Violência contra a mulher

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Delegacia de Defesa da Mulher em Tupã, São Paulo, Brasil
Um membro da polícia religiosa do Talibã batendo em uma mulher afegã em Cabul, em agosto de 2001.

A violência contra a mulher é todo ato que resulte em morte ou lesão física, sexual ou psicológica de mulheres, tanto na esfera pública quanto na privada.[1] Às vezes considerado um crime de ódio,[2][3][4] este tipo de violência visa um grupo específico, com o gênero da vítima sendo o motivo principal. Este tipo de violência é baseada em gênero, o que significa que os atos de violência são cometidos contra as mulheres expressamente porque são mulheres.[5]

A violência contra a mulher pode enquadrar-se em várias categorias amplas, que incluem a violência realizada tanto por "indivíduos", como pelos "Estados". Algumas das formas de violência perpetradas por indivíduos são: Estupros, violência doméstica ou familiar, assédio sexual, coerção reprodutiva, infanticídio feminino, aborto seletivo e violência obstétrica, bem como costumes ou práticas tradicionais nocivas, como crime de honra, feminicídio relacionado ao dote, mutilação genital feminina, casamento por rapto, casamento forçado e violência no trabalho, que se manifestam através de agressões físicas, psicológicas e sociais.[5] Algumas formas de violência são perpetradas ou toleradas pelo estado, como estupros de guerra, violência sexual e escravidão sexual durante conflitos, esterilização forçada, aborto forçado, violência pela polícia e por autoridades, apedrejamento e flagelação. Muitas formas de violência contra a mulher, como o tráfico de mulheres e a prostituição forçada, muitas vezes são perpetradas por organizações criminosas.[6]

No Brasil a Lei Nº 10.778, de 24 de Novembro de 2003, estabelece a notificação compulsória, no território nacional, do caso de violência contra a mulher que for atendida em serviços de saúde públicos ou privados. Essa lei é complementada pela Lei Maria da Penha como mais um mecanismo para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, com medidas mais efetivas (penais) para o seu controle além do dimensionamento do fenômeno. Embora a notificação e investigação de cada agravo em si já proporcione um impacto positivo para reversão da impunidade que goza o agressor, de certo modo, defendido por uma tradição cultural machista além de naturalmente ser um instrumento direcionador das políticas e atuações governamentais em todos os níveis como previsto na legislação em pauta.

A notificação compulsória das agressões contra a mulher foi resultado da constelação de que a ausência de dados estatísticos adequados, discriminados por sexo sobre o alcance da violência dificulta a elaboração de programas e a vigilância das mudanças efetuadas por ações públicas, conforme explícito na Plataforma de Beijing/95 (parágrafo 120).[7] O Brasil tanto é signatário da Declaração e Plataforma de Ação da IV Conferência Mundial Sobre a Mulher, Pequim, 1995 como da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher, Belém do Pará, (1995).

História

Uma ilustração de Jean Ignace Isidore Gérard, Cent Proverbes (1845), intitulado "Qui aime bien châtie bien" ("Quem ama bem, castiga bem"). Um homem espancando uma mulher é mostrado na parte de trás.
Queima de bruxas, com as outras mantidas presas
Cerimônia Sati (uma prática hindu pela qual uma viúva se imola na pira funerária de seu marido)
Raio-X dos pés de lótus, China.

A história da violência contra as mulheres permanece vaga na literatura científica. Isto é em parte porque muitos tipos de violência contra as mulheres (especificamente estupro, agressão sexual, e violência doméstica) são sub-notificados, muitas vezes devido a normas sociais, tabus, estigmas e a natureza sensível do assunto.[8][9] É amplamente reconhecido que, até hoje, a falta de dados confiáveis e contínuos é um obstáculo para formar uma imagem clara da violência contra as mulheres.[10]

Embora a história da violência contra as mulheres seja difícil de rastrear, é claro que grande parte da violência foi aceita, tolerada e até legalmente sancionada.[11] Temos exemplos da lei romana, que deu aos homens o direito de castigar suas esposas, até a morte,[12] a queima de bruxas, que foi tolerada tanto pela igreja como pelo estado,[11] e o common law inglês do século XVIII que permitia a um homem punir sua esposa usando uma vara "não mais larga do que o polegar". Esta regra para a punição das esposas prevaleceu na Inglaterra e na América até o final do século XIX.[11]

A história da violência contra as mulheres está intimamente relacionada com a visão histórica das mulheres como propriedade e um papel de subserviência de gênero.[13] As explicações sobre patriarcado e de um sistema mundial global ou status quo em que as desigualdades de gênero existem e são perpetuadas são citados para explicar o escopo e a história da violência contra as mulheres.[9][10]

Segundo a ONU, "não há uma região do mundo, nenhum país e nenhuma cultura em que a liberdade das mulheres da violência tenha sido assegurada".[10] Várias formas de violência são mais prevalentes em certas partes do mundo, muitas vezes em países em desenvolvimento. Por exemplo, a violência relacionada ao dote, como a queima da noiva, é associada a Índia, Bangladesh, Sri Lanka e Nepal. O Ataque com ácido também está associado a esses países, bem como no sudeste asiático, incluindo Camboja. Crimes de honra está associado ao Oriente Médio e ao Sul da Ásia. Mutilação genital feminina é encontrada principalmente em África, e em menor medida no Oriente Médio e em outras partes da Ásia. Rapto de noiva é encontrado em Etiópia, Ásia Central e Cáucaso. O abuso relacionado ao pagamento do preço da noiva (como violência, tráfico e casamento forçado) está relacionado a partes da África Subsaariana e Oceania.[14][15]

Certas regiões não estão mais associadas a uma forma específica de violência, mas essa violência era comum até muito recentemente nesses lugares; isto é verdade para crimes de honra no Mediterrâneo e no Sul da Europa.[16] Por exemplo, em Itália, antes de 1981, o Código Penal prevê circunstâncias atenuantes em caso de homicídio de uma mulher ou seu parceiro sexual por razões relacionadas à honra, prevendo uma sentença reduzida.[17]

Invocando cultura para explicar formas específicas de violência contra a mulher corre o risco de aparecer para legitimá-las. Há também debate e controvérsia sobre as maneiras pelas quais as tradições culturais, costumes locais e expectativas sociais, bem como várias interpretações religiosas, interagem com práticas abusivas.[10][18] Especificamente, alguns estados e grupos sociais justificam em sua cultura certos atos violentos contra as mulheres alegando defender suas tradições. Essas justificativas são questionáveis, precisamente porque as defesas são geralmente expressas por líderes políticos ou autoridades tradicionais, não pelas pessoas realmente afetadas.[10] A necessidade de sensibilidade e respeito da cultura é um elemento que também não pode ser ignorado; Assim, um debate sensível se seguiu e está em andamento.

Também houve uma história de reconhecimento dos efeitos nocivos desta violência. Na década de 1870, os tribunais dos Estados Unidos deixaram de reconhecer o princípio da common law de que um marido tinha o direito de "castigar fisicamente uma esposa errante".[19] O primeiro estado a rescindir este direito foi o Alabama em 1871.[20] No Reino Unido, o direito de um marido infligir um castigo corporal moderado em sua esposa para mantê-la "dentro dos limites do dever" foi removido em 1891.[21][22]

Nos séculos XX e XXI e, em particular, desde a década de 1990, houve uma maior atividade nos níveis nacional e internacional para pesquisar, conscientizar e defender a prevenção de todos os tipos de violência contra as mulheres.[10] Na maioria das vezes, a violência contra as mulheres foi enquadrada como uma questão de saúde, e também como uma violação dos direitos humanos. Um estudo em 2002 estimou que pelo menos uma em cada cinco mulheres no mundo tinha sido abusada fisicamente ou sexualmente por um homem em algum momento de suas vidas, e que "a violência baseada no gênero representa tanto a morte como a doença em mulheres com idades compreendidas entre 15 e 44 anos como câncer, e é uma causa maior de doenças que a malária e os acidentes de trânsito combinados."[23]

Certas características da violência contra as mulheres emergiram da pesquisa. Por exemplo, os atos de violência contra as mulheres geralmente não são episódios únicos, mas estão em curso ao longo do tempo. Na maioria das vezes, a violência é perpetrada por alguém que a mulher conhece, não por um estranho.[9] A pesquisa parece fornecer provas convincentes de que a violência contra a mulher é um problema grave e generalizado em todo o mundo, com efeitos devastadores sobre a saúde e o bem-estar das mulheres e crianças.[10]

Efeito sobre a sociedade

Um mapa-múndi que mostra os países por nível de segurança física das mulheres, 2011

De acordo com um artigo no Health and Human Rights Journal,[24] independentemente de muitos anos de defesa e envolvimento de muitas organizações de ativistas feministas, a questão da violência contra as mulheres ainda "continua sendo uma das formas mais difundidas de violações dos direitos humanos em todo o mundo."[25] A violência contra as mulheres pode ocorrer nas esferas pública e privada e em qualquer momento da vida. Muitas mulheres estão aterrorizadas com essas ameaças de violência e isso influencia essencialmente suas vidas para que sejam impedidas de exercer seus direitos humanos; por exemplo, temem contribuir social, econômica e politicamente para o desenvolvimento de suas comunidades. Além disso, as causas que desencadeiam a violência contra a mulher ou a violência de gênero podem ir além da questão do gênero e partir para a questões de idade, classe, cultura, etnia, religião, orientação sexual e área geográfica específica de suas origens.

É importante salientar que, além da questão das divisões sociais, a violência pode também se estender para as questões de saúde e tornar-se uma preocupação direta do setor de saúde pública.[26] Um problema de saúde como a AIDS é outra causa que também leva à violência. As mulheres que têm infecção por HIV / AIDS também estão entre os alvos da violência.[25] A Organização Mundial de Saúde informa que a violência contra as mulheres coloca um fardo indevido nos serviços de saúde, como as mulheres que sofreram violência são mais propensas a precisar de serviços de saúde e a um custo maior, em comparação com as mulheres que não sofreram violência.[27] Outra declaração que confirma a compreensão da violência contra a mulher como uma questão de saúde significativa é aparente na recomendação adotada pelo Conselho da Europa, a violência contra as mulheres na esfera privada, em casa ou violência doméstica, é o principal motivo de "morte e deficiência" entre as mulheres que enfrentaram violência.[25]

Além disso, vários estudos mostraram um vínculo entre o tratamento pobre das mulheres e a violência internacional. Estes estudos mostram que uma das violências mais prediletas inter e intranacional é o maltrato das mulheres na sociedade.[28][29]

Tabela de tipologia da OMS

Ao longo do ciclo de vida

Fase Tipo de violência
Pré-nascimento Aborto seletivo por sexo; efeitos de espancamento durante a gravidez nos resultados de nascimento
Infância Infanticídio feminino; abuso físico, sexual e psicológico
Pré-adolescência Casamento infantil; mutilação genital feminina; abuso físico, psicológico e sexual; incesto; prostituição e pornografia infantil
Adolescência e idade adulta Violência durante o namoro (ex. aremesso de ácido e estupro); sexo através de coerção econômica (ex.: meninas da escola que têm relações sexuais com "sugar daddies", em troca de pagamento de taxas escolares); incesto; abuso sexual no local de trabalho; estupro; assédio sexual; prostituição e pornografia forçada; tráfico de mulheres; violência praticada pelo parceiro; estupro conjugal; abusos e homicídios relacionados ao dote; homicídios praticados pelo parceiro; abuso psicológico; abuso de mulheres com deficiência; gravidez forçada
Idosa "Suicídio" forçado ou homicídio de viúvas por motivos econômicos; abuso sexual, físico e psicológico[30]

O progresso significativo para a proteção das mulheres contra a violência foi feito a nível internacional como um produto do esforço coletivo de lobby por muitos movimentos de direitos das mulheres, organizações internacionais e grupos da sociedade civil. Como resultado, governos mundiais e organizações internacionais, bem como organizações da sociedade civil, trabalham ativamente para combater a violência contra as mulheres através de uma variedade de programas. Entre as principais realizações dos movimentos de direitos das mulheres contra a violência em meninas e mulheres, as realizações marcantes são a "Declaração sobre a Eliminação da Violência contra as Mulheres" que implica "vontade política em relação à violência contra a mulher " e o acordo legal vinculativo, a "Convenção sobre a eliminação de todas as formas de discriminação contra as mulheres"[31] Além disso, a resolução da Assembléia Geral das Nações Unidas também designou o dia 25 de novembro como Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher.[32]

Formas de violência contra a mulher

Estupro

Ver artigo principal: Estupro

O estupro é um tipo de agressão sexual, geralmente envolvendo relações sexuais. É geralmente perpetrado por homens contra meninos, mulheres e meninas; mulheres geralmente são estupradas com mais frequência do que meninos e meninas e, geralmente, por pessoas conhecidas.

Internacionalmente, a incidência de estupros registrados pela polícia em 2008 variou entre 0,1 no Egito a cada 100.000 pessoas e 91,6 a cada 100.000 pessoas em Lesoto com 4,9 por 100.000 pessoas em Lituânia como mediana.[33] De acordo com a American Medical Association (1995), a violência sexual, principalmente o estupro, é considerado o crime violento mais subnotificado.[34][35] A taxa de denúncia, acusação e condenação por estupro varia consideravelmente em diferentes jurisdições. Estupro por estranhos é geralmente menos comum do que o estupro por pessoas a vítima conhece.[36][37][38][39][40]

As vítimas de estupro podem ser gravemente traumatizadas e podem sofrer de transtorno de estresse pós-traumático;[41] Além dos danos psicológicos resultantes do ato, o estupro pode causar ferimentos físicos ou ter efeitos adicionais sobre a vítima, como a aquisição de uma infecção sexualmente transmissível ou gravidez.

Após um estupro, uma vítima pode enfrentar a violência ou ameaças de violência do estuprador e, em muitas culturas, da própria família e parentes da vítima. Violência ou intimidação da vítima pode ser perpetrada pelo estuprador ou por amigos e parentes do estuprador, como forma de impedir que as vítimas denunciem a violação, de puni-las por denunciá-la ou de forçá-las a retirar a queixa; ou pode ser perpetrado pelos parentes da vítima como uma punição por "trazer vergonha" à família, especialmente em culturas onde a virgindade feminina é altamente valorizada e considerada obrigatória antes do casamento; Em casos extremos, as vítimas de estupro são mortas em crimes de honra. As vítimas também podem ser forçadas por suas famílias a se casarem com o estuprador para restaurar a "honra" da família.[42][43][44][45]

Estupro conjugal

O estupro conjugal, também conhecido como violação conjugal ou estupro marital, é um sexo não consensual perpetrado pelo cônjuge da vítima. Uma vez amplamente tolerado ou ignorado pela lei, o estupro marital agora é repudiada pelas convenções internacionais e cada vez mais criminalizada. Ainda assim, em muitos países, o estupro conjugal permanece legal, ou é ilegal, mas amplamente tolerada e aceita como uma prerrogativa do marido. A criminalização do estupro conjugal é recente, tendo ocorrido durante as últimas décadas. O entendimento tradicional e os pontos de vista sobre casamento, violação, sexualidade, papéis de gênero e auto-determinação começaram a ser desafiados na maioria dos países ocidentais durante os anos 1960 e 1970, o que levou à subsequente criminalização do estupro conjugal nas décadas seguintes. Com poucas exceções notáveis, foi durante os últimos 30 anos que a maioria das leis contra estupro conjugal foram promulgadas. Alguns países da Escandinávia e no antigo Bloco Comunista da Europa tornaram ilegal a violação de cônjuge antes de 1970, mas a maioria dos países ocidentais criminalizou isso apenas nos anos 80 e 90. Em muitas partes do mundo, as leis contra o estupro conjugal são muito novas, tendo sido promulgadas na década de 2000.

No Canadá, a violação conjugal foi ilegal em 1983, quando várias mudanças legais foram feitas, incluindo a mudança do estatuto de violação para "agressão sexual" e tornando as leis neutras em termos de gênero.[46][47][48] Na Irlanda, o estupro conjugal foi proibido em 1990.[49] Nos EUA, a criminalização do estupro marital começou em meados dos anos 1970 e, em 1993, a Carolina do Norte tornou-se o último estado a fazer o estupro conjugal ilegal.[50] Em Inglaterra e País de Gales, o estupro conjugal tornou-se ilegal em 1991. As opiniões de Sir Matthew Hale, um jurista do século XVII, publicado em The History of the Pleas of the Crown (1736), afirmou que um marido não pode ser culpado do estupro de sua esposa porque a esposa "deu-se a si mesma gentilmente para o marido, que ela não pode retrair"; Na Inglaterra e no País de Gales, isso permaneceria lei por mais de 250 anos, até que fosse abolida pelo Comitê de Apelação da Câmara dos Lordes, no caso R v R em 1991.[51] No Países Baixos estupro conjugal também tornou-se ilegal em 1991.[52] Um dos últimos países ocidentais a criminalizar o estupro conjugal foi Alemanha, em 1997.[53]

Casamento forçado

Ver artigo principal: Casamento forçado

Um casamento forçado é um casamento onde uma ou ambas as partes são casadas contra sua vontade. Casamentos forçados são comuns no sul da Ásia, no Oriente Médio e na África. Tradições como precificação da noiva e o dote contribuem para essa prática. Casamentos forçados são também resultados de uma disputa entre famílias, onde a disputa é "resolvida" ao dar uma mulher de uma família para a outra.[54][55][56]

O sequestro de esposas continua a existir em alguns países do centro da Ásia, como no Quirguistão, Uzbequistão e no cáucaso, ou em partes da África, especialmente na Etiópia. Uma menina ou uma mulher é abduzida por aquele que será o noivo, que é frequentemente ajudado por amigos. A vítima é muitas vezes estuprada pelo que seria o noivo e em seguida, o estuprador pode tentar negociar o preço da noiva com os anciões da aldeia para legitimar o casamento.[57][58][59]

Violência doméstica

Placa contra a violência doméstica em Libéria
Ver artigo principal: Violência doméstica

As mulheres são mais propensas a serem vítimas por alguém com quem elas são íntimas. Casos de violência praticada pelo parceiro íntimo não tendem a ser denunciados a polícia e, assim, muitos especialistas acreditam que a verdadeira magnitude do problema é difícil de estimar.[60] As mulheres são muito mais propensas do que os homens a serem assassinados por um parceiro íntimo. Nos Estados Unidos, em 2005, 1181 mulheres, em comparação com 329 homens, foram mortas por seus parceiros íntimos.[61][62] Em Inglaterra e País de Gales cerca de 100 mulheres são mortas por parceiros ou ex-parceiros de cada ano, enquanto 21 homens foram mortos em 2010.[63] Em 2008, na França, 156 mulheres em comparação com 27 homens foram mortas pelo seu parceiro íntimo.[64]

De acordo com a OMS, em todo o mundo, cerca de 38% dos assassinatos de mulheres são cometidos por um parceiro íntimo.[65] Um relatório da ONU compilado a partir de vários estudos realizados em pelo menos 71 países considerou que a violência doméstica contra a mulher era mais prevalecente em Etiópia.[66]

Na Europa Ocidental, um país que recebeu grandes críticas internacionais pela forma como lida legalmente com a questão da violência contra as mulheres é a Finlândia; com autores apontando que um alto nível de igualdade para as mulheres na esfera pública (como na Finlândia) nunca deve ser equiparado à igualdade em todos os outros aspectos da vida das mulheres.[67][68][69]

Um estudo realizado pela Organização Pan-Americana da Saúde em 12 países latino-americanos encontrou a maior prevalência de violência doméstica contra mulheres na Bolívia.[70]

Embora esta forma de violência seja frequentemente retratada como uma questão no contexto das relações heterossexuais, também ocorre em relacionamentos lésbicos,[71] relações entre mãe e filha, entre colegas de quarto e outras relações domésticas envolvendo duas mulheres. A violência contra as mulheres nas relações lésbicas é tão comum quanto a violência contra mulheres em relações heterossexuais.[72]

Coerção reprodutiva

A pintura retrata uma mulher chilena sendo sequestrada durante um malón. O sequestro de noivas para fins de casamento forçado e gravidez forçada foi comum durante a história em muitos países.

A coerção reprodutiva é um comportamento violento, manipulador ou enganoso contra a saúde reprodutiva ou os direitos reprodutivos dentro de uma relação íntima e inclui uma coleção de comportamentos destinados a levar a uma gravidez forçada.[73] A coerção reprodutiva é uma forma de violência doméstica, onde o comportamento relativo à saúde reprodutiva é usado para manter o poder, controle e dominação dentro de um relacionamento e sobre um parceiro através de uma gravidez indesejada. É considerado um grave problema de saúde pública.[73][74] Este controle reprodutivo está altamente correlacionado com a gravidez não planejada.[75]

A gravidez forçada é a prática de forçar uma mulher ou uma menina a se tornar grávida, muitas vezes como parte de um casamento forçado, inclusive por meio de sequestro de noivas, por estupros (incluindo estupro marital, estupros de guerra e estupros genocidas) ou como parte de um programa de reprodução de escravos. No século XX, o casamento forçado pelo Estado com o objetivo de aumentar a população foi praticado por alguns governos autoritários, notavelmente durante o regime Khmer Vermelho em Cambodja, que obrigou sistematicamente as pessoas a casar-se ordenando-lhes a ter filhos, a fim de aumentar a população e continuar a revolução.[76]

No discurso sobre direitos reprodutivos, a questão do aborto é frequentemente debatida. A legislação sobre o aborto é da jurisdição de cada país, embora aborto forçado seja proibido pelo direito internacional. A Convenção de Istambul proíbe o aborto forçado e esterilização forçada.[77] A questão da continuação forçada da gravidez (ie. negando a mulher a um aborto seguro e legal) também é visto por algumas organizações como uma violação dos direitos das mulheres, embora não haja obrigações internacionais vinculativas sobre esta questão. No entanto, a Convenção sobre a eliminação de todas as formas de discriminação contra as mulheres considera a criminalização do aborto uma "Violação da saúde sexual e reprodutiva das mulheres e dos direitos" e uma forma de violência de gênero.[78]

Restrições à liberdade de locomoção

As mulheres estão, em muitas partes do mundo, severamente restritas em sua liberdade de locomoção, sendo este um direito essencial, reconhecido pelos instrumentos internacionais, tais como o artigo 15 (4) da Convenção sobre a eliminação de todas as formas de discriminação contra as mulheres.[79] No entanto, em alguns países, as mulheres não são legalmente autorizadas a sair de casa sem um guardião masculino (parente ou marido).[80] Mesmo em países onde não há leis contra mulheres que viajam sozinhas, existem normas sociais fortes, como o purdah - uma prática religiosa e social de reclusão da mulher prevalecendo especialmente entre algumas comunidades muçulmanas e hindus em Ásia Meridional. Muitos países têm leis sobre o tipo de roupa que as mulheres podem ou não usar em público. As mulheres em algumas culturas são forçadas ao isolamento social durante o período menstrual. Em algumas partes do Nepal, por exemplo, elas são forçadas a viver em galpões, estão proibidos de tocar em homens ou até mesmo de entrar no pátio de suas próprias casas, e são proibidas de consumir leite, iogurte, manteiga, carne e vários outros alimentos, por medo de contaminá-los. (ver Chaupadi). Várias mulheres já morreram durante este período por causa da fome, mau tempo, ou mordidas de cobras.[81][82][83][84] Em culturas onde as mulheres são restritas de estarem em lugares públicos, por lei ou por costume, as mulheres que violam essas restrições muitas vezes enfrentam violência.[85]

Ativismo

Um cartaz russo incitando as pessoas a abrir os olhos sobre a violência doméstica contra as mulheres

Antecedentes e história

O ativismo refere-se a "uma doutrina ou prática que enfatiza ação direta e vigorosa especialmente em apoio ou oposição a um lado de uma questão controversa".[86] No ativismo pelo fim da violência contra as mulheres, os objetivos são abordar e chamar a atenção do público para as questões da violência contra a mulher, bem como buscar e recomendar medidas para prevenir e eliminar essa violência.[87] Muitos artigos acadêmicos sugerem que a violência contra a mulher é considerada uma violação dos direitos humanos[88][89][90] bem como uma "questão de saúde pública".[91]

A fim de compreender melhor os movimentos contrários à violência contra as mulheres, há também a necessidade de compreender o histórico dos movimentos feministas. Sobre o movimento internacional das mulheres, muitos estudiosos feministas categorizaram esses movimentos em três ondas[92] de acordo com suas diferentes crenças, estratégias e objetivos.[93]

O surgimento dos primeiros movimentos de mulheres, ou a primeira onda de feminismo, remonta aos anos do final do século 19 e início do século 20 nos Estados Unidos e na Europa. Durante este período, a primeira série de movimentos feministas se desenvolveu a partir do contexto de "sociedade industrial e política liberal" que desencadeiam os "grupos feministas" com a preocupação de igualdade de acesso e oportunidades para as mulheres.[94] Esta onda marca um período de "sufrágio, independência, direitos à nacionalidade, trabalho e igualdade de remuneração" para as mulheres.[95]

A segunda onda de movimentos feministas foi a série de movimentos do período do final dos anos 60 até o início dos anos 70. Os estudiosos feministas notaram que esta onda poderia ser caracterizada como um período de libertação das mulheres e o surgimento de um ramo do feminismo conhecido como "feminismo radical".[96] Essa onda de feminismo surgiu no contexto do período pós-guerra[97] e em uma sociedade onde outros movimentos comuns também desempenharam um grande papel; por exemplo, os movimentos dos direitos civis,[95] que significava condenar o "capitalismo", o "imperialismo" e a "opressão" das pessoas com base na noção de raça, etnia, identidade de gênero e orientação sexual.[98] Esta onda marca um período de igualdade de direitos em casa e no local de trabalho, bem como direitos ao desenvolvimento[95] para pessoas de diferentes raças, etnias, status econômico e identidades de gênero.

A terceira onda de feminismo é a mais nova onda de feminismo liderada por jovens feministas cuja compreensão e contexto são de uma ordem mundial globalizada com uma invenção de novas tecnologias. Além disso, essa onda é uma transição da queda do comunismo[99] para questões mais complexas de novos tipos de "guerra", ameaças e violência.Esta nova onda também "abraça a ambiguidade"[100] e introduziu uma abordagem feminista de "interseccionalidade" que inclui as questões de "gênero, raça, classe e idade".[101] Além disso, a terceira onda marca um período de feminismo que lida com políticas de identidade, políticas corporais, bem como as questões de violência.[102]

No entanto, o movimento da questão da violência contra a mulher começou na década de 1970, onde alguns movimentos feministas começaram a trazer a discussão sobre a questão da violência no discurso feminista[103] e que muitos outros grupos, tanto a nível nacional como internacional, tentaram uma melhoria das condições das mulheres através do lobby de autoridades estatais e representantes eleitos, exigindo conferências sobre "questões de gênero"[95] e assim a violência contra a mulher tornou-se conhecida por uma maior variedade da população. Portanto, para colocar isso no contexto teórico, a violência contra a mulher pode ser categorizada junto com a terceira onda de feminismo cujo foco é a "violência".

Os movimentos de ativistas de violência contra a mulher vêm de várias formas e operam por diferentes níveis, sejam eles locais, nacionais ou internacionais.[104] and different approaches: health and human rights frameworks.[105] Os movimentos decorrem principalmente de movimentos sociais e grupos de mulheres que veem a necessidade de criar organizações para "pressionar" seus governos para estabelecer "santuários, abrigos" e uma prestação de serviços que ajudem a proteger essas vítimas de atos de violência. As organizações que se opõem a violência contra a mulher, alguns com e outros sem o apoio de seus governos, tentam desenvolver "esforços inovadores" para ajudar as mulheres vítimas de violência ao fornecer serviços como abrigos e centros para essas mulheres; elaborando e pressionando os governos para que incluam o reconhecimento violência contra a mulher nas legislações nacionais e instrumentos internacionais de direitos humanos; sensibilizando as pessoas através de sessões de educação e treinamento; formando redes nacionais, regionais e internacionais para capacitar esses movimentos; organizando demonstração e reunindo mais esforços para acabar com atos de violência contra mulheres.[106] Além disso, muitos grupos de ativistas dos direitos das mulheres veem a questão da violência contra as mulheres como foco central de seus movimentos. Muitos desses grupos tomam a abordagem dos "direitos humanos" como o quadro integral de seu ativismo. Esses movimentos contra a violência também empregam a ideia de que "direitos das mulheres são direitos humanos", transformam os conceitos e ideias dos "direitos humanos", que são considerados "conceitos ocidentais" e vernacularizam-o em conceitos que podem ser entendidos em suas instituições locais.[107]

Ver também

Referências

  1. AGENOR GONÇALVES et al. VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER. UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES, Mogi das Cruzes, SP, Maio de 2015
  2. Angelari, Marguerite (1997). «Hate Crime Statutes: A Promising Tool for Fighting Violence Against Women». In: Karen J. Maschke. Pornography, sex work, and hate speech. [S.l.]: Taylor & Francis 
  3. Gerstenfeld, Phyllis B. (2013). Hate Crimes: Causes, Controls, and Controversies. [S.l.]: Sage 
  4. McPhail, Beverly (2003). «Gender-Bias Hate Crimes: A Review». In: Barbara Perry. Hate and bias crime: a reader. [S.l.]: Psychology Press 
  5. a b Casique, Leticia C.; Furegato, Antonia Regina F. Violência Contra Mulheres: Reflexões Teóricas. Rev Latino-am Enfermagem 2006 novembro-dezembro; 14(6) PDF Jan. 2011
  6. Prügl, E. (Director) (November 25, 2013). Violence Against Women. Gender and International Affairs Class 2013. Lecture conducted from The Graduate Institute of International and Development Studies (IHEID), Geneva, Switzerland.
  7. Declaração e Plataforma de Ação da IV Conferência Mundial Sobre a Mulher - Pequim, 1995 - Instrumentos Internacionais de Direitos das Mulheres PDF Fev. 2011
  8. Krug, Etienne G; Mercy, James A; Dahlberg, Linda L; Zwi, Anthony B (2002). «The world report on violence and health». The Lancet. 360 (9339): 1083–1088. doi:10.1016/S0140-6736(02)11133-0 
  9. a b c Watts, Charlotte; Zimmerman, Cathy (abril de 2002). «Violence against women: global scope and magnitude». The Lancet. 359 (9313): 1232–1237. PMID 11955557. doi:10.1016/S0140-6736(02)08221-1 
  10. a b c d e f g UN General Assembly. «In-depth study on all forms of violence against women. Report of the Secretary-General.». United Nations. Consultado em 2 de dezembro de 2013 
  11. a b c Ireland, Patricia. «Script». No Safe Place: Violence Against Women. PBS. Consultado em 2 de dezembro de 2013 
  12. Stedman, Berne (agosto de 1917). «Right of Husband to Chastise Wife». Virginia Law Register. 3 (4): 241. Consultado em 2 de dezembro de 2013 
  13. Penelope Harvey & Peter Gow Sex and violence : issues in representation and experience (1994) pg 36 Routledge ISBN 0-415-05734-5
  14. «Papua New Guinea: Police Cite Bride Price Major Factor in Marital Violence». Violence is not our Culture. 21 de novembro de 2011. Consultado em 6 de agosto de 2014 
  15. «An Exploratory Study of Bride Price and Domestic Violence in Bundibugyo District, Uganda» (PDF). Centre for Human Rights Advancement (Cehura). Abril de 2012. Consultado em 6 de agosto de 2014 
  16. «The Face of Honour Based Crimes: Global Concerns and Solutions» (PDF). International Journal of Criminal Justice Sciences. 6 (1 & 2). 2011. Consultado em 6 de agosto de 2014 
  17. Before 1981, Art. 587 read: He who causes the death of a spouse, daughter, or sister upon discovering her in illegitimate carnal relations and in the heat of passion caused by the offence to his honour or that of his family will be sentenced to three to seven years. The same sentence shall apply to whom, in the above circumstances, causes the death of the person involved in illegitimate carnal relations with his spouse, daughter, or sister. [1]
  18. Uma Narayan, Cross‐Cultural Connections, Border‐Crossings, and "Death by Culture": Thinking about Dowry‐Murders in India and Domestic‐ Violence Murders in the United States. In Dislocating Cultures: Identities, Traditions and ThirdWorld Feminism (New York: Routledge, 1997): 83‐ 117.
  19. Calvert R (1974). «Criminal and civil liability in husband-wife assaults». In: Steinmetz S, Straus M. Violence in the family. New York: Harper & Row. pp. 88–91 
  20. U.S. Department of Justice, Office of Violence Against Women (OVM). «The History of the Violence Against Women Act» (PDF). U.S. Department of Justice. Consultado em 2 de dezembro de 2013 
  21. R. v. Jackson [1891]. 1 Q.B. 671
  22. Encyclopædia Britannica Eleventh Edition, 1911. Article Corporal punishment
  23. Venis, Sarah; Horton, Richard (abril de 2002). «Violence against women: a global burden». The Lancet. 359 (9313): 1172. doi:10.1016/S0140-6736(02)08251-X 
  24. Fried, S. T. (2003). «Violence against Women». Health and Human Rights. 6 (2): 88–111. JSTOR 4065431. doi:10.2307/4065431 
  25. a b c Fried, S. T. (2003). «Violence against Women». Health and Human Rights. 6 (2): 88–111 [91]. JSTOR 4065431. doi:10.2307/4065431 
  26. Colarossi, L. (2005). «A RESPONSE TO DANIS &LOCKHART: WHAT GUIDES SOCIAL WORK KNOWLEDGE ABOUT VIOLENCE AGAINST WOMEN?». Journal of Social Work Education. 41 (1): 147–159. JSTOR 23044038. doi:10.5175/jswe.2005.200400418 
  27. WHO Factsheet ''Violence against women''. World Health Organization (1 September 2011).
  28. Maffly, Brian (21 March 2009). "BYU study links women's safety, nation's peace". The Salt Lake Tribune
  29. «The Great Divide: Revealing Differences in the Islamic World Regarding the Status of Women and its Impact on International Peace» (PDF). 2007. Consultado em 6 de agosto de 2014 
  30. «This table is an excerpt from (1997). Violence against women: Definition and scope of the problem. World Health Organization, 1, 1-3. Retrieved November 30, 2013, from who.int, pp.2» (PDF) 
  31. «Rosche, D., & Dawe, A. (2013). Ending Violence Against Women: the Case for a Comprehensive International Action Plan. Oxfam Briefing Note, 1, 1-10. Retrieved November 29, 2013, from oxfam.org, pp.2» (PDF) 
  32. «International Day for the Elimination of Violence against Women». Un.org. Consultado em 3 de abril de 2016 
  33. "Rape at the National Level, number of police recorded offenses". United Nations.
  34. American Medical Association (1995) Sexual Assault in America. AMA.
  35. «A gap or a chasm? Attrition in reported rape cases» (PDF). Consultado em 31 de dezembro de 2010. Arquivado do original (PDF) em 14 de março de 2011 
  36. Abbey, A.; BeShears, R.; Clinton-Sherrod, A. M.; McAuslan, P. (2004). «Similarities and differences in women's sexual assault experiences based on tactics used by the perpetrator» (PDF). Psychology of Women Quarterly. 28: 323–332. doi:10.1111/j.1471-6402.2004.00149.x. Arquivado do original (PDF) em 8 de janeiro de 2013 
  37. «Statistics | Rape, Abuse & Incest National Network». www.rainn.org. Consultado em 1 de janeiro de 2008 
  38. Alberto R. Gonzales et al. Extent, Nature, and Consequences of Rape Victimization: Findings From the National Violence Against Women Survey. U.S. Department of Justice Office of Justice Programs. January 2006
  39. «Sexual Assault in Australia: A Statistical Overview, 2004». Abs.gov.au. 8 de dezembro de 2006. Consultado em 31 de dezembro de 2010 
  40. «Rape and sexual assault of women: findings from the British Crime Survey» (PDF). Consultado em 31 de dezembro de 2010. Arquivado do original (PDF) em 18 de fevereiro de 2011 
  41. «Post Traumatic Stress Disorder in Rape Survivors». The American Academy of Experts in Traumatic Stress. 1995. Consultado em 4 de abril de 2013 
  42. PTI (19 de março de 2011). «Rape victim threatened to withdraw case in UP». Essel Group. zeenews.india.com. Consultado em 3 de fevereiro de 2013 
  43. «Stigmatization of rape & honor killings». WISE Muslim Women. wisemuslimwomen.org. 31 de janeiro de 2002. Consultado em 3 de fevereiro de 2013 
  44. Harter, Pascale (14 de junho de 2011). «Libya rape victims 'face honour killings'». BBC. BBC News. Consultado em 3 de fevereiro de 2013 
  45. Staff writer (15 de março de 2012). «Morocco protest after raped Amina Filali kills herself». BBC. BBC News 
  46. O'Grady William (2011). Crime in Canadian Context: debates and controversies. Oxford University Press ISBN 0195433785.
  47. «Canadian Centre for Justice Statistics Profile Series» (PDF). Statistics Canada. 17 de maio de 2010. Consultado em 6 de agosto de 2014 
  48. «Sexual Assault in Canada: What Do We Know?» (PDF). The Sex Information and Education Council of Canada. Consultado em 6 de agosto de 2014 
  49. Jennifer Temkin, Rape and the legal process, Oxford University Press, 2002 ISBN 0198763549, p. 86.
  50. «N.C. the last state to outlaw marital rape». The Daily Gazette. 2 de julho de 1993. Consultado em 6 de agosto de 2014 
  51. «R v R [1991] UKHL 12 (23 October 1991)». British and Irish Legal Information Institute. Consultado em 6 de agosto de 2014 
  52. Zeegers, Nicolle. «What Epistemology Would Serve Criminal Law Best in Finding the Truth about Rape?» (PDF). Consultado em 6 de agosto de 2014 [ligação inativa] 
  53. Kieler, Marita. «Tatbestandsprobleme der sexuellen Nötigung, Vergewaltigung sowie des sexuellen Mißbrauchs widerstandsunfähiger Personen» (PDF). Tenea. Consultado em 6 de agosto de 2014 
  54. Ethics – Slavery: Modern slavery. BBC. Retrieved on 5 September 2013.
  55. Report of the Special Rapporteur on contemporary forms of slavery, including its causes and consequences, Gulnara Shahinian. United Nations. Human Rights Council Twenty-first session. 10 July 2012
  56. «Archived copy» (PDF). Consultado em 8 de julho de 2011. Arquivado do original (PDF) em 8 de julho de 2011 
  57. «Ethiopia: Revenge of the abducted bride». BBC News. 18 de junho de 1999 
  58. «IRIN | Ethiopia: Surviving forced marriage». Irinnews.org. 23 de fevereiro de 2007. Consultado em 3 de abril de 2016 
  59. «REPORT ON CAUSES AND CONSEQUENCES OF EARLY MARRIAGE IN AMHARA REGION» (PDF). Pathfinder.org. Consultado em 3 de abril de 2016. Arquivado do original (PDF) em 23 de março de 2013 
  60. «Intimate partner violence: overview». cdc.gov. Centers for Disease Control and Prevention. 2006. Consultado em 4 de setembro de 2007. Cópia arquivada em 11 de fevereiro de 2007 
  61. «Injury prevention & control: division of violence prevention: Intimate partner violence: consequences». cdc.gov. Centers for Disease Control and Prevention 
  62. «Wheel gallery». theduluthmodel.org. Domestic Abuse Intervention Programs. Cópia arquivada em 28 de julho de 2011 
  63. Staff writer (13 de abril de 2011). «All domestic abuse deaths to have multi-agency review». BBC News. BBC. Consultado em 14 de abril de 2011 
  64. L'action du ministère dans le cadre des violences au sein du couple / Aide aux victimes: présentation des différents dispositifs (PDF) (em French). [S.l.]: Ministère de l'Intérieur. Consultado em 6 de agosto de 2014 
  65. WHO. «Violence against women». who.int. World Health Organization. Consultado em 6 de agosto de 2014 
  66. Staff writer (11 de outubro de 2006). «Ethiopian women are most abused». BBC News. BBC 
  67. Clarke, Kris (agosto de 2011). «The paradoxical approach to intimate partner violence in Finland». Tokiwa University via The Press at California State University. International Perspectives in Victimology. 6 (1): 9–19. doi:10.5364/ipiv.6.1.19  Available through academia.edu.
  68. McKie, Linda; Hearn, Jeff (agosto de 2004). «Gender-neutrality and gender equality: comparing and contrasting policy responses to 'domestic violence' in Finland and Scotland». Edinburgh University Press. Scottish Affairs. 48 (1): 85–107. doi:10.3366/scot.2004.0043  Pdf.
  69. Danish, Swedish, Finnish and Norwegian sections of Amnesty International (março de 2010), «Rape and human rights in Finland», in: Danish, Swedish, Finnish and Norwegian sections of Amnesty International, Case closed: rape and human rights in the Nordic countries, Amnesty International, pp. 89–91, Finland is repeatedly reminded of its widespread problem of violence against women and recommended to take more efficient measures to deal with the situation. International criticism concentrates on the lack of measures to combat violence against women in general and in particular on the lack of a national action plan to combat such violence and on the lack of legislation on domestic violence. (...) Compared to Sweden, Finland has been slower to reform legislation on violence against women. In Sweden, domestic violence was already illegal in 1864, while in Finland such violence was not outlawed until 1970, over a hundred years later. In Sweden the punishment of victims of incest was abolished in 1937, but not until 1971 in Finland. Rape within marriage was criminalised in Sweden in 1962, but the equivalent Finnish legislation only came into force in 1994 – making Finland one of the last European countries to criminalise marital rape. In addition, assaults taking place on private property did not become impeachable offences in Finland until 1995. Only in 1997 did victims of sexual offences and domestic violence in Finland become entitled to government-funded counselling and support services for the duration of their court cases.  Pdf.
  70. Bott, Sarah; Guedes, Alessandra; Goodwin, Mary; Mendoza, Jennifer Adams (2012). Violence against women in Latin America and the Caribbean: a comparative analysis of population-based data from 12 countries (PDF). [S.l.]: Centers for Disease Control and Prevention and the Pan American Health Organization. Cópia arquivada (PDF) em 4 de fevereiro de 2016 
  71. Girshick, Lori B. (dezembro de 2002). «No sugar, no spice: reflections on research on woman-to-woman sexual violence». Sage. Violence Against Women. 8 (12): 1500–1520. doi:10.1177/107780102237967 
  72. Rose, Suzana, «Lesbian partner violence fact sheet», Medical University of South Carolina, musc.edu 
  73. a b Committee; Women, Underserved; Gynecologists, February (2013). «Committee Opinion No. 554: Reproductive and Sexual Coercion». Obstet Gynecol. 121 (2 Pt 1): 411–5. PMID 23344307. doi:10.1097/01.AOG.0000426427.79586.3b 
  74. Chamberlain, Linda, and Rebecca Levenson. Reproductive Health and Partner Violence Guidelines: An Integrated Response to Intimate Partner Violence and Reproductive Coercion. San Francisco: Family Violence Prevention Fund, 2010.
  75. Coker, AL (abril de 2007). «Does physical intimate partner violence affect sexual health? A systematic review». Trauma Violence Abuse. 8 (2): 149–77. PMID 17545572. doi:10.1177/1524838007301162 
  76. Natalae Anderson, Documentation Center of Cambodia, Memorandum: Charging Forced Marriage as a Crime Against Humanity, 1 (September 22, 2010).
  77. https://rm.coe.int/168046031c
  78. http://tbinternet.ohchr.org/Treaties/CEDAW/Shared%20Documents/1_Global/CEDAW_C_GC_35_8267_E.pdf
  79. https://www.webcitation.org/5xc2eRFDv?url=http://www.un.org/womenwatch/daw/cedaw/text/econvention.htm
  80. http://www.bbc.com/news/world-middle-east-13932287
  81. http://kathmandupost.ekantipur.com/news/2016-11-19/pm-concerned-over-death-of-woman-in-chaupadi.html
  82. http://edition.cnn.com/2017/07/10/asia/nepal-menstruation-hut-deaths-outrage/index.html
  83. http://www.bbc.com/news/world-asia-40885748
  84. http://www.aljazeera.com/news/2016/12/nepali-girl-dies-menstruation-chhaupadi-161219090727200.html
  85. https://www.empowerwomen.org/en/who-we-are/news/2016/2/freedom-of-movement-and-womens-economic-empowerment
  86. «Activism». Merriam-Webster. Consultado em 3 de abril de 2016 
  87. Youngs, G. (2003). «Private Pain/Public Peace: Women's Rights as Human Rights and Amnesty International's Report on Violence against Women». Signs. 28 (4): 1209–1229. JSTOR 10.1086/368325. doi:10.1086/368325 
  88. Htun, M.; Weldon, S. (2012). «The Civic Origins of Progressive Policy Change: Combating Violence against Women in Global Perspective, 1975–2005» (PDF). American Political Science Review. 1: 1–22. Consultado em 2 de dezembro de 2013 
  89. Carraway, G. C. (1991). «Violence against Women of Color». Stanford Law Review. 43 (6): 1301–1309. JSTOR 1229040. doi:10.2307/1229040 
  90. Robinson, N. P. (2006). «Origins of the International Day for the Elimination of Violence against Women: The Caribbean Contribution». Caribbean Studies. 34 (2): 141–161. JSTOR 25613539 
  91. Michau, L. (2007). «Approaching Old Problems in New Ways: Community Mobilisation as a Primary Prevention Strategy to Combat Violence against Women». Gender and Development. 15 (1): 95–109. JSTOR 20461184. doi:10.1080/13552070601179144 
  92. Kroløkke, C., & Sørensen, A. S. (2006). Chapter 1: Three Waves of Feminism: From Suffragettes to Grrls. Gender communication theories & analyses: from silence to performance (pp. 1-23). Thousand Oaks, Calif.: Sage Publications.
  93. Rupp, L. J.; Taylor, V. (1999). «Forging Feminist Identity in an International Movement: A Collective Identity Approach to Twentieth-Century Feminism». Signs. 24 (2): 363–386. JSTOR 3175646. doi:10.1086/495344 
  94. Kroløkke, C., & Sørensen, A. S. (2006). Chapter 1: Three Waves of Feminism: From Suffragettes to Grrls. Gender communication theories & analyses: from silence to performance (pp. 1-23). Thousand Oaks, Calif.: Sage Publications, pp. 1
  95. a b c d Prügl, E. (Lecturer) (2 December 2013, ). Gender and International Affairs 2013. International Feminist Movements. Lecture conducted from The Graduate Institute of International and Development Studies (IHEID), Geneva, Switzerland.
  96. Kroløkke, C., & Sørensen, A. S. (2006). Chapter 1: Three Waves of Feminism: From Suffragettes to Grrls. Gender communication theories & analyses: from silence to performance (pp. 1-23). Thousand Oaks, Calif.: Sage Publications, pp. 7-8
  97. Kroløkke, C., & Sørensen, A. S. (2006). Chapter 1: Three Waves of Feminism: From Suffragettes to Grrls. Gender communication theories & analyses: from silence to performance (pp. 1-23). Thousand Oaks, Calif.: Sage Publications, pp. 8
  98. Kroløkke, C., & Sørensen, A. S. (2006). Chapter 1: Three Waves of Feminism: From Suffragettes to Grrls. Gender communication theories & analyses: from silence to performance (pp. 1–23). Thousand Oaks, Calif.: Sage Publications, pp. 9
  99. Kroløkke, C., & Sørensen, A. S. (2006). Chapter 1: Three Waves of Feminism: From Suffragettes to Grrls. Gender communication theories & analyses: from silence to performance (pp. 1-23). Thousand Oaks, Calif.: Sage Publications, pp. 17
  100. Kroløkke, C., & Sørensen, A. S. (2006), pp. 16
  101. Kroløkke, C., & Sørensen, A. S. (2006): pp. 17
  102. Lind, A. (Lecturer) (2 December 2013). Gender and International Affairs 2013. International Feminist Movements. Lecture conducted from The Graduate Institute of International and Development Studies (IHEID), Geneva, Switzerland.
  103. «Stopping the Violence Against Women: The Movement From Intervention to Prevention» (PDF). National Center on Domestic and Sexual Violence. Consultado em 4 de abril de 2016 
  104. Youngs, G. (2003). «Private Pain/Public Peace: Women's Rights as Human Rights and Amnesty International's Report on Violence against Women». Signs. 28 (4): 1209–1229. JSTOR 10.1086/368325. doi:10.1086/368325 
  105. Miller, A. M. (2004). «Sexuality, Violence against Women, and Human Rights: Women Make Demands and Ladies Get Protection». Health and Human Rights. 7 (2): 16–47. JSTOR 4065347. doi:10.2307/4065347 
  106. Fried, pp. 88-89
  107. Merry, S. E. (2006). «Transnational Human Rights and Local Activism: Mapping the Middle». American Anthropologist. 108 (1): 38–51 [39]. doi:10.1525/aa.2006.108.1.38 

Ligações externas

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons
Wikinotícias Categoria no Wikinotícias