Saltar para o conteúdo

Igreja Ortodoxa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Igreja Ortodoxa Oriental)
 Nota: "Igreja Ortodoxa Oriental" redireciona para este artigo. Para outros significados, veja Igrejas ortodoxas orientais.
Igreja Católica Apostólica Ortodoxa
Igreja Ortodoxa
Emblema do Patriarcado Ecumênico de Constantinopla
Igreja Ortodoxa
Catedral de São Jorge, em Istambul, sede do Patriarcado Ecumênico de Constantinopla
Orientação Catolicismo ortodoxo
Fundador Jesus (conforme a Santa Tradição ortodoxa)
Origem Século I, na Judeia (província romana)[1]
Sede Descentralizada a nível diocesano, com sede honorária em Constantinopla e diversas sedes regionais
Líder espiritual Bartolomeu I de Constantinopla (honorariamente)
Número de membros 220 milhões
Países em que atua No mundo inteiro, principalmente na Europa Oriental e Oriente Médio
População cristã ortodoxa ao redor do mundo

A Igreja Ortodoxa, (em grego: ὀρθός; romaniz.: orthós; lit. reto, correto e δόξα, romaniz.: dóxa: opinião, glória;[2] literalmente, "igreja da opinião correta" ou "igreja da glória verdadeira", como traduzido pelos eslavos) oficialmente Igreja Católica Ortodoxa[3][4][5] e também chamada de ortodoxia bizantina,[6][7] é a segunda maior igreja cristã,[nota 1][8][9] com aproximadamente 220 milhões membros batizados.[10][11][12] Ela opera como uma comunhão de igrejas autocéfalas, cada uma governada por seus bispos por meio de sínodos locais.[12] A igreja não tem autoridade central doutrinária ou governamental análoga ao chefe da Igreja Católica — o papa — mas o Patriarca Ecumênico de Constantinopla é reconhecido por eles como primus inter pares ("primeiro entre iguais").[13][14][15][16] Como uma das instituições religiosas sobreviventes mais antigas do mundo, a Igreja Ortodoxa desempenhou um papel proeminente na história e na cultura da Ásia Ocidental, do Cáucaso, do Leste e do Sudeste da Europa.[17]

A teologia ortodoxa é baseada nas Escrituras e na tradição sagrada, que incorpora os decretos dogmáticos dos sete concílios ecumênicos e os ensinamentos dos Padres da Igreja. A igreja ensina que é a igreja una, santa, católica e apostólica estabelecida por Jesus Cristo em sua Grande Comissão[18] e que seus bispos são os sucessores dos apóstolos de Cristo.[19] Sustenta que pratica a fé cristã original, transmitida pela sagrada tradição. Seus patriarcados, reminiscentes da pentarquia, e outras igrejas autocéfalas e autônomas, refletem uma variedade de organização hierárquica. Reconhece sete sacramentos maiores, dos quais a Eucaristia é o principal, celebrado liturgicamente em sinaxe. A igreja ensina que, por meio da consagração invocada por um sacerdote, o pão e o vinho do sacrifício tornam-se o corpo e o sangue de Cristo. A Virgem Maria é venerada na Igreja Ortodoxa como a portadora de Deus, honrada nas devoções.

As igrejas de Constantinopla, Alexandria, Jerusalém e Antioquia — exceto por algumas quebras de comunhão, como o cisma de Fócio ou o cisma de Acacia — compartilharam comunhão com a Igreja de Roma até o Grande Cisma em 1054, que foi o culminar de crescentes disputas teológicas, políticas e culturais, particularmente sobre a autoridade do papa. Antes do Concílio de Éfeso no ano 431, a Igreja do Oriente também compartilhava dessa comunhão, assim como as várias igrejas ortodoxas orientais antes do Concílio de Calcedônia em 451, todas se separando principalmente por diferenças na cristologia.

A Igreja Ortodoxa é a principal denominação religiosa na Rússia, Ucrânia, Romênia, Grécia, Bielo-Rússia, Sérvia, Bulgária, Moldávia, Geórgia, Macedônia do Norte, Chipre e Montenegro, e há minorias significativas na Síria, Iraque, Cazaquistão, Alemanha, Espanha, Bósnia e Herzegovina, Líbano, Estados Unidos e Uzbequistão. Embora originários da Ásia Ocidental, a maioria dos cristãos ortodoxos agora vive no sudeste e leste da Europa e na Sibéria. Aproximadamente metade dos cristãos ortodoxos vive nos Estados pós-soviéticos, principalmente na Rússia.[20][21] Há também comunidades nas antigas regiões bizantinas do norte da África, no Mediterrâneo oriental e entre as comunidades ortodoxas mais antigas do Oriente Médio, que estão diminuindo devido à migração forçada impulsionada pelo aumento da perseguição religiosa.[22][23] As comunidades cristãs ortodoxas fora da Ásia Ocidental, Ásia Menor, Cáucaso e Europa Oriental, incluindo as da América do Norte, Europa Ocidental e Austrália, foram formadas por meio de diáspora, conversões e atividades missionárias.

Nome e características

[editar | editar código-fonte]

A Igreja Ortodoxa é definida como os cristãos orientais que reconhecem os sete concílios ecumênicos e estão em comunhão com o Patriarcado Ecumênico, o Patriarcado de Alexandria, o Patriarcado de Antioquia e o Patriarcado de Jerusalém. Assim, podemos compreender que as igrejas ortodoxas "são definidas positivamente por sua adesão às definições dogmáticas dos sete concílios [ecumênicos], pelo forte senso de não ser uma seita ou uma denominação, mas simplesmente a continuação da Igreja de Cristo". Outra característica a sua rejeição da supremacia papal imediata e universal.[24]

Os sete concílios ecumênicos reconhecidos pelas igrejas ortodoxas orientais são: Niceia I, Constantinopla I, Éfeso, Calcedônia, Constantinopla II, Constantinopla III e Niceia II.[25][26] Essas igrejas consideram o Concílio Quinisexto "compartilhar a autoridade ecumênica de Constantinopla III.[26] "Por um acordo que parece estar em vigor no mundo ortodoxo, possivelmente o concílio realizado em 879 para reivindicar o patriarca Fócio será em alguma data futura reconhecido como o oitavo concílio [ecumênico]" pela Igreja Ortodoxa.[25]

De acordo com o ensinamento da igreja sobre a universalidade e com o Credo Niceno, as autoridades ortodoxas orientais insistiram que o nome completo da igreja sempre incluísse o termo "Católica", como em "Santa Igreja Católica Apostólica Ortodoxa".[27][28][29]

O nome oficial da Igreja Ortodoxa é a "Igreja Católica Ortodoxa".[3][4][5][30] É o nome pelo qual a igreja se refere a si mesma[31][32][33][34][35][36] e que é emitido em seus textos litúrgicos ou canônicos.[37][38] Os teólogos ortodoxos orientais referem-se à igreja como "católica".[39][40] Este nome e variantes mais longas contendo "católico" também são reconhecidos e referenciados em outros livros e publicações de escritores ortodoxos seculares ou não orientais.[41][42][43][44][45][46] O catecismo de Philaret (Drozdov) de Moscou publicado no século XIX é intitulado: O Catecismo Mais Longo da Igreja Ortodoxa, Católica e Oriental[47] (em russo: Пространный христианский катехизис православныя, кафолическия восточныя Церкви).

Desde os tempos antigos até o primeiro milênio, o grego foi a língua compartilhada mais prevalente nas regiões demográficas onde o Império Bizantino floresceu, e o grego, sendo a língua na qual o Novo Testamento foi escrito, era a língua litúrgica primária da igreja. Por esta razão, as igrejas orientais às vezes eram identificadas como "gregas" (em contraste com a igreja "romana" ou "latina", que usava uma tradução latina da Bíblia), mesmo antes do Grande Cisma de 1054. Depois de 1054, "grego ortodoxo" ou "grego católico" marcava uma igreja como estando em comunhão com Constantinopla, assim como "católica" marcava a comunhão com a Igreja Católica.[48]

Em húngaro, a igreja ainda é comumente chamada de "grega oriental" (em húngaro: Görögkeleti). Essa identificação com o grego, porém, tornou-se cada vez mais confusa com o tempo. Os missionários trouxeram a Igreja Ortodoxa para muitas regiões sem gregos étnicos, onde a língua grega não era falada. Além disso, as lutas entre Roma e Constantinopla para controlar partes do sudeste da Europa resultaram na conversão de algumas igrejas à Igreja Católica, que então também usou "greco-católico" para indicar o uso continuado dos ritos bizantinos. Hoje, apenas uma minoria de adeptos ortodoxos orientais usa o grego como língua de adoração.[49][50]

Cristo Pantocrator, século VI, Mosteiro de Santa Catarina, Sinai; o mais antigo ícone conhecido de Cristo, em um dos mosteiros mais antigos do mundo.
O imperador Constantino apresenta uma representação da cidade de Constantinopla como homenagem a Maria entronizada e ao menino Jesus neste mosaico na igreja Hagia Sophia, c. 1000).

Até ao século XI, os cristãos da Igreja Ortodoxa e da Igreja Católica Romana têm uma história comum, que começa com a instituição do cristianismo por Jesus de Nazaré e sua difusão por seus discípulos, que, como o relatado no livro bíblico dos Atos dos Apóstolos,[51] espalharam-se a partir da cidade de Jerusalém, fundando a primeira comunidade denominada cristã em Antioquia e depois se espalhando, ainda pelos mesmos, pela Europa Ocidental, Oriente Médio, Ásia e Norte da África. Por volta do século IV, a Cristandade já chegara às mais diversas regiões, apesar das perseguições movidas por poderes tradicionalmente pagãos, e diversas escolas exegéticas haviam se desenvolvido, como a Escola de Antioquia e a Escola Catequética de Alexandria. A ortodoxia cristã, no entanto, era ameaçada por diversas doutrinas consideradas heréticas, como o arianismo, o novacianismo e o adocionismo, além das muitas seitas gnósticas. Em 313, no entanto, o Édito de Milão finalmente instituiu a liberdade religiosa no Império Romano, o que foi seguido por uma progressiva cristianização do Império a partir da conversão do imperador Constantino no ano de 324. Foi então convocado o Primeiro Concílio de Niceia, que buscou a unificação da Cristandade, a solidificação dos preceitos da fé cristã, o anátema das principais heresias da época e a composição de um credo comum ortodoxo, o Credo Niceno.[52]

Neste Concílio, estabeleceu-se que em cada província civil do Império Romano o corpo dos bispos deveria ser encabeçado pelo bispo da capital provincial (o bispo metropolita), mas reconheceu a autoridade super-metropolitana já exercida pelos bispos de Roma, Alexandria e Antioquia. Além disso, decretou que o bispo de Jerusalém tivesse direito a honra especial, embora não a autoridade sobre outros bispos.[53][54] Quando a residência do imperador romano e o senado foram transferidos para Constantinopla, em 330, o Bispo de Roma perdeu influência nas Igrejas orientais, em benefício do Bispo de Constantinopla. Ainda assim, Roma continuou a ter uma autoridade ecumênica especial devido à sua ligação tradicional com o apóstolo Pedro e seu passado como capital do Império Romano.[55]

No ano de 381, foi realizado na parte oriental do império o Primeiro Concílio de Constantinopla, que decretou a divindade do Espírito Santo, lançando anátema sobre os macedonianos e tendo suas decisões acatadas pelas igrejas ocidentais.[56] Em 431, o Primeiro Concílio de Éfeso proclamou, a despeito dos nestorianos, que a Virgem Maria era a Teótoco ("Mãe de Deus"), o que gerou a Igreja do Oriente, até hoje separada das grandes comunhões cristãs. A grande maioria dos fiéis habitavam na Índia e na Síria, após uma retração substancial da antes forte presença nestoriana na China e na Ásia Central. Na Índia, a maioria dos sucessores deste cisma passaram depois ao catolicismo oriental ou ao miafisismo.[57] Na Síria também muitos passaram ao catolicismo oriental e formaram a Igreja Católica Caldeia.[58] Em 451, o Concílio de Calcedônia condenou o monofisismo. Isto gerou um cisma na Igreja de Alexandria liderado por Dióscoro, que, apesar de não professar a doutrina monofisista de Êutiques, rejeitava a resolução de Calcedônia, gerando a formação da Igreja Copta.[59][60] Progressivamente, grupos no Levante e na Armênia rejeitariam o Concílio e se uniriam aos coptas, dando origem às chamadas igrejas ortodoxas orientais, que ainda se expandiriam pela África e Índia.

Distanciamento entre Ocidente e Oriente

[editar | editar código-fonte]
Um ícone representando o Imperador Constantino e os Padres do Primeiro Concílio de Nicéia (325) como detentores do credo niceno-constantinopolitano de 381

Uma série de dificuldades estimulou um progressivo distanciamento entre Roma e os demais patriarcados. Primeiramente, a quebra da unidade política. Com a divisão do Império Romano em 395 e a queda do Império Romano do Ocidente em 476, Oriente e Ocidente deixaram de estar sob o mesmo governo. No século VI, o imperador Justiniano I empreendeu uma série de campanhas militares na parte ocidental ocupada pelos germânicos e que resultou na conquista da península itálica, mas que foi posteriormente perdida no século VIII com a progressiva penetração dos lombardos. Mais tarde, com a ascensão do Islamismo, as trocas econômicas e os contatos por via marítima entre o Império Bizantino, de língua grega, e o Ocidente, de língua latina, se tornaram mais difíceis, e a unidade cultural entre os dois mundos deixou paulatinamente de existir. No século VIII, Roma colocou-se sob a proteção do Império Carolíngio, o que criou uma situação em que as Igrejas em Roma e em Constantinopla estavam no seio de dois impérios distintos, fortes e autossuficientes, cada qual com sua própria tradição e cultura.

O primeiro grande cisma entre o Ocidente e o Oriente seria o Cisma Acaciano, a partir de 484, quando a tentativa por parte da Igreja de Constantinopla de reconciliar-se com os não calcedônios gerou desaprovação por parte do Papa Félix III, ultimamente levando Acácio de Constantinopla a riscar o nome de Félix de seus dípticos. As tentativas de reconciliação só seriam vitoriosas na Páscoa de 519. No ano de 553, foi convocado o Segundo Concílio de Constantinopla, que aprofundou as decisões do concílio ecumênico anterior. Tentativas posteriores de reconciliação com os não calcedônios levariam ao monotelismo e ao monoenergismo, condenados no Terceiro Concílio de Constantinopla em 681. Em 787, dado o surto iconoclasta em Constantinopla, Irene de Atenas convocou o Segundo Concílio de Niceia, para ratificar a ortodoxia da veneração de imagens, especialmente pelo trabalho de São João de Damasco. Este episódio é frequentemente referido como "Triunfo da Ortodoxia".[61]

Além do anteriormente citado, a situação de afastamento ensejou uma escalada de divergências doutrinárias entre Oriente e Ocidente (em particular, a inclusão no sexto século, pela Igreja Latina, da cláusula Filioque (significa "e do filho" e indicava que o Espírito Santo procedia tanto do pai como do Filho), no Credo niceno-constantinopolitano, considerada herética pelos ortodoxos) e a adoção gradativa de rituais diferentes entre si. Ao mesmo tempo, acentuou-se a pretensão, por parte de Roma, de exercer uma autoridade incontestada sobre todo o mundo cristão, enquanto que Constantinopla aceitava somente que Roma tivesse uma posição de honra. O atrito entre Cristandade latina e grega se intensificou com a cristianização do Império Búlgaro, quando missionários da Frância Oriental, da Alemanha e do Império Bizantino chocaram-se na região, deflagrando disputas, por exemplo, quanto à linguagem dos ofícios e ao uso do Filioque, que mesmo ainda não utilizado em totalidade pela Igreja Latina, já fora introduzido pelos francos e alemães.[52][62]

Tais disputas chegariam a seu ápice no Cisma de Fócio, quando, após o Imperador Miguel III, o Ébrio depor o Patriarca Inácio I de Constantinopla em benefício de São Fócio em 858, o Papa Nicolau I condenou a Sé de Constantinopla em 863, que fatalmente excomungou o Papa em 867. Durante o Cisma, em 865, o príncipe Bóris I da Bulgária, temendo um invasão bizantina, aceitou o batismo das mãos não do clero alemão, mas do bizantino.[52] O cisma apenas seria resolvido em 867, com a morte de Miguel III, mas, em 879, Basílio I, o Macedônio convocou o Quarto Concílio de Constantinopla, reabilitando São Fócio, que condenava em seus escritos o Filioque como blasfemo, além de dar autocefalia à Igreja da Bulgária.[63][64] Alguns autores ortodoxos chegam a considerar este o Oitavo Concílio Ecumênico.

A Hagia Sophia, a maior igreja do mundo e basílica patriarcal de Constantinopla por quase mil anos, mais tarde convertida em mesquita, depois em museu e depois de volta a uma mesquita

O mesmo Patriarca Fócio foi conhecido por ter tomado esforços massivos para a cristianização dos eslavos enviando os jovens missionários Cirilo e Metódio para a Grande Morávia no ano de 862, a pedido de seu próprio soberano, o Duque Rastislau. Para isto, os irmãos codificaram a língua eslava eclesiástica com base no dialeto que aprenderam dos eslavos de Salônica, compondo para tal o alfabeto glagolítico (baseado em seu conhecimento anterior de múltiplos sistemas de escrita) e traduziram a Bíblia e livros litúrgicos do rito bizantino para o idioma. Após a morte de Cirilo, Metódio e Rastislau, no entanto (os três hoje venerados como santos tanto na Igreja Ortodoxa quanto na Igreja Católica Romana), Zuentibaldo I, provavelmente por pressão do clero franco, perseguiu seus discípulos (chamados cirilo-metodistas), que foram presos, escravizados ou exilados para a Bulgária, onde seguiram sua missão evangélica sob a liderança de Santos Clemente de Ocrida e Naum de Preslava, em que compensaram a expulsão do clero grego fornecendo ofícios em eslavônico.[65][66][52] Os cirilo-metodistas ainda se expandiriam rapidamente para a Sérvia (que já era considerada um país cristão por volta de 870, com a conversão de Mutímero e outros nobres)[67] e à Rússia de Quieve.

Esta parte do clero franco que expulsara os missionários cirilo-metodistas de língua eslavônica da Morávia aderia à chamada heresia trilíngue, ou heresia pilaciana, que dizia só ser possível adorar a Deus em hebraico, grego ou latim.[66][68]

Todas as supracitadas tensões acumuladas fatalmente levaram à ruptura entre as igrejas, em 1054, com a excomunhão mútua entre autoridades da Igreja Católica Ocidental e da Igreja Ortodoxa (Grécia, Rússia e outras terras eslavas, além de Anatólia, Cáucaso, Síria, Egito, etc., incluindo áreas onde muitos dos cristãos já pertenciam a Igrejas Ortodoxas Orientais). A essa divisão a historiografia ocidental chama Cisma do Oriente ou Cisma do Oriente e do Ocidente, ou simplesmente Grande Cisma.

Ortodoxia grega nos séculos posteriores ao Cisma

[editar | editar código-fonte]
Cruzados latinos saqueando a cidade de Constantinopla, capital do Império Bizantino controlado pela Igreja Ortodoxa, em 1204

A relação entre a Igreja Ocidental e a Oriental fica ainda pior no decorrer da Quarta Cruzada, que sela a divisão entre as igrejas. O saque à Basílica de Santa Sofia e o estabelecimento do Império Latino são até hoje motivos de tensão, ainda que o primeiro tenha sido repudiado pelo Papa Inocêncio II à época, só sendo todavia emitidas desculpas oficiais por João Paulo II em 2004, aceites por Bartolomeu I de Constantinopla.

Tentou-se restabelecer a união no Segundo Concílio de Lyon (em 1274) e no Concílio de Florença (em 1439). Foram feitas pressões para um restabelecimento da comunhão neste segundo, ainda que canonicamente contestáveis e recebidas com oposição por personalidades como São Marcos de Éfeso, mas a união acabou se desfazendo com a Queda de Constantinopla. Algumas comunidades ortodoxas fatalmente entrariam em comunhão em períodos diferentes, juntas formando parte das Igrejas Católicas Orientais.

Entre 1341 e 1351, foram congregados uma série de concílios, coletivamente conhecidos como Quinto Concílio de Constantinopla, afirmando a ortodoxia da teologia hesicasta de São Gregório Palamas, condenando o racionalismo do filósofo Barlaão da Calábria. Alguns ortodoxos chamam a este, o Nono Concílio Ecumênico.[69]

Em 1453, Constantinopla cai para o Império Otomano, que fatalmente toma quase todos os Bálcãs. O Egito era tomado pelo islamismo desde o século VIII, mas a Ortodoxia ainda era forte na Rússia, que passaria a ser referida como Terceira Roma.[70] O Patriarca de Constantinopla tinha autoridade administrativa sobre os rumes do Império Otomano, que permitia certa liberdade de culto no Império. No Império Russo, a Igreja Ortodoxa Russa era uma instituição desconectada do Estado até 1666, com a deposição do Patriarca Nikon (conhecido pelas reformas que levaram ao cisma dos velhos crentes), influenciada por Aleixo I.

Sob o jugo otomano, os cristãos ortodoxos, organizados sob o millet romano, experienciaram um congelamento da antes florescente atividade missionária, além de eventuais mártires e uma hierarquia crescentemente corrompida em decorrência das pesadas taxações impostas pelos otomanos.[52] O berat, a aprovação do sultão para o ocupante do posto de Patriarca Ecumênico, por exemplo, era frequentemente vendido àquele que oferecesse mais dinheiro, e muitos patriarcas foram depostos e restituídos por questões financeiras: dos 159 patriarcas que ocuparam o trono durante o período otomano, apenas 21 tiveram mortes naturais enquanto exerciam o pontificado, enquanto 105 foram retirados pelos turcos, 27 abdicaram (frequentemente por coação externa) e 6 sofreram mortes violentas.[71] Por outro lado, o poder do Patriarca de Constantinopla teve sua máxima extensão histórica com a subjugação de outros povos ortodoxos sob domínio turco, com o restante da Tetrarquia, ainda que canonicamente autocéfala, tendo extrema influência turca, e as Igrejas da Bulgária e Sérvia gradualmente passando para domínio direto de Constantinopla. Adicionalmente, a estrutura de imperium in imperio dos milletler permitiu que as identidades locais ortodoxas fossem preservadas através dos séculos, de forma que a partir do início do século XIX algumas culturas fossem restauradas como estados-nações independentes.[52]

Idade Contemporânea

[editar | editar código-fonte]
Demolição da Catedral de Cristo Salvador em Moscou em 1931
A Catedral de Cristo Salvador reconstruída, atualmente a segunda igreja ortodoxa mais alta

No século XVIII, a Igreja Ortodoxa volta a estar presente no Hemisfério Ocidental, com a chegada de missionários russos ao Alasca em 1867, então parte do Império Russo. Mesmo no atual estado norte-americano de Alasca, 12,5% da população se declara ortodoxa.[72] Em 1721, Pedro I abole o Patriarcado e transforma a Igreja em uma instituição estatal, o que só é interrompido com a Revolução de Outubro. O ressurgimento da posição, no entanto, não duraria muito, com o Patriarcado sendo extinto pelo governo comunista após a morte do Patriarca Tikhon. Em 1943, no entanto, o Patriarcado foi reinstituído por Joseph Stalin. Ainda haveria perseguições sob Khrushchev, que chegou a fechar 12 mil igrejas. Menos de 7 mil permaneciam ativas à altura de 1982.[73] Hoje, de acordo com dados de 2016, a Igreja Ortodoxa Russa dispõe de cerca de 35 mil paróquias pelo mundo.[74]

Com o ateísmo de Estado dos regimes comunistas que se implantaram em nações com presença ortodoxa como na Europa Oriental, regiões asiáticas da União Soviética e China, a Igreja Ortodoxa sofreu fortemente com perseguição e censura, o caso mais drástico provavelmente sendo o da Albânia de Enver Hoxha, declarada oficialmente ateísta e tendo sua igreja nacional fechada entre 1967 e 1992.[75] Em outros países, no entanto, como na Romênia, a Igreja teve relativa liberdade, apesar do forte controle por parte da polícia e de experiências como as tentativas de lavagem cerebral de crentes na prisão de Piteşti, o que por fim seria rigorosamente punido pelo Estado.

Com a queda das ditaduras comunistas da Europa Oriental, começando pela Albânia em 1976 e depois por uma queda abrupta de todas as restantes entre 1989 e 1992, as jurisdições da Igreja Ortodoxa oprimidas por estes regimes começaram a tomar mais liberdade. Em 2007, a Igreja Ortodoxa Russa no Exterior, que se separara do Patriarcado de Moscou após o Patriarca Sérgio de Moscou, na prisão, jurar aliança ao Estado comunista, restaurou a comunhão.[76] Em 2016, em Creta, foi congregado um Concílio Pan-Ortodoxo, como planejado desde os anos 60.

Organização

[editar | editar código-fonte]
Ver artigo principal: Organização da Igreja Ortodoxa
Emblema na sede do Patriarcado Ecumênico de Constantinopla, em Istambul

A Igreja Ortodoxa é uma comunhão de igrejas autocéfalas (ou autodirigidas), com o Patriarca Ecumênico de Constantinopla reconhecido como tendo o status de primus inter pares. O patriarca de Constantinopla tem a honra de primazia, mas seu título é apenas o "primeiro entre iguais" e não tem autoridade real sobre outras igrejas além da Constantinopolitana e estabelece prerrogativas interpretadas pelo patriarca ecumênico,[77][78][79][80] embora às vezes o ofício do patriarca ecumênico tenha sido acusado de papismo Constantinopolitano ou Oriental.[81][82][83]

A Igreja Ortodoxa considera Jesus Cristo o cabeça e a igreja o seu corpo. Acredita-se que a autoridade e a graça de Deus são transmitidas diretamente aos bispos ortodoxos e ao clero por meio da imposição de mãos — uma prática iniciada pelos apóstolos, e que esse vínculo histórico e físico ininterrupto é um elemento essencial da verdadeira igreja (Atos 8:17, 1 Tim 4:14, Hebreus 6:2). Os ortodoxos afirmam que a sucessão apostólica requer fé apostólica, e os bispos sem fé apostólica, que estão em heresia, perdem seu direito à sucessão apostólica.[84] As igrejas ortodoxas se diferenciam de outras igrejas cristãs pela prática de "ritual e liturgia… rica em mistério e simbolismo", semelhante a seus pontos de vista sobre os sacramentos.[85]

A comunhão ortodoxa é organizada em várias igrejas regionais, que são corpos de igrejas autocéfalas ou autônomasunificadas em teologia e adoração. Estas incluem as quatorze igrejas autocéfalas de Constantinopla, Alexandria, Antioquia, Jerusalém, Geórgia, Chipre, Bulgária, Sérvia, Rússia, Grécia, Polônia, Romênia, Albânia e República Tcheca e Eslováquia, que foram oficialmente convidadas para o Conselho Pan-Ortodoxo de 2016;[86] a Igreja Ortodoxa na América formada em 1970; a Igreja Ortodoxa da Ucrânia criada em 2019; e a Igreja Ortodoxa Macedônia – Arcebispado de Ohrid, concedida autocefalia pela Igreja Ortodoxa Sérvia em 2022;[87] bem como várias igrejas autônomas.[77] Cada igreja tem um bispo governante e um santo sínodo para administrar sua jurisdição e liderar a Igreja Ortodoxa na preservação e ensino das tradições apostólicas e patrísticas e práticas da igreja. Cada bispo tem um território sobre o qual governa.[78]

Jurisdições

[editar | editar código-fonte]
Territórios canônicos de jurisdições ortodoxas autocefálicas e autônomas (2022).

Abaixo, a lista das jurisdições que formam a Igreja Ortodoxa, com algumas das respectivas Igrejas autônomas e exarcados. Os quatro primeiros são os antigos patriarcados, que carregam a tradição da pentarquia. Os cinco seguintes são os novos patriarcados, posteriormente reconhecidos pelo Patriarca de Constantinopla. As seis últimas igrejas são autocéfalas, mas não têm seus líderes reconhecidos como patriarcas. As que não têm notas referentes a seu reconhecimento estão em plena comunhão.[88][89][90][91][92]

Entre as Igrejas semiautônomas temos a Igreja Ortodoxa Cretense, Igreja Ortodoxa Estoniana, Igreja Ortodoxa da Letônia e a Igreja Ortodoxa Russa no Exterior. Entre as Igrejas não reconhecidas, seja por cisma ou por não reconhecimento de seu autogoverno por nenhuma instituição senão elas mesmas, temos:

Igrejas extintas

[editar | editar código-fonte]

Anteriormente, existiram na Ucrânia duas denominações não reconhecidas pela comunidade ortodoxa internacional. São elas a Patriarcado de Kiev e a Igreja Ortodoxa Autocéfala Ucraniana. Em 15 de dezembro de 2018, as duas igrejas, juntamente com parte da Igreja Ortodoxa Ucraniana (Patriarcado de Moscou) — à época a única igreja canônica no país — , realizaram o Concílio de Unificação, e se fundiram para formar a atual Igreja Ortodoxa da Ucrânia.[101]

Cismas entre as Igrejas

[editar | editar código-fonte]

Em outubro de 2018, o Patriarcado de Constantinopla anulou a excomunhão do clero da Patriarcado de Kiev e a Igreja Ortodoxa Autocéfala Ucraniana, com o objetivo de reconhecer a autocefalia da recém-formada Igreja Ortodoxa da Ucrânia. Por essa razão, a Igreja Ortodoxa Russa, da qual anteriormente fazia parte a Igreja Ortodoxa Ucraniana canônica, rompeu a comunhão com Constantinopla.[102] Posteriormente o Patriarcado de Alexandria, a Igreja do Chipre e a Igreja da Grécia também reconheceram a Igreja Ortodoxa da Ucrânia, razão pela qual a Igreja Ortodoxa Russa rompeu relações com essas Igrejas também.[95][96][97][98][99][100]

Outra ruptura parcial de comunhão ocorre entre Antioquia e Jerusalém desde abril de 2014, em virtude da discordância sobre qual das duas teria jurisdição sobre o Catar.[103]

Percentage distribution of Eastern Orthodox Christians by country

As estimativas mais confiáveis atualmente disponíveis indicam um número de adeptos ortodoxos orientais em cerca de 220 milhões em todo o mundo,[11] tornando a Igreja Ortodoxa a segunda maior comunhão cristã do mundo depois da Igreja Católica.[104]

De acordo com o Anuário de Demografia Religiosa Internacional de 2015, a população cristã ortodoxa era de 4% da população global em 2010, caindo de 7,1% em 1910. O estudo também encontrou uma diminuição em termos proporcionais, com os cristãos ortodoxos orientais representando 12,2 % da população cristã total do mundo em 2015, em comparação com 20,4% um século antes.[105] Um relatório de 2017 do Pew Research Center alcançou números semelhantes, observando que a Igreja Ortodoxa teve um crescimento mais lento e menos propagação geográfica do que o catolicismo e o protestantismo, que foram impulsionados pelo colonialismo e pela atividade missionária em todo o mundo.[106]

Catedral de São Basílio, em Moscou. A Igreja Ortodoxa Russa abriga cerca de metade dos cristãos ortodoxos do mundo[107][108]

Mais de dois terços de todos os membros ortodoxos orientais estão concentrados no sul da Europa, Europa Oriental e Rússia,[109] com minorias significativas na Ásia Central e no Levante. No entanto, a Igreja Ortodoxa tornou-se mais globalizada no último século, vendo um maior crescimento na Europa Ocidental, nas Américas e em partes da África; as igrejas estão presentes nas principais cidades da maioria dos países.[110] Os adeptos constituem a maior comunidade religiosa única na Rússia[107] — que é o lar de cerca de metade dos cristãos ortodoxos do mundo — e são a maioria na Ucrânia,[108][111] Romênia,[108] Bielorrússia,[112] Grécia,[108] Sérvia,[108] Bulgária,[108] Moldávia,[108] Geórgia,[108] Macedônia do Norte,[108] Chipre[108] e Montenegro;[108] comunidades ortodoxas também dominam o territórios disputados da Abecásia, Ossétia do Sul e Transnístria. Minorias ortodoxas orientais significativas existem na Bósnia e Herzegovina,[108] Letônia,[113] Estônia,[114] Cazaquistão,[115] Quirguistão,[116] Líbano,[117] Albânia, Síria[108] e muitos outros países.

O cristianismo ortodoxo é a religião que mais cresce em certos países ocidentais, principalmente através da migração de mão-de-obra da Europa Oriental e, em menor grau, da conversão.[118] A Irlanda dobrou sua população cristã ortodoxa entre 2006 e 2011.[118][119][120] A Espanha e a Alemanha têm as maiores comunidades da Europa Ocidental, com cerca de 1,5 milhão cada, seguidas pela Itália com cerca de 900 mil e a França com entre 500 mil e 700 mil. Nas Américas, quatro países têm mais de 100 mil cristãos ortodoxos orientais: Canadá, México, Brasil e Estados Unidos; todos, exceto o último, tinham menos de 20 mil na virada do século XX.[121] Os EUA viram sua comunidade mais do que quadruplicar desde 1910, de 460 mil para 1,8 milhão em 2017,[121] consequentemente, o número de paróquias ortodoxas orientais tem crescido, com um aumento de 16% entre 2000 e 2010.[122]

A Turquia, que durante séculos teve uma das maiores comunidades ortodoxas, viu sua população cristã total cair de aproximadamente um quinto em 1914 para 2,5% em 1927.[123] Isso se deveu principalmente à dissolução do Império Otomano, que viu a maioria dos territórios cristãos se tornarem nações independentes. A população cristã restante foi reduzida ainda mais por genocídios em larga escala contra as comunidades armênia, grega e assíria; subsequentes intercâmbios populacionais entre a Grécia e a Turquia[124] e a Bulgária e a Turquia; e emigração associada de cristãos para países estrangeiros (principalmente na Europa e nas Américas).[125] Hoje, apenas 0,2% da população da Turquia representa judeus ou várias denominações cristãs (320 mil).[126][108]

Cantores cantando no kliros na Igreja de São Jorge, Patriarcado de Constantinopla

De forma geral, a Igreja Ortodoxa está fortemente associada ao rito bizantino, ainda que este traga variações locais. Até o século XVII, havia consideráveis diferenças entre os ritos eslavos e os bizantinos, mas reformas do Patriarca Nikon de Moscou diminuíram tal variedade, aproximando drasticamente o uso pela Igreja Ortodoxa Russa daquele encontrado em livros litúrgicos de procedência constantinopolitana, gerando recensão crescentemente introduzida em outras Igrejas eslavas em decorrência da influência russa sobre ortodoxos sob jugo otomano.[127][128]

Esta medida, contudo, não privou a Igreja Ortodoxa de sua diversidade litúrgica original. A Igreja Ortodoxa Georgiana, por exemplo, preserva alguns traços de suas práticas anteriores à introdução do rito bizantino no país, como formas particulares de iconografia e canto polifônico, crescentemente reforçadas por esta Igreja como forma de reafirmação nacional.[129][130] A instituição dos Edinoverie, velhos crentes admitidos na Igreja russa oficial a partir do século XVIII, reintroduziu as práticas pré-nikonianas na Igreja.[131] Ainda, o fenômeno da Ortodoxia de rito ocidental a partir do século XIX reabriu as portas para diversos ritos romanos adaptados, estes não praticados por ortodoxos desde o fim do Mosteiro de Amálfion no século XIII, reduto beneditino no Monte Atos.[132]

Ver artigo principal: Cristianismo ortodoxo no Brasil
Catedral Metropolitana Ortodoxa, sede da Arquidiocese Ortodoxa Antioquina de São Paulo e Todo o Brasil

A Igreja Ortodoxa é presente no Brasil tanto por imigrantes e seus descendentes quanto por comunidades inteiras de brasileiros convertidos. A primeira Divina Liturgia do país da qual se tem registro foi celebrada em 1897, com a primeira paróquia, a Igreja da Anunciação à Nossa Senhora, construída em São Paulo em 1904 pela comunidade sírio-libanesa e presidida pelo Arquimandrita Silvestros As-Seghir como vicariato patriarcal da Igreja de Antioquia. Em 1958, essa comunidade seria elevada ao status de arquidiocese, com Ignatios Ferzli presidindo-a como o primeiro bispo residente no país.[133] [134]

O território brasileiro hoje conta com igrejas ortodoxas das jurisdições de Antioquia (tanto pela Arquidiocese Ortodoxa Antioquina de São Paulo e Todo o Brasil, quanto pelo Vicariato Patriarcal), de jurisdição russa, do Patriarcado Ecumênico (tanto pela Arquidiocese Grega quanto pela Eparquia Ucraniana), da Polonesa e da Sérvia. Em um primeiro momento erguidas e mantidas apenas por imigrantes, as Igrejas ortodoxas no Brasil contam com um considerável crescimento no número de brasileiros convertidos, contando também com trabalho missionário no país. O censo demográfico do Brasil de 2010 contou 131571 cristãos ortodoxos no Brasil.[135]

Apesar de toda a Europa Ocidental ser clamada como território canônico próprio pelo Patriarcado Ecuménico, existem em Portugal, além da presença da Igreja Grega sob o omofório deste Patriarca, a Igreja Ortodoxa Búlgara, a Russa e a Romena.[136] O XV Recenseamento Geral da População de Portugal contou 56 550 ortodoxos no país dentre a população com 15 anos ou mais, apesar de, como no caso do Brasil, fazer-se necessário atentar-se para grupos que não são parte da Igreja, como a dita Igreja Católica Ortodoxa Lusitana.[137] Não há bispos residentes em Portugal em comunhão com o restante da Igreja, apesar de já ter havido no passado, antes de os bispos da Igreja Ortodoxa Polonesa no país separar-se do Sínodo.[138]

Há paróquias ortodoxas em Moçambique, todas no território eclesial da Igreja Ortodoxa Grega de Alexandria. Estas paróquias já estiveram, em momentos diferentes, sob a Metrópole de Joanesburgo e sob a Diocese do Zimbábue, mas existe desde 2006 uma Diocese de Maputo, hoje ocupada pelo Bispo João Tsaftarides.[139] A primeira paróquia ortodoxa no sul da África foi edificada no país, o Templo Sagrado da Santa Trindade, a partir de 1876. A maior parte dos ortodoxos do país é de origem grega, mas há nativos convertidos. O Censo de 2007 contabilizou apenas as maiores denominações religiosas no país, deixando de lado a população ortodoxa.[140]

Notas

  1. O protestantismo, como um todo, não é uma única igreja, e nem uma única denominação

Referências

  1. Stanford, Peter. «Roman Catholic Church». BBC Religions. BBC. Consultado em 1 de fevereiro de 2017 
  2. A Greek-English Lexicon: δόξα
  3. a b «Eastern Orthodoxy». Encyclopædia Britannica Online 
  4. a b Ellwood, Robert S.; Alles, Gregory D. (2007). Ellwood Encyclopedia of World Religions. [S.l.: s.n.] ISBN 978-1-4381-1038-7 
  5. a b Tsichlis, Fr. Steven. «Frequently Asked Questions About the Orthodox Church». St. Paul's Greek Orthodox Church, Irvine, CA. Consultado em 4 de maio de 2014. Cópia arquivada em 10 de dezembro de 2013 
  6. João Paulo II (1995). Vaticano, ed. «Carta Apostólica pelo IV Centário da União de Brest». Consultado em 5 de junho de 2023 
  7. Sílvia Sônia Simões (20 de fevereiro de 2020). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, ed. «Bizâncio, Pérsia e Ásia Central, pólos de difusão do Nestorianismo». Consultado em 5 de junho de 2023 
  8. Johnson, Todd M. «Status of Global Christianity, 2019, in the Context of 1900–2050» (PDF). Center for the Study of Global Christianity 
  9. Parry, Dimitri; Melling, Sidney H.; Brady; Griffith, David J.; Healey, eds. (1 de setembro de 2017). «Eastern Orthodox». The Blackwell Dictionary of Eastern Christianity. Oxford, UK: Blackwell Publishing Ltd. 170 páginas. ISBN 978-1-4051-6658-4. doi:10.1002/9781405166584 
  10. Fairchild, Mary (17 de março de 2017). «Eastern Orthodox Denomination». ThoughtCo. Consultado em 19 de outubro de 2018 
  11. a b Brien, Joanne O.; Palmer, Martin (2007). The Atlas of Religion. [S.l.]: University of California Press. p. 22. ISBN 978-0-520-24917-2. There are over 220 million Orthodox Christians worldwide. 
  12. a b «BBC – Religions – Christianity: Eastern Orthodox Church». www.bbc.co.uk 
  13. «The Patriarch Bartholomew». 60 Minutes. CBS. 20 de dezembro de 2009. Consultado em 26 de junho de 2021 
  14. «Biography - The Ecumenical Patriarchate». www.patriarchate.org. Consultado em 11 de dezembro de 2019 
  15. Winfield, Nicole; Fraser, Suzan (30 de novembro de 2014). «Pope Francis Bows, Asks For Blessing From Ecumenical Patriarch Bartholomew In Extraordinary Display Of Christian Unity». Huffington Post. Consultado em 11 de dezembro de 2019. Arquivado do original em 17 de março de 2016 
  16. Finding Global Balance. [S.l.]: World Bank Publications. 2005. Consultado em 2 de agosto de 2015 
  17. Ware 1993, p. 8.
  18. «The Orthodox Faith – Volume I – Doctrine and Scripture – The Symbol of Faith – Church». www.oca.org. Consultado em 27 de julho de 2020 
  19. Meyendorff, John (1983). Byzantine Theology: Historical Trends and Doctrinal Themes. [S.l.]: Fordham University Press 
  20. Peter, Laurence (17 de outubro de 2018). «Orthodox Church split: Five reasons why it matters». BBC 
  21. «Orthodox Christianity's geographic center remains in Central and Eastern Europe». Pew Research Center's Religion & Public Life Project. 8 de novembro de 2017. Consultado em 9 de dezembro de 2020 
  22. Harriet Sherwood (13 de janeiro de 2016). «Christians flee growing persecution in Africa and Middle East». The Guardian 
  23. Huma Haider University of Birmingham (16 de fevereiro de 2017). «K4D The Persecution of Christians in the Middle East» (PDF). Publishing Service U.K. Government 
  24. Parry, Dimitri; Melling, Sidney H.; Brady; Griffith, David J.; Healey, eds. (1 de setembro de 2017). «Eastern Orthodox». The Blackwell Dictionary of Eastern Christianity. Oxford, UK: Blackwell Publishing Ltd. pp. 169–70. ISBN 978-1-4051-6658-4. doi:10.1002/9781405166584 
  25. a b Prokurat, ed. (1996). «ECUMENICAL COUNCILS». Historical dictionary of the Orthodox church. [S.l.]: Scarecrow Press. pp. 114–5. ISBN 0-8108-3081-7. OCLC 797749844 
  26. a b Parry, Dimitri; Melling, Sidney H.; Brady; Griffith, David J.; Healey, eds. (1 de setembro de 2017). «ecumenical councils». The Blackwell Dictionary of Eastern Christianity. Oxford, UK: Blackwell Publishing Ltd. pp. 171–2. ISBN 978-1-4051-6658-4. doi:10.1002/9781405166584 
  27. Cleenewerck 2009, pp. 100–101.
  28. «About Orthodox». Saint Mary Antiochian Orthodox Church, Pawtucket, RI. Consultado em 4 de maio de 2014 
  29. «To be an Orthodox Christian ....». Orthodox Christian Church in Thailand (Moscow Patriarchate). Consultado em 4 de maio de 2014 
  30. Richard R. Losch (1 de maio de 2002). The Many Faces of Faith: A Guide to World Religions and Christian Traditions. [S.l.]: Wm. B. Eerdmans Publishing. ISBN 978-0-8028-0521-8 
  31. The monks of Decani Monastery, Kosovo. «The Orthodox Church, An Introduction». Orthodox Christian Information Center. Consultado em 3 de maio de 2014 
  32. «What We Believe». The Orthodox Church. The Diocese of Eastern Pennsylvania, Orthodox Church in America. Consultado em 3 de maio de 2014 
  33. «About Orthodoxy». The Orthodox Church. Berlin, MD: Christ the Saviour Orthodox Church. Consultado em 3 de maio de 2014 
  34. «The Holy Orthodox Christian Church: Its Faith and Life». ArchangelsBooks.com. Consultado em 4 de maio de 2014 
  35. «Orthodox Christianity – Introduction». Serbian Orthodox Diocese of Ras and Prizren. Consultado em 4 de maio de 2014 
  36. «About Orthodoxy». Holy Ascension Orthodox Church, Frackville, PA. Consultado em 4 de maio de 2014 
  37. «Eastern Orthodoxy | Definition, Origin, History, & Facts | Britannica». www.britannica.com. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  38. Merriam-Webster Encyclopedia of World Religions 1999, p. 309: "The official designation of the church in Eastern Orthodox liturgical or canonical texts is 'the Orthodox Catholic Church.'".
  39. Ware 1993, p. 307.
  40. Fitzgerald 1998, p. 8.
  41. De Vie 1945.
  42. Nielsen, Johnson & Ellis 2001, p. 248 "In the Eastern Orthodox Catholic Church, authority".
  43. Fortescue 1908, p. 255 "it is all gathered together and still lives in the Holy Apostolic Orthodox Catholic Church of the Seven Councils.".
  44. Schadé Encyclopedia of World Religions 2006.
  45. Losch 2002, p. 76.
  46. Merriam-Webster Encyclopedia of World Religions 1999, pp. 309–310.
  47. «The Longer Catechism of The Orthodox, Catholic, Eastern Church». Pravoslavieto.com. Consultado em 27 de setembro de 2021 
  48. Encyclopædia Britannica Online, "Eastern Orthodoxy".
  49. Fitzgerald, Thomas (9 de janeiro de 1996). «The Orthodox Church: An Introduction». Greek Orthodox Archdiocese of America. Consultado em 11 de junho de 2016. Arquivado do original em 3 de junho de 2016 
  50. Atos dos Apóstolos 11:19-26
  51. a b c d e f WARE, Kallistos. The Orthodox Church
  52. Decisões do Concílio de Niceia em italiano
  53. Decisões do Concílio de Niceia em inglês
  54. Radeck, Francisco; Dominic Radecki (2004). Tumultuous Times - Twenty General Councils Of The Catholic Church & Vatican II And Its Aftermath.] St. Joseph's Media, p. 79. ISBN 978-0-9715061-0-7.
  55. «Philip Schaff: NPNF2-14. The Seven Ecumenical Councils - Christian Classics Ethereal Library». www.ccel.org. Consultado em 23 de fevereiro de 2022 
  56. Malankara Mar Thoma Syrian Church: Heritage
  57. CNEWA: The Chaldean Catholic Church
  58. Greek Orthodox Archdiocese of America: Fourth Ecumenical Council
  59. Got Questions? "What is Coptic Christianity, and what do Coptic Christians believe?"
  60. «The Seventh Ecumenical Council - Theology - Greek Orthodox Archdiocese of America». www.goarch.org (em inglês). Consultado em 23 de fevereiro de 2022 
  61. История на Първото българско Царство. II. От славянизацията на държавата до падането на Първото царство (852—1018), por Vasil Zlatarski. (em macedônio)
  62. Philip Schaff, Conflict of the Eastern and Western Churches
  63. PHOTIOS, St. The Mystagogy of the Holy Spirit
  64. Wells, Colin (2006). Sailing from Byzantium: How a Lost Empire Shaped the World. Nova Iorque: Bantam Dell. ISBN 9780553382730 
  65. a b Audiência Geral do Papa Bento XVI, 17 de junho de 2009. Visitado em: 17 de janeiro de 2017.
  66. Vlasto, A. P. (1970). The Entry of the Slavs into Christendom: An Introduction to the Medieval History of the Slavs. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 978-0-521-07459-9 
  67. Touchstone The Thessalonian Brothers, por Mark Eliot Nuckols. Visitado em: 17 de janeiro de 2017.
  68. «Ninth Ecumenical Council - OrthodoxWiki». orthodoxwiki.org. Consultado em 23 de fevereiro de 2022 
  69. Parry, Ken; David Melling (editors) (1999). The Blackwell Dictionary of Eastern Christianity. Malden, MA.: Blackwell Publishing. p. 490. ISBN 0-631-23203-6 
  70. KIDD, B. J. The Churches of Eastern Christendom, p. 304.
  71. Pew Research Center, "Religious composition of adults in Alaska"
  72. Ostling, Richard. "Cross meets Kremlin", TIME Magazine, 24 June 2001. Retrieved 7 April 2008. Arquivado julho 22, 2007 no WebCite
  73. Доклад Святейшего Патриарха Кирилла на Архиерейском Соборе Русской Православной Церкви (2 февраля 2016 года) / Официальные документы / Патриархия.ru
  74. «Cópia arquivada». Consultado em 5 de setembro de 2015. Arquivado do original em 8 de dezembro de 2007 
  75. David Holley (18 de maio de 2007). «Russian Orthodox split is mended». Los Angeles Times  (em inglês)
  76. a b «Eastern Orthodox Church». BBC. Consultado em 26 de julho de 2015 
  77. a b «Eastern Orthodoxy». www.religionfacts.com. Consultado em 26 de julho de 2015. Arquivado do original em 27 de junho de 2015 
  78. «The Primacy of the See of Constantinople in Theory and Practice* - Theology - Greek Orthodox Archdiocese of America». www.goarch.org. Consultado em 9 de dezembro de 2020 
  79. «First Without Equals – A Response to the Text on Primacy of the Moscow Patriarchate». ocl.org. Consultado em 9 de dezembro de 2020 
  80. «Archpriest Vadim Leonov. Constantinople Papism». OrthoChristian.Com. Consultado em 9 de janeiro de 2019 
  81. «Archpriest Andrei Novikov. The Apotheosis of Eastern Papism». OrthoChristian.Com. Consultado em 9 de janeiro de 2019 
  82. «Ecumenical Patriarch: Allegations spread about "papal claims" of the Ecumenical Patriarchate are completely false». Orthodox Times. 14 de dezembro de 2020. Consultado em 15 de dezembro de 2020 
  83. Morris, Fr. John (Outubro de 2007). «An Orthodox Response to the Recent Roman Catholic Declaration on the Nature of the Church». The Word (Outubro de 2007). Consultado em 22 de maio de 2014 
  84. Salamone, Frank A. (2004). Levinson, David, ed. Encyclopedia of Religious Rites, Rituals, and Festivals. New York: Routledge. 304 páginas. ISBN 0-415-94180-6 
  85. «The Orthodox Churches – The Holy and Great Council of the Orthodox Church». www.holycouncil.org 
  86. Testorides, Konstantin. «Churches of Serbia, North Macedonia, end decades-old dispute». ABC. Associated Press. Consultado em 25 de maio de 2022. Cópia arquivada em 25 de maio de 2022 
  87. «List of autocephalous and autonomous churches - OrthodoxWiki». orthodoxwiki.org. Consultado em 23 de fevereiro de 2022 
  88. «Orthodox World Churches». www.oca.org. Consultado em 23 de fevereiro de 2022 
  89. «Eastern Orthodoxy». World Council of Churches (em inglês). Consultado em 23 de fevereiro de 2022 
  90. «Iglesias ortodoxas (bizantinas) | World Council of Churches». www.oikoumene.org. Consultado em 23 de fevereiro de 2022 
  91. «BBC - Religions - Christianity: Eastern Orthodox Church». www.bbc.co.uk (em inglês). Consultado em 23 de fevereiro de 2022 
  92. «Orthodoxy in China». www.orthodox.cn. Consultado em 23 de fevereiro de 2022 
  93. «Igreja da Macedônia recebe tomos de autocefalia da Igreja Séria». www.oorthochristian.com/. Consultado em 22 de dezembro de 2022 
  94. a b «OCU сlaims to be recognized by Alexandrian Church - RISU». Religious Information Service of Ukraine (em inglês). Consultado em 23 de fevereiro de 2022 
  95. a b «Metropolitan Epiphanius: The Church of Greece recognized de facto our Church (upd)». Orthodox Times (em inglês). 29 de julho de 2019. Consultado em 23 de fevereiro de 2022 
  96. a b «Ecumenical Patriarchate's official website lists Orthodox Church of Ukraine - RISU». Religious Information Service of Ukraine (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  97. a b «The document of the recognition of the Church of Greece has arrived in Kyiv (upd)». Orthodox Times (em inglês). 29 de outubro de 2019. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  98. a b «Patriarchate of Alexandria recognizes Autocephalous Church of Ukraine (upd)». Orthodox Times (em inglês). 8 de novembro de 2019. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  99. a b «Archbishop of Cyprus commemorates Metropolitan Epifaniy of Kyiv for first time (upd)». Orthodox Times (em inglês). 24 de outubro de 2020. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  100. «Epifaniy: Orthodox Church of Ukraine counts nearly 7,000 parishes and is open to other communities». risu.org.ua. Consultado em 10 de janeiro de 2019 
  101. «Igreja Ortodoxa Russa rompe com Patriarcado de Constantinopla». G1. 15 de outubro de 2018 
  102. «Church of Antioch breaks off eucharistic communion with Patriarchate of Jerusalem». Orthodox Christianity (em inglês). 5 de maio de 2014 
  103. «Major branches of religions ranked by number of adherents». adherents.com. Consultado em 22 de maio de 2014. Cópia arquivada em 19 de agosto de 1999 
  104. Yearbook of International Religious Demography 2015. [S.l.]: Brill. 29 de junho de 2015. p. 156. ISBN 978-90-04-29739-5 
  105. «Orthodox Christianity in the 21st Century». Pew Research Center's Religion & Public Life Project. 8 de novembro de 2017. Consultado em 24 de maio de 2021 
  106. a b «Orthodox belonging to Church – 41%». sreda.org. Moscow. 19 de outubro de 2012 
  107. a b c d e f g h i j k l m n  Este artigo incorpora material em domínio público do sítio eletrônico ou documento de CIA World Factbook.
  108. Sintia Radu, Orthodoxism Is Declining in the Overall Christian Population U.S. News (6 de dezembro de 2017).
  109. Veronis, Luke (21 de março de 2011), «Orthodox Missions», Encyclopedia of Christianity Online (em inglês), Brill, consultado em 8 de dezembro de 2021 
  110. Sparkle Design Studio. «Опитування: Віруючим якої церкви, конфесії Ви себе вважаєте? // Центр Разумкова». Arquivado do original em 8 de abril de 2014 
  111. «Religion and denominations in the Republic of Belarus by the Commissioner on Religions and Nationalities of the Republic of Belarus from November 2011» (PDF) 
  112. «Tieslietu ministrija iesniegtie religisko organizaciju parskati par darbibu 2011. gada» (em letão). Consultado em 25 de julho de 2012. Arquivado do original em 26 de novembro de 2012 
  113. "Statistical database: Population Census 2000 – Religious affiliation" . Statistics Estonia. 22 de outubro de 2002. Acessado em 18 de fevereiro de 2011
  114. Table 28, 2013 Census Data – QuickStats About Culture and Identity – Tables.
  115. «Kyrgyzstan». State.gov. Consultado em 17 de abril de 2010 
  116. Lebanon – International Religious Freedom Report 2010 U.S. Department of State. Acessado em 14 de fevereiro de 2010.
  117. a b Maria Hämmerli; Jean-François Mayer (28 de agosto de 2014). Orthodox Identities in Western Europe: Migration, Settlement and Innovation. [S.l.]: Ashgate Publishing, Ltd. p. 229. ISBN 978-1-4094-6754-0 
  118. Arthur Aughey; John Oakland (17 de dezembro de 2013). Irish Civilization: An Introduction. [S.l.]: Routledge. p. 99. ISBN 978-1-317-67850-2 
  119. «Number of Orthodox Christians in Ireland doubled over five years». pravoslavie.ru. Moscow: Sretensky Monastery. 1 de novembro de 2012. Consultado em 23 de maio de 2014 
  120. a b «Orthodox Christianity's geographic center remains in Central and Eastern Europe». Pew Research Center's Religion & Public Life Project. 8 de novembro de 2017. Consultado em 24 de maio de 2021 
  121. Jones, Whitney (6 de outubro de 2010). «Report finds strong growth in U.S. Orthodox Churches». huffingtonpost.com. New York. Religion News Service. Consultado em 23 de maio de 2014. Cópia arquivada em 10 de outubro de 2010 
  122. İçduygu, Ahmet; Toktaş, Şule; Soner, B. Ali (1 de fevereiro de 2008). «The politics of population in a nation-building process: emigration of non-Muslims from Turkey». Ethnic and Racial Studies. 31 (2): 358–389. doi:10.1080/01419870701491937 
  123. «Chapter The refugees question in Greece (1821–1930) in "Θέματα Νεοελληνικής Ιστορίας", ΟΕΔΒ ("Topics from Modern Greek History"). 8th edition» (PDF). Nikolaos Andriotis. 2008 
  124. Quarterly, Middle East (2001). «'Editors' Introduction: Why a Special Issue?: Disappearing Christians of the Middle East» (PDF). Editors' Introduction. Middle East Quarterly. Consultado em 11 de junho de 2013 
  125. «Global Christianity – A Report on the Size and Distribution of the World's Christian Population» (PDF). Pew Research Center 
  126. Shipman, Andrew (1913). «Ruthenian Rite». Catholic Encyclopedia (em inglês). 13. Nova Iorque: Robert Appleton Company. Consultado em 4 de março de 2018 
  127. Suprun, A.E.; Moldovan, A.M. (2005). «Старославянский и церковнославянский язык». In: A.A. Kibrik. Славянские языки. Col: Языки мира. Moscou: Academia. pp. 29—69. ISBN 978-5-4469-0830-1 
  128. Wolves, Max (2005). Orthodox Worship in the Georgian Context (Tese) (em inglês). Consultado em 4 de março de 2018 
  129. «საქართველოს ეკლესიის წმიდა სინოდის: 2003 წლის 18 აგვისტოს კრების განჩინება». Orthodoxy.ge (em georgiano). Consultado em 4 de março de 2018 
  130. «Что такое единоверие?». Pravaya.ru (em russo). Consultado em 4 de março de 2018 
  131. Keller, Fr. Hieromonk Aidan (2002). Amalfion: Western Rite Monastery of Mt. Athos (PDF) (Tese) (em inglês). Austin (TX): St. Hilarion Press. Arquivado do original (PDF) em 12 de janeiro de 2012 
  132. «Breve História da Ortodoxia no Brasil». Igreja Ortodoxa Antioquina. Consultado em 2 de fevereiro de 2022 
  133. «الصفحة 10 (08-08-1997)» (em árabe). addiyar.com. Consultado em 2 de fevereiro de 2022 
  134. IBGE. Tabela 1.4.1 - População residente, por situação do domicílio e sexo, segundo os grupos de religião - Brasil - 2010.
  135. «Ortodoxia Portugal». Consultado em 2 de abril de 2016. Arquivado do original em 19 de abril de 2016 
  136. INE - Censos 2011: População residente com 15 e mais anos de idade (N.º) por Local de residência (à data dos Censos 2011) e Religião; Decenal
  137. «Eparquia Ortodoxa do Brasil». www.igrejaortodoxa.com. Consultado em 23 de fevereiro de 2022 
  138. «Ioannis (Tsaftarides) of Zambia - OrthodoxWiki». orthodoxwiki.org. Consultado em 23 de fevereiro de 2022 
  139. INE: Apresentação dos resultados definitivos e de indicadores sócio-demográficos do Censo 2007 Arquivado em 18 de abril de 2016, no Wayback Machine.

Ligações externas

[editar | editar código-fonte]
Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons
Wikinotícias Categoria no Wikinotícias