Hijab

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Diferentes formas de hijab.
Mulher utilizando o hijab na Gâmbia.

Hijabe ou hijab (do árabe: حجاب, translit. ħijāb, 'cobertura'; "esconder os olhares"; pron.: [ħiˈdʒæːb]) é o conjunto de vestimentas preconizado pela doutrina islâmica. No Islã, o hijab é o vestuário que permite a privacidade, a modéstia e a moralidade, ou ainda "o véu que separa o homem de Deus".[1] O termo "hijab" é, por vezes, utilizado especificamente em referência às roupas femininas tradicionais do Islã, ou ao próprio véu.

O hijab é usado pela maioria das muçulmanas que vivem em países ocidentais. A depender da escola de pensamento islâmica, o hijab pode se traduzir na obrigatoriedade do uso da burca, que é o caso do Talibã afegão, até apenas uma admoestação para o uso do véu, como ocorre na Turquia. Na atualidade, o hijab é obrigatório na Arábia Saudita e na República Islâmica do Irã, além de governos regionais noutros países, como na província Indonésia de Achém.

Contudo, mesmo que não oficialmente, o seu uso é habitualmente imposto por pressão familiar ou da própria comunidade, mesmo na Europa. Faisal Saeed Al Mutar , um escritor emigrado do Iraque e actualmente a viver em Washington diz-nosː "Muitas mulheres que usam o Hijab mesmo nos países ocidentais são forçadas a usá-lo devido a uma pressão da sociedade ou de suas famílias. Eu pessoalmente conheço casos em que mulheres foram espancadas ou rejeitadas por suas famílias por se recusarem a usar o Hijab." [2]

A pressão do meio pode chegar até ao assassínio, revestindo a forma de "crime de honra" [3][4].

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Hijab (حجاب) significa em árabe "cobertura". A palavra vem de حجب, que significa "cobrir, proteger de estranhos. Para eles o hijab foi decretado para proteger a sua modéstia e honra pois Alá,[nota 1] ,diz no Alcorão Sagrado:

Alá revelou este versículo ao seu suposto Mensageiro, o Profeta Maomé, supostamente ordenando a mulher crente a se cobrir com sua manta quando saísse de seu lar, de tal maneira que nenhum de seus atrativos ficasse visível; porque desta maneira sua aparência se tornaria claro a todos, de que ela era uma muçulmana, honrada, casta, pelo que nenhum hipócrita ousaria molestá-la.[5]

O uso ou não do hijab pouco preocupa muçulmanos de certas correntes. Muitas mulheres não usam o véu sequer para a celebração religiosa de sexta-feira, o dia sagrado dos muçulmanos. Elas contam que usar ou não usar o véu é uma questão pessoal, e que o mais importante não é usar ou não usar, mas o motivo que leva a mulher a querer usar.[6]

Contudo, afirma Valerie Tarico, psicóloga americana, "para muitos muçulmanos seculares e ex-muçulmanos, o hijab não é um símbolo de liberdade. É um símbolo do fato de que as mulheres no Islã são cidadãos de segunda classe e que esse status é codificado tanto no texto sagrado como na tradição, reforçados pela cultura e pela lei."[7]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Hijab


Notas

  1. Algumas traduções de textos islâmicos usam a palavra Deus em vez de Alá. Mas a propósito disto, o Dr. Bill Warner comenta, no epílogo do seu livro A Simple Koran, Cap. 27, que o significado de Deus e Jeová é baseado em seus atributos textuais; Alá é definido pelo Alcorão; Jeová é definido pelo Antigo Testamento. Em uma base textual, os Judeus, os Muçulmanos, e os Cristãos não veneram o mesmo Deus. Para explicar, Bill Warner dá o exemplo do vermelho e do azul: ambos são cores, mas o vermelho não é azul. Da mesma forma, Deus e Jeová são ambos deuses monoteístas, mas eles não são o mesmo Deus. Alá não é Jeová, nem Deus. E concluiː "Consequentemente, Alá é o único termo aceitável para o Deus do Alcorão".


Referências

  1. Glasse, Cyril, The New Encyclopedia of Islam, Altamira Press, 2001, p.179-180
  2. Tarico, Valerie (18 Fevereiro de 2014). «Is the Hijab a Symbol of Diversity or a Symbol of Oppression? (É o hijab um símbolo de diversidade ou de opressão? - em inglês)». The Huffington Post 
  3. Mitchell, Bob (16 Junho 2010). «'I killed my daughter. . . with my hands'». TheStar.com 
  4. «Man convicted of killing daughter in clash over hijab dies in Ontario prison -Muhammad Parvez was convicted of 2nd-degree murder in the death of daughter Aqsa». CBC News. 28 Fevereiro de 2017 
  5. Liga da Juventude Islâmica do Brasil, O Significado do Hijab
  6. BBC Brasil, Muçulmanos em São Paulo dizem que não são radicais
  7. Tarico, Valerie (18 de Fevereiro de 2014). «Is the Hijab a Symbol of Diversity or a Symbol of Oppression?». The Huffington Post