Alá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Alá ou Allah (em árabe: Loudspeaker.svg? الله, transl. Allāh, AFI[ʔalˤːɑːh]) é a palavra utilizada no árabe para designar Deus (al ilāh, literalmente "O Deus").[1] A palavra possui cognatos em outras línguas semíticas, tais como Elah em aramaico, ʾĒl em canaanita e Elohim em hebraico.[2][3]

Embora o termo seja mais conhecido no Ocidente devido ao seu uso pelos muçulmanos para se referir a Deus no Islã, é utilizado pelos falantes do árabe de todas as fés abraâmicas, incluindo judeus e cristãos, para se referir à divindade monoteística.[1][4][2] Os cristãos árabes utilizam o termo antes mesmo do advento do Islã.[5] Também é utilizado, embora não exclusivamente, por babistas, bahá'ís, cristãos indonésios e malteses e judeus mizrahim.[2][1][4] Cristãos e sikhs da Malásia Peninsular também têm usado a palavra para se referir a Deus. Isto tem causado controvérsia política e legal, já que há leis no país proibindo o uso da palavra por não-muçulmanos.[6][7][8][9]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O termo Allāh é derivado de uma contração do artigo definido al- ("o") com ilāh ("divindade", "deus").[10] Cognatos da palavra "Allāh" existem em outras línguas semíticas, tais como hebraico e aramaico.[11] A forma correspondente em aramaico é Elah (אלה), mas sua forma enfática é Elaha (אלהא). É escrita como ܐܠܗܐ (ʼĔlāhā) no aramaico bíblico e ܐܲܠܵܗܵܐ (ʼAlâhâ) no siríaco conforme utilizado pela Igreja Assíria, ambos significando apenas "Deus".[12] O hebraico bíblico utiliza a formal plural (com sentido singular) Elohim (אלהים), mas também raramente usa a forma singular Eloah (אלוהּ). Na escritura sikh de Guru Granth Sahib, o termo Allah (Punjabi: ਅਲਹੁ) é usado 37 vezes.[13]

O termo também era utilizado pelos habitantes pagãos politeístas de Meca (na atual Arábia Saudita), em referência a um deus criador, possivelmente a divindade suprema na Arábia pré-islâmica.[10][14]

Allah é o único, onipotente e única divindade e criador do universo e é equivalente ao Deus das religiões abraâmicas.[1][4] Há tanto similaridades quanto diferenças ao conceito de Deus apresentado no Corão e na Bíblia hebraica.[15] Também foi aplicado a certos seres humanos vivos como personificações do termo e do conceito.[16][17]

Há um caractere no Unicode para a palavra Allāh, ﷲ com code point U+FDF2.[18] Diversas fontes em árabe contam com ligaduras especiais próprias para o nome.[19]

Utilização[editar | editar código-fonte]

Na Arábia pré-islâmica[editar | editar código-fonte]

Na Arábia pré-islâmica, incluindo a região de Meca, Allah era provavelmente um termo utilizado pelos árabes politeístas para se referenciar a um deus criador ou à entidade suprema do panteão deles.[10][20] É possível que o termo não fosse utilizado para se referir a uma única divindade como no Islã. O termo pode ter tido noção vaga na religião então praticada em Meca.[10][21] O nome do pai de Maomé era ʿAbd-Allāh, que significava "servo de Alá".[21] Os árabes cristãos, judeus e monoteístas pré-islâmicos (Hanifs) utilizaram a palavra "Alá" e o termo Bismillah ("em nome de Alá") para se referir à entidade suprema deles em inscrições em pedras séculos antes do advento do Islã.[22]

No judaísmo[editar | editar código-fonte]

Uma vez que o hebraico e o árabe são línguas semíticas próximas, é comumente aceito que Alá e o termo bíblico Elohim são derivações cognatas de mesma origem, assim como Eloah, palavras hebraicas usadas para significar "o Deus" e "deuses", respectivamente. Elohim e Eloah derivam da raiz El ("forte"), provavelmente oriundo do genérico ʾĒl ("deus"), contraído com o ugarítico ’lhm (apenas consoantes), que significaria "filhos de El".[3] Nas escrituras judaicas, Elohim é utilizado como um título descritivo para Deus, cujo nome pessoal é YHWH, Elohim também é utilizado para se referir aos deuses pagãos.[3]

No cristianismo[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Deus no cristianismo

A palavra em aramaico para "Deus", utilizada pelos assírios, é ʼĔlāhā ou Alaha. Os falantes de árabe das religiões abraâmicas, como cristãos e judeus, usam a palavra Alá para se referir a Deus.[2] Os árabes cristãos da atualidade não possuem outra palavra se não Alá para se referir a Deus.[23] Eles usam o termo Allāh al-ab (الله الأب) para Deus-pai, Allāh al-ibn (الله الابن) para Deus-filho e Allāh al-rūḥ al-quds (الله الروح القدس) para Deus-Espírito Santo. Até mesmo na língua maltesa, de origem árabe, falada quase que exclusivamente por católicos, a palavra Alá (Alla) é utilizada para se referir a Deus.

Os árabes cristãos tem utilizado duas formas de invocação que foram afixadas no início de suas obras escritas. Eles adotaram o conceito muçulmano de bismillāh e criaram seu próprio bismillāh trinitarizado no início do século VIII.[24] O bismillāh muçulmano se traduz para "Em nome de Deus, o clemente, o misericordioso". O bismillāh trinitarizado se traduz para "Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, Um Deus". As invocações em siríaco, latim e grego não incluem as palavras "Um Deus" no final. Esta adição foi acrescentada para enfatizar o aspecto monoteísta da crença na Trindade e também para torná-la mais palatável aos muçulmanos.[24]

Segundo Marshall Hodgson, parece que em tempos pré-islâmicos alguns árabes cristãos faziam peregrinações à Caaba, à época um templo pagão, para honrar Alá como Deus criador do universo.[25] Algumas escavações arqueológicas levaram à descoberta de inscrições pré-islâmicas e túmulos feitos por cristãos falantes de árabe nas ruínas de uma igreja em Umm el-Jimal, no norte da Jordânia, contendo referências a Alá como o Deus cristão; alguns túmulos traziam a inscrição Abd Allah, que significa "servo de Alá".[26][27][28]

O termo Alá pode ser encontrado diversas vezes nas listas de mártires cristãos na Arábia, conforme indicado por antigos documentos siríacos com os nomes dos mártires da era dos reinos Himiarita e Axum.[29][30] Um líder cristão chamado Abd Allah ibn Abu Bakr ibn Muhammad foi martirizado em Najran em 523; ele usava um anel que dizia "Alá é o meu Senhor".[29][31] Numa inscrição de martírio cristão datada de 512, referências a Alá são encontradas tanto em árabe quanto aramaico; ela se inicia com a seguinte declaração: "Com a ajuda de Alá ...".[29][32][33]

Nos Evangelhos pré-islâmicos, o nome usado para Deus era Alá, conforme evidenciado pela descoberta de algumas versões do Novo Testamento em árabe no norte e no sul da Península arábica.[34][35][36] Os árabes cristãos do período pré-islâmico teriam como grito de guerra "Ya La Ibad Allah" ("Ó servos de Alá") para convocar uns aos outros para a batalha.[37] A palavra Alá também foi utilizada em poemas de poetas cristãos pré-islâmicos na Síria e no norte da Arábia.[38][39][40]

No Islã[editar | editar código-fonte]

Alá em caligrafia árabe.

Segundo a crença islâmica, Alá é o nome próprio de Deus[41] e a submissão humilde a sua vontade, ordens e mandamentos é o pivô da fé muçulmana.[1] Segundo o Corão, "ele é o único Deus, criador do universo e juiz da humanidade".[1][4] "Ele é único (wāḥid) e inerentemente uno (aḥad), todo piedoso e onipotente".[1] O Corão declara "a realidade de Alá, seu mistério inacessível, seus vários nomes e suas ações em nome de suas criaturas".[1]

Na tradição islâmica, Deus tem 99 nomes (al-asmā’ al-ḥusná, literalmente "os melhores nomes" ou "os nomes mais bonitos"), cada um do qual evoca uma característica distinta de Alá.[4][42] Todos eles se referem ao mesmo Deus, o supremo e todo-abrangente Alá.[43] Entre os 99 nomes de Deus, os mais famosos e utilizados incluem "o misericordioso" (al-Raḥmān) e "o compassivo" (al-Raḥīm).[4][42] Algumas tradições afirmam que existe um centésimo nome que seria o próprio nome de Deus, ou seja, Alá.[44]

A maioria dos muçulmanos usam a frase em árabe in shā’ Allāh ("se Deus quiser") em referência a eventos futuros.[45] As devoções discursivas muçulmanas começam com a invocação da bismillāh, traduzida como "em nome de Deus".[46] Algumas frases de louvor a Deus são preferidas pelos muçulmanos, tais como Subḥān Allāh ("Sagrado seja Deus"), al-ḥamdu lillāh ("Louvado seja Deus"), lā ilāha illā Allāh ("Não há outra divindade além de Deus") e Allāhu akbar ("Maior é Deus") como forma de exercício devocional em memória de Deus (dhikr).[47] Numa prática sufita conhecida como dhikr Allah ("em memória de Deus"), o sufita repete e contempla o nome (ou os nomes) de Alá enquanto controla sua respiração.[48]

Maomé teria utilizado o termo Alá ao debater com árabes pagãos, judeus e cristãos, como forma de estabelecer um entendimento mútuo para o nome de Deus. Gerhard Böwering, no entanto, duvida dessa afirmação.[41] Para ele, ao contrário do politeísmo árabe pré-islâmico, Deus no Islã não está associado a nenhuma outra divindade, assim como não há afinidades entre Alá e jinn.[41] Os árabes pré-islâmicos acreditavam num destino cego, poderoso, inexorável e insensível sobre a qual o homem não tinha controle. Isso foi substituído pela noção islâmica de um Deus poderoso, mas providente e misericordioso.[1] Segundo Francis Edwards Peters, "o Corão sustenta, os muçulmanos acreditam e os historiadores afirmam que Maomé e seus seguidores veneram o mesmo Deus dos judeus. O Alá do Corão é o mesmo Deus criador que fez a aliança com Abraão". No entanto, o Corão retrata Alá como mais poderoso e mais remoto do que YHWH, que segue de perto os israelitas.[15]

Como palavra incorporada nos idiomas[editar | editar código-fonte]

Línguas europeias[editar | editar código-fonte]

Algumas línguas que geralmente não usam o termo Alá para se referir a Deus contêm expressões populares que incorporam a palavra. Por exemplo, as palavras ojalá em espanhol e oxalá em português, emprestadas do árabe إن شاء الله.[49] A palavra significa, literalmente, "se Deus quiser", no sentido de "assim espero". Isso se deu devido à presença muçulmana na Península Ibérica. O poeta alemão Mahlmann foi um dos pioneiros a utilizar o termo Alá na literatura alemã, embora permanece pouco claro se ele pretendia transmitir o pensamento islâmico. Em inglês, o termo começou a ser utilizado nos estudos de religião comparada no século XIX. Alguns anglo-muçulmanos utilizam a palavra "Alá" sem traduzi-la para inglês.[50]

Línguas malaia e indonésia[editar | editar código-fonte]

Os cristãos na Malásia e na Indonésia usam a palavra Alá para se referir a Deus em malaio e indonésio. A maioria das traduções da Bíblia traduzem o termo hebraico Elohim para Alá.[51] Isso remonta às traduções feitas por Francisco Xavier no século XVI.[52][53] O primeiro dicionário de holandês-malaio, escrito por Albert Cornelius Ruyl, Justus Heurnius e Caspar Wiltens em 1650 traziam Alá como tradução para a palavra holandesa "Godt" ("Deus").[54] Ruyl também traduziu o Evangelho de Mateus em 1612 para o malaio (primeira tradução da Bíblia para uma língua não-europeia, um ano após a Versão do Rei Jaime),[55][56] impressa na Holanda em 1629. Depois ele traduziu o Evangelho de Marcos, publicado em 1638.[57][58]

Em 2007, no entanto, o governo da Malásia criminalizou o uso da palavra Alá por não-muçulmanos. Dois anos depois, no entanto, a Suprema Corte da Malásia revogou a lei, considerando-a inconstitucional. Embora a palavra tivesse sido usada por cristãos no país por mais de quatro séculos, a controvérsia começou após o jornal católico The Herald utilizá-la. O governo acabou recorrendo da decisão do tribunal e a Suprema Corte segurou seu veredito até o julgamento do recurso. Em outubro de 2013, o tribunal acabou mantendo a censura do governo.[59] No início de 2014, o governo malaio confiscou mais de 300 bíblias devido á utilização do termo num contexto cristão.[60] No entanto, o uso da palavra Alá por cristãos não é proibido nos estados de Sabah e Sarawak.[61][62] A razão principal para a não-proibição nesses dois estados é que eles não são regidos pela lei islâmica, assim como aqueles da Malásia Peninsular.[9]

Em outras línguas[editar | editar código-fonte]

Em outras línguas, Alá é soletrado da mesma forma:

Tipografia[editar | editar código-fonte]

A palavra Alá nos diferentes alfabetos.

A palavra Allāh é quase sempre escrita sem o álef na segunda vogal (ā). Isso se dá devido ao fato de que ela começou a ser utilizada antes da gramática árabe começar a utilizar o sinal para indicar a tonicidade das palavras. Em português, asturiano, galego e espanhol, no entanto, a última vogal recebe um acento para indicar sua tonicidade.[63]

Unicode[editar | editar código-fonte]

O Unicode possui um code point reservado para a palavra Allāh ﷲ‎ = U+FDF2, no bloco de apresentações árabes A,[64] cujo uso é desencorajado atualmente. Ao invés disso, a palavra Allāh deve ser representada por suas letras individuais em árabe, que irão automaticamente transformá-la na ligadura desejada. A variação caligráfica da palavra, usada como Brasão de armas do Irã está presente no Unicode, na seção de símbolos miscelâneos, no code point U+262B ().[carece de fontes?]

Referências

  1. a b c d e f g h i "Allah." Encyclopædia Britannica. 2007.
  2. a b c d Allah, Columbia Encyclopedia
  3. a b c Brown, Francis; Driver, S.R.; Briggs, Charles. A. Hebrew and English Lexicon (Peabody, Massachusetts: Hendricksen). p. 41, entry 410 1.b. ISBN 9781565632066. 
  4. a b c d e f Allah, Encyclopedia of the Modern Middle East and North Africa
  5. Rick Brown, "Who was 'Allah' before Islam? Evidence that the term 'Allah' originated with Jewish and Christian Arabs" (2007), página 8.
  6. Sikhs target of 'Allah' attack, Julia Zappei, 14 de janeiro de 2010, The New Zealand Herald.
  7. Malaysia court rules non-Muslims can't use 'Allah', 14 de outubro de 2013, The New Zealand Herald.
  8. Malaysia's Islamic authorities seize Bibles as Allah row deepens, Niluksi Koswanage, 2 de janeiro de 2014, Reuters. Arquivado em 16-01-2014 no Wayback Machine
  9. a b Idris Jala (24 February 2014). «The 'Allah'/Bible issue, 10-point solution is key to managing the polarity». The Star. Arquivado desde o original em 25 June 2014. Consultado em 25 June 2014. 
  10. a b c d L. Gardet, "Allah", Encyclopedia of Islam
  11. Segundo a Columbia Encyclopaedia: "Derivada de uma antiga raiz semítica referindo-se ao Divino e usada no canaanita, El, no mesopotâmico, ilu, e no bíblico, Elohim e Eloah, a palavra Allah é usada por todos os muçulmanos, cristãos, judeus e outros monoteístas que falam árabe.
  12. The Comprehensive Aramaic Lexicon – Entry for ʼlh Arquivado em 18-10-2013 no Wayback Machine
  13. Sri Granth. Arquivado em 11-01-2014 no Wayback Machine
  14. Smith, Peter (2000). «prayer». A concise encyclopedia of the Bahá'í Faith. Oxford: Oneworld Publications. pp. 274–275. ISBN 978-1-85168-184-6. 
  15. a b F.E. Peters, Islam, p.4, Princeton University Press, 2003
  16. Nation of Islam – personification of Allah as Detroit peddler W D Fard Arquivado em 13-08-2013 no Wayback Machine
  17. «A history of Clarence 13X and the Five Percenters, referring to Clarence Smith as Allah». Finalcall.com. Arquivado desde o original em 2013-10-22. Consultado em 2014-01-14. 
  18. Unicode Standard 5.0, p.479,492
  19. Zeki Saritopak, Allah, The Qu'ran: An Encyclopedia, ed. by Oliver Leaman, p. 34
  20. a b Gerhard Böwering, God and his Attributes, Encyclopedia of the Qur'an, ed. Jane Dammen McAuliffe
  21. Hitti, Philip Khouri (2002-09-06). History of the Arabs (Basingstoke: Palgrave Macmillan). p. 800. ISBN 9780333631423. 
  22. Lewis, Bernard; Holt, P. M.; Holt, Peter R.; Lambton, Ann Katherine Swynford (1977). The Cambridge history of Islam (Cambridge, Eng: University Press). p. 32. ISBN 978-0-521-29135-4. 
  23. a b Thomas E. Burman, Religious Polemic and the Intellectual History of the Mozarabs, Brill, 1994, p. 103
  24. Marshall G. S. Hodgson, The Venture of Islam: Conscience and History in a World Civilization, University of Chicago Press, p. 156
  25. James Bellamy, "Two Pre-Islamic Arabic Inscriptions Revised: Jabal Ramm and Umm al-Jimal", Journal of the American Oriental Society, 108/3 (1988)
  26. Enno Littmann, Arabic Inscriptions (Leiden, 1949)
  27. Rick Brown, Who is "Allah" ? - International Journal of Frontier Missions, (23:2 Summer 2006), page 80.
  28. a b c Rick Brown, Who was 'Allah' before Islam? Evidence that the term 'Allah' originated with Jewish and Christian Arabs (2007), page 8.
  29. Ignatius Ya`qub III, The Arab Himyarite Martyrs in the Syriac Documents (1966), Pages: 9-65-66-89
  30. Alfred Guillaume& Muhammad Ibn Ishaq, (2002 [1955]). The Life of Muhammad: A Translation of Isḥāq's Sīrat Rasūl Allāh with Introduction and Notes. Karachi and New York: Oxford University Press, page 18.
  31. Adolf Grohmann, Arabische Paläographie II: Das Schriftwesen und die Lapidarschrift (1971), Wien: Hermann Böhlaus Nochfolger, Page: 6-8
  32. Beatrice Gruendler, The Development of the Arabic Scripts: From the Nabatean Era to the First Islamic Century according to Dated Texts (1993), Atlanta: Scholars Press, Page:
  33. Rick Brown, Who was 'Allah' before Islam? Evidence that the term 'Allah' originated with Jewish and Christian Arabs (2007), page 10.
  34. Frederick Winnett V, Allah before Islam-The Moslem World (1938), Pages: 239–248
  35. Michael Macdonald, Personal Names in the Nabataean Realm-Journal Of Semitic Studies (1999), Page: 271
  36. Irfan Shahîd, Byzantium and the Arabs in the Fourth Century, Dumbarton Oaks Trustees for Harvard University-Washington DC, page 418.
  37. Irfan Shahîd, Byzantium and the Arabs in the Fourth Century, Dumbarton Oaks Trustees for Harvard University-Washington DC, Page: 452
  38. A. Amin and A. Harun, Sharh Diwan Al-Hamasa (Cairo, 1951), Vol. 1, Pages: 478-480
  39. Al-Marzubani, Mu'jam Ash-Shu'araa, Page: 302
  40. a b c Böwering, Gerhard, God and His Attributes, Encyclopaedia of the Qurʼān, Brill, 2007.
  41. a b Bentley, David (September 1999). The 99 Beautiful Names for God for All the People of the Book William Carey Library [S.l.] ISBN 978-0-87808-299-5. 
  42. Murata, Sachiko (1992). The Tao of Islam : a sourcebook on gender relationships in Islamic thought (Albany NY USA: SUNY). ISBN 978-0-7914-0914-5. 
  43. «Os 99 atributos». www.teachislam.com. Consultado em 13 de agosto de 2008. 
  44. Gary S. Gregg, The Middle East: A Cultural Psychology, Oxford University Press, p.30
  45. Carolyn Fluehr-Lobban, Islamic Society in Practice, University Press of Florida, p. 24
  46. M. Mukarram Ahmed, Muzaffar Husain Syed, Encyclopaedia of Islam, Anmol Publications PVT. LTD, p. 144
  47. Carl W. Ernst, Bruce B. Lawrence, Sufi Martyrs of Love: The Chishti Order in South Asia and Beyond, Macmillan, p. 29
  48. Islam in Luce López Baralt, Spanish Literature: From the Middle Ages to the Present, Brill, 1992, p.25
  49. F. E. Peters, The Monotheists: Jews, Christians, and Muslims in Conflict and Competition, Princeton University Press, p.12
  50. Utilização da palavra "Alá" em Mateus 22:32 em Bíblia indonésia de 1733 Arquivado em 19-10-2013 no Wayback Machine
  51. The Indonesian Language: Its History and Role in Modern Society Sneddon, James M.; University of New South Wales Press; 2004
  52. The History of Christianity in India from the Commencement of the Christian Era: Hough, James; Adamant Media Corporation; 2001
  53. Justus Heurnius, Albert Ruyl, Caspar Wiltens. "Vocabularium ofte Woordenboeck nae ordre van den alphabeth, in 't Duytsch en Maleys". 1650:65 Books.google.co.id [S.l.] Arquivado desde o original em 2013-10-22. Consultado em 2014-01-14. 
  54. Barton, John (2002–12). The Biblical World, Oxford, UK: Routledge. ISBN 978-0-415-27574-3.
  55. North, Eric McCoy; Eugene Albert Nida ((2nd Edition) 1972). The Book of a Thousand Tongues, London: United Bible Societies.
  56. Biography of Ruyl
  57. «Encyclopædia Britannica: Albert Cornelius Ruyl». Britannica.com. Arquivado desde o original em 2013-10-19. Consultado em 2014-01-14. 
  58. Roughneen, Simon (14 October 2013). «No more 'Allah' for Christians, Malaysian court says». The Christian Science Monitor [S.l.: s.n.] Consultado em 14 October 2013. 
  59. «BBC News - More than 300 Bibles are confiscated in Malaysia». BBC. 2 January 2014. Arquivado desde o original em 25 January 2014. Consultado em 14 January 2014. 
  60. «Catholic priest should respect court: Mahathir». Daily Express. 9 January 2014. Arquivado desde o original em 10 January 2014. Consultado em 10 January 2014. 
  61. Jane Moh and Peter Sibon (29 March 2014). «Worship without hindrance». The Borneo Post. Arquivado desde o original em 29 March 2014. Consultado em 29 March 2014. 
  62. Verbete "Alá" no Wikcionário. Página visitada em 5 de janeiro de 2016.
  63. The Unicode Consortium. FAQ - Middle East Scripts Arquivado em 01-10-2013 no Wayback Machine
Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikcionário Definições no Wikcionário
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Imagens e media no Commons

Ligações externas[editar | editar código-fonte]