Heterofobia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Heterofobia é um neologismo que descreve o medo ou a hostilidade irracional em relação a heterossexualidade, implicando em preconceito ou aversão em relação a normas sociais heterossexuais.[1]

O termo vem sendo usado por alguns opositores do feminismo e do movimento LGBT para indicar a atitude agressiva de ativistas radicais em relação às normas sociais heterossexuais.[1] O ativista LGBT Peter Tatchell também já usou o termo para indicar pautas do próprio movimento, que segundo ele, eram discriminatórias em relação aos casais heterossexuais.[2]

Organizações LGBT, no entanto, argumentam que o termo "heterofobia" é desconexo da realidade e que seria o mesmo que falar em discriminação contra colonizadores, contra brancos ("racismo inverso"), ou contra quaisquer outros segmentos sociais historicamente opressores. Outro argumento é que grupos anti-gay acabam por usar o termo para classificar as demandas por igualdade do movimento LGBT como algo dirigido contra os heterossexuais, o que cria um estigma adicional às pessoas LGBT.[3][4][5]

História[editar | editar código-fonte]

Cartaz feminista fixado a um poste em uma via pública no Brasil

O termo apareceu no meio acadêmico pela primeira vez em 1990, no livro Kinsey, Sex and Fraud, de autoria de Judith A. Reisman, Edward Eichel, Gordon Muir e John Hugh Court, para descrever a atitude de negatividade em relação a heterossexualidade. Em 1998 o termo aparece pela primeira vez no título de um livro, em Heterophobia: Sexual Harassment and the Future of Feminism, de autoria de Daphne Patai,[6] para descrever, segundo a autora, a atitude de antimasculinidade e anti-heterossexualidade do movimento feminista contemporâneo.[7]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Judith A. Reisman, Edward W. Eichel, J. Gordon Muir & John Hugh Court. Kinsey, Sex and Fraud: The Indoctrination of a People - An Investigation Into the Human Sexuality Research by Alfred C. Kinsey, Wardell B. Pomeroy, Clyde E. Martin e Paul H. Gebhard. Lochinvar-Huntington House, 1990, p. 117
  2. «Gay rights plans 'heterophobic'». BBC Reino Unido. 30 de junho de 2003. Consultado em 10 de julho de 2012 
  3. Jornal do Campus - Universidade de São Paulo, ed. (23 de março de 2015). «Heterofobia e ditadura gay não existem». Consultado em 29 de outubro de 2015 
  4. Grasielle Castro (13 de abril de 2015). Brasil Post, ed. «Heterofobia? Jean Wyllys rebate acusação de Bolsonaro e diz que houve, 'no máximo, fascistofobia'». Consultado em 29 de outubro de 2015 
  5. Portal Fórum, ed. (8 de abril de 2015). «Bolsonaro, "heterofobia" não existe». Consultado em 29 de outubro de 2015 
  6. Raymond J. Noonan (6 de novembro de 1999). Heterophobia: The Evolution of an Idea. The Society for the Scientific Study of Sexuality (SSSS) and the American Association of Sex Educators, Counselors, and Therapists (AASECT). 1999 Joint Annual Meeting. Visitado em 26 de junho de 2015.
  7. Wendy McElroy. Heterophobia: a review of Daphne Patai's book , Heterophobia: Sexual Harassment and the Future of Feminism. Visitado em 26 de junho de 2015.
Ícone de esboço Este artigo sobre sociologia ou um sociólogo é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.