Ginessexualidade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Bandeira ginessexual

Ginefilia, ginecofilia ou ginofilia é um termo utilizado nas ciências de comportamento, junto a androfilia e ambifilia, para descrever orientações sexuais e romântica cuja a atração é direcionada a mulheres, indivíduos femininos ou uma anatomia femeal, como uma alternativa a dicotomia homossexual e heterosexual.[1][2][3]

A ginessexualidade e a gineafetividade (ou ginerromanticidade) descrevem a atração sexual e afetiva por mulheres e/ou indivíduos do sexo feminino, de identidade e/ou expressão de gênero feminina. Quando a atração é pela feminilidade, pelas características sexuais e/ou pelo sexo biológico, a atração pode acontecer independente de gênero, ou seja, uma pessoa feminina, ovariana ou predominantemente estrogenizada pode não pertencer necessariamente ao gênero feminino ou ser mulher.[4]

Devido a polissemia de ginessexual, ginecossexual e ginossexual, alguns adotam termos mais específicos, como femsexual, finsexual, femmessexual, femissexual, feminossexual, yonissexual, Mülleriansexual, koleossexual, vaginossexual/vaginassexual e vulvossexual/vulvassexual.[5] Há os que tentam ser mais abrangentes, como pansexuais, onissexuais/omnissexuais, bissexuais ou polissexuais. Muitos podem ter a sexualidade fluida ou flexível, como homoflexível e heteroflexível, sendo assim, gineflexível, ginecoflexível ou ginoflexível possíveis categorias.[6][7]

Etimologia e uso[editar | editar código-fonte]

Gine-, gineco-, gino- e -filia vêm do grego γυνή gyne gunḗ "mulher", φιλία filía "amor", descrevendo o desejo de intimidade, atração e admiração para com a mulheridade ou o feminino. Quando somada ao autoerotismo ou a autofilia, surge a autoginefilia (AGP, autoginecofilia ou autoginofilia), que se refere a capacidade de se excitar ou ter prazer pela imagem de si mesmo como mulher.[8][9][10]

O termo pode identificar os aspectos de alguém pela atração por mulheres adultas, sem atribuir um sexo ou identidade de género a ginessexuais/ginossexuais. Sendo útil para agrupar ginéfilos/ginófilos, homens heterossexuais ginefílicos/ginofilicos com ginéfilas/ginófilas, lésbicas, mulheres homossexuais ginefílicas/ginofilicas, e ginéfiles/ginófiles, não especificando o gênero ou sexo de monossexuais ginefíliques/ginofiliques que sejam transgêneros, intersexuais, altersexuais, de gênero não-binário ou terceiro sexo.[11][12]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Dawson, Samantha J.; Fretz, Katherine M.; Chivers, Meredith L. (1 de janeiro de 2017). «Visual Attention Patterns of Women with Androphilic and Gynephilic Sexual Attractions». Archives of Sexual Behavior (em inglês). 46 (1): 141–153. ISSN 1573-2800. doi:10.1007/s10508-016-0825-0 
  2. Kohl, James V. (6 de janeiro de 2015). «Archive of Sexology: From Fertilization to Adult Sexual Behavior». Perfuming the Mind (em inglês). Consultado em 17 de junho de 2020 
  3. PhD, John Money (1 de junho de 1984). «Gender-transposition theory and homosexual genesis». Journal of Sex & Marital Therapy. 10 (2): 75–82. ISSN 0092-623X. PMID 6431114. doi:10.1080/00926238408405793 
  4. Mckenzie, Macaela (22 de fevereiro de 2018). «Are You Androsexual Or Gynesexual? Here's How To Tell». Women's Health (em inglês). Consultado em 17 de junho de 2020 
  5. «A single unified LGBT conversation». TV Tropes. Consultado em 17 de junho de 2020 
  6. Goldhill, Olivia. «Omnisexual, gynosexual, demisexual: What's behind the surge in sexual identities?». Quartz (em inglês). Consultado em 17 de junho de 2020 
  7. White, Chris (12 de outubro de 2012). Nineteenth-Century Writings on Homosexuality: A Sourcebook (em inglês). [S.l.]: Routledge 
  8. Dawson, Samantha J.; Fretz, Katherine M.; Chivers, Meredith L. (19 de agosto de 2016). «Visual Attention Patterns of Women with Androphilic and Gynephilic Sexual Attractions». Archives of Sexual Behavior. 46 (1): 141–153. ISSN 0004-0002. doi:10.1007/s10508-016-0825-0 
  9. MD, Charles Moser PhD (30 de junho de 2009). «Autogynephilia in Women». Journal of Homosexuality. 56 (5): 539–547. ISSN 0091-8369. PMID 19591032. doi:10.1080/00918360903005212 
  10. «Autogynephilia and Autoandrophilia in Non-Sex and Gender Dysphoric Persons». Hypnotherapy Sydney, Hypnosis, Psychotherapy Services and Much More (em inglês). Consultado em 17 de junho de 2020 
  11. «Sexual Orientation for the Genderqueer Person - ❤ It's Pronounced Metrosexual». It's Pronounced Metrosexual (em inglês). Consultado em 17 de junho de 2020 
  12. Schober, J. M. (junho de 2001). «Sexual behaviors, sexual orientation and gender identity in adult intersexuals: a pilot study». The Journal of Urology. 165 (6 Pt 2): 2350–2353. ISSN 0022-5347. PMID 11371976. doi:10.1097/00005392-200106001-00033