Feminilidade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Feminilidade é um conjunto de atributos, comportamentos e papéis geralmente associados às meninas e às mulheres. A feminilidade é constituída por ambos os fatores socialmente definidos e biologicamente-criados.[1][2][3] Isto faz com que seja distinta da definição biológica do sexo feminino,[4][5] já que machos e fêmeas podem exibir características femininas. As pessoas que apresentam uma combinação de ambas as características masculinas e femininas são consideradas andróginas e as filósofas feministas têm argumentado que a ambiguidade de gênero pode obscurecer a classificação de gênero.[6][7] As conceituações modernas de feminilidade também não confiam apenas em construções sociais, mas nas escolhas individuais feitas elas mulheres.[8]

Os traços tradicionalmente citados como femininos incluem gentileza, empatia e sensibilidade,[9][10][11] embora traços associados com a feminilidade variam dependendo da localização e do contexto e são influenciados por uma variedade de fatores sociais e culturais.[12]

História[editar | editar código-fonte]

O Nascimento de Vênus (1486, Uffizi) é uma representação clássica da feminilidade pintada por Sandro Botticelli.[13][14] Vênus (Afrodite dos gregos) era a deusa romana associada ao amor e fertilidade.

Tara Williams sugeriu que as noções modernas de feminilidade na sociedade falante de Inglês começou durante o período medieval inglês no momento da peste bubônica em 1300.[15] As mulheres no início da Idade Média foram referidas simplesmente dentro de seus papéis tradicionais de solteira, esposa ou viúva.[15]:4 Depois que a Peste Negra na Inglaterra dizimou cerca de metade da população, os papéis tradicionais de esposa e mãe mudaram e novas oportunidades surgiram para as mulheres na sociedade. Prudence Allen traçou como o conceito de "mulher" mudou durante este período.[16]

Em 1949, a intelectual francesa Simone de Beauvoir escreveu que "nenhum destino biológico, psicológico ou econômico determina o valor que a fêmea humana apresenta na sociedade" e "não se nasce, mas se torna, uma mulher",[17] uma ideia que foi pego em 1959 pelo sociólogo canadense-americano Erving Goffman[18] e em 1990 pela filósofa americana Judith Butler,[19] que teorizaram então que Género (sociedade) não é fixo ou inerente, mas sim um conjunto socialmente definido de práticas e traços que, ao longo do tempo, se tornam rótulos de feminino ou masculino.[20] Goffman argumentou que as mulheres são socializadas para se apresentarem como "preciosas, ornamentais e frágeis, sem instrução e mal adaptadas para qualquer coisa que exija esforço muscular" e projetar "timidez, reserva e uma exibição de fragilidade, medo e incompetência."[21]

Feministas da segunda onda, influenciadas por Beauvoir, acreditam que, apesar das diferenças biológicas inatas entre homens e mulheres, os conceitos de feminilidade e masculinidade foram construídos culturalmente, com características como passividade e ternura atribuídos às mulheres e agressividade e inteligência atribuídos aos homens.[22][23] As meninas, segundo elas, foram então socializadas com brinquedos, jogos, programas de televisão e ensino na escola em conformidade com valores e comportamentos femininos.[22] Em sua livro de 1963 The Feminine Mystique, a feminista americana Betty Friedan escreveu que a chave para a subjugação das mulheres reside na construção social da feminilidade como infantil, passiva e dependente[24] e pediu uma "reformulação drástica da imagem cultural de feminilidade".[25]

Comportamento e personalidade[editar | editar código-fonte]

Enquanto as características que definem a feminilidade não são universalmente idênticas, existem alguns padrões: bondade, empatia, sensibilidade, carinho, doçura, compaixão, tolerância, nutrição, deferência e carência são traços que tradicionalmente têm sido citados como femininos.[9][10][11][26][27]

A feminilidade é por vezes ligada a objetificação sexual e apelo sexual.[28][29] A passividade sexual, ou receptividade sexual, às vezes são consideradas traços femininos, enquanto que a assertividade sexual e o desejo sexual às vezes são considerados masculinos.[29]

A dicotomia sexo/gênero de Ann Oakley teve uma considerável influência sobre os sociólogos ao definirem comportamento masculino e feminino na forma regulamentada, policiada e reproduzida na nossa sociedade, bem como as estruturas de poder relacionadas com os conceitos. Alguns teóricos queer e outros pós-modernistas, porém, rejeitaram a dicotomia sexo (biologia) / gênero (cultura) como uma "simplificação perigosa". [3]

Um debate em curso sobre sexo e psicologia diz respeito à medida em que a identidade de gênero e comportamento específico de gênero é devido à socialização em relação aos fatores inatos.[1][30] De acordo com Diane F. Halpern, ambos os factores desempenham um papel, mas a importância relativa de cada um ainda deve ser investigada.[31] A questão Inato ou adquirido, por exemplo, é amplamente debatida e é continuamente revitalizada por novos resultados da investigação.[30]Alguns sustentam que a identidade feminina é em parte "dada" e em parte um objetivo a ser buscado.[32]

Em 1959, pesquisadores como John Money e Anke Erhardt propuseram a teoria hormonal pré-natal. A pesquisa afirma que os órgãos sexuais banham o embrião com hormônios no útero, resultando no nascimento de um indivíduo com um cérebro distintamente macho ou um cérebro feminino; isto foi sugerido por alguns para "prever o desenvolvimento comportamental futuro em uma direção masculina ou feminina".[1] Esta teoria, no entanto, tem sido criticada por razões teóricas e empíricas e permanece controversa.[33][34] Em 2005, uma investigação científica sobre sexo e psicologia mostrou que as expectativas de gênero e a ameaça do estereótipo afetam o comportamento e a identidade de gênero de uma pessoa já aos três anos de idade.[35] Money também argumentou que a identidade de gênero é formada durante a infância nos três primeiros anos.[30]

Mary Vetterling-Braggin argumenta que todas as características associadas com a feminilidade surgiram a partir de encontros sexuais humanos primitivos forçados principalmente pelos indivíduos do sexo masculino.[9] Outros, como Carole Pateman, Ria Kloppenborg e Wouter J. Hanegraaff, argumentam que a definição de feminilidade é o resultado de como as mulheres devem se comportar de forma a manter um sistema social patriarcal.[28][36]

Em seu livro Masculinity and Femininity: the Taboo Dimension of National Cultures psicólogo e pesquisador holandês Geert Hofstede escreveu que apenas comportamentos diretamente relacionados com a procriação podem, em rigor, serem descritos como femininos ou masculinos, e ainda todas as sociedades em todo o mundo reconhece muitos comportamentos adicionais como mais adequados para mulheres do que para homens e vice-versa. Ele descreve isso como escolhas relativamente arbitrárias mediadas por normas e tradições culturais, identificando "masculinidade contra feminilidade" como uma das cinco dimensões básicas em sua Teoria das dimensões culturais. Hofstede descreve comportamentos femininos, como "servir", "permissividade" e "benevolência", e descreve como femininos os países que salientam a igualdade, a solidariedade, a qualidade do trabalho da vida e a resolução de conflitos por compromisso e negociação.[37][38]

Na escola da psicologia analítica de Carl Jung, a anima e o animus são os dois arquétipos antropomórficos primários da mente inconsciente. A anima e o animus são descritos por Jung como elementos de sua teoria do inconsciente coletivo, um domínio do inconsciente que transcende a psique pessoal. No inconsciente do homem, se encontra a sua expressão como personalidade feminina interior, a anima; equivalentemente, no inconsciente do sexo feminino, que é expressa como uma personalidade masculino interior é o animus.[39]

Vestuário e aparência[editar | editar código-fonte]

Nas culturas ocidentais, o ideal de aparência feminina inclui tradicionalmente, cabelo longo e esvoaçante, a pele clara e uma cintura estreita e os pouco ou nenhum pelo corporal ou facial.[4][40][41] Em outras culturas, no entanto, as expectativas são diferentes. Por exemplo, em muitas partes do mundo, os pêlos das axilas não são considerados pouco feminino.[42] Hoje, a cor rosa está fortemente associada à feminilidade, enquanto no início de 1900 a cor rosa era associada a meninos e o azul às meninas.[43]

Estes ideais femininos de beleza têm sido criticados por feministas e outros como sendo restritivos, insalubres e até mesmo racistas.[41][44] Em particular, a prevalência de aneroxia e outros distúrbios alimentares nos países ocidentais tem sido frequentemente atribuídos ao ideal feminino moderno da magreza.[45]

Em muitos países muçulmanos, as mulheres são obrigadas a cobrir suas cabeças com um hijab (véu), considerado um símbolo de modéstia feminina e moralidade.[46][47]

Na história[editar | editar código-fonte]

Os padrões culturais variam muito sobre o que é considerado feminino. Por exemplo, no século 16, na França, saltos altos foram consideradas um tipo distintamente masculina de sapato, embora sejam atualmente considerados como femininos.[48][49]

No Egito Antigo, as vestes ajustadas e rendadas com pedraria eram considerados como roupas femininas, enquanto vestes apenas envolvendo o corpo, perfumes, cosméticos e jóias elaboradas eram usadas tanto por homens quanto por mulheres. Na antiga Pérsia, as roupas eram na Roma antiga usavam a palla, um manto retangular e o maphorion.[50]

Modificação corporal[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Modificação corporal
Na China até o século XX, os pés amarrados para ficarem minúsculos era considerado aristocrático e feminino para as mulheres

A modificação corporal é a alteração deliberada do corpo humano para fins de estética ou não-médico.[51]

Durante séculos na China Imperial, os pés pequenos eram considerados uma característica aristocrática em mulheres. A prática das ligaduras se destinava a melhorar esta característica, embora tornasse o caminhar difícil e doloroso.[52][53]

Em algumas partes da África e Ásia, os anéis de pescoço são usados para alongar o pescoço. Nessas culturas, um pescoço longo caracteriza a beleza feminina.[54] O Padaung da Birmânia e mulheres tutsis do Burundi, por exemplo, praticam esta forma de modificação do corpo.[55][56]

Ideal feminino[editar | editar código-fonte]

O que é considerado como o ideal feminino é definido por cada cultura individualmente com base no que a cultura considera valioso e é muitas vezes objeto de debate acalorado.

Visões acadêmicas[editar | editar código-fonte]

Para entender o termo ideal feminino, precisamos entender o que a feminilidade é. "Ela encarna uma constelação de significados, que geralmente se referem aos atributos, comportamentos, interesses, maneirismos, aparências, funções e expectativas que temos associados ao sexo feminino durante o processo de socialização, a socialização do papel de gênero depende de modelagem e reforço - as meninas são e as mulheres aprendem e internalizam traços e comportamentos femininos socialmente esperados e aceitáveis e são recompensadas por comportamentos de gênero adequado."[57] A publicação The Psychology of Women Quarterly também menciona que há inúmeros problemas psicológicos relacionados com a feminilidade entre as mulheres e as adolescentes. A construção social da feminilidade tem efeitos adversos sobre as mulheres. O que está faltando na pesquisa atual de feminilidade é "uma ferramenta que permita a compreensão da experiências da feminilidade subjetiva das mulheres e avaliem suas relações com a saúde psicológica das mulheres."[57] O que mais tarde foi desenvolvido foi a Escala de estresse subjetivo da Feminilidade (SFSS), uma escala que mede as experiências das mulheres de ser mulher e avalia os níveis de estresse que podem sentir associado com suas experiências femininas. Sabemos também que "as normas femininas da cultura dominante são insidiosamente potentes e capilares e são susceptíveis de influenciar a cada mulher que vive na sociedade americana [...] a evidência empírica sugere que os estudos atuais sobre a feminilidade (ou seja, traços, normas papel, estresse do papel de gênero ) podem não conseguir captar as experiências de mulheres de diversas origens."[57]

O feminino ideal tem sido debatida durante séculos. Virginia Woolf escreve: "As mulheres têm servido todos esses séculos como uma lente que possui o poder mágico e delicioso de refletir a figura do homem com o dobro do seu tamanho natural."[58] Em janeiro de 1931, Woolf escreveu um texto que foi lido para a Sociedade Nacional de Auxílio às Mulheres, convidada para falar sobre as suas experiências profissionais, a escritora discorreu sobre o “Anjo do Lar”, uma sombra que, segundo ela, havia em todas as mulheres. Woolf a descreve como o "Anjo do Lar": "Ela era extremamente simpática. Imensamente encantadora. Totalmente altruísta. Excelente nas difíceis artes do convívio familiar. Sacrificava-se todos os dias. Se o almoço era frango, ela ficava com o pé; se havia ar encanado, era ali que ia se sentar – em suma, seu feitio era nunca ter opinião ou vontade própria, e preferia sempre concordar com as opiniões e vontades dos outros. E acima de tudo – nem preciso dizer – ela era pura. Sua pureza era tida como sua maior beleza – enrubescer era seu grande encanto. Naqueles dias – os últimos da Rainha Vitória – toda casa tinha seu Anjo."[59][60]

Referências

  1. a b c Marianne van den Wijngaard (1997). Reinventing the sexes: the biomedical construction of femininity and masculinity. Race, gender, and science Indiana University Press [S.l.] pp. 171 pages. ISBN 0-253-21087-9. Consultado em 7/10/2016. 
  2. Hale Martin, Stephen Edward Finn (2010). Masculinity and Femininity in the MMPI-2 and MMPI-A U of Minnesota Press [S.l.] pp. 310 pages. ISBN 0-8166-2445-3. Consultado em 7/10/2016. 
  3. a b Richard Dunphy (2000). Sexual politics: an introduction Edinburgh University Press [S.l.] pp. 240 pages. ISBN 0-7486-1247-5. Consultado em 7/10/2016. 
  4. a b Ferrante, Joan. Sociology: A Global Perspective 7th ed. (Belmont, CA: Thomson Wadsworth). pp. 269–272. ISBN 0-8400-3204-8. 
  5. Gender, Women and Health: What do we mean by "sex" and "gender"?' The World Health Organization, (em inglês)
  6. Butler, Judith (1999 [1990]), Gender Trouble: Feminism and the Subversion of Identity (New York and London: Routledge).
  7. Laurie, Timothy (2014), 'The Ethics of Nobody I Know: Gender and the Politics of Description', Qualitative Research Journal, 14 (1), pp. 64-78. (em inglês)
  8. Budgeon, Shelley(2015), 'Individualized femininity and feminist politics of choice..', European Journal of Women's Studies, 22 (3), pp. 303-318.
  9. a b c Vetterling-Braggin, Mary "Femininity," "masculinity," and "androgyny": a modern philosophical discussion
  10. a b Worell, Judith, Encyclopedia of women and gender: sex similarities and differences and the impact of society on gender, Volume 1 Elsevier, 2001, ISBN 0-12-227246-3, ISBN 978-0-12-227246-2
  11. a b Thomas, R. Murray (2000). Recent Theories of Human Development Sage Publications [S.l.] p. 248. ISBN 0761922474. «Feministas do gênero também consideram traços femininos tradicionais (gentileza, modéstia, humildade, sacrifício, apoio, empatia, compaixão, ternura, nutrição, intuição, sensibilidade, altruísmo) moralmente superiores aos traços tradicionais masculinas de coragem, força de vontade, ambição, independência, assertividade , iniciativa, racionalidade e controle emocional.» 
  12. Witt, edited by Charlotte (2010). Feminist Metaphysics: Explorations in the Ontology of Sex, Gender and Identity (Dordrecht: Springer). p. 77. ISBN 90-481-3782-9. 
  13. Manifestations of Venus: art and sexuality pg 93 Por Katie Scott, Caroline Arscott pg 93
  14. The Pacific muse pg 49 By Patty O'Brien "The young beautiful Venus wringing water from her tresses was a configuration of exotic femininity that was…
  15. a b Williams, Tara (2011). Inventing Womanhood: Gender and Language in Later Middle English Writing (PDF) Ohio State University Press [S.l.] ISBN 0814211518. 
  16. Allen, Volume 2, The Early Humanist Reformation, Part 1, p. 6.
  17. de Beauvoir, Simone (2010). The Second Sex (New York: Knopf). ISBN 0307265560. 
  18. Erving Goffman (1959). The Presentation of Self in Everyday Life Anchor [S.l.] ISBN 0385094027. 
  19. Butler, Judith (1990). Gender Trouble: Feminism and the Subversion of Identity Routledge [S.l.] ISBN 0415389550. 
  20. Milestone, Katie (2011). Gender and Popular Culture Polity [S.l.] ISBN 0745643949. 
  21. Ziegler, Kathryn A. (2010). "Formidable-Femininity": Performing Gender and Third Wave Feminism in a Women's Self-Defense Class LAP LAMBERT Academic Publishing [S.l.] p. 10. ISBN 3838307674. 
  22. a b Millett, Kate (1968). Sexual Politics [S.l.: s.n.] 
  23. Hollows, Joanne (2000). Feminism, Femininity and Popular Culture Manchester University Press [S.l.] pp. 10–12. ISBN 0719043956. 
  24. Jaggar, Alison M. (1989). Gender/Body/Knowledge: Feminist Reconstructions of Being and Knowing Rutgers University Press [S.l.] p. 17. ISBN 0813513790. 
  25. Gamble, Sarah (2002). The Routledge Companion to Feminism and Postfeminism Routledge [S.l.] p. 29. ISBN 0415243106. 
  26. Positive Peer Culture pg 22 By Harry H. Vorrath, Larry K. Brendtro "Still, almost all girls have clearly been socialized toward positive caring behavior"
  27. James W. Kalat (2010). Introduction to Psychology. Cengage Learning. p. 184. ISBN 0-495-81076-2.
  28. a b Ria Kloppenborg, Wouter J. Hanegraaff, Female stereotypes in religious traditions, BRILL, 1995, ISBN 90-04-10290-6, ISBN 978-90-04-10290-3
  29. a b Ussher, Jane M. Fantasies of femininity: reframing the boundaries of sex
  30. a b c Pamela J. Kalbfleisch, Michael J. Cody (1995). Gender, power, and communication in human relationships Psychology Press [S.l.] p. 333. ISBN 0-8058-1404-3. Consultado em June 3, 2011. 
  31. Halpern, Diane F, Sex Differences In Cognitive Abilities, 2000
  32. «C. Burke: ''The Quest for Feminine Identity''». Cormacburke.or.ke. Consultado em 12/10/2016. 
  33. Ehrhardt, Anke A.; H. F. L. Meyer-Bahlburg (1981). «Effects of Prenatal Sex Hormones on Gender-Related Behavior». Science [S.l.: s.n.] 211 (4488): 1312–1318. doi:10.1126/science.7209510. 
  34. Bem, Sandra Lipsitz (1993). The Lenses of Gender: Transforming the Debate on Sexual Inequality (New Haven u.a.: Yale University Press). pp. 25–27. ISBN 0-300-05676-1. 
  35. Ann M. Gallagher, James C. Kaufman, Gender differences in mathematics: an integrative psychological approach, Cambridge University Press, 2005, ISBN 0-521-82605-5, ISBN 978-0-521-82605-1
  36. Pateman, Carole (1988). The Sexual Contract, Stanford: Stanford University Press, p. 207.
  37. Hofstede, Geert (1998). Masculinity and Femininity: The Taboo Dimension of National Cultures SAGE Publications, Inc. [S.l.] ISBN 0761910298. Consultado em 11 August 2013. 
  38. «National Culture: Dimensions». The Hofstede Centre. Consultado em 14 August 2013. «The masculinity side of this dimension represents a preference in society for achievement, heroism, assertiveness and material reward for success. Society at large is more competitive. Its opposite, femininity, stands for a preference for cooperation, modesty, caring for the weak and quality of life. Society at large is more consensus-oriented.» 
  39. Jung, Carl. The Psychology of the Unconscious, Dvir Co., Ltd., Tel-Aviv, 1973 (originally 1917)
  40. Lesnik-Oberstein, Karín (2010). The Last Taboo: Women and Body Hair Paperback ed. Manchester University Press [S.l.] ISBN 0-7190-8323-0.  (em inglês)
  41. a b Davis, Kathy (2003). Dubious Equalities and Embodied Differences: Cultural Studies on Cosmetic Surgery (Lanham: Rowman & Littlefield). p. 93. ISBN 0-7425-1421-8.  (em inglês)
  42. McLoughlin, Linda (2000). The Language of Magazines (London: Routledge). p. 96. ISBN 0-415-21424-6. 
  43. Bolich, G. G. (2007). Conversing on Gender Gardners Books [S.l.] p. 315. ISBN 0615156703. 
  44. Taylor, Verta (2008). Feminist Frontiers 8th ed. (New York: McGraw Hill Higher Education). p. 157. ISBN 978-0-07-340430-1. 
  45. Mahowald, Mary Briody (1996). Women and Children in Health Care: An Unequal Majority New ed. (New York: Oxford University Press). pp. 210–213. ISBN 978-0-19-510870-5. 
  46. Daniels, Dayna B. (2009). Polygendered and Ponytailed: The Dilemma of Femininity and the Female Athlete (Toronto: Women's Press). p. 147. ISBN 0889614768. 
  47. Esposito, John L., : (2003). The Oxford Dictionary of Islam (New York: Oxford University Press). p. 112. ISBN 0195125584. 
  48. Brown, William, Art of shoe making, Global Media, 2007, 8189940295, 9788189940294
  49. Kremer, William (24 de janeiro de 2013). «Why did men stop wearing high heels?». BBC News [S.l.: s.n.] Consultado em 25 January 2013. 
  50. Condra, Jill, The Greenwood encyclopedia of clothing through world history: Prehistory to 1500 CE, Greenwood Publishing Group, 2008, ISBN 0-313-33663-6, ISBN 978-0-313-33663-8
  51. «What is body modification?». Essortment.com. 16 de maio de 1986. Consultado em 21/10/2016. 
  52. «Binding: Bone Breaking Beauty, August, 2009». Cogitz.com. August 29, 2009. Consultado em 21/10/2016. 
  53. «The Art of Social Change: Campaigns against foot-binding and genital mutilation». The New York Times [S.l.: s.n.] 22 de outubro de 2010. 
  54. Arne Kislenko (2004). Culture and Customs of Thailand. Greenwood Publishing Group. p. 122. ISBN 978-0-313-32128-3.
  55. Marianne Thesander (1997). The Feminine Ideal. Reaktion Books. p. 24. ISBN 978-1-86189-004-7. (em inglês)
  56. Walker, Andrew. Bound by tradition. Retrieved on July 25, 2011.
  57. a b c Shea, Munyi, et al. "Toward A Constructionist Perspective Of Examining Femininity Experience: The Development And Psychometric Properties Of The Subjective Femininity Stress Scale." Psychology Of Women Quarterly 38.2 (2014): 275-291. Academic Search Complete. 23 de novembro de 2014. (em inglês)
  58. Woolf, Virginia. A Room of One's Own. San Diego: Harcourt Brace Jovanovich, 1989. Print.
  59. Virginia Woolf e o anjo do lar, Blog da LP&M Editores
  60. Diana Lichtenstein Corso; Mário Corso (2009). A Psicanálise na Terra do Nunca. Artmed Editora. p. 82. ISBN 978-85-63899-12-5.