Androginia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre expressão de gênero. Para identidade de gênero, veja Andrógine. Para hormônio, veja Andrógeno. Para outros significados, veja Androgynos.
Representação gráfica medieval de um ser humano andrógino tirado do livro Crônica de Nuremberg, primeiro publicado em latim e, no mesmo ano de 1493, também publicado em alemão, sob o título de Nürnberger Chronik; mas também largamente conhecido como Schedelsche Weltchronik, dada a autoria de Hartmann Schedel).

Androginia ou ginandria refere-se a dois conceitos: a mistura de características femininas e masculinas em um único ser, ou uma forma de descrever algo que não é nem masculino e nem feminino.[1]

A pessoa que se sente com alguma combinação de características culturais, tanto masculinas (andro) quanto femininas (gyne), é quem se identifica e se define como tendo níveis variáveis de sentimentos e traços comportamentais que são tanto masculinos quanto femininos.[2][3]

A palavra é muitas vezes deturpada como androgenia, com variações androgênico, andrógena e androgênica, que são termos relacionados aos testóides, androgênio, cujo sufixo deriva de genes e são associados ao desenvolvimento ou produção hormonal das características masculinas.[4][5][6][7][8][9][10][11]

Conceito de androginia humana[editar | editar código-fonte]

A pessoa andrógina é aquela que tem características físicas e, adicionalmente, as comportamentais de ambos os sexos. Assim sendo, torna-se difícil definir a que gênero pertence uma pessoa andrógina apenas por sua aparência externa.[12] Denotando a androginia como ambiguidade de gênero, mas não necessariamente pertencendo a um gênero ambíguo ou epiceno, como é o caso das identidades ambíguas andrógine e ambígue.[13][14][15][16][17][18][19][20][21]

Pessoas andróginas do sexo masculino que prezam por sua androginia normalmente utilizam adereços femininos (homens) e do sexo feminino normalmente utilizam adereços masculinos (mulheres), visando ressaltar a dualidade. Isso posto, tende-se a pressupor que pessoas andróginas sejam invariavelmente homossexuais ou bissexuais,[22][23] o que não é verdade, uma vez que a androginia ou é um caráter do comportamento e da aparência individual de sua identidade de gênero, nada tendo a ver com a orientação sexual ou ainda com atração erótica por alguém semelhante. Assim, pessoas andróginas podem se identificar como homossexuais, heterossexuais, bissexuais, assexuais ou ainda como pansexuais.[24][25] Há ainda os que são ginessexuais e androssexuais, não especificando o gênero ou sexo de uma monossexualidade androgínica.[26]

Conceito na psicologia[editar | editar código-fonte]

Na psicologia, androginia é uma disforia de gênero rara que é responsável por uma condição psíquica em que a pessoa se identifica como não sendo nem homem nem mulher, mas como uma pessoa de sexo mentalmente híbrido, o que se reflete em seu comportamento. Dentro da psicologia, Sandra Bem desenvolveu um teste no qual considera-se a masculinidade e feminidade num plano bidimensional. Nessa modelagem, pessoas com traços significativos para a masculinidade e feminilidade obtidos, por exemplo, através do Inventário de Papéis Sexuais de Bem poderiam ser consideradas como andróginas.[27][28]

Para a Psicologia Analítica, de Carl Gustav Jung, andrógino ou androgínico se refere a uma integração dos pares de opostos Anima e Animus, respectivamente o feminino e o masculino, sendo ambas características associadas à mesma pessoa.[29][30]

Na mitologia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Androgynos (mitologia)

A pessoa andrógina é, também, segundo o livro "O Banquete", de Platão, uma criatura mítica proto-humana. No livro, o comediógrafo Aristófanes descreve como haveria surgido os diferentes sexos. Havia antes três criaturas: Andros, Gynos (gino ou ginos) e Androgynos (andróginos ou andrógino), sendo Andros entidade masculina composta de oito membros e duas cabeças, ambas masculinas, Gynos entidade feminina mas com características semelhantes, e Androgynos composto por metade masculina, metade feminina. Essas não estavam agradando os deuses, que resolveram separá-las e/ou dividi-las em duas partes, para que se tornassem menos poderosas. Fracionando Andros, originaram-se dois homens, que apesar de terem seus corpos agora separados, tinham suas almas ligadas, por isso ainda eram atraídos um pelo outro. O mesmo teria ocorrido com as outras duas criaturas, Gynos e Androgynos. Andros deu origem aos homens homossexuais, Gynos às lésbicas e Androgynos aos heterossexuais. Segundo Aristófanes, seriam então divididos aos terços os heterossexuais e homossexuais. Alma gêmea seria um conceito vindo dessa história com alusão criacionista, de acordo com o movimento esotérico de teosofia, de Edgar Cayce.[31][32][33][34][35][36][37]

Na mitologia grega antiga, em Metamorfoses de Ovídio, a náiade Salmacis se apaixona por Hermafrodito e em resposta a uma oração dela, os deuses fundem suas duas formas em uma, transformando-as em uma forma andrógina.[38][39]

Na moda[editar | editar código-fonte]

A moda sempre foi um ambiente marcado pela polarização entre feminino e masculino, por meio de roupas que são culturalmente associadas ao homem e outras associadas à mulher. Entretanto, a moda andrógina vem despontando como movimento desafiador dos padrões estéticos e, por isso, segundo a jornalista especialista em moda Lillian Pace, vivemos um momento de transformação da moda pautado pela inclusão, diversidade e igualdade entre os gêneros.[40] Nesse sentido, a androginia vem sendo utilizada pela moda como instrumento social de expressão, cujo apelo vem sendo levado a frente por grandes grifes como Versace, Gucci e Luis Vuitton.[41] Trata-se, portanto, de um fenômeno na moda que mistura, de forma intencional, as características femininas e masculinas de vestimentas construindo um produto marcado pela androginia e dando visibilidade às pessoas que se não se enquadram perfeitamente nas definições binárias de gênero.[42][43][44][45][46][47][48][49][50][51][52][53][54][55][56][57][58][59]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  1. «Androgyny and Gynandry are synonyms». thesaurus.plus (em english). Consultado em 19 de junho de 2020 
  2. Ruas, Manuela; Rabot, Jean-Martin (2012). Desvios identitários do género : o imaginário e a subversão andrógina. [S.l.]: Universidade do Minho. Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS) 
  3. «Charlton T. Lewis, Charles Short, A Latin Dictionary, andrŏgynē». www.perseus.tufts.edu. Consultado em 19 de junho de 2020 
  4. «Corpo, sexo e gênero na arqueologia: revisitando alguns aspectos multidisciplinares». historiapt.info. Consultado em 19 de junho de 2020 
  5. Richter, R. H. (1960-05). «[On the effect of testosterone and some testoids on the gonads, adrenal glands and uterus of the rat]». Helvetica Physiologica Et Pharmacologica Acta. 56: 89–90. ISSN 0367-6242. PMID 13858712  Verifique data em: |data= (ajuda)
  6. «Androgenia cultural: O sexos se confundem». Super. Consultado em 19 de junho de 2020 
  7. «Androgenia na moda». ISTOÉ Independente. 4 de junho de 2011. Consultado em 19 de junho de 2020 
  8. «androgeny». The Free Dictionary 
  9. «Definition of Androgenic». MedicineNet (em inglês). Consultado em 19 de junho de 2020 
  10. «Androgênios: definição, níveis, a testosterona e mais». helloclue.com (em inglês). Consultado em 19 de junho de 2020 
  11. «Modelo andrógena questiona estereótipos ao posar como homem e mulher». MegaCurioso - As curiosidades mais interessantes estão aqui. 4 de maio de 2017. Consultado em 19 de junho de 2020 
  12. «How I Explore Androgyny In My Self-Presentation». trans.cafe (em inglês). Consultado em 19 de junho de 2020 
  13. Frame, Marsha Wiggins (1 de maio de 1996). «The influence of gender and gender-pairings on clergy's identification of sexually ambiguous behavior as sexual harassment». Pastoral Psychology (em inglês). 44 (5): 295–304. ISSN 1573-6679. doi:10.1007/BF02262820 
  14. Sebastián, Julia; Aguíñiga, Concha; Moreno, Bernardo (1 de janeiro de 1987). «Psychological androginy and behaviour flexibility». Studies in Psychology. 8 (32): 13–30. ISSN 0210-9395. doi:10.1080/02109395.1987.10821504 
  15. Faury, Mara Lucia (1995). «Fronteiras do masculino e do feminino ou a androginia como expressão». Cadernos Pagu (5): 165–178. ISSN 1809-4449 
  16. Santos, Jean Carlo Silva dos (2013). «Masculinidades, feminilidades e androginia: uma análise interpretativa sobre a construção social de gêneros e suas implicações para o exercício da liderança no Poder Judiciário de Rondônia» 
  17. Martins, Cícero Felix (27 de janeiro de 2017). «Gênero e Sexualidade na Educação Contemporânea». ID on line REVISTA DE PSICOLOGIA. 10 (33): 257–270. ISSN 1981-1179. doi:10.14295/idonline.v10i33.652 
  18. Rado, Lisa (2000). The Modern Androgyne Imagination: A Failed Sublime (em inglês). [S.l.]: University of Virginia Press 
  19. Ault, Amber (1996-06). «Ambiguous Identity in an Unambiguous Sex/Gender Structure: The Case of Bisexual Women». The Sociological Quarterly. 37 (3): 449–463. ISSN 0038-0253. doi:10.1111/j.1533-8525.1996.tb00748.x  Verifique data em: |data= (ajuda)
  20. MacLeod, Catriona (1998). Embodying Ambiguity: Androgyny and Aesthetics from Winckelmann to Keller (em inglês). [S.l.]: Wayne State University Press 
  21. Werther, Ralph (2008). Autobiography of an Androgyne (em inglês). [S.l.]: Rutgers University Press 
  22. «Is bisexuality androgynous?». Varsity Online (em inglês). Consultado em 19 de junho de 2020 
  23. Stimpson, Catharine R. (15 de julho de 2010). «The androgyne and the homosexual 1». Women's Studies: An Interdisciplinary Journal (em inglês). doi:10.1080/00497878.1974.9978352 
  24. Bernard, L. C.; Epstein, D. J. (1978). «Androgyny scores of matched homosexual and heterosexual males». Journal of Homosexuality. 4 (2): 169–178. ISSN 0091-8369. PMID 739147. doi:10.1300/j082v04n02_03 
  25. Dijkstra, Bram (1974). «The Androgyne in Nineteenth-Century Art and Literature». Comparative Literature. 26 (1). 62 páginas. ISSN 0010-4124. doi:10.2307/1769675 
  26. Mckenzie, Macaela (22 de fevereiro de 2018). «Are You Androsexual Or Gynesexual? Here's How To Tell». Women's Health (em inglês). Consultado em 19 de junho de 2020 
  27. Cook, Ellen Piel, 1952- (1995). Psychological androgyny. [S.l.]: Pergamon. OCLC 43501561 
  28. Formiga, Nilton Soares; Camino, Leoncio (2001-08). «A dimensão do inventário de papéis sexuais (BSRI): a masculinidade e feminilidade em universitários». Estudos de Psicologia (Campinas). 18 (2): 41–49. ISSN 0103-166X. doi:10.1590/S0103-166X2001000200004  Verifique data em: |data= (ajuda)
  29. Jung, Emma. (1981). Anima et animus. [S.l.]: Seghers. OCLC 41155747 
  30. Ramos, Luís Marcelo Alves (2005). «A psicologia analítica de Carl Gustav Jung: apontamentos de aula». ETD - Educação Temática Digital. 6 (2): 192–205. ISSN 1676-2592. doi:10.20396/etd.v6i2.781 
  31. «Twin Flames, introduction by Antera». www.soulevolution.org. Consultado em 19 de junho de 2020 
  32. «A ORIGEM DOS SEXOS- ADÃO, O ANDROGINO». Recanto das Letras. Consultado em 19 de junho de 2020 
  33. Sousa, Benedito Teixeira de. Entre o pavor e o prazer : infância homoafetiva na literatura brasileira. [S.l.: s.n.] OCLC 1010823960 
  34. «Almas gêmeas e o Mito do Andrógino | Artigo». Somos Todos Um. Consultado em 19 de junho de 2020 
  35. Faux, D. H. (2000-10). «Edgar Cayce in Context: The Readings: Truth and Fiction:Edgar Cayce in Context: The Readings: Truth and Fiction.». Nova Religio. 4 (1): 153–154. ISSN 1092-6690. doi:10.1525/nr.2000.4.1.153  Verifique data em: |data= (ajuda)
  36. admin (21 de fevereiro de 2018). «The Myth of Soulmates». Elli Gold (em inglês). Consultado em 19 de junho de 2020 
  37. Plato. (1993). The Symposium : and, the Phaedrus ; Plato's erotic dialogues. Albany: State University of New York Press. OCLC 43475070 
  38. Ovid, 43 B.C.-17 A.D. or 18 A.D. (1992). The pleasant fable of Hermaphroditus and Salmacis. [S.l.]: Chadwyck-Healey. OCLC 57656562 
  39. Robinson, M. (1999/05). «Salmacis and Hermaphroditus: when two become one* (Ovid, Met. 4.285–388)». The Classical Quarterly (em inglês). 49 (1): 212–223. ISSN 1471-6844. doi:10.1093/cq/49.1.212  Verifique data em: |data= (ajuda)
  40. Wink (28 de fevereiro de 2018). «Moda sem gênero prega uma forma de se vestir livre de preconceitos». Revista Versar. Consultado em 2 de abril de 2020 
  41. Rocha, Caio (1 de abril de 2020). «Afinal de contas, você sabe o que é moda sem gênero?». Blog The Pride. Consultado em 2 de abril de 2020 
  42. «A moda sem gênero chegou no Brasil para ficar - Notícias e Atualidades». Exame. Consultado em 18 de junho de 2020 
  43. «Moda agênero é destaque no Oscar: conheça 5 marcas». Terra. Consultado em 18 de junho de 2020 
  44. «Ellen DeGeneres lança marca de roupas agênero». Vogue. Consultado em 18 de junho de 2020 
  45. Portal, Arquivo (24 de agosto de 2017). «Agênera, essa é a moda! – por Sâmia Brito». Mulheres Empreendedoras-PI. Consultado em 18 de junho de 2020 
  46. Papisova, Vera. «What It Means to Identify as Agender». Teen Vogue (em inglês). Consultado em 18 de junho de 2020 
  47. «Gender Fluidity in the Fashion Industry». CUB Magazine (em inglês). 8 de fevereiro de 2016. Consultado em 18 de junho de 2020 
  48. Krischer, Hayley (14 de agosto de 2019). «Beyond Androgyny: Nonbinary Teenage Fashion». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  49. «12 Gender Neutral Fashion Brands to Know & Love». What's On? By C&TH (em inglês). 27 de maio de 2020. Consultado em 18 de junho de 2020 
  50. www.gay.blog.br (7 de maio de 2019). «Moda unissex, agênero, binária, genderless, gender-bender, neutra, rosa ou azul». GAY BLOG BR @gayblogbr. Consultado em 18 de junho de 2020 
  51. «Tom Martins e sua moda agênera que não põe fronteira entre Clara Nunes e David Bowie». Casa de Criadores. 5 de junho de 2018. Consultado em 18 de junho de 2020 
  52. Portinari, Denise Berruezo; Coutinho, Fernada Ribeiro; Oliveira, Janara Morena da Silva de (22 de maio de 2018). «Moda agênero: uma proposta de moda que desconstrói as fronteiras de gênero?». dObra[s] – revista da Associação Brasileira de Estudos de Pesquisas em Moda. 11 (23): 140–156. ISSN 2358-0003. doi:10.26563/dobras.v11i23.715 
  53. «Androgynous Outfit Ideas: 10+ Avant-garde Looks - BARBARA I GONGINI». barbaraigongini.com. Consultado em 18 de junho de 2020 
  54. Ventus, Gracia (24 de agosto de 2019). «Androgyny and Elimination of Gender Codes in Fashion». The Rosenrot | For The Love of Avant-Garde Fashion (em inglês). Consultado em 18 de junho de 2020 
  55. Baker, Lindsay. «His or hers: Will androgynous fashion catch on?». www.bbc.com (em inglês). Consultado em 18 de junho de 2020 
  56. «Da androginia à moda genderless». www.farfetch.com. Consultado em 18 de junho de 2020 
  57. «eight. Conclusion: Androgyny as Literary Trend and Strategy in Fashioning Chinese Literati Identity». Honolulu: University of Hawaii Press. 31 de dezembro de 2017: 199–210. ISBN 978-0-8248-6145-2 
  58. «O visual pós-andrógino chega para revolucionar o guarda-roupa deles e delas». epoca.globo.com. Consultado em 18 de junho de 2020 
  59. Maus, Stephan. «Necessidades e desejos de um corpo andrógino: um olhar no vestuário de moda»