Tédio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Tédio (desambiguação).
AnsiedadeExcitaçãoFluxo (psicologia)PreocupaçãoControle (administração)ApatiaTédioRelaxamento (psicologia)
Estado mental em termos de nível de desafio e nível de habilidade, de acordo com o modelo de fluxo de Csikszentmihalyi.[1] (clique em um fragmento da imagem para ir ao artigo apropriado)
Uma vendedora de souvenirs parece entediada enquanto espera pelos clientes

No uso convencional, o tédio é um estado emocional e ocasionalmente psicológico experimentado quando um indivíduo é deixado sem nada em particular para fazer, não está interessado em seus arredores ou sente que um dia ou período é monótono ou tedioso. Também é entendido pelos estudiosos como um fenômeno moderno que possui uma dimensão cultural. “Não existe uma definição universalmente aceita de tédio. Mas seja o que for, argumentam os pesquisadores, não é simplesmente outro nome para depressão ou apatia. Parece ser um estado mental específico que as pessoas acham desagradável – uma falta de estímulo que as deixa ansiando por alívio, com uma série de consequências comportamentais, médicas e sociais."[2] De acordo com a BBC News, o tédio "...pode ser um estado de espírito perigoso e perturbador que prejudica sua saúde"; ainda pesquisas "...sugerem que sem tédio não poderíamos alcançar nossos feitos criativos".[3]

Em Experiência Sem Qualidades: Tédio e Modernidade, Elizabeth Goodstein traça o discurso moderno sobre o tédio através de textos literários, filosóficos e sociológicos para descobrir que como "um fenômeno articulado discursivamente [...] o tédio é, ao mesmo tempo objetivo e subjetivo, emoção e intelectualização — não apenas uma resposta ao mundo moderno, mas também uma estratégia historicamente constituída para lidar com seus descontentamentos."[4] Em ambas as concepções, o tédio tem a ver fundamentalmente com uma experiência de tempo – como experimentar a lentidão do tempo – e problemas de significado.[5][6]

Psicologia[editar | editar código-fonte]

Tédio por Gaston de La Touche, 1893
Uma garota aparentemente entediada

Diferentes estudiosos usam diferentes definições de tédio, o que complica a pesquisa.[7] O tédio foi definido por Cynthia D. Fisher em termos de seus principais processos psicológicos centrais: "um estado afetivo desagradável e transitório no qual o indivíduo sente uma falta de interesse generalizada e dificuldade em se concentrar na atividade atual."[8] Mark Leary et al. descrevem o tédio como "uma experiência afetiva associada a processos cognitivos de atenção."[9] Robert Plutchik caracterizou o tédio como uma forma leve de desgosto. Na psicologia positiva, o tédio é descrito como uma resposta a um desafio moderado para o qual o sujeito tem habilidade mais do que suficiente.[1]

Existem três tipos de tédio, todos envolvendo problemas de engajamento da atenção. Isso inclui momentos em que os humanos são impedidos de se envolver em atividades desejadas, quando os humanos são forçados a se envolver em atividades indesejadas ou quando as pessoas simplesmente não conseguem, por algum outro motivo, manter o envolvimento em uma atividade.[10] A propensão ao tédio é uma tendência a sentir tédio de todos os tipos. Isso é normalmente avaliado pela Escala de Propensão ao Tédio.[11] Pesquisas recentes descobriram que a propensão ao tédio está clara e consistentemente associada a falhas de atenção.[12] O tédio e sua propensão estão teoricamente e empiricamente ligados à depressão e sintomas semelhantes.[13][14][15] No entanto, descobriu-se que a propensão ao tédio está tão fortemente correlacionada com lapsos de atenção quanto com a depressão.[13] Embora o tédio seja frequentemente visto como um irritante trivial e leve, a propensão ao tédio tem sido associada a uma gama muito diversificada de possíveis problemas psicológicos, físicos, educacionais e sociais.[16]

A distração é quando uma pessoa mostra um comportamento desatento ou esquecido.[17] A distração é uma condição mental na qual o sujeito experimenta baixos níveis de atenção e distração frequente. A distração não é uma condição diagnosticada, mas sim um sintoma de tédio e sonolência que as pessoas experimentam em suas vidas diárias. As pessoas que estão distraídas tendem a mostrar sinais de lapso de memória e memória fraca de eventos ocorridos recentemente. Isso geralmente pode ser resultado de uma variedade de outras condições frequentemente diagnosticadas por médicos, como transtorno do déficit de atenção e hiperatividade e depressão. Além da distração que leva a uma série de consequências que afetam a vida cotidiana, pode ter problemas mais graves e de longo prazo.

Referências

  1. a b Csikszentmihalyi M (1997). Finding Flow: The Psychology of Engagement with Everyday Life 1st ed. New York: Basic Books. p. 31. ISBN 978-0-465-02411-7 
  2. Koerth-Baker, Maggie (2016). «Why Boredom Is Anything but Boring». Nature. 529 (7585): 146–148. Bibcode:2016Natur.529..146K. PMID 26762441. doi:10.1038/529146aAcessível livremente. Consultado em 28 de abril de 2018. Cópia arquivada em 8 de junho de 2017 
  3. Robson, David. «Psychology: Why boredom is bad... and good for you». bbc.com. Consultado em 28 de abril de 2018. Cópia arquivada em 24 de agosto de 2017 
  4. Goodstein, Elizabeth S. 2005. Experience Without Qualities: Boredom and Modernity. Stanford: Stanford University Press. 3.
  5. «Boredom». HiSoUR – Hi So You Are (em inglês). 17 de julho de 2018. Consultado em 5 de maio de 2022 
  6. Weiss, Emily R.; Todman, McWelling; Pazar, Özge; Mullens, Sophia; Maurer, Kristin; Romano, Alexandra C. (30 de abril de 2021). «When Time Flies: State and Trait Boredom, Time Perception, and Hedonic Task Appraisals». Psychological Thought. 14 (1): 150–174. ISSN 2193-7281. doi:10.37708/psyct.v14i1.559 
  7. Vodanovich, Stephen J. (November 2003) "Psychometric Measures of Boredom: A Review of the Literature" The Journal of Psychology. 137:6 p. 569 "Indeed, a shortcoming of the boredom literature is the absence of a coherent, universally accepted definition. The lack of an agreed-upon definition of boredom has limited the measurement of the construct and partly accounts for the existence of diverse approaches to assessing various subsets of boredom."
  8. Fisher 1993, p. 396
  9. Leary, M. R.; Rogers, P. A.; Canfield, R. W.; Coe, C. (1986). «Boredom in interpersonal encounters: Antecedents and social implications». Journal of Personality and Social Psychology. 51 (5): 968–975 [968]. doi:10.1037/0022-3514.51.5.968 
  10. Cheyne, J. A.; Carriere, J. S. A.; Smilek, D. (2006). «Absent-mindedness: Lapses in conscious awareness and everyday cognitive failures». Consciousness and Cognition. 15 (3): 578–592. CiteSeerX 10.1.1.547.7968Acessível livremente. PMID 16427318. doi:10.1016/j.concog.2005.11.009. Arquivado do original em 24 de setembro de 2010 
  11. Farmer, R.; Sundberg, N. D. (1986). «Boredom proneness: The development and correlates of a new scale». Journal of Personality Assessment. 50 (1): 4–17. PMID 3723312. doi:10.1207/s15327752jpa5001_2 
  12. Fisher, C.D. (1993). «Boredom at work: A neglected concept» (PDF). Human Relations. 46 (3): 395–417. doi:10.1177/001872679304600305 
  13. a b Carriere, J. S. A.; Cheyne, J. A.; Smilek, D. (setembro de 2008). «Everyday Attention Lapses and Memory Failures: The Affective Consequences of Mindlessness» (PDF). Consciousness and Cognition. 17 (3): 835–847. PMID 17574866. doi:10.1016/j.concog.2007.04.008. Cópia arquivada (PDF) em 26 de abril de 2011 
  14. Sawin, D. A.; Scerbo, M. W. (1995). «Effects of instruction type and boredom proneness in vigilance: Implications for boredom and workload». Human Factors. 37 (4): 752–765. PMID 8851777. doi:10.1518/001872095778995616 
  15. Vodanovich, S. J.; Verner, K. M.; Gilbride, T. V. (1991). «Boredom proneness: Its relationship to positive and negative affect». Psychological Reports. 69 (3 Pt 2): 1139–1146. PMID 1792282. doi:10.2466/PR0.69.8.1139-1146 
  16. Hollow, Matthew. «Boredom: The Forgotten Factor in Fraud Prevention?». Journal of Corporate Accounting & Finance. 24: 19–24. doi:10.1002/jcaf.21887. Consultado em 1 de outubro de 2014. Cópia arquivada em 28 de abril de 2018 
  17. «absent-minded». Oxford dictionaries. Consultado em 5 de agosto de 2011. Cópia arquivada em 8 de setembro de 2011