Russofobia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
"Expostos ao desprezo do mundo". Ilustração da revista satírica "Puck", dedicada ao pogrom antijudaico em Kishenev (Abril de 1903), 17 de Junho de 1903

Russofobia refere-se ao sentimento de medo ou ódio à Rússia, aos russos e à cultura russa.[1][2][3]

No passado, a russofobia incluiu maus-tratos patrocinados pelo Estado e propaganda contra os russos na França[4] e na Alemanha.[5] A Alemanha Nazista, a certa altura, considerou os russos e outros eslavos uma raça inferior e "sub-humana" e exigiu seu extermínio.[6][7][8] De acordo com a ideologia nazista, milhões de civis russos e prisioneiros de guerra foram assassinados durante a ocupação alemã na Segunda Guerra Mundial.[8] A Alemanha nazista inicialmente experimentou grandes sucessos militares na conquista da União Soviética. No entanto, em 1943, a maré da guerra virou contra eles e a Alemanha Nazista entrou em colapso após a captura de Berlim pelos soviéticos. Caso a campanha nazista contra a União Soviética fosse bem-sucedida, Adolf Hitler e outros altos funcionários nazistas estavam preparados para implementar o Generalplan Ost (Plano Geral para o Leste). Esta diretiva teria ordenado o assassinato de mais de 100 milhões de russos ao lado de outros grupos étnicos que habitavam a União Soviética como parte da criação do Lebensraum.

Nos Estados Unidos, na Europa Ocidental e no Brasil, a russofobia se confundiu com o sentimento anticomunista, no período da Guerra Fria. Muitas das motivações para a participação do mundo anglo-saxão na Guerra Fria não eram fruto do anticomunismo e sim da russofobia que estava presente desde a Guerra da Crimeia.[9][10]

Hoje, existe uma variedade de clichês da cultura popular e estereótipos negativos sobre os russos, principalmente no mundo ocidental. Alguns indivíduos podem ter preconceito ou ódio contra os russos devido à história, racismo, propaganda ou estereótipos arraigados e ódio existente.[11][12] Contudo, o sentimento anti-russo seguiu em grande parte uma tendência descendente que começou em 1991 com a dissolução da União Soviética e continuou no século XXI. Esta tendência foi invertida após a invasão russa da Ucrânia em Fevereiro de 2022.[13] Após a invasão, o sentimento anti-russo registou um grande aumento global, atingindo níveis não vistos desde a época da Guerra Fria.[14]

Estatisticas[editar | editar código-fonte]

Resultados da pesquisa YouGov Cambridge 2019–2020. Visões da influência da Rússia por país[15]
Ordenado por Positivo-Negativo
País pesquisado Positivo Negativo Não sabe Pos-Neg
 Dinamarca
7%
70%
23%
-63
 Reino Unido
8%
68%
24%
-60
 Polónia
13%
63%
24%
-50
 Suécia
15%
61%
25%
-46
 Estados Unidos
16%
60%
24%
-44
 Japão
12%
54%
34%
-42
 Canadá
19%
54%
27%
-35
 Alemanha
20%
54%
26%
-34
 Austrália
24%
54%
22%
-30
 Espanha
25%
49%
26%
-24
 Turquia
34%
48%
18%
-14
 França
28%
42%
30%
-14
 Itália
36%
34%
30%
+2
 Arábia Saudita
38%
29%
34%
+9
 África do Sul
47%
36%
17%
+11
 Brasil
52%
31%
16%
+21
 Egito
57%
19%
24%
+38
 Tailândia
53%
14%
33%
+39
 Nigéria
64%
22%
14%
+42
 México
61%
17%
22%
+44
 Indonésia
63%
12%
24%
+51
 China[a]
71%
15%
13%
+56
 Índia
73%
12%
15%
+61
Resultados da pesquisa do Pew Research Center de 2019.
Visões sobre a Rússia por país[16]
Ordenado por Positivo-Negativo
País pesquisado Positivo Negativo Não sabe Pos-Neg
 Suécia
12%
83%
4%
-71
 Países Baixos
23%
74%
3%
-51
 Estados Unidos
18%
67%
14%
-49
 Japão
25%
69%
7%
-44
 Reino Unido
26%
68%
6%
-42
 Austrália
26%
63%
11%
-37
 Lituânia
29%
64%
7%
-35
 Canadá
30%
63%
12%
-33
 Espanha
29%
62%
8%
-33
 França
33%
61%
6%
-28
 Polónia
33%
59%
8%
-26
 Ucrânia
32%
58%
11%
-26
 Chéquia
34%
59%
7%
-25
 Alemanha
35%
57%
8%
-22
 Hungria
35%
47%
18%
-12
 Turquia
39%
47%
13%
-8
 África do Sul
33%
40%
27%
-7
 Coreia do Sul
42%
47%
10%
-5
 Israel
45%
49%
6%
-4
 Itália
43%
47%
10%
-4
 Brasil
34%
35%
31%
-1
 Líbano
43%
43%
14%
0
 Quénia
38%
27%
35%
+11
 Argentina
36%
26%
38%
+10
 Nigéria
41%
31%
28%
+10
 Tunísia
42%
30%
28%
+12
 México
39%
27%
35%
+12
 Indonésia
39%
27%
34%
+12
 Filipinas
56%
33%
11%
+23
 Grécia
58%
34%
9%
+24
 Eslováquia
60%
33%
7%
+27
 Índia
49%
14%
37%
+35
 Bulgária
73%
19%
9%
+54

Em outubro de 2004, a International Gallup Organization anunciou que, de acordo com sua pesquisa, o sentimento anti-Rússia permaneceu bastante forte em toda a Europa e no Ocidente em geral. Ela descobriu que a Rússia era o país do G-8 menos popular globalmente. A porcentagem da população com uma percepção "muito negativa" ou "bastante negativa" da Rússia foi de 73% no Kosovo, 62% na Finlândia, 57% na Noruega, 42% na República Tcheca e Suíça, 37% na Alemanha, 32% na Dinamarca e Polônia e 23% na Estônia. No geral, a porcentagem de entrevistados com uma visão positiva da Rússia foi de apenas 31%.[17][18]

De acordo com uma pesquisa de 2014 do Pew Research Center, as atitudes em relação à Rússia na maioria dos países pioraram consideravelmente durante o envolvimento da Rússia na crise de 2014 na Ucrânia. De 2013 a 2014, as atitudes negativas medianas na Europa aumentaram de 54% para 75% e de 43% para 72% nos Estados Unidos. As atitudes negativas também aumentaram em relação a 2013 em todo o Oriente Médio, América Latina, Ásia e África.[19]

Há a questão de saber se as atitudes negativas em relação à Rússia e as frequentes críticas ao governo russo na mídia ocidental contribuem para atitudes negativas em relação ao povo e à cultura russos. Em um artigo do Guardian, o acadêmico britânico Piers Robinson afirma que "de fato, os governos ocidentais frequentemente se envolvem em estratégias de manipulação por meio de engano envolvendo exagero, omissão e desorientação".[20] Em uma pesquisa de 2012, a porcentagem de imigrantes russos na União Européia que indicaram ter sofrido crimes de ódio por motivos raciais foi de 5%, menos do que a média de 10% relatada por vários grupos de imigrantes e minorias étnicas na UE.[21] 17% dos imigrantes russos na UE disseram ter sido vítimas de crimes nos últimos 12 meses, por exemplo, roubo, ataques, ameaças assustadoras ou assédio, em comparação com uma média de 24% entre vários grupos de imigrantes e minorias étnicas.[22] De acordo com um estudo de 2019, o próprio termo "russofobia" foi usado com pouca frequência antes de 2014 e principalmente para descrever a discriminação contra russos étnicos em antigos Estados soviéticos. Um aumento significativo no uso do termo pelo Ministério das Relações Exteriores da Federação Russa começa a partir de 2014 e está ligado ao retorno de Putin à presidência em 2012 e trazendo uma nova definição de "russianidade" e uma nova abordagem em relação ao "ocidente".[23]

História[editar | editar código-fonte]

Séculos XVIII e XIX[editar | editar código-fonte]

Em 19 de outubro de 1797, o Diretório Francês recebeu um documento de um general polonês, Michał Sokolnicki, intitulado "Aperçu sur la Russie" (Visão geral sobre a Rússia). Isso ficou conhecido como o chamado "O Testamento de Pedro, o Grande" e foi publicado pela primeira vez em outubro de 1812, durante as Guerras Napoleônicas, no muito lido Des progrès de la puissance russe de Charles Louis-Lesur: isso foi a mando de Napoleão I, que ordenou a publicação de uma série de artigos mostrando que "a Europa está inevitavelmente no processo de se tornar butim para a Rússia".[24][25] Após as guerras napoleônicas, a propaganda contra a Rússia foi continuada pelo ex-confessor de Napoleão, Dominique Georges-Frédéric de Pradt, que em uma série de livros retratou a Rússia como um poder "bárbaro" com fome de conquistar a Europa.[26] Com referência às novas leis constitucionais da Rússia em 1811, o filósofo da Sabóia Joseph de Maistre escreveu a agora famosa declaração: "Cada nação tem o governo que merece" ("Toute nation a le gouvernement qu'elle mérite").[27][28]

A partir de 1815 e durando aproximadamente até 1840, os comentaristas britânicos começaram a criticar o extremo conservadorismo do Estado russo e sua resistência aos esforços de reforma.[29] No entanto, a russofobia na Grã-Bretanha para o resto do século XIX foi focada principalmente relacionada aos temores britânicos de que a conquista russa da Ásia Central fosse um precursor de um ataque à Índia controlada pelos britânicos. Esses medos levaram ao "Grande Jogo", uma série de confrontos políticos e diplomáticos entre a Grã-Bretanha e a Rússia durante o final do século XIX e início do século XX.[30]

Em 1843, o Marquês de Custine publicou seu livro de viagens de 1800 páginas e quatro volumes de enorme sucesso, La Russie en 1839. A narrativa mordaz de Custine repetiu o que agora eram clichês que apresentavam a Rússia como um lugar onde "o verniz da civilização européia era fino demais para ser crível". Tal foi seu enorme sucesso que várias edições oficiais e piratas se seguiram rapidamente, assim como versões condensadas e traduções em alemão, holandês e inglês. Em 1846, aproximadamente 200 mil exemplares haviam sido vendidos.[31]

Em 1867, Fyodor Tyutchev, um poeta russo, diplomata e membro da Chancelaria de Sua Majestade Imperial, introduziu o termo real de "russofobia" em uma carta para sua filha Anna Aksakova em 20 de setembro de 1867, onde ele o aplicou a vários liberais russos pró-ocidentais que, fingindo que estavam apenas seguindo seus princípios liberais, desenvolveram uma atitude negativa em relação ao seu próprio país e sempre se mantiveram em uma posição pró-ocidental e anti-russa, independentemente de quaisquer mudanças na sociedade russa e tendo uma visão cega em quaisquer violações desses princípios no Ocidente, "violações na esfera da justiça, moralidade e até civilização". Ele colocou a ênfase na irracionalidade desse sentimento.[32] Tyuchev viu o sentimento anti-russo ocidental como resultado de mal-entendidos causados por diferenças civilizacionais entre o Oriente e o Ocidente.[33] Sendo um adepto do pan-eslavismo, ele acreditava que a missão histórica dos povos eslavos era unir-se em um império russo pan-eslavo e cristão ortodoxo para preservar sua identidade eslava e evitar a assimilação cultural; em suas cartas, a Polônia, um país eslavo, mas católico, foi poeticamente referido como Judas entre os eslavos.[34]

Primeira Guerra Mundial e período Entre-Guerras[editar | editar código-fonte]

O termo "russofobia" retornou aos dicionários políticos da União Soviética apenas em meados da década de 1930.

O termo "russofobia" retornou aos dicionários políticos da União Soviética apenas em meados da década de 1930.

O influente economista John Maynard Keynes escreveu em sua obra de 1932, A Short View of Russia, que os assassinatos em massa que ocorreram na União Soviética foram resultado da "natureza russa e judaica" do país, alegando que havia uma "bestalidade nos russos e naturezas judaicas quando, como agora, eles estão aliados", e que "da crueldade e estupidez da Velha Rússia nada poderia surgir, mas ... sob a crueldade e estupidez da Nova Rússia uma partícula do ideal pode estar escondido."[35]

Segunda Guerra Mundial[editar | editar código-fonte]

Gravura francesa de 1831 "Barbárie e Cólera entram na Europa. O povo polonês luta, as potências fazem os protocolos e a França..." de Denis Auguste Marie Raffet, retratando a repressão russa da Revolta de Novembro na Polônia em 1831.[36]
O ministro da propaganda nazista Joseph Goebbels, no jornal Das Reich, explicou a resistência russa em termos de uma alma teimosa, mas bestial.[37] Os russos foram denominados "asiáticos"[38] e o Exército Vermelho como "hordas asiáticas".[39]

Nas décadas de 1930 e 1940, Adolf Hitler e o Partido Nazista viam a União Soviética como povoada por eslavos governados por mestres "judeus bolcheviques".[40]

Hitler afirmou em Mein Kampf sua crença de que o Estado russo era obra de elementos alemães no país e não dos eslavos:

"Aqui, o próprio Destino parece desejoso de nos dar um sinal. Ao entregar a Rússia ao bolchevismo, roubou à nação russa aquela intelectualidade que anteriormente criou e garantiu sua existência como Estado. Pois a organização de uma formação estatal russa não foi o resultado das habilidades políticas dos eslavos na Rússia, mas apenas um excelente exemplo da eficácia formadora do estado do elemento alemão em uma raça inferior."[41]

Um plano secreto nazista, o Generalplan Ost (Plano Geral para o Leste) pedia a escravização, expulsão ou extermínio da maioria dos povos eslavos na Europa. Aproximadamente 2,8 milhões de prisioneiros de guerra soviéticos morreram de fome, maus-tratos ou execuções em apenas oito meses de 1941-42.[42]

"Necessidade, fome, falta de conforto têm sido o destino dos russos por séculos. Nenhuma falsa compaixão, pois seus estômagos são perfeitamente extensíveis. Não tente impor os padrões alemães e mudar seu estilo de vida. Seu único desejo é ser governado pelos alemães. [...] Sirvam-se, e que Deus os ajude!" — "12 preceitos para o oficial alemão no Leste", 1941.

Em 13 de julho de 1941, três semanas após a invasão da União Soviética, o líder nazista da SS Heinrich Himmler disse ao grupo de homens da Waffen-SS:

"Esta é uma batalha ideológica e uma luta de raças. Aqui nesta luta está o Nacional Socialismo: uma ideologia baseada no valor do nosso sangue germânico e nórdico. ... Do outro lado está uma população de 180 milhões, uma mistura de raças, cujos nomes são impronunciáveis e cujo físico é tal que se pode abatê-los sem piedade e compaixão. Esses animais, que torturam e maltratam cada prisioneiro do nosso lado, cada homem ferido que encontram e não os tratam como soldados decentes, você verá por si mesmo. Essas pessoas foram soldadas pelos judeus em uma religião, uma ideologia, que é chamada de bolchevismo... Quando vocês, meus homens, lutam lá no Oriente, vocês estão travando a mesma luta, contra a mesma sub-humanidade, as mesmas raças inferiores, que uma vez apareceram sob o nome de hunos, outra vez – 1000 anos atrás na época do rei Henrique e Otão I — sob o nome de magiares, outra vez sob o nome de tártaros, e ainda outra vez sob o nome de Gengis Khan e os mongóis. Hoje eles aparecem como russos sob a bandeira política do bolchevismo."[43]

O discurso de Heinrich Himmler em Posen em 4 de outubro de 1943:

"O que acontece com um russo, com um tcheco, não me interessa nem um pouco. O que as nações podem oferecer em bom sangue do nosso tipo, nós levaremos, se necessário, sequestrando seus filhos e criando-os conosco. Se as nações vivem em prosperidade ou morrem de fome me interessa apenas na medida em que precisamos delas como escravas para nossa cultura; caso contrário, não me interessa. Se 10.000 mulheres russas caem de exaustão enquanto cavam uma vala antitanque me interessa apenas na medida em que a vala antitanque para a Alemanha está terminada. Nunca seremos rudes e insensíveis quando não for necessário, isso é claro. Nós, alemães, que somos as únicas pessoas no mundo que têm uma atitude decente em relação aos animais, também assumiremos uma atitude decente em relação a esses animais humanos."[44]

Guerra Fria[editar | editar código-fonte]

Os editores do jornal Kritika argumentam que uma interpretação extrema do "Artigo X" de George F. Kennan foi explorada por políticos americanos na Guerra Fria para promover uma política agressiva de "contenção" em relação à Rússia (apesar de Kennan mais tarde denunciar essa interpretação). Os estereótipos russofóbicos de uma tradição iliberal também foram favorecidos pelos historiógrafos da Guerra Fria, mesmo quando estudiosos da Rússia primitiva desbancaram essas noções essencialistas.[45]

Outros trabalhos de acadêmicos russos, como Russophobia de Igor Shafarevich ou o tratado da década de 1980, atribuíram falsamente a disseminação da "russofobia" aos sionistas.[46]

Russofobia contemporânea[editar | editar código-fonte]

Após a dissolução da União Soviética em 1991, a russofobia viu uma diminuição global significativa. Essa tendência continuou independentemente de ações como a anexação russa da Crimeia em 2014. Essa tendência foi abruptamente revertida após o início da invasão russa da Ucrânia em 2022;[47] após o início da invasão, o sentimento anti-russo começou a aumentar em todo o mundo ocidental a níveis sem precedentes no século XXI.[48][49][50] Desde que a invasão começou, os russos étnicos estão relatando em todo o mundo casos crescentes de hostilidade aberta e discriminação contra eles.[51]

Essa hostilidade não é apenas contra o povo russo, também foi vista direcionada às empresas. A Stolichnaya, uma das exportações internacionais mais famosas da Rússia, agora produzida pelo Stoli Group na Letônia, anunciou que estava mudando seu nome para simplesmente "Stoli" em março de 2022. A mudança de nome foi motivada por um esforço de toda a empresa para distanciar a marca de suas origens.[52]

Pesquisadores descrevem o uso atual do termo russofobia pelo governo russo para uma estratégia política que implica que outros países são inimigos da Rússia: "construir uma imagem de países russofóbicos é uma ferramenta para moldar a identidade política neo-imperial dos cidadãos da Rússia, de mobilizá-los diante de ameaças reais ou supostas, e de restaurar-lhes o conforto psicológico diante do fracasso das ações do Kremlin (como na Ucrânia)".[46]

Referências

  1. «Examining Cultural Stereotypes Through Russian and American Voices». TRACE: Tennessee Research and Creative Exchange. Chancellor’s Honors Program Projects (em inglês). Maio de 2011. Consultado em 8 de março de 2022. Cópia arquivada em 6 de fevereiro de 2022 
  2. «Russophobia». The Free Dictionary. Consultado em 8 de março de 2022 
  3. Publishers, HarperCollins. «The American Heritage Dictionary entry: Russophobia». ahdictionary.com. Consultado em 8 de março de 2022 
  4. McNally, Raymond T. (abril de 1958). «The Origins of Russophobia in France: 1812-1830». American Slavic and East European Review (2): 173–189. doi:10.2307/3004165. Consultado em 8 de março de 2022 
  5. Williams, Robert C. (outubro de 1966). «Russians in Germany: 1900-1914». Journal of Contemporary History (em inglês) (4): 121–149. ISSN 0022-0094. doi:10.1177/002200946600100405. Consultado em 8 de março de 2022 
  6. Fischel, Jack R. (2010). A política de Lebensraum também foi produto da ideologia racial nazista, que sustentava que os povos eslavos do leste eram inferiores à raça ariana.. «Historical Dictionary of the Holocaust»: 175 
  7. Stephenson, Jill (2006). Hitler's Home Front: Württemberg under the Nazis (em inglês). London: Hambledon Continuum. ISBN 1-85285-442-1. OCLC 61702984 
  8. a b Jones, Adam (2011). Genocide: A Comprehensive Introduction (em inglês) 2ª ed. Londres: Routledge. p. 271. ISBN 978-0415486194. OCLC 672333335. A grande maioria dos prisioneiros de guerra, cerca de 2,8 milhões, foi morta em apenas oito meses de 1941-42, uma taxa de abate igualada (que eu saiba) apenas ao genocídio de Ruanda em 1994. 
  9. Foreign Affairs Part of Orders of the Day — Consolidated Fund (Appropriation) Bill – in the House of Commons at 12:00 am on 31st July 1961.
  10. Congressional Record
  11. «Submission to the United Nations Committee on the elimination of racial discrimination». Human Rights Documents Online (em inglês). Consultado em 8 de março de 2022 
  12. Le, Élisabeth (outubro de 2006). «Collective Memories and Representations of National Identity in Editorials: Obstacles to a renegotiation of intercultural relations». Journalism Studies (em inglês) (5): 708–728. ISSN 1461-670X. doi:10.1080/14616700600890372. Consultado em 8 de março de 2022 
  13. Floudas, Demetrius A. (14 de março de 2022). «"Ukraine-Russia conflict: 'Forced to take sides?' Interview». BBC TV (em inglês). Consultado em 10 de abril de 2022. Cópia arquivada em 16 de março de 2022 
  14. Lourgos, Angie (12 de setembro de 2012). «Russian Tea Time restaurant in downtown Chicago was founded by Ukrainians. Now it faces misplaced backlash.». Chicago Tribune (em inglês). Consultado em 10 de abril de 2022. Arquivado do original em 14 de dezembro de 2014 
  15. «Globalism2020 TBI China Reputation Annual Comparison» (PDF). YouGov. Globalism2020 TBI China Reputation Annual Comparison (em inglês). Consultado em 10 de abril de 2022 
  16. «Views of Russia - Topline questionnaire» (PDF). Pew Research Center. Spring 2019 Global Attitudes Survey (em inglês). 7 de fevereiro de 2020. Consultado em 10 de abril de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 26 de março de 2021 
  17. Helsingin Sanomat (11 de outubro de 2004). «International poll: Anti-Russian sentiment runs very strong in Finland; Only Kosovo has more negative attitude». Helsingin Sanomat - International Edition - Foreign (em inglês). Consultado em 10 de abril de 2022. Arquivado do original em 11 de março de 2007 
  18. «World Doesn't Like Russia or the U.S., Survey Shows». The Moscow Times (em inglês). 13 de outubro de 2004. Consultado em 10 de abril de 2022. Arquivado do original em 26 de novembro de 2014 
  19. «Russia's Global Image Negative amid Crisis in Ukraine». Pew Research Center (em inglês). 9 de julho de 2014. Consultado em 10 de abril de 2022 
  20. «Russian news may be biased – but so is much western media | Piers Robinson». The Guardian (em inglês). 2 de agosto de 2016. Consultado em 10 de abril de 2022 
  21. «Hate crime is a reality in the EU, two new FRA reports show». European Union Agency for Fundamental Rights (em inglês). 27 de novembro de 2012. Consultado em 10 de abril de 2022. Arquivado do original em 21 de junho de 2019 
  22. «Data in Focus Report: Minorities as Victims of Crime» (PDF). European Union Agency for Fundamental Rights. European Union Minorities and Discrimination Survey (em inglês). 2012. Consultado em 10 de abril de 2022 
  23. Robinson, Neil (27 de janeiro de 2020). «Russophobia in official Russian political discourse». De Europa (em inglês). 2. doi:10.13135/2611-853X/3384. Consultado em 10 de abril de 2022 
  24. Neumann, Iver B. (2002). Memory and Power in Post-War Europe: Studies in the presence of the past (em inglês). Jan-Werner Müller. Cambridge, UK: Cambridge University Press. p. 132. ISBN 978-0-5210-0070-3. OCLC 56320643 
  25. McNally, Raymond T. (1958). «The Origins of Russophobia in France: 1812-1830». American Slavic and East European Review (2): 173–189. ISSN 1049-7544. doi:10.2307/3004165. Consultado em 10 de abril de 2022 
  26. Neumann, Iver B. (2002). Memory and Power in Post-War Europe: Studies in the presence of the past (em inglês). Jan-Werner Müller. Cambridge, UK: Cambridge University Press. p. 133. ISBN 978-0-5210-0070-3. OCLC 56320643 
  27. Latham, Edward (1906). Famous Sayings and Their Authors: A Collection of Historical Sayings in English, French, German, Greek, Italian, and Latin (em inglês). [S.l.]: Swan Sonnenschein. p. 181 
  28. Bartlett's Roget's Thesaurus. (em inglês) First edition ed. Boston: Little Brown & Company. 1996. ISBN 978-0316101387. OCLC 34617744 
  29. Gleason, John Howes (1950). The Genesis of Russophobia in Great Britain: A Study of the Interaction of Policy and Opinion (em inglês). [S.l.]: Harvard University Press. p. 16-56. ISBN 0674281098. OCLC 900850101 
  30. Jelavich, Barbara (1974). St. Petersburg and Moscow: Tsarist and Soviet foreign policy, 1814-1974 (em inglês). Bloomington: Indiana University Press. p. 200. ISBN 0253350514. OCLC 796911 
  31. Auerbach, Jeffrey A. (2008). «Russia and the Crystal Palace 1851». Britain, the empire, and the world at the Great Exhibition of 1851 (em inglês). Peter H Hoffenberg. Aldershot, Inglaterra: Ashgate Pub. Co. p. 123-124. ISBN 978-0754662419. OCLC 318672352 
  32. Ширинянц А.А., Мырикова А.В. «Внутренняя» русофобия и «польский вопрос» в России XIX в. Проблемный анализ и государственно-управленческое проектирование. № 1 (39) / том 8 / 2015. С. 16.
  33. Ширинянц А.А., Мырикова А.В. «Внутренняя» русофобия и «польский вопрос» в России XIX в. Проблемный анализ и государственно-управленческое проектирование. № 1 (39) / том 8 / 2015. С. 15.
  34. Odesskii, Mikhail Pavlovich. Антропология культуры [Antropologia da cultura] (em russo) 3ª ed. Moscou: LitRes. p. 201–202. ISBN 978-5-457-36929-0 
  35. Keynes, John Maynard (1932). A Short View of Russia (em inglês). Londres: [s.n.] p. 297–312. ISBN 978-0-19-821927-9 
  36. Kramer, Lloyd S. (1996). Lafayette in Two Worlds: Public cultures and personal identities in an age of revolutions (em inglês). Chapel Hill, N.C.: University of North Carolina Press. p. 283. ISBN 9780807862674. OCLC 42329283 
  37. «Goebbels on the Soviet Union (July, 1942)». research.calvin.edu. Consultado em 20 de abril de 2022 
  38. Overy, R. J. (2004). The Dictators: Hitler's Germany and Stalin's Russia (em inglês) 1ª ed. New York: W.W. Norton & Co. p. 537. ISBN 978-0-393-02030-4. OCLC 55885552 
  39. Wette, Wolfram (2007). The Wehrmacht: History, Myth, Reality (em inglês). Cambridge, Mass.: Harvard University Press. p. 171. ISBN 978-0-674-04511-8. OCLC 432685057 
  40. Müller, Rolf-Dieter (2002). Hitler's War in the East, 1941-1945: A Critical Assessment (em inglês). Gerd R. Ueberschär, Bibliothek für Zeitgeschichte 2ª ed. New York: Berghahn Books. p. 244. ISBN 1-57181-293-8. OCLC 48390708 
  41. Hitler, Adolf. «Capítulo XIV: Orientação Oriental ou Política Oriental». Mein Kampf. Volume Um - Um Julgamento. [S.l.: s.n.] 
  42. Jones, Adam (2011). Genocide: A Comprehensive Introduction (em inglês) 2ª ed. Londres: Routledge. p. 271. ISBN 978-0415486194. OCLC 672333335. Ao lado dos judeus na Europa", escreveu Alexander Werth,' "o maior crime único alemão foi, sem dúvida, o extermínio por fome, exposição e outras formas de... prisioneiros de guerra russos". O assassinato de pelo menos 3,3 milhões de prisioneiros de guerra soviéticos é um dos genocídios modernos menos conhecidos; ainda não existe um livro completo sobre o assunto em inglês. Também se destaca como um dos genocídios mais intensos de todos os tempos: "um holocausto que devorou milhões", como reconhece Catherine Merridale. A grande maioria dos prisioneiros de guerra, cerca de 2,8 milhões, foram mortos em apenas oito meses de 1941-42, uma taxa de abate igualada (que eu saiba) apenas pelo genocídio de Ruanda em 1994. 
  43. Stein, George H. (1966). The Waffen SS: Hitler's Elite Guard at War, 1939–1945 (em inglês). Ithaca, N.Y.,: Cornell University Press. p. 126. ISBN 978-0-8014-9275-4. OCLC 395669 
  44. «Remarks by Himmler». Jewish Virtual Library (em inglês). Consultado em 20 de abril de 2022 
  45. David-Fox, Michael; Holquist, Peter.; Poe, Marshall. (2001). «Russophobia and the American Politics of Russian History». Kritika: Explorations in Russian and Eurasian History (em inglês) (3): 465–467. ISSN 1538-5000. doi:10.1353/kri.2008.0106. Consultado em 20 de abril de 2022 
  46. a b Darczewska, Jolanta (2015). Russophobia in the Kremlin's strategy: A weapon of mass destruction (em inglês). Piotr Żochowski, Jim Todd. Warszawa: OSW Centre for Eastern Studies. p. 56. ISBN 978-83-62936-72-4. OCLC 955650647 
  47. «Ukraine-Russia conflict: forced to take sides? BBC1 TV News at 6 - Interview -Demetrius Floudas». Youtube (em inglês). BBC1 TV News. 15 de março de 2022. Consultado em 20 de abril de 2022. Cópia arquivada em 16 de março de 2022 
  48. «Ukraine: 'My family worries the iron curtain will come down' - BBC Ne…». archive.ph. 9 de março de 2022. Consultado em 20 de abril de 2022 
  49. «Russophobia in US nears Cold War levels, 80% see Russia as enemy: Poll». WION (em inglês). Consultado em 20 de abril de 2022 
  50. «Russian-owned businesses in US face discrimination, vandalism over Ukraine invasion». www.fox6now.com. Consultado em 20 de abril de 2022 
  51. Adam, Karla (7 de março de 2022). «Anti-Russian hate in Europe is making chefs and school children out to be enemies». The Washington Post (em inglês). Consultado em 20 de abril de 2022 
  52. March 07, Mike Pomranz; 2022. «Stolichnaya Vodka Officially Changes Its Name to 'Stoli' Outside of Russia». Food & Wine (em inglês). Consultado em 20 de abril de 2022 

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. 2019 data

Veja também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Russofobia