Monogamia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Escultura de bronze de um casal cassubiano idoso localizada na praça Kaszubski, Gdynia, Polônia.

Monogamia é uma forma de relacionamento em que um indivíduo tem apenas um parceiro durante a sua vida ou durante períodos (a monogamia serial), em comparação com a poligamia, poliandria, ou poliamor.[1] O termo também é aplicado ao comportamento social de alguns animais, que têm apenas um companheiro sexual por vez.

É importante ter uma compreensão clara da nomenclatura do termo "monogamia", porque os cientistas usam-no para diferentes tipos de relacionamentos. Os biólogos, antropólogos biológicos, comportamentais e ecologistas costumam usar o termo monogamia no sentido sexual, se não genético.[2] Os pesquisadores biológicos modernos usam a teoria da evolução humana aproximar a monogamia como o mesmo em espécies animais não-humanos e humanos . Eles postulam os quatro aspectos da monogamia seguintes:

  • Monogamia civil refere-se a casamentos de apenas duas pessoas.
  • Monogamia social refere-se a dois parceiros que vivem juntos, fazem sexo e colaboraram na aquisição de recursos básicos, como moradia, comida e dinheiro.
  • Monogamia sexual refere-se a dois parceiros exclusivamente sexuais, que não têm outros parceiros sexuais.[3]
  • Monogamia genética refere-se relações sexualmente monogâmicas com evidência genética de paternidade.[3]

Quando os antropólogos culturais ou sociais e outros cientistas sociais usam o termo monogamia, o significado é a monogamia social, ou marital[3] A monogamia civil podem distinguir-se ainda entre:

  • casamento uma vez na vida;
  • casamento com apenas uma pessoa de cada vez, em contraste com a bigamia ou a poligamia;[1]
  • e monogamia em série, um novo casamento após a morte do cônjuge ou o divórcio.

Aspectos legais da monogamia humana são ensinados nas faculdades de direito. Há também aspectos filosóficos em disciplinas como antropologia filosófica, filosofia da religião e teologia.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

A palavra monogamia vem do grego μονός, monos, o que significa "um" ou "sozinho", e γάμος, gamos, que significa casamento.[1]

Incidência em humanos[editar | editar código-fonte]

Incidência de monogamia social[editar | editar código-fonte]

Casamento cristão em Quioto, Japão

De acordo com o Atlas Etnográfico, das 1.231 sociedades analisada em todo o mundo, 186 eram monogâmicas; 453 tinham poligamia ocasional; 588 tinha poligamia com mais frequência; e 4 tiveram registros de poliandria [4] No entanto, isso não leva em conta a população relativa de cada uma das sociedades estudadas e a prática da poligamia em uma sociedade tolerante pode realmente ser baixa, sendo que a maioria dos polígamos praticam também o casamento monogâmico.[5]

Muitas sociedades que consideramos monogâmicas na verdade permitem um processo de divórcio simples e rápido. Em muitos países ocidentais, as taxas de divórcio se aproximam de 50%. Aqueles que se casam acabam por casar novamente, em média, 3 vezes ao longo da vida. O divórcio e um novo casamento podem, portanto, resultam na chamada "monogamia em série", ou seja, múltiplos casamentos, mas apenas um de cada vez. Isto pode ser interpretado como uma forma de acasalamento plural, como são aquelas em sociedades dominadas por famílias chefiadas por mulheres no Caribe, Ilhas Maurícias e no Brasil, onde há rotação frequente de parceiros não casados.[6]

Incidência de monogamia sexual[editar | editar código-fonte]

A incidência da monogamia sexual pode ser grosseiramente estimada pela porcentagem de pessoas casadas que não se envolvem em relações sexuais extraconjugais. O "Standard Cross-Cultural Sample" descreve a quantidade de sexo extraconjugal feito por homens e mulheres em mais de 50 culturas pré-industriais. A quantidade de sexo extraconjugal por homens é descrita como "universal" em seis culturas, "moderada" em 29 culturas, "ocasional" em seis culturas e "incomum" em 10 culturas. A quantidade de sexo extraconjugal por mulheres é descrita como "universal" em seis culturas, "moderada" em 23 culturas, "ocasional" em nove culturas e "incomum" em 15 culturas. Estes resultados apoiam a alegação de que a quantidade de sexo extraconjugal difere entre culturas e sexos diferentes.[7] [8]

Pesquisas recentes realizadas em países não-ocidentais também encontraram diferenças culturais e de gênero nas relações sexuais extraconjugais. Um estudo do comportamento sexual na Tailândia, Tanzânia e Costa do Marfim sugere cerca de 16-34% dos homens se envolvem em relações sexuais extraconjugais, enquanto uma porcentagem (não declarada) muito menor de mulheres se envolvem em relações sexuais extraconjugais.[9] Estudos na Nigéria estimaram que cerca de 47-53% dos homens e 18-36% das mulheres se envolvem em relações sexuais extraconjugais.[10] [11] Um estudo de casais que coabitam no Zimbabwe em 1999 relata que 38% dos homens e 13% das mulheres que tiveram relações sexuais extraconjugais nos últimos 12 meses.[12]

A questão do sexo extraconjugal foi examinado com frequência nos Estados Unidos. Muitas pesquisas que perguntaram sobre sexo extraconjugal nos Estados Unidos têm estimados com amostras de conveniência. Em uma amostra de conveniência, os questionários são distribuídos a quem passa a ser facilmente disponível (por exemplo, estudantes universitários voluntários ou leitores da revista voluntário). As amostras de conveniência não refletem com precisão a população dos Estados Unidos como um todo, o que pode causar sérias distorções nos resultados da pesquisa. Não deveria ser surpreendente, portanto, que as pesquisas de sexo extraconjugal nos Estados Unidos produziram resultados muito diferentes. Esses estudos relatam que cerca de 12-26% das mulheres casadas e 15-43% dos homens casados se envolveram em relações sexuais extraconjugais.[13] [14] [15] A única maneira de obter estimativas cientificamente confiáveis sobre sexo extraconjugal é usar amostras nacionalmente representativas. Três estudos utilizaram amostras representativas em termos nacionais. Esses estudos descobriram que cerca de 10-15% das mulheres e 20-25% dos homens se envolveram em relações sexuais extraconjugais.[16] [17] [18]

Uma oficial da Marinha dos Estados Unidos beija sua noiva ao desembarcar.

Uma pesquisa feita por Colleen Hoffon com 566 casais de homens homossexuais na Área da Baía de São Francisco, na Califórnia, descobriu que 45% mantinham relações monogâmicas. Esse estudo foi financiado pelo National Institute of Mental Health.[19] No entanto, a Human Rights Campaign afirmou, com base em um relatório do Instituto Rockway, que "muitos jovens LGBTs ... querem passar sua vida adulta em um relacionamento de longo prazo e criar filhos". Especificamente, mais de 80% dos homossexuais pesquisados esperavam estar em um relacionamento monogâmico depois dos 30 anos de idade.[20]

A maioria das pessoas casadas permanecem sexualmente monógamas durante seus casamentos. O número de pessoas casadas que se envolvem em relações sexuais extraconjugais nunca é superior a 50% em estudos com amostras grandes ou nacionalmente representativas. No entanto, a incidência da monogamia sexual varia entre culturas. Pessoas em determinadas culturas são mais sexualmente monógamas do que pessoas de outras culturas.[carece de fontes?]

Incidência de monogamia genética[editar | editar código-fonte]

A incidência de monogamia genética pode ser estimada a partir de taxas de paternidade extra-par, que é quando prole criada por um casal monogâmico vêm do acasalamento da mulher com outro homem. As taxas de paternidade extra-par não têm sido extensivamente estudadas na população. Muitos relatos de paternidade extra-par são pouco mais de cotações com base em boatos, anedotas e em resultados não publicados.[21] Simmons, Firman, Rhodes e Peters avaliaram 11 estudos publicados sobre paternidade extra-par em vários locais nos Estados Unidos, França, Suíça, Reino Unido, México e entre os índios ianomâmis da América do Sul.[22] As taxas de paternidade extra-par variaram de 0,03% a 11,8%, embora a maioria dos locais tenham tido baixas percentagens. A taxa média deste tipo de paternidade foi de 1,8%. Uma análise separada de 17 estudos por Bellis, Hughes, Hughes e Ashton encontrou taxas ligeiramente superiores de paternidade extra-par. As taxas variam de 0,8% a 30% nesses estudos, com uma taxa média de 3,7%.[23] Uma gama de 1,8% a 3,7% de paternidade extra-par implica uma gama de 96% a 98% de monogamia genética. Embora a incidência de monogamia genética possa variar de 70% a 99% em diferentes culturas ou ambientes sociais, uma grande percentagem de casais permanecerem geneticamente monogâmicos durante as suas relações. Um artigo que revisou outros 67 outros estudos relatou que a paternidade extra-par em diferentes sociedades que varia de 0,4% a mais de 50%.[24]

Erros de linhagem são uma bem conhecidos fonte de erro em estudos médicos. Quando são feitas tentativas para tentar estudar aflições médicas e seus componentes genéticos, torna-se muito importante para entender as taxas não-paternidade e erros de linhagem. Existem inúmeros procedimentos que existem para corrigir os dados das pesquisas para erros de linhagem em softwares.[25] [26] [27]

Desenvolvimento evolutivo e histórico[editar | editar código-fonte]

Um par de aves da espécie Nestor meridionalis no zoológico de Auckland, Nova Zelândia.

Argumentos biológicos[editar | editar código-fonte]

A monogamia, ou pelo menos a monogamia social, não existe em muitas sociedades ao redor do mundo,[28] o que é importante para entender como esses sistemas de casamento podem ter evoluído. Em todas as espécies, há três aspectos principais que se combinam para promover um sistema de acasalamento monogâmico: cuidados parentais, o acesso a recursos e a escolha de um companheiro;[3] no entanto, em seres humanos, as principais fontes teóricas da monogamia são o cuidado parental e tensões ecológicas extremas.[2] O cuidado parental deve ser particularmente importante em humanos devido à exigência nutricional extra de terem cérebros maiores e um período de desenvolvimento mais longo.[29] [30] [31] Portanto, a evolução da monogamia pode ser um reflexo deste aumento da necessidade de cuidar da prole.[29] [30] [31] Da mesma forma, a monogamia deve evoluir em áreas de tensão ecológica, porque o sucesso reprodutivo masculino deve ser maior se os seus recursos estão focados em garantir a sobrevivência da prole ao invés de procurar outros companheiros.[2] No entanto, as evidências não apoiam estas alegações.[2] Devido à sociabilidade extrema e ao aumento da inteligência dos humanos, o Homo sapiens têm resolvido muitos dos problemas que geralmente levam a monogamia, como os mencionados acima.[2] Por exemplo, a monogamia é certamente correlacionada com o cuidado parental, como mostrado por Marlowe,[30] mas não é causado por ele causado porque os seres humanos diminuem a necessidade de cuidados parentais do casal com a ajuda de irmãos e outros membros da família na criação dos filhos.[2] Além disso, a inteligência humana e a cultura material permitem uma melhor adaptação à diferentes e hostis áreas ecológicas, reduzindo, assim, o nexo de causalidade e até mesmo correlação do casamento monogâmico e climas extremos.[2]

A paleoantropologia e estudos genéticos oferecem duas perspectivas sobre quando a monogamia evoluiu na espécie humana: paleoantropólogos oferecem a evidência preliminar de que a monogamia pode ter evoluído muito cedo na história humana.[32] Enquanto que os estudos genéticos mostram que a monogamia evoluído muito mais recentemente, ha menos de 10 a 20 mil anos.[33] [34]

Orangotangos machos não são monogâmicos e disputam pelo acesso às fêmeas.

Estimativas paleoantropológicas sobre a evolução da monogamia são baseadas principalmente nos níveis de dimorfismo sexual observados em registros fósseis, porque, em geral, a competição entre machos reduzida, vista em resultados de acasalamento monogâmico, reduz o dimorfismo sexual.[35] De acordo com para Reno et al., o dimorfismo sexual do Australopithecus afarensis, um ancestral humano de cerca de 3,9-3,0 milhões de anos atrás,[36] estava dentro da faixa humana moderna, com base na morfologia dentária e pós-craniana.[32] Embora isso não indique que acasalamentos monogâmicos eram prática dos primeiros hominídeos, visto que os autores dizem que os níveis reduzidos de dimorfismo sexual no A. afarensis "não significam que a monogamia é menos provável do que a poligamia".[32] No entanto, Gordon, Green e Richmond afirmam que os do A. afarensis apresentam mais dimorfismo sexual do que os humanos modernos e os chimpanzés, com níveis mais próximos aos dos orangotangos e gorilas.[33] Além disso, o Homo habilis, que viveu cerca de 2,3 milhões de anos atrás,[36] é o hominídeo com mais dimorfismo sexual precoce.[37] Plavcan e van Schaik Plavcan concluem em sua análise desta controvérsia que, em geral, o dimorfismo sexual em Australopithecus não é indicativo de quaisquer implicações comportamentais ou sistemas de acasalamento.[38]

A evidência genética para a evolução da monogamia em humanos é mais complexa, mas muito mais simples. Embora o tamanho efetivo da população feminina (o número de indivíduos que produzem com êxito a prole, contribuindo assim para a variação genética), como indicado pela evidência de DNA mitocondrial, aumentou em torno da época da expansão humana (não hominídeo) para fora da África, cerca de 80.000-100.000 anos atrás, enquanto o tamanho efetivo da população masculina, como indicado pela evidência do cromossomo Y, não aumentou até o advento da agricultura, 18.000 anos atrás. Isso significa que, antes de 18 000 anos, muitas mulheres reproduziam-se com os mesmos poucos machos da população.[34]

Argumentos culturais[editar | editar código-fonte]

  Poligamia permitida e praticada
  Poligamia proibida, mas a prática não é totalmente ilegal
  Poligamia completamente proibida
  Estado legal desconhecido

Apesar da capacidade humana de evitar a monogamia sexual e genética, a monogamia social ainda se desenvolve em muitas condições diferentes, mas a maioria dessas condições são consequências de processos culturais.[2] Estes processos culturais podem não ter nada a ver com o sucesso reprodutivo relativo. Por exemplo, o estudo comparativo do antropólogo Jack Goody utilizando o Atlas Etnográfico, demonstrou que a monogamia é parte de um complexo cultural encontrado na ampla faixa de sociedades da Eurásia, entre Japão e Irlanda, que praticam a monogamia social, a monogamia sexual e o dote.[39] Goody demonstra uma correlação estatística entre este complexo cultural e o desenvolvimento da agricultura, com o arado intensivo nessas áreas.[40] Com base na obra de Ester Boserup, Goody observa que o divisão sexual do trabalho varia na agricultura por arado intensivo e horticultura de deslocamento. Na agricultura com arado, em grande parte o trabalho é dos homens e está associado com a propriedade privada; o casamento tende a ser monogâmico para manter a propriedade dentro da família nuclear. Perto da família (endogamia) estão os parceiros de casamento preferido para manter a propriedade dentro do grupo.[41] Um estudo genético molecular da diversidade genética humana global argumentou que a poligamia sexual era típica e comum em padrões reprodutivos humanos até a mudança para as comunidades sedentárias agrícolas, aproximadamente 10.000 a 5.000 anos atrás, na Europa e na Ásia, e mais recentemente na África e na América.[42] Um outro estudo com base no Atlas Etnográfico mostrou uma correlação entre o aumento do tamanho da sociedade, a crença em deuses para apoiar a moralidade humana e a monogamia.[43] Um estudo de outras amostras transculturais confirmou que a ausência do arado era o único preditor da poligamia, embora outros fatores, como a alta mortalidade masculina em guerras (em sociedades sem Estado) e o estresse (patógeno nas sociedades com Estado), também tivessem algum impacto.[44]

Mulher agricultora nas montanhas de Nuba, no Sudão do Sul

Betzig postulou que a cultura/sociedade pode também ser uma fonte de monogamia social, impondo-a através de regras e leis estabelecidas por atores de terceiros, geralmente, com o objetivo de proteger a riqueza ou o poder da elite.[2] [45] [46] Por exemplo, Augusto César incentivou o casamento e a reprodução para forçar a aristocracia romana a dividir sua riqueza e poder entre vários herdeiros, mas os aristocratas mantiveram suas rlações socialmente monogâmicas, com filhos legítimos para garantir o seu legado, apesar de ter muitas cópulas extraconjugais.[45] Da mesma forma, de acordo com Betzig, a Igreja Cristã aplicou a monogamia porque a riqueza era passada para o parente legítimo do sexo masculino vivo e mais próximo, o que muitas vezes resultava em um rico irmão mais velho ficar sem um herdeiro masculino.[46] Assim, a riqueza e o poder da família passaria para o irmão mais novo, "celibatário" da igreja. [48] [46] Em ambos os casos, os processos culturais usados pelas elites viram lei para garantir uma maior aptidão reprodutiva para si e para os seus descendentes, levando a uma influência genética maior nas futuras gerações[45] [46] Além disso, as leis da Igreja cristã, em particular, foram importantes na evolução da monogamia social nos seres humanos. [48] Eles permitiram, mesmo encorajada, homens pobres a se casar e produzir descendentes que reduziu a diferença em sucesso reprodutivo entre ricos e pobres, resultando, assim, na propagação rápida de sistemas de casamento monogâmico no mundo ocidental.[46] de acordo com a B. S. Low, a cultura parece ter um impacto muito maior sobre a monogamia em seres humanos do que forças biológicas, que são fatores mais importantes para os animais não-humanos.[2]

Outros teóricos usam fatores culturais que influenciam o sucesso reprodutivo para explicar a monogamia. Durante os tempos de grandes transições econômicas/demográficas, investir mais em menos filhos (monogamia social, não poligamia) aumenta o sucesso reprodutivo, assegurando que a prole tenha riqueza inicial própria suficiente para ser bem sucedida.[2] Isto foi observado no Reino Unido e na Suécia durante a Revolução Industrial[2] e atualmente está sendo visto na modernização da Etiópia rural. [49][47] Da mesma forma, nas sociedades modernas industrializadas, a monogamia social pode proporcionar uma vantagem reprodutiva sobre a poligamia social, mas isso ainda não impede a monogamia em série e/ou cópulas extraconjugais.[2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c OED Online. Março de 2010. Oxford University Press. 23 Jun. 2010.
  2. a b c d e f g h i j k l m Low B.S. (2003) Ecological and social complexities in human monogamy. Monogamy: Mating Strategies and Partnerships in Birds, Humans and Other Mammals:161–176.
  3. a b c d Reichard, Ulrich H.. In: Ulrich H.. Monogamy: Mating Strategies and Partnerships in Birds, Humans and Other Mammals. [S.l.]: Cambridge University Press, 2003. 3–25 p. ISBN 978-0-521-52577-0
  4. Ethnographic Atlas Codebook. Acessado em 11 de fevereiro de 2015.
  5. Zeitzen, Miriam Koktvedgaard. Polygamy: A Cross-Cultural Analysis. Oxford: Berg, 2008. p. 5.
  6. Fox, Robin. Reproduction & Succession: Studies in Anthropology, Law and Society. New Brunswick, NJ: Transaction Publishers, 1997. p. 34.
  7. Divale, W. (2000). Pre-Coded Variables for the Standard Cross-Cultural Sample, Volume I and II. Jamaica, NY: York College, CUNY. Distributed by World Cultures. See Variable 170 and Variable 171.
  8. Murdock, G.P., White, D.R.. (1969). "Standard cross-cultural sample". Ethnology 8 (4): 329–369. DOI:10.2307/3772907.
  9. O’Connor, M.L.. (2001). "Men who have many sexual partners before marriage are more likely to engage in extramarital intercourse". International Family Planning Perspectives 27 (1): 48–9. DOI:10.2307/2673807.
  10. Isiugo-Abanihe, U.C.. (1994). "Extramarital relations and perceptions of HIV/AIDS in Nigeria". Health Transition Review 4 (2): 111–125. PMID 10150513.
  11. Ladebo, O.J., Tanimowo, A.G.. (2002). "Extension personnel's sexual behaviour and attitudes toward HIV/AIDS in South-Western Nigeria". African Journal of Reproductive Health 6 (2): 51–9. DOI:10.2307/3583130. PMID 12476716.
  12. National AIDS Council, Ministry of Health and Child Welfare, The MEASURE Project, Centers for Disease Control and Prevention (CDC/Zimbabwe). AIDS in Africa During the Nineties: Zimbabwe. A review and analysis of survey and research results. Carolina Population Center, University of North Carolina at Chapel Hill, 2002.
  13. Hunt, M. (1974). Sexual behavior in the 1970s. Chicago: Playboy Press.
  14. Blumstein, P., & Schwartz, P. (1983). American Couples: Money, Work, Sex. New York, NY: William Morrow and Company.
  15. Janus, S.S. & Janus, C.L. (1993). The Janus Report on Sexual Behavior. New York, NY: John Wiley & Sons, Inc.
  16. Clements, M.. "Sex in America today: A new national survey reveals how our attitudes are changing", Parade Magazine, 7 de agosto d 1994, pp. 4–6.
  17. Laumann, E. O., Gagnon, J. H., Michael, R. T, & Michaels, S. (1994). The social organization of sexuality: Sexual practices in the United States. Chicago: University of Chicago Press.
  18. Wiederman, M. W.. (1997). "Extramarital sex: Prevalence and correlates in a national survey". Journal of Sex Research 34 (2): 167–174. DOI:10.1080/00224499709551881.
  19. Many gay couples negotiate open relationships
  20. http://www.hrc.org/issues/marriage/9679.htm
  21. Macintyre, S., Sooman, A.. (1991). "Non-paternity and prenatal genetic screening". Lancet 338 (8771): 869–871. DOI:10.1016/0140-6736(91)91513-T. PMID 1681226.
  22. Simmons, L.W., Firman, R.E.C., Rhodes, G., Peters, M.. (2004). "Human sperm competition: testis size, sperm production and rates of extrapair copulations". Animal Behaviour 68 (2): 297–302. DOI:10.1016/j.anbehav.2003.11.013.
  23. Bellis, M.A., Hughes, K., Hughes, S., Ashton, J.R.. (2005). "Measuring paternal discrepancy and its public health consequences". Journal of Epidemiology and Community Health 59 (9): 749–754. DOI:10.1136/jech.2005.036517. PMID 16100312.
  24. Anderson, Kermyt G.. (2006). "How Well Does Paternity Confidence Match Actual Paternity? Evidence from Worldwide Nonpaternity Rates" (PDF). Current Anthropology 48 (3): 511–8. DOI:10.1086/504167.
  25. Suna L, Wildera K, McPeeka MS. (2002). "Enhanced Pedigree Error Detection". Human Heredity 54 (2): 99–110. DOI:10.1159/000067666. PMID 12566741.
  26. O'Connell JR, Weeks DE. (July 1998). "PedCheck: a program for identification of genotype incompatibilities in linkage analysis". Am J Hum Genet 63 (1): 259–266. DOI:10.1086/301904. PMID 9634505.
  27. Lathrop GM, Hooper AB, Huntsman JW, Ward RH. (March 1983). "Evaluating pedigree data. I. The estimation of pedigree error in the presence of marker mistyping". Am J Hum Genet 35 (2): 241–262. PMID 6573130.
  28. Murdock GP (1981) Atlas of world cultures. University of Pittsburgh Press, Pittsburgh.
  29. a b Lovejoy CO. (1981). "The Origin of Man". Science 211 (4480): 341–350. DOI:10.1126/science.211.4480.341. PMID 17748254.
  30. a b c Marlowe FW. (2000). "Paternal investment and the human mating system". Behav Processes 51 (1–3): 45–61. DOI:10.1016/S0376-6357(00)00118-2. PMID 11074311.
  31. a b Barrett L, Dunbar RIM, Lycett J (2002) Human evolutionary psychology. Palgrave, Basingstoke.
  32. a b c Reno PL, Meindl RS, McCollum MA, Lovejoy CO. (2003). "Sexual dimorphism in Australopithecus afarensis was similar to that of modern humans". Proc Natl Acad Sci U S A 100 (16): 9404–9409. DOI:10.1073/pnas.1133180100. PMID 12878734.
  33. a b Gordon AD, Green DJ, Richmond BG. (2008). "Strong postcranial size dimorphism in Australopithecus afarensis: Results from two new resampling methods for multivariate data sets with missing data". Am J Phys Anthropol 135 (3): 311–328. DOI:10.1002/ajpa.20745. PMID 18044693.
  34. a b Dupanloup I, Pereira L, Bertorelle G, Calafell F, Prata MJ, Amorim A, Barbujani G. (2003). "A recent shift from polygyny to monogamy in humans is suggested by the analysis of worldwide Y-chromosome diversity". J Mol Evol 57 (1): 85–97. DOI:10.1007/s00239-003-2458-x. PMID 12962309.
  35. Moller AP (2003) The evolution of monogamy: mating relationships, parental care and sexual selection. Monogamy: Mating Strategies and Partnerships in Birds, Humans and Other Mammals:29–41.
  36. a b Ash P, Robinson D (2010) The emergence of humans: an exploration of the evolutionary timeline. Wiley-Blackwell, Chichester, West Sussex, UK ;Hoboken, NJ.
  37. McHenry HM. (1992). "Body size and proportions in early hominids". Am J Phys Anthropol 87 (4): 407–431. DOI:10.1002/ajpa.1330870404. PMID 1580350.
  38. Plavcan JM. (1997). "Interpreting hominid behavior on the basis of sexual dimorphism". J Hum Evol 32 (4): 345–374. DOI:10.1006/jhev.1996.0096. PMID 9085186.
  39. Goody, Jack. Production and Reproduction: A Comparative Study of the Domestic Domain. Cambridge: Cambridge University Press, 1976. p. 7.
  40. Goody, Jack. Production and Reproduction: A Comparative Study of the Domestic Domain. Cambridge: Cambridge University Press, 1976. 27–9 p.
  41. Goody, Jack. Production and Reproduction: A Comparative Study of the Domestic Domain. Cambridge: Cambridge University Press, 1976. 33–4 p.
  42. Dupanloup I, Pereira L, Bertorelle G, Calafell F, Prata MJ, Amorim A, Barbujani G. (2003). "A recent shift from polygyny to monogamy in humans is suggested by the analysis of worldwide Y-chromosome diversity". J Mol Evol 57 (1): 85–97. DOI:10.1007/s00239-003-2458-x. PMID 12962309.
  43. Roes, Frans L.. (1992). "The Size of Societies, Monogamy, and Belief in High Gods Supporting Human Morality". Tijdschrift voor sociale wetenschappen 37 (1): 53–58.
  44. Ember, Carol R.. (2011). "What we know and what we don't know about variation in social organization: Melvin Ember's approach to the study of kinship". Cross-Cultural Research 45 (1): 27–30. DOI:10.1177/1069397110383947.
  45. a b c Betzig L.. (1992). "Roman Monogamy". Ethol Sociobiol 13 (5–6): 351–383. DOI:10.1016/0162-3095(92)90009-S.
  46. a b c d e Betzig L.. (1995). "Medieval Monogamy". Journal of Family History 20: 181–216.
  47. Gibson MA, Lawson DW. (2011). "Modernization" increases parental investment and sibling resource competition: evidence from a rural development initiative in Ethiopia". Evolution and Human Behavior 32 (2): 97–105. DOI:10.1016/j.evolhumbehav.2010.10.002.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • de Vaux R. O.P.. Ancient Israel. Its Life and Institutions. London: Darton, Longman & Todd, 1973. 24–26 p. ISBN 0-232-51219-1
  • John Paul II. Man and Woman He created Them. A Theology of the Body 1,2-4. Boston: Paoline Books & Media, 2006. 132–133 p. ISBN 0-8198-7421-3
  • Encyclopaedia Judaica. Jerusalem-New York: Encyclopaedia Judaica Jerusalem — The MacMillan Company, 1971. 1026–1051 p. vol. 11.
  • Encyclopaedia Judaica. Jerusalem-New York: Encyclopaedia Judaica Jerusalem — The MacMillan Company, 1971. 258–260 p. vol. 12.
  • Pinch Geraldine, Private Life in Ancient Egypt in: In: J. M. Sasson, J. Baines, G. Beckman, K. S. Rubinson (assist. ed.). Civilizations of the Ancient Near East. New York: Simon & Schuster Macmillan, 1995. 363–381 p. vol. 1. ISBN 0-684-19720-0
  • Stol Marten: Private Life in Ancient Mesopotamia, in: In: J. M. Sasson, J. Baines, G. Beckman, K. S. Rubinson (assist. ed.). Civilizations of the Ancient Near East. New York: Simon & Schuster Macmillan, 1995. 486–501 p. vol. 1. ISBN 0-684-19720-0.
  • Wojtyła, Karol. Love and Responsibility. San Francisco: Ignatius Press, 1981. 211–216 p. ISBN 0-89870-445-6

Ligações externas[editar | editar código-fonte]