Henry Giroux

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Henry Giroux (nascido em 18 de setembro de 1943) é um estudioso e crítico cultural americano. Um dos primeiros teóricos da pedagogia crítica nos Estados Unidos, ele é mais conhecido por seu trabalho pioneiro, em público, pedagogia, estudos culturais, estudos de juventude, educação superior, estudos de mídia, e a teoria crítica. Em 2002, Giroux foi definido pela Routledge como um dos 50 principais pensadores da educação no período moderno.[1]

Foi professor universitário de estudos sociais em Barrington, Rhode Island, por seis anos,[2] Giroux também ocupou cargos na Universidade de Boston, Universidade de Miami, e da Universidade de Penn State. Em 2005, Giroux começou a lecionar na Universidade McMaster, em Hamilton, Ontário.[3][4] publicou mais de 60 livros, 200 capítulos e 400 artigos[5] Ele se notabilizou em 2017 por criticar o governo Trump.[6]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Palmer, J. (2002) Fifty Modern Thinkers on Education: From Piaget to the Present Day (Fifty Key Thinkers) (Routledge Key Guides).
  2. H. Giroux, "The Kids Aren't Alright: Youth Pedagogy and Cultural Studies" in Fugitive Cultures. [1] Arquivado em 23 de fevereiro de 2017, no Wayback Machine.
  3. (2005) "McMaster attracts widely acclaimed U.S. scholar Henry Giroux" Arquivado em 15 de fevereiro de 2007, no Wayback Machine. McMaster University.
  4. (2005) ""McMaster University snags famous theory professor," Arquivado em 25 de junho de 2007, no Wayback Machine. e.
  5. Dr. Henry A. Giroux Arquivado em 14 de maio de 2017, no Wayback Machine. Personal website.
  6. GIROUX, Henry A. “Challenging Trump’s Language of Fascism,” Acesso em: Jan. 9, 2018.