Orientação romântica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Orientação romântica, também chamada orientação afetiva, indica os sexos ou gêneros com o qual uma pessoa sente atração romântica. Este termo é usado como alternativa, mas também lado-a-lado, com o termo orientação sexual, e baseia-se na perspectiva de que a atração sexual é apenas um dentre os componentes de uma dinâmica maior.[1][2][3][4]

Exemplos: ainda que uma pessoa bissexual possa se sentir atraída sexualmente por mais de um género, esta pessoa pode ser predisposta a sentir mais íntima romântica, afetiva ou emocional com apenas um gênero. Assim, os conceitos de orientação romântica e de orientação sexual reconhecem que pode haver relações sexuais sem que haja ligações românticas ou afetivas entre os parceiros, e que vice-versa, relações românticas e afetivas não necessariamente impliquem atração sexual entre os parceiros; afinal, a intimidade interpessoal não necessariamente requer atração sexual, pois o sentimento de atração envolve muitos outros pontos além da sexualidade.[5]

Para algumas pessoas, o termo orientação sexual da forma como é usado grosso modo é reducionista. Para assexuais, a orientação romântica é frequentemente considerada uma medida de atração mais útil do que a orientação sexual. Porém, contudo, assim como um gay pode usar a homossexualidade para denotar atração, tanto romântica quanto sexual, sem necessariamente especificar que seja homorromântico, um arromântico pode se declarar assexual, sem essencialmente dizer que há desinteresse romântico por parte dele.[6][7][8][9][10][11][12][13]

As orientações de pessoas, cuja orientação romântica difere da sexual, são chamadas de cruzadas, misturadas, incongruentes ou incompatíveis, sendo as pessoas de orientação cruzada chamadas de variorientadas, transorientadas ou cross-orientadas, e as pessoas que ambas romanticidade e sexualidade combinam chamadas de periorientadas.[14][15][16][17][18][19][20][21][22]

Há também, especialmente pessoas arromânticas, que experimentam tipos de atrações que são consideradas terciárias, como de amor platônico, amical, social, estética, sensual (física ou sensorial), protetiva[23][24] ou protetora, submissa[25] e mental (espiritual ou intelectual/psicológica).[26][27][28][29][30][31]

Modelo de atração dividida[editar | editar código-fonte]

Século XIX[editar | editar código-fonte]

A primeira conceitualização registrada de orientação que levasse em conta a atração dividida foi em 1879, por Karl Heinrich Ulrichs, um escritor alemão que publicou 12 livros sobre atração não-heterossexual. Nesses livros, Ulrichs apresentou várias classificações de orientações que são bastante semelhantes às identidades LGB+ modernas. Entre suas obras, ele descreveu pessoas que são konjunktiver e disjunktiver ou bissexualidade conjuntiva e disjuntiva. O primeiro é descrito como alguém que tem sentimentos ternos e apaixonados por homens e mulheres, o que seria um bissexual birromântico ou periorientado nos tempos atuais. O segundo é aquele que tem sentimentos ternos por pessoas do mesmo gênero/sexo, mas sentimentos 'apaixonados' por pessoas de gênero/sexo diferente, o que seria agora um homossexual heterorromântico ou variorientado. No entanto, o modelo de Ulrichs nunca se popularizou devido à complexidade.[32][33][34][35][36]

Século XX[editar | editar código-fonte]

O próximo exemplo de separação das atrações sexual e romântica foi em 1979 pela psicóloga Dorothy Tennov. Com a publicação de seu livro Amor e Limerência: A Experiência de Estar Apaixonado'. No livro, Tennov descreveu limerência uma forma de atração que poderia ser descrita como uma paixão ou uma paixão por alguém. Embora Tennov visse o sexo como parte da limerência, ela reconheceu que não era o foco principal dele.[37] Sendo não-limerente considerado um precursor de arromântico.[38][39]

Os primeiros indícios do que se tornaria o modelo moderno começaram com a atração/orientação afetiva, que foi cunhada em algum momento da década de 1970, numa teoria de que a atração sexual pode ocorrer entre expressões físicas e afetivas (emocionais).[40] Não está claro quando o termo foi usado pela primeira vez. A criação dos termos é frequentemente atribuída a Curt Pavola, um ativista dos direitos gays de Washington, e Lisa Diamond, uma psicóloga que popularizou a fluidez sexual.[41][42][43][44][45]

Século XXI[editar | editar código-fonte]

Por volta de 2001, houve um impulso para uma forma de classificar os assexuais. Um dos primeiros exemplos ainda é o sistema de classificação ABCD da AVEN,[46] que reconhece que alguns assexuais podem sentir atração romântica. Na mesma época havia um grupo de e-mail do Yahoo conhecido como Haven For The Human Amoeba,[47] onde em 2001 houve discussões de termos como 'hétero-assexual', "bi-assexual", etc. até 2005 que a forma moderna do SAM foi criada no AVEN. Em 2007, a terminologia era comumente usada em círculos a-spectrais.[48]

Em 2006, ano em que foram assegurados os direitos previdenciários às uniões homoafetivas, o neologismo homoafetividade começou a ser incorporado no discurso jurídico do Brasil, creditado a Maria Berenice Dias.[49][50][51] A partir de 2015, usa-se a palavra transafetiva para se referir a relação afetiva involvendo pessoas transgênero.[52][53] A junção triléxica de homo-, trans- e -afetividade veio a surgir por volta de 2017.[54][55][56] As terminologias sufixadas em afetivo, ou afetiva, também são usadas para descrever orientações românticas no contexto lusófono, no decorrer dessas junções biléxicas, como, por exemplo, biafetivo, heteroafetivo e panafetivo.[57][58] Militantes, algumas vezes, utilizam do termo homoafetividade como sinônima ao homoerotismo homossocial de heterossexuais, especialmente homens.[59][60][61] Poliafetividade também é um termo usado juridicamente para se referir a uniões civis de poliamor.[62][63][64][65]

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Bandeiras que representam pessoas com orientações sexual e romãntica prefixadamente homônima ou dissimilar, nomeadas como periorientação ou variorientação, respectivamente, sendo a última também chamada de orientação cruzada.[18]

Identidades românticas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Crethar, H. C. & Vargas, L. A. (2007). Multicultural intricacies in professional counseling. In J. Gregoire & C. Jungers (Eds.), The counselor’s companion: What every beginning counselor needs to know. Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum. ISBN 0-8058-5684-6. p.61.
  2. «» O que é orientação romântica?». Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  3. «"Sou lésbica, mas me apaixonei por um homem"; o que é orientação romântica?». www.uol.com.br. Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  4. «Romantic orientation - AVENwiki». wiki.asexuality.org. Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  5. «Identidade romântica, orientação romântica, romanticidade». Wiki Identidades. Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  6. SAPO. «Poliamoroso, demissexual, arromântico e outras 20 caracterizações sexuais». MAGG. Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  7. Carpallo, Silvia C. (27 de junho de 2019). «Nem hétero nem homossexual: sou autossexual e estou apaixonada por mim mesma». EL PAÍS. Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  8. «Dicionário». Comunidade Assexual. Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  9. «Dicionário de gênero: Tudo que você precisa saber sobre orientação, atração e novos termos sobre sexualidade». Revista Glamour. Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  10. «Asexuality, Attraction, and Romantic Orientation | LGBTQ». lgbtq.unc.edu. Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  11. «Sexual Orientation vs. Romantic Orientation | USD». www.usd.edu. Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  12. «Comprehensive List of Romantic Orientations». Arocalypse (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  13. Mott, Luis (setembro de 2006). «Homo-afetividade e direitos humanos». Revista Estudos Feministas. 14 (2): 509–521. ISSN 0104-026X. doi:10.1590/S0104-026X2006000200011 
  14. «Genders, Sexualities, and more! - Perioriented - Wattpad». www.wattpad.com. Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  15. «Urban Dictionary: cross-orientation». Urban Dictionary (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  16. «I Don't Know How To Describe My Sexuality — And That's OK.». Ravishly (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  17. «Varioriented». LGBTA Wiki (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  18. a b «Here's What It Means When Your Romantic and Sexual Orientations Are Different». Everyday Feminism (em inglês). 1 de julho de 2016. Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  19. «A list of genders & sexualities and their definitions». The PBHS Closet. Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  20. «Ace/ Aro Spectrum Definitions». University of Oxford LGBTQ+ SOCIETY (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  21. «Terminology | Western Aces». wp.wwu.edu. Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  22. «Termos úteis!». forum.orientando.org. Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  23. «37 Terms That Describe Different Types of Attraction». Healthline (em inglês). 27 de fevereiro de 2020. Consultado em 20 de abril de 2021 
  24. «10 Types Of Attraction (And Their Meanings Explained)». Her way (em inglês). 17 de fevereiro de 2020. Consultado em 20 de abril de 2021 
  25. «10 TIPOS DE ATRAçãO (E SEUS SIGNIFICADOS EXPLICADOS) - AMOR - 2021». Woman spirit oracles. Consultado em 1 de outubro de 2021 
  26. «How can I tell the difference between aesthetic, romantic, and sexual attraction? (LGBTQ+) | 7 Cups». www.7cups.com. Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  27. «Tertiary Attraction - MOGAIpedia». www.mogaipedia.org. Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  28. «Atração física e emocional». amplifi.casa. Consultado em 6 de fevereiro de 2020 
  29. «What Are The Different Types Of Attraction And What Do They Mean? | Regain». www.regain.us. Consultado em 14 de agosto de 2021 
  30. «10 Types Of Attraction (And Their Meanings Explained)». Her way (em inglês). 17 de fevereiro de 2020. Consultado em 14 de agosto de 2021 
  31. «Forms of Attractions Masterlist». Beyond MOGAI Pride Flags (em inglês). 3 de março de 2019. Consultado em 14 de agosto de 2021 
  32. «AUREA - Splitting Attraction: A History of Discussing Orientation». AUREA (em inglês). Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  33. «Split Attraction Model (A Guide) | OptimistMinds» (em inglês). 6 de abril de 2020. Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  34. «Sex, Romance and Attraction: Applying the Split Attraction Model to Larps». Nordic Larp (em inglês). 22 de fevereiro de 2021. Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  35. «Split-Attraction Model - MOGAIpedia». www.mogaipedia.org. Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  36. «Karl Heinrich Ulrichs First Theorist of Homosexuality Hubert Kennedy». archive.is. 15 de abril de 2019. Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  37. «Case study: Is my current relationship bound to be unfulfilling because it is non-limerent?». livingwithlimerence.com. Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  38. «AUREA - Aromantic History». AUREA (em inglês). Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  39. «Love and Limerence: The Experience of Being in Love (Dorothy Tennov)». dannyreviews.com. Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  40. Sennkestra (24 de outubro de 2016). «Models of Sexuality in Shively and De Cecco's "Components of Sexual Identity" (1977)». NEXT STEP: CAKE (em inglês). Consultado em 20 de abril de 2021 
  41. Zingo, Martha T. (1998). Sex/gender Outsiders, Hate Speech, and Freedom of Expression: Can They Say that about Me? (em inglês). [S.l.]: Greenwood Publishing Group 
  42. Diamond, Lisa M. (janeiro de 2003). «What does sexual orientation orient? A biobehavioral model distinguishing romantic love and sexual desire». Psychological Review (1): 173–192. ISSN 0033-295X. PMID 12529061. doi:10.1037/0033-295x.110.1.173. Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  43. «Affectional Orientation». Sexuality, Gender, and the Body (em inglês). 9 de agosto de 2008. Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  44. Valere., Hamilton, Shana (2001). Affectional orientation, sex roles, and reasons for living. [S.l.]: [East Tennessee State University]. OCLC 51557790 
  45. WELLS, JOEL W. (setembro de 1989). «Teaching About Gay and Lesbian Sexual and Affectional Orientation Using Explicit Films to Reduce Homophobia». The Journal of Humanistic Education and Development (1): 18–34. ISSN 0735-6846. doi:10.1002/j.2164-4683.1989.tb00179.x. Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  46. «ABCD types - AVENwiki». wiki.asexuality.org. Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  47. «Haven for the Human Amoeba - AVENwiki». wiki.asexuality.org. Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  48. «He's Just Not That Into Anyone - PopMatters». webcache.googleusercontent.com. Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  49. Massmann, Débora (2012). «A homoafetividade no discurso jurídico». RUA (1): 49–64. ISSN 2179-9911. doi:10.20396/rua.v18i1.8638296. Consultado em 20 de abril de 2021 
  50. Irineu, Bruna Andrade (2 de julho de 2009). «A política de previdência social e os direitos LGBT no Brasil». Consultado em 20 de abril de 2021 
  51. Andrade Irineu, Bruna. «A política de previdência social e os direitos LGBT no Brasil» (PDF). Repositório da Universidade Federal de Goiás 
  52. «PSICOLOGIA, TRANSEXUALIDADES» (PDF). webcache.googleusercontent.com. Consultado em 20 de abril de 2021 
  53. «Dicionário de Afetividade Positiva: Proposição de Estudo Psicossomático». webcache.googleusercontent.com. Consultado em 20 de abril de 2021 
  54. «Congresso no DF discute novas famílias e 'homotransafetividade'; entenda o termo». G1. Consultado em 20 de abril de 2021 
  55. Batista da Silva, Jeferson. «"UM LUGAR À MESA" Estudo sobre a produção pastoral do ativismo católico LGBT brasileiro» (PDF). diversidadesexual.com.br. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS. Consultado em 20 de abril de 2021 
  56. «Laços de Família». Pais Amigos. 13 de dezembro de 2017. Consultado em 20 de abril de 2021 
  57. «O uso correto de termos vinculados à diversidade sexual - Entretenimento». Diário Gaúcho. Consultado em 20 de abril de 2021 
  58. Brigeiro, Mauro (2013). «A emergência da assexualidade: notas sobre política sexual, ethos científico e o desinteresse pelo sexo». Sexualidad, Salud y Sociedad - Revista Latinoamericana (14): 253–383. ISSN 1984-6487. Consultado em 20 de abril de 2021 
  59. «A homoafetividade dos heterossexuais - Blogay». Blogay - Folha de S.Paulo - Blogs. Consultado em 20 de abril de 2021 
  60. «Heterossexualidade homoafetiva - Elisa de Assis - Folha dos Lagos». webcache.googleusercontent.com. Consultado em 20 de abril de 2021 
  61. «Jane Ward: "Homens héteros criam situações em que é adequado transar com homens"». epoca.globo.com. Consultado em 20 de abril de 2021 
  62. «O que é a família poliafetiva? Entenda o conceito». GEN Jurídico. 18 de junho de 2020. Consultado em 13 de agosto de 2021 
  63. «Escritura de união poliafetiva com efeitos de união estável é ilegal». Consultor Jurídico. Consultado em 13 de agosto de 2021 
  64. «IBDFAM: O reconhecimento das uniões poliafetivas pelo ordenamento jurídico brasileiro e os efeitos decorrentes da dissolução inter vivos». ibdfam.org.br. Consultado em 13 de agosto de 2021 
  65. «Ministro do STJ defende restrições ao reconhecimento legal da união poliafetiva - Notícias». Portal da Câmara dos Deputados. Consultado em 13 de agosto de 2021 
  66. «Periorientismo». amplifi.casa. Consultado em 26 de maio de 2021 
  67. «Sex-Intimacy – Articles, Blogs, Comments, Discussions, Postings | ispace1». ispace1.com (em inglês). Consultado em 23 de maio de 2021 
  68. SalonLine (15 de dezembro de 2019). «Descubra as Diferenças Entre Orientação Romântica e Orientação Sexual». Transforme-se em Você. Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  69. «Sexuality and Gender Definitions». sites.psu.edu. Consultado em 15 de junho de 2020 
  70. «» Glossário: Termos Sobre Gêneros, Sexualidades, Romanticidades, Corporalidades, Feminismo, Não-Monogamia, Preconceitos Coletivo Anarquista Bandeira Negra». Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  71. Franz, Ariel (3 de novembro de 2016). «Assexualidade Brasil: Conheça as Orientações Românticas». Assexualidade Brasil. Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  72. «Sexuality and Romantic Identities». LGBT Ireland (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  73. «What Are Fraysexuality And Frayromanticism? - SheThePeople TV» (em inglês). Consultado em 25 de setembro de 2021