Whitney Houston

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Whitney Houston
Houston em 1991
Nome completo Whitney Elizabeth Houston
Conhecido(a) por A Voz
Rainha da Balada
Rainha do Pop [1] [2]
Nascimento 9 de agosto de 1963
Newark, Nova Jérsei
Morte 11 de fevereiro de 2012 (48 anos)[3]
Beverly Hills, Califórnia
Nacionalidade norte-americana
Etnia afro-americana
neerlando-americana
indígena [5]
Progenitores Mãe: Cissy Houston
Pai: John Russell Houston
Parentesco
Cônjuge Bobby Brown (c. 1992; div. 2007) [6]
Filho(s) Bobbi Kristina Houston Brown (1993-2015) [7]
Educação Mount Saint Dominic Academy, Caldwell, Nova Jérsei (1981) [8] [9]
Ocupação
Período de atividade 1977–2012
Carreira musical
Gênero(s)
Extensão vocal meio-soprano dramático [10] [11]
Gravadora(s)
Afiliações
Causa da morte afogamento acidental devido a aterosclerose em conjunto a uma overdose de cocaína [12]
Assinatura
Whitney's Signature.png
Página oficial
whitneyhouston.com

Whitney Elizabeth Houston (Newark, 9 de agosto de 1963Beverly Hills, 11 de fevereiro de 2012)[13][14][15] foi uma premiada cantora, compositora, atriz, produtora, supermodelo e empresária norte-americana. É considerada pela crítica musical como a melhor cantora de todos os tempos. Seus poderosos vocais, que alcançavam extensões muito altas, principalmente nos melismas e vibratos, aliado às tessituras suaves, e seu extremo talento artístico na composição de letras e melodias, a fizeram ser conhecida como A Voz, Rainha da Balada e também como Rainha do Pop. [16] [17] [18] [19]

Houston é a artista mais premiada de todos os tempos, de acordo com o Guinness World Records, em 2009.[20][21] e sua lista de prêmios incluem dois Emmy Awards, sete Grammy Awards, trinta e um Billboard Music Awards, 22 American Music Awards, num total de 415 prêmios conquistados em sua carreira até 2013. Whitney também foi uma das artistas mais bem sucedidas do mundo da música, tendo vendido mais de 210 milhões de discos em todo o mundo.[22][23] Inspirada por vários cantores de soul de destaque em sua família, incluindo a mãe, Cissy Houston, as primas Dionne Warwick e Dee Dee Warwick, Houston começou a cantar com o coral gospel júnior da Igreja de Nova Jersey aos 11 anos de idade.[24] Depois que ela começou a trabalhar como backing vocal nos shows de sua mãe em boates de Nova York, em 1977, ela foi descoberta por Clive Davis em 1983, ano de início de sua carreira profissional. Ele era empresário da Arista Records. Houston lançou seis álbuns de estúdio e três álbuns de trilha sonora, todos eles certificados com diamante, multiplatina, platina e ouro pela Recording Industry Association of America. Seu álbum de estreia autointitulado, lançado em 1985, se tornou o álbum de estreia mais vendido por uma artista feminina, com 25 milhões de cópias vendidas.[25] Seu segundo álbum, Whitney (1987), tornou-se o primeiro álbum de uma artista feminina a estrear em primeiro lugar na Billboard 200.[25] Whitney alcançou grandes sucessos nas paradas de música popular, bem como sua proeminência na MTV, começando com seu vídeo de How Will I Know,[26] permitiu várias artistas femininas afro-americanas seguirem seu sucesso.[27][28] O primeiro papel de Houston no cinema foi no filme O Guarda-Costas (1992), no qual fez um enorme sucesso como protagonista. A trilha sonora original do filme ganhou o Grammy 1994 de Álbum do Ano. Seu primeiro single, I Will Always Love You, se tornou o mais vendido por uma artista feminina na história da música.[25] O álbum é o único de uma artista feminina entre os cinco mais vendidos de todos os tempos, ocupando o quarto lugar. Houston continuou como estrela de filmes e contribuiu com a trilha sonora dos mesmos, inclusive com os filmes Waiting to Exhale (1995) e The Preacher's Wife (1996)[29]. Três anos após o lançamento de seu quarto álbum, My Love Is Your Love (1998), Whitney renovou seu contrato com a gravadora Arista Records.[29] Ela lançou seu quinto álbum de estúdio, Just Whitney, em 2002, e o álbum de Natal com o título One Wish: The Holiday Album em 2003. Em meio à ampla cobertura da mídia de sua turbulência pessoal e profissional, Houston terminou seu conturbado casamento de 14 anos com o cantor Bobby Brown, em 2006. Em 2009, Houston lançou seu sétimo e último álbum de estúdio, I Look to You.

Whitney foi reconhecida internacionalmente como uma das maiores artistas de todos os tempos, devido ao seu talento, legado e, principalmente, à sua voz marcante e lendária. Graças a esse talento vocal marcante, Whitney foi frequentemente chamada de The Voice (A Voz). Whitney é frequentemente comparada a grandes artistas do passado, como Frank Sinatra, Aretha Franklin e Elvis Presley e também está entre os 500 Maiores artistas de todos os tempos da Revista Rolling Stone.

Whitney faleceu em 11 de fevereiro de 2012. O laudo do Instituto de Criminalística de Los Angeles informou, em princípio, que a morte de Whitney Houston foi acidental. A cantora se afogou na banheira de um hotel, mas, segundo os peritos, outros dois fatores contribuíram para a morte dela: Uma aterosclerose, que causou uma iminente falta de oxigenação para o cérebro e resquícios de cocaína em sua corrente sanguínea, que foram encontrados durante a autópsia, o que comprova que o afogamento foi causado por uma overdose.[30]

Biografia[editar | editar código-fonte]

A mãe, Cissy Houston, e duas primas em primeiro grau, Dionne Warwick e Dee Dee Warwick, eram reconhecidas cantoras de gospel, R&B e soul, e sua prima em terceiro grau, Leontyne Price, uma famosa cantora de ópera, o que resultou na constante presença da música na vida da jovem Whitney. Aos 11 anos de idade, Whitney começou a cantar no coral gospel de uma igreja batista em Newark e mais tarde acompanharia sua mãe em alguns concertos. Mesmo sendo evangélica batista, Whitney se formou no colegial em uma escola católica. Iniciou-se em sua carreira artística em 1977, trabalhando como backing vocal em shows de sua mãe, onde nesta época já compunha suas primeiras canções, onde as cantava esporadicamente em bares e boates da região quando não havia agenda marcada para os shows de sua mãe. Depois de fazer uma participação no álbum de sua mãe Think It Over, em 1978, Whitney ficou mais conhecida no meio artístico e começou a atuar como backing vocal para muitos cantores famosos, dentre eles: Chaka Khan e Jermaine Jackson. No mesmo ano, com apenas 15 anos de idade, ela fez um dueto com Michael Zager no single Life's a Party. Em 1980 iniciou sua carreira de modelo. Aprovada em um concurso de beleza em uma conceituada agência, começou desfilando em pequenos eventos representando diversas marcas famosas, além de fazer ensaios fotográficos. Começava aí sua bem sucedida carreira de modelo fotográfica, chegando a ser capa de diversas revistas pelo mundo, dentre elas a Seventeen e a Glamour. Sua experiência no mundo da moda a transformou em uma supermodelo.

1983-1991: O estrelato[editar | editar código-fonte]

Foi oferecido um contrato para Whitney na Arista Records em 1983. Um representante dessa gravadora percebeu o grande potencial artístico de Whitney enquanto ela cantava em uma boate de Nova Iorque. Ele, então, pediu à Clive Davis, um empresário e produtor musical, fundador da gravadora Arista Records, para ver o trabalho de Whitney como backing vocal e suas apresentações fazendo covers e cantando músicas próprias. Quando Davis foi a tal boate e a viu, ele se convenceu que ela tinha um maravilhoso talento, um verdadeiro dom, e imediatamente convidou-a para gravar seu primeiro disco. Demorou aproximadamente dois anos para Whitney terminar seu primeiro álbum, pois Davis estava procurando canções apropriadas à sua poderosa voz e os produtores certos para direcioná-la, os quais resultaram no grande sucesso do álbum. Em 1984, ano em que ficou famosa nos Estados Unidos, Whitney fez um dueto com Teddy Pendergrass (Hold Me). Lançado como single, fez um sucesso moderado nos Estados Unidos entrando no Top 40. Durante essa época, Whitney decidiu fazer participações especiais em Gimme a Break e Silver Spoons. Mas foi quando ela apareceu na telenovela As The World Turns como ela mesma que sua popularidade cresceu bastante.

Em 14 de fevereiro de 1985, seu primeiro álbum foi lançado, chamado Whitney Houston. Demorou a fazer sucesso, mas quando o single You Give Good Love atingiu a terceira posição dentre os mais vendidos da Revista Billboard as vendas dispararam. Os outros singles, Saving All My Love for You, How Will I Know e Greatest Love of All, atingiram a primeira posição dentre a lista dos mais vendidos da mesma publicação permanecendo lá durante 14 semanas. O álbum venderia vinte e cinco milhões de cópias no mundo todo, com treze milhões delas sendo vendidas apenas nos Estados Unidos, foi o álbum mais vendido do ano à frente de True Blue de Madonna e se tornando o álbum de estreia de uma artista que mais vendeu cópias. Outra canção, All at Once, foi tocada significativamente nas rádios, mas a Arista decidiu não lançá-la como single para não expor Whitney demais à mídia, porque a cantora ficou mundialmente famosa em poucos meses. Com o sucesso vieram os diversos prêmios, e em 1986, Whitney ganhou seu primeiro Grammy: Melhor Performance de Vocal Pop Feminina, com Saving All My Love For You e fez sua primeira turnê mundial de shows, a The Greatest Love Tour. Neste mesmo ano Whitney foi eleita A Artista do Ano, pela revista Billboard.

Lançado em junho de 1987 Whitney, o segundo álbum da cantora, tornou-se o primeiro álbum de uma artista a estrear no topo dos mais vendidos dos EUA e Reino Unido simultaneamente, o que a fez a primeira artista feminina a conseguir tal feito. O primeiro single, I Wanna Dance with Somebody (Who Loves Me) (originalmente I'm Gonna Dance with Somebody) quando foi interpretado na turnê mundial de 1987 não demorou a se tornar um estrondoso hit para a cantora e em 1988 a fez ganhar seu segundo Grammy. Outros singles do mesmo álbum que se tornaram hits: Didn't We Almost Have It All, So Emotional e Where Do Broken Hearts Go. Todas essas canções deram à Whitney um número de sete singles consecutivos a atingirem a primeira posição dos mais vendidos nos EUA, quebrando o recorde dos Beatles e dos Bee Gees (que estavam empatados com seis cada). Até hoje, nenhum artista conseguiu ter sete números #1 consecutivos na lista dos singles mais vendidos da Revista Billboard. Um quinto single, Love Will Save The Day, se tornou um hit moderado ao entrar no número nove na lista de tal publicação. O álbum venderia vinte milhões de cópias no mundo inteiro, com nove milhões delas só nos EUA. Ela fez outra turnê mundial, a The Moment of Truth Tour e mais uma série de prêmios seria entregues a ela e inclusive o prêmio de Álbum do Ano em 1988. Durante a cerimônia de abertura das Olimpíadas de 1988 Whitney cantaria One Moment in Time. Lançado como um single, a canção dos Jogos Olímpicos daquele ano, entraria no primeiro lugar na lista dos singles mais vendidos do Reino Unido (o UK Top 40) e no quinto lugar dos mais vendidos nos EUA. Em 1989 Whitney embarcou numa turnê com BeBe & CeCe Winans fazendo backing vocal, mostrando que o sucesso não subiu à sua cabeça.

Whitney apresenta Saving All My Love for You no show Welcome Home Heroes em 1991

I'm Your Baby Tonight foi lançado em novembro de 1990. Os primeiros singles daquele álbum, I'm Your Baby Tonight e All The Man That I Need foram ao primeiro lugar da lista dos mais vendidos nos EUA, dando a ela um total de nove números #1 naquele país até então. Outros hits moderados viriam com Miracle e My Name is Not Susan. Outra canção do álbum, I Belong to You, foi tocada em algumas rádios norte-americanas se tornando um pequeno hit. O álbum vendeu doze milhões de cópias no mundo todo, quatro milhões delas só nos EUA. Logo Whitney faria outra turnê mundial, a I'm Your Baby Tour, que quebrou recordes de público por todo o mundo e veio a confirmar o que todos já sabiam: Whitney veio para ficar. Em janeiro de 1991, ela cantou The Star-Spangled Banner, o hino nacional dos Estados Unidos, no XXV Super Bowl em Tampa na Flórida. Depois lançado como single e vídeo, se tornaria a única versão do hino nacional norte-americano a virar um hit, vendendo um milhão de cópias. O dinheiro arrecadado com as vendas do single foi revertido à Cruz Vermelha Norte-Americana. Esse momento ficou marcado para sempre na história da música e mais de uma década depois as pessoas relembram aquele maravilhoso desempenho de Whitney, que abalou as estruturas do Super Bowl. Em 2005, Beyoncé Knowles falou em seu DVD sobre esse momento histórico e a emoção de cantar The Star Spangled Banner, ela disse: "Whitney Houston foi fantástica e eu só queria ter a oportunidade de pelo menos fazer alguma coisa parecida com o que ela fez, porque foi incrível". Ainda em 1991, Whitney usou sua identificação com o público em prol das vítimas da Guerra do Golfo, quando fez um show beneficente exibido pela HBO sob o título Welcome Home Heroes with Whitney Housn.

1992-1997: Afirmação profissional, casamento e maternidade[editar | editar código-fonte]

Em 1992, Whitney fez seu primeiro filme, O Guarda-Costas, o qual protagonizou junto com Kevin Costner. Whitney foi classificada como uma atriz de muito sucesso e talento, aclamada pela crítica mundial. O filme tornou-se um fenômeno, um verdadeiro sucesso de bilheteria, arrecadando mais de 500 milhões de dólares no mundo todo. Contando com uma boa trilha-sonora, Whitney gravou seis novas canções para a trilha-sonora do filme, incluindo uma versão do clássico de Dolly Parton, "I Will Always Love You" com a qual ela superou todas as expectativas, tornando-se um grande sucesso da cantora, a imortalizando na música mundial. Lançado como single em novembro do mesmo ano, se tornou seu décimo número #1 nos Estados Unidos e permanecendo por 14 semanas consecutivas nessa posição. Com o tempo, tornou-se o single mais vendido, até então, com mais de dez milhões de cópias. A canção I Have Nothing foi indicada ao Oscar de Melhor Canção Original. Outros hits lançados como single da trilha-sonora de O Guarda-Costas: I'm Every Woman (regravação de uma canção de Chaka Khan), Run to You e Queen of the Night (escritas pela própria Whitney). O álbum permaneceu vinte semanas em #1 e vendeu mais de 38 milhões de cópias em todo mundo, com 17,5 milhões apenas nos Estados Unidos, tornando-se a trilha-sonora mais vendida da história Certificado pelo Guiness Book, sendo certificado 17x platina e depois diamante nos Estados Unidos. Em março de 2005, após 13 anos de lançado, o álbum voltou às paradas de sucesso na Espanha ocupando #25. Nesta época passou a administrar sua carreira, abrindo também uma agência de moda e uma empresa de entretenimento musical, assim como iniciou seus trabalhos como produtora musical, de suas músicas e de artistas que a contratavam.

Após quatro anos de namoro, Whitney casou-se no civil e no religioso, em 18 de julho de 1992, com o cantor Bobby Brown, em Trenton, Nova Jérsei. No dia 4 de março de 1993, em Livingston, deu à luz de parto normal a sua única filha: Bobbi Kristina Houston Brown, que durante a infância fez pequenas participações musicais em álbuns de Whitney Houston. Ambas cantaram juntas as canções My Love is Your Love e Little Drummer Boy. Apesar disso, sua filha não seguiu carreira artística, embora tivesse feito pequenas participações como atriz em filmes e seriados durante sua curta vida.

Em 1994, com a turnê mundial The Bodyguard, Whitney fez sua primeira apresentação no Brasil, participando do evento Hollywood Rock, ela fez dois shows, um em São Paulo e outro no Rio de Janeiro, onde ela interpretou ao vivo I Will Always Love You o maior sucesso de sua carreira e também cantou na cerimônia de encerramento da Copa do Mundo (World Cup 94).

Em 1995 Whitney atuou em outro filme, Waiting to Exhale (Falando de Amor), que também foi um grande sucesso de público e crítica, baseado num livro de Terry McMillans sobre as vidas de quatro mulheres afro-americanas. As outras personagens são interpretadas por Angela Bassett, Loretta Devine e Lela Rochon. O diretor do filme foi Forest Whitaker. Foi rodado na primavera de 1995 e estreou nos cinemas em dezembro do mesmo ano. Arrecadou uma estimativa de 80 milhões de dólares nas bilheterias do mundo todo. A trilha-sonora de Waiting to Exhale incluía três novas canções de Whitney: Exhale (Shoop, Shoop), Count on Me (dueto com CeCe Winans) e Why Does It Hurt So Bad. O single Exhale (Shoop, Shoop) estreou na primeira posição dos mais vendidos tornando-se seu décimo primeiro número #1 nos Estados Unidos e o segundo single da história a estrear nessa posição. O álbum vendeu mais de dezessete milhões de cópias no mundo todo, sendo mais de sete milhões só nos Estados Unidos.

Seu filme seguinte, The Preacher's Wife (Um Anjo em Minha Vida), foi um remake em que protagonizou ao lado de Denzel Washington. O filme começou a ser rodado em janeiro de 1996 e estreou nos cinemas em 13 de dezembro do mesmo ano. Whitney estava planejando por muito tempo lançar um álbum gospel e a Trilha-sonora deste filme foi a oportunidade única para fazê-lo. A trilha-sonora de The Preacher's Wife foi lançada um mês antes do filme e se converteu no álbum gospel mais vendido da história, também tendo sido indicada ao Oscar de melhor trilha-sonora original. Whitney canta 14 das 15 faixas do álbum, incluindo os hits I Believe in You and Me e Step by Step.

1997-2001: Amadurecimento[editar | editar código-fonte]

O seguinte trabalho de Whitney foi o filme musical feito para a televisão, Cinderella, rodado no verão de 1997. Foi produzido pela própria produtora de Whitney, a Brown House Productions. O filme foi ao ar em 2 de novembro de 1997 na ABC. Atraiu uma audiência recorde de mais de sessenta milhões de telespectadores (um dos programas mais vistos da história da televisão norte-americana). No filme estrelam Brandy, Whoopi Goldberg e Whitney como a Fada Madrinha.

Em 1998, gravou um dueto com Mariah Carey, When You Believe, para a trilha-sonora do filme animado O Príncipe do Egito. A música criou um buzz, devido a ser um dueto com as duas maiores vocalistas da América. Ainda assim, a música foi recebida com más críticas e apesar de ter sido um sucesso a nível mundial, ficou-se pela 15º posição na América do Norte. A canção foi lançada como single em novembro e ganhou o Oscar de Melhor Canção Original em março de 1999 com a interpretação de Whitney e Mariah na cerimônia de entrega dos prêmios.

Depois de uma grande espera, Whitney voltou ao estúdio para lançar seu primeiro álbum que não era trilha-sonora depois de oito anos, My Love Is Your Love foi lançado em 17 de novembro de 1998 O álbum era suposto ser um Best Of, mas Whitney e o seu mentor Clive Davis gostaram tanto do resultado, que acabaram por acreditar que o lançamento poderia ser um sucesso. O álbum que foi gravado em 6 semanas, teve contribuições de peso do mundo do r&b norte-americano, como Wycleaf Jean, Lauryn Hill, Missy elliott ou Rodney Jerkins. Consequentemente devido ao tempo record de gravação, o álbum teve pouco tempo para ser promovido antes do seu lançamento e acabou por se estrear em 13º posição nos Estados Unidos. Muitos decreveram este nmomento, como o início do fim da carreira de Whitney, mas como a própria disse "não é como começa, mas sim como acaba". O álbum teve as melhores criticas de sempre da sua carreira. O single My Love is Your Love tornou-se um dos mais vendidos do ano e a faixa It's Not right But It's Okay ganhou um Grammy. O álbum é o álbum r&b mais vendido de sempre na Europa, tendo alcançando vendas de 13 milhões em todo o mundo, colocando Whitney de volta no topo. Dentre as faixas lançadas como singles destacam-se It's Not Right But It's Okay e If I Told You That, Heartbreak Hotel, My Love Is Your Love, I Learned From The Best e a premiada com o Oscar When You Believe. O álbum vendeu doze milhões de cópias no mundo todo, sendo cinco delas somente nos Estados Unidos e Whitney ganhou seu sexto Grammy com o single It's Not Right, But It's Okay em fevereiro de 2000. Os primeiros shows da turnê mundial Your Love is My Love World Tour trazem críticas elogiosas, celebrando o retorno da cantora.

Em 1999 Whitney participa do segundo VH-1's Divas Live e seu desempenho foi caracterizado como "insuperável" por Jon Pareles no The New York Times. Logo após, em comemoração a 15 anos de carreira, lançou Whitney: The Greatest Hits uma compilação dos maiores hits em 16 de maio de 2000. Um álbum duplo, que além das canções que mais tocaram nas rádios, conta com canções inéditas, duetos inovadores e remixes mais tocados nas paradas de sucesso. Junto com o álbum também foi lançado um DVD que contém seus principais videoclipes, momentos iniciais de sua carreira, entrevistas, últimas aparições, apresentações em shows e bastidores de seus trabalhos. O álbum duplo vendeu nove milhões de cópias no mundo todo. Após um bom período longe dos palcos, em 7 de Setembro de 2001, Whitney fez uma aparição especial ao lado de Usher e Mya para celebrar os 30 anos de carreira solo do amigo Michael Jackson no Madison Square Garden, em Nova York. O trio abriu o espetáculo ao som de Wanna Be Starting' Something'. No dia 10 de Setembro, Whitney deveria duelar One Day In Your Life com Michael Jackson, porém, ela não compareceu ao concerto. Ainda no mesmo ano Whitney lançou Love, Whitney uma compilacão de seus maiores sucessos românticos.

2002-2005: Conturbações pessoais e profissionais[editar | editar código-fonte]

Em dezembro de 2002 Whitney lançou Just Whitney, alcançando grande repercussão em sua carreira devido a problemas pessoais. A cantora reconheceu à imprensa que sofria de depressão desde a adolescência e por isso consumia desde essa época cocaína, maconha e outros tipos de drogas, além de bebidas alcoólicas em excesso.[31] O primeiro single do novo CD , Whatchulookinat foi um grande fracasso nos Estados Unidos talvez pelo seu tom de voz meio agressivo onde Whitney crítica a todos que falam que a sua carreira está terminada, devido seus relatos sobre sua dependência química. Com isso a gravadora foi obrigada a distribuir One Of Those Days, single que foi mais bem recebido e elogiado pela crítica. Logo em seguida, depois de chegar nas rádios o single Try It On My Own, uma balada autobiográfica, em abril de 2003. No que diz respeito às love songs, o álbum traz a regravação de um grande hit dos anos de 1970, a melódica You Light Up My Life, que foi produzida por Baby Face e não se tornou um single.

Em novembro de 2003 Whitney lançou um álbum de Natal, com o título One Wish: The Holiday Album.[32] O álbum trouxe alguns clássicos natalinos cantados de forma impressionante por Whitney, a faixa inédita ficou por conta de One wish, canção que dá nome ao álbum e tem o melhor do estilo gospel contemporâneo. Depois de cinco dias de internação num centro de reabilitação de drogas em Março de 2004 (se repetindo em março de 2005 durante dois meses), se embarcou na turnê internacional Soul Divas com Natalie Cole e Dionne Warwick[33] que se prolongou durante todo esse verão. Em 14 de Setembro de 2004, fez uma interpretação ao vivo de I Believe In You And Me e I Will Always Love You no World Music Awards, como tributo a seu produtor e antigo amigo Clive Davis. A apresentação de Whitney foi simplesmente perfeita, consta-se que Celine Dion chorou ao ouvir Whitney interpretar as canções e Courtney Love disse "Meu Deus, essa é a melhor cantora do mundo". Mais recentemente, Whitney teve participação no reality-show estadunidense Being Bobby Brown.

2006-2007: Um novo começo[editar | editar código-fonte]

Em setembro de 2006 Whitney separou-se de seu então marido Bobby Brown, conseguindo divorciar-se dele em 24 de abril de 2007, [34] depois de um casamento de 14 anos cheio de polêmicas, envolvendo agressões físicas, humilhações, traições e envolvimento com drogas, onde Houston decidiu dar um fim a tanto sofrimento, e entrou com o pedido de divórcio, saindo de casa com a filha, conseguindo sua guarda na justiça. Apesar de estar abalada, apareceu para a mídia muito feliz e sorridente, dizendo estar recuperada, e todos a elogiaram de linda no Society Of Singers ELLA Awards, acompanhada de seu produtor, Clive Davis, e de sua prima, a diva Dionne Warwick.

Em 28 de outubro de 2006, Whitney fez uma aparição surpresa no 17th Carousel of Hope Ball[35] e foi ovacionada por todos no evento beneficente. Whitney estava deslumbrante em um vestido preto, longo e justo da grife Armani e usava brincos e pulseira de diamantes que realçavam ainda mais sua beleza. A aparição de Whitney foi tão fascinante que fez com que a cantora Katharine McPhee, que se apresentaria na noite, desistisse de cantar a canção prevista e a homenageasse com seu clássico I Have Nothing, lindamente interpretado.

Em dezembro de 2006 Whitney foi destaque de capa da revista "Raça Brasil"[36] devido a sua vitoriosa recuperação do vício das drogas e álcool, além da recente separação de Bobby Brown.

Durante a festa que antecede ao Grammy, oferecida por Clive Davis no Beverly Hilton Hotel, no dia 10 de Fevereiro, Whitney esteve presente e foi a celebridade que mais atenções reuniu naquela noite. Caminhou pelo tapete vermelho de braço dado com Davis e várias celebridades que estavam na festa foram questionadas, sobre suas opiniões, a respeito da cantora, que a elogiaram muito.

De acordo com fontes próximas à cantora, Whitney estava pronta para um grande retorno com um disco de músicas originais. Estava dando mais atenção à filha Bobbi Kristina, e completamente dedicada à sua nova produção fonográfica. A cantora vivia na época em Laguna Beach, próxima do seu psicólogo Warren Boyd, o mesmo que ajudou Courtney Love a superar o vício em álcool e drogas. Nesta época a cantora sofria constantemente ccom crises depressivas e de ansiedade, devido ao seu recente divórcio, e também devido a abstinência de drogas e álcool, e precisava de constantes sessões de psicoterapia. Segundo Davis, seu produtor, eles, nessa época, haviam começado a trabalhar em um novo álbum,[37] que naquele ano foi um trabalho fantástico.

Ainda em 2007, Whitney foi eleita mais uma vez a A Rainha da Balada, pelo site BlackAmericanWeb, que colocou em destaque a sua trajetória como cantora e todos os seus feitos.

Em setembro daquele ano, a cantora assinou um novo contrato com a Arista Records por incríveis 100 milhões de dólares. [38] O acordo com o selo prevê diversos álbuns, o que a colocou novamente entre os grandes nomes da música.

No dia 18 de outubro, Whitney fez uma aparição surpresa no Swarovski Fashion Rocks, em Londres, onde foi ovacionada pelos presentes, entre os quais Donatella Versace. Usava um vestido branco Valentino. Sua voz estava bem mais grave que em outras aparições, o que surpreendeu o público, acostumados com sua voz suave, mas esse fator não causou desapontamento, sendo aplaudida por centenas de pessoas.

No mesmo ano foi lançada uma nova coletânea intitulada Whitney Houston: The Best So Far, onde reunia os maiores sucessos de sua carreira. O álbum entrou na lista dos mais vendidos ocupando a #3 posição na Inglaterra, #5 nos EUA e #9 no Brasil.[39]

2008: A volta por cima[editar | editar código-fonte]

Em 2008 Whitney anunciou que gravaria seu sétimo álbum de inéditas.[40] A cantora ainda declarou ter seis novas canções para seu álbum, previsto para ser lançado no primeiro semestre de 2009 pela gravadora J Record. A cantora se recusou a escrever pelos problemas com drogas, traição e anorexia que passou nos anos anteriores.

No dia 8 de maio, Whitney fez um grande show em Londres, participando do evento beneficente Legend Ball onde foi ovacionada por todos os presentes. A mídia internacional descreveu "Uma Fantástica Whitney Houston em Londres" e com essa espetacular performance a Diva mostrou que seus problemas do passado estão superados.

Em 26 de julho de 2008 uma nova canção do álbum da cantora vazou para a internet, Like I Never Left,[41] em parceria com o cantor Akon, que também produziu a canção. Tornou-se sucesso imediato, com mais de 2,5 milhões de execuções no Last FM, apenas 24 horas depois. Whitney declarou que a canção não será seu primeiro single. Há rumores de que seu primeiro novo single será I Didn't Know My Own Strength, canção escrita por Diane Warren e produzida por David Foster.

Em 7 de fevereiro de 2009, Whitney Houston fez uma aparição gloriosa na festa do Pré-Grammy, oferecida anualmente por Clive Davis. Whitney cantou grandes hits como: I Will Always Love You, I Believe in You and Me, It’s Not Right But It’s Ok e I’m Every Woman.[42]

No dia 17 de abril de 2009, Diane Warren revelou à Vibe Magazine que escreveu I Didn't Know My Own Strength especialmente para Whitney e esta seria sua música de retorno.[43] A Rap-Up Magazine também confirmou que o produtor Swizz Beatz havia trabalhado em uma canção chamada Million Dollar Bill[44] juntamente com Alicia Keys.

O novo álbum de Whitney foi lançado em 31 de agosto de 2009 com o título de I Look To You.[45][46]

2009: O lançamento do I Look To You[editar | editar código-fonte]

Depois de uma grande espera é finalmente lançado o aguardado álbum de retorno de Whitney Houston, I Look To You, em 31 de agosto de 2009. O álbum estreou direto na primeira posição dos mais vendidos nos EUA vendendo 305.000 cópias apenas na primeira semana[47] e foi em #1 em mais outros 12 países. Produzido por grandes nomes da música como Stargate, Akon, R. Kelly,,[48] David Foster, Jhontà Autin, Eric Hudson e Swizz Beatz[44] juntamente com Alicia Keys, com a supervisão de Clive Davis, o álbum é marcado de canções fortes como “Call You Tonight”, “Wort It” e “Salute”, música com forte influência hip-hop.

O primeiro single foi I Look To You, uma balada gospel romântica, estreou em #27 R&B Hot 100 da Billboard.[49]

O segundo single Million Dollar Bill chegou ao #1 no chart Dance da Billboard Hot 100,[50] tornado-se #1 pela 14ª vez em sua carreira. O single teve uma recepção ainda melhor na Europa onde chegou ao #5 no U.K. Hot 100. O Vídeo clipe de Million Dollar Bill foi lançado em 16 de setembro de 2009.

Em 14 de setembro de 2009 Whitney Houston deu sua primeira entrevista em sete anos, aparecendo na estreia do programa The Oprah Winfrey Show. A entrevista foi anunciada como "a entrevista da música mais aguardados da década" [51] e Oprah Winfrey declarou que foi a melhor entrevista que ela já fez em sua carreira.[52] A entrevista foi dividida em duas partes e Whitney falou sobre seu conturbado casamento, separação, carreira, família e os problemas com drogas.

Ainda no programa Whitney cantou ao vivo a canção I Didn't Know My Own Strength a pedido de Oprah, tendo um desempenho espetacular.

Whitney também apareceu em programas de televisão europeus para promover o álbum. Ela cantou a canção I Look to You no Wetten Dass, programa de televisão alemã. Dias depois, cantou Million Dollar Bill no programa de televisão francês Le Grand Journal. Whitney apareceu também como mentora convidada no The X Factor no Reino Unido, juntamente com Clive Davis e cantou Million Dollar Bill no show do dia seguinte. O desempenho não foi muito bem recebido pela mídia britânica,[53] mas mesmo assim Million Dollar Bill saltou para o seu pico de número 5 (o seu primeiro top 5 no Reino Unido em mais de uma década), e três semanas após o lançamento I Look to You ganhou disco de ouro. Whitney participou também da versão italiana do Fator X, apresentando a mesma canção Million Dollar Bill com boas críticas e foi premiada com o Certificado de Ouro por alcançar mais de 50.000 vendas do CD I Look To You, na Itália.[54]

Em dezembro de 2009, I Look To You, foi certificado disco de platina pela RIAA pelas vendas que ultrapassam um milhão de cópias só nos Estados Unidos.[55] Atualmente o álbum vendeu cerca de 2 milhões de cópias em todo o mundo.

Em 22 de novembro de 2009 Whitney foi a grande homenageada no American Music Awards em Los Angeles, Califórnia e se apresentou na premiação cantando a canção I Didn't Know My Own Strength. A cantora recebeu das mãos de Samuel L. Jackson um troféu por sua obra. Emocionada, Whitney fez questão de agradecer aos fãs pelo apoio e foi aplaudida de pé pela plateia.[56]

2010: Whitney Houston - The 25th Anniversary Deluxe Edition e a Nothin' But Love World Tour[editar | editar código-fonte]

Em 26 de janeiro de 2010, Whitney relançou uma edição especial de seu álbum de estreia, intitulado Whitney Houston – The 25th Anniversary Deluxe Edition em comemoração a seus 25 anos de carreira. O álbum contém cinco faixas bônus além de um DVD com os vídeos clipes e performances ao vivo e uma entrevista inédita.[57]

Whitney Houston na O2 Arena, em Londres, 28 de Abril de 2010, durante a Nothing But Love World Tour

Em 13 de janeiro de 2010 Whitney foi homenageada no BET Honors Award, citando suas realizações durante a sua vida e o sucesso do álbum de retorno I Look To You. O BET Honors 2010 foi realizado no teatro Warner, em Washington, DC e foi exibido em 29 de janeiro de 2010. Jennifer Hudson cantou o clássico I Will Always Love You e Kim Burrell cantou I Believe in You and Me em honra dela. Whitney também recebeu o NAACP Image Awards por Melhor vídeo clipe para "I Look To You" em 23 de fevereiro de 2010 e recebeu uma indicação ao Echo Awards, a versão alemã do Grammy, por Melhor Artista Internacional.

Uma nova turnê mundial foi anunciada em 12 de outubro de 2009 no site oficial de Whitney e teve início em 9 de dezembro de 2009 na Rússia como datas ensaio, sob o título de I Look To You Word Tour. No final dos ensaios, o título da turnê foi mudado para Nothing But Love World Tour com um "início" oficial em 6 de fevereiro de 2010 em Seul, Coreia do Sul.[58]

Whitney explicou o significado por trás do título da turnê. Foi como ela superou os tempos difíceis.

A turnê visitou Ásia, Austrália e Europa [59] e arrecadou uma estimativa de mais de 36 milhões de dólares com os shows.[60]

Billboard Charts: Atualmente foi classificada no TOP 10 da Billboard, como uma das artistas estadunidenses que mais venderam singles na última década (1999-2009).

2011: O retorno com o Filme Sparkle[editar | editar código-fonte]

Em Janeiro de 2011 Whitney participou do BET’s Celebration Of Gospel 2011 cantando a canção I Look to You, juntamente com Kim Burrel. O evento foi realizado no Staple Center, em Los Angeles e foi transmitido em 30 de janeiro de 2011.[61]

Em fevereiro de 2011, Whitney participou da festa que antecede ao Grammy, oferecida por Clive Davis, e que homenageou sua Prima Dionne Warwick. No tributo Whitney cantou os clássicos Walk On By, I Say A Little Prayer For You e That’s What Friends Are For.[62]

Em setembro de 2011, a revista The Hollywood Reporter anunciou que Whitney irá estrelar o remake do filme Sparkle de 1976, juntamente com Jordin Sparks e Mike Epps. De acordo com Debra Martin Chase, produtora de Sparkle, Whitney terá também créditos como produtora executiva do filme. Ela declarou ainda que Whitney merece o título considerando que ela esteve envolvida com o projeto desde o início em 2001, quando obteve os direitos de produção de Sparkle.[63]

No dia 19 de outubro Whitney confirmou em seu site oficial sobre o novo projeto com o filme, que é um remake do filme de 1976 e conta a história de Sparkle, um prodígio musical, que luta para se tornar uma estrela.

Em 7 de outubro, o RCA Music Group anunciou a dissolução da Arista Records, juntamente com a J Records e a Jive Records. Com o desligamento, Whitney Houston (e todos os outros artistas assinados anteriormente a estes três selos) iria lançar seu material futuro sob o selo da RCA Records.

2012: Lançamento do Sparkle[editar | editar código-fonte]

Em setembro de 2011, o The Hollywood Reporter anunciou que Whitney iria produzir e estrelar um remake do filme Sparkle ao lado de Jordin Sparks e Mike Epps. Sparkle marcaria o retorno de Whitney aos cinemas após 15 anos, desde o lançamento do The Preacher’s Wife em 1996.[64] No filme, Whitney interpreta Emma, mãe de Sparkle.

Além de atuar, Whitney também recebebeu créditos como produtora executiva. Segundo Debra Martin Chase, produtora de Sparkle, Whitney mereceu os créditos, considerando que ela tinha estado envolvida no projeto desde o início, em 2001, quando obteve os direitos de produção do filme, no qual a cantora de R&B, Aaliyah, iria protagonizar, mas morreu em um acidente de avião de 2001. Sua morte descarrilou a produção, que iria começar em 2002.[65][66]

As filmagens ocorreram entre 10 de outubro e 18 de novembro de 2011 e teve um orçamento estimado em US$ 17 milhões.[67]

A trilha sonora do filme foi lançada em 31 de julho de 2012. O Primeiro single, Celebrate, dueto com Jordin Sparks, foi a última gravação de Whitney em estúdio, realizada no dia 7 de fevereiro. Foi lançado oficialmente no dia 5 de junho de 2012. O vídeo clipe foi filmado em 30 de maio e lançado oficialmente em 30 de junho de 2012.

His Eye Is on the Sparrow, vazou apenas um dia após o lançamento de Celebrate[68] e foi lançada oficialmente como single em 8 de junho para download digital na Amazon[69] e iTunes.

O filme, foi lançado em 17 de agosto nos Estados Unidos e estreou em quinto lugar no ranking das maiores bilheterias do fim de semana arrecadando US$ 12 milhões nos primeiros três dias de exibição.[70]

Polêmicas[editar | editar código-fonte]

Diversos documentários afirmam que Whitney Houston começou a usar cannabis e bebidas alcoólicas aos catorze anos, e cocaína e LSD aos dezesseis, por influência de seu irmão Michael Houston, também adolescente e usuário dessas substâncias, e que começou a fumar cigarros aos dez anos de idade também por influência familiar. Seu irmão revelou em entrevistas sentir-se extremamente culpado pela morte da irmã. [71]

Também afirmou-se que Whitney Houston era bissexual, mas devido ao conservadorismo religioso de sua mãe, optou por nunca assumir isto publicamente. Robyn Crawford, assistente de produção da carreira da cantora e diretora de marketing das empresas de Whitney, que trabalhou com ela de 1983 a 2000, escreveu e lançou o livro A Song For You, revelando ter sido namorada da cantora na adolescência, de 1979 a 1983, e que se conheceram em um abrigo enquanto realizavam um trabalho voluntário, e que logo tornaram-se amigas inseparáveis, mas que após se apaixonarem, nunca se preocuparam em rotular-se como bissexuis ou lésbicas, e que apenas viviam o o relacionamento de forma intensa. Aos dezessete anos sofreu um duro golpe quando descobriu que sua mãe traia seu pai com o pastor da igreja. Ela e a mãe pararam de se falar, e sofrendo por não ter coragem de revelar tudo ao pai, não conseguiu mais conviver com ele, e assim decidiu sair de casa e viver com sua namorada. Nesta época estava iniciando sua carreira de modelo, e devido a tantas pressões pessoais e profissionais, Whitney iniciou um processo de anorexia alcoólica, que a acompanhou durante toda sua vida. Pouco tempo depois, sua mãe contou a verdade ao pai de Whitney, e ambos se divorciaram, mas a cantora não quis mais voltar para sua casa. Whitney e Robyn só se separaram porque a mãe de Whitney Houston era contra a relação, e fazia a cantora sofrer muito com constantes perseguições a sua vida pessoal, e a cantora, após assinar seu primeiro contrato profissional em 1983, e influenciada por sua mãe, passou a ter medo da imprensa investigar sua vida pessoal e descobrir sua sexualidade, e assim sua carreira terminar. Assim, ela saiu da casa da namorada e passou a viver sozinha. Ela, nesta época, tentou voltar para a igreja, aconselhada por sua mãe, e até presenteou Robyn com uma bíblia para que ela se convertesse, mas ambas continuaram a ser melhores amigas por muitos anos, até o falecimento da cantora.[72]

Em entrevistas, Bobby Brown revelou que Whitney e ele mantiveram um caso extraconjugal por quatro anos, e que não foi o responsável por apresentar substâncias psicoativas para ela, como sempre era divulgado na imprensa, mas sim já a conheceu quando ela era usuária. O mesmo revelou em entrevistas que descobriu que Whitney era usuária de drogas no dia do casamento, pois quebrou a tradição de que os noivos não podem verem-se vestidos a caráter antes da cerimônia, mas ele sentiu vontade de vê-la, e a procurou em sua casa, quando a avistou vestida de noiva, uma hora antes da cerimônia, onde percebeu que a mesma estava inalando cocaína, o que o deixou muito surpreso e abalado, porque até então só sabia que ela tomava bebidas alcoólicas em excesso e que fumava muitos cigarros, inclusive cannabis sativa. Bobby revelou que teve o impulso de não desistir do casamento porque queria proteger Whitney, afirmando que no início ela controlava muito bem seu vício, tanto que em quatro anos de relacionamento extraconjugal, ela nunca o deixou saber sobre as drogas mais pesadas que utilizava. Bobby contou que após o casamento também viciou-se em cocaína, e que foi dependente por muitos anos, mas conseguiu sair do vício. [73] O cantor também contou que Whitney fingiu ter sofrido um aborto espontâneo para deixá-lo culpado e casar-se rapidamente com ela. Em entrevistas Whitney revelou que fez isto por medo de perdê-lo, e porque queria que o mesmo deixasse a esposa para ficar com ela, o que deu certo, pois, culpado, Bobby deixou a esposa e assumiu seu caso extraconjugal, e em seis meses casaram-se, ficando muito chateado posteriormente com essa mentira. A cantora também revelou em entrevistas que estava apaixonada, mas nunca o amou, e que sua mãe insistiu para que ela se casasse logo, o que lhe daria mais segurança pessoal e prestígio na sua carreira. Bobby Brown afirmou acreditar que Whitney só casou-se com ele para fugir das especulação da mídia sobre sua sexualidade, onde afirmou que sempre soube da bissexualidade da esposa, e que sempre teve muitos ciúmes de Robyn, com quem ele não falava, gerando diversas brigas com Whitney, pedindo para que ela demitisse Robyn, o que ela fez, mas a recontratou sem ele saber. Seu ex-marido também revelou saber que, quando ele e Whitney brigavam e se separavam temporariamente, a cantora saía com outros homens e também outras mulheres, mas principalmente voltava a se relacionar com Robyn, que sempre foi o ponto de apoio emocional de Whitney. Bobby contou que a primeira vez que houve uma traição foi por parte da cantora, e que por um período ambos mantiveram um casamento aberto, mas de forma discreta. Em entrevistas, a cantora revelou que apenas quis se vingar das agressões do marido. Robyn tentou diversos formas de fazer sua amiga e ex-namorada Whitney largar as substâncias na qual utilizava, e terminar o casamento abusivo com Bobby, mas todas as tentativas foram em vão, o que a fez se afastar dela com o tempo, um duro golpe pra Whitney. Bobby Brown contou em entrevistas que acreditava que, se o relacionamento amoroso de Whitney com sua melhor amiga fosse aceito por sua família, ela ainda estaria viva, pois ela foi a única namorada que Whitney Houston verdadeiramente amou. [74]

Devido as conturbações pessoais da cantora, Whitney e Robyn romperam o contrato profissional em 2000, quando Whitney diminuiu o ritmo de sua carreira para cuidar de sua saúde, após ser diagnosticada com uma avançada aterosclerose, doença cardíaca adquirida devido ao abuso de substâncias psicoativas, principalmente devido ao uso de cocaína, droga que utilizou em maior quantidade e por mais tempo, que danificou as suas válvulas cardíacas. Esta doença também manifestou-se devido ao seu estilo de vida, onde havia excesso de álcool e sedentarismo. Este problema de saúde lhe causava falta de ar, tontura, dor de cabeça, e gerou um quadro de insuficiência cardíaca. Nesta época, optou por começar a administrar parte de seu extenso patrimônio para evitar maiores estresses profissionais.[75]

Outra polêmica referida no documentário Whitney, refere-se a violência sofrida pela cantora e por seu irmão Gary, na infância, abuso este cometido pela prima dos dois, Dee Dee Warwick. A cantora e o irmão nunca comentaram com ninguém da família sobre este tema delicado, que foi um dos fatores que fez Whitney desenvolver uma grave depressão. A mãe de Whitney revelou em entrevistas que não acredita nesta história, o que a fez deserdar os dois filhos de seu testamento. A mãe não acreditar no abuso que sofreu fez Whitney ter uma piora em seu quadro depressivo e desenvolver síndrome do pânico. Outra grande polêmica que o documentário traz refere-se ao pai de Whitney, acusado de desviar dinheiro do patrimônio da cantora, que ficou extremamente abalada ao descobrir ter sido roubada pelo próprio pai. Ambos ficaram muitos anos sem se falar e ela o processou, mas voltaram a manter contato nós últimos anos de vida dele.[76]

Outra polêmica gira em torno da relação conturbada de Whitney com sua filha: O motorista da família afirmou que Whitney e o marido intensificaram a dependência química no início dos anos 2000, e que passaram a fumar crack e injetar heroína, e que quando estavam muito alterados, faziam isto na frente da filha deles, dentro do carro, enquanto a filha deles ainda era uma criança. Em outro momento ele revelou que, quando Whitney e o marido estavam sob efeito dessas substâncias, se agrediam verbalmente e fisicamente na frente da filha, e logo depois, Bobby Brown, sob efeitos dos entorpecentes, pichava as paredes da mansão em que viviam, ameaçando Whitney de morte, e ela chorava muito e se trancava em seu quarto ou no banheiro, onde ingeria barbitúricos com substâncias psicoativas e bebidas alcoólicas, e também se cortava, chegando em algumas ocasiões a tentar o suicídio, onde o motorista já teve que chamar a ambulância para socorrê-la desmaiada e sangrando, e em algumas ocasiões contê-la junto dos outros funcionários, quando a cantora, chorando e gritando, ameaçava se jogar da janela do quinto andar de sua mansão. Também foi revelado que a mãe de Whitney tentou por diversas vezes conseguir a guarda da neta, mas a cantora sempre contratava os melhores advogados para ganhar a causa.[77]

No programa da Oprah Winfrey, Whitney revelou que conseguia drogas em qualquer lugar: Seu traficante se passava por fã, e lhe dava uma caneta pra ela assinar o autógrafo, mas a caneta tinha um fundo removível com a substância, e ela a guardava consigo discretamente e ia ao banheiro usar. Ela revelou que a fama destruiu sua vida, não imaginava que seria eleita como a melhor voz do planeta. Whitney só queria criar sua filha em paz e ter uma família comum, sentia-se mal por não ter tempo de acompanhar o crescimento da filha e também por seu marido a achar mais bem sucedida que ele, ela percebia claramente que isto feria seu ego masculino de querer proteger a família. Revelou que em casa tentava diminuir sua importância para que o marido se sentisse no controle, como geralmente os homens preferem, mas nem sempre dava certo. Informou que quase todos os dias era agredida pelo marido, até sangrar, escondendo os machucados com curativos e muita maquiagem, e que o marido a agredia mesmo quando ele estava sóbrio, o que era raro, pois ele bebia muito. Afirmou que ele era extremamente invejoso porque Whitney ganhava muito mais dinheiro que ele, e que Bobby era um homem muito ciumento, e queria que ela largasse a carreira para ficar cuidando exclusivamente do casamento dos dois, o que ela se recusava. Na entrevista contou que seu marido tornou-se sua droga, pois, por mais que quisesse se separar, tinha medo dele e sempre acreditava que ele mudaria, confessando que só sentiu paixão no início da relação, e que com o tempo desenvolveu uma forte dependência emocional. Whitney contou que nos últimos dois anos de casada, ambos passaram a dormir em quartos separados, e só conversavam esporadicamente, quando usavam drogas juntos, vendo TV na sala. Nos períodos mais críticos de sua depressão, a cantora informou que ficava um mês inteiro trancada no quarto, sem ver ou falar com ninguém, chorando, ouvindo música, lendo a bíblia e consumindo drogas, que comprava em grande quantidade para guardar em seu closet. A cantora também revelou que passou por diversas internações e tratamento de desintoxicação e reabilitação, mas o período máximo que conseguiu ficar sem usar nenhuma droga foi apenas seis meses, e que na verdade não era uma mulher vaidosa como aparentava ser na frente das câmeras: Detestava sempre ter que usar vestidos, maquiagens, muito brilho e salto alto, e que ser constantemente um personagem para agradar a indústria fonográfica arruinou sua saúde psicológica.[78]

Quando a filha de Whitney Houston tinha quinze anos, a jovem tentou dar uma facada na mãe após ela proibi-la de sair com os amigos, mas após se arrepender de ter ameaçado a mãe, a jovem tentou o suicídio cortando os pulsos, ficando algumas semanas internada em uma clínica psiquiátrica. Nesta época, Whitney descobriu que a menina estava usando drogas, o que piorou muito a relação de ambas, fazendo a filha sair de casa e ir viver com o pai, e posteriormente com a avó materna. Em entrevistas revelou que sua filha lhe deu muitas forças para ela se divorciar, e que ambas eram próximas e amigas, mas que a relação delas sofria muitos altos e baixos. A cantora e a filha passaram a manter contato esporádico com o tempo. Por alguns momentos voltaram a morar juntas, mas depois se afastaram novamente. [79]

Em junho de 2011 a cantora foi diagnosticada com enfisema pulmonar e nódulos nas cordas vocais, devido ao tabagismo, o que a obrigou a se afastar dos palcos e iniciar um tratamento médico intenso. A doença a fez passar por profundas alterações em sua melódica e harmônica voz, a tornando muito mais densa e um pouco rouca, o que passou a desagradar bastante o público, o que a deixou cada dia mais deprimida: Por mais que detestasse a fama, amava cantar. Whitney Houston passou a negligenciar seu tratamento, dando mais importância as drogas e ao álcool. Sua displicência a fez desenvolver uma grave insuficiência respiratória, e a doença avançou bastante, o que contribuiu para seu falecimento.[80]

A cantora enfrentou muitas críticas em relação a sua carreira. A crítica negra a acusava de "ser branca demais", cantar exclusivamente para uma "elite branca", e não representar os "ritmos afro-americanos". Whitney se defendia, revelando que apenas escolhia os melhores compositores para trabalhar, e que não fazia acepção de gênero musical ou cor: Só escolhia cantar o que lhe tocava o coração, também levando em conta seu perfil vocal. Estas críticas abalaram muito a autoestima da cantora, que julgava sempre não estar fazendo o correto. [81]

O último relacionamento amoroso de Whitney Houston, que se tornou público, foi com o cantor Ray J, rapaz dezoito anos mais jovem. Ambos começaram o namoro em 2010 e sofreram bastante preconceito devido a diferença de idade, e a família de Whitney não aceitava o relacionamento, também por acharem que este namorado só queria o dinheiro da cantora, embora ele fosse rico também. O casal mantinha um relacionamento conturbado, e ficavam entre indas e vindas, com histórico de traições, abuso de álcool e drogas, e até agressões, pois o mesmo tinha muitos ciúmes dela. Ambos eram frequentemente vistos em bares e boates, inclusive foram divulgadas brigas recorrentes de Whitney Houston com diversas mulheres nestes locais devido ao grande ciúme que ela também sentia dele. Uma das polêmicas desse relacionamento foi quando, em uma das turbulentas separações do casal, seu namorado queria voltar com ela, e Whitney não queria mais voltar para esse relacionamento abusivo, porém ele ameaçou de divulgar na internet fotos íntimas dela, e também vídeos íntimos do casal, onde Whitney ficou muito abalada com essas ameaças, e não queria mais vê-lo, mas a família da cantora o processou judicialmente por ameaça e difamação, o que causou mais brigas entre Whitney e a família, principalmente sua mãe, que não queria que ela tivesse invadido sua vida assim. Porém, na época de seu falecimento, Whitney e Ray J haviam se reconciliado e estavam novamente juntos. [82]

Após seu falecimento, o cantor Jermaine Jackson, a quem Whitney conheceu em 1983, antes da fama, onde a mesma, eventualmente, era a baking vocal de sua banda, confirmou para a mídia que ele e a cantora foram amantes de 1984 a 1985. Nesta época Whitney estava solteira, mantendo apenas relacionamentos casuais, visto que estava separada há um ano de sua ex-namorada Robyn Crawford, e ainda não conhecia Bobby Brown. Jermaine e Whitney separaram-se por iniciativa dela, visto que a cantora queria que ele se separasse de sua esposa, Hazel Gordy, para que assumisse um relacionamento sério com ela, o que ele não fez. Na época, Michael Jackson, irmão de Jermaine, e muito amigo de Whitney, era contra o relacionamento extraconjugal. Após um ano afastados, Jermaine e Whitney retomaram a amizade que tinham antes de se envolverem, e voltaram a cantar juntos, eventualmente, quando havia alguma festa ou evento na mídia. Jermaine lamentou por não ter podido comparecer ao funeral da artista. [83]

Morte[editar | editar código-fonte]

Em 9 de fevereiro de 2012 Whitney visitou as cantoras Brandy e Monica, juntamente com Clive Davis, em seus ensaios para a festa anual do pré-Grammy no Beverly Hilton Hotel, em Beverly Hills.[84] No mesmo dia, Whitney fez sua última apresentação pública, juntamente com Kelly Price, numa casa noturna em Hollywood, Califórnia em uma performance da canção Jesus Loves Me.[85][86]

Em 11 de fevereiro de 2012, Whitney foi encontrada morta na banheira de um quarto no hotel Beverly Hilston. Os paramédicos tentaram reanimá-la, mas sem sucesso. Foi declarada morta em torno das 15h55min UTC−8, hora local de Los Angeles. O Departamento de Medicina Legal de Los Angeles anunciou em 22 de março de 2012 que a causa oficial da morte da artista fora afogamento acidental, apesar de revelar que existiam indícios de doença cardíaca e vestígios de cocaína, que teriam contribuído para o óbito. A autópsia constatou também que o septo nasal da cantora estava perfurado e que ela havia ingerido muitos barbitúricos e xarope para tosse, nos três últimos dias que antecederam seu falecimento, mas que isto não impactou diretamente na sua morte, apenas a deixou mais sonolenta que o habitual, o que pode ter discretamente contribuído para a perda de reflexo, o que a fez cair na banheira, de frente à água.

A artista havia abandonado poucos meses antes de falecer a sua psicoterapia e sua religião evangélica, onde frequentava a igreja desde a infância, entre indas e vindas. Em entrevistas, revelou que ao orar, seus pensamentos de suicídio e desejo por álcool e drogas iam embora, mas logo retornavam.

À época de seu falecimento, sua depressão havia voltado com força. Nesta época estava em tratamento psiquiátrico, tomando antidepressivos e ansiolíticos. Um dos motivos para recaída nos vícios e agravamento de sua depressão foram, entre as brigas familiares, perseguição e ameaças de seu ex-marido, além de seus relacionamentos amorosos que não deram mais certo após seu divórcio, foi ter descoberto que sua única filha estava usando drogas, onde ambas passaram a travar brigas diárias, e ela lutou para que a filha deixasse este caminho, tentando interná-la por diversas vezes. Isto tudo fez a artista se afastar da igreja, do tratamento psiquiátrico e psicológico, parou de falar com os amigos e com os familiares, julgando-se uma péssima mãe, o que a fez se isolar socialmente e voltar a usar drogas de forma descontrolada.[87]

Whitney teve seu memorial realizado em 18 de fevereiro de 2012, na New Hope Baptist Church, em Newark, Nova Jersey, cidade natal da cantora. Inicialmente, o memorial foi programado para duas horas, mas durou quatro horas.[88] Entre aqueles que homenagearam Whitney no funeral estavam Stevie Wonder, que cantou uma versão reescrita de Ribbon in the Sky e Love’s in Need of Love Today, CeCe Winans com Don’t Cry for Me e Jesus Loves Me, Alicia Keys com Send Me an Angel, Kim Burrell com uma versão reescrita de A Change Is Gonna Come e R. Kelly com I Look to You, intercalada com hinos do coral da igreja e depoimentos de Clive Davis, produtor de Whitney; Kevin Costner; Ricky Minor, seu diretor musical; sua prima Dionne Warwick e Ray Watson; seu guarda-costas durante os últimos onze anos.

Whitney foi enterrada no domingo, 19 de fevereiro, no cemitério Fairview, no Westfield, Nova Jersey,[89] ao lado de seu pai, John Russell Houston, que morreu em 2003.[90]

A morte de Bobbi Kristina[editar | editar código-fonte]

No dia 31 de janeiro de 2015 a filha da cantora, Bobbi Kristina, foi encontrada inconsciente no banheiro de sua casa em Atlanta, Geórgia. Bobbi foi levada com vida para um hospital em Duluth, na Geórgia, onde foi entubada para permanecer em coma induzido, no qual ficou por seis meses lutando pela vida. Bobbi faleceu no dia 26 de julho de 2015, com apenas 22 anos. Seu funeral veio a acontecer no dia 1 de agosto na igreja James United Methodist Church, em Alpharetta, Geórgia. A jovem foi enterrada ao lado do túmulo de sua mãe e seu avô, no Cemitério Fairview, em Westfield, Nova Jérsei. [91]

A causa da morte foi uma overdose pela mistura de álcool com cocaína, morfina e ansiolíticos - tais situações lhe causaram uma pneumonia que se revelou fatal. Os examinadores não conseguiram apurar se sua overdose foi intencional, ou seja, uma tentativa de suicídio, visto que a jovem estava tratando uma depressão pelo falecimento da mãe e por dificuldades no seu relacionamento conjugal, ou se foi uma superdosagem acidental. Os laudos consideraram que a causa da morte foi inconclusiva.[92]

Arte[editar | editar código-fonte]

Estilo musical[editar | editar código-fonte]

Em suas canções Whitney Houston fala sobre espiritualidade, poder feminino, força, superação e principalmente amor. O seu estilo está enraizado no R&B, gospel, soul e pop, complementado por elementos eletrônicos como teclados e sintetizadores.

Whitney começou a misturar pop e R&B contemporâneo em seu terceiro álbum, I'm Your Baby Tonight, trazendo canções bem mais dançantes ou com influências mais distintas do R&B.

Ainda nos anos 80, começou a fazer remixes de suas canções, mas só se tornou muito frequente a partir do lançamento do álbum My Love is Your Love, que popularizou o remix de I’ts Not Rught But I’ts Ok em pistas de dança do mundo inteiro. Por vezes, regravou os vocais para compor os remixes de algumas de suas canções como em I’m Every Woman (1992), My Love is Your Love (1998) e I Learned From The Best (1998). Trabalhou com vários DJ e produtores ao longo da carreira, o que ajudou significativamente na popularização de canções remixadas. Suas principais influências musicais são Aretha Franklin, Dionne Warwick, Stevie Wonder e Luther Vandross todos cantores de R&B e Soul.

Whitney, por cantar predominantemente R&B, acabou recebendo o título de Rainha do R&B e reconhecida mundialmente como tal.

Voz[editar | editar código-fonte]

Apelidada de The Voice, Whitney Houston era considerada uma das mais belas e potentes vozes da história da música mundial. É classificada como sendo Mezzo-soprano Dramático,[93][94] com um registro vocal de 4 oitavas (A2-A5-A6), sendo que suas principais características vocais mais fortes são os melismas, vibratos e transições.

Whitney, no decorrer de sua carreira, passou por vários estágios de voz. Iniciou a carreira sendo Soprano spinto e posteriormente passou a ser Mezzo-soprano Dramático com um timbre mais pesado e potente. Em 2003 a MTV americana juntamente com a Revista Blender a nomeou a terceira maior cantora entre as 22 Maiores Vozes da música por votação online e por leitores da revista.[95] Em 2008, Whitney foi listada na Rolling Stone na 34ª posição de os 100 maiores cantores de todos os tempos, afirmando que poucos vocalistas poderiam cantar 45 segundos da abertura de uma canção desacompanhada por instrumentos (acapella), fazendo menção a versão de I Will Always Love You feita por Whitney.[96] Em sua revisão do álbum I Look To You, o crítico musical Ann Powers do Los Angeles Times escreveu que a voz de Whitney inspira as carreiras de vários cantores e afirma que quando ela estava no seu melhor, nada poderia competir com seu talento de mezzo-soprano.[97]

O estilo vocal de Whitney tem sido significativo na indústria da música e tem influenciado gerações. Ela tem sido chamada de "Rainha do Pop" por sua influência na década de 1990, brigando comercialmente com Celine Dion e Mariah Carey[98]. Stephen Holden do The New York Times, em sua revisão do show realizado na casa de espetáculos Radio City Music Hall, em 20 de julho 1993 elogiou muito a atitude de Whitney como cantora, escrevendo que Whitney Houston é um das poucas estrelas pop contemporâneos das quais pode-se dizer que tem voz o suficiente. Enquanto outros artistas, que vendem milhões de álbuns, apelam aos truques de pirotecnia, Whitney preferia ficar ali e cantar.[99] Elysa Gardner de Los Angeles Times em sua revisão para a trilha sonora de "The Preacher’s Wife" elogiou muito a capacidade vocal de Whitney, comentando: Ela é antes de tudo uma diva pop, a melhor que temos.[100]

Registros vocais[editar | editar código-fonte]

  • Notas mais baixas:

Lá 2(A2) na canção "Fine" do álbum Whitney: The Greatest Hits; Lá 2(A2) na performance da canção "When You Believe" no programa The Oprah Winfrey Show; Sí bemol 2(Bb2) na canção "You Light Up My Life" do álbum Just Whitney; Sí 2(B2) na canção "Love That Man" do álbum Just Whitney; Dó 3(C3) na canção "I Learned From The Best" do álbum My Love is Your Love; Dó sustenido 3(C#3) na canção "Try it On My Own" do Álbum Just Whitney.

  • Notas mais altas:

Dó 6(C6) na canção "Someone For Me" do álbum Whitney Houston, Dó 6(C6) na canção "I’m Every Woman" (remix), de 1992; Dó sustenido 6 (C#6) na performance da canção "I wanna dance with somebody" em 1990; Ré 6(D6) na performance da canção "I Am Changing em Nova York", Ré 6(D6) na performance da canção "I Learned From The Best" durante a turnê "Nothin’ But Love" em 2010; Mi bemol(Eb6) na performance da canção "I Will Always Love You" No Rio de Janeiro em 1994 ; Mi bemol(Eb6) na performance da canção "Anymore" No "Welcome Home Heroes" Em 1991 ; Mi 6(E6) na performance da canção "I wanna dance with somebody" em 2010; Fa sustenido 6(F#6) e Sol 6(G6) na performance da canção "My name is not Suzan" em 1991 durante a turnê "I'm your baby tonight world tour"; Sol sustenido 6(G#6) e Lá 6(A6) na performance da canção "I Wanna Dance With Somebody" no Brunei em 1996.

  • Notas mais longas: 18s em "Greatest Love Of All" durante o show "Welcome Home Heroes" 1991; 17s em A Song For You do álbum "I Look to You".

Legado[editar | editar código-fonte]

Durante a década de 1980, a MTV recebeu duras crítica por não reproduzir vídeos suficientes de artistas negros. Com Michael Jackson a quebrar a barreira da cor da pele para artistas negros do sexo masculino, Whitney fez o mesmo para artistas negros do sexo feminino. Ela se tornou um dos poucos artistas negros do sexo feminino a receber alta exibição na rede após o sucesso do vídeo de "How Will I Know".[101]

Após a descoberta de Whitney, outros artistas afro-americanos do sexo feminino, como Janet Jackson e Anita Baker, foram bem sucedidos na música popular. Baker comentou que por causa do que Whitney fez, houve uma aceitação maior ao seu trabalho e as estações de rádio, deixaram de ser tabu para cantoras negras.[102] A Allmusic também notou sua contribuição para o sucesso de artistas negros no cenário pop, comentando que Whitney é capaz de lidar com baladas, pop dance e soul com a mesma destreza, tornando-se uma das primeiras artistas negras a encontrar o sucesso na MTV juntamente com Michael Jackson.[103] O The New York Times afirmou que Whitney foi um ícone importante para o movimento da música negra e que reconheceu a continuidade do soul, pop, jazz e tradição vocal gospel.[104] Richard Corliss da revista TIME comentou sobre o sucesso do seu primeiro álbum: "Seu primeiro álbum há dez faixas, das quais seis foram baladas. [...] Ela era um fenômeno à espera de acontecer. E porque cada nova estrela cria seu próprio gênero, seu sucesso ajudou outras mulheres negras".[105] Mary J. Blige disse que Whitney a convidou para o palco durante o VH1 Divas Live em 1999 e isso abriu as portas para o seu trabalho em todo o mundo.[106]

Segundo o The New York Times, Whitney revitalizou a tradição gospel.[107] Ann Powers de o Los Angeles Times se refere à Whitney como um tesouro nacional.[94][108] "Ela é o que muitos consideram ser uma cantora, e por isso influenciou inúmeros outros vocalistas, tanto feminino e masculino".[103] Da mesma forma, Steve Huey da Allmusic escreveu que a forma da técnica prodigiosa de Whitney ainda influencia quase todas os cantores pop - homem ou mulher - e gerou uma legião de imitadores.[103] Rolling Stone, em sua biografia, afirmou que Whitney redefiniu a imagem de um ícone soul feminino.[109] A Essence Magazine classificou Whitney Houston como a quinta maior estrela de R&B de todos os tempos, chamando-lhe de "A Diva”.[110]

Durante toda a sua carreira Whitney vendeu cerca de 200 milhões de álbuns, singles e vídeos em todo o mundo, tornando-se umas das artistas mais bem sucedidas da história da música mundial.[22][23] A Recording Industry Association of America (RIAA) lista Whitney Houston como a quarta maior artista feminina em vendas nos Estados Unidos, com mais de 55 milhões de cópias.[111][112]

Com a trilha sonora de "O Guarda-Costas" conseguiu manter-se no top do Hot 200 da Revista Billboard por 20 semanas consecutivas. O álbum vendeu cerca de 45 milhões de cópias em todo mundo e gerou ainda o grande sucesso I Will Always Love You, que permaneceu no topo do Hot 100 por 14 semanas consecutivas, algo que nunca havia ocorrido antes.

Influência[editar | editar código-fonte]

Até os dias atuais - mesmo depois de sua morte - o estilo e a habilidade vocal de Whitney Houston têm um impacto significante na música popular e influencia novos cantores em todo o mundo e por isso uma série de artistas reconheceram Whitney como uma influência. Mariah Carey, que foi muitas vezes comparada a Whitney, disse: Houston tem sido uma grande influência para mim.[113] Mais tarde, em entrevista ao USA Today Mariah disse: "nenhum de nós teria o mesmo som se Aretha Franklin ou Whitney Houston nunca tivesse lançado um disco".[114] Brandy afirmou: "O primeiro CD de Whitney Houston foi genial. Esse CD apresentou ao mundo sua voz angelical e poderosa. Sem Whitney metade dessa geração de cantores não seriam cantores", escolhendo o primeiro álbum de Whitney como inspiração.[115] Jennifer Hudson a cita como sua maior influência musical. Ela disse ao Newsday que ela aprendeu com Whitney a "diferença entre ser capaz de cantar e saber cantar".[116] Leona Lewis, que muitas vezes foi comparada a Whitney, também a cita como influência e afirmou que ela a idolatrava quando era menina.[117][118] Durante o Celebrating Black Music em Junho de 2006, Kelly Rowland declarou à Ebony que queria ser uma cantora depois de ver na TV Whitney Houston cantando Greatest Love of All. "Eu queria cantar como Whitney Houston naquele vestido vermelho" disse Rowland.[119] Beyoncé Knowles disse ao Globe and Mail que Whitney a inspirou para chegar até lá e fazer o que ela faz.[120] Alicia Keys, em entrevista sobre seu novo álbum de estúdio com a revista Billboard, também disse que Whitney era uma artista que a inspirou desde que ela era uma menina.[121] Durante a entrevista Lady Gaga disse que Whitney Houston tem sido um de seus "ídolos vocais" por anos. Em entrevista à IBN Live Gaga revelou que, uma vez e outra, costumava ouvir a versão feita por Whitney para "The Star Spangled Banner". No Grammy Awards de 2011, Lady Gaga disse que ela escreveu a canção "Born This Way" pensando na voz da Whitney.[122]

No lançamento do álbum Femme Fatale, Britney Spears declarou que Whitney foi uma das mulheres poderosas que a influenciou a lançar este álbum.

Celine Dion, Toni Braxton,[123] Christina Aguilera,[124] Kelly Clarkson, Britney Spears,Hilary Duff[125] Ciara, P!nk,[125] Robin Thicke,[126] Jennifer Hudson, Amerie,[127] Destiny's Child,[125][128] Regine Velasquez, Lady Gaga, e Charice todas estas cantoras têm citado Whitney Houston como influência musical.

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Whitney Houston é a artista mais premiada de todos os tempos, de acordo com o Guinness World Records,[21] com 2 Emmy Awards, 7 Grammy Awards, 31 Billboard Music Awards e 22 American Music Awards. Em toda sua carreira Whitney, já acumulou um total de 500 prêmios até 2013. Ela detém o recorde, juntamente com Michael Jackson, de oito American Music Awards vencidos numa única noite.[129] Whitney também recebeu onze Billboard Music Awards, em 1993. Um recorde até hoje.[130] Ela também detem o recorde de mais WMAs vencidos em uma única edição, com cinco prêmios no 6th World Music Awards em 1994.[131] Em maio de 2003, o VH1 listou as "50 Maiores Mulheres da Era do Vídeo" e Whitney ficou na 3ª posição atrás, apenas, de Madonna e Janet Jackson.[132] Ela também foi classificada no número 116 na lista dos "200 Maiores Ícones da Cultura Pop de Todos os Tempos".[133] Em 2008, a revista Billboard lançou uma lista com os Maiores Artistas de Todos os Tempos, para comemorar o cinquentenário da parada de singles Hot 100 dos EUA. Whitney ficou ocupando a nona posição na lista.[134][135][136] Da mesma forma, ela é classificada como um dos 100 Maiores Artistas de Todos os Tempos pelo VH1 em setembro de 2010.[137] Em novembro de 2010, a Billboard publicou uma lista com os 50 Maiores Artistas de R&B / Hip-Hop dos últimos 25 anos. Whitney entrou para a lista ocupando a 3ª posição com oito singles #1 na parada de R&B / Hip-Hop Songs e com cinco álbuns #1 na parada R&B / Hip-Hop Albums.[138]

O álbum de estreia de Whitney foi listado como um dos 500 Maiores Álbuns de Todos os Tempos pela revista Rolling Stone[139] e está na lista dos 200 álbuns definitivos no Rock and Roll Hall of Fame.[140] Em 2004, a Billboard escolheu o sucesso de seu primeiro álbum nas paradas de sucesso para nomeá-lo como um dos 110 marcos musicais de sua história.[141] Em 1997, a Escola Franklin em East Orange, Nova Jersey foi renomeada para The Whitney E. Houston Academy School of Creative and Performing Arts (Academia Escola de Artes e Ciências). Em 2001, Whitney foi a primeira a receber o prêmio especial BET Lifetime Achievement Award.[142] Em 2007, o USA Today afirmou que a estreia de Whitney na indústria da música é considerada um dos vinte e cinco marcos musicais dos últimos 25 anos.

Whitney Houston também é uma das artistas mais bem sucedidas da história da música tendo vendido mais de 200 milhões de cópias em todo o mundo.[22][23] É a quarta artista feminina que mais vendeu na Estados Unidos de acordo com Recording Industry Association of America (RIAA), com 55 milhões de álbuns certificados só nos EUA.[111][112]

Whitney Houston, possuía ainda, um Doutorado Honorário em Humanidades pela Grambling State University, Louisiana.[143]

Filantropia[editar | editar código-fonte]

Paralelamente à sua carreira, Whitney também desenvolveu um trabalho assistencial junto à instituição filantrópica que criou em 1989, a Fundação Whitney Houston for Children, instituição sem fins lucrativos, voltada às crianças carentes e vítimas de AIDS e câncer. A fundação também levanta fundos para crianças carentes em todo o mundo e costuma promover shows de caridade. Só um show televisado pela HBO em 1997, o Classic Whitney, que gerou 300 mil dólares para projetos assistenciais. Houston também apoia fundos de educação universitária para negros e ONGs de assistência às crianças diabéticas e aidéticas. Whitney dedicou tempo e dinheiro as causas sociais desde que trabalhava como modelo. Naquela época, ela se recusou a trabalhar para agências que faziam negócios com a África do Sul, devido ao regime do apartheid.

Em 1991 gravou uma versão do hino nacional norte-americano “The Star Spangled Banner”, que se tornou um hit e vendeu 1.000.000 de cópias. Whitney doou o dinheiro das vendas para a cruz vermelha. Em 2001, devido aos ataques terroristas do 11 de setembro o single “The Star Spangled Banner” foi relançado e se tornou top de vendas nas paradas dos EUA em Outubro do mesmo ano, arrecadando mais de 1 milhão de dólares. O dinheiro arrecadado foi doado para fundos de apoio aos bombeiros e a polícia de Nova York.

Em fevereiro de 2004, Whitney doou um milhão de rublos para o Russian Aid Fund (Fundo de Apoio Russo) para ajudar as vítimas de um ataque terrorista no metrô de Moscou. Os fundos foram criados por suas performances em Moscou naquele ano.[144]

Em 8 de maio de 2008 Whitney participou no evento beneficente Caudwell Children’s Legend Ball, em Londres para levantar fundos para a instituição. O fundador da instituição, John Caudwell, em entrevista a revista Marie Claire disse: "Estamos entusiasmados em ter uma artista do calibre da Whitney em nosso evento".[145]

Whitney participou de um projeto, juntamente com sua cunhada, no desenvolvimento de uma linha de velas perfumadas. Parte do dinheiro das vendas foi revertida para o Teen Summit, através da The Patricia Houston Foundation, que desenvolve um programa que tem o objetivo de reconstruir e recuperar a vida de jovens e adultos.[146]

Whitney Houston foi homenageada por seu trabalho filantrópico em 1995 pelo VH1 Honors. Em 1997, recebeu o “The First Annual Triumphant SPIRIT Awards” da Essence Magazine e em 1998 o Trumpet Awards, todos em reconhecimento ao seu trabalho humanitário.

No decorrer de sua carreira Whitney Houston tem apoiado diversas causas humanitárias:

  • Caudwell Children
  • Celebrity Fight Night Foundation
  • Children's Defense Fund
  • Muhammad Ali Parkinson Center
  • Red Cross
  • United Negro College Fund
  • United Service Organization

Recordes[editar | editar código-fonte]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Discografia de Whitney Houston

Álbuns em estúdio[editar | editar código-fonte]

Coletâneas[editar | editar código-fonte]

Trilhas sonoras[editar | editar código-fonte]

Compactos na primeira posição nos Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

Turnês[editar | editar código-fonte]

Whitney Houston em Milão, durante a Nothin' But Love World Tour

Para promover seu álbum de estreia, Whitney Houston iniciou em 26 de julho de 1986 a sua primeira turnê mundial a The Greatest Love Tour, que visitou a América do Norte, Europa, Japão e Austrália.

Sua segunda turnê mundial foi a The Moment of Truth World Tour, que iniciou na América do Norte em 4 de julho em Tampa, Flórida, onde Whitney cantou para mais de 70.000 pessoas e continuou em 1988 na Europa, Japão, Hong Kong e Austrália. Especialmente na Europa, Whitney visitou 12 países, se apresentando para mais de meio milhão de fãs, incluindo nove noites consecutivas na Wembley Arena, em Londres. A turnê foi uma das dez mais rentáveis turnês do ano[147] e apenas a etapa norte-americana arrecadou mais de 24 milhões de dólares, o suficiente para fazer dela a segunda artista que mais ganhou dinheiro no ano segundo a Revista Forbes.[148] Sua turnê seguinte foi a regional Feels So Right Japan Tour em 1990, com 14 shows e a mundial I’m Your Baby World Tour em 1991, que visitou a América do Norte, Europa e Japão, com uma série de mais de 100 shows. A turnê iniciou nos Estados Unidos com o show Welcome Home Heroes with Whitney Houston em 31 de março, em Norfolk, Virginia. O especial foi ao ar na HBO, dedicado às tropas que lutaram na Guerra do Golfo.

Com o enorme sucesso do filme O Guarda-Costas e sua trilha sonora, Whitney embarcou na turnê mundial The Bodyguard World Tour, que foi muito mais ampla que as anteriores e durou os anos de 1993 e 1994, com uma série de mais de 120 shows em todo o mundo. A turnê começou 5 de julho em Miami, Florida e visitou, além da América do Norte, Europa, Japão, América do Sul, incluindo o Brasil, e África do Sul. A turnê foi um enorme sucesso e arrecadou mais de 119 milhões de dólares, tornado-se uma da mais lucrativas da história.[149] Whitney fez cinco noites consecutivas de shows na famosa casa de espetáculos Radio City Music Hall, em Nova Iorque e em seguida, seis noites no Hotel Sands & Casino em Atlantic City.

Em 1997 Whitney embarcou na turnê regional Pacific Rim Tour , e fez sua primeira visita à Tailândia e a Taiwan.

Após o sucesso do álbum My Love Is Your Love, Whitney embarcou numa nova turnê mundial em 1999 para promover seu novo trabalho. A My Love is Your Love World Tour foi a maior bilheteria do ano na Europa e assistida por quase meio milhão de pessoas.[150]

Em 2004 Whitney iniciou a Soul Divas Tour, juntamente com Dionne Warwick e Natalie Cole.[151] A turnê teve incio 7 de julho em Hamburgo, Alemanha e visitou a Rússia, os Emirados Árabes Unidos, a Tailândia e a República Popular da China, com shows esgotados.[152]

Em 2010 Whitney embarcou na sua última turnê para promover o álbum I Look to You. A Nothing But Love World Tour, foi a primeira turnê mundial de Whitney em mais de 10 anos e visitou a Europa, Ásia e Austrália. Arrecadou mais de 36 milhões de dólares com uma série de 50 shows.[153]

Turnês Mundiais

  • 2010 - Nothin' But Love World Tour
  • 1999 - My Love is Your Love World Tour
  • 1993 - The Bodyguard World Tour
  • 1991 - I’m Your Baby Tonight World Tour
  • 1988 - The Moment of Truth World Tour
  • 1986 - The Greatest Love World Tour

Turnês Regionais

  • 2004 - Soul Divas
  • 1998 - The European Tour
  • 1997 - The Pacific Rim Tour
  • 1989 - Tour com Bebe & Cece Winans

Concertos Notáveis

  • 2010 - Nothin' But Love World Tour: Live From Nottingham
  • 2008 - Live From London: Caudwell Children’s Legend Ball
  • 1999 - Divas Live
  • 1997 - Classic Whitney Live from Washington, D.C.
  • 1996 - The Royal Wedding Celebration: Live in Brunei
  • 1994 - The Concert for a New South Africa
  • 1991 - Welcome Home Heroes with Whitney Houston
  • 1988 - Nelson Mandela 70th Birthday Tribute

No Brasil[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 1994 Whitney Houston esteve no Brasil, durante a The Bodyguard World Tour, fazendo 2 shows em São Paulo, 1 no estádio do Morumbi em 16/01 e outro na casa de shows Olympia, em 18/01. Em 23 de janeiro participou do evento Hollywood Rock no Rio de Janeiro, onde cantou grandes hits como: "Saving All My Love For You", "I Wanna Dance With Somebody", "Love Will Save The Day", "How Will I Know", "I Have Nothing", "I’m Every Woman" e "I Will Always Love You" levando uma multidão de fãs ao delírio.

Em Portugal[editar | editar código-fonte]

Whitney Houston deu um único concerto em Portugal, a 5 de Julho de 1998 no Estádio de Alvalade,[154] tendo o espectáculo ficado marcado na memória dos portugueses, pela cantora ter dito durante o concerto, «Olá, Espanha!».[155]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Em 2001 Whitney Houston produziu o filme The Princess Diaries (O Diário da Princesa) e a continuação The Princess Diaries 2: Royal Engagement em 2004. Whitney também produziu em 2003 o Filme Disney Channe (Disney Channel Original Movie) The Cheetah Girls, um musical baseado nos livros de Deborah Gregory. O filme, estrelado por Raven-Symoné, conta a história de 4 garotas que sonham ser superstars e criam o grupo Cheetah Girls. As Cheetah's estão ensaiando para o concurso de talentos da escola, quando são descobertas pelo famoso produtor musical Jackal Johnson.

Em 2006, Whitney também produziu a continuação do filme, The Cheetah Girls 2, que mostrava uma agitada viagem das quatro cantoras à Espanha.

Referências

  1. [[1]]
  2. [[2]]
  3. «Aos 48 anos, morre Whitney Houston». r7.com. Consultado em 12 de fevereiro de 2012 
  4. [[3]]
  5. [[4]]
  6. [[5]]
  7. [[6]]
  8. [[7]]
  9. [[8]]
  10. [[9]]
  11. [[10]]
  12. [[11]]
  13. TMZ (11 de fevereiro de 2012). «Whitney Houston Dead at 48» 
  14. Diário de Notícias (11 de fevereiro de 2012). «Morreu Whitney Houston». Arquivado do original em 19 de junho de 2013 
  15. G1 (11 de fevereiro de 2012). «Cantora Whitney Houston morre aos 48 anos» 
  16. [[12]]
  17. [[13]]
  18. [[14]]
  19. [[15]]
  20. Encyclopedia of African American history, 1896 to the present: from the age of segregation to the twenty-first century. Oxford University Press; 2009. ISBN 978-0-19-516779-5. p. 459–460.
  21. a b «Whitney Houston biography». whitneyhouston.com. 19 de agosto de 2009. Consultado em 22 de novembro de 2010. Arquivado do original em 11 de fevereiro de 2012 
  22. a b c Dobuzinskis, Alex (15 de setembro de 2009). «Whitney Houston says she is "drug-free"». Reuters. Consultado em 13 de janeiro de 2010 
  23. a b c «Whitney Houston Biography». whitneyhouston.com. Consultado em 12 de janeiro de 2010. Arquivado do original em 19 de janeiro de 2010 
  24. «Whitney Houston Sings Her Way to Stardom with Hit Album, Road Tour». Johnson Publishing Company. [[Jet (magazine)|Jet]]. 68 (24). 59 páginas. 26 de agosto de 1985. ISSN 0021-5996. Consultado em 7 de fevereiro de 2011 
  25. a b c Huey, Steve (2006). «Whitney Houston biography». Allmusic.com. Consultado em 13 de abril de 2009 
  26. «The 1986 MTV Video Music Awards The Winners!». Nielsen Business Media, Inc. Billboard. 98 (41) 11 de outubro de 1986. ISSN 0006-2510. Consultado em 7 de fevereiro de 2011 
  27. Corliss, Richard (13 de julho de 1987). «The Prom Queen of Soul». Time Inc. Consultado em 17 de março de 2007 
  28. A History of Soul Music. 18 de outubro de 2007. VH1 
  29. a b «Whitney Houston Biography». Rolling Stone. Consultado em 17 de março de 2011 
  30. «Whitney Houston: Do Céu do Gospel ao Inferno das Drogas». Consultado em 30 de dezembro de 2011 [ligação inativa]
  31. «Whitney Houston grava canções de natal». Consultado em 30 de dezembro de 2011 [ligação inativa]
  32. «Whitney Houston sai de clínica e planeja turnê». Consultado em 30 de dezembro de 2011. Arquivado do original em 4 de junho de 2004 
  33. «Whitney Houston: enfim, o divórcio». Consultado em 30 de dezembro de 2011 
  34. «Whitney no 17th Carousel of Hope Ball». Consultado em 30 de dezembro de 2011 
  35. «Ano novo Vida nova». Consultado em 30 de dezembro de 2011. Arquivado do original em 23 de junho de 2007 
  36. «Recuperada, Whitney Houston volta ao show biz com novo CD». Consultado em 30 de dezembro de 2011 [ligação inativa]
  37. «Whitney Houston assina contrato milionário e planeia próximo disco». Consultado em 30 de dezembro de 2011 
  38. «The Best So Far». Consultado em 30 de dezembro de 2011 
  39. «Whitney Houston trabalha em novo álbum». Consultado em 30 de dezembro de 2011 
  40. «Nova música de Whitney Houston já circula na internet». Consultado em 30 de dezembro de 2011 [ligação inativa]
  41. «Whitney Houston faz aparição gloriosa em festa pré-grammy». Consultado em 30 de dezembro de 2011 
  42. «Whitney Houston e Diane Warren». Consultado em 18 de junho de 2009. Arquivado do original em 23 de abril de 2009 
  43. a b «Whitney Houston trabalha com Swizz Beatz». Consultado em 30 de dezembro de 2011 
  44. «Cópia arquivada». Consultado em 25 de junho de 2009. Arquivado do original em 27 de junho de 2009 
  45. «Whitney Houston regressa com o disco 'I Look to You'». Consultado em 30 de dezembro de 2011 
  46. «Whitney Houston vende 305 mil cópias». Consultado em 30 de dezembro de 2011. Arquivado do original em 12 de janeiro de 2016 
  47. «Whitney Houston, R. Kelly Hit The Bar On Forthcoming Album». Consultado em 30 de dezembro de 2011. Arquivado do original em 10 de fevereiro de 2009 
  48. «I Look To You estreia em #27». Consultado em 30 de dezembro de 2012 
  49. «Million Dollar Bill #1». Consultado em 30 de dezembro de 2011 
  50. «Whitney Houston concede entrevista a Oprah Winfrey». Consultado em 30 de dezembro de 2011 
  51. «Oprah Entrevista Whitney Houston». Consultado em 30 de dezembro de 2011. Arquivado do original em 16 de abril de 2012 
  52. Singh, Anita (20 de outubro de 2009). «Whitney Houston's weird performance on The X-Factor gives her top five hit». Londres: telegraph.co.uk. Consultado em 20 de outubro de 2009 
  53. «Whitney Conquers Italy – Again!». whitneyhouston.com. 21 de outubro de 2009. Consultado em 12 de janeiro de 2010 
  54. «I Look To You vende 1 milhão de cópias». Consultado em 30 de dezembro de 2011 
  55. «Whitney Houston é a grande homenageada no AMA». Consultado em 30 de dezembro de 2011 
  56. «Whitney Houston – The 25th Anniversary Deluxe Edition». Consultado em 30 de dezembro de 2011 
  57. «Whitney Houston inicia turnê mundial». Consultado em 30 de dezembro de 2011 
  58. «Datas da turnê». Consultado em 30 de dezembro de 2011 
  59. «Top 50 Worldwide Concert Tours» (PDF). Consultado em 30 de dezembro de 2011. Arquivado do original (PDF) em 24 de janeiro de 2011 
  60. «Whitney Houston & Kim Burrell Perform At BET's Celebration Of Gospel Read more: Whitney Houston & Kim Burrell Perform At BET's Celebration Of Gospel | Necole itchie.com». Consultado em 30 de dezembro de 2011 
  61. «Whitney Houston Performs At Clive Davis' Pre-Grammy Party». Consultado em 30 de dezembro de 2011 
  62. «WHITNEY HOUSTON TO RETURN TO THE BIG SCREEN IN REMAKE OF 1976 FILM SPARKLE». Consultado em 30 de dezembro de 2011 
  63. «Depois de 15 anos, Whitney Houston volta aos cinemas» 
  64. «Whitney Houston circling 'Sparkle' musical remake with Jordin Sparks» 
  65. «Whitney Houston in Talks to Star in Music-Themed Drama 'Sparkle'» 
  66. «Sparkle» 
  67. «Whitney Houston's "His Eye Is on the Sparrow" Released». Consultado em 27 de setembro de 2012. Arquivado do original em 25 de fevereiro de 2014 
  68. «His Eye Is on the Sparrow» 
  69. «Último filme da Whitney Houston estreia em 5º lugar no ranking das maiores bilheterias do fim de semana». Consultado em 27 de setembro de 2012. Arquivado do original em 3 de outubro de 2012 
  70. [[16]]
  71. [[17]]
  72. [[18]]
  73. [[19]]
  74. [[20]]
  75. [[21]]
  76. [[22]]
  77. [[23]]
  78. [[24]]
  79. [[25]]
  80. [[26]]
  81. [[27]]
  82. [[28]]
  83. «Grammys 2012» 
  84. «Whitney Houston final performance» 
  85. «Whitney Houston haunting last performance» 
  86. «Whitney Houston tinha cocaína no organismo quando morreu» 
  87. «Whitney Houston Funeral: Singer Laid to Rest» 
  88. Whitney Houston (em inglês) no Find a Grave
  89. «Whitney Houston to be buried in Westfield: A Jersey girl comes home» 
  90. Mix96buffalo.com. «Bobbi Kristina Brown, Daughter of Whitney Houston and Bobby Brown, Dead At Age 22». Consultado em 26 de julho de 2015 
  91. «Autópsia explica morte de filha de Whitney Houston» 
  92. Dean, Maury (2003). Rock-N-Roll Gold Rush. [S.l.]: Algora Publishing. p. 34. ISBN 0875862071 
  93. a b Powers, Ann. «"Album Review: Whitney Houston's 'I Look To You'".». latimesblogs.latimes.com  Los Angeles Times. agosto 25, 2009
  94. «Blender Magazine's 22 Greatest Voices [MTV2]». Consultado em 30 de dezembro de 2011 
  95. «Higher and Higher. Mariah Daily Journal». Web.archive.org. Consultado em 11 de novembro de 2010. Arquivado do original em 1 de junho de 2008 
  96. «Powers, Ann. "Album Review: Whitney Houston's 'I Look To You'"». Consultado em 30 de dezembro de 2011 
  97. "If Ella Fitzgerald is the queen of jazz, Billie Holiday first lady of the blues, and Aretha Franklin the queen of soul, then who is the queen of pop? In the 1990s, it would seem to be a three-way tie between Whitney Houston, Mariah Carey, and Celine Dion. Certainly all three have their devotees and detractors, but their presence has been inescapable." in Lister, Linda (2001). «Divafication: The Deification of Modern Female Pop Stars». Popular Music and Society. 25 (3/4). 1 páginas. ISSN 0300-7766 
  98. Holden, Stephen (22 de julho de 1993). «Review/Pop; For Whitney Houston, Showy Doesn't Count: The Show Is the Voice». The New York Times. Consultado em 13 de março de 2011 
  99. Elysa Gardner (24 de novembro de 1996). «Oh, Whitney--for Heaven's Sake». Los Angeles Times 
  100. "Whitney Houston". Headliners and Legends. NBC. agosto 8, 2000.
  101. Hunt, Dennis (18 de janeiro de 1987). «Baker And The Rise Of Black Women In Pop». Los Angeles Times. Tribune Company. Consultado em 26 de março de 2011 
  102. a b c Huey, Steve. «Whitney Houston Biography». Allmusic. Consultado em 16 de outubro de 2010 
  103. Holden, Stephen. "The Pop Life; 1986, A Musically Conservative Year." NY Times. dezembro 31, 1986.
  104. Corliss, Richard, Elizabeth L. Bland, and Elaine Dutka (13 de julho de 1987). «Show Business: The Prom Queen of Soul». TIME. Consultado em 16 de outubro de 2010 
  105. 1st Annual BET Awards. Black Entertainment Television. junho 19, 2001.
  106. «"Review/Pop; Diana Ross Flirts With a Willing Audience"». The New York Times. 16 de junho de 1989. Consultado em 30 de dezembro de 2011 
  107. Song Woong-ki (8 de janeiro de 2010). «Whitney Houston to perform in Seoul». The Korea Herald. Consultado em 8 de janeiro de 2010 
  108. «Whitney Houston Biography». Rolling Stone. Consultado em 16 de outubro de 2010 
  109. «50 Most Influential RnB Stars». essence.com. 21 de junho de 2011. Consultado em 1 de julho de 2011. Arquivado do original em 28 de junho de 2011 
  110. a b «'I Look To You' Album Certified Platinum». whitneyhouston.com. 1 de dezembro de 2009. Consultado em 13 de janeiro de 2010 
  111. a b «Top Selling Artists». RIAA. Consultado em 9 de junho de 2008 
  112. Friedman, Roger (18 de dezembro de 2002). «Mariah Calls, Whitney Falls». Fox News. Consultado em 25 de abril de 2009. Arquivado do original em 4 de junho de 2009 
  113. «"Carey frees her spirit, and it is named 'Mimi'"». USA Today. 11 de abril de 2005. Consultado em 30 de dezembro de 2011 
  114. Johnson, Billy, Jr. (25 de junho de 2010). «Brandy On Whitney Houston's Self-Titled Debut: Black Music Month Album Spotlight #15». Yahoo! Music. Consultado em 17 de outubro de 2010 
  115. Seymour, Gene. "Destiny's real child, Jennifer Hudson looks headed for stardom, and maybe an Oscar, with 'Dreamgirls'". Newsday. dezembro 10, 2006. Page C06.
  116. Bull, Sarah (19 de outubro de 2007). «Leona Lewis' Spirited chart bid». The Boston Globe. Consultado em 18 de outubro de 2010 
  117. Newman, Melinda. "Jennifer Hudson to 'surprise duet' at Davis party". The Associated Press. fevereiro 6, 2008.
  118. «Celebrating Black Music». Johnson Publishing Company. EBONY. 61 (8). 166 páginas. Junho de 2006. ISSN 0012-9011. Consultado em 17 de março de 2011 
  119. Caldwell, Rebecca. "Destiny's Child". The Globe and Mail. julho 21, 2001 page R1.
  120. Mitchell, Gail (14 de novembro de 2009). The Elements of Style. [S.l.]: Billboard. Consultado em 19 de outubro de 2010 
  121. «I can't wait to come to India: Lady Gaga». IBN Live. Consultado em 16 de fevereiro de 2011 
  122. Toni Braxton Talks About Her Hit Love Songs, Sexy Image and Religious Background. [S.l.]: JET. 17 de janeiro de 1994. Consultado em 17 de outubro de 2010 
  123. Rodman Sarah. "Teen queen Aguilera belts 'em out like Whitney Houston". Boston Herald. setembro 5, 1999. Page 064
  124. a b c "Everybody Talk About Pop Music!". MTV. agosto 2001.
  125. Cordova, Randy. "R&B singer-songwriter Robin Thicke follows his own tune". Arizona Republic. março 4, 2009.
  126. Hall, Rashaun (27 de julho de 2002). Amerie Offers 'All' She Has. [S.l.]: Billboard. Consultado em 19 de outubro de 2010 
  127. Roberts, Damone (7 de outubro de 2010). «Beauty 101: Kelly Rowland's Next Chapter». Essence. Consultado em 17 de outubro de 2010. Arquivado do original em 12 de novembro de 2010 
  128. Talarico, Brittany (11 de novembro de 2009). «Whitney Houston to Take the Stage at the AMAs». OK!: Northern and Shell NA Ltd. Consultado em 17 de março de 2011. Arquivado do original em 16 de agosto de 2011 
  129. «POP MUSIC REVIEW: Houston Tops Off Record Night With Show's Highlight» 
  130. Dezzani, Mark (21 de maio de 1994). «World Music Awards Gaining Stature». Nielsen Business Media, Inc. Billboard. 106 (21). ISSN 0006-2510. Consultado em 9 de fevereiro de 2010 
  131. «The Greatest " Ep. 071 "50 Greatest Women of the Video Era"». VH1. 17 de maio de 2003. Consultado em 17 de março de 2011 
  132. «The 200 Greatest Pop Culture Icons Complete Ranked List». PR Newswire Association LLC. 21–25 de julho de 2003. Consultado em 17 de março de 2011 
  133. «The Billboard Hot 100 All-Time Top Artists». Nielsen Business Media, Inc. 2008. Consultado em 17 de março de 2011 
  134. «Transformers: Whitney Houston». AOL Black Voices. 2007. Consultado em 15 de janeiro de 2008 
  135. Holden, Stephen (16 de fevereiro de 1985). «Cabaret: Whitney Houston». The New York Times. Consultado em 13 de janeiro de 2009 
  136. «Who Will Come Out On Top Of VH1’s 100 Greatest Artists Of All Time? | Vh1 Blog». Blog.vh1.com. 25 de agosto de 2010. Consultado em 11 de novembro de 2010 
  137. «Top 50 R&B/Hip-Hop Artists of the Past 25 Years». Nielsen Business Media, Inc. 18 de novembro de 2010. Consultado em 17 de março de 2011 
  138. «The Rolling Stone 500 Greatest Albums of All Time». Rolling Stone. 18 de novembro de 2003. Consultado em 17 de março de 2011 
  139. «The Definitive 200». The Rock & Roll Hall of Fame. 2007. Consultado em 15 de janeiro de 2008. Arquivado do original em 13 de janeiro de 2008 
  140. Billboard 110 Years: A Billboard Anniversary Salute. [S.l.]: Billboard. 27 de novembro de 2004. Consultado em 19 de outubro de 2010 
  141. Susman, Gary (22 de junho de 2001). «Black Power, Plus Phantom Menace DVD will compete with pirated edit, another movie ad scandal, and more». Entertainment Weekly. Consultado em 12 de janeiro de 2010 
  142. «Ebony Magazine». books.google.com . p 138
  143. «Whitney Houston Charity Work». Consultado em 24 de outubro de 2011. Arquivado do original em 3 de novembro de 2009 
  144. «Whitney Houston's Live London Comeback» 
  145. «Whitney Houston Launches Charity Candles» 
  146. MacDonald, Patrick. "U2, Bon Jovi were top concert acts of 1987". Seattle Times. January 15, 1988. Page 5. Retrieved May 16, 2008
  147. "Bill Cosby Leads the Millionaire Entertainers". San Francisco Chronicle. September 7, 1987
  148. «As 10 turnês femininas mais lucrativas da história» [ligação inativa]
  149. «Whitney Houston World Tour '99 Becomes Europe's Highest Grossing Arena ever». Business Wire. 19 de outubro de 1999. Consultado em 25 de setembro de 2009 
  150. «Soul Divas show». www.people.com .People.com
  151. «Whitney tours Russia». www.classicwhitney.com 
  152. «Pollstar's Top 50 Tours Worldwide» (PDF). Pollstar. Associated Press. 29 de dezembro de 2010. Consultado em 1 de janeiro de 2011. Arquivado do original (PDF) em 24 de janeiro de 2011 
  153. «Morreu Whitney Houston [atualizado]». Blitz (revista). Consultado em 12 de fevereiro de 2012. Arquivado do original em 15 de fevereiro de 2012 
  154. «Whitney Houston: Autópsia inconclusiva». Público (jornal). Consultado em 7 de Março de 2013 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Categoria no Commons