Joni Mitchell

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Joni Mitchell
CC
Joni Mitchell em 1983.
Informação geral
Nome completo Roberta Joan Anderson
Nascimento 7 de novembro de 1943 (77 anos)
Origem Fort Macleod, Alberta
País Canadá
Nacionalidade canadiana
Gênero(s)
Ocupação(ões)
Progenitores Mãe: Myrtle Anderson
Pai: Bill Anderson
Cônjuge Chuck Mitchell (c. 1965–67)
Larry Klein (c. 1982–94)
Filho(s) Kelly Dale Anderson (n. 1965)
Instrumento(s)
Extensão vocal Soprano
Período em atividade 1967-presente
Gravadora(s)
Afiliação(ões)
Página oficial www.jonimitchell.com

Roberta Joan "Joni" Mitchell, nascida Roberta Joan Anderson, CC (Fort Macleod, 7 de novembro de 1943), é uma cantora, vocalista solo, artista plástica e poetisa canadense. Foi considerada a 75º melhor guitarrista de todos os tempos pela revista norte-americana Rolling Stone,[1] que também a citou como "uma das melhores compositoras da história".[2] De acordo com uma declaração da AllMusic, "Quando a poeira baixar, Joni Mitchell pode vir a ser a artista musical feminina mais importante e influente do século XX".[3]

Alcançou o sucesso na década de 1970, fazendo uma música influenciada pelo jazz e pelo folk rock. Suas composições frequentemente refletem ideias sociais e ambientais assim como seus sentimentos sobre romance, confusão, desilusões e alegria. Ela recebeu muitos prêmios, incluindo nove Grammys. Gravou dois discos que entraram para a história: Clouds, de 1969, e Blue, de 1971, que ocupa a 30ª posição na lista dos 500 melhores álbuns de todos os tempos da revista Rolling Stone.

Biografia e carreira[editar | editar código-fonte]

Desde pequena, Joni percebeu que tinha talento para compor e para cantar. Com uma voz que alcança uma extensão vocal de duas oitavas e meia, Joni quebra corações e emociona plateias com suas letras fortes e auto-construtivas que vão de temas autobiográficos até a industrialização e a destruição da natureza.

Joni passou por inúmeras dificuldades antes de alcançar sua fama. Sem dinheiro nem moradia, ela em uma situação de desespero, casou-se com um cantor folk Chuck Mitchell, de quem herdou seu sobrenome. O casamento durou apenas um ano e meio. Após seu divórcio em 1967, Joni conheceu Elliot Roberts e David Crosby, ex-membros do The Byrds. Os dois a ajudaram a conseguir uma boa divulgação e contrato com gravadoras. Em 1968, seu primeiro disco intitulado Joni Mitchell foi lançado ganhou o apelido Song To A Seagull, e outros artistas começaram a interpretar suas canções. Mesmo assim não alcançou um sucesso grandioso.

Em 1969, Joni é convidada a participar do Festival de Woodstock, que contava com cantores como Joan Baez, Jimi Hendrix e Janis Joplin. Mesmo assim, alegando motivos pessoais, ela não participou. Woodstock é o nome de uma de suas músicas prediletas e foi influencia do festival.

Suas músicas eram interpretadas ao lado de grandes artistas do rock, mas mesmo assim sua especialidade era o folk. No mesmo ano lançou seu segundo disco Clouds, que contava com o clássico "Big Yellow Taxi", música em que Joni conseguiu fazer uma crítica ao mundo mostrando uma mensagem de paz e preservação da natureza.

Em 1970, recebe uma indicação ao Grammy Awards como melhor artista folk e acabou levando o prêmio. No mesmo ano, participou de Festival da Isle of Wight, na Inglaterra, considerado um segundo Woodstock. Durante a apresentação de Joni, um homem invadiu o palco e começou a proferir palavras que eram julgadas impróprias às pessoas que lá se encontravam. O homem foi arrastado para fora. O seu nome era Yogi Joe e era um hippie que ela havia conhecido nas cavernas da ilha de Creta.[carece de fontes?]

A gravadora Reprise, vendo o sucesso recém-alcançado, assinou com Joni a gravação de seu terceiro álbum — Ladies of the Canyon, seu disco mais vendido, que ganhou um disco de ouro por mais de meio milhão de cópias vendidas. Era comum ouvir suas músicas nas rádios. Com um Grammy, um nome respeitado e uma carreira sólida, Joni passou a se sentir sufocada: "Me sinto como se estivesse em uma gaiola", disse. Joni começa a reduzir drasticamente suas apresentações, exceto em eventos beneficentes. Logo Joni vendeu sua casa e comprou outra em Columbia,[Onde? necessário esclarecer] onde dizia ter mais comodidade e privacidade.

Após seu afastamento, Joni lança seu quarto disco autointitulado Blue, um disco totalmente significante para ela. Desde as músicas até o encarte representam seu momento que, segundo ela, era frágil e transparente. As canções transmitem mensagens de amor, distância e perdas. Joni compõe clássicos como "California" e "Carey", músicas mais alegres que acabam obscurecidas pelo tema central do disco: a solidão.

Estrela de Joni Mitchell na Calçada da fama do Canadá.[4]

Blue é um dos álbuns mais importantes da história do rock/folk e da carreira da cantora. O álbum estreia entre o top 20 da revista Billboard.

Em 1972, lança seu primeiro disco com uma orquestra: For the Roses. Este disco a envolvia em um cenário pop/folk. O primeiro single "You Turn Me On, I'm a Radio [en]" emplacou no #25 nos EUA. Joni usava muita ironia em seu novo disco. Em 1973, inicia as gravações para seu próximo disco Court and Spark. Em março de 1974, o disco é lançado. Em julho, o single "Help Me" alcança o #7 nos EUA. O álbum alcançou a segunda posição na Billboard e permaneceu por lá quatro semanas. No mesmo ano é lançado Miles of Aisles [en], que obteve elogios da crítica de vários jornais. Joni era uma das cantoras mais respeitadas no mundo da música.

Em janeiro de 1975, a artista recebe quatro nomeações ao Grammy. Na primavera deste ano, entra em estúdio e grava algumas demos que foram lançadas dois anos depois. Então ela lança The Hissing of Summer Lawns que alcançou a quarta posição na Billboard. No natal de 75, ela começa a promover o disco cantando ao lado de vários músicos em vários eventos, como The Rolling Stones. Joni inicia uma nova turnê em janeiro de 1976. A partir daí, lançou cerca de quinze discos e sempre obteve seu sucesso.

Após emocionar plateias, receber muitas críticas positivas e ganhar um tributo em sua honra, Joni Mitchell lançou em abril de 2005 o álbum Songs of a Prairie Girl [en], que a traz de volta ao mundo musical. O disco atingiu uma extrema sensibilidade e motivação. Após ter cantado jazz, pop, e até rock, Joni volta às suas raízes, o folk.

Joni conseguiu deixar sua marca no mundo da música, mostrada por inúmeros cantores e compositores mundo a fora, e continuou trabalhando em apresentações solo e em inúmeras atividades paralelas.

Em 1990, participou do antológico show The Wall Live in Berlin, de Roger Waters, encomendado pela prefeitura daquela cidade para comemorar a queda do muro de Berlin; no show ela cantou a música "Goodbye Blue Sky [en]".

No Brasil, a sua canção "The Last Time I Saw Richard [en]" foi incluída no álbum Acústico MTV, da banda Legião Urbana.

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio

Referências

  1. «The 100 Greatest Guitarists of All Time: Joni Mitchell» (em inglês). Rolling Stone. Consultado em 17 de fevereiro de 2012 
  2. «Joni Mitchell Library - Joni Mitchell: Rolling Stone, October 31, 2002». jonimitchell.com. Consultado em 6 de março de 2019 
  3. «Joni Mitchell | Biography, Albums, Streaming Links». AllMusic (em inglês). Consultado em 6 de março de 2019 
  4. (em inglês) Canadaswalkoffame Arquivado em 14 de dezembro de 2008, no Wayback Machine. - Página acessada em 3 de maio de 2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]