Drag queen

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para o filme de 1929, veja Drag (filme).
RuPaul é uma drag queen mundialmente conhecida por conta do programa RuPaul's Drag Race

Uma drag queen é uma pessoa, geralmente do sexo masculino, que usa roupas e maquiagem para imitar e frequentemente exagerar os significantes do gênero feminino e os papeis de gêneros para fins de entretenimento. Nos tempos modernos, drag queens estão associadas a homens gays e à cultura gay, mas elas podem ser de qualquer gênero e identidade sexual.

As pessoas participam da atividade de drag por motivos que vão desde a autoexpressão até a fama. Os drag shows frequentemente incluem dublagem, stand-up, canto e dança. Eles ocorrem em eventos como paradas LGBT e em locais como boates. Drag queens variam por tipo, cultura e dedicação, desde profissionais que estrelam filmes até pessoas que fazem drag apenas ocasionalmente.

Terminologia[editar | editar código-fonte]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Drag queens de Buenos Aires em uma propaganda de uma boate em 1995

A origem do termo anglófono drag é incerta;[1] o primeiro uso registrado em referência a atores vestidos com roupas de mulher data de 1870.[2] Pode ter sido baseado no termo "grand rag", que historicamente foi usado para um baile de máscaras.[3] Durante grande parte da história, drag queens eram homens, mas em tempos mais modernos, mulheres cisgênero e transgênero, bem como pessoas não binárias, também atuam como drag queens.[4][5][6][7]

Em um artigo de 2018, a Psychology Today afirmou que drag queens geralmente são "homens cisgêneros tipicamente gays (embora existam muitas drag queens de orientações sexuais e identidades de gênero variadas)".[8] Exemplos de drag queens transfemininas, às vezes chamadas de trans queens.[9] As drag queens cisgêneras às vezes são chamadas de faux queens ou bioqueens, embora ambos os termos sejam problemáticos: faux carrega a conotação de "falso "e o uso de bioqueen exclusivamente para mulheres cisgênero é um nome impróprio, já que trans queens exibem características ginandromórficas.[10][11]

As contrapartes das drag queens são as drag kings: performistas, geralmente mulheres, que se vestem com roupas exageradamente masculinas. Homens trans que se vestem como drag kings às vezes são chamados de kings trans. Argumenta-se que drag é uma expressão exagerada de um visual feminino estereotipado.[12] A arte drag é conhecida por quebrar as normas de gênero e, portanto, pode ser visto como uma 'flexão de gênero'.[13][14]

Personificador feminino[editar | editar código-fonte]

Drag queen na Parada LGBT de 2015 em Colônia, na Alemanha.

A falsificação de identidade feminina foi e continua sendo ilegal em alguns lugares, o que inspirou a drag queen José Sarria a distribuir etiquetas para seus amigos com os dizeres "Eu sou um menino", para que ele não pudesse ser acusado de falsificação de identidade feminina.[15] A drag queen estadunidense RuPaul disse uma vez: "Eu não pernonifico mulheres! Quantas mulheres você conhece que usam saltos de sete polegadas, perucas de mais de um metro e vestidos justos?" Ele também disse: "Não me visto como mulher; me visto como uma drag queen!"[16]

Termos alternativos[editar | editar código-fonte]

Algumas drag queens podem preferir ser chamadas de "ela" enquanto estão montadas e desejam permanecer completamente no personagem.[17] Outras, como RuPaul, parecem ser completamente indiferentes a qual pronome é usado para se referir a eles. Em suas palavras, "Você pode me chamar de ele. Você pode me chamar de ela. Você pode me chamar de Regis e Kathie Lee; eu não me importo! Contanto que você me ligue."[18]

Drag queens às vezes são chamadas de travestis, embora esse termo também tenha muitas outras conotações além do termo drag queen e não seja muito apreciado por muitas drag queens.[19] O termo travesti foi adotado por alguns artistas de drag, notavelmente RuPaul,[20] e a comunidade gay masculina[21] nos Estados Unidos, mas é considerado ofensivo para a maioria das pessoas transgênero e transexuais.[22]

Muitos performistas drag referem-se a si próprios como "artistas drag", em oposição a drag queens, uma vez que algumas formas contemporâneas de drag se tornaram não binárias.[23][24]

Termos incomuns[editar | editar código-fonte]

No mundo das drag queen, há um debate contínuo sobre se drag queens transgêneros são realmente consideradas "drag queens". Alguns argumentam que, como uma drag queen é definida como um homem retratando uma mulher, as mulheres trans não podem ser drag queens. Drag kings são mulheres que assumem uma estética masculina. No entanto, nem sempre é esse o caso, porque também existem biokings, bioqueens e female queens, que são pessoas que realizam seu próprio sexo biológico por meio de uma apresentação de gênero exagerada.[25][26][27]

História[editar | editar código-fonte]

Eugene d'Ameli, um homem branco com blackface para representar uma mulher afro-americana em um show de menestrel no final do século XIX

A primeira pessoa conhecida a se descrever como uma "drag queen" foi William Dorsey Swann, nascido escravo em Hancock, Maryland, Estados Unidos, que na década de 1880 começou a hospedar bailes drag em Washington, DC com a presença de outros homens que antes eram escravos e frequentemente atacados pela polícia, conforme documentado nos jornais da época.[28] Em 1896, Swann foi condenado e sentenciado a 10 meses de prisão sob a falsa acusação de "manter uma casa desordenada" (eufemismo para dirigir um bordel) e pediu perdão ao presidente Grover Cleveland por celebrar bailes drag (o pedido foi negado).[28]

O desenvolvimento das drag queens nos Estados Unidos foi influenciado pelo desenvolvimento dos menestréis de blackface.[29] Originalmente, os artistas zombavam dos homens afro-americanos, mas com o passar do tempo eles acharam divertido zombar também das mulheres afro-americanas. Eles se apresentavam em esquetes cômicos, danças e canções de "prostitutas".[30]

Do final dos anos 1800 a meados dos anos 1900, as "damas de pantomima" se tornaram uma forma popular de personificação feminina na Europa,[31] sendo a primeira a usar a comédia como parte da performance, contrastando com as sérias tragédias de Shakespeare e óperas italianas.[32] As damas se tornaram personagens comuns e com uma gama de atitudes, desde "empregada doméstica" a "grande dama", que era usada principalmente para improvisação.[32] A dama de pantomima mais famosa e bem-sucedida foi Dan Leno. Após a Primeira Guerra Mundial e a Segunda Guerra Mundial, as cenas do teatro e do cinema foram mudando e o uso de damas de pantomima diminuiu.[31]

Arte drag[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Arte drag

O processo de entrar em drag ou na personagem pode levar horas. Uma drag queen pode apontar para um certo estilo, impressão de celebridades ou mensagem com seu visual. O cabelo, a maquiagem e os trajes são os fundamentos mais importantes para drag queens.[33] Elas tendem a procurar um olhar mais exagerado com muito mais maquiagem do que uma mulher feminina típica se vestiria.

Algumas pessoas se arrastam simplesmente como um meio de expressão,[34][35] mas muitas vezes drag queens (depois de estarem "montadas") vão a clubes e bares e se apresentam em um "show de drag".[36] Muitas drag queens se vestem para ganhar dinheiro fazendo shows diferentes, mas também existem drag queens que têm empregos em tempo integral, mas ainda gostam de vestir-se como um hobby.[37]

Muitas partes do show de drag, e de outras propriedades intelectuais das drag queens, não podem ser protegidas pela lei de propriedade intelectual. Para substituir a falta de proteção legal, drag queens voltam às normas sociais a fim de proteger sua propriedade intelectual.[38]

Recepção social[editar | editar código-fonte]

Pablo Vittar foi considerada a "drag queen mais famosa do mundo" pela revista Forbes[39]

Os filmes Priscilla, a Rainha do Deserto e Para Wong Foo, que por sua vez disse:Obrigado por Tudo! popularizaram esse estilo. Nos Estados Unidos, apresentadores de televisão como RuPaul são nacionalmente conhecidos.[40] Uma das maiores artistas no sinônimo drag mais conhecido no mundo no início do século passado está no estilo e referência de Carmen Miranda. Algumas drag queens ficam tão conhecidas que viram celebridades cuja presença é constante em programas de televisão e eventos sociais e pioneiras.

No Brasil, alguns exemplos são Léo Áquilla e Salete Campari, que chegaram a ser candidatas a deputado estadual pelo estado de São Paulo.[41] Dimmy Kier, com seu nome verdadeiro Dicesar, participou do Big Brother Brasil 10.[42] Em 2020, A cantora e compositora Pablo Vittar[43] foi considerada a "drag queen mais famosa do mundo" pela revista Forbes.[39]

Drag passou a ser um aspecto célebre da vida gay moderna. Muitos bares e clubes LGBT ao redor do mundo possuem show de drags como festas especiais. Vários feriados "International Drag Day" foram iniciados ao longo dos anos para promover os shows. Nos EUA, drag é normalmente celebrado no início de março. Uma competição de drag televisionada, RuPaul's Drags Race é o programa mais bem sucedido na rede de televisão Logo. Em 2016, RuPaul's Drags Race ganhou um prêmio Emmy para "Apresentador Excepcional para um Reality ou Reality-Programa de Competição). No entanto, seus vencedores e concorrentes ainda não receberam o mesmo nível de reconhecimento que os concorrentes do reality show. No Brasil, o reality Academia de Drags apresentado pelas drag queens Silvetty Montilla e Alexia Twister, busca encontrar a drag queen mais completa do Brasil. Ainda no Brasil, também é realizada a Pop Up Drag, uma competição incrível de drags. Inclusive vem 2020 entrou no ar a Pop Up Drag Uruguay, gravado e realizado por drags de Brasília.

Termos relacionados[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Baroni, Monica (2012) [1st pub. 2006]. «Drag». In: Gerstner, David A. Routledge International Encyclopedia of Queer Culture. New York: Routledge. 191 páginas. ISBN 978-1-136-76181-2. OCLC 815980386. Consultado em 27 de abril de 2018 
  2. Felix Rodriguez Gonzales (26 de junho de 2008). «The feminine stereotype in gay characterization: A look at English and Spanish». In: María de los Ángeles Gómez González; J. Lachlan Mackenzie; Elsa M. González Álvarez. Languages and Cultures in Contrast and Comparison. Col: Pragmatics & beyond new series v 175. Philadelphia: John Benjamins Publishing Company. p. 231. ISBN 978-90-272-9052-6. OCLC 860469091. Consultado em 29 de abril de 2017 
  3. Joseph, Channing Gerard (20 de maio de 2021). «William Dorsey Swann». Oxford African American Studies Center. African American National Biography. Consultado em 26 de maio de 2021 
  4. Levin, Sam (8 de março de 2018). «Who can be a drag queen? RuPaul's trans comments fuel calls for inclusion». The Guardian. Consultado em 7 de agosto de 2018. Cópia arquivada em 20 de setembro de 2018 
  5. Beverly Hillz, Monica (9 de março de 2018). «I'm a trans woman and a drag queen. Despite what RuPaul says, you can be both». The Washington Post. Consultado em 7 de agosto de 2018. Cópia arquivada em 17 de setembro de 2018 
  6. Kirkland, Justin (22 de março de 2018). «Peppermint Is Taking on a New Fight for the Trans Community». Esquire. Consultado em 7 de agosto de 2018. Cópia arquivada em 25 de abril de 2018 
  7. Alexandra, Rae (9 de janeiro de 2019). «Meet the Trans, Non-Binary and Bio Queens Who Deserve a Spot on 'RuPaul's Drag Race U.K.'». kqed.org. KQED. Consultado em 15 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2019 
  8. O'Brien, Jennifer (30 de janeiro de 2018). «The Psychology of Drag». Psychology Today. John Thomas. Consultado em 15 de novembro de 2019 
  9. Framke, Caroline (7 de março de 2018). «How RuPaul's comments on trans women led to a Drag Race revolt – and a rare apology». Vox. Consultado em 7 de agosto de 2018. Cópia arquivada em 2 de agosto de 2018 
  10. Coull, Jamie Lee (2015). Faux Queens: an exploration of gender, sexuality and queerness in cis-female drag queen performance (PhD). Curtin University 
  11. Nicholson, Rebecca (10 de julho de 2017). «Workin' it! How female drag queens are causing a scene». The Guardian. Consultado em 7 de agosto de 2018. Cópia arquivada em 7 de agosto de 2018 
  12. Egner, Justine; Maloney, Patricia (2 de julho de 2016). «"It Has No Color, It Has No Gender, It's Gender Bending": Gender and Sexuality Fluidity and Subversiveness in Drag Performance». Journal of Homosexuality. 63 (7): 875–903. ISSN 0091-8369. PMID 26549494. doi:10.1080/00918369.2015.1116345 
  13. Greaf, Caitlin (1 de novembro de 2016). «Drag queens and gender identity». Journal of Gender Studies. 25 (6): 655–665. ISSN 0958-9236. doi:10.1080/09589236.2015.1087308 
  14. Egner, Justine; Maloney, Patricia (2 de julho de 2016). «"It Has No Color, It Has No Gender, It's Gender Bending": Gender and Sexuality Fluidity and Subversiveness in Drag Performance». Journal of Homosexuality. 63 (7): 875–903. ISSN 0091-8369. PMID 26549494. doi:10.1080/00918369.2015.1116345 
  15. «>> social sciences >> Sarria, José». glbtq. 12 de dezembro de 1923. Consultado em 1 de março de 2014. Cópia arquivada em 3 de dezembro de 2013 
  16. Dr. Susan Corso (15 April 2009). Drag Queen Theology. Arquivado 2010-07-24 no Wayback Machine Acessado em 1 de abril de 2018.
  17. «Understanding Drag». transequality.org. National Center for Transgender Equality. 28 de abril de 2017. Consultado em 13 de março de 2018. Cópia arquivada em 10 de março de 2018 
  18. RuPaul (Junho de 1995), Lettin' It All Hang Out: An Autobiography, ISBN 9780786881659, Hyperion Books, p. 139 
  19. Ford, Zack. "The Quiet Clash Between Transgender Women And Drag Queens Arquivado 2017-09-09 no Wayback Machine." ThinkProgress, 25 de junho de 2014. Web. 9 de setembro de 2017.
  20. Spargo, Chris (15 de janeiro de 2012). «NEW: RuPaul's 'Tranny' Conroversy». NewNowNext. Consultado em 6 de outubro de 2013. Cópia arquivada em 4 de outubro de 2013 
  21. Musto, Michael (12 de novembro de 2010). «Is "Tranny" So Bad?». Blogs.villagevoice.com. Consultado em 6 de outubro de 2013. Cópia arquivada em 4 de outubro de 2013 
  22. «Is 'Tranny' Offensive?». The Bilerico Project. 9 de setembro de 2008. Consultado em 6 de outubro de 2013. Cópia arquivada em 4 de outubro de 2013 
  23. Knauf, Ana Sofia. «Person of Interest: Arson Nicki». The Stranger. Tim Keck. Consultado em 1 de julho de 2018. Cópia arquivada em 1 de julho de 2018 
  24. Lam, Teresa. «Getting to Know Non-Binary Drag Artist Rose Butch». Hypebae. Consultado em 1 de julho de 2018. Cópia arquivada em 1 de julho de 2018 
  25. Underwood, Lisa (2013). The Drag Queen Anthology. [S.l.: s.n.] ISBN 9780203057094. doi:10.4324/9780203057094 
  26. «Britannica Academic». academic.eb.com. Consultado em 5 de dezembro de 2018 
  27. Barnett, Joshua Trey; Johnson, Corey W. (Novembro de 2013). «We Are All Royalty». Journal of Leisure Research. 45 (5): 677–694. ISSN 0022-2216. doi:10.18666/jlr-2013-v45-i5-4369 
  28. a b Joseph, Channing Gerard (31 de janeiro de 2020). «The First Drag Queen Was a Former Slave». The Nation (em inglês). ISSN 0027-8378. Consultado em 4 de fevereiro de 2020 
  29. Boyd, Nan Alamilla (2003), Wide-Open Town, ISBN 9780520938748, University of California Press, consultado em 1 de fevereiro de 2020, cópia arquivada em 27 de agosto de 2017 
  30. Bean, Annemarie (2001), Female Impersonation in Nineteenth-Century American Blackface Minstrelsy, Universidade de Nova York, ProQuest 304709304 
  31. a b Moore, F. Michael. Drag!: Male and Female Impersonators on Stage, Screen, and Television: An Illustrated World History. Jefferson, N.C: McFarland & Company, 1994.[falta página]
  32. a b Baker, Roger. Drag: A History of Female Impersonation in the Performing Arts. NYU Press, 1994.[falta página]
  33. «Dude to Diva: How to Become a Drag Queen | The Chronicle». Dukechronicle.com. Consultado em 1 de março de 2014. Cópia arquivada em 7 de março de 2014 
  34. O'Brien, Jennifer (30 de janeiro de 2018). «The Psychology of Drag». Psychology Today. Consultado em 7 de agosto de 2018 
  35. Jackson, Angie (20 de maio de 2015). «Performing in drag is all about self-expression for some West Michigan men». Consultado em 7 de agosto de 2018. Cópia arquivada em 23 de maio de 2015 
  36. King, Mark. «A working life: the drag queen | Money». The Guardian. Consultado em 1 de março de 2014. Cópia arquivada em 31 de dezembro de 2013 
  37. «Tom Bartolomei: 10 Myths About Drag Queens». Huffingtonpost.com. 1 de abril de 2013. Consultado em 1 de março de 2014. Cópia arquivada em 31 de dezembro de 2013 
  38. Sarid, Eden (2014). «Don't Be a Drag, Just Be a Queen – How Drag Queens Protect their Intellectual Property without Law». Florida International University Law Review. 10 (1). Consultado em 8 de abril de 2016. Cópia arquivada em 16 de abril de 2016 
  39. a b Malone, Chris (30 de abril de 2020). «Pabllo Vittar's Multilingual Music Is, Above All, A Gift To Her Fans». Forbes (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020. Cópia arquivada em 2 de maio de 2020. [...] in just three years, Pabllo Vittar has built her own musical and cultural empire that transcends borders and boxes, uniting music fans across the Americas and arguably becoming the world’s most popular drag queen in the process. In both the U.S. and Brazil, drag queens are by and large seen as sources of superficial entertainment rather than hardworking artists with deep dedications to their craft; those who do embark on a music career are often laughed back out of it. [...] Her unabashed confidence in the face of a “proudly” homophobic president and unwillingness to change her aesthetics based on the world around her has made her a leader for LGBTQ+ youth around the world 
  40. «RuPaul Facts, information, pictures | Encyclopedia.com articles about RuPaul». Encyclopedia.com. Consultado em 24 de abril de 2012 
  41. «Drags da noite de São Paulo perdem eleições». www1.folha.uol.com.br. 1 de outubro de 2006. Consultado em 14 de Março de 2010 
  42. «EGO - NOTÍCIAS - BBB 10 tem participante drag queen: Dicesar Ferreira». Globo.com. Ego.globo.com. Consultado em 14 de Março de 2010 
  43. Billboard Brasil. «Meet Pabllo Vittar: Major Lazer's Favorite Brazilian Drag Queen». Billboard Brasil. Consultado em 30 de junho de 2018. Cópia arquivada em 25 de junho de 2018 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Drag queen