Endossexo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Uma pessoa endossexo, também chamada de diádica ou perissexo, é alguém cujas características sexuais inatas se encaixam em ideias médicas ou sociais normativas para corpos femininos ou masculinos. A palavra endossexo é um antônimo de intersexo.

Endossexualidade ou diadicidade de sexo ou, ainda, perissexualidade, refere-se às variações corporais endossexuais ou perissexuais, e ao sexo diádico.[1][2]

Etimologia e significado[editar | editar código-fonte]

O prefixo endo- vem do grego antigo ἔνδον (éndon), que significa "interno, interior", enquanto o termo sexo é derivado do latim sexus, que significa “sexo; traços biológicos associados a gênero; machos ou fêmeas; genitálias”. O termo latino é derivado de proto-Indo-europeu *séksus, de *sek-, "cortar", significando assim seção ou divisão em masculino e feminino.[3]

Surya Monro afirma que o termo é usado para "indicar uma pessoa nascida com características sexuais primárias consideradas tipicamente masculinas ou femininas ao nascer, portanto não designadas como intersexo".[4] Janik Bastien-Charlebois usa o termo para identificar "pessoas cujo desenvolvimento sexual é considerado normal pela medicina e pela sociedade" ("personnes dont le développement sexuel est considéré normal par la médecine et la société").[5]

Origem[editar | editar código-fonte]

Uma referência ao termo endosex em inglês pode ser encontrada em um simpósio sobre intersexo realizado no congresso da Federação Européia de Sexologia em Berlim, Alemanha, em 30 de junho de 2000, onde Heike Bödeker falou sobre "Intersexo como uma ostentação da fantasia de grupo endossexo".[6] Bödeker escreveu que cunhou o termo na primavera de 1999,[7] declarando na tradução em inglês:

Assim como dialeticamente alguém não poderia ser heterossexual se não houvesse homossexuais, assim como não poderia ser cissexual se não houvesse transexuais, então nem poderia ser endossexo se não houvesse pessoas intersexo. Ou, mais geralmente, não se poderia ser "normal" se não houvesse anormalidades (principalmente com a implicação de que não haveria "dentro" se não houvesse "fora")[7]

No alemão original:

Genauso wie man dialektischerweise nicht heterosexuell sein könnte, gäbe es keine Homosexuellen, wie man nicht cissexuell sein könnte, gäbe es keine Transsexuellen, so könnte man auch nicht endosexuell sein, gäbe es keine Intersexuellen. Oder auch ganz allgemeinhin, man könnte gar nicht »normal« sein, gäbe es keine Anormalität (meist mit der Implikation, es gäbe kein »drinnen«, gäbe es kein »draußen« – nämlich bezogen auf die Positionierung relativ zur Gruppe).

Importância e desambiguação[editar | editar código-fonte]

Endossexo tem sido usado para identificar a importância de contar histórias por jovens intersexos em suas próprias palavras, e sem ser recontextualizado ou reescrito por pessoas não intersexo.[8][9]

O termo pode ser distinguido de cisgênero, um antônimo de transgênero, que é usado para descrever alguém cuja identidade de gênero corresponde ao seu sexo atribuído ou observado ao nascer.[10] Em artigos de periódicos sobre o gênero não binário, de Monro, e sobre os direitos reprodutivos de pessoas transgênero, de Blas Radi, os autores usam o termo para ajudar a distinguir as diferentes experiências vividas de pessoas que são tanto intersexo quanto transgênero de pessoas que são transgênero e não intersexo.[4]

Uso[editar | editar código-fonte]

As Academias Nacionais de Ciências, Engenharia e Medicina (National Academies of Sciences, Engineering, and Medicine, NASEM), dos Estados Unidos, relataram em 2020 que "alguns defensores e provedores estão cada vez mais usando o termo endossexo para descrever pessoas cujas características sexuais reprodutivas ou secundárias se alinham com os binários médicos".[11]

O termo tem sido usado na defesa dos direitos humanos intersexo[12][13][14] e em publicações que fornecem apoio de pares, incluindo trabalhos destinados a pais de crianças intersexo e para jovens intersexo.[15][16][9][17]

Escritores acadêmicos e trabalhadores de apoio de pares usaram o conceito para identificar como as pessoas com corpos intersexuais foram obrigados a se adaptar a sociedades que só aceitam corpos endosexo. Brömdal e outros afirmam que os currículos de educação sexual privilegiam corpos e experiências endosexuais, promovendo sentimentos de vergonha e sigilo em alunos intersexos.[18] Em uma entrevista à mídia, um organizador de grupo de apoio afirma que pessoas intersexos são submetidas a exames médicos desnecessários que seriam proibidos em mulheres endosexos.[19]

Zelada e Quesada Nicoli afirmam que os Estados Unidos justificam as cirurgias de adaptação cosmética porque os corpos intersexuais não podem ser compreendidos, e que são as pessoas intersexos que devem se adaptar a um modelo de "privilégio endosexual".[20] Monro e outros afirmam que "normas médicas e sociais arraigadas e tradicionalistas impedem tentativas de mudar práticas para apoiar a diversidade corporal e garantir que pessoas intersexo tenham cidadania igual às pessoas endosex", apelando à "co-produção de conhecimento" por pessoas intersex e endosex em estudos intersexuais.[21]

Em setembro de 2020, Dominic Perrottet, tesoureiro do estado de New South Wales, na Austrália, declarou que uma diretiva de seu Departamento encorajando o uso de linguagem inclusiva era "completamente inaceitável", seguindo uma mensagem oficial para a equipe do Tesouro por seu secretário adjunto de Estratégia Econômica, Joann Wilkie.[22] Wilkie sugeriu "não supor, quando você está conversando com um colega, que ele é heterossexual/cisgênero/endosexo".[23][24] O Daily Telegraph relatou que Perrottet queria que os funcionários se sentissem incluídos e desconhecia o significado da palavra endosexo.[22][25]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Marquez, Mx Anunnaki Ray (12 de dezembro de 2019). «Biological and Anatomical Sex: Endosex, Intersex & Altersex». Mx. Anunnaki Ray Marquez (em inglês). Consultado em 11 de maio de 2021 
  2. «Intersex and ISGD: yet another attempt to co-opt intersex? – Intersex Human Rights Australia». ihra.org.au (em inglês). 21 de maio de 2011. Consultado em 11 de maio de 2021 
  3. von Wartburg, Walther. «"sexus"». Französisches Etymologisches Wörterbuch (em alemão). 110. [S.l.: s.n.] 
  4. a b Monro, Surya (2019). «Non-binary and genderqueer: An overview of the field». International Journal of Transgenderism. 20: 126–131. ISSN 1553-2739. PMC 6830997Acessível livremente. PMID 32999600. doi:10.1080/15532739.2018.1538841 
  5. Bastien Charlebois, Janik (2 de setembro de 2016), De la lourdeur d'écrire un article universitaire sur les enjeux intersexes lorsqu'on est soi-même intersexe (em francês), Observatoire des transidentités 
  6. Bödeker, Heike (30 de junho de 2000). Symposium on Intersexuality. European Federation of Sexology Congress. Berlin. Consultado em 27 de março de 2021 
  7. a b Bödeker, Heike (2016). «Intersexualität, Individualität, Selbstbestimmtheit und Psychoanalyse Ein Besinnungsaufsatz». In: Michaela Katzer; Heinz-Jürgen Voß. Geschlechtliche, sexuelle und reproduktive Selbstbestimmung (em alemão). [S.l.]: Psychosozial-Verlag. pp. 117–136. ISBN 978-3-8379-2546-3. doi:10.30820/9783837967999-117 
  8. YOUth&I Issue 1 (PDF). [S.l.: s.n.] Outubro de 2019. ISBN 978-0-646-80877-2 
  9. a b Rose, Maddie (21 de outubro de 2020). «What Intersex People Want You to Know About Sex». Teen Vogue. Consultado em 28 de março de 2021 
  10. «cisgender». Merriam-Webster.com Dictionary. N.d. Consultado em 8 de março de 2021 
  11. National Academies of Sciences, Engineering, and Medicine (2020). Patterson; Sepúlveda; White, eds. Understanding the Well-Being of LGBTQI+ Populations. Washington, DC: The National Academies Press. ISBN 978-0-309-68081-3. PMID 33104312 Verifique |pmid= (ajuda). doi:10.17226/25877 
  12. Intersex Human Rights Australia (2 de março de 2021). «Media and style guide». Intersex Human Rights Australia. Consultado em 27 de março de 2021 
  13. Australian Human Rights Commission. «Terminology». Consultado em 27 de março de 2021 
  14. Duck-Chong, Liz (30 de novembro de 2020). «Mark Latham's bill seeks to ensure trans and queer children remain in the closet». The Guardian. ISSN 0261-3077. Consultado em 28 de março de 2021 
  15. Egale Canada (2020). «Supporting Your Intersex Child, A resource for parents and guardians». Egale Canada. Consultado em 27 de março de 2021 
  16. YOUth&I Issue 1 (PDF). [S.l.: s.n.] Outubro 2019. ISBN 978-0-646-80877-2 
  17. «LGBTIQ+: The Ultimate Dictionary, A list of important words you'll hear used in LGBTIQ+ communities». Kids Helpline. 8 de outubro de 2019. Consultado em 27 de março de 2021 
  18. Brömdal, Annette; Zavros-Orr, Agli; lisahunter; Hand, Kirstine; Hart, Bonnie (2020). «Towards a whole-school approach for sexuality education in supporting and upholding the rights and health of students with intersex variations». Sex Education: 1–16. ISSN 1468-1811. doi:10.1080/14681811.2020.1864726 
  19. Maheshwari-Aplin, Prishita (29 de outubro de 2019). «Intersex people on how they want to be treated and accepted». Dazed. Consultado em 27 de março de 2021 
  20. Zelada, Carlos J; Quesada Nicoli, Diego (2019). «Lxs otrxs invisibles: Hacia una narrativa jurídica para la prohibición de las cirugías de "normalización genital"». Revista Ius et Veritas (em espanhol): 124–144. ISSN 2411-8834. doi:10.18800/iusetveritas.201902.009 
  21. Monro, Surya; Carpenter, Morgan; Crocetti, Daniela; Davis, Georgiann; Garland, Fae; Griffiths, David; Hegarty, Peter; Travis, Mitchell; Grinspan, Mauro Cabral (2021). «Intersex: cultural and social perspectives». Culture, Health & Sexuality. 0: 1–12. ISSN 1369-1058. PMID 33783329 Verifique |pmid= (ajuda). doi:10.1080/13691058.2021.1899529 
  22. a b Clark, Georgia (Setembro de 8, 2020). «Honey, we need to have a word. (2020, Sep 08). The Daily Telegraph». The Daily Telegraph 
  23. «Dominic Perrottet to quash NSW Treasury lecture on 'pronoun preference'». Sky News Australia. 7 de setembro de 2020. Consultado em 27 de março de 2021 
  24. Chung, Frank (7 de setembro de 2020). «NSW Treasury asks bureaucrats to add 'pronoun preference' to emails in 'safe space' training». News.com.au. Consultado em 27 de março de 2021 
  25. Fordham, Ben (7 de setembro de 2020). «PC brigade reaches NSW Treasury: Dominic Perrottet admits it's time 'to get real'». 2GB. Consultado em 27 de março de 2021