Transformista

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Transformismo (política).

Transformista, que inclui as drag queen, os drag king e drag queer, é o termo usado para se referir a uma pessoa que veste roupas cuja expressão de gênero são tipicamente associadas ao sexo oposto ou um gênero diferente do seu,[1] com intuitos essencialmente comerciais, sem ligação a sua orientação sexual ou identidade de gênero.

Diferenças entre cross-dressing e outras transidentidades[editar | editar código-fonte]

Transformistas não são necessariamente crossdressers,[2] travestis ou pessoas transgêneres, que se identificam com o gênero oposto.[3][4] As transgeneridade e travestilidade são transidentidades. Muitas travestis e mulheres trans tanto se descreviam quanto eram descritas como transformistas, como Rogéria e Laura de Vison,[5][6] outras descobriram-se transformistas e, posteriormente transexual, como Laerte Coutinho.[7]

Transformistas, em inglês, costumavam ser chamados de gender impersonators, que seriam imitadores de gênero, no sentido de personificar o sexo oposto, mas este por sua vez se tornou ultrapassado.

Uma drag queen, cujo intérprete é um homem, pode performar artisticamente tanto a feminilidade quanto a androginia.[1] Com a cultura dos drag kings, o fenômeno de drag queer também veio a surgir, transgredindo os papéis sociais e a binariedade de gênero, incorporando a neutralidade e outros conceitos de características genderqueer e não binariedade.[8][9] Enquanto drag pode ser um personagem com seu próprio nome, um transformista não necessariamente interpreta outra pessoa.[10][11]

Embora o termo transformista tenha sido usado para descrever práticas gerais de 'se vestir do sexo oposto', sendo transformismo muitas vezes usado como tradução de cross-dressing, tanto no português quanto no espanhol, esses dois termos ganharam sentidos próprios no português. Cross-dressing, em subculturas de BDSM, é também considerado um kink, incluindo práticas de feminização de um homem por uma dominatrix,[12] por exemplo, se associando ao transvestismo. Quando usado fora do contexto de fetiches, crossdressing pode ser visto como uma prática com outras finalidades, que não artísticas ou performáticas.[13] Travestimento, por outro lado, o ato de se travestir, é uma palavra sinônimo ao disfarce[14] e pode ser depreciativa, pois trata quem se traveste como impostor(a).[15]

Outros usos do termo[editar | editar código-fonte]

Transformista, também pode se referir a aquele que se transforma, que muda ou se altera, se refere a seres mitológicos que são capazes de se transformar em algum animal de forma controlada. Difere de lobisomem, por exemplo, pois este não possui a capacidade de controlar a sua transformação e perde total ou parcialmente sua consciência humana.[16] Tal transformação pode ser muitas vezes chamada de transmutação de espécie, polimorfismo ou transmorfismo (metamorfose), que não deve ser confundida com teriantropia ou otherkin.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «As travestis e transformistas que frequentavam a cena alternativa de SP em plena ditadura militar». BBC News Brasil. Consultado em 15 de maio de 2021 
  2. «Um homem, dois vestuários. - Opinion Sur Joven». opinionsur.org.ar. Consultado em 30 de abril de 2012 
  3. Jayme, Juliana Gonzaga (2001). «Travestis, transformistas, drag-queens, transexuais : personagens e mascaras no cotidiano de Belo Horizonte e Lisboa». Consultado em 15 de maio de 2021 
  4. «Performance e etnoestética: a montagem como ritual ou como nasce uma drag-queen José Juliano B.Gadelha UFC Montagem; performan» (PDF). Consultado em 15 de maio de 2021 
  5. «Morre a atriz e transformista Rogéria, aos 74 anos». Diario de Pernambuco. 4 de setembro de 2017. Consultado em 15 de maio de 2021 
  6. Ker, João (25 de julho de 2020). «Biblioteca em homenagem a Laura de Vison é inaugurada no Rio». Revista Híbrida. Consultado em 15 de maio de 2021 
  7. «Crossdresser, travesti, trans: Laerte fala sobre sexualidade». Terra. Consultado em 15 de maio de 2021 
  8. Pernambuco, Diario de; Pernambuco, Diario de (27 de outubro de 2017). «Drag Queer: o corpo como arte e ferramenta de autoconhecimento». Diario de Pernambuco. Consultado em 15 de maio de 2021 
  9. Santos, David Ceccon dos (2017). «Drag-queer Alma Negrot : o corpo como montagem artística». Consultado em 15 de maio de 2021 
  10. «Qual a diferença entre drag queen, travesti e transgênero?». Super. Consultado em 15 de maio de 2021 
  11. Hypeness, Redação (3 de dezembro de 2018). «Esta página criou um guia ilustrado de nomenclaturas LGBTI pra ninguém mais se confundir». Hypeness (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2021 
  12. «About Cross-Dressing and Feminization Fetish: Why Many Dommes and Subs Love The Kink». dommez.com. Consultado em 15 de maio de 2021 
  13. «Entenda a diferença entre travesti, transexual, cross dresser e drag queen». Extra Online. Consultado em 15 de maio de 2021 
  14. Fabris, Annateresa. «Disfarce e identidade: o corpo travestido» (PDF). ANPUH – Seção São Paulo. XXII Encontro Estadual de História. Consultado em 15 de maio de 2021 
  15. «Vestir-se ou Travestir-se de Polícia? - Brasil Escola». Meu Artigo Brasil Escola. Consultado em 15 de maio de 2021 
  16. «Criaturas Transformistas». Guia Teórico de Transfiguração. Consultado em 15 de maio de 2021