Bifobia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Bifobia é um termo usado para descrever ideias, atitudes ou sentimentos negativos, preconceituosos ou discriminatórios contra a bissexualidade, pessoas com tal orientação ou comportamento sexual, ou aquelas percebidas como tal.

Bifóbico é a forma adjetiva deste termo usado para descrever as qualidades dessas características enquanto o menos comum biófobo é a forma de substantivo dada como um título para indivíduos com características bifóbicas. Não precisa incluir ou excluir a homofobia, por existir formas de discriminação e preconceito que são específicas à bissexualidade.[1]

Estereótipos bissexuais[editar | editar código-fonte]

Os estereótipos bissexuais incluem, mas não são limitados à: promiscuidade, poligamia, viver trocando de parceiros, ou ser "confuso" ou "ganancioso" ou "pervertido".[2] Em alguns casos, os bissexuais são acusados de trazer infeções sexualmente transmissíveis à população heterossexual ou homossexual. Um estereótipo relacionado é aquele no qual se supõe que uma pessoa bissexual está disposta a ter relações sexuais com qualquer um. Este estereótipo leva à atenção não desejada de uma natureza sexual dirigida às mulheres bissexuais, e muitas vezes estereotipando homens bissexuais com andarem com riscos de VIH.

Muitas vezes, contudo, os indivíduos bifóbicos acrescentarão mais estereótipos baseados na homofobia, muitas vezes pensando que indivíduos bissexuais são homossexuais, lésbicas ou gays, não conformados. As pessoas homossexuais também às vezes percepcionam bissexuais como mantenedores de privilégio e colaboradores contra a homofobia simultaneamente ajudando-se de oportunidades nas comunidades LGBT. Alguns consideram a crença que a pessoa é heterossexual ou homossexual, e assim que bissexualidade não existe realmente, algo bifóbico.[3]

Um estudo de 2002 disse que uma amostra de homens que auto se identificam como bissexuais não responderam igualmente ao material pornográfico que implica só homens, e à pornografia que implica só mulheres, mas em vez disso mostrou a quatro vezes mais excitação a um do que o outro. Contudo, bissexualidade não contém a atração igual em direção a cada gênero. Além do mais, os oponentes afirmam que a excitação genital ao material pornográfico homossexual não é um bom indicador da orientação. Eles também indicam que o estudo mostrou que um terço dos homens não tiveram nenhuma excitação, e perguntar por que disso não significa que um terço de homens é realmente assexual.[4] Os estudo e artigo que reportou no The New York Times em 2005,[5] foram posteriormente criticados como sem nexo e bifóbico.[6][7]Lynn Conway criticou o autor do estudo, J. Michael Bailey, citando a sua história controvertida, e indicando que o estudo não foi cientificamente repetido e confirmado por qualquer pesquisador independente.[8]

De modo inverso, há uma escola de pensamento que diz que "todas as pessoas são bissexuais."[9] Um motivo comum de atitudes negativas em direção a bissexualidade pode ser o medo de homens e mulheres heterossexuais que os seus maridos ou namorados (no caso dos homens) ou suas esposas ou namoradas (no caso das mulheres) possam se divorciar, romper trair elas por relações homossexuais. Os mesmos medos também existem entre os homens gays e as mulheres lésbicas, de os seus maridos ou namorados (no caso dos homens) ou esposas ou namoradas (no caso das mulheres) de perder os seus parceiros ou parceiras por uma relação heterossexual. O homem heterossexual é visto como ter uma vantagem sistêmica injusta tanto devido ao sexismo como devido a homofobia. As pessoas bissexuais também podem ser o objetivo da homofobia daqueles que consideram só a heterossexualidade apropriada.

Algumas lésbicas feministas radicais pensam que as mulheres bissexuais estão indo no modo patriarcal.[carece de fontes?] Outros dizem que as pessoas que são contra bissexuais são inseguras sobre a sua própria sexualidade, similarmente à homofobia. É justo observar que muitos bifóbicos são também homofóbicos, mantendo que há somente o indivíduo heterossexual e o homossexual como orientação sexuais, e um estereótipo comum é que mulheres bissexuais são a atenção dos homens heterossexuais sendo buscado por eles mesmo, enquanto os homens são homossexuais somente abnegados com medo de reconhecer totalmente a sua orientação verdadeira.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Eliason, MJ (1997). «The prevalence and nature of biphobia in heterosexual undergraduate students». Archives of Sexual Behavior. 26 (3): 317–26. PMID 9146816. doi:10.1023/A:1024527032040 
  2. GLAAD: Cultural Interest Media
  3. Dworkin, SH (2001). «Treating the bisexual client». Journal of Clinical Psychology. 57 (5): 671–80. PMID 11304706. doi:10.1002/jclp.1036 
  4. «Cópia arquivada». Consultado em 14 de agosto de 2008. Arquivado do original em 18 de agosto de 2006 
  5. Straight, Gay or Lying? Bisexuality Revisited New York Times, July 5, 2005.
  6. «PrideSource: Bisexual study, New York Times article cause furor». Consultado em 26 de outubro de 2011. Arquivado do original em 26 de agosto de 2009 
  7. http://main.bisexual.com/forum/showthread.php?t=3799 "Gay Straight or Lying? Bisexuality Revisited," Revisited - Part 1 by William Burleson June 26 2007
  8. "Straight, Gay or Lying? Bisexuality Revisted" J. Michael Bailey attacks the identities of bisexual men
  9. Myths About Bisexuality (PDF pamphlet from Bisexual Resource Center)

Outras leituras[editar | editar código-fonte]

  • Garber, Marjorie (1995). Bisexuality and the Eroticism of Everyday Life, pp. 20–21, 28, 39.
  • Fraser, M., Identity Without Selfhood: Simone de Beauvoir and Bisexuality, Cambridge and New York: Cambridge University Press 1999. p. 124-140.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]