Retórica anti-LGBT

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A retórica anti-LGBT e slogans anti-gay são temas, frases de efeito e slogans que tem sido usados contra a homossexualidade e outras orientações sexuais, e para humilhar as pessoas lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros (LGBT). Eles vão desde expressar a negatividade utilizando a religiãomedicina, ou razões morais para humilhar ou desprezar os LGBT, e alguns caracterizam como sendo um discurso de ódio.

A retórica tem, em geral, uma base ideológica no heterossexismo, e podem ser motivadas por homofobia, bifobia e transfobia.

Os slogans aqui listados não são apenas termos de invectiva, mas eles representam argumentos que são comumente utilizados para representar oposição aos direitos LGBT ou para a aceitação plena das pessoas LGBT.

Temas[editar | editar código-fonte]

Alguns conceitos e argumentos contra o desejo e práticas com o mesmo sexo, têm sido evidentes ao longo dos séculos, embora a importância de argumentos específicos variou de cultura para cultura. Por exemplo, a preocupação com o abuso de crianças é em grande parte moderna.

A retórica anti-gay pode vir sobre a mantra que a homossexualidade vai contra os valores tradicionais, de que a homossexualidade é um Cavalo de Tróia, ou que "destrói famílias" e a humanidade.[1]

Uma extensa apresentação de todas as afirmações anti-homossexual nos Estados Unidos na época de 1964 é encontrado no relatório legislativo da Flórida, Homosexuality and Citizenship in Florida.

Declaração de que desejos pelo mesmo sexo não são naturais [editar | editar código-fonte]

Esta acusação particular remonta a Platão, que defendia em Leis I 636C e VIII 841D que O sexo homossexual foi "fora da natureza" (para phusin).

Embora o estabelecimento psiquiátrico, uma vez tratou como doença o desejo sexual, a homossexualidade foi removida mais tarde, da lista de transtornos mentais em 1974, no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM), porque não estava apoiado em evidências científicas sólidas e não satisfazem os critérios para um transtorno mental.[2][3] Tem havido uma controvérsia significativa sobre a presente decisão.[4] No entanto de acordo com outra retórica deste argumento, realizada por grupos como a Sociedade Americana de Defesa da Tradição, Família e Propriedade, existem alguns comportamentos exibidos por muitos animais que a maioria consideraria errados em seres humanos, tais como o canibalismo.[5] O contra-argumento para esta afirmação é que ela confunde "não natural" com o "errado", e que é portanto, uma simples reformulação da alegação de que a homossexualidade é moralmente errada (como o canibalismo), não naturais.[6] Estas questões são complicadas pela polissemia dos termos "natural" e "artificial" , que podem ser usados de maneiras equivocadas.[7]

Um moderno slogan cristão que expressa este ponto de vista é "Deus fez Adão e Eva, não Adão e Ivo".[8]

Fusão com o abuso de crianças[editar | editar código-fonte]

A alegação de que os homossexuais abusam sexualmente de crianças existe antes da era atual, sendo associado a pederastas mesmo durante a antiguidade.[9] Mais recentemente, esta retórica tem sido formulada como "recrutamento homossexual", o que implica que os homossexuais estão secretamente levando crianças para um estilo de vida homossexual. O slogan comum é "Homossexuais não podem se reproduzir, então eles devem recrutar\influenciar" ou suas variantes. No site do The Advocate, Richard Meyer em entrevista para sua obra, Outlaw Representation: Censorship and Homosexuality in 20th-Century American Art, aborda esta linha de ataque:

.Aqueles que atacaram a obra de Mapplethorpe no final de 1980, usando esta fotografia para reforçar os estereótipos de longa data dos homens gays como pedófilos. Embora nenhuma atividade sexual é mostrada (ou mesmo sugerida) no retrato, e embora o quadro foi encomendado pela mãe da criança que estava na sala no momento da sua tomada, o próprio fato de que Mapplethorpe havia fotografado um menino nu foi o suficiente, pelo menos na mente de Pat Robertson e Jesse Helms, para o fotógrafo ser acusado de abuso sexual infantil.
Tim Miller, The Advocate.[10]

Grupos anti-gay têm frequentemente argumentado que homens homossexuais são mais abusadores sexuais do que os heterossexuais, sobre o fundamento de que um terço dos pedófilos vão atrás de meninos, ao invés das meninas. Isto é muito acima da proporção de homens homossexuais na população. Assim, é defendido que os gays são desproporcionalmente minotários para está legação.[11]

Homossexualidade e pedofilia homossexual não são sinônimos. Na verdade, pode ser que estas duas orientações são mutuamente exclusivas. A razão é que o homossexual é sexualmente atraído pelas características masculinas enquanto que o heterossexual é sexualmente atraído as características femininas. As características das crianças, sexualmente imaturas, são mais femininas do que masculina. ..o abusador de crianças que está atraído e envolvido em relações sexuais adultas é heterossexual. Parece, portanto, que o heterossexual adulto constitui um risco maior as crianças do que o adulto homossexual.[12]

Em 2015, o grupo conservador Campaign for Houston anunciou um projeto de lei, Houston Proposition 1, contra o projeto anti-discriminação que protegeria os direitos dos transexuais de utilizar os banheiros que se alinham com a sua identidade de gênero. O vídeo do projeto, que implica o abuso sexual de uma menina, foi atacado como "a definição de transfobia", por J. Brian Lowder, um editor associado para o Slate e o autor da seção LGBT.[13]

Como as pessoas trans têm apontado uma e outra vez ao longo destas guerras de banheiros cansativa, é que eles estão apenas tentando fazer xixi na instalação apropriada e segura para sua identidade de gênero. Sugerir, como este anúncio faz, que eles estão tentando encurralar meninas em banheiros, ecoando Jonathan Capehart, é terrivelmente perverso.
J. Bryan Lowder, Slate

Sexo homossexual é pecado[editar | editar código-fonte]

Protesto religioso contra a homossexualidade em San Francisco

Muitos denominações conservadoras abraâmicas e outras religiões consideram atos homossexuais inerentemente pecadores, baseado nas escrituras, (por exemplo, Levítico 18:22, "não tem relações sexuais com um homem como se faz com mulher; é detestável" e Levítico 20:13, "Se um homem tiver relações sexuais com um homem como com mulher, ambos fizeram o que é detestável. Eles serão mortos; o seu sangue será sobre a sua própria cabeça", bem como 1 Coríntios 6:9, "Ou não sabeis que os injustos não hão de herdar o reino de Deus? Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados [homossexuais]...herdarão o reino de Deus.") elas são usadas por muitos cristãos e fundamentalistas cristãos (por exemplo, Pat Robertson e Jerry Falwell), para afirmar que a relação homossexual é pecaminosa. Estes indivíduos e congregações acreditam que tais atos sexuais, como sexo anal e sexo oral (juntamente com a prostituição de qualquer tipo) são formas de imoralidade sexual, que deve ser desaconselhada. Um slogan comumente utilizado é a frase "amar o pecador e não o pecado." Estas igrejas tendem a falar contra a violência e o ódio para com aqueles que são atraídos para o mesmo sexo.[14][15] Dallin H. Oaks, de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos dias disse:

Desejo agora dizer com ênfase que a nossa preocupação com o fruto amargo do pecado é acoplado com a simpatia cristã para suas vítimas, inocentes ou culpados. Defendemos o exemplo do Senhor, que condenou o pecado, mas amou o pecador. Devemos estender a mão com carinho e conforto para os aflitos, ministrando às suas necessidades e ajudá-los com seus problemas.

Algumas igrejas conservadoras rejeitam a ideia de uma orientação homossexual e ver a homossexualidade como sendo um impulso em direção pecaminosa e portanto o comportamento homossexual, algo que todos podem experimentar de vez em quando. Vários slogans inflamatórios e controversos, incluindo alguns listados na próxima seção, foram utilizados por congregações e indivíduos, especialmente por Fred Phelps, fundador do site godhatesfags.com e independente da Igreja Batista de Westboro. Estes slogans tem incluído "Deus Odeia Bichas", "Temer a Deus e Não as Maricas", e "Matthew Shepard Queima No Inferno".[16] Outras congregações, incluindo o Igrejas da Comunidade Metropolitana, comumente afirmam e acreditam que nem a homossexualidade, nem os atos sexuais homossexuais são pecado.[17]

A homossexualidade também é freqüentemente considerada pecaminosa no Islã. Em alguns países do Oriente Médio, os atos de homossexualidade são punidos com a morte. O único país que reconhece as relações entre o mesmo sexo no Oriente Médio é Israel, embora a homossexualidade é legal em alguns outros países. Junto com Israel, atividades sexuais entre o mesmo sexo foram legais nos territórios da Palestina (Cisjordânia) desde 1951. A homossexualidade entre as mulheres, no entanto, é legal em mais países Islâmicos que a homossexualidade entre os homens.

Com base nisto, o Reverendo Jerry Falwell responsabilizou os homossexuais (entre outros) para, indiretamente, causando os ataques terroristas a Nova York e Washington, em 11 de setembro de 2001, provocando a violência dos fundamentalistas Islâmicos. No programa de televisão cristão americano, The 700 Club, Falwell fez a seguinte declaração (para qual mais tarde ele se desculpou):

Eu realmente acredito que os pagão, abortistas, feministas e os gays e as lésbicas que estão ativamente tentando fazer com que um estilo de vida alternativo- ACLU, People For the American Way, todos eles que tentaram secularizar a América- aponte o dedo na sua cara e dizer: "Você ajudou que isto aconteça."[18]

Alguns budistas também condenam a homossexualidade. Por exemplo em 1997, o 14º Dalai Lama, Tenzin Gyatso, disse: "A partir de um ponto de vista budista, homem-homem e mulher-mulher geralmente é considerado má conduta sexual."[19]

A AIDS como uma doença gay[editar | editar código-fonte]

Manifestação anti-LGBT em Seattle, Washington, Estados Unidos

Um tema comum dos slogans anti-gay é a AIDS como uma "doença gay". Um exemplo é o slogan "A AIDS Mata Viados Mortos", uma paródia do slogan publicitário, "Raid: Mata Insetos Mortos", do inseticida da SC Johnson.

O slogan apareceu durante os primeiros anos da AIDS nos Estados Unidos, quando a doença foi diagnosticada principalmente, entre os homens homossexuais e foi quase invariavelmente fatal. O slogan pegou rapidamente como uma cativante truísmo, canto, ou simplesmente escrever algo com graffiti. É relatado que o slogan apareceu pela primeira vez em público no início da década de 1990, quando Sebastian Bach, ex-vocalista da banda de heavy metalSkid Row, usava uma t-shirt jogada para ele por um membro da audiência.[20] Uma variante desta é "AIDS Cura Viados."

A frase foi usada por religiosos contra a homossexualidade. Por exemplo foi vista em 1998, durante o funeral de Matthew Shepard, uma vítima da violência anti-gay, quando Fred Phelps e seus seguidores cantaram na frente do funeral. 

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, as mulheres representam 50% das pessoas que vivem com o HIV.[21] De acordo com os Centros para Controle de Doenças, entre adultos masculinos nos Estados Unidos, HSH (homens que fazem sexo com homens), representaram "61% das novas infecções por HIV nos EUA e 79% das infecções entre todos os recém-infectados homens."[22]

A proporção de casos de HIV, que pode ser atribuída ao resultado das relações homossexuais varia de acordo com a geografia.[23] Na Rússia, entre os novos casos de registros da HIV em 2006, onde o modo de transmissão foi conhecido, cerca de metade foi devido à relação heterossexual, e esta percentagem tem vindo a aumentar.[24] Quase 60% dos casos foram atribuídos ao sexo sem proteção entre homens.[25] No Caribe, estima-se que cerca de 40% de relatos de casos de HIV são o resultado de relações sexuais desprotegidas entre homens.[26][27] Em cerca de 53% dos recém-diagnosticadas infecções pelo HIV nos Estados Unidos, em 2005, foram entre homens que têm sexo com homens.[28] A maior proporção de nova infecção pelo HIV no Canadá, em 2002, foi responsável por relações sexuais desprotegidas entre homens,[29] enquanto na Europa Ocidental, a maior proporção foi contabilizado pela relação heterossexual.[25]

Temas anti-transexuais[editar | editar código-fonte]

Algumas difamações transfóbicas, tais como shemale, travesti e ladyboy capitalizam a ideia de que as mulheres trans são homens disfarçados de mulheres. O conceito que uma pessoa identifica-se com um gênero que não corresponde com o seu sexo físico, tem sido frequentemente levado está pessoa a ser vítima de piadas e considerada repulsiva.[30] Por exemplo, em resposta a uma crescente pressão para que a lei de anti-discriminação a respeito dos banheiros públicos, o ex-governador de Arkansas, Mike Huckabee, entregou essa mensagem para aNational Religious Broadcasters Convention durante o anúncio da sua campanha para a presidência em 2016:

Estamos agora de cidade após cidade assistindo ordenanças dizendo que sua filha de sete anos de idade, se ela vai para o banheiro não pode ser ofendida, e você não pode ser ofendido, se ela encontrou por lá um homem de 42 anos que se sente mais como uma mulher do que um homem. Agora eu gostaria que alguém me disse que quando eu estava no colégio eu poderia me sentir como uma mulher quando chegou a hora de tomar banho na educação física. Tenho certeza de que eu teria encontrado o meu lado feminino e disse: 'Treinador, eu acho que eu prefiro tomar banho com as meninas hoje em dia.'

Huckabee continuou a dizer, "de que há algo inerentemente errado em forçar as crianças pequenas para ser parte desta experiência social." A piada de Huckabee atraiu reações de lideranças LGBT, incluindo Rebecca Issacs, a diretora executiva da Federação da Igualdade, que disse em um e-mail para The Huffington Post: "Todos precisam usar o banheiro e todo mundo se preocupa com a segurança e privacidade. Os comentários de Sr. Huckabee contribuem para um clima em que, apesar dos recentes ganhos em visibilidade, as pessoas transexuais continuam a enfrentar extraordinariamente altos índices de discriminação e violência."[31]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. "Russia raises anti-LGBT rhetoric at home while softening message to West | CTV News".
  2. JAMA: Gay Is Okay With APA (American Psychiatric Association); available online: http://wayback.archive.org/web/20100324080417/http://www.soulforce.org/article/642
  3. "Case No. S147999 in the Supreme Court of the State of California, In re Marriage Cases Judicial Council Coordination Proceeding No. 4365(.
  4. "The Declassification of Homosexuality by the American Psychiatric Association".
  5. The American Society for the Defense of Tradition, Family and Property.
  6. "The Liberarian Party of Virginia, Opponents of same-sex marriage use flawed arguments, by Michael Hugman".
  7. "Skeptic's dictionary, "Natural"".
  8. Stuart Grudgings (15 May 2007).
  9. Lucian.
  10. «Miller, Tim. Taking on the Antigay Censors. advocate.com, 2001». Web.archive.org. Consultado em 12 de março de 2014. Cópia arquivada em 9 de março de 2005 
  11. "Timothy J. Dailey, ''Homosexuality and Child Sexual Abuse''".
  12. A. Nicholas Groth, William F. Hobson, and Thomas S. Gary, “The Child Molester: Clinical Observations,” in Social Work and Child Sexual Abuse, eds. Jon R. Conte and David A. Shore (New York: Haworth Press, 1982), p.136.
  13. Lowder, J. Bryan (October 19, 2015).
  14. "Internet Archive Wayback Machine".
  15. "Salt Lake OKs gay rights laws with Mormon backing".
  16. "Dunn, Katia.
  17. MCC.
  18. «CNN report of Falwell's speech». Archives.cnn.com. Consultado em 12 de março de 2014. Cópia arquivada em 30 de março de 2013 
  19. San Francisco Chronicle, 06/11/1997, Dalai Lama Speaks on Gay Sex / He says it's wrong for Buddhists but not for society, http://www.sfgate.com/news/article/Dalai-Lama-Speaks-on-Gay-Sex-He-says-it-s-wrong-2836591.php
  20. Michael Musto.
  21. "WHO | Gender inequalities and HIV".
  22. [1], CDC: HIV among Gay and Bisexual Men.
  23. Joint United Nations Programme on HIV/AIDS (UNAIDS) and World Health Organization (WHO).
  24. Ladnaya NN (2007) The national HIV and AIDS epidemic and HIV surveillance in the Russian Federation.
  25. a b EuroHIV (2007).
  26. Caribbean Commission on Health and Development (2005).
  27. Inciardi JA, Syvertsen JL, Surratt HL (2005).
  28. Joint United Nations Programme on HIV/AIDS (UNAIDS) and World Health Organization (WHO).
  29. Public Health Agency of Canada (2006).
  30. "How I Learned to Hate Transgender People".
  31. Levine, Sam (2 June 2015).