Pedofobia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Pedofobia (dos radicais gregos παιδ, paid, criança + φόβος, "fobos" fobia) é uma fobia caracterizada pelo medo, aversão ou ódio a crianças.[1][2]

Análise científica[editar | editar código-fonte]

O medo de crianças tem sido diagnosticado e tratado pela Psiquiatria, estando disponíveis estudos que avaliam os efeitos de de múltiplas formas de tratamento.[3] Vários sociólogos têm considerado os "medos contemporâneos relacionados à criança e à infância", e.g. pedofobia, como "contribuindo para a construção social da infância em curso", sugerindo que "relações de poder entre gerações, nas quais as vidas das crianças são limitadas pela vigilância dos adultos" afectam muitos aspectos da sociedade.[4] Vários estudos têm vindo a identificar o medo de crianças como um factor que afecta a concepção biológica nos seres humanos.[5][6]

Percepção popular[editar | editar código-fonte]

A pedofobia é a razão de existir de muitos movimentos internacionais de justiça social direccionados a jovens e crianças, incluindo os Direitos da Criança e a participação juvenil. Save the Children and Children's Defense Fund são algumas das organizações internacionais de primeira linha direccionadas à pedofobia, tanto directa como implicitamente. Algumas organizações, no entanto, em particular aquelas associadas ao movimento dos direitos dos jovens, afirmam que esses movimentos contribuem para perpetuar a pedofobia.[7]

A complexidade deste conceito é exacerbada por peritos como Letty Cottin Pogrebin, editora fundadora da Ms. magazine, que diz-se ter diagnosticado uma "epidemia de pedofobia" em curso na América, afirmando que "embora muitos de nós abram uma excepção para os próprios filhos, não parecemos ser particularmente calorosos para com os filhos dos outros".[8]

Causas[editar | editar código-fonte]

Um autor sugere que a causa do medo de crianças no meio académico, deriva especificamente da distinta percepção que os adultos têm sobre as capacidades das crianças, tendo escrito que "as crianças embaraçam-nos porque elas sempre apontam de modo demasiado arguto e claro para a nossa negação de um histórico pessoal, material e materno."[9] Um outro relatório sugere que a fonte das tendências actuais sobre o medo de crianças tem uma origem específica, nomeadamente:

James Q. Wilson, professor na Faculdade de Gestão da UCLA... já em 1975... ajudou a inaugurar o presente clima de pedofobia quando disse que: 'uma massa crítica de jovens... produz um aumento explosivo na quantidade de crimes.'[10]

O modo como é modernamente percebido o fenómeno da pedofilia tem sido igualmente apontado como um dos factores geradores de pedofobia nas últimas décadas, devido ao aviltamento de vários paradigmas anteriormente associados à infância e à criança, hoje vistos com estranheza e repugnância.[11]

Resolução do problema[editar | editar código-fonte]

Organizações ligadas ao serviço social, aos direitos humanos, e à justiça social, há décadas que têm vindo a combater o medo de crianças. As Nações Unidas criaram a convenção dos direitos da criança, implicitamente concebida para tratar a pedofobia promovendo a igualdade intergeracional entre crianças e adultos.[12]

A pedofobia tem vindo a ser particularmente tratada pela Academia, o que se tornou especialmente evidente com a criação da disciplina de Estudos juvenis. A influência do medo de crianças na cultura popular americana tem sido visto por analistas de midia críticos que identificaram os efeitos da pedofobia em filmes da Disney[13] e filmes de terror.[14]

Um largo espectro de outros autores e académicos, entre os quais Henry Giroux,[15] Mike Males e Barbara Kingsolver,[16] têm vindo a sugerir que o moderno medo de crianças da cultura popular irradia da corporatização dos meios de comunicação social, e da sua cumplicidade num conjunto de interesses políticos e económicos. Males parece ser quem vai mais longe, tendo escrito uma obra inteiramente dedicada a este tema.[17]

Referências

  1. «Definição ou significado de pedofobia no Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa com Acordo Ortográfico». Infopédia - Dicionários Porto Editora. Consultado em 15 de Setembro de 2017 
  2. Enciclopédia Mérito 1967, p. 139.
  3. Schwartz, C., Houlihan, D., Krueger, K. F., Simon, D. A. (1997) "The Behavioral Treatment of a Young Adult with Post Traumatic Stress Disorder and a Fear of Children," Child & Family Behavior Therapy, 191, p37-49.
  4. Scott, S., Jackson, S., & Backett-milburnswings, K. (1998) "Swings and roundabouts: Risk anxiety and the everyday worlds of children," Sociology, 32 p. 689-705. Cambridge University Press.
  5. Kemeter, P. & Fiegl, J. (1998) "Adjusting to life when assisted conception fails," Human Reproduction. 134 p. 1099–1105.
  6. McDonald, R. (1968) "The Role of Emotional Factors in Obstetric Complications: A Review," Psychosomatic Medicine 30 p. 222-237. American Psychosomatic Society.
  7. Axon, K. (n.d.) The Anti-Child Bias of Children's Advocacy Groups Chicago, IL: Americans for a Society Free of Age Restrictions.
  8. L. Pogrebin, as cited in Zelizer, V. (1994) Pricing the Priceless Child: The Changing Social Value of Children Princeton University Press.
  9. Coiner, C. & George, D.H. (1998) The Family Track: Keeping Your Faculties while You Mentor, Nurture, Teach, and Serve University of Illinois Press.
  10. Murashige, M. (2001). The Future of Change: Youth Perspectives on Social Justice and Cross-Cultural Collaborative Action in Los Angeles. Los Angeles: MultiCultural Collaborative.
  11. Guerreiro, António. «Pedofilia e pedofobia». PÚBLICO. Consultado em 15 de Setembro de 2017. Na esc 
  12. Penn, J. (1999) London University Institute of Education.
  13. Giroux, H. (1999) The Mouse that Roared: Disney and the End of Innocence. Rowman & Littlefield Publishers
  14. Phillips, K. (2005) Projected Fears: Horror Films and American Culture. Praeger Publishers
  15. (n.d.) Reading List on Henry Giroux. The Freechild Project.
  16. Dudley-Marling, C., Jackson, J., & Patel, L. (2006) "Disrespecting Childhood, Phi Delta Kappan 8710 (June 2006).
  17. Males, M. (2001) Kids and Guns: How Politicians, Experts, and the Media Fabricate Fear of Youth. Common Courage Press.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]