997, p. 60.
  99. Whiteley 2008, pp. 15, 22.
  100. Julien 2008c, p. 166.
  101. a b Whiteley 2008, p. 22.
  102. Moore 2008, p. 140.
  103. Moore 1997, pp. 61–62.
  104. Martin & Pearson 1994, p. 76; MacDonald 2005, p. 233.
  105. Everett 1999, p. 101: pit orchestra and audience; Moore 1997, p. 23: the illusion of a live performance; Moore 1997, p. 27: 10 seconds of introductory ambiance.
  106. Lewisohn 1992, p. 248.
  107. a b c MacDonald 2005, p. 233.
  108. a b Womack 2007, p. 169.
  109. Moore 1997, p. 28.
  110. Hannan 2008, p. 48.
  111. a b Everett 1999, p. 101.
  112. MacDonald 2005, p. 233: (fonte secundária); Martin & Pearson 1994, pp. 66–67: (fonte primária).
  113. a b Womack 2007, pp. 170–171.
  114. a b Womack 2007, p. 171.
  115. Davies 2009, pp. 263–268.
  116. Emerick & Massey 2006, p. 181.
  117. MacDonald 2005, p. 247.
  118. Everett 1999, p. 103.
  119. Emerick & Massey 2006, pp. 182–183.
  120. Hannan 2008, p. 50.
  121. MacDonald 2005, p. 240; Womack 2007, p. 172
  122. Martin & Pearson 1994, pp. 103–104.
  123. a b Womack 2007, p. 172.
  124. Martin & Pearson 1994, p. 102.
  125. Martin & Pearson 1994, p. 103.
  126. Womack 2007, pp. 171–172.
  127. Riley 1988, p. 216.
  128. Sheff 1981, p. 181.
  129. MacDonald 2005, p. 241.
  130. a b c d e Womack 2007, p. 173.
  131. Everett 1999, p. 106.
  132. MacDonald 2005, p. 242.
  133. a b MacDonald 2005, p. 236.
  134. Everett 1999, pp. 106–107.
  135. Womack 2007, pp. 106–107.
  136. Miles 1997, pp. 314–315.
  137. Emerick & Massey 2006, p. 165.
  138. Everett 1999, p. 107.
  139. Everett 1999, p. 108.
  140. a b Moore 1997, p. 37.
  141. Emerick & Massey 2006, pp. 180–181: (fonte primária) and Martin recording with Cilla Black; Lewisohn 1992, p. 249: (fonte secundária).
  142. MacDonald 2005, p. 245.
  143. MacDonald 2005, pp. 237–238.
  144. Womack 2007, p. 175.
  145. MacDonald 2005, pp. 237–238; Moore 1997, p. 40.
  146. Emerick & Massey 2006, p. 168.
  147. MacDonald 2005, p. 238.
  148. Everett 1999, p. 110.
  149. Everett 1999, pp. 111–112; Womack 2007, p. 176.
  150. MacDonald 2005, p. 243.
  151. Riley 1988, pp. 220–221.
  152. Moore 1997, p. 45.
  153. MacDonald 2005, pp. 243–244.
  154. a b Womack 2007, p. 176.
  155. a b Everett 1999, p. 112.
  156. Lewisohn 1992, p. 248: London-based Indian musicians and non-participation of the other Beatles; MacDonald 2005, pp. 243–244: Harrison singing and playing sitar and tambura on "Within You Without You".
  157. Davies 2009, p. 321.
  158. Emerick & Massey 2006, p. 187: Martin and Emerick advised against inclusion of the laughter; Lewisohn 1992, p. 251: gleaned from Abbey Road effects tape.
  159. Martin & Pearson 1994, p. 148.
  160. Hannan 2008, p. 56.
  161. a b Everett 1999, p. 113.
  162. MacDonald 2005, p. 220.
  163. Everett 1999, p. 113: McCartney's "penchant for the audience-charming vaudeville"; MacDonald 2005, p. 221: a "cool reception"
  164. Everett 1999, p. 112: written in the late 1950s; Womack 2007, p. 177: performed in Hamburg.
  165. Moore 1997, p. 47.
  166. Martin & Pearson 1994, p. 34.
  167. Moore 1997, p. 46.
  168. Emerick & Massey 2006, p. 137.
  169. a b c d Womack 2007, p. 177.
  170. Moore 1997, p. 48.
  171. MacDonald 2005, p. 239.
  172. Everett 1999, p. 116: "grievance against complacency"; Moore 1997, p. 50: the bluesy mixolydian mode in A.
  173. MacDonald 2005, p. 234.
  174. Womack 2007, pp. 177–178.
  175. a b MacDonald 2005, p. 235.
  176. Martin & Pearson 1994, p. 75.
  177. a b MacDonald 2005, p. 248.
  178. Womack 2007, p. 178.
  179. a b Womack 2007, p. 181.
  180. a b Moore 1997, p. 52.
  181. Martin & Pearson 1994, p. 156: "vocal wailings", Riley 1988, pp. 227–228: panning.
  182. Moore 1997, p. 54; Riley 1988, p. 228: an aggressive brass section.
  183. Martin & Pearson 1994, p. 56.
  184. a b c Womack 2007, p. 179.
  185. Martin 1994, p. 209.
  186. Davies 2009, p. 275.
  187. Davies 2009, p. 276.
  188. Martin & Pearson 1994, p. 50.
  189. Martin & Pearson 1994, pp. 52–53.
  190. Womack 2007, p. 180.
  191. Martin & Pearson 1994, p. 59.
  192. Lewisohn 1992, pp. 241, 244–245, 247.
  193. Riley 1988, p. 225.
  194. MacDonald 2005, p. 229.
  195. MacDonald 2005, p. 228: "finest single achievement"; MacDonald 2005, p. 232: "among the most penetrating and innovative artistic reflections".
  196. Womack 2007, p. 182.
  197. Emerick & Massey 2006, p. 188.
  198. a b Everett 1999, p. 122.
  199. Julien 2008c, p. 164: see end note number 11.
  200. Knopper, Steve (12 de novembro de 2012). Inside the Beatles' Vinyl Album Remasters Rolling Stone. Visitado em 4 de abril de 2014.
  201. Inglis 2008, p. 92: on McCartney's design for the Sgt. Pepper cover (fonte secundária); Inglis 2008, pp. 92–95: the involvement of Robert Fraser, Perter Blake, Jann Haworth and Michael Cooper; Inglis 2008, p. 96: winning the 1967 Grammy Award for the Best Album Cover; Miles 1997, p. 333: McCartney's design for the Sgt. Pepper cover (fonte primária).
  202. Inglis 2008, pp. 92–95.
  203. Gould 2007, pp. 391–395: the Sgt. Pepper cover featured the Beatles as the imaginary band alluded to in the album's title track, standing with a host of celebrities (fonte secundária); The Beatles 2000, p. 248: standing with a host of celebrities (fonte primária).
  204. The Beatles 2000, p. 236: the growing influence of hippie style on the Beatles; Gould 2007, p. 385: "spoofed the vogue in Britain for military fashions".
  205. a b c Inglis 2008, p. 95.
  206. Inglis 2008, p. 95; Sounes 2010, p. 169.
  207. Lewisohn 1992, p. 236: the first time lyrics were printed in full on a rock album; Inglis 2008, p. 96: the lyrics were printed on the back cover.
  208. Crouse 2000, p. 60: "Ontario Provincial Police"; Martin & Pearson 1994, p. 168: the badge was a gift from a fan.
  209. Gould 2007, pp. 391–395.
  210. Inglis 2008, p. 98–99.
  211. Miles 1997, pp. 344–345.
  212. a b c Inglis 2008, p. 96.
  213. Moore 1997, p. 57.
  214. Inglis 2008, p. 93: 57 photographs and 9 waxworks; Tillery 2011, p. 81: the Self-Realization Fellowship gurus.
  215. a b c Inglis 2008, p. 93.
  216. Inglis 2008, p. 94.
  217. Harry 2000, p. 412.
  218. Harry 2002, p. 727.
  219. a b Para o prêmio Grammy de 1968, veja: 10th Annual GRAMMY Awards GRAMMY.com. Visitado em 14 de abril de 2014. Cópia arquivada em 14 de abril de 2014. Para o primeiro LP de rock a receber o prêmio Grammy de "Álbum do Ano", veja: Glausser 2011, p. 143
  220. a b MacDonald 2005, p. 249.
  221. Lewisohn 1992, pp. 350, 351; Southall & Perry 2006, p. 59.
  222. Lewisohn 1992, p. 236.
  223. Everett 1999, p. 123: debuted in the UK at number one; Moore 1997, p. 19: eight studio album.
  224. McDermott, John. Ultimate Hendrix: An Illustrated Encyclopedia of Live Concerts and Sessions. [S.l.]: Backbeat Books, 2009. p. 52. ISBN 978-0-87930-938-1
  225. a b Riley 1988, p. 205.
  226. Scapelliti 2007, p. 104.
  227. Riley 1988, pp. 205–206.
  228. MacDonald 2005, p. 249: radio stations interrupted their regular scheduling; Riley 1988, p. 205: some played the album from start to finish.
  229. Rosen 1996, p. 95.
  230. Lewisohn 1992, p. 260.
  231. Stephen Thomas Erlewine. Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band (em en) Allmusic. Visitado em 25 de maio de 2015.
  232. Klosterman, Chuck. "Chuck Klosterman Repeats the Beatles", 8 de setembro de 2009. Página visitada em 26 de maio de 2013.
  233. Christgau, Robert. "Christgau's Consumer Guide to 1967", 20 de dezembro de 1976, p. 69. Página visitada em 22 de junho de 2013.
  234. McCormick, Neil. "The Beatles – Sgt Pepper's Lonely Hearts Club Band, review", The Telegraph, 7 de setembro de 2009. Página visitada em 23 de outubro de 2011.
  235. a b Larkin, Colin. Encyclopedia of Popular Music. [S.l.]: Muze, 2006. 487–489 p. vol. 1. ISBN 0-19-531373-9
  236. Graff & Durchholz 1999, p. 87.
  237. Kemp, Mark. (8 de setembro de 2009). "The Beatles: The Long and Winding Repertoire".
  238. Plagenhoef, Scott (9 de setembro de 2009). Album Reviews: The Beatles: Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band Pitchfork. Visitado em 10 de agosto de 2011.
  239. Sheffield, Rob. In: Rob. The New Rolling Stone Album Guide. 4th ed. [S.l.]: Simon & Schuster, 2 de novembro de 2004. 51–54 p. ISBN 978-0-7432-0169-8 Página visitada em 23 de março de 2014.
  240. Ponton aka "boys, you wont" (8 de agosto 2010). The Beatles – Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band (staff review) Sputnikmusic. Visitado em 23 de outubro de 2011.
  241. Gould 2007, p. 420; Julien 2008b, pp. 8–9; Moore 1997, pp. 58–59.
  242. Moore 1997, p. 59: (fonte secundária); Poirier, Richard. The Performing Self: Compositions and Decompositions in the Languages of Contemporary Life. [S.l.]: Rutgers University Press, 1992. p. 137.: (fonte primária).
  243. Gould 2007, p. 420; Julien 2008b, p. 9
  244. Julien 2008b, p. 9.
  245. Christgau 2006, p. 116: one of the best-known American critics at the time; Goldstein 2006, pp. 97–101: "spoiled" and "reek[ing]".
  246. Christgau 2006, p. 117.
  247. Goldstein, Richard (20 de julho de 1967). I Blew My Cool Through The New York Times Village Voice. Visitado em 28 de abril de 2014.
  248. Christgau 2006, p. 116.
  249. Moore 1997, pp. 57–58.
  250. Martin & Pearson 1994, p. 2.
  251. Marcus 2007, p. xxi.
  252. Marcus 2007, p. 258: "a Day-Glo tombstone for its time"; Moore 1997, p. 60: "a triumph of effects".
  253. Marcus 2007, p. 248.
  254. Riley 1988, pp. 204–205.
  255. a b Riley 1988, p. 203.
  256. Moore 1997, p. 59.
  257. a b c Kimsey 2008, p. 122.
  258. a b c Kimsey 2008, p. 130.
  259. a b c d e Kimsey 2008, p. 135.
  260. Kimsey 2008, pp. 124–125.
  261. Christgau, Robert. Rock Theater Robert Christgau. Visitado em 22 de maio de 2014.
  262. Moore 1997, p. 64.
  263. a b Sheff 1981, p. 197.
  264. Martin & Pearson 1994, p. 150: (fonte primária); Moore 1997, p. 64: (fonte secundária).
  265. a b MacFarlane 2008, p. 33.
  266. Moore 2008, p. 144.
  267. MacFarlane 2008, pp. 33, 37.
  268. MacFarlane 2008, p. 37.
  269. Moore 1997, p. 65.
  270. Elicker 2001, p. 231.
  271. Riley 1988, p. 11.
  272. O'Grady 2008, p. 23.
  273. Moore 1997, pp. 18, 70–79; Moore 2002, pp. 64: the origins of progressive rock are "marked by the release of the Beatles' Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band in 1967"; Moore 2002, pp. 69: "The beginnings of progressive rock are normally traced to the Beatles' Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band".
  274. Moore 2008, p. 139.
  275. Holm-Hudson 2008, p. 10.
  276. Blackwell, Thomas (22 de novembro de 2009). Sgt. Pepper Sets the Stage: The Album as a Work of Art PopMatters. Visitado em 21 de março de 2014.
  277. Jones 2008, p. 49: one of the first art rock albums; Julien 2008a, p. xvii: a "masterpiece of British psychedelia".
  278. Kokenes, Chris. "'A Day in the Life' lyrics to be auctioned", CNN, 30 de abril de 2010. Página visitada em 11 de abril de 2014.
  279. Moore 1997, p. 72.
  280. Julien 2008c, p. 159.
  281. Moore 1997, p. 62: "the cultural legitimization of popular music"; Moore 1997, pp. 68–69: a musical representation of its generation.
  282. "Sgt. Pepper at 40: The Beatles' masterpiece changed popular music", Pittsburgh Post-Gazette, 1º de junho de 2007. Página visitada em 7 de novembro de 2013.
  283. For the 1977 Brit Awards see: Anon. "Brit awards winners list 2012: every winner since 1977", The Guardian, 22 de fevereiro de 2012. Página visitada em 3 de fevereiro de 2013.
  284. Scapelliti 2007, p. 57.
  285. Caulfield, Keith. "Queen's 'Greatest Hits' Becomes First Album to Sell 6 Million in U.K.", Billboard, Prometheus Global Media, 10 de fevereiro de 2014. Página visitada em 11 de fevereiro de 2014.
  286. ABBA overtake The Beatles as Gold becomes the UK’s second biggest selling album of all-time Official Charts Company. Visitado em 1º de outubro de 2014.
  287. Queen's Greatest Hits becomes first album to sell 6 million copies in the UK Official Charts Company. Visitado em 1º de outubro de 2014.
  288. Top 100 Albums RIAA.
  289. "Back in the Day: Sgt. Pepper taught the band to play", Euronews, 1º de junho de 2011. Página visitada em 21 de abril de 2014.
  290. Murray, Charles Shaar. (julho de 1987). "The Beatles: Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band". Q.
  291. DeCurtis, Anthony. (27 de agosto de 1987). "Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band; Album Reviews". Rolling Stone.; Para glam rock e alter egos, ver: MacDonald 2005, p. 232
  292. a b Larkin 1994, p. 7.
  293. Larkin 1998, p. 10.
  294. Radiohead gun for Beatles' Revolver BBC News (3 de setembro de 2000). Visitado em 24 de abril de 2014.
  295. The National Recording Registry 2003 Library of Congress (2003). Visitado em 19 de novembro de 2007.
  296. Levy 2005, p. 9.
  297. "The All-Time 100 Albums", Time. Página visitada em 20 de novembro de 2007.
  298. Radosh, Daniel (11 de agosto de 2009). While My Guitar Gently Beeps 2, 8 pp. New York Times. Visitado em 9 de maio de 2014.
  299. MacFarlane 2008, p. 39.
  300. Julien 2008c, p. 162.
  301. MacFarlane 2008, pp. 39–40.
  302. Hannan 2008, p. 46: no keyboards were used during the album's recording; Martin & Pearson 1994, p. 108: Robert Moog was working on the second generation keyboard.
  303. Julien 2008c, p. 167.
  304. Julien 2008c, pp. 166–167.
  305. Hannan 2008, p. 46.
  306. Julien 2008b, p. 7.
  307. Lewisohn 1992, p. 237.
  308. a b Inglis 2008, p. 101.
  309. a b Inglis 2008, p. 102.
  310. Riley 1988, p. 212.
  311. "Fab four times price for Beatles drumskin", RTÉ news, RTÉ Commercial Enterprises Limited, 11 de julho de 2008. Página visitada em 6 de março de 2014.
  312. Couch, Aaron (31 de março de 2013). Signed copy of Beatles' 'Sgt. Pepper's' album sells for record $290,500 NBC News. Visitado em 31 de março de 2013.
  313. Southall & Perry 2006, p. 59.
  314. Lewisohn 1992, p. 350; MacDonald 2005, pp. 220–250.
  315. Lewisohn 1992, pp. 232–253, MacDonald 2005, pp. 215–250.
  316. Emerick & Massey 2006, pp. 176–179.
  317. MacDonald 2005, pp. 237, 243.
  318. Emerick & Massey 2006, pp. 132–192.
  319. Emerick & Massey 2006, pp. 191–192.
  320. MacDonald 2005, pp. 227–232, 237.
  321. Emerick & Massey 2006, p. 171: piano solo on "Lovely Rita"; MacDonald 2005, pp. 235, 237, 246, 239, 241; Womack 2007, p. 180: final harmonium chord.
  322. MacDonald 2005, p. 232.
  323. Emerick & Massey 2006, p. 158: Martin and McCartney took turns conducting; Gould 2007, pp. 387–388: the recording of "A Day in the Life" included a forty-piece orchestra; Martin & Pearson 1994, p. 35: Robert Burns, Henry MacKenzie, Frank Reidy.
  324. Whitburn, Joel. Top Pop Albums – 1955–2001. [S.l.]: Record Research, 2001. p. 56. ISBN 978-0-89820-183-3
  325. Album Search: The Beatles – Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band (ASP) (em german) Media Control. Visitado em 25 de maio de 2015.
  326. a b c Kent, David. Australian Chart Book 1970–1992. St Ives, New South Wales: Australian Chart Book, 1993. ISBN 0-646-11917-6
  327. RPM Top Albums/CDs – Volume 7, No. 21, Jul 22, 1967 Library and Archives Canada. Visitado em 8 de abril de 2015.
  328. Billboard 200 Billboard. Visitado em 16 de novembro de 2010.
  329. VG Lista – Album Top 40 Hung Medien. Visitado em 16 de novembro de 2010.
  330. Roberts 2005, p. 54.
  331. Swedish Charts 1966–1969/Kvällstoppen – Listresultaten vecka för vecka > Juni 1967 > 20 Juni (em swedish) hitsallertijden.nl. Visitado em 31 de janeiro de 2014.Nota: Kvällstoppen combinou vendas de álbuns e singles em um só chart; Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band alcançou o quinto lugar na lista de 20 de junho de 1967
  332. dutchcharts.nl The Beatles – Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band (ASP) (em dutch) Hung Medien, dutchcharts.nl MegaCharts. Visitado em 1º de maio de 2010.
  333. Oricon Album Chart Book: Complete Edition 1970–2005. Roppongi, Tokyo: Oricon Entertainment, 2006. ISBN 4-87131-077-9
  334. The Beatles > Artists > Official Charts UK Albums Chart. Visitado em 1º de maio de 2013.
  335. Album Top 50 Hung Medien. Visitado em 16 de novembro de 2010.
  336. ultratop.be The Beatles – Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band (ASP) (em french) Hung Medien Ultratop. Visitado em 1º de maio de 2013.
  337. De 14 a 20 de setembro 2009 Associação Brasileira dos Produtores de Discos (in Portuguese). Visitado em 16 de novembro de 2010.
  338. danishcharts.com The Beatles – Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band (ASP) danishcharts.com. Visitado em 12 de outubro de 2012.
  339. Album Top 50 Hung Medien. Visitado em 16 de novembro de 2010.
  340. Album Top 20 Hung Medien. Visitado em 16 de novembro de 2010.
  341. [1] (em japanese) oricon.co.jp Oricon Style (15 de setembro de 2009).
  342. Album Top 40 Hung Medien. Visitado em 16 de novembro de 2010.
  343. VG Lista – Album Top 40 Hung Medien. Visitado em 16 de novembro de 2010.
  344. Portuguese Charts: Albums – 38/2009 Hung Medien. Visitado em 16 de novembro de 2010.
  345. Album Top 100 Hung Medien. Visitado em 16 de novembro de 2010.
  346. swedishcharts.com The Beatles – Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band (ASP) (em swedish). Visitado em 1º de maio de 2013.
  347. UK Albums Chart The Official Charts Company. Visitado em 16 de novembro de 2010.
  348. The Official UK Charts Company: Album Chart History. Visitado em 17 de dezembro de 2007. Cópia arquivada em 13 de agosto de 2010.
  349. Billboard - Top Pop Albums of 1967. [S.l.: s.n.]. Página visitada em 3 de maio de 2013.
  350. Billboard - Top Pop Albums of 1968. [S.l.: s.n.]. Página visitada em 3 de maio de 2013.
  351. The Official UK Charts Company : ALBUM CHART HISTORY. Visitado em 17 de dezembro de 2007. Cópia arquivada em 13 de agosto de 2010.
  352. Gold-/Platin-Datenbank (The Beatles; 'Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band') (em alemão) Bundesverband Musikindustrie. Visitado em 22 de abril de 2015.
  353. Certificações (Argentina) (álbum) – The Beatles – Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band (em castelhano) Cámara Argentina de Productores de Fonogramas y Videogramas. Visitado em 22 de abril de 2015.
  354. Certificações (Argentina) (álbum) – The Beatles – Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band (em castelhano) Cámara Argentina de Productores de Fonogramas y Videogramas. Visitado em 22 de abril de 2015.
  355. ARIA Charts – Accreditations – 2009 Albums Australian Recording Industry Association. Visitado em 22 de abril de 2015.
  356. Certificações (Brasil) (álbum) – The Beatles – Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band (em português) Associação Brasileira dos Produtores de Discos. Visitado em 22 de abril de 2015.
  357. Certificações (Canadá) (álbum) – The Beatles – Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band (em inglês) Music Canada. Visitado em 22 de abril de 2015.
  358. Certificações (Estados Unidos) (álbum) – The Beatles – Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band (em inglês) Recording Industry Association of America. Visitado em 22 de abril de 2015. Se necessário, clique em Advanced, depois clique em Format, e seleccione Album, e clique em SEARCH.
  359. Certificações (França) (álbum) – The Beatles – Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band (em francês) Syndicat National de l'Édition Phonographique. Visitado em 22 de abril de 2015.
  360. Certificações (Itália) (álbum) – The Beatles – Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band (PDF) (em italiano) Federazione Industria Musicale Italiana. Visitado em 22 de abril de 2015.
  361. Certificações (Japão) (álbum) – The Beatles – Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band (em japonês) Recording Industry Association of Japan. Visitado em 22 de abril de 2015.
  362. Certificações (Nova Zelândia) (álbum) – The Beatles – Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band (em inglês) Recorded Music NZ. Visitado em 22 de abril de 2015.
  363. Certificações (Reino Unido) (álbum) – The Beatles – Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band (em inglês) British Phonographic Industry. Visitado em 22 de abril de 2015.

Bibliografia

Ligações externas


Precedido por
Headquarters por The Monkees
Álbuns número um na Billboard 200 em 1967
1º de julho – 13 de outubro de 1967
Sucedido por
Ode to Billie Joe por Bobbie Gentry