Capacitismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Capacitismo é a discriminação e o preconceito social contra pessoas com alguma deficiência.[1][2] Em sociedades capacitistas, a ausência de qualquer deficiência é visto como o normal, e pessoas com alguma deficiência são entendidas como exceções; a deficiência é vista como algo a ser superado ou corrigido, se possível por intervenção médica; um exemplo de postura capacitista é dirigir-se ao acompanhante de uma pessoa com deficiência física em vez de dirigir-se diretamente à própria pessoa.

Exemplo de falta de acessibilidade para atravessar vias, em São Paulo, Brasil

O termo é tradução da forma nascida em países de língua inglesa, ableism. Usa-se para descrever a discriminação, preconceitos e opressão contra pessoas com deficiência físico-motora, visual, auditiva, intelectual, de aprendizagem, condições do espectro autista, colostomia, entre outras, advindos da noção de que pessoas com deficiência são inferiores às pessoas sem deficiência. Inclui, desta forma, tanto a opressão ativa e deliberada (insultos, considerações negativas, arquitetura inacessível) quanto a opressão passiva (como reservar às pessoas com deficiência tratamento de pena, de inferioridade/subalternidade).

O capacitismo pode ser relacionado às pessoas com deficiência assim como o machismo para as mulheres ou o racismo para negros, em especial, e a pessoas de outras cores de pele que não, geralmente, a caucasiana. Se baseia numa determinada concepção anatomicamente padronizada, ou seja, um padrão de corpo definido como perfeito, típico da espécie humana.[3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Ana Maria Baila Albergaria Pereira. Universidade de Coimbra, 2008
  2. Reconociendo los derechos de las niñas y mujeres con descapacidad – Un valor añadido para la sociedad futura Conferência Europeia, novembro de 2007. Página 209.
  3. Campbell, Fiona Kumari. “‘Refreshingly Disabled': Interrogations into the Corporeality of 'Disablised' Bodies.” Australian Feminist Law Journal 12 March (1999): 57-80.
Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.