Feminismo cristão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Feminismo cristão é um aspecto da teologia feminista que visa o avanço e a compreensão da igualdade entre homens e mulheres moralmente, socialmente, espiritualmente e a partir de uma perspectiva cristã, surgindo a partir do Marianismo católico medieval "contra as culturas semitas machistas, extrativistas, escravistas e dominadoras".[1][2] As feministas cristãs, que tiveram Kathleen Bliss como sua pioneira,[3] argumentam que a luta por parte das mulheres na direção da igualdade é necessária para uma completa compreensão do cristianismo.[4] Elas acreditam que Deus não discrimina com base em características biologicamente determinadas, como sexo.[5] As principais questões incluem a ordenação de mulheres, a dominação masculina no casamento cristão, o reconhecimento de habilidades espirituais e morais em igualdade, direitos reprodutivos e a busca por um divino feminino ou transcendente ao gênero.[6][7][8][9] As feministas cristãs, muitas vezes aproveitam os ensinamentos de outras religiões e ideologias, além de referências bíblicas.[10]

O termo "igualitarismo cristão" é muitas vezes preferido por aqueles que defendem a igualdade e equidade de gênero entre os cristãos e que não desejam associar-se com o movimento feminista.[11]

História[editar | editar código-fonte]

Algumas feministas cristãs acreditam que o princípio do igualitarismo estava presente nos ensinamentos de Jesus e nos primeiros movimentos cristãos como o marianismo,[12] mas essa é uma visão altamente contestada por muitas estudiosas feministas que acreditam que o próprio cristianismo depende muito dos papéis de gênero.[13] Essas interpretações das origens cristãs foram criticadas por feministas seculares por "projetar anacronicamente ideais contemporâneos de volta ao primeiro século".[14] Na Idade Média, Juliana de Norwich e Hildegard de Bingen exploraram a ideia de um poder divino com características masculinas e femininas.[15][16] As obras feministas dos séculos XV a XVII abordaram objeções às mulheres que aprendem, ensinam e pregam em um contexto religioso.[17] Uma dessas protofeminista foi Anne Hutchinson, expulsa da colônia puritana de Massachusetts por ensinar sobre a dignidade e os direitos das mulheres.[18][19]

A primeira onda do feminismo no século XIX e no início do século XX incluiu um crescente interesse no lugar das mulheres na religião.[20] As mulheres que estavam em campanha por seus direitos começaram a questionar sua inferioridade dentro da igreja e em outras esferas, que haviam sido previamente justificadas pelos ensinamentos da igreja.[21] Algumas feministas cristãs desse período foram Marie Maugeret, Katharine Bushnell, Catherine Booth, Frances Willard e Elizabeth Cady Stanton.

Durante as décadas de 1960 e 1970, muitas mulheres evangélicas foram influenciadas pelo movimento dos direitos civis.[22] As feministas cristãs começaram a escrever e publicar artigos que abordavam direitos reprodutivos, assim como desigualdade no casamento e na hierarquia religiosa.[23] Em resposta a esses artigos, grupos como o Evangelical Women's Caucus e a Evangelicals for Societal Action foram formados para criar um movimento social na igreja em direção à igualdade, motivado pelo ideal feminista cristão que Deus criou. todas as pessoas como iguais.[24]

Questões[editar | editar código-fonte]

Mulheres na liderança da igreja[editar | editar código-fonte]

Katharine Jefferts Schori foi eleita em 2006 como a primeira Bispo Presidente na história da Igreja Episcopal e também a primeira primaz na Comunhão Anglicana.[25]

A divisão dos sistemas de crenças protestantes em diferentes seitas permitiu que as mulheres adquirissem muito mais posições de liderança na igreja, pois certas seitas tinham a liberdade de advogar pela liderança feminina.[26] Nos ramos principal e liberal do cristianismo protestante, as mulheres são ordenadas como clérigos. Mesmo algumas denominações teologicamente conservadoras, como a Igreja do Nazareno[27] e Assembleias de Deus,[28] ordenam as mulheres como pastoras. No entanto, a Igreja Católica Romana, a Igreja Ortodoxa Oriental, a Convenção Batista do Sul (a maior denominação protestante nos Estados Unidos),[29] bem como A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (Igreja SUD), e muitas igrejas no movimento evangélico americano proíbe as mulheres de entrar em posições administrativas.[30] Algumas feministas cristãs acreditam que, como as mulheres têm maior oportunidade de receber treinamento teológico, elas terão maior influência sobre como as escrituras são interpretadas por aquelas que negam às mulheres o direito de se tornarem ministras.[31]

Reprodução, sexualidade e religião[editar | editar código-fonte]

Grupos religiosos conservadores geralmente estão em desacordo filosófico com muitos grupos religiosos feministas e liberais sobre o aborto e o uso de métodos de controle de natalidade. Estudiosos como o sociólogo Flann Campbell argumentaram que denominações religiosas conservadoras tendem a restringir a sexualidade masculina e feminina[32][33] proibindo ou limitando o uso do controle de natalidade[34] e condenando o aborto como um "assassinato pecaminoso".[35][36] Algumas feministas cristãs (como Teresa Forcades) afirmam que o "direito de uma mulher controlar sua gravidez é limitado por considerações de seu próprio bem-estar" e que o acesso restrito ao controle de natalidade e ao aborto desrespeita seu livre arbítrio dado por Deus.[37]

Várias denominações protestantes socialmente progressistas, bem como certas organizações judaicas e o grupo de católicos pela livre escolha formaram a Coalizão Religiosa pela Escolha Reprodutiva,[38] que frequentemente trabalha como uma organização feminista liberal e em conjunto com outros grupos feministas americanos para se opor a denominações religiosas conservadoras que, de sua perspectiva, procuram suprimir os direitos reprodutivos naturais das mulheres.[39]

Em geral, muitos estudiosos feministas cristãos esperam trabalhar em direção a uma sociedade em que a sexualidade feminina não seja condenada pela igreja, mas reconhecida como parte natural da existência humana.[40] Durante a Reforma, teólogos reconhecidos como Martinho Lutero e João Calvino enfatizaram a importância da castidade e do casamento, levando a uma repressão ainda maior da sexualidade feminina dentro da tradição cristã.[41] Muitas feministas cristãs declararam que homens em poderosas posições religiosas costumam usar as escrituras e os ensinamentos de teólogos como Calvino e Lutero para dominar e reprimir sexualmente as mulheres, um problema que as feministas cristãs acreditam que precisa ser resolvido imediatamente.[42]

Deus feminino ou transcendente ao gênero[editar | editar código-fonte]

Representação do nascimento de Cristo centrada no feminino.

Algumas feministas cristãs acreditam que a igualdade de gênero dentro da igreja não pode ser alcançada sem repensar o retrato e o entendimento de Deus como um ser masculino.[43] O conceito teológico de Sofia, geralmente visto como substituto ou sinônimo do Espírito Santo na Trindade, é frequentemente usado para satisfazer esse desejo de símbolos que refletem as experiências religiosas das mulheres.[44] A definição de Sofia não é estática, mas geralmente cheia de emoções e expressões individuais.[45] Para algumas feministas cristãs, o conceito de Sofia é encontrado em uma busca por mulheres que refletem os ideais feministas contemporâneos no Antigo e no Novo Testamento. Algumas figuras usadas para esse fim incluem a Virgem Maria, Maria Madalena,[46] Eva[47] e Ester.[48] Outras veem Deus como inteiramente transcendente ao gênero,[49] ou se concentram nos aspectos femininos de Deus e Jesus.[50] Uma representação feminina da figura de Cristo, conhecida como Christa, surgiu recentemente em uma tentativa de permitir que o poder da figura de Cristo fosse aplicado tanto ao masculino quanto ao feminino.[51] Algumas feministas cristãs usam e promovem linguagem e imagens neutras ou femininas em gênero para descrever Deus ou Cristo. As feministas cristãs também pedem uma leitura neutra em termos de gênero da Bíblia, pois os pronomes masculinos são muito usados ​​em comparação com os pronomes femininos em todo o texto.[52] A Igreja Unida de Cristo descreve seu Hinário do Novo Século, publicado em 1995, como "o único hinário lançado por uma igreja cristã que honra em igual medida as imagens de Deus masculinas e femininas".[53]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Universidade Federal da Bahia: Mariana Cardoso Carvalho | Gênero | Etnia, raça e gênero». Scribd. Consultado em 10 de janeiro de 2020 
  2. Thomas, Greg; Thomas, Assistant Professor of English Greg (2007). The Sexual Demon of Colonial Power: Pan-African Embodiment and Erotic Schemes of Empire (em inglês). [S.l.]: Indiana University Press. ISBN 978-0-253-34841-8 
  3. Mores, O Tempora, O. «Surgimento do Movimento Feminista Dentro da Igreja | O Feminismo Cristão: Como Tudo Começou | Artigos». www.ipsantoamaro.com.br. Consultado em 15 de novembro de 2018 
  4. Harrison, Victoria S. "Modern Women, Traditional Abrahamic Religions and Interpreting Sacred Texts." Feminist Theology: The Journal of the Britain & Ireland School of Feminist Theology 15.2 (2007):145-159.
  5. McPhillips, Kathleen. "Theme: Feminisms, Religions, Cultures, Identities." Australian Feminist Studies 14.30 (1999).
  6. Daggers, Jenny. "Working for Change in the Position of Women in the Church." Feminist Theology: The Journal of the Britain & Ireland School of Feminist Theology 26 (2001)
  7. McEwan, Dorothea. "The Future of Christian Feminist Theologies--As I Sense It: Musings on the Effects of Historiography and Space."
  8. McIntosh, Esther. "The Possibility of a Gender-Transcendent God: Taking Macmurray Forward." Feminist Theology: The Journal of the Britain & Ireland School of Feminist Theology 15 (2007): 236-255.
  9. Polinska, Wioleta. "In Woman's Imagem: An Iconography for God." Feminist Theology 13.1 (2004):40-61
  10. Clack, Beverly. "Thealogy and Theology: Mutually Exclusive or Creatively Interdependent? Feminist Theology: The Journal of the Britain & Ireland School of Feminist Theology 21 (1999):21-38.
  11. Groothuis, Rebecca M., Ronald Pierce and Gordon Fee eds. "Feminism Goes to Seed."www.christianethicstoday.com/CET/CET/CETJournal.pdf Feminism Goes to Seed]
  12. «Universidade Federal da Bahia: Mariana Cardoso Carvalho | Gênero | Etnia, raça e gênero». Scribd. Consultado em 10 de janeiro de 2020 
  13. Gallagher, Sally K. (2004). «The Marginalization of Evangelical Feminism». Sociology of Religion. 65 (3): 215–237. ISSN 1069-4404. JSTOR 3712250. doi:10.2307/3712250 
  14. Beavis, Mary Ann (2007). «Christian Origins, Egalitarianism, and Utopia». Journal of Feminist Studies in Religion. 23 (2): 27–49. JSTOR 20487897. doi:10.2979/FSR.2007.23.2.27 
  15. Bauerschmidt, Frederick Christian (1997). «Seeing Jesus: Julian of Norwich and the Text of Christ's Body». Journal of Medieval and Early Modern Studies. 27 (2): 189–214 
  16. Boyce-Tillman, June (1999). «Hildegard of Bingen: A Woman for our Time». Feminist Theology. 8 (22): 25–41. doi:10.1177/096673509900002203 
  17. McEwan, Dorothea (1999). «The Future of Christian Feminist Theologies—As I Sense it: Musings on the Effects of Historiography and Space». Feminist Theology. 8 (22): 79–92. doi:10.1177/096673509900002206 
  18. Ellsberg, Robert. All Saints: Daily Reflections on Saints, Prophets, and Witnesses from Our Time
  19. Ellsberg, Robert (1997). All Saints: Daily Reflections on Saints, Prophets, and Witnesses for Our Time. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0824516796 
  20. Hassey, Janette (Abril de 1989). «A Brief History of Christian Feminism». Transformation: An International Journal of Holistic Mission Studies. 6 (2): 1–5. doi:10.1177/026537888900600201 
  21. Capitani, Diane (2003). «Imagining God in Our Ways: The Journals of Frances E. Willard». Feminist Theology. 12: 75–88. doi:10.1177/096673500301200107 
  22. Gallagher, Sally K. (2004). «The Marginalization of Evangelical Feminism». Sociology of Religion. 65 (3): 215–237. ISSN 1069-4404. JSTOR 3712250. doi:10.2307/3712250 
  23. Gallagher, Sally K. (2004). «The Marginalization of Evangelical Feminism». Sociology of Religion. 65 (3): 215–237. ISSN 1069-4404. JSTOR 3712250. doi:10.2307/3712250 
  24. Gallagher, Sally K. (2004). «The Marginalization of Evangelical Feminism». Sociology of Religion. 65 (3): 215–237. ISSN 1069-4404. JSTOR 3712250. doi:10.2307/3712250 
  25. «US Episcopal Church installs first female presiding bishop». Australia: Journeyonline.com.au. 7 de novembro de 2006. Consultado em 19 de novembro de 2010. Cópia arquivada em 6 de julho de 2011 
  26. Hassey, Janette (Abril de 1989). «A Brief History of Christian Feminism». Transformation: An International Journal of Holistic Mission Studies. 6 (2): 1–5. ISSN 0265-3788. doi:10.1177/026537888900600201 
  27. Church of the Nazarene Manual. Kansas City, MO: Nazarene Publishing House. 2017. p. 192. ISBN 978-0-8341-3711-0. Consultado em 20 de agosto de 2018. Cópia arquivada em 31 de agosto de 2018 
  28. «The Role of Women in Ministry» (PDF). The General Council of the Assemblies of God. 14 de agosto de 1990. 7 páginas. Consultado em 12 de agosto de 2007. Cópia arquivada (PDF) em 23 de maio de 2006 
  29. «SBC Position Statements - Women in Ministry». Consultado em 12 de agosto de 2007. Cópia arquivada em 21 de setembro de 2008 
  30. SpringerLink - Journal Article
  31. Harrison, Victoria S. (2007). «Modern Women, Traditional Abrahamic Religions and Interpreting Sacred Texts». Feminist Theology. 15 (2): 145–159. doi:10.1177/0966735007072020 
  32. Campbell, Flann (1960). «Birth Control and the Christian Churches». Population Studies. 14 (2): 131–47. ISSN 0032-4728. JSTOR 2172010. doi:10.2307/2172010 
  33. Ordaining Women: Culture and Conflict in Religious Organizations
  34. «Paul VI - Humanae Vitae». Consultado em 12 de agosto de 2007. Cópia arquivada em 11 de agosto de 2007 
  35. Southern Baptist Convention Resolutions on Abortion
  36. Sin of Abortion and the Reasons Why Arquivado em 2007-08-06 no Wayback Machine.
  37. Kim, Grace Ji-Sun (2001). «Revisioning Christ». Feminist Theology. 10 (28): 82–92. doi:10.1177/096673500100002807 
  38. RCRC—Member Organizations Arquivado em 2007-03-16 no Wayback Machine.
  39. «National Women's Law Center». Consultado em 12 de agosto de 2007. Cópia arquivada em 15 de julho de 2007 
  40. Nove, Alec (1990). «Friedman, Markets and Planning: A Comment». Studies in Economics and Russia. [S.l.]: Palgrave Macmillan UK. pp. 153–163. ISBN 9781349109937. doi:10.1007/978-1-349-10991-3_12 
  41. Radford Ruether, Rosemary (1998). Introducing Redemption in Christian Feminism. Sheffield, England: Sheffield Academic Press. pp. 13–14. ISBN 978-1-85075-888-4 
  42. Nove, Alec (1990). «Friedman, Markets and Planning: A Comment». Studies in Economics and Russia. [S.l.]: Palgrave Macmillan UK. pp. 153–163. ISBN 9781349109937. doi:10.1007/978-1-349-10991-3_12 
  43. Kim, Grace Ji-Sun (2001). «Revisioning Christ». Feminist Theology. 10 (28): 82–92. doi:10.1177/096673500100002807 
  44. McCoy, Maria (2015). Ignatian Spirituality and Christian Feminism. [S.l.: s.n.] pp. 99–100 
  45. McEwan, Dorothea (1999). «The Future of Christian Feminist Theologies—As I Sense it: Musings on the Effects of Historiography and Space». Feminist Theology. 8 (22): 79–92. doi:10.1177/096673509900002206 
  46. Winkett, Lucy (2002). «Go Tell! Thinking About Mary Magdalene». Feminist Theology. 10 (29): 19–31. doi:10.1177/096673500200002903 
  47. Isherwood, isa (2006). «Book Review: The British Christian Women's Movement: A Rehabilitation of Eve». Feminist Theology. 15: 128–129. doi:10.1177/0966735006068860 
  48. Fuchs, Esther (2008). «Reclaiming the Hebrew Bible for Women: The Neoliberal Turn in Contemporary Feminist Scholarship». Journal of Feminist Studies in Religion. 24 (2): 45–65. JSTOR 20487926. doi:10.2979/FSR.2008.24.2.45 
  49. McLntosh, Esther (2007). «The Possibility of a Gender-Transcendent God: Taking Macmurray Forward». Feminist Theology. 15 (2): 236–255. doi:10.1177/0966735007072034 
  50. Kim, Grace Ji-Sun (2001). «Revisioning Christ». Feminist Theology. 10 (28): 82–92. doi:10.1177/096673500100002807 
  51. Nove, Alec (1990). «Friedman, Markets and Planning: A Comment». Studies in Economics and Russia. [S.l.]: Palgrave Macmillan UK. pp. 153–163. ISBN 9781349109937. doi:10.1007/978-1-349-10991-3_12 
  52. Kurian, George Thomas (25 de novembro de 2011). «Women and Theology». The Encyclopedia of Christian Civilization. [S.l.]: Blackwell Publishing Ltd. ISBN 9781405157629. doi:10.1002/9780470670606.wbecc1601 
  53. «UCC 'Firsts'» 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Kathleen Bliss, The Service and Status of Women in the Churches (1952)
  • We, the People (1963)
  • The Future of Religion (1969)
  • Susannah Herzel, A Voice for Women (1981)
  • Patricia Wilson-Kastner, Faith, Feminism, and the Christ (Philadelphia: Fortress Press, 1983).
  • Martin Conway, ER 42, no.1 (January 1990): 68-77 (obit.)
  • Letty M. Russell, Church in the Round (Westminster John Knox Press, 1993)
  • “J.H. Oldham,” in Gerald H. Anderson et al., eds., Mission Legacies (1994), pp.570-580
  • Pamela Sue Anderson, A feminist philosophy of religion: the rationality and myths of religious belief (Oxford; Malden, Mass.: Blackwell, 1998)
  • John Temple Bristow, What Paul Really Said About Women: An Apostle's Liberating Views on Equality in Marriage, Leadership and Love (San Francisco: Harper & Row, 1988)
  • Eryl W. Davies, The Dissenting Reader: Feminist Approaches to the Hebrew Bible (Burlington, VT: Ashgate, 2003)
  • Pamela Sue Anderson and Beverley Clack, eds., Feminist philosophy of religion: critical readings (London: Routledge, 2004)
  • Mimi Haddad, Ph.D., "Egalitarian Pioneers: Betty Friedan or Catherine Booth?" Priscilla Papers, Vol. 20, No. 4 (Autumn 2006)
  • Rosemary Radford Ruether, Feminist Theologies: Legacy and Prospect (Minneapolis, MN: Fortress Press, 2007)
  • Patricia M. Berliner, Ph.D., Touching Your Lifethread and Revaluing the Feminine Cloverdale Books (2007) ISBN 978-1-929569-20-5 [1]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]