Violência contra homens

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Violência contra homens consiste de atos de violência cometidos exclusiva ou desproporcionalmente contra homens. Homens são maioria tanto como vítimas[1][2] quanto como autores da violência.[3][4] A violência sexual em qualquer sociedade é tratada de forma distinta quando cometida contra homens do que quando é cometida contra mulheres, e pode não ser reconhecido pela lei internacional.[5][6][7][8]

Violência de mulheres contra homens é bastante difundida e sub-reportada. Os dados oficiais no Reino Unido, por exemplo, apontam algo próximo a 50% do total de atos de violência de mulheres contra homens, mas existem indicadores que apontam que somente algo próximo a 10% das vítimas masculinas reportam o incidente às autoridades, principalmente em razão de tabus e temores de desentendimento criados por uma cultura de expectativas sobre o homem. Um relatório do Canadá chegou a verificar que a violência de mulheres contra homens é mais frequente que a violência de homens contra mulheres.[9] Já a violência sexual de mulheres contra homens é um tabu ainda maior e ainda menos estudada ou reconhecida.[10]

Percepções[editar | editar código-fonte]

Estudos de atitudes sociais mostram que a violência é notada como mais ou menos séria dependendo do gênero da vítima e do perpetrador.[11][12][13] De acordo com um estudo na publicação Aggressive Behavior (Comportamento Agressivo), a violência contra mulher foi aproximadamente um terço mais reportada por terceiros para a polícia, independente do gênero do agressor, apesar de a combinação de gênero com mais chances de ser reportada foi de um homem como agressor e uma mulher como vítima.[14] O uso de estereótipos por agentes da lei é uma questão reconhecida[15] e a estudiosa da lei internacional, Solange Mouthaan, argumenta que, em cenários de conflito, a violência sexual contra homens tem sido ignorada em favor da violência sexual contra mulheres e crianças.[16] Uma explicação para essa diferença de foco é o poder físico maior que homens comumente detêm em relação às mulheres, tornando as pessoas mais propensas a condenar violência nesta configuração de gênero em especial.[17] O conceito de sobreviventes masculinos de violência vai contra as percepções sociais do papel de gênero masculino, levando a baixo reconhecimento e pouca provisão legal.[18]

Por vezes não existe nenhum panorama legal quando uma mulher é processada ao cometer agressões violentas contra um homem.[19]

Richard Felson desafia a suposição que violência contra mulher é distinta da violência contra o homem. Os mesmos motivos desempenham papel em quase toda violência, independente do gênero: obter controle ou retribuição vingativa e para promover ou defender a auto-imagem.[1]

Escrevendo para a TIME, Cathy Young criticou o movimento feminista por não se esforçar o bastante para desafiar os duplos padrões de viés no tratamento de homens vítimas de abusos físico e sexual.[20]

Violência Doméstica[editar | editar código-fonte]

O "Partner Abuse State of Knowledge Project (PASK)"[21] de 2013, publicado pelo Domestic Violence Research Group (Springer Publishing journal "Partner Abuse"[22]) mais uma vez reiterou as descobertas da paridade nas taxas de violência tanto de autoria quanto de vitimação para homens e mulheres. Tem-se o estudo "Unprecedented Domestic Violence Study Affirms Need to Recognize Male Victims".[23]

Por vezes, homens vítimas de violência doméstica são relutantes em informar sobre a violência ou mesmo em procurar ajuda. Também existe o paradigma estabelecido que somente homens praticam violência doméstica, jamais os figurando como vítimas.[24] Como em outras formas de violência contra homens, violência entre parceiros íntimos geralmente é menos reconhecida na sociedade quando as vítimas são homens.[25][26] Violência praticada por mulheres contra homens é comumente trivializada[3][27][28] em razão da psiquê supostamente mais frágil da mulher; e em tais casos, omite-se o uso de objetos e armas perigosas.[3] Pesquisas têm identificado, desde os anos 1990, problemas de viéses percebido e real quando a polícia está envolvida, com a vítima (homem) sendo desacreditada mesmo ferida.[29]

Circuncisão Forçada[editar | editar código-fonte]

Circuncisão masculina desnecessária é considerada, por muitos grupos, uma forma de violência contra homens jovens e meninos.[30][31][32][33][34][35] A Corte Penal Internacional considera a circuncisão forçada "um ato desumano".[32] Algumas decisões judiciais nos Estados Unidos declararam a circuncisão forçada uma violação dos direitos da criança.[36]

Em certos países, como Austrália, Bangladesh, Canadá, Indonésia, Paquistão, Filipinas, Coreia do Sul, Turquia e Estados Unidos, bebês recém-nascidos rotineiramente são circuncidados, sem o consentimento da criança.[37][38] Igualmente, judeus e muçulmanos circuncidam meninos de pouca idade.[39] A circuncisão é praticada também no Cristianismo Copta e na Igreja Ortodoxa Etíope.[38][40] Na África, ocorre circuncisão forçada e violenta.[41][42]

Qualquer forma de corte na genitália feminina, também conhecida como mutilação genital feminina, tem sido explicitamente banida na maior parte dos países ocidentais, inicialmente pela Suécia em 1982 e nos Estados Unidos em 1997.[43] A Suécia tornou-se o primeiro país ocidental a criminalizar esta conduta em 1982.[44] Muitas potências coloniais, incluindo Bélgica, França, Grã-Bretanha e Holanda, seguiram o mesmo caminho, seja mediante leis novas ou tornando claro que a legislação existente já tratava de tais casos.[45]

Apesar de uma decisão judicial na Alemanha ter posto a prática da mutilação masculina em questão em 2012, declarando-a como "um dano repugnante ao corpo", o parlamento alemão aprovou uma lei para manter a circuncisão de meninos legal.[46] Em 2016, o corte da genitália de meninos ainda é legalizado pelo mundo.[37]

Matança em massa[editar | editar código-fonte]

Em situações de violência estrutural que incluem genocídio e guerra, homens e meninos são frequentemente discriminados e assassinados.[47] Sobre o número de alvos por sexo durante a Guerra do Kosovo, estimativas de homens civis vítimas de matança em massa sugerem que eles perfizeram mais de 90% de todas as casualidades civis.[47] Outros exemplos de matança seletiva de civís incluem algumas das purgações de Stálin.[47]

Homens e meninos não combatentes têm sido e continuam a ser os alvos mais frequentes de matança massiva e assassinatos genocidas, bem como vítimas de abusos e atrocidades menores.[48] Gendercide Watch, um grupo independente de direitos humanos, documenta múltiplos genocídios tendo homens adultos e meninos como alvos:

Conscrição forçada também pode ser considerada uma violência baseada em gênero contra homens.[52]

Violência sexual[editar | editar código-fonte]

Em conflitos armados, comete-se violência sexual contra homens como guerra psicológica com o intuito de desmoralização do inimigo.[53] O procedimento vem desde as Cruzadas e a Antiga Pérsia.[54] Castração forçada é usada como meio de tortura física com fortes efeitos psicológicos, a saber, a perda da capacidade reprodutiva e a perda do status de homem.[54] A lei criminal internacional não considera a violência sexual contra homens em razão de seu gênero uma categoria separada de crime, e trata genericamente como crime de guerra ou tortura.[55] A cultura do silêncio em torno desse assunto costuma deixar os homens sem suporte algum.[56]

Em 2012, um reporte da UNHCR determinou que "a violência sexual contra homens e meninos baseada em gênero geralmente é mencionada como uma nota de rodapé nos relatórios".[57] Em um estudo, menos de 3% das organizações que abordam estupro como arma de guerra mencionam homens ou fornecem serviços a vítimas masculinas.[6][8][58] Notou-se que a linguagem inglesa em 1990 estava "desprovida de termos e frases que descrevessem com precisão o estupro contra homens".[59]

Homicídio[editar | editar código-fonte]

Estatísticas de homicídio de acordo com o Bureau of Justice Statistics dos EUA[60]
Homem como agressor/Homem como vítima 65.3%
Homem como agressor/Mulher como vítima 22.7%
Mulher como agressor/Homem como vítima 9.6%
Mulher como agressor/Mulher como vítima 2.4%

Nos EUA, estatísticas de crimes de 1976 em diante mostram que homens perfazem a maior parte dos autores de homicídio, sem considerar o sexo da vítima. Homens também são maioria como vítimas de homicídio envolvendo tanto agressores homens quanto mulheres.[60] De acordo com o Bureau of Justice Statistics dos EUA, mulheres que matam homens, mais comumente, matam conhecidos, maridos ou namorados, enquanto homens, mais comumente, matam estranhos.[61] Em muitos casos, mulheres matam homens em razão de serem vítimas de violência íntima,[62] porém notou-se que esta pesquisa foi conduzida com mulheres no corredor da morte, um tamanho de amostra de aproximadamente 97 nos últimos cem anos.[63]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b Felson, Richard B. (1 de janeiro de 2002). Violence and gender reexamined. (em English). [S.l.]: American Psychological Association. ISBN 1557988951. doi:10.1037/10470-000 
  2. «What Is Gendercide?». Gendercide Watch. Consultado em 31 de dezembro de 2016. 
  3. a b c Young, Cathy. «Hope Solo and the Surprising Truth About Women and Violence». TIME.com. Consultado em 31 de dezembro de 2016. 
  4. «Our attitude to violence against men is out of date». Telegraph.co.uk 
  5. Lewis, Dustin A. (23 de julho de 2009). «Unrecognized Victims: Sexual Violence Against Men in Conflict Settings Under International Law». Rochester, NY: Social Science Research Network 
  6. a b DelZotto, Jones, Augusta, Adam (23 de março de 2002). «Male-on-Male Sexual Violence in Wartime: Human Rights' Last Taboo?». Consultado em 31 de dezembro de 2016. 
  7. «Impact of Armed Conflict on Women and Girls». www.unfpa.org. UNFPA - United Nations Population Fund. Consultado em 31 de dezembro de 2016. 
  8. a b Stemple, Lara (Fevereiro de 2009). «Male Rape and Human Rights» (PDF). Consultado em 31 de dezembro de 2016. 
  9. «Why female violence against men is society's last great taboo». The Telegraph 
  10. Friedersdorf, Conor. «The Understudied Female Sexual Predator». The Atlantic (em inglês) 
  11. «Male Bashing in Mental Health Research». Consultado em 1 de janeiro de 2016. 
  12. Sana Munirkazmi, Mohyuddin, Syeda, Anwaar (dezembro de 2012). «Violence Against Men (A Case Study of Naiabaadichaakra Rawalpindi)». International Journal of Environment, Ecology, Family and Urban Studies. Consultado em 1 de janeiro de 2017. 
  13. Feather, N. T. «Domestic violence, gender, and perceptions of justice». Sex Roles (em inglês). 35 (7-8): 507–519. ISSN 0360-0025. doi:10.1007/BF01544134 
  14. Felson, Richard B.; Feld, Scott L. (1 de novembro de 2009). «When a man hits a woman: moral evaluations and reporting violence to the police». Aggressive Behavior (em inglês). 35 (6): 477–488. ISSN 1098-2337. doi:10.1002/ab.20323 
  15. A. Brown, Grant (2004). «Gender as a Factor in the Response of the Law Enforcement System to Violence against Partners» (PDF). Consultado em 31 de dezembro de 2016. 
  16. Mouthaan, Solange (1 de janeiro de 2013). «Sexual Violence against Men and International Law – Criminalising the Unmentionable». International Criminal Law Review. 13 (3): 665–695. ISSN 1571-8123. doi:10.1163/15718123-01303004 
  17. Hamby, Sherry; Jackson, Amy (21 de julho de 2010). «Size Does Matter: The Effects of Gender on Perceptions of Dating Violence». Sex Roles (em inglês). 63 (5-6): 324–331. ISSN 0360-0025. doi:10.1007/s11199-010-9816-0 
  18. Onyango, Monica Adhiambo; Hampanda, Karen (1 de outubro de 2011). «Social Constructions of Masculinity and Male Survivors of Wartime Sexual Violence: an Analytical Review». International Journal of Sexual Health. 23 (4): 237–247. ISSN 1931-7611. doi:10.1080/19317611.2011.608415 
  19. «Sexual assault on men: Crime that is a reality». Hindustan Times. 21 de julho de 2015 
  20. Young, Cathy. «Sorry, Emma Watson, but HeForShe Is Rotten for Men». TIME.com. Consultado em 31 de dezembro de 2016. 
  21. «Partner Abuse State of Knowledge Project (PASK): The world's largest domestic violence research data base, 2,657 pages, with summaries of 1700 peer-reviewed studies.». www.domesticviolenceresearch.org. Domestic Violence Research. Consultado em 31 de dezembro de 2016. 
  22. «Partner Abuse». Springer Publishing. Consultado em 31 de dezembro de 2016. 
  23. «Unprecedented Domestic Violence Study Affirms Need to Recognize Male Victims». PRWeb 
  24. Woods, Micheal (2005). «The Rhetoric And Reality Of Men And Violence». University of Western Sydney. Consultado em 31 de dezembro de 2016. 
  25. Das Dasgupta, Shamita (novembro de 2002). «A Framework for Understanding Women's Use of Nonlethal Violence in Intimate Heterosexual Relationships» (PDF). SAGE. Consultado em 31 de dezembro de 2016. 
  26. Pizzey, Erin (30 de junho de 2011). This Way to the Revolution: A Memoir (em inglês). [S.l.]: Peter Owen Publishers. ISBN 9780720615210 
  27. Buzawa, Eva Schlesinger; Buzawa, Carl G. (1 de janeiro de 2003). Domestic Violence: The Criminal Justice Response (em inglês). [S.l.]: SAGE. ISBN 9780761924487 
  28. Dutton, Donald G. (1 de janeiro de 2011). Rethinking Domestic Violence (em inglês). [S.l.]: UBC Press. ISBN 9780774859875 
  29. BUZAWA, E. S.; AUSTIN, T. (1 de janeiro de 1970). «Determining Police Response to Domestic Violence Victims: The Role of Victim Preference». American Behavioral Scientist. 36 (5): 610–623. ISSN 0002-7642. doi:10.1177/0002764293036005006 
  30. «The Bloodstained Men chop away at circumcision». NY Daily News 
  31. Ahlberg, Beth Maina; Njoroge, Kezia Muthoni (1 de outubro de 2013). «'Not men enough to rule!': politicization of ethnicities and forcible circumcision of Luo men during the postelection violence in Kenya». Ethnicity & Health. 18 (5): 454–468. ISSN 1465-3419. PMID 23758644. doi:10.1080/13557858.2013.772326 
  32. a b «Plea to ICC over forced male circumcision». IRIN. 25 de abril de 2011 
  33. Vojdik, Valorie K. (2014). «Sexual Violence Against Men and Womem in War: A Masculinities Approach». Nevada Law Journal. Consultado em 1 de janeiro de 2017. 
  34. Clarfelt, Alice (9 de outubro de 2014). «Men and Boys and Sexual and Gender Based Violence (SGBV)». Restless Development. Consultado em 1 de janeiro de 2017. 
  35. «10 reasons we need a campaign to end violence against men and boys….». EQUALITY 4 MEN. 3 de novembro de 2013. Consultado em 1 de janeiro de 2017. 
  36. Hebblethwaite, Cordelia (21 de agosto de 2012). «Circumcision, the ultimate parenting dilemma». BBC News. Washington DC. Consultado em 1 de setembro de 2016. 
  37. a b «Neonatal and child male circumcision: a global review» (PDF). OMS e Unaids. Abril de 2010. Consultado em 1 de janeiro de 2017. 
  38. a b «Male circumcision: Global trends and determinants of prevalence, safety and acceptability» (PDF). OMS e Unaids. 2007. Consultado em 1 de janeiro de 2016. 
  39. Glass, J. M. (1 de janeiro de 1999). «Religious circumcision: a Jewish view». BJU international. 83 Suppl 1: 17–21. ISSN 1464-4096. PMID 10349410 
  40. «circumcision». www.infoplease.com. Consultado em 1 de janeiro de 2017. 
  41. «Forceful circumcision in Mbale: Police fire teargas». www.newvision.co.ug 
  42. «The Observer - Where do battered men go?». 25 de junho de 2012. Consultado em 1 de janeiro de 2017. 
  43. «Review of Australia's Female Genital Mutilation legal framework» (PDF). Governo da Austrália. Março de 2013. Consultado em 1 de janeiro de 2017. 
  44. Essén, Birgitta; Johnsdotter, Sara (1 de julho de 2004). «Female genital mutilation in the West: traditional circumcision versus genital cosmetic surgery». Acta Obstetricia Et Gynecologica Scandinavica. 83 (7): 611–613. ISSN 0001-6349. PMID 15225183. doi:10.1111/j.0001-6349.2004.00590.x 
  45. Boyle 2002 p. 97.
  46. (www.dw.com), Deutsche Welle (12 de dezembro de 2012). «Circumcision remains legal in Germany». DW.COM. DW. Consultado em 1 de janeiro de 2017. 
  47. a b c Jones, Adam (1 de janeiro de 2004). Gendercide and genocide (em inglês). [S.l.]: Vanderbilt University Press. ISBN 9780826514448 
  48. «Text of the 2005 Human Security Report». www.hsrgroup.org. Consultado em 1 de janeiro de 2017. 
  49. «Gendercide Watch: The Anfal Campaign (Iraqi Kurdistan), 1988». www.gendercide.org. Consultado em 1 de janeiro de 2017. 
  50. «Gendercide Watch: The Armenian Genocide». www.gendercide.org. Consultado em 1 de janeiro de 2017. 
  51. «Gendercide Watch: Rwanda». www.gendercide.org. Consultado em 1 de janeiro de 2017. 
  52. Carpenter, R. Charli (17 a 20 de março de 2004). «Reconhecendo a Violência por Gênero contra Homens e Meninos em Situações de Conflito (Traduzido)» (PDF). Consultado em 1 de janeiro de 2017.  Verifique data em: |data= (ajuda)
  53. Storr, Will (16 de julho de 2011). «The rape of men: the darkest secret of war». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  54. a b Sivakumaran, Sandesh (2007). «Sexual Violence Against Men in Armed Conflict» (PDF). The European Journal of International Law. Consultado em 1 de janeiro de 2017. 
  55. «The invisibility of gender violence in International Criminal Law - addressing sexual violence against men and women in conflict - TransConflict». TransConflict (em inglês). 18 de fevereiro de 2015 
  56. «Rape as a "weapon of war" against men». IRIN. 13 de outubro de 2011 
  57. Refugees, United Nations High Commissioner for. «UNHCR issues guidelines on protection of male rape victims». UNHCR 
  58. Rauhala, Emily. «Rape as a Weapon of War: Men Suffer, Too». Time. ISSN 0040-781X 
  59. McMullen, Richie (1 de setembro de 1990). Male rape: breaking the silence on the last taboo (em inglês). [S.l.]: GMP. ISBN 9780854491261 
  60. a b Fox, W. Zawitz, James, Marianne (25 de janeiro de 2010). «Most victims and perpetrators in homicides are male» (PDF). BJS: Bureau of Justice Statistics. Consultado em 1 de janeiro de 2017. 
  61. Greenfeld, Snell, Lawrence A., Tracy L. (dezembro de 1999). «Women Offenders» (PDF). U.S. Department of Justice. Consultado em 1 de janeiro de 2017. 
  62. Farr, K. A. (1 de julho de 1997). «Aggravating and Differentiating Factors in the Cases of White and Minority Women on Death Row». Crime & Delinquency. 43 (3): 260–278. ISSN 0011-1287. doi:10.1177/0011128797043003002 
  63. «Women and the Death Penalty». www.deathpenaltyinfo.org. Death Penalty Information Center. Consultado em 1 de janeiro de 2017.