Born This Way

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o álbum. Para a canção, veja Born This Way (canção).
Born This Way
Álbum de estúdio de Lady Gaga
Lançamento 23 de Maio de 2011
Gravação 2010–11
Género(s) Pop · electropop · dance-rock · electrorock · dance · electrónica
Duração 61:12
Formato(s) CD · vinil · USB flash drive · download digital
Editora(s) Interscope Records, Streamline Records, Kon Live Distribution
Produção Vincent Herbert (exec.) · Clinton Sparks · DJ White Shadow · DJ Snake · Fernando Garibay · Jeppe Laursen · Lady Gaga · RedOne · Robert John "Mutt" Lange
Cronologia de Lady Gaga
The Remix
(2010)
Born This Way:
The Remix

(2011)
Singles de Born This Way
  1. "Born This Way"
    Lançamento: 11 de Fevereiro de 2011
  2. "Judas"
    Lançamento: 15 de Abril de 2011
  3. "The Edge of Glory"
    Lançamento: 9 de Maio de 2011
  4. "Yoü and I"
    Lançamento: 23 de Agosto de 2011
  5. "Marry the Night"
    Lançamento: 15 de Novembro de 2011

Born This Way é o segundo álbum de estúdio da cantora, compositora e produtora musical norte-americana Lady Gaga. Foi lançado a 23 de Maio de 2011 e distribuído pela Interscope Records. Born This Way é notavelmente diferente dos álbuns anteriores de Gaga, como incorpora uma vasta gama de elementos de vários géneros musicais, inclusive a ópera, o heavy metal, o disco e o rock and roll, e funde os elementos com sons de electropop e dance. Também é fortemente inspirado pelo synthpop e pela música electrónica das décadas de 80 e 90. Na gravação das canções, Gaga trabalhou com vários produtores, incluindo RedOne, Fernando Garibay, Jeppe Laursen e DJ White Shadow, e contou com a participação de artistas como Clarence Clemons e Brian May. Com Born This Way, a cantora teve mais controle de sua direcção musical e composição.

De Born This Way surgiram cinco singles. A faixa homónima alcançou o topo das tabelas de trinta e um países, incluindo os Estados Unidos, onde tornou-se o terceiro single de Gaga a atingir o pico nessa posição. Ele tornou-se o single com a venda mais rápida da história da iTunes Store, tendo vendido mais de um milhão de cópias nos seus primeiros cinco dias. "Judas" atingiu o pico entre as dez melhores colocações de dezanove países, incluindo os EUA. "The Edge of Glory" tornou-se em pouco tempo o terceiro single do álbum devido a boas vendas no iTunes. Estreou no número três nos EUA e liderou as tabelas do Brasil, Eslováquia, Coreia do Sul e Japão. "Yoü and I" estreou nos Estados Unidos no número trinta e seis, tendo mais tarde atingido o pico no número seis. "Marry the Night" estreou na tabela nacional no número setenta e nove, e no Canadá no número noventa e nove. "Hair" foi lançado como o único single promocional do disco.

Considerado um dos álbuns mais esperados de 2011, foi recebido com opiniões positivas pela crítica contemporânea especialista, que elogiou os vocais da artista e os estilos musicais variados do álbum. Porém, o uso repetitivo da palavra "Jesus", bem como o emprego de sinos de igreja e vozes de monge em muitas das faixas, provocaram reacções negativas de algumas sociedades cristãs, incluindo as do Líbano, onde Born This Way foi temporariamente banido. Apesar de tais conflitos, o disco liderou as tabelas em vinte e três países. Estreou no topo nos EUA, com a primeira semana de vendas igual a um milhão e cento e oito mil cópias. Mais de 430 mil destas vendas foram a um preço especial de USD 0,99, que a Amazon.com ofereceu por dois dias durante a primeira semana de lançamento do álbum.

Antecedentes e desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

A artista a interpretar "Yoü and I" no The Today Show a 9 de Julho de 2010.

Em Março de 2010, em entrevista à MTV britânica, Gaga afirmou que havia começado a trabalhar no seu novo álbum e que já havia terminado de escrever o tema central do mesmo: "... sem dúvida este é o meu melhor trabalho até hoje. A mensagem, a melodia, a direcção, o sentido. É uma libertação total."[1] Três meses depois, em entrevista à Rolling Stone, afirmou que a produção do seu segundo disco já havia sido concluída, mas o projecto não seria lançado até 2011: "Eu tenho trabalhado nisto há meses, e sinto fortemente que foi concluído agora. Alguns artistas levam anos. Mas eu não. Foi rápido, pois escrevo todos os dias... Ele [será] o hino da nossa geração. Ele inclui a melhor música que eu já escrevi. Eu já escrevi o primeiro single do novo álbum e prometo a você que este álbum é o maior da minha carreira."[2] Em uma entrevista em Setembro, ela afirmou que "o álbum é o melhor trabalho perfeito que alguma vez fiz e estou muito animada com isso."[3] Troy Carter, empresário de Gaga, afirmou sobre o álbum: "Estamos muito animados. Estamos a começar a reproduzir um pouco para as pessoas e a obter uma sensação sobre ele, e ela fez um trabalho incrível." O produtor RedOne adicionou: "Eu acho que este é mais o seu álbum de liberdade. [... Este] disco que ela está a fazer é precioso demais para falar."[4] Akon, outro produtor, afirmou que com Born This Way, Gaga iria levar a música para o "próximo nível".[5] A 9 de Julho de 2010, a cantora cantou "Yoü and I" no The Today Show e, embora a mesma já vinha sendo interpretada desde concertos da The Monster Ball Tour, afirmou que ela não era um indicativo do som do novo álbum que, segundo a cantora, seria "o hino para a geração da próxima década".[6][7] Embora tenha inicialmente dito que apenas anunciaria o nome do disco no fim do ano, Gaga acabou revelando o mesmo ao vencer na categoria "Vídeo do Ano" por "Bad Romance" na cerimónia dos prémios Video Music da MTV.[8][9]

"Born This Way é a minha resposta para muitas questões ao longo dos anos: Quem é você? De que fala você? [...] O tema mais supremo na gravação é eu tentando entender como posso existir como mim própria como alguém que vive entre a fantasia e a realidade ao mesmo tempo."

— Gaga em uma entrevista sobre Born This Way à MTV.[10]

Na paragem da The Monster Ball Tour em Gdansk, Polónia a 26 de Novembro de 2010, Gaga prometeu que o disco seria o álbum da década e que já estava completamente terminado e cheio de "batidas dançantes".[11][12] Foi confirmado em uma entrevista à Vogue que das dezassete faixas gravadas para o álbum, quatorze delas iriam aparecer na edição final da versão padrão e as três restantes seriam lançadas em uma edição deluxe exclusiva na loja digital Target.[13][14] Contudo, a parceria com a loja foi terminada devido a uma doação de 150 mil dólares desta última à organização anti-homossexual Minnesota Forward.[15]

Na véspera de Ano Novo foram reveladas datas de lançamento do álbum.[16] Em entrevista à BBC, a cantora confirmou que o primeiro single seria lançado em Fevereiro de 2011 e o álbum "em breve".[17][18] A 2 de Março de 2011, foi revelada a obra "Government Hooker" e ainda realizada uma ante-estreia de uma versão remixada de "Scheiße" no desfile de moda do designer Thierry Mugler, para o qual Gaga havia sido nomeada directora musical.[19][20] DJ White Shadow, o produtor de "Government Hooker", declarou que a música era "uma besta" e afirmou que Born This Way "não é um álbum pop, mas sim uma obra de arte de música pop".[21] Em uma entrevista à KISS FM, Gaga confirmou que o álbum não teria colaborações com outros cantores.[22]

"O álbum é a união da música electrónica com melodias com muitas batidas de dança. Está terminado e tudo, [agora] é simplesmente ajuste de afinação a tudo. É como um tipo de etapa pós-operatória do álbum. Já fiz a cirurgia de coração inteiro. Estou apenas costurando-me novamente. Liricamente, acho que este álbum é mais poético. É realmente escrito pelos fãs, que realmente escreveram isso para mim, pois toda noite eles canalizam muito em mim. Então eu escrevi para eles. Born This Way é toda sobre os meus little monsters e também sobre mim, mother monster."

— Gaga em entrevista à coluna Newsbeat da BBC.[17]

A capa de Born This Way foi revelada a 15 de Abril de 2011.[37] Ela apresenta a cantora fundida em uma motocicleta.[38] O seu nome não aparece na mesma — o único texto é escrito na parte superior, a ler o nome do álbum.[39] A capa foi recebida com opiniões negativas por parte de críticos e fãs. Sean Michaels, do The Guardian, achou que "... se parece mais com um trabalho de Photoshop barato do que de um dos álbuns mais esperados do ano... foram-se os óculos futuristas, os cortes de cabelo assimétricos, até mesmo os chifres mágicos de Gaga, ao invés, uma moto mutante com os braços e cabeça de Gaga, além de uma fonte de texto cromado de porcaria". Michaels fez referência a várias mensagens de fãs no fórum oficial de Gaga que expressavam o seu desagrado pelo trabalho.[40] Andrew Martin, da Prefix Magazine, descreveu a capa como "uma rejeição do último filme Terminator", bem como Rick Porter, do Zap2it, que acrescentou que ela é "estranha" e muito diferente das capas dos seus lançamentos anteriores.[41][42] Tris McCall, do The Star-Ledger, achou que foi "uma das piores artes relacionadas com CD alguma vez feita".[43] A capa da versão especial de Born This Way foi lançada dois dias depois e é apenas um recorte da imagem versão padrão que apresenta apenas a cabeça da artista. Os nomes da artista e do disco aparecem no canto superior esquerdo, digitadas na fonte Impact, com o nome do álbum destacado com fundo branco e letras pretas. Nenhuma das palavras "especial" ou "deluxe" não aparecem em algum lugar pois Gaga quis assim.[44]

A 17 de Abril seguinte, a cantora relatou que o disco teria duas versões: a versão especial, consistente em dezassete canções e cinco remixes, e a versão padrão, com quatorze músicas.[45] Internacionalmente, Born This Way estreou a 18 de Maio de 2011 no Spotify da Suécia, Noruega, Países Baixos, Finlândia e Espanha, assim como pela página online do jornal britânico Metro.[46][47] O lançamento mundial ocorreu a 23 de Maio de 2011.[48] O Amazon.com vendeu a versão padrão do disco por USD 0,99 na data de lançamento, para promover o seu serviço de Cloud Drive nos EUA. "Hair" foi lançada como um single promocional a 16 de Maio.[49] "Marry the Night" foi lançada no jogo virtual FarmVille a 17 de Maio,[50] seguida por "Eletric Chapel" no dia seguinte,[51] e "Fashion of His Love" no dia após este.[52] O remix do DJ White Shadow desta canção tornou-se disponível no Farmville, bem como "Government Hooker", "Americano", "Scheiße", "Bad Kids", "Yoü and I" e "Born This Way (Jost & Naaf Remix)", e foram transmitidas online entre 20 e 23 de Maio de 2011.[53]

Estrutura musical e conteúdo lírico[editar | editar código-fonte]

"É como Whitney, mas imagine se Bruce Springsteen tivesse um bebé com Whitney — é isso que é. [...] E foi isso! Fizemos um bebé. Finalmente! Após toda aquela fornicação miseravelmente longa e tediosa, Fernando e eu finalmente concebemos."

— Gaga a falar sobre a concepção de "Marry the Night".[54]

Em termos de composição musical, Born This Way é considerado um afastamento notável dos trabalhos anteriores de Gaga, que consistiam em elementos de electropop, house music e dance-pop,[55] enquanto Born This Way, apesar de ser composto principalmente por músicas dance de ritmo moderado,[56] incorpora uma ampla gama de elementos multi-géneros, inclusive ópera, new wave e mariachi, além de apresentar uma maior variedade de instrumentos e estilos musicais.[57][58]

Canções como "Marry the Night", "Hair", "Highway Unicorn (Road to Love)" e "The Edge of Glory" contêm influências de Bruce Springsteen.

O álbum abre com "Marry the Night", uma canção escrita como homenagem à Nova Iorque e gravada em um estúdio dentro do autocarro da The Monster Ball Tour.[59] Musicalmente, é um tema dance-pop com batida de música house influenciada por disco, techno e funk.[60][58][61] A faixa seguinte, "Born This Way", tem sonoridade eurodisco e contém um órgão. Gravada no Abbey Road Studios em Londres e Germano Studios em Nova Iorque, o seu conteúdo lírico aborda a igualdade e incentiva o ouvinte a perseguir os seus sonhos. Composta por Gaga e Jeppe Laursen, e produzida pelos dois com o auxílio de Fernando Garibay e DJ White Shadow, foi bastante comparada a "Express Yourself" de Madonna.[62][63][64] A terceira canção, "Government Hooker", foi gravada no Studio at the Palms em Las Vegas e inclui elementos de ópera,[65] com uma melodia techno[66]/trance/música industrial,[67] bem como influências de hip hop nas batidas.[66] Gravada no Gang Studios em Paris, a canção seguinte, "Judas", é uma obra sobre traição influenciada pela personagem bíblica de mesmo nome,[68] com sonoridade dance-pop e electropop influenciada por música industrial.[69][70]

"Bem, eu queria levar a música pop para um novo caminho, e você sabe como são as coisas do costume. Eles [os meu fãs] têm se comportado nos últimos dois anos como um culto, um culto de heavy metal. Tenho estado a ouvir metal por um período tão longo, eu fui a muitos concertos diferentes, eu vi Iron Maiden ao vivo e fiquei muito inspirada. E percebi que queria criar um álbum híbrido, uma gravação avant-garde techno-rock que é realmente muito pesada e industrial em uma extremidade, e muito alegre e pop em outra. Por isso, é música pop com uma mensagem muito muito muito forte e muito desconfortável."

— Gaga, em entrevista ao Yahoo!, a abordar a sua inspiração na composição das canções do álbum.[71]
Fernando Garibay, frequente colaborador de Gaga, trabalhou em onze faixas de Born This Way.

Seis outras faixas do álbum foram também gravadas no estúdio do autocarro de digressão: "Americano", "Hair", "Scheiße", "Bloody Mary", "Bad Kids" e "Highway Unicorn (Road to Love)". A primeira é uma obra essencialmente pop influenciada por house, techno e disco-pop que incorpora fortemente o mariachi cujas letras abordam o "Sonho Americano" e contêm vários assuntos religiosos, culturais e políticos, inclusive a Lei de Imigração do Arizona, a Arizona SB 1070, uma medida extremamente rígida implantada contra a imigração ilegal para aquele estado.[67][72] A seguir vem "Hair", um tema sobre expressar a liberdade individual através do cabelo com melodia dance-pop influenciada por rock e heavy metal similar ao popularizado por artistas como Bruce Springsteen, Iron Maiden e Kiss.[73] "Hair", bem como "The Edge of Glory", são obras distinguíveis do resto do álbum pois um saxofone, tocado por Clarence Clemons, pode ser ouvido.[74] Idealizada após Gaga ter passado uma noite de curtição com os seus amigos em uma discoteca em Berlim, "Scheiße" contém letras em alemão e uma mensagem de feminismo, acompanhada por uma melodia dance-pop que levemente incorpora elementos notórios de música techno e electroclash, bem como o eurodisco.[58] "Bloody Mary", a oitava faixa, é uma canção de ritmo lento com inúmeras referências religiosas e uma melodia influenciada por trance. Um dos seus segmentenos inclui um coro vocal masculino inspirado em canto gregoriano.[65][72] "Bad Kids", a faixa seguinte, é um tema pop influenciado por heavy metal e synthpop dos anos 1980 com uma batida disco comparada à de obras de Donna Summer e instrumentação acompanhada por piano e guitarras eléctricas características de música rock. O seu conteúdo lírico foi descrito como uma "ode aos jovens delinquentes que atribuem a culpa dos seus falhanços aos seus pais".[67] "Highway Unicorn (Road to Love)", a décima faixa de Born This Way, foi descrita como um tema de electropop influenciado por música dance e rock com elementos de música industrial. Gaga revelou que Springsteen foi uma enorme influência enquanto compunha as letras e produzia a faixa. Clemons também tocou o saxofone em "Highway Unicorn (Road to Love)".[72]

Brian May, guitarrista da banda Queen, tocou uma guitarra eléctrica em "Yoü and I", faixa na qual usou uma amostra de "We Will Rock You".

"Heavy Metal Lover", gravada nos Paradise Studios em Hollywood, é uma faixa electropop com um toque de synthpop e tendências de música techno. Foi considerada como a "faixa mais eléctrica e futurista do álbum", com produção baseada em sintetizadores e batidas electro-industriais. O seu conteúdo lírico contém várias referências sexuais implícitas, nas quais a cantora chama pelo seu "amante de heavy metal", que especula-se ser o modelo Lüc Carl, ex-namorado de Gaga.[58][72][75] "Heavy Metal Lover" foi a última canção a ser gravada para Born This Way, e nem sequer estava quotada para fazer parte da versão padrão do disco. De seguida vem "Electric Chapel", um tema pop/rock que contém uma vasta gama de diferentes influências sonoras notórias durante a década de 1980, inclusive o heavy metal e o jazz. Foi gravada nos Sing Sing Studios em Camberra e nos Officine Mechaniche Studios em Milão. A artista declarou que canalizou a banda Duran Duran enquanto gravava a faixa, cuja letra combina questões sobre amor monogámico, sexo e pureza espiritual. Em uma entrevista, o conceito de "capela eléctrica" ​​foi descrito por si como "um lugar onde os fãs vão à procura de amor".[58][67] Co-produzida por Robert John "Mutt" Lange e gravada no Warehouse Productions em Omaha e no estúdio Allertown Hill no Reino Unido,[76] "Yoü and I" é uma balada rock and roll de ritmo lento com elementos de country rock e instrumentação consistente em piano e guitarra eléctrica tocada por Brian May, guitarrista dos Queen, que usa uma amostra de "We Will Rock You".[77][78][79] Gaga descreveu May como "alguém lendário".[80][81] Gravada nos The Living Room Studios em Oslo, "The Edge of Glory" é a faixa de encerramento do disco, A principal inspiração de Gaga ao compor a canção foi a morte do seu avô em Setembro de 2010, que ela afirmou tê-la afectado profundamente. Acompanhada por um solo de saxofone por Clemons, tem uma melodia semelhante a trabalhos de Springsteen e contém várias qualidades similares a obras musicais de adult contemporary da década de 1980.[82]

Gaga declarou ter canalizado a banda Duran Duran enquanto gravava "Electric Chapel".

Três faixas bónus foram inclusas na versão especial de Born This Way. "Black Jesus † Amen Fashion", a primeira das quais, é fruto de uma colaboração com o DJ White Shadow e é um tema pop com elementos notáveis de música electrónica e instrumentação simples consistente em teclado, bateria, baixo, entre outros. Gravada no Hotel Setai em Miami Beach, o seu conteúdo lírico contém inúmeras referências relativas à moda, religião e a Cidade de Nova Iorque, na qual Gaga nasceu e cresceu, e sua sonoridade foi comparada a obras lançadas por de Madonna e pela dupla Justice na década de 1980.[83][83][84] Uma das primeiras faixas compostas para Born This Way, "Fashion of His Love", fruto de uma colaboração com Garibay gravada nos Sing Sing Studios, é uma obra dance-pop cujo conteúdo lírico contém uma referência ao falecido estilista britânico Alexander McQueen, que era um grande amigo da cantora. A sua instrumentação recebeu comparações a "I Wanna Dance With Somebody (Who Loves Me)", canção de Whitney Houston.[85] A última das faixas bónus é "The Queen", uma outra colaboração com Garibay gravada no The Living Room Studios. Musicalmente, é uma canção disco com elementos notáveis de rock e instrumentação simples consistente em teclado, sinos, guitarras eléctricas, entre outros. O seu conteúdo lírico foi visto por analistas musicais como contendo referências à valentia, feminismo e também a McQueen.[86] A voz de Gaga em "The Queen" foi comparada à da artista Gwen Stefani e a sua produção comparada à de "The Edge of Glory".[87][88]

Repercussão[editar | editar código-fonte]

Crítica profissional[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Pontuações agregadas
Fonte Avaliação
Metacritic 71/100[89]
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
AllMusic 3.5 de 5 estrelas.[90]
The Washington Post (negativa)[91]
Time (mista)[92]
The Independent 3 de 5 estrelas.[93]
Los Angeles Times 4 de 5 estrelas.[94]
NME (positiva)[55]
Rolling Stone 4 de 5 estrelas.[95]
Slant 4 de 5 estrelas.[96]
Spin 8 de 10 estrelas.[60]
Yahoo! Music (positiva)[97]

No geral, Born This Way recebeu críticas positivas pelos críticos especialistas em música contemporânea. O Metacritic, um sítio musical agregador que atribui uma classificação normalizada de cem a cada opinião dos críticos de música mainstream, atribuiu ao álbum uma média de pontuação de 71, com base em 32 comentários, o que significa "opiniões geralmente favoráveis".[89]

Dan Martin, para a revista NME, elogiou a artista por puxar os seus limites musicais até o "último nível", afirmando que "Gaga não sabe quando deve se reter — e isto é uma coisa muito boa".[55] Avaliando o álbum com a pontuação máximo de cinco estrelas, Bill Lamb, para o portal About.com, afirmou que "Gaga solda disco e guitarras de metal descaradamente, a abraçar todas as suas influências musicais em um confronto de estilos loucos com os quais não trabalha frequentemente", e concluiu que "Born This Way começa e termina muito próximo da perfeição".[98] Sal Cinquemani, para a Slant Magazine, encontrou semelhanças com o segundo trabalho dos The Killers, Sam's Town, descrevendo ambos trabalhos como "inchado, auto-importante, com orgulho americano, um exercício em excesso extraordinário".[96] James Montgomery, para a MTV, elogiou a mescla eclética de canções, comentando: "minha primeira impressão é esta: Born This Way é um álbum enorme. É valente e audaz, e um pouco tonto às vezes, mas Gaga leva tudo perfeitamente. [...] É algo para todos."[99] Um resenhista do BBC Music descreveu o álbum como uma "gravação maravilhosa", e elogiou Gaga por "realmente colocar um pouco de esforço e imaginação de volta ao pop".[100] Rob Sheffield, para a Rolling Stone, elogiou os vocais e o estilo musical da cantora, afirmando que "não há um momento subtil no álbum" e que "a música é cheia de detalhes emocionais bem notáveis."[95] Por outro lado, a edição espanhola da mesma revista fez uma análise menos favorável, dizendo que "houve tanto barulho que quando o fim chega, este disco fica com um gosto antiquado", contudo, destacou o talento de Gaga e opinou que "apesar de bruto, Born This Way é variado e divertido às vezes."[101] Diego Mancusi, da versão argentina da revista, deu três estrelas de um máximo de cinco, escrevendo que Born This Way "é uma espécie de compilação apócrifa de canções — pura [música] sintetizada dos anos 80 ideal para um canto inglês de merda que assenta em auto-tune." Todavia, destacou "Bloody Mary" e "Yoü and I".[102]

"Born This Way tem todas as batidas electrónicas e refrães de eurodance que The Fame Monster possui. Mas a surpresa é a forma com que Gaga rouba as letras de Bon Jovi, Pat Benatar, e Eddie Mony. O que torna Born This Way tão grande é que Gaga soa quente e humana. Não há um único momento no disco onde a música não está cheia de detalhes emocionais. Gaga adora as declarações fortes, pela mesma razão que ama a dance e as guitarras do metal pop, porque soam como ecos de seu coração torcido de rock and roll. Essa é a realização de Born This Way."

— Rob Sheffield na sua análise do álbum para a revista Rolling Stone.[95][103]

Kitty Empire, para o jornal The Guardian, elogiou a audácia da cantora por incluir um saxofone em música pop e, embora tenha criticado "Heavy Metal Lover" por não conter nenhum género metal, achou que a faixa foi um dos momentos mais inesperavelmente doces do álbum. Ela concluiu atribuindo ao disco uma pontuação de três de um máximo de cinco, afirmando: "Muitas canções aqui foram criadas de géneros radicalmente diferentes e colocadas juntas para uma geração com défice de atenção: uma canção pode iniciar com um interlúdio de um género, seguir de um verso para outro, ir de novo para um pré-refrão supresa, acompanhado de um refrão de levantar o punho, antes de inserir um middle eight grave."[104] Um resenhista da revista Spin achou que "[o álbum] faz um argumento convincente de que ela está a evoluir para a nossa estrela pop mais surrealmente brilhante".[60] Adam Markovitz, para a revista eléctronica Entertainment Weekly, classificou o álbum como "gratificante, mas descontroladamente desigual".[105] Apesar de criticar a cantora por "nunca deixar as habilidades escaparem como uma compositora nem por tão pouco", Stephen Thomas Erlewine, editor do Allmusic, deu ao álbum três estrelas e meia de um máximo de cinco, e elogiou a "sensibilidade" de Gaga na composição e a sua "destreza considerável em entregar o básico".[90] Nick Andersen, para o The Wall Street Journal, concordou com os outros críticos, descrevendo o disco de "indesculpavelmente enorme".[106]

"...Born This Way vem após um trabalho intenso com The Fame e The Fame Monster nos últimos anos. A faixa homónima apresenta uma visão expandida na personalidade de 'voz das massas' de Gaga que ela constrói desde que explodiu na popularidade..."

— Jeremy Gordon na sua análise de Born This Way para a Prefix Magazine.[107]

No entanto, Greg Kot, do Chicago Tribune, sentiu que o álbum foi feito às pressas, descrevendo-o como "abafado".[108] Kot expressou que ele parecia como "o som de uma grande artista a correr contra o tempo para agradar a todos o tempo todo".[108] Randall Roberts, do Los Angeles Times, opinou que Gaga teve falta de inovação, afirmando que a "aventura musical não é um de seus pontos fortes".[94] Ele continuou: "Ela é nada subtil em sua mensagem, nada subtil em seu vestido, e mais importante, nada subtil esteticamente. [...] Se Gaga tivesse passado tanto tempo a empurrar as fronteiras musicais, Born This Way teria sido muito mais bem sucedido".[94] Chris Richards, do The Washington Post, chamou o álbum de "enfadonho", escrevendo: "Sim, Born This Way é uma audição obscura, densa e surpreendentemente agressiva ... [mas] no seu pior, parece-se com as sobras de algumas bandas sonoras reaquecidas de filmes dos anos 80."[91] James Reed, para o The Boston Globe, chamou o álbum de "o momento mais vazio na música pop neste ano", dizendo que o álbum não tem coesão, e as composições "não têm sabor".[109]

O The Independent deu a Born This Way três estrelas a partir de uma escala de cinco. Embora elogiando seu alcance vocal, criticou a diversidade e afirmou que "quanto mais amplo ela estende suas armadilhas musicalmente, menos distintiva a sua arte se torna."[93] Evan Sawdey, do PopMatters, deu cinco estrelas a partir de uma escala de dez, e apelidou-o de "o seu álbum mais fraco até hoje", comentando que "funde algumas composições ousadas com alguns temas extremamente repetitivos e batidas".[110] Rich Juzwiak, do The Village Voice, comentou que "o sentimento de 'nós-iremos-superar' de Gaga é expresso da forma mais eficaz através da utilização igualitária de batidas de house do que através de seus slogans", que ele achou "banais" e "[não] perspicazes".[111] Em seu guia do consumidor para o MSN Music, Robert Christgau viu o álbum como não emparelhado com The Fame ou The Fame Monster, mas acrescentou que "ambos continuam a crescer, e com seu ímpeto louco e temáticas malucas, este poderia também."[112]

Arwa Haider, para o jornal britânico Metro, apontou as faixas "Americano", "Government Hooker" e "Heavy Metal Lover" como futuros êxitos e descreveu o disco como "implacável".[113] Tris McCall, para o The Star-Ledger, não gostou de Born This Way, afirmando que Gaga soa como Bonnie Tyler e descrevendo a produção como "descomunal, um desenho animado, implacável e exaustiva". Todavia, notou "The Edge of Glory" como o melhor trabalho dela.[43] Um resenhista da Time Out fez uma análise mista ao álbum, escrevendo que questiona-se "quanto sentido uma gravação feita tão bem para impacto máximo na pista de dança faz fora da discoteca" e que Gaga "é a coisa mais próxima a Grace Jones que não é Grace Jones. E eu aplaudo-a por isso."[114] Um analista do The Daily Mirror disse que Gaga "reina sem piedade uma mistura de batidas fortes de dance, refrães de banda marcial Cossack, e canções enchidas com referências à liberação sexual, uísque, espíritos rebeldes em voo e iconografia católica romana remodelada."[115] Jacqueline Smith, para o The New Zealand Herald, deu ao disco três estrelas e meia a partir de uma escala de dez e descreveu-o como uma concepção imaculada: "... soa menos notável do que toda a personalidade construída à sua volta."[116]

Claire Suddath, para a Time, chamou as experiências de álbuns de estúdio de Gaga de "fracas", argumentando que Gaga "confia muito em sintetizadores e efeitos vocais, que suavizam todas as suas arestas até ela soar como uma versão eurodance de Madonna ('Scheiße'), Sister Sledge ('Born This Way') ou Whitney Houston nos primeiros dias ('Fashion of His Love')." Suddath disse que "Judas" é um "clichê" e apontou "Born This Way" e "The Edge of Glory" como os destaques do álbum. "Música dance não tem de mudar o mundo, claro. Born This Way tem o seu mérito e irá definitivamente fazê-lo querer mover. Eu queria apenas que fosse muito mais. [...] Eu esperava que a sua música soasse tão interessante como ela parece."[92] Channing Freeman, para o Sputnikmusic, também fez uma análise negativa, opinando que "o álbum foi escrito para os seus little monsters, e eu tenho a certeza que eles vão adorar, mas para todos os outros (a maioria dos seus fãs), não há grande coisa aqui." Freeman achou que "as músicas do disco soam como Gaga, mas são mais abrasivas, menos focadas, e isso não é uma coisa boa. [...] a criatividade desapareceu, modificada a favor de vocais balbuciantes distorcidos e electrónicos que gritam títulos de canções por vezes sem conta."[117] Adrian Thrills, para o Daily Mail, descreveu-o como uma "mistura energética excelente de pop, dança electrónica e rock lustroso dos anos 80" e achou que as influências de Bruce Springsteen foram subtis.[118] Nitsuh Abebe, para a New York Magazine, vê o disco como "tal e qual Law & Order: Special Victims Unit: um formato bem-vestido, esbravejado em sensacionalismo mal-arranjado, parte drama sincero sangrento, parte brincalhão ridículo, e definitivamente esperando que você pergunte bem alto se aquela última coisa realmente aconteceu."[119]

Por outro lado, Joanna Holcombe, para o Yahoo! Music, escreveu que o som de Born This Way "é uma progressão natural dos seus estilismos originais e liricismo", e que não consegue parar de dançar quando ouve o álbum. Holcombe elogiou os ganchos das músicas e terminou a análise dando oito estrelas a partir de uma escala de dez.[97] Melinda Newman, para o HitFix, concordou com Holcombe, como achou que Born This Way é o trabalho mais desafiante de Lady Gaga. No entanto, ela disse que não sentiu empatia com o álbum, "apesar da toda a alma e coração que Gaga colocou dentro dele", e opinou que os refrães das faixas são repetições de outras obras da artista, comparando o de "Judas" com os de "Bad Romance" e "Paparazzi". "Eu admiro muito Born This Way, eu só desejo ter gostado mais."[120] Natalie Kaye, para o Contact Music, achou que as dezassete faixas do álbum poderiam ter sido resumidas em "doze excelentes canções".[121] Sean Daly, para o Tampa Bay Times, classificou Born This Way com um B+ e disse que ele é "tedioso mas não terrível. De facto, é vivo, forte e arrojado. Que pena que não se nota isso em todo o álbum." Daly condenou a intérprete por copiar a música e traje de Madonna "em vez da sua habilidade subestimada: sobrevivência."[122] Möhammad Choudhery, para o Consequence of Sound, deu três estrelas a partir de uma escala de cinco e afirmou que quase todas as faixas do álbum são "fortemente encharcadas pelas mesmas grandes explosões de sintetizadores de discoteca e batidas básicas dolorosas".[123] Thomas Conner, para o Chicago Sun-Times, deu duas estrelas a partir de uma escala de cinco, descreveu o seu novo som como "ambicioso" quando comparado com os seus trabalhos anteriores, e afirmou que o disco "mostra as suas capacidades vocais", além de ter criticado a sua falta de criatividade ao copiar Madonna.[124]

Peter Buchanan, para o portal Examiner.com, escreveu que "Born This Way é o pior álbum por uma grande superestrela desde que Madonna lançou American Life há quase uma década", explicando que a causa principal é a tentativa esforçada de Gaga de emular Madonna e os resultados "desesperados" disto. Contudo, Buchanan apontou "Government Hooker", "Marry the Night" e "Americano" como os destaques do disco.[125] Miguel Dumaual, para o sítio da ABS-CBN, também fez uma análise negativa à obra, chamando a faixa homónima de "cópia". Porém, destacou "Marry the Night" e "Yoü and I".[126] Genevieve Koski, para o The A.V. Club, classificou o álbum com um B a partir de uma escala de A a F, afirmado que ele é "uma declaração de decisão que é indesculpável desde a primeira nota à última" e "o tipo de álbum que apenas poderia vir de alguém que diz, 'Eu prefiro uma dose gigante de treta em qualquer dia do que a verdade.'"[127] Nathan Jolly, para o The Music Networks, escreveu que gostou do álbum, principalmente dos pianos de "Marry the Night" e da influência de Kate Bush em "Government Hooker", mas criticou Gaga por ela tentar imitar Madonna e David Bowie.[128] Craig Jenkins, para a Prefix Magazine, avaliou o disco com um 6 a partir de uma escala de dez, considerando Born This Way como "uma carta de amor gigante para a música dos anos 80." Jenkins apontou que as músicas do álbum não trazem algo de novo e criticou Gaga por deixar as músicas serem influenciadas pelos seus "cometimentos conceituais arrogantes".[129] Elysa Gardner, para o USA Today, deu três estrelas e meia a partir de uma escala de quatro e descreveu o novo som da cantora como sendo "mais frio e mais calculado". Gardner indicou que a nostalgia descarada da obra é o seu aspecto mais ousado.[130] Darryl Sterdan, para o Jam!, ofereceu três estrelas a partir de uma escala de cinco e escreveu: "Se a sua ideia do paraíso são hinos de disco complicados de tum-tum polvilhados com letras absurdas de apertar botões e acenos ruidosos a artistas como Madonna, Queen, Def Leppard, Elton John e até Bruce Springsteen, o disco de uma hora de duração será a sua salvação."[131]

De grupos religiosos e censura em países[editar | editar código-fonte]

"Eu acho Gaga irrelevante. Ela pensa que vai ser inovadora. Ela está a tentar arrancar o idolatrismo Cristo para aumentar as suas performances mundanas, chatas e com falta de talento. Outra ex-Católica cuja cabeça está desviada. Isto é uma acrobacia. Pessoas têm talento, e depois vem Lady Gaga. Esta será a única maneira de sabotar a sua actuação? Isto não é normal, estamos próximos da Semana Santa e da Páscoa."

— Bill Donahue na análise do vídeo de "Judas".[132]
O vídeo musical para "Judas" foi bastante criticado por grupos religiosos devido à interpretação de Maria Madalena (imagem) por Gaga.

Vários grupos religiosos condenaram o álbum, em particular, pela incorporação de ícones religiosos do Cristianismo e pela acomodação da sexualidade. No Líbano, Born This Way foi temporariamente banido pelo Departamento do Secretário Geral, que afirmou que o álbum tem mau gosto e goza do Cristianismo.[133] Abdo Abu Kassm, director do Centro da Informação Católica do Líbano, criticou severamente os temas do álbum, expressando que "se eles vão ofender-nos, nós vamos suspender o álbum".[134] Ele continuou: "Nós não iremos aceitar que alguém insulte a Virgem Maria ou Jesus ou o Cristianismo. [...] Chamem-nos de tradicionais, chamem-nos de antiquados, chamem-nos do que quiserem. Nós não iremos aceitar isso."[134] Este banimento durou até 9 de Junho.[133]

O vídeo de "Judas" foi criticado por Bill Donahue, o presidente da Liga Católica, principalmente pela representação de Maria Madalena por Gaga. Em uma entrevista com a Hollywood Life, Donahue expressou descontentamento pela obsessão de Gaga por Judas e Maria Madalena, chamando esta obsessão de "crescendo irrelevantemente", e atacou Gaga por ter estreado o vídeo enquanto se encontrava em vésperas da Semana Santa e da Páscoa.[132] Pouco tempo após o seu lançamento, "Judas" foi banido no Líbano.[135] Na Malásia, onde a homossexualidade é considerada uma ofensa criminal, o governo criticou o álbum pela acomodação da sexualidade e do feminismo.[136] Pouco tempo após o lançamento da faixa homónima, as estações de rádio por todo o país editaram várias partes da canção, como o ordenado pelo governo.[137] Rosnah Ismail, o vice-ministro da Universidade Malaysia Sabah, condenou a canção, opinando: "O Islão proíbe isto. Nós temos que nos habituar às leis do país."[138]

No entanto, nem todos grupos religiosos reagiram negativamente ao álbum. Helen Lee, do Busted Halo, sentiu que Gaga estava a "espalhar a [boa] nova de Jesus Cristo, quer intencionalmente quer não."[139] Ela resumiu: "Os seus pensamentos sobre o celibato, força pessoal, e individualismo, são certamente audíveis [...] e muito mais compelativo é o que ela tem a dizer sobre a natureza humana e o sofrimento humano."[139]

Reconhecimento[editar | editar código-fonte]

A Rolling Stone, na lista dos "50 Melhores Álbuns de 2011", classificou-o em sexto lugar, escrevendo que "nenhum dos exercícios anteriores de Gaga de aumentar o tamanho musical preparou-nos para este tipo de extravagância".[140] O The Guardian, na lista dos "Melhores Álbuns de 2011", listou Born This Way no número trinta e um.[141] A Slant Magazine colocou o disco no terceiro lugar da lista dos "25 Melhores Álbuns de 2011", chamando-o de um "magnum opus" e descrevendo-o como uma "ode sincera aos corações ofuscados dos intrusos do passado e presente".[142] Além disso, a MTV classificou-o como o décimo melhor álbum de 2011, alegando que é "o primeiro álbum pop multi-nacional e multi-sexual do nosso tempo", e chamou-lhe de "a sua afirmação mais grandiosa até à data".[143] O About.com listou Born This Way como o segundo álbum mais pop de 2011, afirmando que é um "marco pop" e uma "montanha-russa louca de música".[144] A revista Spin listou Born This Way como o vigésimo nono melhor álbum do ano de 2011, assim como o melhor álbum pop do ano.[145] Em Fevereiro de 2012, a NME publicou a lista dos "Álbuns Mais Pretensiosos de Todos os Tempos", posicionando a obra no topo.[146]

Prémios e nomeações[editar | editar código-fonte]

Born This Way recebeu nomeações em onze cerimónias de entrega de prémios para treze categorias. Em 2011, foi nomeado para "Álbum Pop/Rock Favorito" nos American Music Awards,[147] e venceu as categorias "Melhor Álbum Dance/Electrónico" e "Melhor Álbum" nos Billboard Year-End Charts Awards e Virgin Media Music Awards, respectivamente.[148][149] Em 2012, venceu a categoria "Álbum Adult Contemporary do Ano" nos Billboard Japan Music Awards,[150] "Álbum do Ano" e "Álbum Estrangeiro do Ano" nos Japan Gold Disc Awards, e "Álbum Favorito do Ano" nos People's Choice Awards.[151][152] O disco recebeu duas nomeações nos Grammy Awards: "Álbum do Ano" e "Melhor Álbum Pop Vocal". Porém, perdeu em ambas para 21, de Adele.[153] Em território internacional, recebeu uma nomeação para os Premios Oye! na categoria "Álbum do Ano", e para os JUNO Awards na categoria "Álbum Internacional do Ano".[154][155] Contudo, nem todas as nomeações foram favoráveis, como a na categoria "Pior Álbum" nos NME Awards, que perdeu para Under the Mistletoe, de Justin Bieber.[156]

Promoção e divulgação[editar | editar código-fonte]

Singles[editar | editar código-fonte]

Clarence Clemons fez uma participação em "The Edge of Glory", bem como no seu vídeo musical, a tocar um saxofone.

O primeiro single foi a faixa-título. Declarada pela MTV como o "hino dos marginalizados",[157] foi recebida com opiniões mistas pela crítica especialista, que notou semelhanças com "Express Yourself" e elogiou-a pela sua "dançabilidade".[158] Nos EUA, tornou-se no terceiro número um de Gaga e, ao redor do mundo, alcançou o primeiro posto em mais de vinte países, quebrando várias barreiras de vendas digitais e entradas nas rádios,[159] tendo sido o single com venda mais rápida da história da iTunes Store.[160] "Judas" foi confirmada por Gaga como o segundo single em Fevereiro de 2011 no American Top 40.[161] Embora grande parte da sua recepção crítica tenha sido favorável, alguns analistas repudiaram-na pelas semelhanças à "Bad Romance" e "Poker Face". A nível comercial, estreou na Hot Digital Songs com 162 mil exemplares vendidos pela iTunes Store, e atingiu o pico no número dez nos EUA, além de ter alcançado a primeira posição na Coreia do Sul e nas dez melhores colocações de vários outros países.[162]

"The Edge of Glory" foi divulgada a 9 de Maio de 2011 como um single promocional.[163] Mas, devido ao seu sucesso instantâneo nas tabelas do iTunes em todo o mundo, tornou-se no terceiro single oficial do álbum dois dias depois.[163] Esta foi a música melhor recebida pela crítica, que elogiou a sua mensagem e o saxofone tocado por Clarence Clemons. Foi recebida com sucesso comercial elevado, alcançando os dez melhores lugares em dezanove países, incluindo os EUA, onde alcançou o número três.[164] O vídeo musical de "The Edge of Glory" é notavelmente simples em comparação a trabalhos anteriores da artista, como não tem coreografia, bailarinos, e a cantora só usa uma roupa.[165] "Yoü and I", o quarto single,[166] é uma música com tendências de rock e country que contém amostras de "We Will Rock You".[167] A sua composição foi amplamente elogiada e vendeu um total de 124 mil exemplares digitais até Junho de 2011.[168] "Marry the Night" foi confirmada em Setembro de 2011 como o quinto e último single a ser lançado. Os críticos reagiram positivamente à faixa, com alguns aproveitando para chamá-la de um número de dance-pop grande.[67][169] "Marry the Night" traçou em quinze tabelas de diferentes países,[170] incluindo os EUA, onde o pico foi no número 29.[171]

Apresentações ao vivo[editar | editar código-fonte]

Gaga durante a interpretação de "The Edge of Glory" na série de concertos de verão do Good Morning America.

Gaga apresentou "Born This Way" pela primeira vez a 13 de Fevereiro de 2011 nos Grammy Awards.[172] Ela chegou na cerimónia dentro de um ovo gigante, que foi carregado em uma espécie de liteira egípcia por inúmeros modelos vestidos de roupas de plástico. Mais tarde, ela saiu do ovo no palco para realizar a sua actuação, vestindo um top curto e uma saia longa.[173] Seu cabelo estava rosado, com resquícios amnióticos.[174] No final da apresentação, os bailarinos que a acompanhavam despiram as suas roupas de látex, ficando aparentemente nus.[175] A 17 de Abril, Gaga interpretou "Judas" na discoteca Kennedy Lounge em Tampa, após o show da The Monster Ball Tour no St. Pete Times Forum.[176] Também interpretou a canção ao vivo no The Ellen DeGeneres Show a 28 de Abril.[177] Ela estava acompanhada por uma fila de dançarinos masculinos, vestidos de trajes pretos de estilo de monges. A música foi interpretada por um número cheio de dança, com Gaga a cantar as frases enquanto vestia um símbolo azul de látex. Quando a canção terminou, ela fez uma pose antes de dar um beijo na bochecha de Ellen DeGeneres, que veio posicionar-se ao seu lado, copiando a pose e retribuindo o acto.[178]

A cantora no EuroPride em Junho de 2011 na cidade de Roma.

A 3 de Maio, ela interpretou "Americano" durante a apresentação da The Monster Ball Tour em Guadalajara, México, em versão acústica.[179] Dois dias depois, cantou "Yoü and I" e a faixa-título no The Oprah Winfrey Show.[180] Nesta apresentação, usou um piano dourado em forma de calcanhar, e apresentou a versão final da música, que, ao contrário de suas apresentações anteriores da música, teve uma duração mais longa, e foram revelados fragmentos da letra anteriormente desconhecidos.[181] A 21 de Maio, Gaga cantou o primeiros três singles no Saturday Night Live.[182] A artista cantou "Yoü and I" ao vivo no The Today Show a 9 de Julho de 2010, em Nova Iorque, diante de uma multidão de aproximadamente vinte mil pessoas, a maior de sempre a embalar a Rockefeller Plaza.[183] Foi de seguida interpretada a 31 de Julho na paragem de Phoenix, Arizona, da The Monster Ball Tour, onde a intérprete contestou a lei de imigração do Arizona, e dedicou sua actuação da faixa para um rapaz cuja família foi afectada pela lei.[184] No Festival de Cannes de 2011, Gaga cantou a canção no Le Grand Journal.[185] A usar uma roupa embelezada com ouro, um capuz vermelho, e um penteado em preto-e-branco, ela executou uma versão energética da canção, acompanhada por bailarinos do sexo masculino em um palco em frente ao Mar Mediterrâneo.[185] Em Maio de 2011, a cantora realizou um concerto no segmento Big Weekend da BBC Radio 1, em Carlisle, Cumbria.[186] Juntamente com os três primeiros singles de Born This Way, a lista de faixas foi composta por sete outras canções: "Bad Romance", "Alejandro", "Poker Face", "Telephone", "Just Dance", "Speechless", e uma interpretação de "Orange Colored Sky".[186]

A 25 de Maio de 2011, Gaga apresentou a versão final de "The Edge of Glory" na gala final do American Idol, onde foi acompanhada por Clemons em pessoa.[187] Ela apareceu no topo de uma montanha no palco do Idol, vestida com uma capa longa e um capacete embelezado com correntes de suspensão. Um trio de dançarinos executou passos de dança coreografados, enquanto Gaga cantou bem acima deles.[188] Dois dias depois, ela apareceu no Good Morning America, como parte da Série de Concertos de Verão, que teve lugar no Central Park. Enquanto estava lá, ela abriu o show com uma apresentação de "Bad Romance" e executou todas as músicas de Born This Way.[189] A 9 de Junho, ela se apresentou no fim do Germany's Next Top Model, que foi realizado no Lanxess Arena, em Colónia, Alemanha.[190] A cantora, que usou uma peruca azul-verde, cantou pedaços de "Scheiße" e, em seguida, sentou-se ao piano para tocar "Born This Way". Depois da música, ela começou a caminhar ao longo da passarela enquanto cantava "The Edge of Glory".[191] No passeio, tinha colocado duas guilhotinas com as palavras "sexo" e "dinheiro", respectivamente. A cantora passou por elas e, em seguida, evitou uma terceira guilhotina que lia "vaidade".[192] Gaga interpretou "Judas" mais uma vez no The X Factor em Paris, a 14 de Junho de 2011, como uma mistura com "The Edge of Glory". A actuação iniciou com Gaga tocando uma keytar para "The Edge of Glory", usando um casaco franjado, bem como uma peruca cerceta. Ela, de seguida, removeu a keytar e o casaco, revelando uma lingerie que incluía um fio dental, e transicionou para "Judas".[193][194]

Gaga interpretando "The Edge of Glory" ao vivo nos MuchMusic Video Awards de 2011.

A cantora viajou para Roma para realizar um concerto no EuroPride de 2011.[195] Vestindo um top preto lustroso com uma saia xadrez desenhada por Gianni Versace, ela apresentou várias músicas do álbum. Enquanto no evento, denunciou discriminação contra a comunidade LGBT e expressou o descontentamento em relação a países como a Rússia e a Polónia por suas atitudes em relação à homossexualidade.[195] "Judas", "Hair", "The Edge of Glory" e "Born This Way" foram interpretadas no Paul O'Grady Live, em Londres.[196] Gaga fez uma aparição nos MuchMusic Video Awards de 2011, onde recebeu dois prémios.[197] Abriu o concerto com uma interpretação de "The Edge of Glory", e fechou-o com "Born This Way". Ela apareceu no palco dentro de um casulo suspenso, e emergiu a partir dele vestindo uma calça de cintura alta e um top coberto de penas. Perto do fim da canção, tirou a parte superior das penas e a jaqueta amarela debaixo dela.[197] Enquanto em digressão no Japão, "Born This Way" foi apresentada junto com "The Edge of Glory" nos MTV Video Music Aid Japan de 2011. Ela abriu o concerto presa numa teia de aranha, vestida com um sutiã de paetês brilhantes e uma saia longa que dividia cada coxa. Depois de terminar a realização de "The Edge of Glory", fugiu do palco e subiu alguns degraus para alcançar o seu piano, que foi enfeitado até assemelhar-se a uma aranha, antes de cantar uma versão acústica de "Born This Way". Após o primeiro verso, desceu do piano e juntou-se a seus bailarinos para interpretar a versão do álbum da música.[198]

No Taratata, Gaga apareceu enquanto encontrava-se pendurada na janela de sua limusina.[199] Mais tarde, foi ao programa para cantar "Hair", mas mudou de roupa mais uma vez.[200] O desempenho foi lançado no YouTube de Gaga.[201] Durante suas actuações promocionais das canções de Born This Way em Taiwan, ela cantou "Hair" e tocou piano, vestida com um sutiã preto contra o pano de fundo de muitas lanternas vermelhas e um arco vermelho, um conjunto criado especialmente para o concerto. Mais tarde, a intérprete explicou numa conferência de imprensa a inspiração por detrás do desempenho: "Como o senhor [o entrevistador] acabou de mencionar, a lanterna significa prosperidade e é sobre o futuro. Eu estou sempre a pensar no futuro da minha geração e na voz da minha geração, quando eu escrevo música."[202] Em Maio de 2011, a artista disse ao programa de rádio The Kyle & Jackie O Show que estaria a ir para Sydney para realizar um concerto único em Julho de 2011, para promover Born This Way.[203] Depois de uma entrevista com Howard Stern no The Howard Stern Show, Gaga cantou "The Edge of Glory" para fechar o programa a 18 de Julho.[204] Juntamente com os acima mencionados, a artista iria interpretar "Yoü and I" no Jimmy Kimmel Live! alguns dias mais tarde.[166] A canção foi interpretada novamente por Gaga quatro dias mais tarde, terminando um episódio do The View.[205]

Em Fevereiro de 2017, Gaga interpretou "Born This Way" no seu concerto da cerimónia do evento desportivo Super Bowl, decorrido em Houston, Texas.[206]

Alinhamento de faixas[editar | editar código-fonte]

Versão padrão[207]
N.º TítuloCompositor(es)Produtor(es) Duração
1. "Marry the Night"  Stefani Germanotta · Fernando GaribayLady Gaga · F. Garibay 4:24
2. "Born This Way"  S. Germanotta · Jeppe LaursenLady Gaga, J. Laursen · F. Garibay · DJ White Shadow 4:20
3. "Government Hooker"  S. Germanotta · F. Garibay · P. BlairLady Gaga · DJ White Shadow · F. Garibay* · DJ Snake* 4:14
4. "Judas"  S. Germanotta · Nadir KhayatLady Gaga · RedOne 4:10
5. "Americano"  S. Germanotta · F. Garibay · P. BlairLady Gaga · F. Garibay · DJ White Shadow 4:06
6. "Hair"  S. Germanotta · N. KhayatLady Gaga · RedOne 5:08
7. "Scheiße"  S. Germanotta · N. KhayatLady Gaga, RedOne 3:45
8. "Bloody Mary"  S. Germanotta · F. Garibay · P. BlairLady Gaga · DJ White Shadow · F. Garibay* · Clinton Sparks* 4:04
9. "Bad Kids"  S. Germanotta · J. Laursen · F. Garibay · P. BlairLady Gaga · J. Laursen · F. Garibay · DJ Shite Shadow 3:50
10. "Highway Unicorn (Road to Love)"  S. Germanotta · N. Khayat · F. Garibay · P. BlairLady Gaga · RedOne · F. Garibay · DJ White Shadow 4:15
11. "Heavy Metal Lover"  S. Germanotta · F. GaribayLady Gaga · F. Garibay 4:12
12. "Electric Chapel"  S. Germanotta · P. BlairLady Gaga · DJ White Shadow 4:12
13. "Yoü and I"  S. GermanottaLady Gaga · Mutt Lange 5:07
14. "The Edge of Glory"  S. Germanotta · F. Garibay · P. BlairLady Gaga · F. Garibay 5:20
Duração total:
61:12
Versão especial

* indica um co-produtor
** indica um remisturador

Desempenho nas tabelas musicais[editar | editar código-fonte]

Trajecto de Born This Way nos Estados Unidos ao longo das suas primeiras 43 semanas na Billboard 200.

Born This Way tornou-se um enorme sucesso em todo o mundo, vendendo, até ao fim de 2011, mais de 5 773 100 cópias, além de ter se tornado também num êxito em mais de trinta países, e ter se posicionado entre as cinco melhores posições em quarenta e dois países.[212] O álbum vendeu 2 024 500 cópias no mundo na sua primeira semana de lançamento e 507 100 na sua segunda semana, tendo sido o disco mais vendido das semanas de 23 de Maio a 12 de Junho de 2011.[213][214]

As estimativas de vendas para a primeira semana do disco eram de 450 mil a 750 mil unidades físicas e digitais.[215] Contudo, o álbum foi além das expectativas, estreando no número um da Billboard 200 com vendas aproximadas de 288 mil cópias no primeiro dia e 1 milhão e 108 mil cópias na primeira semana, tornando-se no primeiro álbum de Gaga a atingir o número um nos Estados Unidos e na venda mais alta para uma semana de estreia desde The Massacre de 50 Cent, que vendeu 1 milhão e 141 mil. Este é o décimo sétimo álbum a vender mais de um milhão de cópias em uma semana. Gaga é a quinta mulher a vender um milhão de cópias em uma semana, após Whitney Houston com a banda sonora do filme The Bodyguard,[216] Britney Spears com Oops!... I Did It Again,[217] Norah Jones com Feels Like Home,[218] e Taylor Swift com Speak Now.[219] O Amazon.com vendeu 440 mil cópias em seus primeiros dois dias a um preço de USD 0,99 (uma perda de mais de três mil dólares),[220] algo que contribuiu para as suas 662 mil vendas digitais, a maior da história da Nielsen SoundScan.[221] As vendas digitais ajudaram em 60% do total da primeira semana de vendas de Born This Way.[222][223] O álbum também tornou-se o oitavo mais vendido da história dos EUA na sua primeira semana de vendas.[224] Antes de estrear na Billboard 200, Born This Way estreou nas dez melhores posições da Dance/Electronic Albums.[225] Na semana seguinte, saltou para a primeira posição, sucedendo The Fame.[226] Na sua segunda semana, manteve-se no número um da Billboard 200, apesar de registar uma baixa de 84.28% nas vendas — a segunda maior baixa de vendas da tabela, após MDNA de Madonna — vendendo apenas 174 mil exemplares.[227][228] Digitalmente, teve uma baixa ainda maior, de 94%, vendendo nada mais que 38 mil exemplares.[229] Na sua terceira semana, caiu para o número dois, sendo substituído por 21 (2011) de Adele, e registando uma baixa de 42% nas vendas, vendendo cem mil exemplares.[230] Na quarta semana, o álbum caiu para o número quatro, registando uma baixa de 33% nas vendas, vendendo 68 mil exemplares.[231] Até Julho de 2011, Born This Way já havia vendido 1 milhão e 540 mil unidades nos EUA.[232] Em Março de 2014, foi reportado que 2 milhões e 400 exemplares do disco já haviam sido comercializadas em território norte-americano.[233] Na semana que terminou a 25 de Fevereiro de 2017, Born This Way fez uma ré-entrada no número 25 da Billboard 200 após Gaga ter se apresentado no evento Super Bowl dias antes, registando um acumulado de 17 mil unidades comercializadas.[206]

"Sinto-me muito honrada por ter o maior volume de vendas durante a primeira semana em 2011 no Reino Unido. Escrevi o meu primeiro single em Manchester, porque ele foi inspirado pela confiança e pela coragem dos meus fãs. Para o Reino Unido, obrigado por acreditar em mim."

— O comentário de Gaga após vender 215 mil cópias no Reino Unido.[234]

Born This Way estreou na primeira posição na Irlanda e na Suécia,[235][236] e no número dois na Finlândia.[237] A obra vendeu 184 mil unidades na sua primeira semana no Japão, estreando no topo da Oricon, e recebeu o certificado de platina dupla pela Recording Industry Association of Japan (RIAJ) pelo transporte de quinhentos mil exemplares.[238][239] De acordo com a Universal Music, Born This Way vendeu mais de trinta mil cópias nos seus primeiros dois dias de lançamento na Rússia.[240] Na França, estreou no número um na Syndicat National de l'Édition Phonographique (SNEP), com mais de 55 050 cópias vendidas, das quais, 48 251 foram físicas e 6 808 foram digitais.[241] Estas vendas digitais conseguiram bater o melhor recorde de vendas em uma semana desde The Resistance dos Muse, que tinha conseguido vender seis mil cópias digitais em 2009.[241] Por outro lado, no Reino Unido, o disco estreou na primeira posição, depois de atingir 215 639 cópias vendidas, o que fez dele o álbum mais vendido em sua primeira semana em 2011.[234] Naquela semana, a obra vendeu mais do que a combinação do resto dos álbuns que se posicionaram entre as dez melhores colocações, e é a melhor primeira semana da Itália por qualquer álbum de uma artista a solo feminina norte-americana desde Confessions on a Dance Floor de Madonna, que vendeu 217 610 unidades.[234][242] Durante a sua segunda semana no Reino Unido, o álbum continuou no número um.[243] Na semana seguinte, caiu para o terceiro lugar, onde permaneceu por duas semanas consecutivas.[244] No entanto, de acordo com a edição de 2 de Julho de 2011, que é equivalente à sua quinta semana na lista dos álbuns lançados pela The Official Charts Company (OCC), Born This Way subiu de volta ao número um com mais de 47 183 cópias vendidas, tirando o posto de Progress dos Take That. De acordo com a OCC, até Junho de 2011, o álbum já havia vendido um total de 406 628 cópias.[245] Em Setembro de 2014, foi reportado que 986 847 unidades do disco foram comercializadas em território britânico.[246]

Em outros lugares, na Oceânia, Born This Way conseguiu ter um grande sucesso desde a sua primeira semana. Na Austrália, estreou no primeiro lugar da Australian Recording Industry Association (ARIA), tornando-se no seu segundo álbum consecutivo a atingir tal posição, após The Fame Monster. Devido ao seu sucesso, recebeu o certificado de disco de platina por suas 70 mil cópias vendidas.[247] Na Nova Zelândia, também estreou no número um, tornando-se, após The Fame Monster, no segundo álbum da cantora a atingir tal colocação no país. Depois de vender quinze mil cópias, recebeu o certificado de disco de platina pela Recording Industry Association of New Zealand (RIANZ).[248]

A 20 de Setembro de 2011, o gerente de Gaga, Troy Carter, afirmou que as vendas mundiais do disco superavam a marca dos 8 milhões de cópias,[249] uma figura que tem sido amplamente relatada na média, mesmo não tendo uma confirmação.[250] Outras fontes alegaram que as vendas provavelmente encontravam-se na região dos 5,4 e os 5,7 milhões de cópias,[251] com embarques de cerca de 8 milhões de unidades.[252] Isto conduziu Melinda Newman, do HitFix, a sugerir que o álbum era "uma bomba rapidamente afundando".[253] No relatório anual "Recording Industry in Numbers" de 2012 da Federação Internacional da Indústria Fonográfica (IFPI), o selo da cantora recusou-se a fornecer o número de vendas do álbum.[254]

Born This Way foi o segundo álbum mais vendido do mundo em 2011, perdendo apenas para 21.[255] Nos Estados Unidos, foi o terceiro mais vendido, registando 2 101 milhões, e perdendo para os 2 452 milhões de Christmas de Michael Bublé, e para os 5 824 milhões de 21.[256]

Posições[editar | editar código-fonte]

Vendas e certificações[editar | editar código-fonte]

Região — Associação (Vendas) Certificação
Alemanha — BVMI (200 mil) Platina[303]
Austrália — ARIA (140 mil) 2× Platina[304]
Bélgica — BEA (30 mil) Platina[305]
Brasil — Pro-Música Brasil (100 mil) 2× Platina[306]
Canadá — Music Canada (240 mil) 4× Platina[307]
Dinamarca — FIIF (20 mil) Ouro[308]
Espanha — PROMUSICAE (30 mil) Ouro[309]
Estados Unidos — RIAA (2,4 milhões)[256] 2× Platina[310]
Filipinas — PARI (45 mil) 3× Platina[311]

Região — Associação (Vendas) Certificação
Finlândia — Musiikkituottajat (20 mil) Ouro[312]
França — SNEP (108 mil)[313] 2× Platina[314]
Hungria — MAHASZ (3 mil) Ouro[315]
Índia — IMI (8 mil) Ouro[316]
Indonésia — ASIRI (10 mil) Ouro[317]
Irlanda — IRMA (30 mil) 2× Platina[318]
Itália — FIMI (30 mil) Platina[319]
Japão — RIAJ (658 554) 3× Platina[239]
México — AMPROFON (60 mil) Platina[271]

Região — Associação (Vendas) Certificação
Nova Zelândia — RMNZ (15 mil) Platina[248]
Polónia — ZPAV (90 mil) Platina[320]
Reino Unido — BPI (986 847) 3× Platina[321]
Roménia — FIIF (60 mil) 3× Platina[322]
Rússia — 2M (40 mil) 4× Platina[323]
Taiwan — FIIF (100 mil) 10× Platina[324]
Suécia — FIIF (40 mil) Platina[325]
Suíça — FIIF (30 mil) Platina[326]
União Europeia — FIIF (1 milhão) Platina[327]

Créditos[editar | editar código-fonte]

Todo o processo de elaboração do álbum atribuem os seguintes créditos pessoais:[328][329]

Referências[editar | editar código-fonte]

Notas
Específicas


  1. Montogomery, James (26 de Março de 2010). «Lady GaGa: "My Next Album Will Be My Best Yet"» (em inglês). MTV Reino Unido e Irlanda (MTV Networks / Viacom Media Networks). Consultado em 19 de Abril de 2010. Cópia arquivada em 19 de Agosto de 2012 
  2. Michaels, Sean (23 de Junho de 2010). «Lady Gaga's new album 'finished'». The Guardian (em inglês). Guardian News and Trust Media, LLC. Consultado em 23 de Junho de 2010. Cópia arquivada em 23 de Maio de 2014 
  3. Vena, Jocelyn (17 de Setembro de 2010). «Lady Gaga Says Born This Way 'Will Piss People Off'». MTV (MTV Networks). Consultado em 18 de Setembro de 2012 
  4. Vena, Jocelyn (15 de Novembro de 2011). «Lady Gaga's Born This Way Is 'Incredible,' Manager Says» (em inglês). MTV (MTV Networks / Viacom Media Networks). Consultado em 10 de Abril de 2010 
  5. Vena, Jocelyn (18 de Novembro de 2010). «Lady Gaga's Born This Way Will 'Grab All The Monsters,' Akon Says». MTV (MTV Networks). Consultado em 2 de Dezembro de 2010. Cópia arquivada em 19 de Agosto de 2012 
  6. Celizic, Mike. «Toyota concert Series». National Broadcasting Company. MSNBC. Consultado em 21 de Dezembro de 2010 
  7. Toor, Amar (14 de Setembro de 2010). «Lady Gaga, 'Born This Way' – New Album Preview». AOL Radio Blog. Consultado em 21 de Dezembro de 2010 
  8. «VMA 2010: los grandes ganadores» (em espanhol). MTV Latinoamérica (MTV Networks / Viacom Media Networks). 14 de Setembro de 2010. Consultado em 31 de Agosto de 2010 
  9. Lee, Joyce (13 de Setembro de 2010). «"Born This Way:" Lady Gaga's New Album Title». Columbia Broadcasting System News. Consultado em 14 de Novembro de 2010 
  10. Vena, Jocelyn (17 de Maio de 2011). «Lady Gaga Says Born This Way Is 'My Answer To Many Questions'». MTV (MTV Networks). Consultado em 18 de Setembro de 2012 
  11. Vick, Megan (29 de Novembro de 2010). «Lady Gaga Promises 'Greatest Album of This Decade' in 'Born This Way'». Billboard (em inglês). Billboard-Hollywood Reporter Media Group. Consultado em 8 de Fevereiro de 2011 
  12. Vena, Jocelyn (1 de Dezembro de 2010). «Lady Gaga To Release First Born This Way Single In February» (em inglês). MTV News (MTV Networks / Viacom Media Networks). Consultado em 21 de Dezembro de 2010. Cópia arquivada em 23 de Maio de 2014 
  13. Meter, Jonathan Van. «Lady Gaga: Our Lady of Pop». Vogue (em inglês). Condé Nast Publication. Consultado em 5 de Novembro de 2011 
  14. «Lady Gaga BORN THIS WAY Deluxe Digital Album» (em inglês). ScatterTunes, LLC. Consultado em 23 de Julho de 2011. Cópia arquivada em 23 de Maio de 2014 
  15. Geidner, Chris (8 de Março de 2011). «Lady Gaga and Target End Deal, Say Sources». Metro Weekly (em inglês). Jansi, LLC. Consultado em 5 de Maio de 2011. Cópia arquivada em 9 de Julho de 2012 
  16. Vena, Jocelyn (27 de Dezembro de 2010). «Lady Gaga To Make Born This Way Announcement New Year's Eve». MTV (MTV Networks). Consultado em 25 de Janeiro de 2011 
  17. a b Cochrane, Greg (20 de Dezembro de 2010). «Lady Gaga reveals plans for Born This Way album». Newsbeat (em inglês). British Broadcasting Corporation. Consultado em 21 de Dezembro de 2010. Cópia arquivada em 30 de Junho de 2012 
  18. Vena, Jocelyn. «Lady Gaga To Release First Born This Way Single In February». MTV (MTV Networks). Consultado em 8 de Fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 19 de Agosto de 2012 
  19. Vozick-Levinson, Simon (20 de Janeiro de 2011). «Lady Gaga debuts new remix: Listen here». Entertainment Weekly. Consultado em 25 de Janeiro de 2010 
  20. Dinh, James (1 de Março de 2011). «Lady Gaga To Preview New Track During Parish Fashion Show» (em inglês). MTV News (MTV Networks / Viacom Media Networks). Consultado em 5 de Março de 2011. Cópia arquivada em 30 de Junho de 2012 
  21. Vena, Jocelyn (2 de Maio de 2011). «Lady Gaga Releases Born This Way Track Listing» (em inglês). MTV News (MTV Networks / Viacom Media Networks). Consultado em 18 de Setembro de 2012. Cópia arquivada em 29 de Janeiro de 2013 
  22. Vena, Jocelyn (8 de Março de 2011). «Lady Gaga Says No Duets On Born This Way» (em inglês). MTV News (MTV Networks / Viacom Media Networks). Consultado em 22 de Março de 2011. Cópia arquivada em 30 de Junho de 2012 
  23. a b «Born This Way Pre-orders». Lady Gaga. Consultado em 24 de Maio de 2011 
  24. «Born This Way (Indian Edition)». Universalmusic.com. Consultado em 8 de Novembro de 2011 
  25. «Producto (CD Lady Gaga - Born This Way». exito.com. Consultado em 8 de Agosto de 2011 
  26. «Born This Way (Special Edition Fan Package)». Target Corporation. Consultado em 24 de Maio de 2011 
  27. «嘎嘎小姐 Lady Gaga:天生完美 Born This Way(CD)» (em chinês). Amazon.com. Consultado em 28 de Agosto de 2011 
  28. «Born This Way: Lady Gaga» (em alemão). Amazon.com. Consultado em 28 de Agosto de 2011 
  29. «News : LADY GAGA'S BORN THIS WAY LIMITED EDITION USB-DRIVE OUT OCTOBER 3RD». Lady Gaga. 26 de Setembro de 2011. Consultado em 8 de Outubro de 2011 
  30. «Born This Way - The Collection [CD+DVD]» (em alemão). Amazon.com. Consultado em 11 de Março de 2011 
  31. «Born This Way - The Collection [CD+DVD]». Amazon.com. Consultado em 11 de Março de 2011 
  32. «Born This Way: Collection» (em alemão). Amazon.com. Consultado em 11 de Março de 2011 
  33. «Born This Way - 2 CD / DVD Combo». Amazon.com. Consultado em 11 de Março de 2011 
  34. «Born This Way: Collection» (em jp). Amazon.com. Consultado em 11 de Março de 2011 
  35. «Born This Way: The Collection: Deluxe Edition». Amazon.com. Consultado em 11 de Março de 2011 
  36. «Born This Way: The Collection (CD+DVD, Import, From US)» (em jp). Amazon.com. Consultado em 11 de Março de 2011 
  37. Hatzigiannis, Marielena (18 de Abril de 2011). «Lady Gaga's "Born This Way" cover displeases fans». Columbia Broadcasting System News. Consultado em 24 de Abril de 2011 
  38. «Lady Gaga reveals 'Born This Way' album artwork». NME. 16 de Abril de 2011. Consultado em 18 de Setembro de 2012 
  39. Fenno, Christine (17 de Abril de 2011). «Lady Gaga Reveals 'Born This Way' Album Art». Pop Eater. Consultado em 5 de Maio de 2011 
  40. Michaels, Sean (18 de Abril de 2011). «Lady Gaga's Born This Way artwork provokes fan backlash». The Guardian. Consultado em 5 de Maio de 2011 
  41. Martin, Andrew (16 de Abril de 2011). «Lady GaGa Reveals Awful 'Born This Way' Album Art». Prefix. Consultado em 5 de Maio de 2011 
  42. Porter, Rick (16 de Abril de 2011). «Lady Gaga's 'Born This Way' album cover: Half Gaga, half machine». Zap2it. Consultado em 14 de Setembro de 2012 
  43. a b McCall, Tris (18 de Maio de 2011). «Lady Gaga 'Born this Way' review: First impressions». The Star-Ledger. Consultado em 13 de Setembro de 2012 
  44. Ganz, Caryn (13 de Abril de 2011). «Lady Gaga Does Not Like the Word 'Deluxe'». Yahoo! Music. Consultado em 4 de Maio de 2011. Cópia arquivada em 19 de Agosto de 2012 
  45. «Lady Gaga habla de Born This Way» (em espanhol). Diário Femenino. Consultado em 18 de Abril de 2011 
  46. «Lady Gaga's new album Born This Way to debut exclusively on Spotify». Spotify. 13 de Maio de 2011. Consultado em 13 de Maio de 2011 
  47. «Lady Gaga's Born This Way to be exclusively streamed». Metro. DMG Media Limited. 11 de Maio de 2011. Consultado em 23 de Maio de 2011 
  48. «Born This Way». LadyGaga.com. 1 de Janeiro de 2011. Consultado em 3 de Janeiro de 2011 
  49. Lipshutz, Jason (9 de Maio de 2011). «Lady Gaga's 'Edge of Glory' Single Premieres, 'Hair' Coming Next Week». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 9 de Maio de 2011 
  50. Herrera, Monica (17 de Maio de 2011). «Lady Gaga's 'Marry the Night' Premieres on FarmVille Game Spin-Off: Listen». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 21 de Maio de 2011 
  51. Daw, Robbie (18 de Maio de 2011). «Lady Gaga Is Goin' To The "Electric Chapel" On New Pop-Metal Track». Idolator. Consultado em 20 de Maio de 2011 
  52. «Lady GaGa Reveals 'Fashion of His Love' and Streams Rest of the Album Online». Ace Show Biz. 19 de Maio de 2011. Consultado em 20 de Maio de 2011 
  53. Shaul, Brandy (20 de Maio de 2011). «FarmVille GagaVille Born This Way Quest: Everything you need to know». Gaga Daily. Consultado em 20 de Maio de 2011 
  54. Vena, Jocelyn (27 de Maio de 2011). «Lady Gaga 'Started To Cry' When She First Heard 'Marry The Night'». MTV (MTV Networks). Viacom. Consultado em 15 de Julho de 2011 
  55. a b c Martin, Dan (17 de Maio de 2011). «Lady Gaga – Album Review: Lady Gaga, 'Born This Way' – Album Reviews». NME. IPC Media. Consultado em 21 de Maio de 2011 
  56. Dinh, James (9 de Novembro de 2010). «Lady Gaga Says Born This Way Will Be 'Greatest Album Of This Decade'». MTV (MTV Networks). Consultado em 30 de Novembro de 2010. Cópia arquivada em 19 de Agosto de 2012 
  57. Maher, Cristin (24 de Maio de 2011). «Lady Gaga, 'Born This Way (Deluxe Edition)' – Album Review». Pop Crush. Consultado em 6 de Setembro de 2012 
  58. a b c d e «Lady Gaga's Born This Way: track-by-track review». The Daily Telegraph. Consultado em 23 de Junho de 2011 
  59. «Lady Gaga: Inside The Outside». MTV (MTV Networks). Consultado em 24 de Julho de 2011 
  60. a b c Ganz, Caryn. «Lady Gaga, 'Born This Way' (Streamline/KonLive/Interscope)». Spin. Spin Media LLC. Consultado em 23 de Maio de 2011 
  61. Herrera, Monica (17 de Maio de 2011). «Lady Gaga's 'Marry the Night' Premieres on FarmVille Game Spin-Off: Listen». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 2 de Julho de 2011 
  62. Solders, Simon (14 de Fevereiro de 2011). «"Born This Way" single details». Lady Gaga City. Consultado em 20 de Maio de 2011 
  63. Vena, Jocelyn (11 de Fevereiro de 2011). «Lady Gaga's 'Born This Way' Premieres». MTV. Viacom. Consultado em 16 de Julho de 2011 
  64. Sheffield, Rob (11 de Fevereiro de 2011). «Born This Way by Lady Gaga». Rolling Stone. Consultado em 2 de Julho de 2011 
  65. a b Mason, Kerri (23 de Maio de 2011). «Lady Gaga 'Born This Way': Track-By-Track Review». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 2 de Julho de 2011 
  66. a b Vena, Jocelyn (2 de Março de 2011). «Lady Gaga's 'Government Hooker' Makes Fashion-Show Debut». MTV (MTV Networks). Consultado em 2 de Julho de 2011 
  67. a b c d e Martin, Dan (18 de Maio de 2011). «Lady Gaga, 'Born This Way' - Track-By-Track Album Review». NME. Consultado em 2 de Julho de 2011 
  68. «Listening to Lady Gaga's next single is an enjoyable experience». Popjustice. 6 de Abril de 2011. Consultado em 20 de Maio de 2011 
  69. Ganz, Caryn. «Lady Gaga Gets Her Freak On With "Judas"». Spin. Consultado em 2 de Julho de 2011 
  70. «Lady Gaga 'Judas' Review - The Song She Should've Come Back With». NME. Popwatch. Consultado em 2 de Julho de 2011 
  71. Bowey, Ewen (3 de Julho de 2011). «I was born this way: Lady Gaga». Consultado em 1 de Outubro de 2011 
  72. a b c d Rosen, Jody (18 de Maio de 2011). «Lady Gaga's 'Born This Way': A Track-by-Track Breakdown». Rolling Stone. Consultado em 20 de Junho de 2011 
  73. Turner, Sadao (15 de Fevereiro de 2011). «Lady Gaga: Whitney Houston Was My Vocal Idol Growing Up». On Air with Ryan Seacrest. KISS-FM. Consultado em 15 de Fevereiro de 2011 
  74. Greene, Andy (18 de Fevereiro de 2011). «Exclusive: How E Street Band Saxophonist Clarence Clemons Ended Up on Lady Gaga's New Album». Rolling Stone. Consultado em 14 de Maio de 2011 
  75. Montgomery, James (29 de Junho de 2011). «Lady Gaga, Adele And More: Best Albums Of 2011 (So Far)». MTV (MTV Networks). Consultado em 2 de Julho de 2011 
  76. Vena, Jocelyn (11 de Abril de 2011). «Lady Gaga Recorded 'You And I' With Producer Mutt Lange». MTV (MTV Networks). Consultado em 10 de Maio de 2011 
  77. Kaufman, Gil (18 de Abril de 2011). «Lady Gaga Reveals Surreal Born This Way Cover». MTV (MTV Networks). Consultado em 10 de Maio de 2011 
  78. Gregory, Jason (17 de Maio de 2011). «Lady Gaga: I Cried When Brian May Agreed To Work With Me». Gigwise. Consultado em 17 de Maio de 2011 
  79. Montgomery, James. «Lady Gaga Debuts New Song 'You And I' At Elton John Benefit». MTV (MTV Networks). Consultado em 23 de Julho de 2011 
  80. Vena, Jocelyn (1 de Abril de 2011). «Lady Gaga Teases 'Someone Legendary' Producing 'You And I'». MTV (MTV Networks). Consultado em 10 de Maio de 2011 
  81. Parales, Jon (18 de Maio de 2011). «Even Offstage, Lady Gaga's Ready for the Stage». The New York Times. New York Times Company. Consultado em 23 de Maio de 2011 
  82. «Lady Gaga Claims She's 'Perpetually Unhappy' With Her Songs: Heartfelt or Hogwash?». Sodahead. 19 de Abril de 2011. Consultado em 23 de Maio de 2011 
  83. a b «Lady Gaga, 'Black Jesus + Amen Fashion' – Song Review». Pop Crush. Consultado em 23 de Julho de 2011 
  84. «The Ultimate Ranking of Lady Gaga's Catalog: 'Black Jesus Amen Fashion'». Rolling Stone. 25 de Maio de 2011. Consultado em 30 de Maio de 2011 
  85. «The Ultimate Ranking of Lady Gaga's Catalog: 'Fashion of His Love'». Rolling Stone. 25 de Maio de 2011. Consultado em 30 de Maio de 2011 
    «Lady Gaga, 'Fashion of His Love' – Song Review». PopCrush. Consultado em 30 de Junho de 2011 
  86. «Lady Gaga's Born This Way Bonus Tracks: "The Queen"». Popdust. 19 de Maio de 2011. Consultado em 4 de Junho de 2011 
  87. Sciarreto, Amy (21 de Maio de 2011). «Lady Gaga, 'The Queen' – Song Review». Pop Crush (em inglês). Pop Crush Network. Consultado em 28 de Fevereiro de 2014 
  88. Exton, Emily (19 de Maio de 2011). «Lady Gaga's Born This Way Bonus Tracks: "The Queen"». PopDust (em inglês). Consultado em 4 de Junho de 2011 
  89. a b «Metacritic: Born This Way». Metacritic. Consultado em 20 de Maio de 2011 
  90. a b Erlewine, Stephen Thomas (23 de Maio de 2011). «Born This Way – Lady Gaga». Allmusic. Rovi Corporation. Consultado em 23 de Maio de 2011. Cópia arquivada em 19 de Agosto de 2012 
  91. a b Richards, Chris (20 de Maio de 2011). «Review – Born This Way». The Washington Post. Consultado em 23 de Maio de 2011 
  92. a b Suddath, Claire (23 de Maio de 2011). «Album Review: Is Lady Gaga's 'Born This Way' as Interesting as Her Outfits?». Consultado em 6 de Setembro de 2012 
  93. a b Gill, Andy (20 de Maio de 2011). «Album: Lady Gaga, Born This Way (Polydor) – Reviews, Music». The Independent. Consultado em 21 de Maio de 2011 
  94. a b c Roberts, Randall (20 de Maio de 2011). «Review – Born This Way». Los Angeles Times. Consultado em 23 de Maio de 2011 
  95. a b c Sheffield, Rob (9 de Junho de 2011). «Born This Way by Lady Gaga». Rolling Stone. pp. 69–70. Consultado em 2 de Julho de 2011 
  96. a b Cinquemani, Sal (21 de Maio de 2011). «Lady Gaga: Born This Way | Music Review». Slant Magazine. Consultado em 21 de Maio de 2011 
  97. a b Holcombe, Joanna (22 de Maio de 2011). «ALBUM REVIEW: LADY GAGA - 'BORN THIS WAY'». Yahoo! Music. Consultado em 6 de Setembro de 2012 
  98. Lamb, Bill. «"Born This Way" review». About.com. Consultado em 20 de Julho de 2011 
  99. Montgomery, James (18 de Maio de 2011). «Lady Gaga's Born This Way Album Is Everything To Everyone». MTV (MTV Networks). Consultado em 24 de Maio de 2011 
  100. Savage, Mark (21 de Maio de 2011). «BBC – Review – Born This Way». British Broadcasting Corporation (BBC Online). Consultado em 31 de Maio de 2011 
  101. Sheffield, Rob (25 de Maio de 2011). «Crítica: Lady Gaga, 'Born This Way', Universal». Rolling Stone (em espanhol). Consultado em 25 de Maio de 2011 
  102. Mancusi, Diego (30 de Maio de 2011). «Lady Gaga - Born This Way». Rolling Stone (em espanhol). Consultado em 29 de Junho de 2011 
  103. Sheffield, Rob (25 de Maio de 2011). «Los motivos por los que 'Born This Way' de Lady Gaga abre paso a la locura». Rolling Stone (em espanhol). CNN México. Consultado em 25 de Maio de 2011 
  104. Empire, Kitty (23 de Maio de 2011). «Lady Gaga: Born This Way – review». The Guardian. Consultado em 13 de Julho de 2011 
  105. Markovitz, Adam (25 de Maio de 2011). «Lady Gaga's 'Born This Way'». Entertainment Weekly. Time Inc. Consultado em 25 de Maio de 2011 
  106. Steinberg, Julie (18 de Maio de 2011). «What Critics in Europe Say About Lady Gaga's 'Born This Way'». The Wall Street Journal. Consultado em 18 de Setembro de 2012 
    Andersen, Nick (23 de Maio de 2011). «What U.S. Critics Are Saying About Lady Gaga's 'Born This Way'». The Wall Street Journal. Consultado em 18 de Setembro de 2012 
  107. Gordon, Jeremy (13 de Novembro de 2010). «Album Review: Lady GaGa - Born This Way». Prefix. Consultado em 18 de Setembro de 2012 
  108. a b Kot, Greg (20 de Maio de 2011). «Review – Born This Way». Chicago Tribune. Tribune Company. Consultado em 23 de Maio de 2011 
  109. Reed, James (23 de Maio de 2011). «Gaga's 'Born This Way' is a long-awaited letdown». The Boston Globe. Consultado em 23 de Maio de 2011 
  110. Sawdey, Evan (27 de Maio de 2011). «Lady Gaga: Born This Way». PopMatters. Consultado em 27 de Maio de 2011 
  111. Juzwiak, Rich (25 de Maio de 2011). «Lady Gaga's Fame Ball Rolls On». The Village Voice. Village Voice Media. Consultado em 25 de Maio de 2011. Cópia arquivada em 22 de Junho de 2011 
  112. Christgau, Robert (21 de Junho de 2011). «Lady Gaga/Pink». MSN Music. Consultado em 21 de Junho de 2011. Cópia arquivada em 22 de Junho de 2011 
  113. Haider, Arwa (17 de Maio de 2011). «Lady Gaga's Born This Way: Track-by-track album review». Metro. DMG Media Limited. Consultado em 13 de Setembro de 2012 
    Haider, Arwa (20 de Maio de 2011). «Lady Gaga's Born This Way is full of insanely insistent showstoppers». Metro. DMG Media Limited. Consultado em 13 de Setembro de 2012 
  114. «Lady Gaga's 'Born This Way': exclusive album review». TimeOut. 18 de Maio de 2011. Consultado em 13 de Setembro de 2012 
  115. «Lady Gaga: Born This Way - album review». The Daily Mirror. 20 de Maio de 2011. Consultado em 15 de Setembro de 2012 
  116. Smith, Jacqueline. «Album Review: Lady Gaga, Born This Way». The New Zealand Herald. Consultado em 15 de Setembro de 2012 
  117. Freeman, Channing (18 de Maio de 2011). «Lady Gaga - Born This Way (staff review)». Sputnikmusic. Consultado em 6 de Setembro de 2012 
    Tao, Conrad (19 de Maio de 2011). «Lady Gaga - Born This Way (staff review)». Sputnikmusic. Consultado em 12 de Setembro de 2012 
    Driver, David (21 de Maio de 2011). «Lady Gaga - Born This Way (album review)». Sputnikmusic. Consultado em 12 de Setembro de 2012 
  118. Thrills, Adrian (21 de Maio de 2011). «Is Gaga just hype? She's pop's queen of shocks but is there talent behind Lady Gaga's outfits?». Daily Mail. Consultado em 12 de Setembro de 2012 
  119. Abebe, Nitsuh (20 de Maio de 2011). «Where's the Beef?». New York Magazine. Consultado em 12 de Setembro de 2012 
  120. Newman, Melinda (20 de Maio de 2011). «Album Review: Lady Gaga's 'Born This Way'». HitFix. Consultado em 6 de Setembro de 2012 
  121. Kaye, Natalie (Maio de 2011). «Lady Gaga - Born this Way Album Review». Contact Music. Consultado em 15 de Setembro de 2012 
  122. Daly, Sean (23 de Maio de 2011). «Review: Lady Gaga lays an 'eh' with 'Born This Way'». Tampa Bay Times. Consultado em 15 de Setembro de 2012 
  123. Choudhery, Möhammad (23 de Maio de 2011). «Album Review: Lady Gaga – Born This Way». Consequence of Sound. Consultado em 15 de Setembro de 2012 
  124. Conner, Thomas (22 de Maio de 2011). «Familiar sounds, annoying message lessen Lady Gaga's latest album». Chicago Sun-Times. Consultado em 15 de Setembro de 2012 
  125. Buchanan, Peter (17 de Maio de 2011). «Review—Lady Gaga's 'Born This Way' is more 'American Life' than 'Like a Prayer'». Examiner.com. Consultado em 12 de Setembro de 2012 
  126. Dumaual, Miguel (23 de Maio de 2011). «Review: Lady Gaga's 'Born This Way Ball'». ABS-CBN. Consultado em 12 de Setembro de 2012 
  127. Koski, Genevieve (24 de Maio de 2011). «Lady Gaga: Born This Way | Music». The A.V. Club. Consultado em 15 de Setembro de 2012 
  128. Jolly, Nathan (12 de Maio de 2011). «Album Review: Lady Gaga, Born This Way». The Music Network. Consultado em 15 de Setembro de 2012 
  129. Jenkins, Craig (28 de Junho de 2011). «Album Review: Lady GaGa - Born This Way». Prefix. Consultado em 17 de Setembro de 2012 
  130. Gardner, Elysa (22 de Maio de 2011). «Lady Gaga, 'Born' to be fame's mistress». USA Today. Consultado em 17 de Setembro de 2012 
  131. Sterdan, Darryl (18 de Maio de 2011). «Album Review: Lady Gaga». Jam!. Canadian Online Explorer. Consultado em 17 de Setembro de 2012 
  132. a b O'Neil, Lorena (8 de Abril de 2011). «Catholic League On Gaga's 'Judas': 'If She Had More Talent, We'd Be More Offended'». Hollywood Life. Mail.com Media Corporation. Consultado em 10 de Junho de 2011 
  133. a b «Lebanese government lifts ban on Lady Gaga's 'Born This Way'». NME. IPC Media. 10 de Junho de 2011. Consultado em 10 de Junho de 2011 
  134. a b Michaels, Sean (7 de Junho de 2011). «Lady Gaga's Born This Way banned in Lebanon». The Guardian. Guardian News and Media. Consultado em 10 de Julho de 2011 
  135. «Lady Gaga's 'Born This Way' Album Banned In Lebanon». The Huffington Post. 6 de Junho de 2011. Consultado em 10 de Julho de 2011 
  136. Michaels, Sean (18 de Março de 2011). «Lady Gaga 'gay anthem' censored in Malaysia». The Guardian. Guardian News and Media. Consultado em 10 de Julho de 2011 
  137. «"Born This Way" lyrics causes controversy». 4Press News. Associated Press. 15 de Fevereiro de 2011. Consultado em 10 de Julho de 2011 
  138. «Lady Gaga's Born This Way lyrics cause controversy in Malaysia». Neck Jerk. 28 de Março de 2011. Consultado em 10 de Julho de 2011 
  139. a b Lee, Helen (11 de Fevereiro de 2011). «God in Gaga». Busted Halo. Consultado em 9 de Julho de 2011 
  140. «50 Best Albums of 2011 - Lady Gaga, 'Born This Way'». Rolling Stone. Wenner Media. Consultado em 24 de Março de 2012 
  141. Jonze, Tim (1 de Dezembro de 2011). «The best albums of 2011: 50-11». The Guardian. Consultado em 24 de Março de 2012 
  142. «The 25 Best Albums of 2011». Slant Magazine. 14 de Dezembro de 2011. Consultado em 24 de Março de 2012 
  143. Montgomery, James (6 de Dezembro de 2011). «Drake, Adele And More: The 20 Best Albums of 2011». MTV. (MTV Networks). Consultado em 24 de Março de 2012 
  144. Lamb, Bill. «Top 10 Pop Abums of 2011». About.com. Consultado em 24 de Março de 2012 
  145. «SPIN's 50 Best Albums of 2011». Spin. Spin Media LLC. 12 de Dezembro de 2011. Consultado em 24 de Março de 2012 
  146. Elan, Priya (24 de Fevereiro de 2012). «The 10 Most Pretentious Albums Ever». NME. Consultado em 25 de Fevereiro de 2012 
  147. «American Music Awards 2011 Nominees and Winners List\2011 AMA Winners List». Have U Heard. 20 de Novembro de 2011. Consultado em 25 de Novembro de 2011 
  148. Concepcion, Mariel (2 de outubro de 2009). «Beyonce Accepts Billboard's Woman Of the Year Award, Lady Gaga Is Rising Star». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 19 de Março de 2012 
  149. «Virgin Media Music Awards - winners Best Album». Virgin Media. 13 de Fevereiro de 2012. Consultado em 19 de Março de 2012. Cópia arquivada em 15 de Fevereiro de 2012 
  150. Schwartz, Rob (6 de Março de 2012). «AKB48, Avril Lavigne Win Big at Billboard Japan Music Awards». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 19 de Março de 2012 
  151. «Nominate Your Favorite at the People's Choice Awards». People's Choice Awards. Consultado em 25 de Novembro de 2011 
  152. «The Japan Gold Disc Award 2011» (em japonês). Japan Gold Disc Award. Consultado em 19 de Março de 2012 
  153. «Nominees And Winners». Grammy Award. National Academy of Recording Arts and Sciences. Consultado em 3 de Janeiro de 2012. Cópia arquivada em 1 de Agosto de 2012 
  154. «Juno Award contenders include Drake, Feist, Bublé». JUNO Awards. Canadian Broadcasting Corporation. 7 de Fevereiro de 2012. Consultado em 19 de Março de 2012 
  155. «Premios Oye Nominados 2012» (PDF) (em espanhol). Premios Oye!. Consultado em 19 de Março de 2012 
  156. «Florence And The Machine, Horrors, Arctic Monkeys win at 2012 NME Awards». NME. 29 de Fevereiro de 2012. Consultado em 19 de Março de 2012 
  157. Montgomery, James (28 de Janeiro de 2011). «Lady Gaga's 'Born This Way' Leads New Era Of Outcast Anthems». MTV (MTV Networks). Consultado em 29 de Janeiro de 2011 
  158. Cragg, Michael (11 de Fevereiro de 2011). «Lady Gaga's Born This Way: first review». The Guardian. Consultado em 11 de Fevereiro de 2011 
  159. Trust, Gary (16 de Fevereiro de 2011). «Lady Gaga Claims 1,000th Hot 100 No. 1 with 'Born This Way'». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 13 de Março de 2011 
  160. Pomerantz, Dorothy (18 de Fevereiro de 2011). «Lady Gaga Sets iTunes Sales Record». Forbes. Consultado em 23 de Fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 19 de Agosto de 2012 
  161. Perpetua, Matthew (5 de Fevereiro de 2011). «Lady Gaga Reveals Details About Her New Album to Ryan Seacrest». Rolling Stone. Consultado em 16 de Fevereiro de 2011 
  162. «Lady Gaga – Judas» (em neerlandês). Ultratop. Hung Medien. Consultado em 26 de Abril de 2011 
  163. a b «Lady Gaga Makes 'The Edge Of Glory' Next Official Single». Gigwise. 11 de Maio de 2011. Consultado em 11 de Maio de 2011 
  164. Trust, Gary (18 de Maio de 2011). «Adele Stays Atop Hot 100, Lady Gaga Makes 'Glory'-ous Start». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 18 de Maio de 2011 
  165. Mapes, Jillian (17 de Junho de 2011). «Lady Gaga's 'Edge of Glory' Video Premieres: Watch». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 17 de Junho de 2011 
  166. a b Vena, Jocelyn (27 de Julho de 2009). «Lady Gaga Finally Confirms 'You And I' As Her Next Single». MTV (MTV Networks). Viacom. Consultado em 1 de Agosto de 2011 
  167. «Lady Gaga Worked With Mutt Lange on "You and I"». Arist Direct. Consultado em 23 de Julho de 2011 
  168. Newman, Melinda (29 de Julho de 2011). «What Lady Gaga's falling 'Born This Way' sales numbers tell us». HitFix. Consultado em 24 de Junho de 2011 
  169. Blauvelt, Christian (18 de Maio de 2011). «Lady Gaga's 'Born This Way' album leaks in full: To listen or not to listen?». Entertainment Weekly. Time Inc. Consultado em 26 de Junho de 2011 
  170. «Lady Gaga – Marry the Night» (em alemão). Ultratop 50. Hung Medien. Consultado em 10 de Junho de 2011 
  171. «The Billboard Hot 100: Week Ending June 11, 2011». Billboard. Prometheus Global Media. 3 de Junho de 2011. Consultado em 3 de Junho de 2011 
  172. «Cerimônia do Grammy 2011 começa com homenagem a Aretha Franklin e show de Lady Gaga». UOL. 13 de Fevereiro de 2011. Consultado em 14 de Fevereiro de 2011 
  173. «Lady Gaga chega ao Grammy a bordo de um ovo». Veja. 14 de Fevereiro de 2011. Consultado em 14 de Fevereiro de 2011 
  174. «Lady Gaga chega ao Grammy dentro de um ovo». Terra. Terra Networks. 13 de Fevereiro de 2011. Consultado em 14 de Fevereiro de 2011 
  175. Powers, Lindsay (13 de Fevereiro de 2011). «Lady Gaga Hatches From Egg During Grammy Performance (VIDEO)». The Hollywood Reporter. Consultado em 15 de Fevereiro de 2011 
  176. Redação (17 de Abril de 2011). «VIDEO & PHOTOS: Lady Gaga Surprises Club Goers By Performing Judas». RadarOnline. American Media, Inc. Consultado em 17 de Abril de 2011 
  177. «Lady Gaga – Thursday, April 28, 2011». Warner Bros. Television. 22 de Abril de 2011. Consultado em 25 de Abril de 2011. Cópia arquivada em 13 de Junho de 2011 
  178. Dinh, James (28 de Abril de 2011). «Lady Gaga Talks Fame, Performs 'Judas' On 'Ellen DeGeneres Show'». MTV (MTV Networks). Consultado em 29 de Abril de 2011 
    Vídeo: Mapes, Jillian (28 de Abril de 2011). «Lady Gaga Performs 'Judas' on 'Ellen': Watch». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 29 de Abril de 2011 
  179. Mapes, Jillian (4 de Maio de 2011). «Lady Gaga Debuts 'Americano' Song in Mexico: Watch». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 21 de Maio de 2011 
  180. Corner, Lewis (6 de Maio de 2011). «Lady GaGa performs 'You & I' on 'Oprah'». Digital Spy. Consultado em 21 de Maio de 2011 
  181. Vena, Jocelyn (5 de Maio de 2011). «Lady Gaga Performs New Version Of 'You And I' On 'Oprah'». MTV (MTV Networks). Consultado em 21 de Maio de 2011 
  182. Chiu, David (22 de Maio de 2011). «Lady Gaga rocked SNL». National Broadcasting Company News. Consultado em 22 de Maio de 2011 
  183. D'Zurilla, Christie (9 de Julho de 2011). «Lady Gaga debuts new song, 'You and I,' on the 'Today' show». Los Angeles Times. Tribune Company. Consultado em 23 de Julho de 2011 
    Wieselman, Jarett (9 de Julho de 2011). «NY Hearts Lady GaGa. 'Today,' tomorrow, forever». New York Post. News Corporation. Consultado em 23 de Julho de 2011 
  184. Kreps, Daniel (2 de Agosto de 2011). «Lady Gaga Protests Arizona Immigration Law in Phoenix». Rolling Stone. Jann Wenner. Consultado em 4 de Agosto de 2011 
  185. a b Garibaldi, Christina (12 de Maio de 2011). «Lady Gaga Steals Spotlight At Cannes Film Festival». MTV (MTV Networks). Consultado em 12 de Maio de 2011 
  186. a b Sperling, Daniel (15 de Maio de 2011). «Lady GaGa closes Radio 1's Big Weekend». Digital Spy. Consultado em 16 de Maio de 2011 
  187. «Clarence Clemons, 'Big Man' of Bruce Springsteen's E Street Band, Dead at 69». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. 18 de Junho de 2011. Consultado em 19 de Junho de 2011 
  188. Graham, Adam (26 de Maio de 2011). «Lady Gaga Dives And Dazzles On 'American Idol Finale'». MTV (MTV Networks). Consultado em 4 de Julho de 2011 
  189. Marikar, Sheila (27 de Maio de 2011). «Lady Gaga Wows Crowd, Ziplines Onto 'Good Morning America' Concert Stage». American Broadcasting Company. ABC News. Consultado em 29 de Maio de 2011 
    Cohan, Joshua (27 de Maio de 2011). «Lady Gaga Rocks Biggest 'Good Morning America' Crowd Ever». American Broadcasting Company. ABC News Radio. Consultado em 29 de Maio de 2011 
  190. «Keri Hilson and Lady Gaga Perform in Germany». Rap-Up. 12 de Junho de 2011. Consultado em 15 de Junho de 2011 
  191. «Lady GaGa Performs On Germanys Next Top Model». The Grape Juice. 9 de Junho de 2011. Consultado em 23 de Julho de 2011 
  192. «Gaga performs on the Germany's next top model finale!». LadyGaga.com. Consultado em 12 de Junho de 2011 
  193. Marcic, Mike (15 de Junho de 2011). «Gaga Has The X Factor». Sydney Star Observer. Gay and Lesbian Community Publishing Limited. Consultado em 15 de Junho de 2011. Cópia arquivada em 15 de Junho de 2011 
  194. «Lady Gaga can't speak French, so she lets the funky music do the talking». Heat. Bauer Media Group. 15 de Junho de 2011. Consultado em 15 de Junho de 2011 
  195. a b D'Emillio, Francis (13 de Junho de 2011). «Lady Gaga sings 'Born This Way' at Rome gay rally». USA Today. Gannett Company. Consultado em 15 de Junho de 2011 
  196. Love, Ryan (13 de Junho de 2011). «Lady GaGa 'Paul O'Grady' interview: Behind the scenes». Digital Spy. Consultado em 16 de Junho de 2011 
  197. a b Johnson, Chris (20 de Junho de 2011). «Born again (for the third time)... Lady Gaga hatches from another egg-like cocoon during the MuchMusic Video Awards». Daily Mail. Associated Newspapers. Consultado em 20 de Junho de 2011 
  198. John, Georgina Little (25 de Junho de 2011). «Back to blonde for Lady Gaga as she ditches the green wig at charity concert in Japan». Daily Mail. Associated Newspapers. Consultado em 26 de Junho de 2011 
  199. «My Little Gaga». DailyFill. Elliot Press. 19 de Junho de 2011. Consultado em 19 de Junho de 2011 
  200. Varin, Claire (19 de Junho de 2011). «Lady Gaga chante en Français dans Taratata». Plurielles (em francês). e-TF1 Tous droits réservés. Consultado em 19 de Junho de 2011 
  201. Rostagnat, Melanie (6 de Julho de 2011). «YouTube Ferme le Compete de Lady Gaga». OZAP (em francês). Pure Medias. Consultado em 29 de Julho de 2011 
  202. «Lady Gaga promises full concert in Taiwan». The China Post. 5 de Julho de 2011. Consultado em 10 de Julho de 2011. Cópia arquivada em 10 de Julho de 2011 
  203. Mrkic, Mike (20 de Maio de 2011). «Gaga confirms Oz visit». Sydney Star Observer. Consultado em 3 de Julho de 2011 
  204. Kaufman, Gil (8 de Julho de 2011). «Lady Gaga Dishes On Sex, Drugs, Born This Way On Howard Stern». MTV (MTV Networks). Viacom. Consultado em 3 de Agosto de 2011 
  205. Hughes, Sarah Anne (4 de Agosto de 2011). «Lady Gaga talks Amy Winehouse on 'The View' (Video)». The Washington Post. The Washington Post Company. Consultado em 4 de Agosto de 2011 
  206. a b Caulfield, Keith (12 de Fevereiro de 2017). «Big Sean Scores Second No. 1 Album on Billboard 200 Chart With 'I Decided.'». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 14 de Fevereiro de 2017. She also bounces back onto the list with Born This Way (No. 25 with 17,000 units; up 1,117 percent) and ARTPOP (No. 174 with 5,000 units; up 420 percent). 
  207. «Born This Way by Lady Gaga» (em inglês). iTunes (Apple Inc.). Consultado em 25 de Outubro de 2011 
  208. a b «Born This Way (Limited Edition)» (em japonês). CD japan. Consultado em 17 de Novembro de 2011 
  209. «Lady Gaga – Born This Way (CD, Album)». Discogs. Consultado em 17 de Setembro de 2012 
  210. a b «Born This Way [22 Track Special Edition]». Allmusic. Rovi Corporation. Consultado em 20 de Maio de 2011. Cópia arquivada em 19 de Agosto de 2012 
  211. «Lady Gaga - Born This Way (Japan bonus track edition)» (em japonês). Universal Music Japan. Consultado em 26 de Maio de 2011 
  212. «Born This Way first week sales results!». Lady Gaga.com. 1 de Junho de 2011. Consultado em 1 de Junho de 2011 
  213. Corner, Lewis. «Lady GaGa's 'Born This Way' sets global record». Digital Spy. Consultado em 2 de Junho de 2011 
  214. «World Top 50 Albums - 23.05.2011-29.05.2011». Music Charts. Consultado em 29 de Fevereiro de 2012 
  215. Caulfield, Keith (19 de Maio de 2011). «Adele Headed for Ninth Week at No. 1 on Billboard 200». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 7 de Setembro de 2012 
  216. «Week of December 12, 1992». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 21 de Abril de 2010 
  217. «Britney Leads Pack Of Strong Debuts». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. 25 de Maio de 2000. Consultado em 20 de Janeiro de 2009 
  218. «More Than A Million Take Norah 'Home'». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 17 de Agosto de 2010 
  219. Caulfield, Keith (3 de Novembro de 2010). «Taylor Swift Sells Over 1 Million in Record Billboard 200 Debut Taylor Swift Sells Over 1 Million in Record Billboard 200 Debut». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 3 de Novembro de 2010 
  220. Martens, Todd (1 de Junho de 2011). «Lady Gaga tops the 1million mark in first-week album sales». Los Angeles Times. Consultado em 25 de Junho de 2011 
  221. Barshad, Amons (2 de Junho de 2011). «Guess How Much Money Amazon Lost by Selling Lady Gaga's Album for 99 Cents?». New York Magazine. Consultado em 25 de Junho de 2011. Cópia arquivada em 19 de Agosto de 2012 
  222. Peoples, Glenn (27 de Maio de 2011). «How Many Millions Did Amazon Lose on Two Days of 99 Cent Lady Gaga Sales?». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 17 de Junho de 2011 
  223. a b Caulfield, Keith (31 de Maio de 2011). «It's Official: Lady Gaga's Born This Way Sells 1.11 Million». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 31 de Maio de 2011 
  224. Peoples, Glenn (1 de Junho de 2011). «Lady Gaga's 'Born This Way' Sets One-Week Digital Sales Record». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 1 de Junho de 2011 
  225. «Dance/Electronic Albums: Week Ending June 4, 2011». Billboard. Prometheus Global Media. 26 de Maio de 2011. Consultado em 26 de Maio de 2011 
  226. «Dance/Electronic Albums: Week Ending June 11, 2011». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. 2 de Junho de 2011. Consultado em 8 de Junho de 2011 
  227. «Lady Gaga's 'Born' Holds Atop Billboard 200, Despite Steep Sales Drop». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. 8 de Junho de 2011. Consultado em 8 de Junho de 2011 
  228. Caulfield, Keith (3 de Julho de 2013). «Kanye West's 'Yeezus' Has Largest Second Week Drop For No. 1 Album In More Than A Year». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 3 de Julho de 2013 
  229. Grein, Paul (8 de Junho de 2011). «Week Ending June 5, 2011. Albums: Gaga's Record Drop-Off». Yahoo! Music. Consultado em 8 de Junho de 2011. Cópia arquivada em 19 de Agosto de 2012 
  230. Caulfield, Keith (15 de Junho de 2011). «Top 100 Music Hits, Top 100 Music Charts, Top 100 Songs & The Hot 100». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 2 de Julho de 2011 
  231. Caulfield, Keith (22 de Junho de 2011). «Eminem & Royce da 5'9" Debut at No. 1 on Billboard 200 with Bad Meets Evil EP». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 2 de Julho de 2011 
  232. Caulfield, Keith (6 de Junho de 2011). «Adele, Katy Perry Rule Mid-Year SoundScan Charts». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 2 de Julho de 2011 
  233. Trust, Gary (22 de Fevereiro de 2016). «This Week in Billboard Chart History: Five Years Ago, Lady Gaga's 'Born This Way' Marked a Milestone at No. 1». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 22 de Fevereiro de 2016. The set yielded four Hot 100 top 10s (and two other top 40 hits) and has sold 2.4 million copies in the U.S. to date, according to Nielsen Music. 
  234. a b c «Lady Gaga ends Adele's reign at the top of the UK chart». British Broadcasting Corporation. 29 de Maio de 2011. Consultado em 2 de Julho de 2011 
  235. a b «Top 75 Artist Album, Week Ending 26 May 2011». Irish Recorded Music Association. Chart-Track. Consultado em 27 de Maio de 2011 
  236. «Veckolista Album – Vecka 21, 27 maj 2011» (em sueco). Sverigetopplistan. Grammotex Data. Grammofonleverantörernas förening. Consultado em 27 de Maio de 2011L 
  237. «Lady GaGa: Born This Way» (em finlandês). International Federation of the Phonographic Industry. Consultado em 27 de Maio de 2011 
  238. «レディー・ガガ、日本デビュー2年で初首位» (em japonês). Oricon. 31 de Maio de 2011. Consultado em 1 de Junho de 2011 
  239. a b «Lady Gaga - Born This Way» (em japonês). Recording Industry Association of Japan. Consultado em 13 de Junho de 2011 
  240. «LADY GAGA DID THE WORLD» (em russo). Universal Music Russia. 3 de Junho de 2011. Consultado em 14 de Junho de 2011 
  241. a b c «Lady GaGa: n°1 des ventes d'albums en France». Charts in France. Consultado em 31 de Maio de 2011 
  242. «Lady GaGa's Born This Way becomes biggest album debut of 2011». Music Week. Consultado em 2 de Julho de 2011 
  243. «Lady Gaga & Pitbull stand firm at top of Official Charts». The Official Charts Company. 5 de Junho de 2011. Consultado em 15 de Junho de 2011. Cópia arquivada em 19 de Agosto de 2012 
  244. «Lady Gaga - Born This Way». Chart Stats. The Official Charts Company. Consultado em 26 de Junho de 2011 
  245. «26/06/2011 - Jason Derulo lands second number one». The Official Charts Company. 26 de Junho de 2011. Consultado em 26 de Junho de 2011. Cópia arquivada em 19 de Agosto de 2012 
  246. Patkinson, Tom (29 de Setembro de 2014). «Official Charts Analysis: alt-J's This Is All Yours secures No.1 album slot on 30,947 sales». Music Week (em inglês). Intent Media. Consultado em 29 de Setembro de 2014 
  247. «ARIA Top 50 Albums: Week of May 30, 2011». Australian Recording Industry Association. Consultado em 29 de Maio de 2011 
  248. a b «Born This Way in RIANZ». Recording Industry Association of New Zealand. Consultado em 30 de Maio de 2011 
  249. Hampp, Andrew (20 de Setembro de 2011). «Lady Gaga Manager Talks Tech Startups, Music Marketing and That 99-Cent Stunt on Amazon». Advertising Age. Consultado em 24 de Março de 2012 
  250. Redação (5 de Outubro de 2011). «Lady Gaga Biopic: 5 Stars Who Could Play the Role». International Business Times. Consultado em 24 de Março de 2012 
  251. «Possible Britney duet coming». JPS Pop Files. 31 de Janeiro de 2012. Consultado em 24 de Março de 2012 
    «World Top 50 Albums ~ 2011». Musicharts.net. Consultado em 24 de Março de 2012 
  252. «No More Singles From Lady GaGa's Born This Way». That Grape Juice. 29 de Janeiro de 2012. Consultado em 24 de Março de 2012. Cópia arquivada em 19 de Agosto de 2012 
  253. Newman, Melinda (23 de Junho de 2011). «What Lady Gaga's falling 'Born This Way' sales numbers tell us». HitFix. Consultado em 24 de Março de 2012 
  254. Smirke, Richard (26 de Março de 2012). «IFPI 2012 Report: Global Music Revenue Down 3%; Sync, PRO, Digital Income Up». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 24 de Março de 2012 
  255. «World Top 50 Albums ~ 2011». Music Charts. Consultado em 29 de Fevereiro de 2012 
  256. a b Loynes, Anna (5 de Janeiro de 2012). «The Nielsen Company & Billboard's 2011 Music Industry Report». Nielsen SoundScan. Consultado em 28 de Julho de 2012 
  257. «Lady GaGa, Born This Way» (em alemão). Media Control Charts. 31 de Maio de 2011. Consultado em 1 de Junho de 2011 
  258. a b c d e f g h i j k «LADY GAGA – BORN THIS WAY (ALBUM)». Australian Albums Chart. Hung Medien. Consultado em 1 de Junho de 2011 
  259. a b «Brazilian Albums: Week of June 18, 2011». Associação Brasileira dos Produtores de Discos. Consultado em 24 de Outubro de 2012 
  260. «Gaga's 'Born' has monster debut». Jam. 1 de Junho de 2011. Consultado em 2 de Junho de 2011 
  261. a b «Gaon top 100 albums». Gaon Music Charts. Consultado em 3 de Julho de 2011 
  262. «TOP KOMBINIRANIH – TJEDAN 21. 2011.». HDU. Consultado em 2 de Junho de 2011. Cópia arquivada em 2 de Junho de 2011 
  263. «Scottish Albums Chart Archive». The Official Charts Company. Consultado em 8 de Junho de 2011. Cópia arquivada em 19 de Agosto de 2012 
  264. «Slovay Album Chart-23. 05. 2011 do 29. 05. 2011». International Federation of the Phonographic Industry. Consultado em 2 de Junho de 2011. Cópia arquivada em 2 de Junho de 2011 
  265. «PROMUSICAE – TOP 100 ALBUMES SEMANA 21: del 23.05.2011 al 29.05.2011» (PDF) (em espanhol). Productores de Música de España. Consultado em 2 de Junho de 2011 
  266. «Dance/Electronic Albums: Week Ending June 11, 2011». Billboard. Prometheus Global Media. 2 de Junho de 2011. Consultado em 2 de Junho de 2011 
  267. «Greek Album Chart – Week 22 – 2011» (em grego). International Federation of the Phonografic Industry of Greece. 31 de Maio de 2011. Consultado em 9 de Junho de 2011. Cópia arquivada em 9 de Junho de 2011 
  268. «Magyar Hanglemezkiadók Szövetsége». MAHASZ. Consultado em 2 de Junho de 2011 
  269. «Classifica albuma FIMI» (em italiano). Federation of the Italian Music Industry. Consultado em 3 de Junho de 2011 
  270. «レディー・ガガ、日本デビュー2年で初首位» (em japonês). Oricon. Consultado em 30 de Maio de 2011 
  271. a b «Top 100 Mexico» (PDF) (em espanhol). Asociación Mexicana de Productores de Fonogramas y Videogramas. 29 de Maio de 2011. Consultado em 9 de Junho de 2011. Cópia arquivada em 9 de Junho de 2011 
  272. «Oficjalna lista sprzedaży». OLiS. 7 de Junho de 2011. Consultado em 3 de Junho de 2011 
  273. «TOP OFICIAL AFP». Associação Fonográfica Portuguesa. 2 de Junho de 2011. Consultado em 2 de Junho de 2011 
  274. «Lady Gaga – Born This Way» (em checo). International Federation of the Phonographic Industry. Consultado em 2 de Junho de 2010 
  275. «Леди Гага возглавила российский чарт: Трижды платиновая» (em russo). Lenta. 17 de Junho de 2011. Consultado em 21 de Junho de 2011 
  276. «Western Weekly Top 20, Week 21, 2011» (em chamorro). G-Music. Consultado em 12 de Junho de 2011 
  277. «Archive Chart». UK Albums Chart. The Official Charts Company. Consultado em 29 de Maio de 2011. Cópia arquivada em 19 de Agosto de 2012 
  278. «Album Jahrescharts 2011» (em alemão). MTV Alemanha. 31 de Dezembro de 2012. Consultado em 2 de Fevereiro de 2012 
  279. «ARIA Charts – End Of Year Charts – Top 100 Albums 2011». Australian Recording Industry Association. Consultado em 2 de Fevereiro de 2012 
  280. «Jahreshitparade Alben 2011» (em alemão). IFPI Áustria. Hung Medien. Consultado em 2 de Fevereiro de 2012 
  281. «Jaaroverzichten 2011». Ultratop. Hung Medien. Consultado em 2 de Fevereiro de 2012 
  282. «Rapports annuels 2011». Ultratop. Hung Medien. Consultado em 2 de Fevereiro de 2012 
  283. «2011 Year End Charts – Top Canadian Albums». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 2 de Fevereiro de 2012 
  284. «Album Top 100» (em dinamarquês). Hitlisten. IFPI Dinamarca. Consultado em 2 de Fevereiro de 2012. Cópia arquivada em 23 de Janeiro de 2012 
  285. «Top 50 Albums 2011» (PDF) (em espanhol). Productores de Música de España. Consultado em 2 de Fevereiro de 2012 
  286. «2011 Year End Charts – Top Billboard 200 Albums». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 2 de Fevereiro de 2012 
  287. «2011 Year End Charts – Dance/Electronic Albums». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 2 de Fevereiro de 2012 
  288. «Myydyimmät ulkomais» (em finlandês). IFPI Finlândia. Consultado em 2 de Fevereiro de 2012 
  289. «Classement Albums - année 2011» (em francês). Syndicat National de l'Édition Phonographique. Consultado em 2 de Fevereiro de 2012 
  290. «Best of 2011». Irish Recorded Music Association. Consultado em 2 de Fevereiro de 2012 
  291. «Classifiche annuali Fimi-GfK: Vasco Rossi con "Vivere o Niente" e' stato l'album piu' venduto nel 2011 - scarica l'allegato» (em italiano). Federation of the Italian Music Industry. Consultado em 2 de Fevereiro de 2012 
  292. «2011 Year End Charts – Oricon CD Albums Top 100» (em japonês). Oricon. Consultado em 2 de Fevereiro de 2012 
  293. «Top 100 Mexico – Los Más Vendidos 2011» (PDF). Top 100 Mexico. Asociación Mexicana de Productores de Fonogramas y Videogramas. Consultado em 2 de Fevereiro de 2012 
  294. «Adele dominates NZ end of year charts». One News. Television New Zealand. 16 de Dezembro de 2011. Consultado em 2 de Fevereiro de 2012 
  295. «Jaaroverzichten 2011» (em alemão). MegaCharts. Hung Medien. Consultado em 2 de Fevereiro de 2012 
  296. «Top 100 – annual chart – 2011». Związek Producentów Audio Video. Consultado em 2 de Fevereiro de 2012 
  297. «The Top 20 biggest selling albums of 2011 revealed!». The Official Charts Company. 2 de Janeiro de 2012. Consultado em 2 de Fevereiro de 2012. Cópia arquivada em 19 de Agosto de 2012 
  298. «Årslista Album – År 2011» (em sueco). Sverigetopplistan. Swedish Recording Industry Association. Consultado em 2 de Fevereiro de 2012 
  299. «Swiss Year-end Charts 2011». Hung Medien. Consultado em 2 de Fevereiro de 2012 
  300. «ARIA Charts - End of Year Charts - Top 50 Dance Albums 2012». ARIA Charts. Consultado em 25 de Janeiro de 2013 
  301. «Billboard 200 - 2012 Year End Charts: 81 - 90». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 2 de Fevereiro de 2013 
  302. «Dance/Electronic Albums – 2012 Year End Charts: 1 - 10». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 2 de Fevereiro de 2013 
  303. «Gold-/Platin Datenbank (Lady Gaga)» (em alemão). Bundesverband Musikindustrie. Consultado em 26 de Dezembro de 2012 
  304. «ARIA Charts - Accreditations - 2011 Albums». ARIA Charts. 27 de Maio de 2011. Consultado em 24 de Setembro de 2012. Cópia arquivada em 24 de Setembro de 2012 
  305. «ULTRATOP BELGIAN CHARTS». Belgian Entertainment Association. Ultratop. Consultado em 23 de Julho de 2011 
  306. «Lady Gaga». Associação Brasileira dos Produtores de Discos. Consultado em 1 de Junho de 2011 
  307. «CRIA – Gold & Platinum certifications – June 2011». Music Canada. 16 de Junho de 2011. Consultado em 1 de Julho de 2011 
  308. «Certificeringer» (em dinamarquês). International Federation of the Phonographic Industry. Consultado em 15 de Julho de 2011 
  309. «Top 200 Albumes» (PDF) (em espanhol). Productores de Música de España. Consultado em 23 de Julho de 2011 
  310. «RIAA Certifications Search». Recording Industry Association of America. Consultado em 28 de Novembro de 2011 
  311. «Lady gaga accepts triple platinum award in Manila». Philippine Association of the Record Industry. Consultado em 26 de Dezembro de 2012 
  312. «Lady Gaga» (em finlandês). International Federation of the Phonographic Industry. Consultado em 25 de Agosto de 2011 
  313. «Les plus grosses ventes de disques en France au premier semestre» (em francês). Syndicat National de l'Édition Phonographique. 11 de Julho de 2011. Consultado em 12 de Julho de 2011 
  314. «Double Platinum certifications Albums – Year 2011» (em francês). Syndicat National de l'Édition Phonographique. Consultado em 24 de Fevereiro de 2012 
  315. «Hungarian Top 40 – Certification» (em húngaro). MAHASZ. Consultado em 8 de Julho de 2011 
  316. «Lady Gaga to release 3 new editions of 'Born this Way' in India». Radio and Music. 31 de Outubro de 2011. Consultado em 25 de Novembro de 2011 
  317. «Lady Gaga - Born This Way - Indonesia sales». Creative Disc. Consultado em 23 de Julho de 2011 
  318. «2011 Certification Awards: Multi-Platinum». Irish Recorded Music Association acessodata=26 de Dezembro de 2012 
  319. «Lady Gaga - Born This Way - FIMI» (PDF) (em italiano). Federation of the Italian Music Industry. Consultado em 10 de Julho de 2011 
  320. «TOP 100 ALBUMES» (em neerlandês). Związek Producentów Audio Video. Consultado em 26 de Dezembro de 2012 
  321. «BPI Certified Awards». British Phonographic Industry. Consultado em 20 de Agosto de 2011 
  322. «Lady Gaga gets 3 platinum discs in Romania» (em romeno). Federação Internacional da Indústria Fonográfica (Roménia). Consultado em 26 de Dezembro de 2012 
  323. «Russian Year-End Chart» (PDF) (em russo). NFPP. Consultado em 26 de Dezembro de 2012 
  324. «Western Weekly Top 20, Week 21, 2011» (em chinês). G-Music.com. Consultado em 12 de Junho de 2011 
  325. «Guld- och Platinacertifikat − År 2011» (PDF) (em sami do norte). Federação Internacional da Indústria Fonográfica. Consultado em 25 de Janeiro de 2012 
  326. «Awards 2011». Hung Medien. Federação Internacional da Indústria Fonográfica. Consultado em 30 de Abril de 2011 
  327. «IFPI Platinum - 2011». International Federation of the Phonographic Industry. 13 de Julho de 2011. Consultado em 25 de Julho de 2011 
  328. (2011) Créditos do álbum Born This Way por Lady Gaga [encarte]. Interscope Records (2771838).
  329. «Credits: Born This Way» (em inglês). Allmusic. Rovi Corporation. Consultado em 21 de Maio de 2011