Mulheres no Islã

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

As mulheres no Islã são guiadas pelas leis primárias islâmicas, nomeadamente o Alcorão, assim como pelas demais leis secundárias (que tendem a variar de acordo com a diferença na conceituação das mulheres islâmicas).[1]

As leis e a cultura islâmica possuem grande impacto nos mais variados aspectos da vida de uma mulher islâmica, tais como sua educação, oportunidade de emprego, herança, casamento e justiça, entre outros.[2]

O papel das mulheres na sociedade muçulmana mudou significativamente nos séculos desde que o Islamismo começou na Arábia no início dos anos 600 d.C. Sua posição variou com a mudança de circunstâncias sociais, econômicas e políticas. Embora o Islã considere homens e mulheres como iguais morais à vista de Alá, as mulheres não tiveram o mesmo acesso a muitas áreas da vida islâmica. Historicamente, as mulheres muçulmanas não foram tratadas como iguais aos homens. Determinados governantes e administradores e a maioria de eruditos legais impuseram um sistema da desigualdade, que justificaram por suas interpretações do Alcorão e das tradições do profeta. As autoridades coloniais desafiaram estes pontos de vista, e suas noções ocidentais da posição legítima das mulheres na sociedade fixaram-se entre alguns segmentos da população muçulmana. Desde que grande parte do mundo islâmico se tornou independente em meados de 1900, no entanto, as mulheres têm sido apanhadas entre os tradicionalistas e reformadores enquanto eles competem por dominância na sociedade islâmica.[3]

Antes do surgimento do Islã no início dos anos 600, os árabes viviam em uma sociedade tradicionalmente patriarcal. As mulheres eram consideradas como propriedade, e não existiam limitações à poligamia.[3] O Islã trouxe algumas reformas, particularmente no que se refere ao status das mulheres. O Alcorão reconheceu o direito de uma mulher escolher seu próprio parceiro de casamento e fixou limites à prática da poliginia. Um homem poderia ter até quatro esposas, se ele pudesse providenciá-las e tratá-las igualmente.[3]

A poligamia é permitida aos homens praticantes do Islamismo, não sendo difundido em todos os segmentos da religião; em alguns países islâmicos, como o Irã, o homem pode contrair matrimônio temporário.[4] Quanto ás mulheres, a poligamia é proibida Sobretudo, o Islão proíbe as mulheres de contrair matrimônio com um homem não-muçulmano, embora um homem possa casar com uma não muçulmana.

Contudo, há uma longa série de debates e controvérsias acerca do papel de ambos os gêneros dentro da religião e através dela. Sobre a situação actual da mulher muçulmana, a feminista Mona Eltahawy , em Maio de 2012, escrevendo no magazine Foreign Policy, disse: "Nomeiem-me um qualquer país árabe, e vou recitar um rosário de abusos (de mulheres) alimentados por uma mistura tóxica de cultura e religião que poucos parecem dispostos ou capazes de desembaraçar, para não blasfemar ou ofender."[5]

A Sharia provê, como complementarismo,[6] diferenças entre os papéis, direitos e deveres de homens e mulheres. Ser muçulmano é mais do que simplesmente uma identidade religiosa; o Islã estrutura a vida de uma mulher muçulmana como de base cotidiana. Por exemplo: o Islã não restringe o trabalho das mulheres ao cuidado da casa, mas estipula que estas devem obter autorização dos homens para trabalhar.

Na maioria dos países muçulmanos, as mulheres exercem os mais variados níveis de seus direitos religiosos com relação a casamento, divórcio, estado civil, vestuário e educação, baseados nas diferentes interpretações da lei islâmica.

Fontes de influência[editar | editar código-fonte]

Existem quatro fontes de influência no Islã sobre as mulheres muçulmanas. As duas primeiras, o Alcorão e os Hádice, são consideradas principais fontes, enquanto as outras duas são fontes secundárias e derivadas que diferem entre várias seitas muçulmanas e escolas da jurisprudência islâmica. As fontes secundárias de influência incluem o ijma (consenso), as qiyas (analogias) e, em outras formas como as fatwas e o ijtihad.[1][7][8]

A igualdade espiritual entre mulheres e homens é detalhada na sura al-Aḥzab: "Quanto aos muçulmanos e às muçulmanas, aos fiéis e às fiéis, aos consagrados e às consagradas, aos verazes e às verazes, aos perseverantes e às perseverantes, aos humildes e às humildes, aos caritativos e às caritativas, aos jejuadores e às jejuadoras, aos recatados e às recatadas, aos que se recordam muito de Deus e às que se recordam d'Ele, saibam que Deus lhes tem destinado a indulgência e uma magnífica recompensa." (Alcorão 33:35) [9][10][11]

A visão básica do Islã sobre mulheres e homens postula uma complementaridade de funções: como todas as coisas no universo, a humanidade foi criada em um par (sura Adh-Dhariyat, 51:49)[12] - nenhum pode ser completo sem o outro.[13] No pensamento cosmológico islâmico, o universo é percebido como um equilíbrio construído em relações polares harmoniosas entre os pares que compõem todas as coisas. Além disso, todos os fenômenos externos são reflexos do noúmeno interno e, no final, de Deus.[13]

A mulher nos textos sagrados[editar | editar código-fonte]

No Alcorão[editar | editar código-fonte]

An-Nisa - "A Mulher" - é a quarta sura do Alcorão, com 176 versos, revelada em Medina.Trata essencialmente dos direitos e obrigações das mulheres. O verso 34 é um versículo chave na crítica feminista do Islãː

ː"Os homens são os protectores (ou guardiões) das mulheres, porque Alá fez uns superiores aos outros e porque eles gastam os seus bens para as manter. As boas mulheres são, portanto, obedientes, guardando o segredo como Alá ordenou que fosse guardado. Aquelas de quem você teme deslealdade, admoestai-as, e deixai-as sozinhas nos leitos e batei-lhes..." .[14]

Nos Hádices[editar | editar código-fonte]

Os hádices são uma coleção de episódios sobre a vida de Maomé, a seguir ao Alcorão em importância. Foram transmitidos através de uma cadeia oral, e mais tarde compilados várias gerações após a morte do profeta (séculos VIII e IX) por vários dos seus seguidores.

São classificados pelos religiosos muçulmanos e juristas pela sua fiabilidade, sendo as coleções mais consideradas as Sahih al-Bukhari e Sahih Muslim .

Em Sahih al-Bukhari encontra-se, por exemplo, o episódio do encontro de Maomé com um grupo de mulheres:

"Ele passou pelas mulheres e disse: "Ó mulheres! Dêem esmolas, que eu vi que a maioria dos habitantes do inferno eram vocês (mulheres)". Elas perguntaram: "Por que é assim, ó apóstolo de Alá?" Ele respondeu: "Você amaldiçoam freqüentemente e sãoingratas com os vossos maridos. Eu não vi ninguém mais deficiente em inteligência e religião do que vocês. Um homem sensato e cauteloso poderia ser desencaminhado por alguns de voós". As mulheres perguntaram: "Ó Apóstolo de Alá! O que é deficiente em nossa inteligência e religião?" Ele disse: "Não é a evidência de duas mulheres igual ao testemunho de um homem?" Elas responderam afirmativamente. Ele disse: "Esta é a deficiência em sua inteligência. Não é verdade que uma mulher não pode rezar nem jejuar durante a sua menstruação?" As mulheres responderam afirmativamente. Ele disse: "Essa é a deficiência em sua religião". [15]

Educação[editar | editar código-fonte]

Estudantes numa escola islâmica do Paquistão.

As mulheres muçulmanas sempre desempenharam um papel na difusão do conhecimento religioso. Aixa, esposa de Mohammed, foi uma importante fonte dos ahadith. Ele teria dito a seus seguidores que receberiam metade da sua religião dela.[3]

Em uma pesquisa de 2013, a Organização para a Cooperação Islâmica concluiu que muitas nações islâmicas restringem o acesso feminino à educação.[16] Em dados da UNICEF, 17 das 24 nações com nível de escolaridade primária abaixo de 60% são nações islâmicas; mais da metade da população adulta é analfabeta em muitos países islâmicos, e a proporção atinge a casa dos 70% quando referente às mulheres.[17] Outros especialistas afirmam que as nações islâmicas possuem os mais altos sinais de separação de gêneros na educação.[18] Um estudo do Fórum Econômico Mundial de 2012 alega que 17 nações islâmicas estão listadas entre as piores do mundo em políticas sociais, entre estas: Argélia, Jordânia, Líbano, Turquia, Egito, Omã, Arábia Saudita, Irão e Marrocos.[19]

A separação de gêneros nas universidades não é geral entre os países islâmicos. Na Turquia, a proporção de pesquisadoras universitárias é razoavelmente maior do que em 27 países da União Europeia. Em 2013, na Universidade da Jordânia, uma das mais tradicionais da África, 65% do corpo discente era formado por mulheres. Da mesma forma, na Malásia, Argélia e Arábia Saudita têm registrado a maioria feminina nas suas universidades nos anos recentes.

Outras pesquisas, porém, contrapõem as estimativas anteriores. Em um levantamento de 2005 sobre a Arábia Saudita, 50% das mulheres são alfabetizadas, contra 72% dos homens. A UNESCO, por sua vez, estima que em muitos países de maioria islâmica a taxa de alfabetização entre as mulheres não ultrapasse os 50%.[20]

Vida religiosa[editar | editar código-fonte]

Na visão do Islã, não há diferenciação entre as relações de um homem e de uma mulher para com Alá; ambos os sexos recebem iguais graças ou punições por sua conduta. As mulheres muçulmanas devem observar os cinco pilares do Islã, incluindo orar cinco vezes por dia, jejuar durante o mês do Ramadã e, como qualquer muçulmano que seja fisicamente e financeiramente capaz - fazer pelo menos uma vez na vida, a peregrinação à Meca. No entanto, as mulheres não podem orar, jejuar ou tocar o Alcorão durante a menstruação ou durante um período após o parto. Durante esses tempos, elas são consideradas ritualmente impuras. Além disso, as mulheres que estão grávidas ou amamentando estão isentas do jejum durante o Ramadã mas elas devem compensar os dias que perderam mais tarde.[3]

As opiniões sobre se as mulheres devem orar nas mesquitas ou em suas casas mudaram ao longo do tempo. De acordo com um dito, atribuído a Maomé, mulheres são recebidas nas mesquitas.[carece de fontes?] Contudo a presença de mulheres nas mesquitas seria dispensável por causa da impureza causada pela menstruação. Desde então, as mulheres têm se envolvido gradativamente nas atividades da mesquita, sendo que homens e mulheres realizam seus cultos em espaços separados. A separação por sexo varia desde a posição de ambos os 'grupos' no mesmo espaço da mesquita (homens ficando à frente das mulheres) até a separação dos sexos por andar.

Estudiosas da religião eram relativamente comuns desde primitiva do Islão até o século XVI. Mohammad Akram Nadwi, um estudioso sunita, estimou cerca de 8.000 mulheres juristas, e o orientalista estimava que 15% das estudiosas muçulmanas da Era medieval eram mulheres. Mulheres, durante os primeiros anos de Islão, obtinham seu conhecimento através de grupos de estudo comunitários, nos arrábitas e durante o Hajj. Após o século XVI, contudo, o número de estudiosas islâmicas decresceu. Na era moderna, enquanto ativistas e escritoras mulheres são relativamente comuns, uma mulher não exerceu o papel de jurista durante mais de 200 anos no mundo islâmico. As oportunidades para o ensino de mulheres existem, porém as barreiras culturais eventualmente mantém as mulheres distantes de reconhecer sua vocação.

O direito das mulheres tornarem-se imãs, no entanto, é discutido por muitos. Um dos papéis fundamentais de um imã em uma mesquita é liderar o salat (as preces) e, geralmente, às mulheres é vetado liderar as preces em grupo. Contudo, alguns contestam com a crença de que Maomé permitia Umm Warqa, que acompanhava-o, a liderar as orações na mesquita de Dar.

As mulheres Hui têm auto-conhecimento de sua liberdade relativa como cidadãs chinesas em contraste com as condições políticas das mulheres islâmicas nos demais países, como a Arábia Saudita, onde as mulheres passam por muitas restrições sociais.

No sufismo, as mulheres têm estado relativamente mais envolvidas do que outras áreas do Islã. A mulher sufí mais famosa, Rabiah al-Adawiyah (morreu em 801), escreveu poemas de amor a Deus que continuaram a inspirar até hoje. Ela não é única na tradição sufí, Javad Nurbakhsh traduziu para o inglês as biografias de cerca de 124 mulheres sufis.[3]

Código de vestimenta[editar | editar código-fonte]

Diferentes formas de hijab.

O Islão adverte as mulheres à se vestirem com modéstia e não deixar à mostra as extremidades para nenhum homem além de seu marido, pai ou familiar mais próximo e crianças pequenas.[21] Contudo, o Alcorão não é específico quanto ao estilo das roupas e acessórias usados pelas mulheres. A vestimenta têm sido modificada ao longo dos séculos e difere de acordo com a região islâmica. Em alguns países islâmicos, o uso do hijab é obrigatório para as mulheres. Em muitos outros países islâmicos, como o Irã e a Arábia Saudita, todas as mulheres devem cobrir a cabeça em público, embora o tipo de vestimento usado para tal fim possa variar de acordo com o país. Os mais comuns tipos de vestimentas religiosas do Islão são o hijab e o nicabe. Os véus, no entanto, não são citados pelo Alcorão, sendo uma opção particular de cada mulher islâmica.[22]

Ao longo da história as sociedades islâmicas utilizaram a vestimenta como distinção da condição social, ocupação, pureza, crença, sexo e identidade regional. Sob a lei Otomana, por exemplo, a veste das mulheres divergia quanto à região, sendo que cada uma permitia determinadas formas de vestir ou até mesmo a cor dos trajes. Na era moderna, a vestimenta para mulheres muçulmanas varia de região para região e de restrição religiosa à questão de gosto pessoal.[23][24]

Os costumes islâmicos quanto à vestimenta costumam causar controvérsias nos países não-islâmicos. Muitos críticos colocam como forma de opressão às mulheres ou até mesmo ameaça à segurança dos demais povos, sendo que alguns países do Ocidente proíbem as mulheres de usar os trajes tradicionais do Islão. As mulheres não-islâmicas são obrigadas a seguir as regras quando em território islâmico enquanto as islâmicas não necessitam seguir os costumes dos países que visitam - sendo este um forte ponto de controvérsia sobre os limites do respeito à conduta religiosa. A tentativa frequente dos países do Ocidente em proibir o uso do nicabe em seu território é visto por muitos como um sinal claro de preconceito.[25] Contudo, o direito contrário, de não usar o nicabe ou o hijab não está garantido nem no Oriente nem no Ocidente, onde mulheres muçulmanas têm sido mortas por se recusarem a usar o hijab ou o usarem de forma considerada imprópria.[26] [27] [28]

Casamento[editar | editar código-fonte]

Para os muçulmanos, o casamento é essencialmente um dever religioso. O Alcorão assinala que Deus criou homens e mulheres para serem companheiros uns dos outros e terem filhos. Além disso, acredita-se que o casamento se proteja contra a tentação sexual e seja um meio de garantir a castidade. Embora o Islã permita o divórcio sob certas circunstâncias, o Alcorão e a Suna enfatizam a gravidade do divórcio e vêem isso como último recurso.[29]

O Islã caracteriza o relacionamento entre um marido e uma esposa (ou esposas) como complementares. A principal responsabilidade do marido é apoiar e proteger a família. A esposa cuida e disciplina as crianças e mantém a casa. Embora a lei islâmica ensine que o marido e a esposa são iguais perante Deus, as mulheres são subordinadas aos homens. De acordo com o Alcorão, os direitos são proporcionais às responsabilidades, e os homens são considerados como tendo maiores responsabilidades fora do lar. No entanto, o Alcorão aconselha os cônjuges a honrar um vínculo de mútuo "amor e piedade[30]" em seu casamento e incentiva-os a "conviver em tranquilidade[30]".[29]

O casamento é um contrato entre um homem e uma mulher ou entre um homem e o tutor legal da mulher, que é sempre um homem e geralmente seu pai. A lei islâmica exige quatro condições para um casamento válido - uma oferta, uma aceitação, um mínimo de duas testemunhas muçulmanas competentes e um presente de casamento. A lei proíbe certas categorias de parceiros de casamento, como o casamento de parentes próximos. Alguns regulamentos refletem preocupações sobre a fé dos futuros filhos. Embora o marido seja o chefe da família, as crianças passam a maior parte do tempo com a mãe e, portanto, são susceptíveis de adotar sua religião. Um homem muçulmano pode se casar com uma mulher que pratica o judaísmo ou o cristianismo, no entanto, o casamento entre uma mulher muçulmana e um homem não muçulmano é proibido.

Tradicionalmente, as famílias muçulmanas organizam os casamentos. A mãe - segundo o Oxford Islamic Studies - procura esposas adequadas para seus filhos. Uma vez que uma noiva potencial é escolhida, seu tutor legal assume a responsabilidade pela organização do contrato de casamento. Apesar da proibição no Alcorão de casamentos forçados, a lei islâmica tradicional permite que um pai force sua filha a casar-se com um homem de sua escolha sem seu conhecimento ou permissão, e ele pode se recusar a permitir que ela se case com ele.[29] Na prática, - isto segundo o Oxford Islamic Studies - os pais costumam perguntar a sua filha se ela concorda com a escolha do cônjuge. .[29] O silêncio da mulher ou menina é interpretado como consentimento, " por causa da sua natural timidez"[31] A maioria dos países muçulmanos aprovou leis para evitar que o guardião obrigue sua filha a se casar. Além disso, os estilos de vida modernos estão substituindo o costume tradicional de casamentos organizados, à medida que homens e mulheres conhecem seus futuros amigos através de amigos mútuos, contato no local de trabalho ou na universidade, ou durante a viagem..[29]

O contrato de casamento geralmente estabelece o mahr que o futuro marido deve comprometer-se a validar legalmente o casamento. Alguns homens concordam em pagar o mahr em duas partes, a metade no momento do casamento e a outra metade em caso de divórcio ou a morte deles. Idealmente e por lei, o mahr se destina como um presente do noivo à noiva para que ela use como ela entender. Na prática, no entanto, algumas famílias recebem o mahr, e alguns maridos reservam para seu próprio uso.[29]

A idade do casamento no Islã para as mulheres varia entre as escolas de jurisprudência islâmica (Madhhab).[32] e conforme os países. Há uma forte crença entre alguns muçulmanos e estudiosos, baseada na Xaria, de que casar com uma menina com menos de 15 anos é uma prática aceitável para os muçulmanos. Muçulmanos no Iêmen, Arábia Saudita, Índia, Bangladesh, Paquistão, Indonésia, Egito, Nigéria, Irão e em outros lugares insistem que é seu direito islâmico se casar com menores.[33][34][35][36][37] Mortes das crianças acontecem por vezes, nas relações sexuais ou durante os partos, devido á desproporção de orgãos.[38][39] Aquando da revolução islâmica no Irão, Khomeini baixou imediatamente a data de casamento para as mulheres para os 9 anos de idade.[40]

De acordo com vários hádices, Maomé casou-se com Aixa, sua terceira esposa, quando tinha 6 anos de idade, e consumou o casamento quando atingiu a idade de 9. (Sahih Muslim Livro 008, números 3309, 3310. 3311; Livro 31 , número 5981; Sahih Bukhari volume 5:58:236; 5.58:234; volume 7, livro 62, números 6, 64,65, 88 e outros)[41]

Sivananthi Thanenthiran, da organização ARROW, salienta que o casamento precoce ocorre em uma época em que a maioria das vezes a mulher é considerada legalmente uma menor em muitos aspectos, exceto no facto de se poder casar.[42] A feminista muçulmana Mona Eltahawy comentaː "Falando sem rodeios, o casamento garante que uma mulher, depois de uma infância e juventude de obediência a seu pai, desloque essa obediência para o marido, para quem ela se torna uma fazedora de bebês e ama de leite dos seus filhos (pois as crianças pertencem essencialmente ao pai )".[43][44]

Endogamia[editar | editar código-fonte]

A endogamia é comum nos países islâmicos e é praticada há milhares de anos. A endogamia observada é principalmente de casamentos consangüíneos, onde a noiva e o noivo compartilham um avô biológico ou outro antepassado próximo. Os casamentos mais comuns observados são os casamentos de primos em primeiro grau, seguidos por casamentos de primos em segundo grau. Os casamentos endógamos consangüíneos são mais comuns para as mulheres nas comunidades muçulmanas do Oriente Médio, Norte da África e Ásia Central Islâmica. Cerca de 1 em cada 3 de todos os casamentos na Arábia Saudita, Irã e Paquistão são casamentos de primos em primeiro grau; enquanto que os casamentos endogâmicos consanguíneos totais excedem de 65 a 80% em várias populações islâmicas do Oriente Médio, Norte da África e Ásia Central Islâmica.[45][46]

O fenômeno de endogamia geralmente leva a uma diminuição da aptidão biológica de uma população conhecida como depressão de consanguinidade.[47] Os descendentes deste tipo de relações têm um maior risco de contrair determinadas doenças genéticas.[48]

Mulheres islâmicas na política[editar | editar código-fonte]

A paquistanesa Benazir Bhutto foi a primeira mulher eleita Primeiro-ministro de um país islâmico.

Alguns estudiosos clássicos do Islã, como Al-Tabari, apoiaram a liderança de mulheres.[49] Nos primórdios da história do Islã, mulheres desempenhavam um papel nos assuntos políticos. Contudo, este conceito não foi aplicado em todas as civilizações de crença islâmica. Uma imagem fortemente construída no Ocidente, ainda hoje, é de que as mulheres não possuem ou possuem reduzidos direitos políticos nos países muçulmanos. [carece de fontes?]

Um hádice no Sahih Bukhari relatado por Abu Bacra (não confundir com o califa Abacar) relata que Maomé teria afirmado que " nunca terá sucesso uma Nação que faz de uma mulher sua Rainha" ,[50] o que foi visto pelos estudiosos do Islã mais ortodoxos como uma justificação para as mulheres não poderem exercer liderança. Alguns juristas restringiram a proibição de modo que cobre apenas a posição de califa ou chefe de estado. Outros mantêm que as mulheres são proibidas de assumir qualquer papel de liderança, exceto entre mulheres ou dentro de estruturas reservada às mulheres (organizações, instituições, etc.).[51]

Em 1988, o Paquistão se tornou o primeiro Estado de maioria islâmica a possuir uma primeira-ministra. Nas décadas posteriores, um grande número de países de maioria islâmica, (como Indonésia, Paquistão, Bangladesh, Turquia e Quirguistão) foram ou têm sido governados por mulheres, o que não impede que as mulheres, em geral, nesses países, (a maior parte considerados os piores para se ser mulher[52][53] ), continuem a ser cidadãs de classe inferior.[54] Em 2002, aproximadamente um terço do Parlamento do Egito era constituído por mulheres. A feminista islâmica Fatima Sadiqi nota que o facto de haver mulheres na política raramente significa avanços nos direitos das mulheres.[55]

De acordo com o Xeque Zoubir Bouchikhi, imã da Sociedade Islâmica da Grande Houston (ISGH), não há preceito ou lei na prática islâmica que permita ou proíba o direito de voto às mulheres.[56] Sendo assim, mesmo que uma grande parte das nações islâmicas não gozem de democracia plena, os seus cidadãos são autorizados a votar periodicamente - incluindo as mulheres. As várias eleições que tiveram a participação de mulheres são indicativo de que as tradições e a interpretação da Lei islâmica variam em cada região. Por exemplo, o Azerbaijão permitiu o voto às mulheres em 1918, dois anos antes de ser permitido na União Soviética.[57] As mulheres turcas também obtiveram direito de voto nas eleições regionais e legislativas em 1930 e 1934, respectivamente.[58]

Muitos países de maioria islâmica têm aprovado leis que promovem o aumento de legisladoras em seus parlamentos. A Indonésia aprovou uma lei em 2013 que obriga os partidos políticos a possuírem 30% de candidatas nas eleições.[59][60] A Tunísia contou com cerca de 50% de candidatos do sexo feminino nas eleições de 2011 e 2014.[61][62] Em 2012, a Argélia definiu que o Parlamento deve reservar 30% dos assentos às candidatas.[63]

Líderes islâmicas[editar | editar código-fonte]

País Nome Cargo
 Afeganistão Fawzia Koofi Vice-presidente da Assembleia Nacional
 Bangladesh Khaleda Zia Primeira-ministra do Bangladesh
 Índia Megawati Sukarnoputri Presidente da Indonésia
Kosovo Atifete Jahjaga Presidente do Kosovo
Jordânia Rania da Jordânia Rainha Consorte da Jordânia
Paquistão Benazir Bhutto Primeira-ministra do Paquistão
Senegal Mame Madior Boye Primeira-ministra do Senegal
 Turquia Tansu Çiller Primeira-ministra da Turquia

Referências

  1. a b Motahhari, Morteza (1983). Jurisprudência e seus princípios (tradução livre), ISBN 0-940368-28-5
  2. Offenhauer, Priscilla (2005) Mulheres na Sociedade Islâmia. Biblioteca do Congresso.
  3. a b c d e f «Women (Mulher - em inglês)». Oxford Islamic Studies 
  4. Shari'ah: Lei familiar (poligamia) - Encyclopædia Britannica
  5. Eltahawy, Mona (23 de Abril de 2012). «Why Do They Hate Us?The real war on women is in the Middle East.». Foreign Policy 
  6. Women Embracing Islam: Gender and Conversion in the West. (2007) - Universidade do Texas em Austin
  7. Kamali, Mohammad Hashim. Principles of Islamic Jurisprudence, Cambridge: Islamic Text Society, 1991. ISBN 0-946621-24-1
  8. «Shari`ah and Fiqh». USC-MSA Compendium of Muslim Texts. University of Southern California. Consultado em 2 de outubro de 2017. Arquivado do original em 18 de setembro de 2008 
  9. «Alcorão 33:35 al-Aḥzāb». Quran.com  (Tradução de Samir El-Hayek)
  10. Nasr, Seyyed Hossein (2004). The Heart of Islam: Enduring Values for Humanity. [S.l.]: HarperOne. p. 125. ISBN 978-0-06-073064-2 
  11. Dr. Fathi Osman. «Muslim Women: the Family and Society» (em inglês). Omar Ibn Al-Khattab Foundation 
  12. «Alcorão 51:49 Adh-Dhariyat». Quran.com  (Tradução de Samir El-Hayek)
  13. a b Murata, Sachiko (1992). The Tao of Islam: A Sourcebook on Gender Relationships in Islamic Thought. [S.l.]: State University of New York Press. p. 14. ISBN 978-0-7914-0914-5 
  14. «The Quran -4:1 An Nisa (The women)». QuranX.com. Consultado em 8 de Janeiro de 2018 
  15. «Sahih Bukhari / Volume 1 / Book 6 / Hadith 301». QuranX. Consultado em 7 de Dezembro de 2018 
  16. Ufuk Gokcen (OCI). «Hope and dispair for women is islamic states». Consultado em 6 de agosto de 2014. Arquivado do original em 10 de dezembro de 2014 
  17. UNICEF. Investing in the Children of the Islamic World
  18. M. Steven Fish (2002). Islam and Authoritarianism, World Politics 55. p. 4-37
  19. Fórum Econômico Mundial (2013). «The Global Gender Rap» (PDF) 
  20. UNESCO (2012). «Adult and Youth Literacy» (PDF) 
  21. Encyclopedia of Islam & the Muslim World, Macmillan Reference. 2003. ISBN 978-0028656038
  22. Jawad Syed. An historical perspective on Islamic modesty and its implications for female employment, Equality, Diversity and Inclusion: An International Journal. 2010. p. 150-166.
  23. BBC News. Bangladesh bans enforced Islamic dress code. 22 de agosto de 2010.
  24. Ghafari, Salima (25 de Julho de 2005). «The Burqa: Prison or Protection? The oppressive Taleban regime is long gone, but many Afghan women are still afraid to abandon their burqas. ((A burca: prisão ou protecção? O regime opressor dos talibans acabou há nuito, mas muitas mulheres afegãs têm ainda medo de abandonar as suas burcas - em inglês)». Institute for War & Peace Reporting 
  25. The Guardian. France needs to start facing up to Islamophobia. 26 de julho de 2013.
  26. Idzikowski, Lisa (editora) (2018). Honor Killings (Cap 1 : The Difference Between Honor Killing and Domestic Violence, -por Phyllis Chesler). [S.l.]: Greenhaven Publishing. 24 páginas 
  27. «Egyptian girl shoots herself to death after refusing to wear hijab». Al Arabiya. 17 de Julho de 2013 
  28. Wattie, Chris (15 de Junho de 2010). «Dad charged after daughter killed in clash over hijab». National Post 
  29. a b c d e f «Marriage (Casamento - em inglês)». Oxford Islamic Studies 
  30. a b «Alcorão 30:21 Ar Rum». QuranX.com. Consultado em 28 de Setembro de 2017 
  31. «Forced marriages». IslamWeb.net. 13 de Outubro de 2015 
  32. Büchler, Andrea; Schlatter, Christina (2013). «Marriage Age in Islamic and Contemporary Muslim Family Laws: A Comparative Survey» (PDF). Electronic Journal of Islamic and Middle Eastern Law. 1. University of Zurich. ISSN 1664-5707 
  33. A.A. Ali, Child Marriage in Islamic Law, The Institute of Islamic Studies, McGill University (Canada), August 2000; see pages 16-18
  34. Saudi judge refuses to annul 8-year-old's marriage, CNN World, April 12, 2009
  35. "How Come You Allow Little Girls to Get Married?" - Child Marriage in Yemen Human Rights Watch, (2011); pages 15-23
  36. YEMEN: Deep divisions over child brides IRIN, United Nations News Service, (March 28, 2010)
  37. «Top Saudi cleric: OK for young girls to wed». CNN. 17 de janeiro de 2009 
  38. Ghobari, Mohammed, e outro (10 de Setembro de 2013). «Child bride in Yemen dies of internal bleeding on wedding night (Noiva criança no Iémen morre de hemorragia interna na noite de núpcias) - em inglês». Reuters 
  39. Mail Foreign Service (6 de Março de 2016). «Child bride, 13, dies of internal injuries four days after arranged marriage in Yemen (Noiva criança, 13, morre de lesões internas após casamento arranjado no Iémen - em inglês)». DailyMail 
  40. Sawma, Gabriel (16 de Outubro de 2014). «THE LAW OF MARRIAGE IN IRAN». Iranian Divorce In USA. Consultado em 25 de janeiro de 2018. Arquivado do original em 26 de janeiro de 2018 
  41. «Sahih Bukhari, Volume 7, Book 62, Number 64». muflihun.com. Narrated 'Aisha: that the Prophet married her when she was six years old and he consummated his marriage when she was nine years old, and then she remained with him for nine years (i.e., till his death) 
  42. Thanenthiran, Sivananthi (30 de Novembro de 2015). «Early Marriage is Violence Against Women and Girls». ARROW 
  43. Eltahawy, Mona (2015). Headscarves and Hymensː Why The Middle East Needs a Sexual Revolution. [S.l.]: Harper Collins. 240 páginas 
  44. Rozenberg, Joshua (22 de Outubro de 2008). «Law lords say sharia is 'arbitrary and discriminatory'». The Telegraph 
  45. «Doha Debates - Consanguineous marriage: Should it be discouraged? (Debates em Doha - Casamento consanguíneo: Deveré ser desencorajado? - em inglês)». Middle East Health Magazine. 20 de Junho de 2012 
  46. Hamamy, Hanan. «Consanguineous marriages in the Arab World». Scribd. Consultado em 8 de Julho de 2018 
  47. Farred (e outro), Mohd (11 de Agosto de 2014). «Evidence of inbreeding depression on height, weight, and body mass index: A population-based child cohort study (Evidência de depressão consanguínea na altura, peso e índice de massa corporal: Estudo de coorte na população infantil - em inglês)». Wiley OnLine Library 
  48. Medicine Chest (n/d). «Marriage between cousins increases risks to children (Casamento de primos aumenta os riscos para as crianças - em inglês)». Medicine Chest 
  49. Roald, Anne Sofie (2001). Women in Islam: The Western Experience. [S.l.]: Psychology Press. pp. 186–187. ISBN 0415248957 
  50. Bakra, Abu. «Sahih Bukhari, Volume 9, Book 88, Number 219». muflihun.com. Narrated Abu Bakra: During the battle of Al-Jamal, Allah benefited me with a Word (I heard from the Prophet). When the Prophet heard the news that the people of the Persia had made the daughter of Khosrau their Queen (ruler), he said, "Never will succeed such a nation as makes a woman their ruler." 
  51. Farooq, Mohammad Omar (2013). Toward Our Reformation from Legalism to Value-oriented Islamic Law and Jurisprudence. [S.l.]: International Institute of Islamic Thought. pp. 129–130. ISBN 1565643712 
  52. Shah, Saeed (14 de Junho de 2011). «The worst places in the world for women: Pakistan». The Guardian 
  53. «Physical Security of Women». Woman Stats Project. 2014 
  54. Namazie, Maryam. «Gender apartheid is an Islamist demand (O apartheid de género é uma exigência islamista - em inglês)». Fitnah! -Movement for Women’s Liberation. Consultado em 26 de Maio de 2018 
  55. Sadiqi, Fatima (2016). Women’s Movements in Post-“Arab Spring” North Africa. [S.l.]: Palgrave MacMillan. 36 páginas 
  56. «Islam Online.net». Consultado em 17 de novembro de 2018. Arquivado do original em 23 de novembro de 2006 
  57. The European Azerbaijan Society. US Library of Congress recalls Azerbaijani women's suffrage Arquivado em 15 de julho de 2014, no Wayback Machine.. 27 de julho de 2011
  58. Kandiyoti e Kandiyoti. Emancipated but unliberated? Reflections on the Turkish case, Feminist studies. 1987.
  59. BBC News. Female quotas for Indonesia poll. 19 de fevereiro de 2003.
  60. Bloomberg. Indonesia Penalizes Parties in Fight for Women. 16 de julho de 2013.
  61. BBC News. Tunisia's Ennahda and Ettakattol women MPs celebrate. 28 de janeiro de 2014.
  62. France 24. Tunisia passes landmark election law for November vote. 2 de maio de 2014
  63. Bachelet, Michelle. ONU Mulheres. UN Women welcomes increased number of women in Algeria’s Parliament. 16 de maio de 2012.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre o Islamismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.