Pós-generismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Pós-generismo ou pósgenerismo (postgenderism em inglês) é um movimento social, político e cultural que surgiu da erosão do papel cultural, biológico, psicológico e social do gênero, e um argumento para explicar por que a erosão do gênero binário será libertadora.[1]

Os pós-generistas argumentam que o gênero é uma limitação arbitrária e desnecessária do potencial humano e prevê a eliminação do generismo/generar (gendering) biológico e psicológico involuntário na espécie humana como resultado da evolução social e cultural, através da aplicação de neurotecnologia, biotecnologia e tecnologias de reprodução assistida.[1]

Os defensores do pós-gênero (postgenderismo) argumentam que a presença de regras de gênero, estratificação social e disparidades e diferenças cogno-físicas são geralmente em detrimento dos indivíduos e da sociedade. Dado o potencial radical de opções avançadas de reprodução assistida, os pós-géneros acreditam que o sexo para fins reprodutivos se tornará obsoleto ou que todos os seres humanos pós-generados terão a capacidade, se assim o desejarem, de realizar uma gravidez a termo e 'pai'. uma criança que, segundo os pós-sexistas, teria o efeito de eliminar a necessidade de gêneros definidos em tal sociedade.[1]

Raízes culturais[editar | editar código-fonte]

O pós-gênero como um fenômeno cultural tem raízes no feminismo, no masculinismo, juntamente com a androginia, os movimentos metrossexual/tecnossexual e transgênero. No entanto, foi através da aplicação da filosofia transumanista que os pósgeneristas conceberam o potencial de mudanças morfológicas reais para os membros da espécie humana e como os futuros seres humanos em uma sociedade pós-gênera se reproduzirão. Nesse sentido, é uma ramificação do transumanismo, pós-humanismo[2] e futurismo.[1]

Tecnologias futuras[editar | editar código-fonte]

No que diz respeito às potenciais tecnologias de reprodução assistida, acredita-se que a reprodução possa continuar ocorrendo fora dos métodos convencionais, ou seja, relações sexuais e inseminação artificial. Avanços como clonagem humana, partenogênese e útero artificial podem aumentar significativamente o potencial de reprodução humana.[1]

Muitos argumentam que o espaço pós-humano será mais virtual do que real. Os indivíduos podem consistir em mentes carregadas vivendo como padrões de dados em supercomputadores ou usuários envolvidos em realidades virtuais completamente imersivas . Os pós-sexistas afirmam que esses tipos de existência não são específicos de gênero, permitindo que os indivíduos transformem suas aparências e sexualidade virtuais à vontade.[1]

Sexualidade[editar | editar código-fonte]

Os pós-generistas/pós-sexistas/póssexistas sustentam que uma sociedade sem gênero não implica a existência de uma espécie desinteressada em sexo e sexualidade. Pensa-se que as relações sexuais e a intimidade interpessoal possam e existam em um futuro pós-sexo/pós-sexismo/póssexismo, mas que essas atividades podem assumir formas diferentes.[1] Por exemplo, essa teoria levanta a relação entre gênero e tecnologias, como o papel desta última no desmantelamento da ordem convencional de gênero.[3] O pós-gênerismo/pósgênero, no entanto, não está diretamente preocupado com a ação física do sexo ou com a sexualidade. Acredita-se que ele ofereça um sistema mais igualitário, onde os indivíduos sejam classificados de acordo com fatores como idade, talentos e interesses, em vez de gênero.

Feminismo[editar | editar código-fonte]

No livro de 1970 The Dialectic of Sex, a feminista radical Shulamith Firestone escreveu que as diferenças nos papéis biológicos reprodutivos são uma fonte de desigualdade de gênero. Firestone destacou a gravidez e o parto, argumentando que um útero artificial libertaria "as mulheres da tirania de sua biologia reprodutiva".[4][5]

Romances com temas pós-gêneros[editar | editar código-fonte]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g Dvorsky (2008). «Postgenderism: Beyond the Gender Binary» 
  2. Ferrando (2014). «Is the Post-Human a Post-Woman? Robots, Cyborgs and the Futures of Gender». European Journal of Futures Research. 2. doi:10.1007/s40309-014-0043-8 
  3. Oliffe, John; Greaves, Lorraine (2011). Designing and Conducting Gender, Sex, and Health Research. SAGE. Los Angeles, CA: [s.n.] 30 páginas. ISBN 9781412982436 
  4. «What Do Artificial Wombs Mean for Women?». RH Reality Check 
  5. «Why Not Artificial Wombs?» (PDF). The New Atlantis 
  6. Goonan. «2312 by Kim Stanley Robinson (review).». Configurations. 20: 199–203 

Fontes[editar | editar código-fonte]