Dimorfismo sexual

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Em biologia, o dimorfismo sexual é considerado quando há ocorrência de indivíduos do sexo masculino e feminino de uma espécie com características físicas não sexuais marcadamente diferentes. Pode ocorrer em qualquer grupo de seres vivos, protistas, plantas, ou animais, que apresentem espécies com indivíduos unissexuais. A função destas diferenças, em muitos casos, está relacionada à luta dos indivíduos pelo direito de se reproduzir, usando tais caracteres para lutar por um(a) parceiro(a), ou impressioná-lo(a) com os seus dotes. Em algumas plantas, especificamente, as diferenças são puramente funcionais, e não competitivas.

Exemplos[editar | editar código-fonte]

Um tipo comum de dimorfismo é ornamentação. Um componente freqüente de tal ornamentação dimórfico é dicromatismo sexual, o que significa que os sexos de uma mesma espécie diferem na coloração, como é o caso em muitas espécies de aves e répteis.[1] [2]

Características dimórficas exageradas são utilizados predominantemente na competição entre companheiros.[3] A ornamentação podem ser caras para se produzir ou manter, o que tem implicações evolutivas complexas[4] mas os custos e implicações variam, dependendo da natureza da ornamentação (tal como o mecanismo de cor envolvido).

Plantas[editar | editar código-fonte]

A maioria das plantas são hermafroditas, mas cerca de 6% têm machos e fêmeas separados (dioicia).[5] Machos e fêmeas em espécies dependentes da polinização de insetos geralmente são semelhantes porque as plantas fornecem recompensas (por exemplo, néctar) que incentivam os polinizadores a visitarem outra flor semelhante, completando apolinização. As orquídeas Catasetum são uma exceção a esta regra, a Catasetum macho se anexa pólens às abelhas então evitam que outras flores masculinas, mas podem visitar uma flor fêmea, que tem a aparência diferente das flores macho.[6]


Humanos[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Homo sapiens
Cariótipo típico de um homem com 22 pares de cromossomo autossômicos e um cromossomo X e um Y.

Os seres humanos exibem dimorfismo sexual em muitas características, muitas não apresentam nenhuma ligação direta com a habilidade reprodutiva, porém a maioria destas característica têm um papel na atração sexual. O dimorfismo sexual em ser humanos se observa sobretudo por cinco fatores ao nascer: a presença ou ausência do cromossomo Y, o tipo de gônadas, hormônios sexuais, anatomia reprodutiva interna (como o útero na fêmeas) e a genitália externa. [7]

O cérebro dos seres humanos não apresenta diferenças significativas de acordo com o sexo[8] , sendo o cérebro moldado de acordo com as experiências prévias do indivíduo, processo também conhecido como Neuroplasticidade.

Referências

  1. A. Johnsen, K. Delhey, S. Andersson & B. Kempenaers (2003). «Plumage colour in nestling blue tits: sexual dichromatism, condition dependence and genetic effects» (PDF). Proceedings of the Royal Society B [S.l.: s.n.] 270 (1521): 1263–1270. doi:10.1098/rspb.2003.2375. JSTOR 3558810. PMC 1691364. PMID 12816639. 
  2. Bill Branch (1988). Bill Branch's Field Guide to the Snakes and Other Reptiles of Southern Africa (Cape Town: Struik). ISBN 978-0-86977-639-1. 
  3. Andersson 1994
  4. Amotz Zahavi (1975). «Mate selection – a selection for a handicap» (PDF). Journal of Theoretical Biology [S.l.: s.n.] 53 (1): 205–214. doi:10.1016/0022-5193(75)90111-3. PMID 1195756. 
  5. Renner, Susanne; Ricklefs, Robert E (1995). «Dioecy and its correlates in the flowering plants». Americal Journal of Botany [S.l.: s.n.] 82 (5): 596–606. 
  6. Romero, Gustavo; Nelson, Craig E. (1986). «Sexual Dimorphism in Catasetum Orchids: Forcible Pollen Emplacement and Male Flower Competition». Science [S.l.: s.n.] 232 (4757): 1538–1540. Bibcode:1986Sci...232.1538R. doi:10.1126/science.232.4757.1538. 
  7. Knox, David; Schacht, Caroline. Choices in Relationships: An Introduction to Marriage and the Family. 11 ed. Cengage Learning; 2011-10-10 [cited 17 June 2013]. ISBN 9781111833220. p. 64–66.
  8. http://www.telegraph.co.uk/news/science/science-news/10684179/Men-and-women-do-not-have-different-brains-claims-neuroscientist.html