Selena

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre uma cantora. Para filme biográfico de mesmo nome, veja Selena (filme). Para álbum de mesmo nome, veja Selena (álbum). Para outros significados, veja Selena (desambiguação).
Selena
Selena, em 1994.
Informação geral
Nome completo Selena Quintanilla-Pérez
Também conhecido(a) como Sel
Princesa Americana
Rainha do Tex Mex
Rainha da música Latino-Americana
Rainha da Cúmbia
Diva da Música Pop
Nascimento 16 de abril de 1971
Local de nascimento Lake Jackson, Texas,
 Estados Unidos
Morte 31 de março de 1995 (23 anos).
Local de morte Corpus Christi, Texas,  Estados Unidos
Gênero(s) Pop latino
Ranchera
Cúmbia
R&B
Pop
Ocupação(ões) cantora
compositora
produtora musical
atriz
dançarina
modelo
multi-instrumentista

designer
estilista
empresária

Cônjuge Christopher-Pérez (1992-1995)
Instrumento(s) Vocal
Violão
Piano
Extensão vocal Soprano Lírico Completo [1]
Período em atividade 19811995
Gravadora(s) Freddie Records, Cara Records, GP Productions, EMI Latin, Q-Productions, SBK Records
Afiliação(ões) Selena y Los Dinos, Abraham Quintanilla II, Suzette Quintanilla, Chris Pérez
Página oficial www.q-productions.com
Selena Signature.png

Selena Quintanilla-Pérez (Lake Jackson, 16 de abril de 1971Corpus Christi, 31 de março de 1995)[2] foi uma cantora, compositora, produtora musical, atriz, dançarina, modelo, multi-instrumentista, designer, estilista e empresária norte-americana de ascendência mexicana, espanhola e indígena cherokee.[3][4][5]

Filha mais nova de um casal mexicano, Selena, que era bilíngue em inglês e espanhol, estreou no cenário musical em 1981 como vocalista da banda Selena y Los Dinos, que também incluía seus irmãos mais velhos, AB Quintanilla e Suzette Quintanilla, que tocavam na bateria. Lançou seu primeiro álbum aos treze anos de idade, Selena Y Los Dinos, em 1984. Sua fama cresceu ao longo da década de 1990, especialmente nos países latino-americanos. Foi nomeada pela Billboard a "Melhor cantora dos anos 90" e a "melhor artista da música latina da década".[6][7][8]

Selena é considerada a rainha da música texana, conhecida popularmente como tex mex, e vista como uma das melhores e mais importantes cantoras da música latina, com vendas de mais de 80 milhões de discos em todo o mundo, tornando-se uma das artistas femininas mais vendidas na história.[9][10][11]

Foi muitas vezes criticada no início da carreira, e os empresários recusavam agendar seus shows em todo o Texas por preconceito, originário pelo fato dela tocar música Tejano - um gênero musical dominado por homens, preconceito que a cantora quebrou ao ultrapassar a vendagem de discos até então feito por homens. Sua popularidade cresceu depois que ela ganhou o prêmio Vocalista Feminina do Ano em 1987, no Tejano Music Awards, assinando um contrato com a gravadora EMI, dois anos depois. Selena, então, assinou com a EMI Latin em 1989 e lançou seu álbum de estréia, como cantora solo, enquanto seu irmão se tornou, junto de seu pai, seu empresário e produtor musical. A artista, ao longo da carreira, ganhou nove vezes consecutivas o prêmio de melhor cantora, sendo muito elogiada pela crítica mundial, tanto por por sua beleza quanto por sua excelente voz, ao mesmo tempo delicada, mas potente, alcançando grandes extensões.[12][13][14]

Selena lançou Entre a Mi Mundo em 1992, que alcançou o número um na parada de álbuns mexicanos da Billboard por oito meses consecutivos. O sucesso comercial do álbum levou os críticos de música a chamá-lo de um grande avanço em sua carreira musical. Um de seus singles, Como La Flor, se tornou uma de suas canções mais populares. Selena Live!, em 1993, ganhou o Grammy de Melhor Álbum de Música Latina de 1994. No mesmo ano, ela lançou Amor Prohibido, que se tornou um dos álbuns latinos mais vendidos nos Estados Unidos. Foi aclamado pela crítica musical como responsável pela primeira era comercializável da música Tejano, pois se tornou um dos subgêneros de música latina mais populares da época.[15][16][17]

Era oficialmente casada com o guitarrista Chris Pérez desde 1992, de quem era namorada desde 1989. Eles se conheceram quando trabalharam juntos na banda musical da família Quintanilla, e com o tempo de amizade iniciaram um romance.[18]

Em 1995, foi assassinada por Yolanda Saldívar, sua sócia e presidente de seu fã-clube, que estava também roubando suas lojas. A brutalidade desse crime gerou revolta da imprensa e comoção mundial, Saldívar foi julgada e condenada a pena de prisão perpétua.[19][20][21]

Seu álbum póstumo, Dreaming of You, em 1995, que continha algumas músicas em inglês, estreou no topo da Billboard 200, fazendo de Selena a primeiro artista latina a alcançar esse feito. Em 1997, a Warner Bros. lançou um filme sobre sua vida e carreira, estrelado por Jennifer Lopez, o que foi um sucesso de bilheteria.[22][23][24]

Em 1998, foi inaugurado em Corpus Christi, cidade em que viveu dos oito anos de idade até seu falecimento, um museu em homenagem a cantora, onde é visitado por milhares de fãs do mundo inteiro, toda semana. Sendo até hoje muito amada e admirada profissionalmente e pessoalmente por uma legião de pessoas. Seu túmulo é alvo de peregrinações, onde o mesmo e seu entorno é constantemente limpo, e ali acende-se velas, é enfeitado com flores e faz-se pedidos e agradecimentos ao seu espírito.[25][26][27]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascida em Lake Jackson, EUA, onde foi criada até os oito anos, a artista é oriunda de uma família humilde de imigrantes mexicanos, que são descendentes de espanhóis e índios cherokees. Selena era a filha caçula de um casal mexicano: Abraham Quintanilla Júnior e Marcella Samora Quintanilla. A artista sempre teve o sonho de cantar, sendo influenciada diretamente por seu pai, que, na juventude, antes de conhecer sua mãe, tinha uma banda de diversos gêneros musicais, chamada 'Los Dinos. Quando tinha 8 anos, o pai de Selena observou o talento musical da filha, e decidiu reviver seu sonho de trabalhar com música. Ele, então, comprou uma bateria, um microfone e uma guitarra, e formou a banda Selena y Los Dinos, juntamente com Abraham Quintanilla II, irmão mais velho de Selena, que tocava guitarra, e Suzette, sua irmã do meio, que atuava na bateria. Eles começaram a tocar no recém inaugurado restaurante da família, chamado Papagayo´s, especializado em comida mexicana. Era um investimento muito importante para a família, visto que era a única fonte de renda que possuíam, onde seus pais juntaram dinheiro por muitos anos para conseguir construi-lo.

No governo de Ronald Reagan, os altos impostos e política anti-imigração fizeram com que o restaurante da família fosse fechado. Sem emprego e passando necessidades, a família Quintanilla saiu da cidade de Lake Jackson, e mudaram-se por um tempo para a casa do tio de Selena, irmão de Abraham, na cidade de Corpus Christi. A família passou a tirar seu sustento de pequenos shows que Selena y Los Dinos faziam em parques de diversões e bares da cidade. Após alguns meses, alugaram uma casa. Os pais da artista passaram a viver da renda de pequenos trabalhos informais, como costura e conserto de sapatos, juntamente com os pequenos shows da banda musical.

Alguns anos depois, Selena começou a cantar profissionalmente, quando começou a se inscrever em concursos musicais, em eventos que havia na cidade. Acabou vencendo todos eles, e atraindo muito a atenção da indústria fonográfica. Ela lançou seu primeiro CD em 1984 intitulado "Mis Primeras Grabaciones" (lançado posteriormente sob o selo da EMI).

Casamento e decolagem na carreira[editar | editar código-fonte]

Quando começou a fazer turnê pelo Texas, Selena decidiu sair da escola, devido a agenda profissional muito cheia, e terminou o colegial, atual ensino médio, a distância, pela American School of Correspondence, de Chicago, e depois foi aprovada no vestibular da Universidade de Louisiana, mas não foi fazer sua inscrição: Optou por dedicar-se exclusivamente a música, sua maior paixão.

Em 1986, lançou seu segundo álbum, "Alpha", e conheceu Rick Trevi, o fundador do prêmio Tejano Music Award, o Grammy da música Tejana e Johnny Canales, um apresentador muito famoso do Texas.

No Tejano Music Awards de 1987, ganhou como Vocalista Feminina do Ano (premiação que ganhou durante os próximos 10 anos do festival). Em 1988, lançou mais dois álbuns: "Preciosa" e "Dulce Amor". Em 1989, conheceu José Behar, um executivo da SBK CAPITOL/EMI,que viu nela a próxima Gloria Estefan. José sempre viu em Selena uma mescla de Gloria, Whitney Houston e Mariah Carey. Sua voz, potencialmente forte, mas também suave, encantava a todos.

Em 1989, Selena começou a fazer muitos concertos pelo país e assinou o contrato com uma gravadora local, e lançou o compacto "Selena". Nesse mesmo ano, assinou um contrato milionário com a Coca-Cola e virou garota propaganda da marca, gravando comerciais e lançando pôsteres, fazendo muito sucesso até o fim de sua trajetória. A partir daí, Selena tornou-se uma artista completa e amada pelo público.

Na mesma época, o guitarrista Chistopher-Pérez, apelidado de Chris-Pérez, entrou para o grupo, e posteriormente começou uma relação amorosa com Selena, onde ele foi seu primeiro namorado. O relacionamento, inicialmente, não era bem aceito por Abraham Quintanilla, o pai da cantora, acreditando que Chris só estava interessado no dinheiro de Selena, e que ela era muito jovem para ter um namorado. Ele proibiu que a filha continuasse vendo ele. Selena, então, fingiu concordar, e continuou escondida o namoro, onde só a mãe e os irmãos sabiam. Após três anos juntos, Selena e Chris casaram-se, em uma pequena cerimônia no cartório, no dia 2 de abril de 1992, onde Selena Quintanilla passou a assinar Selena Quintanilla-Pérez. Ela oficializou a união sem que o pai dela soubesse. Ao chegar em casa, ela revelou ao pai estar casada. Depois de saber da notícia, Abraham ficou muito revoltado pela filha ter mentido, e escondido dele o namoro e o casamento. Eles ficaram três meses sem se falar, até que ele aceitou a união da filha com Chris Perez, que provou ser honesto e ter seu próprio dinheiro. Mesmo após o falecimento de Selena, Chris e Abraham permanecem grandes amigos.

Aos poucos, Selena começou a ser reconhecida pela mídia americo-mexicana, tendo seu estrelato consolidado em 1990. A partir daí, uma série de shows lotaria a agenda da cantora. Até que entrou em sua vida a perigosa Yolanda Saldívar, uma enfermeira mexicana, de 34 anos, solteira e sem filhos, que vivia sozinha, e era fã absoluta de Selena, e a conhecia de perto, visto que participava dos pequenos shows que a cantora fazia desde o início de sua carreira, no final da década de 80. Desde essa época, ela visitava o camarim de Selena após os shows para tirar fotos e pegar autógrafos, e insistia para que a equipe dela a deixasse trabalhar para Selena, informando que antes de trabalhar com enfermagem, possuía experiência com administração de empresas - uma mentira, para manter-se perto de Selena, por quem tinha verdadeira obsessão e fascínio, desde que a viu pela primeira vez na televisão, passando a ir em todos os seus shows. Apesar da insistência em trabalhar na equipe da cantora desde 1987, Yolanda só conseguiu adentrar em sociedade com Selena em 1990.

Como a cantora possuía uma agenda cheia, tendo que cuidar de toda equipe musical sozinha, só contando com ajuda de seu pai nesta parte administrativa, uma ajuda a mais não seria problema. Ao conversar com seu pai, Abraham Quintanilla não gostou da ideia, e apesar de Selena cuidar da equipe musical, precisava dar mais atenção as gravações e ensaios, deixando, então, o pai decidir pela contratação de mais um funcionário. Abraham ficou desconfiado de Yolanda, mas após a mesma insistir durante três anos, demonstrando ser uma fã incondicional, e ele vendo seu trabalho administrativo acumular muito, decidiu aceitar que Yolanda fizesse parte da equipe, mas que ainda não poderia pagar um salário a ela, que mesmo assim não se importou e queria muito ficar perto de Selena. Então, a ex-enfermeira e atual sócia, fundou o "Selena's Fan Clube", que contava com mais de cinco mil membros.

Com o tempo, Yolanda e Selena tornaram-se grandes amigas, pois Yolanda estava com ela a todo momento, acompanhando Selena em shows, viagens e festas com celebridades, cuidando sem pausas de sua agenda profissional e pessoal, tornando-se mais que uma sócia, e sim uma consultora particular. Selena, então, ofereceu um trabalho renumerado à Yolanda, por não achar justo tanto trabalho sem remuneração. Pouco tempo depois, Selena, como desenhava muito bem, abriu sua própria boutique de roupas, que ela própria confeccionava, a chamada "Selena Etc", a quem confiou inteiramente à Yolanda, que tornou-se seu braço direito, passando a administrar suas lojas, incluindo idéias no negócio, para que Selena vendesse além de roupas, o que foi aceito por ela. Yolanda ganhava cada vez mais espaço na vida de Selena, de forma que para tudo o que fizesse, Selena pedia a opinião dela.

1994 foi um grande ano para Selena, pois havia lançado seu quinto álbum de estúdio, o exitoso "Amor Prohibido", que a colocou no topo das paradas latinas, e preparava uma turnê para a divulgação do mesmo. Além disso, Selena foi indicada ao Grammy daquele ano por "Selena Live!" um álbum ao vivo lançado um ano antes, na categoria "Melhor álbum Mexicano-Americano", na qual venceu. Selena estava no auge de sua carreira, feliz, casada e realizada como profissional. Tudo não podia estar indo melhor. No restante do ano de 1994, Selena se dividia entre as gravações de seu primeiro álbum em inglês e seu sexto álbum de estúdio, "Dreaming Of You" com lançamento previsto para dali alguns meses, e a série de shows pelo país que só aumentavam.

Dreaming Of You seria seu álbum de estréia no mercado norte-americano. No final do ano de 1994, Selena ensaiava passos de dança para seu show televisionado, que divulgaria o disco "Amor Prohibido". O show aconteceu em 26 de Fevereiro de 1995 e levou 60.000 pessoas ao estádio Astrodome, em Houston, Texas.

Em 1º de março de 1995, Selena compareceu à 37ª edição do Grammy, seu álbum "Amor Prohibido", havia sido indicado ao Grammy, mas não venceu na categoria indicada.

Selena tinha começado a escrever algumas canções e gravar alguns temas musicais para sua produção em inglês, programado para ser lançado no verão de 1995, mas este projeto não foi concretizado, pois cruzou-se na mesma época da morte da artista, que só tinha chegado a gravar quatro canções em inglês.

Morte[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Assassinato de Selena

Em 1995, o pai de Selena, Abraham Quintanilla, descobriu que Yolanda Saldívar, na época administradora do fã clube e das lojas da cantora, estava desviando dinheiro da família, descobrindo isto após receber diversas cartas e telefonemas de fãs enfurecidos reclamando de que não receberam o que haviam comprado, entre roupas, perfumes e joias. No dia 9 de março de 1995, Selena, junto com seu pai e sua irmã Suzette, decidiram confrontar Yolanda, mostrando todas as provas que tinham de que ela os estava roubando. Yolanda negava os fatos, mas para a família de Selena, ela era a culpada, pois eles tinham provas suficientes que comprovavam isso. Assim, a presidente do "Selena's Fan Clube" foi demitida. Dias depois, ela e Selena tiveram uma grande discussão por telefone, ao desligar, Selena disse ao marido que não podia mais confiar em Yolanda, mas não queria acabar com a amizade, devido a importância dela em sua vida, já que a considerava uma irmã mais velha, pois ela a ajudava desde questões pessoais e principalmente nas profissionais, e precisava dela para ter certeza que sua linha de roupas iria decolar no México, pois ela quem cuidava da parte financeira.

Selena aceitou encontrar-se com Yolanda no hotel Days Inn, onde ela estava hospedada, em Corpus Christi, Texas, no dia 30 de março de 1995, acompanhada de Chris, já que seu marido temia pela sua segurança. Não querendo abrir mão dos privilégios que tinha como sócia, e inconformada com a demissão, Yolanda disse a Selena que nada daquilo era verdade, e entregou a ela somente uma parte das notas fiscais da boutique, tentando provar a Selena que ela ainda era uma amiga fiel e justa e uma profissional honesta. A princípio, a jovem acreditou, e foi embora com o marido, mas Yolanda, sempre manipuladora e maquiavélica, queria ganhar tempo para planejar algo muito maior, em seguida, e por isso, não entregou todos os registros financeiros das boutiques e do fã clube para Selena. Ao perceber que as contas não batiam, Selena telefonou para Yolanda para marcar um novo encontro, que aconteceria no dia seguinte, 31 de Março, no mesmo local. Na manhã do dia 31, Selena deixou Chris dormindo, e foi ao hotel se encontrar com Yolanda, que armou uma cena, fingindo desespero, se negando à entregar os documentos, e tentando ganhar tempo, dizendo que tinha sido estuprada em uma viagem ao México. Selena, muito preocupada, levou Yolanda Saldívar até um hospital local, onde médicos não encontraram evidências de estupro, o que deixou Selena desconfiada. As duas retornaram ao hotel, e Selena exigiu explicações sobre esta mentira, e que Yolanda entregasse os documentos de sua empresa imediatamente. Uma grande discussão se iniciou, e Yolanda confessou toda inveja e raiva que sentia da beleza e do sucesso de Selena. Rapidamente, Yolanda, chorando e descontrolada, tirou uma arma da bolsa. A princípio, ela apontou a arma para sua própria cabeça alegando que iria se suicidar se Selena a demitisse, e, principalmente, a abandonasse, revelando que não suportaria perder a amizade dela. Logo depois, mirou a arma para Selena, que, muito assustada, virou-se para correr e fugir, mas foi atingida violentamente nas costas por um único tiro. A bala perfurou o ombro esquerdo inferior, e cortou uma artéria ligada ao coração, o que levou a uma perda maciça e instantânea de sangue. Ferida, a cantora ainda conseguiu correr por 100 metros até à recepção do hotel, enquanto Yolanda corria atrás dela com arma em punho.

No entanto, antes de cair no chão, devido ao ferimento do tiro, Selena disse à recepcionista que Yolanda tinha atirado nela e disse também em qual quarto a discussão havia ocorrido. Selena, com uma grave hemorragia torácica, foi imediatamente levada a um hospital, onde faleceu às 13h05min de um choque hipovolêmico, o que gerou uma parada cardíaca, seguida por uma parada respiratória, com apenas 23 anos de idade. Enquanto isso, Yolanda tentou fugir do hotel, mas foi cercada por policiais. Totalmente transtornada, se trancou em sua caminhonete, colocou a arma apontadas para a cabeça e ameaçou se matar. Após quase 10 horas de negociação, Yolanda se entregou, sendo considerada a partir daquele momento a principal suspeita do crime.

Tumúlo de Selena Quintanilla, em Corpos Christi, Texas

Em outubro de 1995, um júri em Houston, Texas condenou Yolanda à prisão perpétua por assassinato em primeiro grau, com a possibilidade de cumprir o restante da pena em regime aberto após 30 anos.

Mais de vinte anos após sua morte, Selena ainda permanece sendo a Rainha do Tex Mex, por seu talento musical e legado artístico para as gerações futuras. Em 2010, ela foi homenageada com o lançamento de um box com suas grandes canções, assim como em 2012 com o lançamento do álbum "Enamorada de Ti", um álbum de remixes de suas melhores canções.[28]

Impacto[editar | editar código-fonte]

A morte de Selena causou um grande impacto nos Estados Unidos. Redes de televisão pararam completamente suas programações para noticiarem sobre a morte da cantora. Rádios tocavam suas músicas sem parar. O crime foi capa do The New York Times por dois dias seguidos. Artistas como Madonna, Julio Iglesias, Thalía e Gloria Estefan manifestaram na imprensa suas condolências à família de Selena. Numerosos memoriais e vigílias foram realizadas em memória da cantora. Cerca de 300.000 fãs compareceram ao funeral e enterro de Selena, que está sepultada no Seaside Memorial Park, em Corpus Christi.

14 dias após a morte de Selena, George W. Bush, governador do Texas na época do assassinato, instituiu o dia 16 de abril (dia do nascimento de Selena) como o “Dia da Selena“ no Texas, sendo que este dia permanece até hoje como sendo o "Dia da Selena".

A cantora foi homenageada em 2000, cinco anos após sua morte, com um musical, intitulado "Selena Forever - A Musical Celebration Life", estrelado por Veronica Vazquez, e em 2005, 10 anos após sua morte, com o concerto "Selena Vive", um show em celebração à vida da cantora, que contou com a participação de diversos cantores latinos interpretando suas canções, como: Thalia (Amor Prohibido), Gloria Estefan (I Could Fall In Love), Alicia Villareal (Si Una Vez), Kumbia Kings (Baila Esta Cumbia), Soraya e Barrio Boyzz (Dreaming Of You), e muitos outros.

O Caso Selena atraiu grande atenção da mídia e da opinião pública que clamavam por justiça. A história de seu assassinato foi mostrada no programa "Crimes de Cinema", apresentado por Erin Brokovich.

Em 2015, Jennifer Lopez fez uma homenagem para Selena no Latin Billboard Awards, com a presença dos dois irmãos e dos integrantes da banda da cantora.

Em 2016, Selena foi imortalizada pelo famoso museu de cera Madame Tussauds Hollywood e em 2017 ganhou sua estrela na Calçada da Fama.

Em 2016, a empresa de maquiagem MAC lançou uma coleção em sua homenagem.

Em 2017, Kim Kardashian e Demi Lovato se fantasiaram em homenagem à cantora durante o Halloween.

Imagem pública[editar | editar código-fonte]

O pai de Selena, Abraham Quintanilla Jr., procurou manter a imagem da filha limpa e orientada para a família.[29] Em 1989, foram oferecidas propostas de patrocínio por empresas de cerveja, mas foram recusadas por veto de seu pai.[30] Selena costumava recusar shows nos locais de música Tejano porque ela era uma cantora em um cenário musical dominado por homens.[31] Manuel Peña escreveu que depois de 1989, a popularidade de Selena aumentou e ela se tornou um ícone sexual após o lançamento de seu álbum de estreia.[29] Charles Tatum disse que Selena chamou mais atenção por sua "beleza, sexualidade e impacto juvenil na cena musical da música Tejano".[32] Selena afirmava que nunca quis gravar músicas com letras explícitas por causa de sua educação e porque sua base de fãs consistia em grande parte de crianças pequenas, que a consideravam um modelo.[33] Ela comentou ainda sobre a questão de seu apelo sexual aos homens durante sua tentativa de entrada na música pop, afirmando que ela "permanecerá igual" e que suas gravações em inglês se absteriam de linguagem obscena e temas sexuais.[33] Em 1997, María Celeste Arrarás escreveu em seu livro sobre a morte de Selena que a cantora era uma "menina doce e carismática".[34] Segundo Arrarás, Selena "confiou em todos"; ela costumava fazer compras sozinha, apesar das preocupações do pai sobre sua segurança.[34]

Betty Cortina, da revista People, disse que a escolha provocativa de roupas de Selena era uma imitação aceitável de Janet Jackson e Madonna, e que ela usava "roupas sensuais que [acentuavam] o corpo de uma mulher latina".[35][30] Cortina também afirmou que Selena tinha um "estilo extravagante, um corpo inacreditável, curvas e seios fartos". Arrarás escreveu que Selena "começou a usar roupas desenhadas para enfatizar sua figura curvilínea" e que "nunca parecia barata - simplesmente sexy". Ela também disse que a forma de maquiagem de Selena não era "vulgar".[34] Arrarás também observou a "maneira divertida e divertida de Selena" e disse que ela era "brincalhona dentro e fora do palco".[34] Matt S. Meier escreveu em seu livro The Mexican American Experience: An Encyclopedia (2010) que Selena exibiu "energia contagiosa" durante seus shows e disse que exibia "calor, paixão e sexualidade" ao exalar uma "pessoa realista" da jovem saudável ao lado ".[36] Selena usava roupas que acentuavam seus atributos físicos e não tinha medo de usar roupas de que gostava,[30] apesar das críticas de seu pai, que acreditava que a escolha de roupas de Selena era inapropriada para as meninas, que começaram a imitar o estilo de Selena.[35] Seus pontos de vista sobre a imagem pública na indústria da moda eram incômodos; ela afirmava que se opunha à imagem de que toda mulher deveria ser "magra" e a noção de que elas devem usar certas roupas e ser "super jovens para serem bonitas".[37]

No início da década de 1990, Selena começou a usar bustiers decorativos, elastano, calças justas e jaquetas atraentes e desabotoadas durante seus shows.[35] Ela foi inspirada por artistas como Paula Abdul, Janet Jackson e Madonna.[35] Durante uma entrevista em 1992, Selena disse que sua escolha de roupas não reflete sua personalidade.[30] A NBC News afirmou que as roupas de Selena eram "provocativas".[38] Por causa de suas escolhas de roupas e seus movimentos de dança, ela foi apelidada por seus fãs como a "Madonna Mexicana".[39][40] Segundo sua irmã, Suzette, Selena costumava desenhar e costurar suas roupas nos bastidores com seus designers momentos antes de entrar no palco.[30] O seu pai inicialmente desaprovou as roupas e o estilo escolhido por Selena, mas depois aceitou quando Selena discutiu com ele, alegando ser uma tendência da moda à época.[30] Selena tornou-se membro inativo das Testemunhas de Jeová devido a suas roupas exóticas.[41] Durante a sessão de fotos para o álbum Entre a Mi Mundo (1992), um fotógrafo comentou sobre as maneiras como a escolha de roupas de Selena afetou tremendamente seu pai; ele costumava deixar sessões quando Selena aparecia vestindo roupas muito reveladoras.[41] Selena foi creditada como a primeira mulher a mudar a percepção pública da beleza feminina no mercado da música Tejano; uma feminista, ela abriu caminho para outras mulheres artistas durante sua carreira.[42][30]

Após a morte de Selena, algumas celebridades questionaram seu status como modelo entre as mulheres hispânicas. No documentário Corpus: A Home Movie About Selena, lançado em 1999, a cineasta Lourdes Portillo expressou preocupação se Selena era um ótimo modelo para as jovens.[43] Portillo acreditou que Selena trazia uma mensagem errada para as crianças dançando com roupas que sugeriam uma hipersexualização.[44] A autora estadunidense Sandra Cisneros concordou com a avaliação de Portillo de que Selena "não era um bom modelo para as mulheres latinas".[45] A imprensa também compartilhou as opiniões de Portillo, afirmando que o "conto de fadas" de Selena era algo que sua família gostaria de preservar e criticando o papel de seu pai, Quintanilla Jr., em divulgar uma imagem na mídia de que Selena "nunca cometera erros", chamando de "mentiras" e afirmando não ser a história real.[46][47]

Lista de canções em inglês[editar | editar código-fonte]

  • Dreaming of You
  • I Could Fall in Love
  • I'm Getting Used to you
  • Captive Heart
  • Oh no (I never fall in love again)
  • A Boy Like That
  • Missing My Baby
  • Where's did the feeling go?
  • A Million to One
  • Always Mine
  • Is it the Beat?
  • Give Me One More Chance
  • Call Me
  • Only Love
  • Feellings
  • If I Had One Wish (Bidi Bidi Bom Bom em inglês)
  • My Love
  • Sensitivity (cover de Ralph Tresvant)
  • Billie Jean (cover de Michael Jackson)
  • I will survive / Last Dance / On the Radio (cover de Gloria Gaynor e Donna Summer)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. [[1]]
  2. «Selena biography». Biography. Consultado em 23 de janeiro de 2012 
  3. «Selena Quintanilla's Walk of Fame Star Ceremony Attracts Record Crowd in Hollywood». Billboard.com. Consultado em 10 de janeiro de 2020 
  4. «Selena Quintanilla: The tragic Latin pop icon who still inspires». BBC. 5 de outubro de 2016. Consultado em 29 de setembro de 2019 
  5. «Still missing Selena: Here are 6 reasons why». NBC News. 31 de março de 2014. Consultado em 10 de janeiro de 2020 
  6. «Selena Quintanilla's Walk of Fame Star Ceremony Attracts Record Crowd in Hollywood». Billboard.com. Consultado em 10 de janeiro de 2020 
  7. «Selena Quintanilla: The tragic Latin pop icon who still inspires». BBC. 5 de outubro de 2016. Consultado em 29 de setembro de 2019 
  8. «Still missing Selena: Here are 6 reasons why». NBC News. 31 de março de 2014. Consultado em 10 de janeiro de 2020 
  9. «Selena Quintanilla's Walk of Fame Star Ceremony Attracts Record Crowd in Hollywood». Billboard.com. Consultado em 10 de janeiro de 2020 
  10. «Selena Quintanilla: The tragic Latin pop icon who still inspires». BBC. 5 de outubro de 2016. Consultado em 29 de setembro de 2019 
  11. «Still missing Selena: Here are 6 reasons why». NBC News. 31 de março de 2014. Consultado em 10 de janeiro de 2020 
  12. «Selena Quintanilla's Walk of Fame Star Ceremony Attracts Record Crowd in Hollywood». Billboard.com. Consultado em 10 de janeiro de 2020 
  13. «Selena Quintanilla: The tragic Latin pop icon who still inspires». BBC. 5 de outubro de 2016. Consultado em 29 de setembro de 2019 
  14. «Still missing Selena: Here are 6 reasons why». NBC News. 31 de março de 2014. Consultado em 10 de janeiro de 2020 
  15. «Selena Quintanilla's Walk of Fame Star Ceremony Attracts Record Crowd in Hollywood». Billboard.com. Consultado em 10 de janeiro de 2020 
  16. «Selena Quintanilla: The tragic Latin pop icon who still inspires». BBC. 5 de outubro de 2016. Consultado em 29 de setembro de 2019 
  17. «Still missing Selena: Here are 6 reasons why». NBC News. 31 de março de 2014. Consultado em 10 de janeiro de 2020 
  18. Acciardo, Kelli. «20 Best-selling MAC Celeb Collaborations of All-time». Bustle.com. Consultado em 10 de janeiro de 2020 
  19. «Selena Quintanilla's Walk of Fame Star Ceremony Attracts Record Crowd in Hollywood». Billboard.com. Consultado em 10 de janeiro de 2020 
  20. «Selena Quintanilla: The tragic Latin pop icon who still inspires». BBC. 5 de outubro de 2016. Consultado em 29 de setembro de 2019 
  21. «Still missing Selena: Here are 6 reasons why». NBC News. 31 de março de 2014. Consultado em 10 de janeiro de 2020 
  22. «Selena Quintanilla's Walk of Fame Star Ceremony Attracts Record Crowd in Hollywood». Billboard.com. Consultado em 10 de janeiro de 2020 
  23. «Selena Quintanilla: The tragic Latin pop icon who still inspires». BBC. 5 de outubro de 2016. Consultado em 29 de setembro de 2019 
  24. «Still missing Selena: Here are 6 reasons why». NBC News. 31 de março de 2014. Consultado em 10 de janeiro de 2020 
  25. «Selena Quintanilla's Walk of Fame Star Ceremony Attracts Record Crowd in Hollywood». Billboard.com. Consultado em 10 de janeiro de 2020 
  26. «Selena Quintanilla: The tragic Latin pop icon who still inspires». BBC. 5 de outubro de 2016. Consultado em 29 de setembro de 2019 
  27. «Still missing Selena: Here are 6 reasons why». NBC News. 31 de março de 2014. Consultado em 10 de janeiro de 2020 
  28. «Lanzarán material con éxitos de Selena». El Nuevo Diario. 28 janeiro de 2010 
  29. a b Peña, Manuel H., 1942- (1999). Música tejana : the cultural economy of artistic transformation. College Station: Texas A & M University Press. OCLC 48140052 
  30. a b c d e f g "Biography, Selena". Biography. 60 minutos. The Biography Channel.
  31. Pilchak, Angela M. (2006). Contemporary musicians. Volume 56 : profiles of the people in music. Detroit, Mich.: Thomson Gale. OCLC 733291225 
  32. Tatum, Charles M.,. Encyclopedia of Latino culture : from calaveras to quinceañeras. Santa Barbara, California: [s.n.] OCLC 880564954 
  33. a b Parédez, Deborah, 1970- (2009). Selenidad : Selena, Latinos, and the performance of memory. Durham [NC]: Duke University Press. OCLC 434869146 
  34. a b c d Arrarás, María Celeste. (1997). Selena's secret : the revealing story behind her tragic death. New York, NY: Simon & Schuster. OCLC 36391496 
  35. a b c d Foley, Neil.; University of Texas at Austin. Center for Mexican American Studies. (1998). Reflexiones 1997 : new directions in Mexican American studies. Austin: Center for Mexican American Studies, University of Texas at Austin. OCLC 39398119 
  36. Meier, Matt S.; Greenwood Press. (2003). The Mexican American experience : an encyclopedia. Westport, Conn.: Greenwood Press. OCLC 646586424 
  37. Tiscareño-Sato, Graciela. (2011). Latinnovating : green American jobs and the Latinos creating them. Hayward, Calif.: Gracefully Global Group. OCLC 741407609 
  38. Reyes, Paul (31 de março de 2014). «Still missing Selena: Here are 6 reasons why». NBC News (em inglês). Consultado em 4 de maio de 2020 
  39. Espinosa, Gastón.; García, Mario T. (2008). Mexican American religions : spirituality, activism, and culture. Durham: Duke University Press. OCLC 271244274 
  40. Jones, Veda Boyd,. Selena. New York, NY: [s.n.] OCLC 913784667 
  41. a b Patoski, Joe Nick, 1951- (1996). Selena : como la flor 1st ed ed. Boston: Little, Brown. OCLC 34029654 
  42. Jasinski, Laurie E. (2012). Handbook of Texas Music. Austin: Texas State Historical Assn Press. OCLC 830161804 
  43. «Corpus». PBS (em inglês). 14 de janeiro de 1999. Consultado em 4 de maio de 2020 
  44. Fregoso, Rosa Linda. (2001). Lourdes Portillo : The devil never sleeps and other films. [S.l.]: University of Texas. OCLC 982210368 
  45. Rebolledo, Tey Diana, 1937-. The chronicles of Panchita Villa and other guerrilleras : essays on Chicana/Latina literature and criticism 1st ed ed. Austin: [s.n.] OCLC 58595521 
  46. McLane, Daisann (18 de março de 1997). «Santa Selena Does The Movie's 'Official' Version of The Slain Tejano Singer's Life Show's The True Picture?». Sun Sentinel (em inglês). Consultado em 4 de maio de 2020 
  47. Persall, Steve (21 de março de 1997). «Selena becomes more saint than singer». St. Petersburg Times (em inglês). Consultado em 4 de maio de 2020