Sam Cooke

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Samuel Cook (Clarksdale, 22 de janeiro de 1931Los Angeles, 11 de dezembro de 1964) conhecido profissionalmente como Sam Cooke, foi um cantor, compositor e empresário americano. Considerado um pioneiro e um dos artistas de soul mais influentes de todos os tempos, Cooke é comumente referido como o Rei do Soul por seus vocais distintos, contribuições notáveis ​​para o gênero e alto significado na música popular.[1]

Cooke nasceu no Mississippi e mais tarde mudou-se para Chicago com sua família ainda jovem, onde começou a cantar quando criança e se juntou aos Soul Stirrers como vocalista na década de 1950. Em 1957, Cooke lançou uma série de canções de sucesso, incluindo "You Send Me", "A Change Is Gonna Come", "Cupid", "Wonderful World", "Chain Gang", "Twistin 'the Night Away", "Bring It On Home to Me" e "Good Times". Durante sua carreira de oito anos, Cooke lançou 29 singles que figuraram no Top 40 da parada de singles pop da Billboard, bem como 20 singles no top ten da parada de singles negros da Billboard.

Em 1964, Cooke foi baleado e morto pelo gerente de um motel em Los Angeles. Depois de um inquérito e investigação, os tribunais consideraram a morte de Cooke um homicídio justificável;[2] sua família questionou as circunstâncias de sua morte.

As contribuições pioneiras de Cooke para a soul music contribuíram para a ascensão de Aretha Franklin, Bobby Womack, Al Green, Curtis Mayfield, Stevie Wonder, Marvin Gaye e Billy Preston, e popularizou o trabalho de Otis Redding e James Brown. O biógrafo do AllMusic, Bruce Eder, escreveu que Cooke foi "o inventor da soul music" e possuía "uma incrível voz natural para cantar e uma entrega suave e sem esforço que nunca foi superada".[3]

Cooke também foi um dos primeiros artistas negros da modernidade a tomar controle principal de suas finanças, em 1961 fundou uma gravadora chamada SAR, encerrada com a sua morte em 1964.[4] Cooke participou no movimento pelos direitos civis dos Estados Unidos[5] e, sobretudo, cantou unificando audiências das mais variadas origens com a sua voz atraente e singular.

Cooke também foi uma parte central do Movimento dos Direitos Civis, usando sua influência e popularidade com a população branca e negra para lutar pela causa. Ele era amigo do boxeador Muhammad Ali, do ativista Malcolm X e do jogador de futebol americano Jim Brown, que juntos lutaram pela igualdade racial. Essa amizade foi explorada na peça e no filme One Night in Miami.



Sam Cooke
Sam Cooke em 1963
Informação geral
Nome completo Samuel Cook
Também conhecido(a) como Dale Cooke
Nascimento 22 de janeiro de 1931
Clarksdale, Mississipi, Estados Unidos
Origem Chicago, Illinois, Estados Unidos
Morte 11 de dezembro de 1964 (33 anos)
Los Angeles, Califórnia, Estados Unidos
Gênero(s) Soul, gospel, [[[R&B]]
Instrumento(s) Vocal, Piano, Guitarra
Período em atividade 19501964
Gravadora(s) Specialty Records, Keen Records, RCA Victor
Afiliação(ões) The Soul Stirrers; Bobby Womack and Johnnie Taylor

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Cooke nasceu como Samuel Cook em Clarksdale, Mississippi, em 1931 (ele adicionou o "e" ao seu sobrenome em 1957 para significar um novo começo para sua vida).[6][7] Ele era o quinto de oito filhos do Rev. Charles Cook, um ministro da Igreja de Cristo (Santidade), e sua esposa, Annie Mae. Um de seus irmãos mais novos, L.C. (1932–2017), mais tarde tornou-se membro da banda doo-wop Johnny Keyes and the Magnificents.[8]

A família mudou-se para Chicago em 1933.[9] Cook frequentou a Doolittle Elementary[10] e Wendell Phillips Academy High School[11] em Chicago, a mesma escola que Nat "King" Cole frequentou alguns anos antes. Sam Cooke começou sua carreira com seus irmãos em um grupo doo-wop chamado Singing Children quando ele tinha seis anos de idade.[12] Ele se tornou conhecido como vocalista do Highway Q.C. quando ele era um adolescente, tendo se juntado ao grupo aos 14 anos.[13] Durante este tempo, Cooke fez amizade com o cantor gospel e vizinho Lou Rawls, que cantava em um grupo gospel rival.[14]


Carreira[editar | editar código-fonte]

The Soul Stirrers[editar | editar código-fonte]

Em 1950, Cooke substituiu o tenor gospel R. H. Harris como vocalista do grupo gospel The Soul Stirrers, fundado por Harris, que havia assinado contrato com a Specialty Records em nome do grupo.[15] Sua primeira gravação sob a liderança de Cooke foi a canção "Jesus Gave Me Water" em 1951. Eles também gravaram as canções gospel "Peace in the Valley", "How Far Am I from Canaan?", "Jesus Paid the Debt" e "One More River ", entre muitos outros, alguns dos quais escreveu.[16] Cooke era frequentemente creditado por trazer a música gospel para a atenção de um público mais jovem de ouvintes, principalmente garotas que corriam para o palco quando os Soul Stirrers subiam apenas para ter um vislumbre de Cooke.[17] A lista de 2015 da Billboard dos "35 Maiores Artistas de R&B de Todos os Tempos" inclui Cooke, "que abriu caminho em 1957 com o hit crossover R&B / pop" You Send Me "... E seu ativismo na frente dos direitos civis resultou no silêncio canção de protesto 'A Change Is Gonna Come' ".[18]

Sucesso pop crossover[editar | editar código-fonte]

Cooke teve 30 maiores sucessos nos Estados Unodpsentre 1957 e 1964, além de mais três postumamente. Sucessos importantes como "You Send Me", "A Change Is Gonna Come", "Cupid", "Chain Gang", "Wonderful World", "Another Saturday Night" e "Twistin 'the Night Away" são alguns dos seus mais musicas populares. Twistin 'the Night Away foi um de seus álbuns mais vendidos.[19] Cooke também foi um dos primeiros artistas e compositores negros modernos a cuidar do lado comercial de sua carreira musical. Ele fundou uma gravadora e uma editora como uma extensão de sua carreira como cantor e compositor. Ele também participou ativamente do Movimento pelos Direitos Civis.[20]

Cooke na Billboard, 1965

Seu primeiro single pop / soul foi "Lovable" (1956), um remake da canção gospel "Wonderful". Foi lançado com o apelido de "Dale Cook"[21] para não alienar sua base de fãs do gospel; havia um estigma considerável contra cantores gospel tocando música secular. No entanto, não enganou ninguém[22]—Os vocais únicos e distintos de Cooke foram facilmente reconhecidos. Art Rupe, chefe da Specialty Records, o selo dos Soul Stirrers, deu sua bênção para Cooke gravar música secular com seu nome verdadeiro, mas ele estava insatisfeito com o tipo de música que Cooke e o produtor Bumps Blackwell estavam fazendo. Rupe esperava que a música secular de Cooke fosse semelhante à de outro artista da Specialty Records, Little Richard. Quando Rupe entrou em uma sessão de gravação e ouviu Cooke fazer uma cobertura de Gershwin, ele ficou bastante chateado. Após uma discussão entre Rupe e Blackwell, Cooke e Blackwell deixaram a gravadora.[23] "Lovable "nunca foi um sucesso, mas também não fracassou e indicou o potencial futuro de Cooke. Embora o gospel fosse popular, Cooke percebeu que os fãs se limitavam principalmente a áreas rurais do país de baixa renda e procurou diversificar-se. Cooke mais tarde admitiu que obteve um endosso para uma carreira na música pop do homem menos provável, seu pai pastor. "Meu pai me disse que não era o que eu cantava que era importante, mas que Deus me deu uma voz e talento musical e o verdadeiro uso Seu dom era compartilhá-lo e fazer as pessoas felizes. "Tomando o nome de" Sam Cooke ", ele buscou um recomeço no pop.

Em 1957, Cooke apareceu no The Guy Mitchell Show da ABC. Nesse mesmo ano, ele assinou com a Keen Records. Seu primeiro sucesso, "You Send Me", lançado como lado B de "Summertime", passou seis semanas no primeiro lugar na parada de R&B da Billboard.[24] A canção também teve sucesso mainstream, passando três semanas no primeiro lugar na parada pop da Billboard.[25]

Em 1958, Cooke se apresentou no famoso show Cavalcade of Jazz produzido por Leon Hefflin Sênior no Shrine Auditorium em 3 de agosto. Os outros headliners foram Little Willie John, Ray Charles, Ernie Freeman e Bo Rhambo. Sammy Davis Jr. estava lá para coroar a vencedora do concurso de beleza Miss Cavalcade of Jazz. O evento contou com a presença dos quatro principais disc jockey de Los Angeles.[26]

Cooke assinou contrato com a gravadora RCA Victor em janeiro de 1960, tendo recebido 100 mil dólares garantidos dos produtores da gravadora Hugo & Luigi.[27][28] Um de seus primeiros singles na RCA Victor foi "Chain Gang", que alcançou o segundo lugar na parada pop da Billboard. Foi seguido por mais sucessos, incluindo "Sad Mood",[29] "Cupid",[30] "Bring It On Home to Me" (com Lou Rawls fazendo backing vocals),[31] "Another Saturday Night",[32] e "Twistin' the Night Away".[33]

Em 1961, Cooke começou sua própria gravadora, SAR Records, com J. W. Alexander e seu empresário, Roy Crain.[34] A gravadora logo incluiu os Simms Twins, os Valentinos (que eram Bobby Womack e seus irmãos), Mel Carter e Johnnie Taylor. Cooke então criou uma editora e empresa de gestão chamada Kags.[35]

Como a maioria dos artistas de R&B de seu tempo, Cooke se concentrou em singles; ao todo, ele teve 29 maiores sucessos nas paradas pop e mais nas paradas de R&B. Ele foi um compositor prolífico e escreveu a maioria das canções que gravou. Ele também supervisionou alguns dos arranjos das músicas. Apesar de lançar principalmente singles, ele lançou um LP com influências de blues bem recebido em 1963, Night Beat, e seu álbum de estúdio mais aclamado pela crítica, Ain't That Good News, que contou com cinco singles, em 1964.[36]

Em 1963, Cooke assinou um contrato de cinco anos com Allen Klein para gerenciar a Kags Music e a SAR Records e o nomeou seu empresário. Klein negociou um acordo de cinco anos (três anos mais dois anos de opção) com a RCA Victor em que uma holding, Tracey, Ltd, em homenagem à filha de Cooke, propriedade de Klein e gerenciada por J. W. Alexander, produziria e possuiria as gravações de Cooke. RCA Victor obteria direitos de distribuição exclusivos em troca de 6 por cento de pagamentos de royalties e pagamentos para as sessões de gravação. Por motivos fiscais, Cooke receberia ações preferenciais da Tracey em vez de um adiantamento inicial em dinheiro de $ 100.000. Cooke receberia adiantamentos em dinheiro de 100 mil dólarespelos próximos dois anos, seguidos por um adicional de 75 mil dólares para cada um dos dois anos de opção, se o negócio fosse a termo.[37]

Vida Pessoal[editar | editar código-fonte]

Cooke foi casado duas vezes[38] Ele foi casado com a cantora e dançarina Dolores Elizabeth Milligan Cook, que usava o nome artístico "Dee Dee Mohawk" em 1953; eles se divorciaram em 1958.[39][40] She Ela foi morta em um acidente de carro em Fresno, Califórnia, em 1959.[41] Embora ele e Dolores fossem divorciados,[42] Cooke pagou as despesas do funeral de sua ex-mulher.[42][38] Ela deixou um filho, Joey.[26]

Em 1958, Cooke se casou com sua segunda esposa, Barbara Campbell, em Chicago.[39][43] Seu pai realizou a cerimônia.[39] Eles tiveram três filhos, Linda (n. 1953),[44] Tracy (n. 1960), e Vincent (1961–1963), que se afogou na piscina da família.[38][45][39] Menos de três meses após a morte de Cooke, sua viúva, Barbara, casou-se com seu amigo Bobby Womack.[46][47][48] Womack abusou sexualmente da filha de Cooke, Linda.[49] Linda se casou com o irmão de Womack, Cecil Womack e eles formaram a dupla Womack & Womack.[34]

Cooke também gerou pelo menos três outros filhos fora do casamento.[50] Em 1958, uma mulher na Filadélfia, Connie Bolling,[26] afirmou que Cooke era o pai de seu filho. Cooke pagou a ela um acordo fora do tribunal estimado em US$ 5.000.[39]

Em novembro de 1958, Cooke se envolveu em um acidente de carro a caminho de St. Louis para Greenville. Seu motorista Edward Cunningham foi morto, enquanto Cooke, o guitarrista Cliff White e o cantor Lou Rawls foram hospitalizados.[39]

Morte[editar | editar código-fonte]

Cooke foi morto aos 33 anos em 11 de dezembro de 1964, no Hacienda Motel, em Los Angeles, Califórnia. Respondendo a relatórios separados de um tiroteio e um sequestro no motel, a polícia encontrou o cadáver de Cooke. Ele havia sofrido um ferimento à bala no peito, que mais tarde foi determinado ter perfurado seu coração.[51]A gerente do motel, Bertha Franklin, afirmou ter atirado nele em legítima defesa. Seu relato foi imediatamente contestado pelos conhecidos de Cooke.[52][53]

O registro oficial da polícia afirma que Franklin atirou fatalmente em Cooke, que havia se registrado no início daquela noite.[54] Franklin disse que Cooke havia batido na porta de seu escritório, gritando "Cadê a garota ?!". Franklin gritou de volta que não havia ninguém em seu escritório, exceto ela, mas um Cooke enfurecido não acreditou nela e forçou seu caminho para o escritório, nu, exceto por um sapato e uma jaqueta esporte. Ele a agarrou, exigindo novamente saber o paradeiro da mulher. De acordo com Franklin, ela lutou com Cooke, os dois caíram no chão e ela então se levantou e correu para pegar uma arma. Ela disse que então atirou em Cooke em legítima defesa porque temia por sua vida. Cooke foi atingido uma vez no torso. De acordo com Franklin, ele exclamou, "Senhora, você atirou em mim", em um tom que expressava perplexidade ao invés de raiva, antes de avançar sobre ela novamente. Ela disse que o atingiu na cabeça com um cabo de vassoura antes que ele finalmente caísse no chão e morresse.[55]

A proprietária do motel, Evelyn Carr,[note 1] disse que ela estava ao telefone com Franklin no momento do incidente. Carr disse que ouviu a intrusão de Cooke e o conflito e o tiro que se seguiram. Ela chamou a polícia para solicitar que os policiais fossem ao motel, dizendo que ela acreditava que um tiroteio havia ocorrido.[56]

Um inquérito do legista foi convocado para investigar o incidente. A mulher que acompanhou Cooke ao motel foi identificada como Elisa Boyer, que também havia chamado a polícia naquela noite vários minutos antes de Carr. Boyer ligou de uma cabine telefônica perto do motel.[57]

Boyer disse à polícia que ela conhecera Cooke pela primeira vez naquela noite e passara a noite em sua companhia. Ela disse que depois que eles deixaram uma boate local juntos, ela pediu repetidamente que ele a levasse para casa, mas ele a levou contra sua vontade para o Hacienda Motel. Ela disse que uma vez em um dos quartos do motel, Cooke a forçou fisicamente a se deitar e a despiu até ficar de calcinha; ela disse que tinha certeza de que ele a estupraria. Cooke permitiu que ela usasse o banheiro, de onde ela tentou uma fuga, mas descobriu que a janela estava bem fechada. De acordo com Boyer, ela voltou para a sala principal, onde Cooke continuou a molestá-la. Quando ele foi usar o banheiro, ela rapidamente agarrou suas roupas e saiu correndo do quarto. Ela disse que, na pressa, também pegou a maior parte das roupas de Cooke por engano. Ela disse que correu primeiro para o escritório do gerente e bateu na porta em busca de ajuda. No entanto, ela disse que o gerente demorou muito para responder, então, temendo que Cooke viesse logo atrás dela, ela fugiu do motel antes que o gerente abrisse a porta. Ela disse que então vestiu as roupas, escondeu as roupas de Cooke, foi a uma cabine telefônica e chamou a polícia.[58]

A história de Boyer é o único relato do que aconteceu entre ela e Cooke naquela noite; no entanto, sua história há muito foi questionada. Inconsistências entre sua versão dos eventos e detalhes relatados por clientes no Restaurante Martoni's, onde Cooke jantou e bebeu no início da noite, sugerem que Boyer pode ter ido de boa vontade para o motel com Cooke, em seguida, escapuliu do quarto com suas roupas para roubá-lo , ao invés de escapar de uma tentativa de estupro.[59][54] Cooke carregava uma grande quantia em dinheiro no Martoni's, de acordo com funcionários e amigos do restaurante. No entanto, uma busca na bolsa de Boyer pela polícia revelou nada exceto uma nota de $ 20, e uma busca na Ferrari de Cooke encontrou apenas um clipe de dinheiro com $ 108 e algumas moedas soltas.[60]

No entanto, as questões sobre o papel de Boyer estavam além do escopo do inquérito, cujo objetivo era apenas estabelecer as circunstâncias do papel de Franklin no tiroteio. Boyer saindo do quarto do motel com quase todas as roupas de Cooke, e o fato de os testes terem mostrado que Cooke estava embriagado na época, forneceram uma explicação plausível aos jurados do inquérito para o comportamento bizarro de Cooke e seu estado de nudez. Além disso, como o testemunho de Carr corroborou a versão dos eventos de Franklin, e porque Boyer e Franklin mais tarde passaram nos testes do polígrafo,[39][61] o júri do legista acabou aceitando a explicação de Franklin e retornou um veredicto de homicídio justificável. Com esse veredicto, as autoridades encerraram oficialmente o caso com a morte de Cooke.[62]

Alguns familiares e apoiadores de Cooke, no entanto, rejeitaram a versão dos eventos de Boyer, bem como aquelas fornecidas por Franklin e Carr. Eles acreditam que houve uma conspiração para assassinar Cooke e que o assassinato ocorreu de uma maneira totalmente diferente dos três relatos oficiais.[63][64][65][66][67][68][69] A cantora Etta James viu o corpo de Cooke antes de seu funeral e questionou a precisão da versão oficial dos eventos. Ela escreveu que os ferimentos que observou foram muito além do relato oficial de Cooke ter lutado sozinho com Franklin. James escreveu que Cooke foi espancado tão violentamente que sua cabeça quase foi separada dos ombros, suas mãos foram quebradas e esmagadas e seu nariz mutilado.[70] Algumas pessoas especularam que o empresário de Cooke, Allen Klein, pode ter tido um papel em sua morte. Klein era dono da Tracey, Ltd, que em última instância detinha todos os direitos das gravações de Cooke.[71]

Nenhuma evidência concreta que apóie uma conspiração criminosa foi apresentada até o momento.[67][68]

Consequências[editar | editar código-fonte]

Túmulo de Sam Cooke no Garden of Honor no Forest Lawn Memorial Park em Glendale, Califórnia

O primeiro funeral de Cooke foi realizado em 18 de dezembro de 1964, na casa funerária A.R. Leak em Chicago; 200.000 fãs fizeram fila por mais de quatro quarteirões da cidade para ver seu corpo.[38][72] Posteriormente, seu corpo foi levado de volta a Los Angeles para um segundo culto, na Igreja Batista Mount Sinai em 19 de dezembro, que incluiu uma apresentação muito aclamada de "The Angels Keep Watching Over Me", de Ray Charles, que representou um aflita Bessie Griffin. Cooke foi enterrado no cemitério Forest Lawn Memorial Park em Glendale, Califórnia.[38][73]

Dois singles e um álbum foram lançados no mês após sua morte. Um dos singles, "Shake", alcançou o top ten das paradas pop e R&B. O lado B, "A Change Is Gonna Come", é considerada uma canção clássica de protesto da época do Movimento dos Direitos Civis.[74] Foi um hit pop Top 40 e um hit R&B top 10. O álbum, também intitulado Shake, alcançou o primeiro lugar em álbuns de R&B.

Bertha Franklin disse que recebeu várias ameaças de morte após atirar em Cooke. Ela deixou seu cargo no Hacienda Motel e não revelou publicamente para onde havia se mudado.[75] Depois de ser inocentada pelo júri do legista, ela processou o espólio de Cooke, citando ferimentos físicos e angústia mental sofrida como resultado do ataque de Cooke. Seu processo pedia US $ 200.000 em indenizações compensatórias e punitivas.[75] Barbara Womack opôs-se a Franklin em nome do espólio, pedindo US $ 7.000 por danos para cobrir as despesas do funeral de Cooke. Elisa Boyer prestou testemunho em apoio a Franklin no caso. Em 1967, um júri decidiu a favor de Franklin em ambas as acusações, concedendo-lhe US $ 30.000 por danos.[76] Mais tarde, foi revelado que Bertha Franklin havia se mudado para Michigan, mas nunca revelou qual era sua nova carreira. Ela morreu de doença arterial coronariana em 1989.[77] Em 1979, Elisa Boyer foi considerada culpada de assassinato de segundo grau na morte de seu namorado e condenada a 25 anos de prisão perpétua. Sua condenação reacendeu o interesse no caso Sam Cooke e alimentou as teorias da conspiração sobre sua morte.[78]

Legado[editar | editar código-fonte]

Representações culturais[editar | editar código-fonte]

Representações[editar | editar código-fonte]

Cooke foi interpretado por Paul Mooney em The Buddy Holly Story, um filme biográfico americano de 1978 que conta a história da vida do músico de rock Buddy Holly.

Na peça One Night in Miami, apresentada pela primeira vez em 2013, Cooke é interpretado por Arinzé Kene. Na adaptação para o cinema de 2020, ele é interpretado por Leslie Odom Jr.

Homenagens póstumas

  • Em 1986, Cooke foi empossado como membro fundador do Rock and Roll Hall of Fame.[79]
  • Em 1987, Cooke foi introduzido noSongwriters Hall of Fame.[80]
  • Em 1989, Cooke foi indicado pela segunda vez para o Rock and Roll Hall of Fame quando os Soul Stirrers foram empossados.[81]
  • Em 1 de fevereiro de 1994, Cooke recebeu uma estrela na Calçada da Fama de Hollywood por suas contribuições para a indústria da música, localizada em 7051, Hollywood Boulevard.[82][83][84]
  • Embora Cooke nunca tenha ganhado um Grammy, ele recebeu o Grammy Lifetime Achievement Award em 1999, apresentado por Larry Blackmon do supergrupo funk Cameo.
  • Em 2004, a Rolling Stone classificou Cooke em 16º em sua lista dos "100 Maiores Artistas de Todos os Tempos".[85][86]
  • Em 2008, Cooke foi nomeado o quarto "Melhor Cantor de Todos os Tempos" pela Rolling Stone.[87]
  • Em 2008, Cooke recebeu a primeira placa na Calçada da Fama de Clarksdale, localizada no teatro New Roxy.[88]
  • Em 2009, Cooke foi homenageado com uma marca no Mississippi Blues Trail em Clarksdale.[89]
  • Em junho de 2011, a cidade de Chicago rebatizou uma parte da East 36th Street perto da Cottage Grove Avenue como o "Sam Cooke Way" honorário para lembrar o cantor perto de uma esquina onde ele costumava sair e cantar quando era adolescente.[90]
  • Em 2013, Cooke foi indicado para o National Rhythm and Blues Music Hall of Fame em Cleveland, Ohio, na Universidade Estadual de Cleveland. O fundador do Museu Nacional do Hall da Fama do Rhythm & Blues, LaMont Robinson, disse que ele foi o maior cantor que já cantou.[91]
  • A citação de Sam Cooke "A Change Is Gonna Come" está na parede do Tribunal Contemplativo, um espaço para reflexão no Museu Nacional de História e Cultura Afro-americana do Smithsonian; o museu foi inaugurado em 2016.[92]
  • Cooke foi incluído no Hall da Fama dos Músicos do Mississippi.[93]

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • Sam Cooke (1958)
  • Encore (1958)
  • Tribute to the Lady (1959)
  • Cooke's Tour (1960)
  • Hits of the 50's (1960)
  • The Wonderful World of Sam Cooke (1960)
  • Swing Low (1961)
  • My Kind of Blues (1961)
  • Twistin' the Night Away (1962)
  • Mr. Soul (1963)
  • Night Beat (1963)
  • Ain't That Good News (1964)
  • Sam Cooke at the Copa (1964)
  • Live at the Harlem Square Club, 1963 (1985)

Notas

Referências

  1. Cupid - Sam Cooke | Song Info (em inglês), consultado em 13 de março de 2021 
  2. Bronson, Fred (2003). The Billboard Book of Number 1 Hits: The Inside Story Behind Every Number One Single on Billboard's Hot 100 from 1955 to the Present. Billboard Books. p. 30. ISBN 0-8230-7677-6.
  3. «Sam Cooke | Biography & History». AllMusic (em inglês). Consultado em 13 de março de 2021 
  4. Alexandre Duarte (2009). «Muito além da motown - Parte 3». Editora Escala. Raça Brasil 
  5. Guralnick, Peter (22 de setembro de 2005). «The Man Who Invented Soul». rollingstone.com. Consultado em 8 de agosto de 2008 
  6. Guralnick, Peter (2005). Dream Boogie: The Triumph of Sam Cooke. [S.l.]: Little, Brown and Company. ISBN 0-316-37794-5 
  7. Note: His headstone gives his birth year as 1930.
  8. Guralnick 2005, pp. 9–10, 17.
  9. Guralnick 2005, p. 10.
  10. Guralnick 2005, p. 15.
  11. Guralnick 2005, p. 22.
  12. Guralnick 2005, pp. 13–14.
  13. Guralnick 2005, pp. 29–31.
  14. Guralnick 2005, p. 90.
  15. Guralnick 2005, pp. 65–68.
  16. «Jesus Gave Me Water». Songsofsamcooke.com. 1 de março de 1951. Consultado em February 13, 2013. Cópia arquivada em 16 de fevereiro de 2013  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  17. Guralnick 2005, p. 47.
  18. «The 35 Greatest R&B Artists Of All Time». Billboard. November 12, 2015  Verifique data em: |data= (ajuda)
  19. Eder, Bruce. «Sam Cooke AllMusic». Consultado em August 21, 2017  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  20. Guralnick, Peter (September 22, 2005). «The Man Who Invented Soul». Rolling Stone. Consultado em August 8, 2008. Cópia arquivada em February 6, 2009  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata=, |data= (ajuda)
  21. «Show 17 – The Soul Reformation: More on the evolution of rhythm and blues». Pop Chronicles. Digital Library, University of North Texas. June 22, 1969. Consultado em September 22, 2010  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  22. Bronson, Fred (2003). The Billboard Book of Number 1 Hits: The Inside Story Behind Every Number One Single on Billboard's Hot 100 from 1955 to the Present. [S.l.]: Billboard Books. p. 30. ISBN 0-8230-7677-6 
  23. Guralnick 2005, pp. 171–180.
  24. «Sam Cooke». Rock & Roll Hall of Fame. Consultado em October 10, 2017  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  25. Dean, Maury (2003). Rock 'N' Roll Gold Rush: A Singles Un-cyclopedia. [S.l.]: Algora Publishing. p. 176. ISBN 0-87586-207-1 
  26. a b c Guralnick, Peter (2005). Dream Boogie: The Triumph of Sam Cooke. [S.l.]: Little, Brown and Company. ISBN 0-316-37794-5 
  27. «Sam Cooke Signs With Hugo-Luigi». Billboard. January 18, 1960. Consultado em 2 May 2020  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  28. «RCA Victor Signs Sam Cooke» (PDF). Cash Box. New York. January 23, 1960. Consultado em 2 May 2020  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  29. Guralnick 2005, pp. 348, 361.
  30. Guralnick 2005, p. 362.
  31. Guralnick 2005, pp. 404–407.
  32. Guralnick 2005, p. 460.
  33. Guralnick 2005, pp. 390, 396.
  34. a b Warner, Jay; Jones, Quincy (2006). On This Day in Black Music History. [S.l.]: Hal Leonard Corporation. p. 10. ISBN 0-634-09926-4 
  35. Goodman, Fred (2015). Allen Klein: The Man Who Bailed Out the Beatles, Made the Stones, and Transformed Rock & Roll. [S.l.]: Houghton Mifflin Harcourt. p. 40. ISBN 978-0-547-89686-1 
  36. «Sam Cooke – Billboard Charts». 2019 Billboard. Consultado em January 3, 2019  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  37. Goodman 2015, pp. 44–46.
  38. a b c d e Robinson, Louie (February 1965). The Tragic Death of Sam Cooke. [S.l.]: Ebony. pp. 92–96. Consultado em December 21, 2013  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  39. a b c d e f g Robinson, Louie (December 31, 1964). «Tragedy-Filled Love of Singer Sam Cooke: Death Shocks Singer's Fans». Jet. 27 (13). pp. 56–65  Verifique data em: |data= (ajuda)
  40. Guralnick 2005, pp. 101,105.
  41. Guralnick 2005, p. 282.
  42. a b Guralnick 2005, p. 243.
  43. Guralnick 2005, p. 303.
  44. Guralnick 2005, p. 102.
  45. Guralnick 2005, pp. 412, 499–500.
  46. Guralnick 2005, pp. 647-648.
  47. «Sam Cooke's Widow To Wed Hubby's Guitarist-Pal This Month». Jet: 54–59. February 18, 1965  Verifique data em: |data= (ajuda)
  48. «Sam Would Want It This Way⁠—Barbara Cooke: Widow of Slain Singer Marries Friend 77 Days After His Death». Jet. 27 (23): 46–49. March 18, 1965  Verifique data em: |data= (ajuda)
  49. Hyman, Dan (June 29, 2014). «Remembering Bobby Womack: A Passionate, Reckless Soul Man to the End». Time (em inglês)  Verifique data em: |data= (ajuda)
  50. Guralnick 2005, pp. 217, 229, 381, 389.
  51. Krajicek, David. «The Death of Sam Cooke». Crime Library. Consultado em September 9, 2016. Cópia arquivada em February 10, 2015  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda)
  52. «Singer Sam Cooke Shot To Death». Jet. Johnson Publishing Company. December 24, 1964. pp. 62–63  Verifique data em: |data= (ajuda)
  53. Goodman 2015, p. 57.
  54. a b Wolff, Daniel (1995). You Send Me: The Life and Times of Sam Cooke. New York City: William Morrow. ISBN 0-688-12403-8 
  55. Guralnick 2005, pp. 619, 628.
  56. Guralnick 2005, p. 619.
  57. Guralnick 2005, pp. 619, 627.
  58. Guralnick 2005, pp. 616–619.
  59. Guralnick 2005, p. 643.
  60. Krajicek, David. «The Death of Sam Cooke». CrimeLibrary.com. Consultado em September 9, 2016. Cópia arquivada em February 10, 2015  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda)
  61. «Shooting of Sam Cooke Held 'Justifiable Homicide'». The New York Times. United Press International. December 16, 1964  Verifique data em: |data= (ajuda)
  62. Guralnick 2005, pp. 626–629.
  63. Milicia, Joe (December 6, 2005). «Sam Cooke's story told from 'the inside out'—A thorough effort to give him his due». Associated Press. Cópia arquivada em November 5, 2012 – via Highbeam Research. That he was killed after being scammed by a prostitute just didn't make sense to many people. It's an end that his sister, Agnes Cooke-Hoskins, still discounts. 'My brother was first class all the way. He would not check into a $3-a-night motel; that wasn't his style,' she said while attending a recent tribute to Cooke at the Rock and Roll Hall of Fame and Museum  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |arquivodata=, |data= (ajuda)
  64. Greene, Erik (2006). Our Uncle Sam: The Sam Cooke Story from His Family's Perspective. Victoria, Canada: Trafford Publishing. ISBN 1-4122-0987-0 
  65. James, Gary (January 27, 1992). «Interview with Solomon Burke». Classic Bands. I've always felt there was some sort of conspiracy there. ... I listened to the reports and I listened to the story of what happened and I can imagine Sam going after his pants. I can imagine Sam going up to the counter and saying 'Hey, somebody just took my pants.' And he's standing there, seeing the woman with his pants. I can imagine him saying 'Give me my pants.' But I can't imagine him attacking her. He wasn't that type of person to attack somebody. That wasn't his bag. He was a lover, OK. He wasn't a fighter. He wasn't a boxer. You never heard of Sam Cooke beating up his women.  Verifique data em: |data= (ajuda)
  66. Guralnick 2005, pp. 642–643.
  67. a b Gordon, Ed (November 16, 2005). «'Dream Boogie': The Life and Death of Sam Cooke». NPR. ...I would say within the community there is not a single person that believes that Sam Cooke died as he is said to have died: killed by a motel owner at a cheap motel in Los Angeles called the Hacienda which he had gone to with a prostitute named Elisa Boyer. I could have filled a hundred pages of the book with an appendix on all the theories about his death. Central tenet of every one of those theories is that this was a case of another proud black man brought down by the white establishment who simply didn't want to see him grow any bigger. I looked into this very carefully. I had access to the private investigators' report, which nobody had seen and which filled in a good many more details. And no evidence has ever been adduced to prove any of these theories.  Verifique data em: |data= (ajuda)
  68. a b Hildebrand, Lee (April 10, 2007). «Elvis biographer Peter Guralnick tackles another music legend: Sam Cooke». San Francisco Bay Guardian. 'In the course of the two or three hundred different interviews with different people that I did for the book, there are two or three hundred different conspiracy theories,' he said. 'While they were all extremely interesting, and while every one of them reflected a basic truth about prejudice in America in 1964 and the truth of the prejudice that has continued into the present day, none of them came accompanied by any evidence beyond that metaphorical truth.'  Verifique data em: |data= (ajuda)
  69. Drozdowski, Ted (March 14–21, 2002). «Soul man, Sam Cooke's fulfilling late period». The Boston Phoenix. Consultado em May 19, 2006. Cópia arquivada em May 28, 2006. It's hard to buy into conspiracy theories, though several swirl around this incident that paint Cooke as the victim of a plot by white supremacists to silence the country's most popular self-empowered black man.  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata=, |data= (ajuda)
  70. James, Etta; Ritz, David (2003). Rage To Survive: The Etta James Story. New York City: Da Capo Press. p. 151. ISBN 0-306-81262-2 
  71. Goodman 2015, pp. 57–58.
  72. Fontenot, Robert. «Today in Oldies Music History: December 18». about.com. Consultado em August 31, 2015. Cópia arquivada em September 6, 2015  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda)
  73. O'Connell, Sean J. (March 13, 2014). «Here's Where Five Soul Legends Are Buried in L.A.». LA Weekly  Verifique data em: |data= (ajuda)
  74. «Sam Cooke's Swan Song of Protest». NPR. December 16, 2007. Consultado em August 8, 2008  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  75. a b «Cooke's killer sues his estate». Washington Afro-American. April 6, 1965. p. 1  Verifique data em: |data= (ajuda)
  76. «Will Sam Cooke's widow appeal?». The Afro-American. June 10, 1967. p. 10  Verifique data em: |data= (ajuda)
  77. http://weeklyview.net/2014/12/18/the-death-of-sam-cooke-part-2/
  78. Hunter, Al (December 18, 2014). «The Death of Sam Cooke, Part 2». Weekly View  Verifique data em: |data= (ajuda)
  79. «Sam Cooke». rockhall.com. Consultado em August 8, 2008  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  80. «Sam Cooke Biography». Songwriters Hall of Fame. 2015. Consultado em February 21, 2015. Cópia arquivada em February 20, 2012  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda)
  81. «The Death of Sam Cooke - Crime Library on truTV.com». Consultado em April 25, 2020. Cópia arquivada em February 7, 2009  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda)
  82. «Sam Cooke | Hollywood Walk of Fame». www.walkoffame.com. Consultado em June 12, 2016  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  83. «Walk of Fame (1994)». IMDb.com. Consultado em June 12, 2016  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  84. «Sam Cooke». Los Angeles Times. Consultado em June 12, 2016  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  85. «The Immortals: The First Fifty». Rolling Stone (Issue 946). April 15, 2004  Verifique data em: |data= (ajuda)
  86. Art Garfunkel (December 2, 2010). «100 Greatest Artists: 16. Sam Cooke». Rolling Stone  Verifique data em: |data= (ajuda)
  87. «100 Greatest Singers of All Time». Rolling Stone (Issue 1066). November 27, 2008  Verifique data em: |data= (ajuda)
  88. Gage, Justin; Gage, Melissa (2009). Explorer's Guide Memphis & the Delta Blues Trail: A Great Destination (Explorer's Great Destinations) (em inglês). [S.l.]: The Countryman Press. p. 143. ISBN 978-1-58157-923-9 
  89. «Sam Cooke». Mississippi Blues Trail 
  90. «Chicago Honors Sam Cooke With His Own Street». News One. June 20, 2011. Consultado em February 10, 2012  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  91. «Clarksdale beats Memphis and Detroit for R&B Music Hall of Fame Museum». WREG.com. November 5, 2014. Consultado em October 10, 2017  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  92. Keyes, Allison (2017). «In This Quiet Space for Contemplation, a Fountain Rains Down Calming Waters». Smithsonian Magazine. Consultado em March 10, 2018  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  93. «Inductees: Rhythm and Blues (R & B)». Mississippi Musicians Music Hall of Fame 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Dream Boogie: The Triumph of Sam Cooke by Peter Guralnick (2005) ISBN 0-316-37794-5
  • Our Uncle Sam: The Sam Cooke Story from His Family's Perspective by Erik Greene (2005) ISBN 1-4120-6498-8
  • You Send Me: The Life and Times of Sam Cooke by Daniel Wolff, S. R. Crain, Clifton White, and G. David Tenenbaum (1995) ISBN 0-688-12403-8
  • One More River to Cross: The Redemption of Sam Cooke by B. G. Rhule (2012) ISBN 978-1-4675-2856-6

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Sam Cooke
Ícone de esboço Este artigo sobre um cantor é um esboço relacionado ao Projeto Música. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


Erro de citação: Existem etiquetas <ref> para um grupo chamado "note", mas não foi encontrada nenhuma etiqueta <references group="note"/> correspondente